Edição digital
Assine já
    PUB
    Arquitectura

    “Um escritório novo, feito de coisas velhas”

    Localizado nuns antigos armazéns da Cooperativa de Palmela, os Escritórios Zircom configuram um projecto de reabilitação de património industrial e um projecto de reutilização de materiais provenientes de demolições

    CONSTRUIR
    Arquitectura

    “Um escritório novo, feito de coisas velhas”

    Localizado nuns antigos armazéns da Cooperativa de Palmela, os Escritórios Zircom configuram um projecto de reabilitação de património industrial e um projecto de reutilização de materiais provenientes de demolições

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Savills e DLA Piper lançam ‘Guia de Investimento Imobiliário’ para o mercado nacional
    Imobiliário
    Dom Pedro Golf Vilamoura conquista prémio ‘Resort de Golfe do Ano’
    Imobiliário
    Preços no mercado residencial de luxo tem crescimento médio de 4.1%
    Imobiliário
    AEP e ACP apelam para que Aeroporto Francisco Sá Carneiro não fique esquecido
    Construção
    NBS Summit com descarbonização do sector imobiliário na agenda
    Empresas
    Nova loja do Lidl recupera antiga gare rodoviária
    Empresas
    Zome organiza debate sobre manutenção de talento nas empresas no âmbito da 2ª Meet Up Zome
    Empresas
    Luísa Matos assume liderança da Cleanwatts
    Empresas
    APIMA Internacionaliza “Portugal Home Week” para a Coreia do Sul
    Empresas
    Há mais de 1000 hotéis à venda em Portugal
    Imobiliário

    Economia Circular e reutilização de materiais são conceitos que têm sido amplamente falados no sector da construção e que começam a dar os primeiros passos, mostrando que a ideia, para além de muito válida ao nível patrimonial, ambiental, cultural e social, pode ser o ponto de partida para soluções que se distinguem. Reutilizar materiais, numa sociedade em que se observa uma cultura de desperdício, integrando-os em novos projectos de arquitectura, foi o conceito que norteou o gabinete de arquitectura de Pedro Marques Alves no desenvolvimento do projecto para os Escritórios Zircom, uma empresa de demolições, que tem armazenado um conjunto de materiais recolhidos dessa mesma actividade – não fosse o sector da construção um dos grandes responsáveis pela produção de resíduos.
    Localizado nuns antigos armazéns da Cooperativa de Palmela, os Escritórios Zircom configuram um projecto de reabilitação de património industrial e um projecto-piloto de teste de reutilização de materiais provenientes de demolições, tais como madeiras, portas, elementos metálicos (escadas e guardas) e tijolos, entre outros. Segundo Pedro Marques Alves, “a introdução de novos materiais foi feita em contraste com os materiais existentes, e, os elementos estruturais e infra-estruturas foram mantidos à vista para reforçar o carácter industrial do edifício”.

    “Evidência incontornável”
    Para Pedro Marques Alves, assim que conheceu o cliente (Zircom), a disponibilidade destes materiais foi uma “evidência incontrolável”. “Se da parte da Zircom havia, e há, um desejo de lhes dar um futuro com valor acrescentado, da nossa parte houve desde logo uma empatia com esse princípio e com o potencial decorrente da qualidade destes materiais”, conta Pedro Alves ao CONSTRUIR. “Tratam-se de materiais que apesar das décadas (em alguns casos séculos) ao serviço de outros edifícios, e apesar das marcas superficiais (riscos, buracos de pregos, etc.) mantêm uma excelente qualidade estrutural”, sublinha.
    Pedro Alves acrescenta ainda que “no essencial, o edifício e os materiais disponíveis constituíam ‘ingredientes’ interessantes para o projecto, e coube ao projecto e ao processo de obra testar e garantir que a sua aplicação servia a qualidade e a organização espacial pretendida”.
    O “projecto-piloto”, como Pedro Alves o denominou, levou a que a equipa assumisse que “os desenhos não estavam fechados, mas sim em constante evolução”. Isto porque, explica, “perante a disponibilidade e escolha dos materiais, pequenas alterações iam tendo lugar e oportunidade de serem testadas”. “Foi possível testar as vantagens das diferentes formas de armazenamento, as diferentes formas de tratar os elementos recuperados antes da aplicação, as diferentes aplicações e fixações, a incorporação de outros elementos, e, o potencial das soluções. Neste projecto foi possível testar e até ‘errar’. Quer dos sucessos, quer dos ‘erros’, decorre a noção de que o potencial de reutilização destes materiais é enorme e tem um enorme número de possíveis aplicações”.
    Naturalmente, os grandes desafios do projecto estiveram relacionados com o uso de materiais que já tiveram um primeiro ciclo de vida, nomeadamente a madeira, o principal “ingrediente usado”. Mas esse foi também o aspecto inovador, uma vez que “o efeito da sua história [do material] – como buracos de pregos, riscos, entalhes ou tratamentos químicos -, faz parte da sua imagem” e importou “o recurso a uma paleta de materiais sóbria na qual a madeira pôde assumir o destaque”, bem como “um desenho capaz de incorporar as particularidades de cada peça de madeira sem deixar de assumir a contemporaneidade da intervenção”.

