Edição digital
Assine já
Construção

Empreitada da Ligação Intermodal Pinhal Novo Sul já está no terreno.

Câmara Municipal de Palmela anunciou o arranque da empreitada “Ligação Intermodal Pinhal Novo Sul”, adjudicada por quase 166 mil euros, e com um prazo de execução de 90 dias

CONSTRUIR
Construção

Empreitada da Ligação Intermodal Pinhal Novo Sul já está no terreno.

Câmara Municipal de Palmela anunciou o arranque da empreitada “Ligação Intermodal Pinhal Novo Sul”, adjudicada por quase 166 mil euros, e com um prazo de execução de 90 dias

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Madeira e Açores atraem cada vez mais estrangeiros para residir
Imobiliário
Grupo Garland expande porfólio para Sul
Imobiliário
Águas de Santo André investem 1,3M€ no abastecimento de água à Zona Industrial de Sines
Construção
Dstgroup integra programa empresarial ‘FEUP Prime’
Engenharia
Metro do Porto lança concurso de 4,9 milhões de euros para sinalização das novas oficinas em Gaia
Construção
Covilhã: Antigo edifício do CITEVE irá receber hospital privado
Construção
Opinião: “2023 entre a incerteza e o impulso”
Opinião
A ‘viagem’ de Souto de Moura em exposição em Seul
Arquitectura
StartUp Barreiro e Atlantic Hub debatem sobre futuro das empresas e poder das marcas na sustentabilidade
Empresas
Imobiliário: Norte-americanos vão continuar a apostar em Portugal em 2023
Imobiliário

ObrasA Câmara Municipal de Palmela anunciou o arranque da empreitada “Ligação Intermodal Pinhal Novo Sul”, adjudicada por quase 166 mil euros, e com um prazo de execução de 90 dias.

A obra, que levou já à interdição do estacionamento na zona de intervenção – uma área com 5.300 metros quadrados- ,, visa contribuir “para o ordenamento e qualificação do espaço público e da entrada sul da estação, bem como para imprimir uma nova dinâmica e centralidade à zona sul de Pinhal Novo”.

Segundo a autarquia, o projecto pretende promover a mobilidade “suave e sustentável”, incentivando o uso do transporte público, em detrimento do transporte em veículo automóvel individual. Está previsa a criação de 80 lugares de estacionamento, bem como uma “avenida pedonal” que fará a ligação da Rua Infante D Henrique à entrada da estação ferroviária, e uma via para ciclistas e pões, que ligará a entrada sul da estação ao caminho pedonal a nascente do estacionamento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Madeira e Açores atraem cada vez mais estrangeiros para residir
Imobiliário
Grupo Garland expande porfólio para Sul
Imobiliário
Águas de Santo André investem 1,3M€ no abastecimento de água à Zona Industrial de Sines
Construção
Dstgroup integra programa empresarial ‘FEUP Prime’
Engenharia
Metro do Porto lança concurso de 4,9 milhões de euros para sinalização das novas oficinas em Gaia
Construção
Covilhã: Antigo edifício do CITEVE irá receber hospital privado
Construção
Opinião: “2023 entre a incerteza e o impulso”
Opinião
A ‘viagem’ de Souto de Moura em exposição em Seul
Arquitectura
StartUp Barreiro e Atlantic Hub debatem sobre futuro das empresas e poder das marcas na sustentabilidade
Empresas
Imobiliário: Norte-americanos vão continuar a apostar em Portugal em 2023
Imobiliário
Imobiliário

Madeira e Açores atraem cada vez mais estrangeiros para residir

“Grande parte dos nossos clientes, mais de 35%, é proveniente dos EUA, seguidos pela Grã-Bretanha, com mais de 25%, que procuram viver uma reforma tranquila ou para passar, pelo menos, seis meses do ano” em Portugal”, indica Michael Vincent, ceo da Berkshire Hathaway HomeServices | Portugal Property

CONSTRUIR

Os arquipélagos da Madeira e dos Açores são destinos de eleição para visitar e viver, mas também para investir. Ambas as regiões têm vindo a atrair atenções, de forma consistente, pela sua beleza natural, mas também pela sua localização estratégica, o que faz com que os respectivos mercados imobiliários se encontrem em franca expansão e com grande potencial de crescimento, como revela Michael Vincent, ceo da Berkshire Hathaway HomeServices | Portugal Property.