    Medidas e preocupações ecológicas
    As preocupações ao nível ambiental não se esgotaram na reutilização de materiais e na adopção de uma Economia Circular. Pedro Alves explica que, “para melhorar passivamente o comportamento térmico do edifício, ao nível da fachada foram aplicados novos caixilhos e, os elementos de betão revestidos a cortiça”.
    O arquitecto refere também que, outro aspecto deste conjunto de preocupações prende-se com a construção de um escritório “aberto” a diferentes ocupações. “Onde o acesso directo às infra-estruturas e uma organização espacial ‘desierarquizada’ permite a sua rápida adaptação a diferentes tipos e ritmos de trabalho, reduzindo potenciais esforços e desperdícios numa futura nova transformação”.

    “Os clientes foram parte integrante das soluções”
    Pedro Alves confidencia ao CONSTRUIR que, os clientes foram “igualmente responsáveis pela execução da obra”, uma vez que, “conhecendo na íntegra todo o processo, do esquisso à construção, são também parte integrante das soluções que se foram moldando”. Rita Moura, engenheira e administradora da Zircom, confirma o sucesso do resultado final: “Mais que um conjunto de adjectivos, há que referir o conforto de trabalhar num espaço singular. Conforto que advém de uma envolvente com presença, onde uma porta ou o revestimento de uma parede são mais do que isso, têm o carácter próprio de materiais que já foram vividos. A cumplicidade com o espaço é grande, não só por estarmos presentes em todo o processo, mas também porque reflecte o orgulho numa concretização: ‘finalmente, e sim, é possível fazer desta forma!’, mais, todos os que aqui habitam gostam do espaço e sentem-se bem por aqui”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Savills e DLA Piper lançam ‘Guia de Investimento Imobiliário’ para o mercado nacional
    Imobiliário
    Dom Pedro Golf Vilamoura conquista prémio ‘Resort de Golfe do Ano’
    Imobiliário
    Preços no mercado residencial de luxo tem crescimento médio de 4.1%
    Imobiliário
    AEP e ACP apelam para que Aeroporto Francisco Sá Carneiro não fique esquecido
    Construção
    NBS Summit com descarbonização do sector imobiliário na agenda
    Empresas
    Nova loja do Lidl recupera antiga gare rodoviária
    Empresas
    Zome organiza debate sobre manutenção de talento nas empresas no âmbito da 2ª Meet Up Zome
    Empresas
    Luísa Matos assume liderança da Cleanwatts
    Empresas
    APIMA Internacionaliza “Portugal Home Week” para a Coreia do Sul
    Empresas
    Há mais de 1000 hotéis à venda em Portugal
    Imobiliário
    PUB

    Curadores Open House Lisboa 2024 (Sandra Marques Pereira e Alexandre Marques Pereira ©Hugo David)

    Arquitectura

    “A participação da sociologia na arquitectura não se esgota na ‘humanização’ desta última”

    Arranca este fim-de-semana, 11 e 12 de Maio, a 13ª edição do Open House Lisboa. Perceber as transições do edificado e a forma como se interligam com o espaço urbano é o tema deste ano que, através de 74 espaços, percursos por diferentes bairros e passeios sonoros convidam a conhecer a cidade