“As ilhas são um mercado privilegiado para o investimento imobiliário. A Berkshire Hathaway HomeServices | Portugal Property está presente na Madeira e está prestes a inaugurar o seu primeiro escritório nos Açores. A oportunidade de obter um Golden Visa, aliada à possibilidade de conseguir adquirir imóveis com preços competitivos proporcionam o ambiente ideal para investir, quer a título pessoal, quer comercial”, refere Michael Vincent.

“Actualmente, grande parte dos nossos clientes, mais de 35%, é proveniente dos EUA, seguidos pela Grã-Bretanha, com mais de 25%. Há cada vez mais olhos postos nos arquipélagos da Madeira e dos Açores que oferecem muitas vantagens para quem procura viver uma reforma tranquila ou para passar, pelo menos, seis meses do ano rodeado de sol, ar puro e natureza. O esquema NHR em vigor também é bastante atractivo para quem deseja passar mais tempo nestas regiões”, acrescenta.

Ao nível de faixas etárias e de perfis socioprofissionais Michael Vincent partilha que “a maioria dos nossos compradores encontram-se na faixa etária entre os 40 e os 60 anos; são pessoas que desejam passar aqui a reforma ou famílias que desejam trazer os seus filhos para terem uma vida melhor.”

A segurança, o clima agradável, com temperaturas amenas durante todo o ano e a grande beleza natural, aliada a um custo de vida acessível, quando comparadas com outras cidades europeias, são algumas das vantagens.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Grupo Garland expande porfólio para Sul

“Esta aposta a Sul é mais uma meta relevante na história da Garland Logistics, pois a partir deste momento o grande desafio é passar a discutir a liderança do mercado logístico nacional”, indica Ricardo Sousa Costa, membro do conselho de administração do Grupo Garland e CEO da Garland Logistics

CONSTRUIR

O Grupo Garland, especialista nacional nas áreas de logística, transportes e navegação, abre mais um centro logístico, em Alcochete. Com 15 mil m2 e capacidade para movimentar 26 mil paletes, o novo centro permite à Garland Logistics, empresa do Grupo, dedicada a esta área, aumentar a sua representação na área sul do país e, assim, equilibrar a sua cobertura nacional.

“Já tínhamos uma boa cobertura das áreas Norte e Centro do país, onde se concentra um maior número de empresas industriais, e queríamos que a nossa expansão, sobretudo neste período em que temos sentido uma maior procura pelos nossos serviços a nível nacional, ficasse mais equilibrada. Com este novo armazém, passamos a disponibilizar dois centros logísticos modernos, seguros e com boa performance ambiental para cobrir toda a área sul do país”, explica Ricardo Sousa Costa, membro do conselho de administração do Grupo Garland e CEO da Garland Logistics.

Segundo o responsável, a Garland está a desenvolver uma forte aposta comercial nesta zona do país e cerca de 30% do novo centro logístico de Alcochete está já ocupado, fruto das suas características diferenciadoras, visto que está equipado com um completo sistema de sprinklagem e dispõe também de uma nave com temperatura controlada, assim como 38 cais desnivelados.  “Esta aposta a Sul é mais uma meta relevante na história da Garland Logistics, pois a partir deste momento o grande desafio é passar a discutir a liderança do mercado logístico nacional”, acrescenta Ricardo Sousa Costa.

Com uma forte expansão no sector logístico em Portugal, a Garland passou em 2022 de um parque com 91.500 m2 para um com 163.000 m2, distribuídos por centros logísticos em Cascais (7.000 m2), Alcochete (15.000 m2), Aveiro (35.500 m2), Vila Nova de Gaia (91.500m2) e Maia (14.000 m2).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Águas de Santo André investem 1,3M€ no abastecimento de água à Zona Industrial de Sines

A Águas de Santo André está comprometida em continuar a reforçar o investimento na região para contribuir para a qualidade de vida das populações que serve, segundo adianta a empresa em comunicado

CONSTRUIR

A Águas de Santo André assinou o contrato para a execução da Empreitada de “Reforço do abastecimento de Água Potável à ZILS Norte”, representando um investimento de aproximadamente 1,3 milhões de euros, uma obra entregue à empresa Submerci.