    Cidália Lopes

    Sandra e Alexandre, irmãos, socióloga e arquitecto, são os curadores desta edição. A partir dos ‘Híbridos das Transições’ propõem-se a evidenciar esta dinâmica quanto à arquitectura dos edifícios, dos seus materiais, estilos, modos de construção, da organização e tipo de espaços, como das pessoas que os ocupam e que percorre diferentes épocas e correntes

    O programa deste Open House é eclético e também abrange diferentes épocas e correntes, da arquitectura barroca, ilustrada pela imponente igreja conventual de Santa Catarina implantada na calçada do Combro, a exemplos neo-clássicos como o Palácio do Grilo, ao contemporâneo, que é um dos pratos fortes desta iniciativa anual.

    Em suma, é a oportunidade de explorar desde reabilitações a construções novas como é o caso do edifício The One do Eduardo Souto Moura, entre muitas outras estreias.

    Como comissários do Open House Lisboa como surgiu o tema deste ano?
    Os Híbridos das Transições é o conceito que dá a conhecer uma característica das transformações – sociais, urbanas, arquitectónicas, entre outras – que não é facilmente percebida, ou valorizada pelas pessoas. Normalmente pensamos nas transformações como cortes entre um antes e um depois, entre uma coisa e outra, e não é bem assim.

    A mudança faz-se de misturas múltiplas de elementos novos e de outros que lhe são anteriores e portanto, o objectivo é despertar a sensibilidade das pessoas para perceber a complexidade das mudanças, contextualizar e pensar sociologicamente as mudanças na arquitectura e na cidade e vice-versa.

    A participação da sociologia na arquitectura não se esgota na “humanização” desta última, prende-se com o entendimento das condições sociais de produção, humanização e consumo/apropriação da arquitectura e do urbanismo.

    De certa forma, este tema é um olhar complementar e mais abrangente ao tema da Revolução que seria o tema mais óbvio em 2024. A Revolução mudou o regime político de um dia para o outro, trouxe a liberdade e um conjunto de debates e questões até então silenciados. Mas, a generalidade das mudanças, dos valores às condições de vida, demoraram outro tempo e portanto houve um longo período de maturação e, claro, de transições, intrinsecamente híbridas.

    “O objectivo é despertar a sensibilidade das pessoas para perceber a complexidade das mudanças, contextualizar e pensar sociologicamente as mudanças na arquitectura e na cidade e vice-versa”

    Enquanto dupla relacionada com a Sociologia e Arquitectura consideram que conseguem dotar a iniciativa de uma perspectiva mais humanizada?

    Na realidade a arquitectura, apenas existe, enquanto obra para abrir diversas possibilidades, para tentar melhorar a vida dos homens e mulheres, seja nos seus sonhos, vidas e aspirações, seja enquanto seres únicos e individuais, ou seja enquanto comunidades de pequena e grande escala, num qualquer espaço e território.

    A arquitectura sempre funcionou como uma resposta às mudanças do tempo e da sociedade, e por vezes, dentro da sua natureza e limitações, abriu outras possibilidades, para a vida colectiva e privada, sempre foi assim, com diversos tempos e modos e, sempre haverá de ser algo assim.

    De que forma estas ‘transições’ são uma forma de expressão das próprias cidades? De que ‘transições’ falamos?

    Nesta 13ª edição do Open House, propomos evidenciar as transições em múltiplas dimensões: primeiro na dimensão física, ao nível da arquitectura dos edifícios, dos seus materiais, estilos, modos de construção, da organização e tipo de espaços/compartimentos, em segundo nas suas funções e apropriações; ao nível dos espaços públicos e das ruas, das actividades económicas (comércio, serviços, etc.), dos seus pavimentos, da vegetação ou da sua ausência, do equipamento, das formas de mobilidade; e, por fim, ao nível das vivências de ambos, do tipo de pessoas que os ocupam, usam, habitam, frequentam, como e quando o fazem.