Esta obra, com uma duração prevista de 365 dias, irá promover um aumento significativo da resiliência e fiabilidade do sistema de abastecimento de água potável à Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS) Norte, reforçando assim a melhoria das condições existentes, aumentando a capacidade de resposta da AdSA perante crescimento previsto para o complexo industrial de Sines.

O projeto de execução preconiza a substituição parcial de uma das condutas existentes, implantação das novas condutas junto aos atuais traçados, numa extensão total de cerca de 4,5 km, que permitirá o abastecimento de cerca de 1,5 milhões de m3por ano, de água potável à ZILS, através desta infraestrutura.

A Águas de Santo André está comprometida em continuar a reforçar o investimento na região para contribuir para a qualidade de vida das populações que serve, bem como para a preservação da qualidade do ambiente, sendo um pilar fundamental para o desenvolvimento sustentável da Zona Industrial e Logística de Sines, afirmando-se como uma empresa de referência no setor do ambiente em Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

Dstgroup integra programa empresarial ‘FEUP Prime’

O programa “FEUP PRIME – Corporate Membership Programme”, lançado em 2009, tem como objectivo aproximar empresas e a universidade e facilitar a realização de projectos conjuntos, em particular de investigação e inovação

CONSTRUIR

A Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) integrou o dstgroup no programa “FEUP PRIME – Corporate Membership Programme”. Numa cerimónia pública de homenagem e reconhecimento que decorreu na FEUP e que contou com a presença de José Machado, director de Recursos Humanos, “a faculdade reconhece assim a relação duradoura do dstgroup com os seus departamentos de engenharia, o seu contributo para a missão da FEUP e para a sua aproximação com a realidade empresarial”.

Cada empresa nomeada foi chamada a receber o diploma de “FEUP Affiliate”, ou seja, o reconhecimento enquanto empresa com fortes relações com os departamentos da FEUP, através da colaboração em dissertações, estágios, projetos, projetos de I&D, entre outros.

O programa “FEUP PRIME – Corporate Membership Programme”, lançado em 2009, tem como grande objectivo aproximar empresas e a universidade e facilitar a realização de projectos conjuntos, em particular de investigação e inovação. Da mesma forma, permite às empresas estabelecer uma ligação directa às fontes de talento e conhecimento, proporcionando-lhes uma vantagem competitiva.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Metro do Porto lança concurso de 4,9 milhões de euros para sinalização das novas oficinas em Gaia

Metro do Porto lança concurso público de 4,9 milhões de euros para sinalização do novo Parque de Material e Oficinas de Vila d’Este, em construção no âmbito da extensão da Linha Amarela, em Gaia

CONSTRUIR

O valor base do concurso público, lançado pela Metro do Porto para o novo Parque de Material e Oficinas de Vila d’Este, em Vila Nova de Gaia, é de 4,9 milhões de euros. O prazo de execução do contrato a assinar será de 30 meses e os potenciais concorrentes podem apresentar propostas até ao início de Março.

O anúncio de procedimento do “Concurso Público para o Projecto, Fornecimento, Instalação, Testes e Colocação ao Serviço do Sistema de Sinalização do PMO [Parque de Material e Oficinas] de Vila d’Este” foi esta, segunda-feira, publicado em Diário da República (DR).

O PMO de Vila d’Este está a ser construído no âmbito da extensão da Linha Amarela (D), entre Santo Ovídio e Vila d’Este, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, e tem conclusão prevista para o final do ano.

A 28 de Outubro, a Metro do Porto admitiu alterações ao processo de manutenção dos veículos no âmbito da construção do novo PMO em Vila d’Este, mas não sairá de Guifões, em Matosinhos.

“Relativamente à manutenção haverá uma alteração por força da entrada em serviço do PMO de Vilar de Andorinho”, freguesia onde se situa Vila d’Este, segundo fonte oficial da Metro do Porto à Lusa.

A empresa assegurou também que “não” sairá das actuais instalações no concelho de Matosinhos, e que “o Parque de Material e Oficinas de Vilar de Andorinho será complementar ao que existe em Guifões”.