    De que período retrata a Open House e que edifícios são mais exemplificativos desta transição?
    O programa deste Open House é eclético e também abrange diferentes épocas e correntes, da arquitectura barroca, ilustrada pela imponente igreja conventual de Santa Catarina implantada na calçada do Combro, a exemplos neo-clássicos como o Palácio do Grilo, ao contemporâneo, que é um dos pratos fortes desta iniciativa anual.

    Em suma, é a oportunidade de explorar desde reabilitações a construções novas como é o caso do edifício The One do Eduardo Souto Moura, entre muitas outras estreias.

    A nossa selecção mostra diferentes abordagens nesta transição, desde habitações reabilitadas ou construídas em espaços que já foram outra coisa, a edifícios obsoletos com múltiplos destinos possíveis, a novos conjuntos habitacionais construídos em vazios urbanos centrais, a edifícios e equipamentos públicos reabilitados para novas actividades, a conventos, mosteiros e palácios que ao longo da sua existência tiveram inúmeras utilizações, mostrando a plasticidade funcional destas construções e a sua adaptabilidade às necessidades, mais ou menos espontâneas, do tempo e por fim percursos por zonas escondidas e expectantes que mantêm vestígios de uma Lisboa muito pouco urbana ou pelas “traseiras” de bairros que concentravam manufacturas e pequena indústria e que hoje compatibilizam habitação, ateliers, galerias, espaços de culto, entre outros.

    “A selecção mostra diferentes abordagens nesta transição (…) mostrando a plasticidade funcional das construções e a sua adaptabilidade às necessidades, mais ou menos espontâneas (…) de uma Lisboa muito pouco urbana ou pelas “traseiras” de bairros que concentravam manufacturas e pequena indústria e que hoje compatibilizam habitação, ateliers, galerias, espaços de culto, entre outros”

    Continuamos a assistir todos os dias a estas mudanças. De que forma  podemos enquanto sociedade aprender com essas transições que já aconteceram?
    Desde que a Humanidade e as diversas comunidades, deixaram a sua condição nómada, e começaram a fixar-se  num qualquer lugar, criando as suas raízes, misturando-se com outros povos e culturas. Com o passar do tempo a sociedade, as suas aspirações, desejos e motivações se foram alterando e se modificando, também de vários modos e tempos os seus habitats e cidades, refletiram essas transformações e transições, cada uma à sua própria maneira, no seu tempo e espaço.

    Mas o nosso foco é sobretudo as transições em curso ou em potencial, o que já está em processo de mudança ou que está na iminência de mudar e que estimula sentimentos variados, por vezes mistos: da antecipação da nostalgia à antevisão de cenários futuros face aos quais podemos sentir apreensão, entusiasmo, curiosidade.

    Além da componente do edificado, de que forma o conceito apresentado se relaciona com os espaços públicos?
    Na realidade, os factos arquitectónicos estão sempre relacionados directa, ou indirectamente com os factos urbanos, na medida em que, mesmo uma pequena obra particular, afecta o espaço público onde está inserida e vice-versa, seja uma rua, uma praça, um jardim ou um largo,  formando uma identidade própria, nem que seja pelo conjunto do seu impacto visual, estético, funcional, e aberto a diversas formas e possibilidades de relacionamentos, económicos, sociais e outros, ao serviço de uma qualquer comunidade.

    O conceito do Open House Lisboa 2024 é muito visível no edificado, nos conjuntos urbanos e espaços públicos, como ilustrado nos percursos urbanos e no percurso sonoro em que a Filomena Silvano nos guia por ruas e praças de uma das zonas mais cosmopolitas da cidade. Não escolhemos espaços públicos específicos, mas o conceito é ainda mais aplicável a esses contextos: um exemplo muito bom é a Alameda, um espaço lúdico para os mais diversos tipos de pessoas (nacionais e estrangeiras) como actividades (espectáculos, piqueniques, jogos, etc.) e um espaço político, por excelência, onde ocorrem inúmeras manifestações.

    De que forma vai ser estruturada a iniciativa em termos de percursos e quantos edifícios vão constar na iniciativa?

    Participam generosamente 74 espaços, das quais 39 são estreias, o que é uma percentagem elevada. No festival, mantém-se três tipos de visitas: livres em que as pessoas descobrem os espaços à sua maneira, sem um percurso delineado; as visitas acompanhadas pelo voluntariado formado para esta missão, tendo uma forte participação de estudantes de arquitectura e as visitas por especialistas que se convidam dado a sua afinidade com o lugar.