O novo PMO servirá “para aumentar a capacidade e aumentar a eficiência, nomeadamente energética, melhorando o indicador de quilómetros (kms) em vazio, estando previsto funcionar para aparcamento do material circulante das linhas Rosa, Rubi e Amarela”, segundo a empresa.

Ficará situado entre as futuras estações do Hospital Santos Silva e Vila d’Este, parte da extensão que também inclui a estação Manuel Leão, à qual o metro chegará vindo da actual estação de Santo Ovídio, através de um viaduto.

As obras de prolongamento da Linha Amarela (em Vila Nova de Gaia) e a construção da Linha Rosa (no Porto, entre São Bento e Casa da Música) representam no total um acréscimo de seis quilómetros e sete estações à rede de metro do Porto e um investimento total superior a 400 milhões de euros.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Covilhã: Antigo edifício do CITEVE irá receber hospital privado

Com um investimento avaliado em 30M€ este será o primeiro hospital privado da Covilhã e resulta da renovação do antigo edifício do CITEVE

CONSTRUIR

O Fundo C2 MedCapital, lançado no final de 2020, vai desenvolver em parceria com a FPT Biomass, do investidor Carlos Alegria, e a AFFIS, empresa local detida pela A. Fernandes SGPS, o primeiro hospital privado da Covilhã.

Com uma área de oito mil metros quadrados (m2) , este projecto representa um investimento avaliado em 30 milhões de euros e será o primeiro hospital privado da Covilhã, tendo como objectivo tornar-se a unidade hospitalar privada de referência na região das Beiras, contando ainda com potencial de expansão no futuro e capacidade de investimento em oferta adicional na região.

O futuro hospital resulta da renovação do antigo edifício onde se encontrava localizado o Centro Tecnológico da Indústria Têxtil e Vestuário (CITEVE), cujas obras deverão arrancar ainda na primeira metade de 2023. A sua conclusão está prevista para meados de 2024.

O Hospital estará alicerçado num corpo clínico local e estável, com profissionais de saúde formados localmente, alavancando a ligação à Faculdade de Medicina da Universidade da Beira Interior (UBI) e o protocolo de colaboração que está a ser estabelecido entre as partes. O Hospital pretende também atrair profissionais de saúde de outras regiões para o desenvolvimento deste projeto.

O Hospital Privado da Covilhã terá todas as valências, especialidades e áreas de cuidados de saúde – consultas, bloco operatório, internamento, serviço completo de Imagiologia, meios complementares de diagnóstico e terapêutica de um leque alargado de especialidades e atendimento permanente, bem como uma residência sénior. Além disso, o hospital estará alicerçado num corpo clínico local e estável, com profissionais de saúde formados localmente, alavancando a ligação à Faculdade de Medicina da Universidade da Beira Interior (UBI) e o protocolo de colaboração que está a ser estabelecido entre as partes.

O Fundo C2 MedCapital foi criado há pouco mais de dois anos por Simão Fezas Vital e Jorge Santos, Operating Partners da C2 Capital Partners, que somam, no seu conjunto, 20 anos de experiência em fusões e aquisições, e planeamento estratégico e operacional no sector da saúde.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Opinião

Opinião: “2023 entre a incerteza e o impulso”

2023 será seguramente um ano marcado pela Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade (VUCA), sobretudo para uma economia periférica e pequena como a nossa

Mário Barata

O grande indicador do ano de 2022 foi a inflação. Tivemos de aprender a viver com ela e a ler indicadores de inflação.
Trimestre após trimestre, estivemos à espera de ver atingido o pico da inflação, mas tal não sucedeu, embora tudo indique que o mesmo possa ser atingido no último trimestre de 2022.

Neste momento, todos os indicadores para 2023 dão como certa uma descida da inflação. A questão é saber se fica em valores controláveis, ou mesmo que se verifique uma descida, se a sua média será superior a 5%.

Finalmente, as taxas de juro que se espera que subam mais alguns pontos percentuais, encarecendo o valor do dinheiro como forma de controlar a inflação. Mas será esta medida ainda eficaz, ou será que o estímulo económico por parte do estado, o reforço da criação de empresas, aumentando a oferta disponível no mercado, obrigando os preços a estarem a um nível mais competitivo será tão ou mais importante?