    Adicionalmente, temos cinco percursos pela cidade, feitos ao ar livre. A pé, convidamos a explorar Alvalade, Telheiras, Arroios, Beato e Marvila tendo diversas distâncias. Criou-se também um passeio sonoro que as pessoas podem fazer quando bem entenderem, e que enriquece a colecção de 11 episódios.

    Depois há, ainda, o programa paralelo que inclui actividades ludico-pedagógicas para as famílias, visitas sensoriais apoiadas por maquetas 3D, entre outros eventos.

    Destaca-se, também, a call de visual stories que pretende reunir uma diversidade de olhares sobre a acessibilidade e a inclusividade dos exemplos de arquitectura que se incluíram. Podem ser fotografias, desenhos, vídeos, ilustrações, animações. As candidaturas estão abertas até 11 de Junho e das propostas seleccionadas nascerá uma exposição e uma publicação que revela um conjunto de visões de quem visita os Open House pela Europa fora.

    Bio

    Sandra Marques Pereira é doutorada em Sociologia pelo ISCTE (2010) com a tese “Casa e mudança social: uma leitura das transformações da sociedade portuguesa a partir da casa” que teve dois prémios de melhor tese de doutoramento (IHRU 2011 e André Jordan 2012) e foi publicada pela Caleidoscópio (2012, 2016). Também o livro “Visite o andar modelo. 30 anos de publicidade de imobiliário” resultou da tese. Investigadora do ISCTE, DINÂMIA’CET, no grupo de pesquisa Cidades e Territórios. Entre 2013 e 2023 foi Professora convidada do Mestrado Integrado de Arquitectura (disciplina Sociedade e Arquitetura) do ISCTE. Colaborou como docente no Doutoramento Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos (ISCTE-IUL). Entre 2013 e 2019 foi oradora convidada do Master in Collective Housing da Universidad Politecnica de Madrid – Escuela Tecnica Superior de Arquitectura. É co-coordenadora do WG Southern European Housing do European Network for Housing Research. Participou em vários projectos FCT sobre habitação. Actualmente é investigadora responsável do projecto “SIZA_3CITY – A habitação colectiva de Álvaro Siza: projetos, contextos e vivências (Porto-Lisboa-Nova Iorque)” financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

    Alexandre Marques Pereira, entra em 1981 para a ESBAP (Escola Superior de Belas Artes do Porto), licenciado em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa em 1986. Trabalhou no atelier do arquitecto Manuel Tainha de 1986 até 1996, altura em que abre um atelier próprio, sendo que em 2009 abre a empresa Alexandre Marques Pereira – Arquitectura, que entre 2017 e 2022 esteve associada ao gabinete Saraiva + Associados, com diversos projectos e obras construídas e em construção como arquitecto responsável e coordenador, nas áreas da habitação individual e colectiva, dos equipamentos públicos, bibliotecas, escolas, galerias de arte, ou da reabilitação em geral.

    Participou desde 1998 até 2002 como representante da O.A. na organização Europan Europe para concursos de Arquitectura para jovens arquitectos europeus.

    É docente na Universidade Lusíada de Lisboa, desde 1993, como Professor de Projecto. Foi Visiting Professor em 2006 na Universidade de Auburn, Alabama, nos EUA. Em Julho de 2012 termina o Doutoramento em Arquitectura (na área de Projecto) na Universidade Lusíada de Lisboa, sobre “As relações e contaminações, entre a Arquitectura Moderna do Norte e do Sul da Europa”. Desde 2012 é o representante da Universidade Lusíada no Concurso Pladur, concurso internacional para estudantes universitários de Arquitectura da Península Ibérica.