Desta forma, antevejo para 2023 um ano a duas velocidades, o primeiro semestre ainda marcado pela inflação e subida das taxas de juro e no segundo semestre uma eventual descida da inflação e estabilização em baixa das taxas de juro.

Também nos diferentes mercados, o profissional (B2B) e o residencial (B2C) iremos ter diferentes “acelerações”, pois no mercado B2B após um ano de abrandamento na tendência de crescimento na área da construção, em 2023 irá estabilizar e retomar o seu crescimento. No que respeita ao mercado B2C, irá no primeiro semestre de 2023 estabilizar em baixa e talvez no segundo semestre possa crescer de forma ténue.

No sector da Construção e do Imobiliário, espera-se que se consiga inverter em 2023 o problema da escassez de mão de obra qualificada, a sua manutenção e “atração de talento”, um dos maiores problemas do sector nos últimos tempos, conseguindo assim manter este sector num dos mais relevantes e resilientes do mercado em Portugal.

Devido à crise energética que estamos neste momento a viver, originada pela conjuntura atual, está criada para o ano de 2023 uma grande oportunidade na área da eficiência energética e tecnológica, que irá permitir às empresas que dominam esta área terem um desempenho provavelmente acima da média.
A implementação do PRR e do 2030, poderá ser uma grande alavanca de crescimento económico no nosso setor, pois a reabilitação, a reconstrução e a eficiência energética estarão na vanguarda da implementação dos mesmos.

Portanto, face aos fatores atrás descritos, 2023 será seguramente um ano marcado pela Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade (VUCA), sobretudo para uma economia periférica e pequena como a nossa.

No que respeita ao mercado em que a LEDVANCE atua e, em particular no setor da Iluminação, a União Europeia implementou diretivas no âmbito da eficiência energética e ambiental. A Diretiva RoHS 2011/65/EU, com grandes implicações no nosso mercado, irá proibir a entrada no mercado europeu dos tubos fluorescentes e das lâmpadas fluorescentes compactas durante o próximo ano. Também a Diretiva Single Lighting Regulation (SLR) 2019/2020 irá banir do mercado europeu as lâmpadas de halogéneo de pinos a partir de 1 de setembro 2023. O cumprimento desta legislação abre mais uma janela de oportunidade para que as empresas que atuam no mercado da iluminação possam propor aos seus clientes soluções LED mais eficientes e amigas do Ambiente.
NOTA: O Autor escreve segundo o Novo Acordo Ortográfico

Sobre o autorMário Barata

Mário Barata

Diretor Geral / CEO da LEDVANCE Portugal
Mais artigos
Arquitectura

A ‘viagem’ de Souto de Moura em exposição em Seul

A partir de 17 de Janeiro, a Seoul Hall of Urbanism & Architecture, na Coreia do Sul, recebe a exposição “Journey of an Architect” sobre os 12 projectos mais representativos do arquitecto português

CONSTRUIR

“Journey of an Architect” é o título da exposição dedicada à obra de Eduardo Souto de Moura que abre portas no dia 17 de Janeiro em Seul, na Coreia do Sul, no âmbito de um protocolo de colaboração entre a Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura e o Seoul Hall of Urbanism & Architecture, com o apoio da embaixada de Portugal em Seul.

A exposição sobre a obra de Souto de Moura, Prémio Pritzker 2011, irá incidir sobre uma selecção de doze projectos representados através de maquetes originais, reproduções autenticadas de desenhos, esquissos, estudos de concepção e desenhos técnicos e também fotografias das obras da autoria do fotógrafo Luis Ferreira Alves, cujo acervo de fotografia de arquitetura se encontra na Casa da Arquitectura.

O Seoul Hall of Urbanism & Architecture é uma instituição cultural, focada na divulgação e promoção de Urbanismo e Arquitectura que vai acolher, de 1 de Setembro a 29 de Outubro, a 4ª Bienal de Arquitetura e Urbanismo de Seul 2023, dedicada ao tema “City of Mountain Ranges, Waterways, and Wind Breezes – Drawing of the Seoul’s next 100 years”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

StartUp Barreiro e Atlantic Hub debatem sobre futuro das empresas e poder das marcas na sustentabilidade

A Conferência organizada pela Atlantic Hub, “Atlantic Talks Barreiro: O futuro das empresas e o poder das marcas na defesa da sustentabilidade”, em parceria com a Câmara Municipal do Barreiro e StartUp Barreiro discutirá os novos cenários para a procura de novos talentos e como as empresas podem contribuir para um mundo mais sustentável

CONSTRUIR

O evento vai decorrer no dia 24 de Janeiro nas instalações da Startup Barreiro, no Parque Empresarial da Baía do Tejo, Rua 2, Edifício n.º 23 do Barreiro. A abertura estará a cargo de, Eduardo Migliorelli, o CEO da Atlantic Hub, explicará a importância das missões empresariais antes de iniciar o seu negócio em Portugal como vantagem competitiva.

“O emprego mudou: quais os cenários para a procura de novos talentos?” é o segundo painel, às 16h50, que contará com as presenças da Coordinator da StartUp Barreiro, Nádia Leitão, como moderadora e Ariane Gomes (Business Developer da Growyx), Hugo Nunes (Founder e CEO da Cosmic Futures), Rodrigo Varela (Country Manager da Blend It) e André Pereira e Yola Goulart (CEO’s e Founders da The Pear Mkt) como oradores.

A última sessão, às 17h30, “Sustentabilidade – Como podem as empresas contribuir?”, terá Andreia Mourão (Entrepreneur com a empresa Momentum), Miguel Fernandes (Chief Technology Officer da Witseed), Patrícia Saldanha (Sustainability Director da Ecologika), Pedro Coelho (Managing Partner da INODEV) e Verónica Pimenta (Entrepreneur na StartUp Barreiro) como oradores e Nádia Leitão (Coordinator da StartUp Barreiro) como moderadora.

O Atlantic Talks é uma iniciativa organizada pela Atlantic Hub, com o apoio do Atlantic Station, para que todas as empresas instaladas na incubadora do Atlantic Station tenham oportunidade de promover e divulgar os seus negócios. Promover e identificar os pontos fortes de cada região portuguesa para integrar o seu negócio é outro elemento desta actividade.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Imobiliário: Norte-americanos vão continuar a apostar em Portugal em 2023

Esta é uma das conclusões do relatório internacional Sotheby’s Luxury Outlook 2023, que apresenta as grandes tendências para o mercado imobiliário de luxo

CONSTRUIR

Com a valorização do dólar, é esperado que o investimento norte-americano continue a fazer uso do seu poder de compra no estrangeiro, em que Portugal surge como um dos grandes destaques. Esta é uma das conclusões do relatório internacional Sotheby’s Luxury Outlook 2023, que apresenta as grandes tendências para o mercado imobiliário de luxo.

“Ao lado de Espanha, Grécia, França e Itália, Portugal (Lisboa, Porto, Algarve e Madeira) já se colocou no top de destinos destes compradores de luxo”, refere o estudo. 

Recorde-se que em 2022, a Sotheby’s verificou que pela primeira vez os norte-americanos subiram ao top de investidores de imobiliário em Portugal, surgindo em primeiro lugar na compra de imóveis de luxo na região de Lisboa. “Um interesse que tem tido um crescimento consistente” e que, explica a Sotheby’s Realty, “registou recentemente um novo aumento da procura quando, em Novembro passado, o Turismo de Portugal fez uma acção de activação em Times Square, Nova Iorque, a propósito do lançamento da figura de Cristiano Ronaldo no Museu Madame Tussauds”.

Aos norte-americanos juntam-se os portugueses, os ingleses e os alemães no top de nacionalidades mais recorrentes entre os compradores em solo português no segmento de luxo. A segurança, qualidade de vida, hospitalidade dos portugueses, infraestruturas, educação e saúde surgem entre as qualidades mais valorizadas no País.

“A pandemia reforçou este interesse no imobiliário português com cada vez mais investidores a focarem-se em Portugal. Acredito que esta tendência de compradores de luxo norte-americanos se vai manter e crescer ainda mais nos próximos anos” explica Miguel Poisson, ceo da Portugal Sotheby’s Realty.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.