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Arquitectura

    Gulbenkian recebe exposição sobre Siza Vieira

    Com curadoria do espanhol Carlos Quintáns Eiras, a mostra, que reúne material original, desenhos, plantas de trabalho e plantas finais, fotografias, peças de design, estará patente de 17 de Maio a 26 de Agosto

    CONSTRUIR

    A Fundação Gulbenkian recebe, de 17 de Maio a 26 de Agosto, uma exposição dedicada a Álvaro Siza Vieira. Tendo como centro da reflexão o papel do desenho na obra de Siza Vieira, a exposição ‘Siza’ reúne material original, desenhos, plantas de trabalho e plantas finais, fotografias, peças de design, bem como obras de artistas que compõem a “constelação de referências pessoais, artísticas e profissionais daquela que é uma das mais importantes figuras da história da arquitectura em Portugal e um dos grandes nomes vivos da arquitectura e urbanismo moderno no mundo”.

    Com a curadoria do também arquitecto, crítico e curador espanhol Carlos Quintáns Eiras, responsável pelo Pavilhão de Espanha na Bienal de Veneza em 2016 e vencedor do Leão de Ouro, a exposição ambiciona “cobrir todos os aspectos criativos da carreira de Siza”, destaca.

    Para o efeito, o curador irá recorrer aos arquivos depositados na Fundação de Serralves, no CCA – Canadian Centre for Architecture, no centro britânico Drawing Matter, bem como na Fundação Calouste Gulbenkian e no próprio atelier do arquitecto.

    A realização da mostra conta, ainda, com Zaida García-Requejo, como curadora assistente e com o apoio de Lorena Fernández Pabst e Noemí Cuba Alvariño, assim como projecto gráfico de José Albergaria.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Credito: DR

    Arquitectura

    Arquitecto Costa Cabral dá nome a Escola do Castelo

    Proposta foi apresentada pelo executivo camarário que, assim, pretende homenagear aquele que foi o autor da Escola Básica do Castelo, construída entre 1970 e 1972

    CONSTRUIR

    A Câmara Municipal de Lisboa vai propor a classificação como património municipal da Escola Básica do Castelo, bem como a alteração da sua denominação para Escola Arquiteto Bartolomeu da Costa Cabral, em homenagem a uma das mais importantes referências da arquitectura portuguesa, que morreu no passado dia 20 de Abril, em Lisboa. A iniciativa, apresentada pelo executivo, foi anunciada na última reunião pública do Município.

    Bartolomeu d’Albuquerque da Costa Cabral, nascido em Lisboa a 8 de Fevereiro de 1929, diplomou-se na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (actual Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa), onde foi professor, tendo desenvolvido uma carreira que ficou ligada ao designado ‘movimento moderno’ da arquitectura portuguesa.

    Foi autor do projecto da Escola Básica do Castelo, construída entre 1970 e 1972, uma das suas primeiras obras, revelando uma “arquitectura para a vida moderna”, motivada por uma “constante preocupação funcional”.

    Aquando da sua morte, Bartolomeu Costa Cabral estava plenamente envolvido na requalificação desta escola municipal, integrando a equipa vencedora do recente concurso público de projecto em conjunto com o arquitecto Gonçalo Byrne.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Ed Baker e Stuart Rough

    Arquitectura

    Stuart Rough assume liderança criativa da Broadway Malyan a nível global

    Depois de quatro mandatos enquanto Chairman da empresa global de arquitectura, urbanismo e design Broadway Malyan, Stuart Rough acaba de iniciar novas funções como global head of architecture. Esgotando o ciclo máximo de mandatos executivos previsto, o premiado arquitecto assume, agora, a liderança global da Broadway Malyan a nível criativo e continua com um papel especialmente activo no escritório de Lisboa, que fundou em 1996 e onde continua baseado

    CONSTRUIR

    O estúdio em Lisboa foi o primeiro passo da internacionalização da Broadway Malyan, ganhando vida pela mão de Stuart Rough e Margarida Caldeira. Com quase 30 anos de trabalho em Portugal, a Broadway Malyan tem assinado alguns dos projectos mais emblemáticos de arquitectura, urbanismo e arquitectura paisagista do país, como o Porto Office Park, o WOW, o Fábrica 1921, o Monumental, ou o BPI All in One, entre outros.

    “Foi uma honra liderar os destinos da Broadway Malyan durante 13 anos, algo que nunca imaginei quando me juntei à empresa em 1987, ainda um jovem arquitecto. Apreciei imenso o tempo que passei enquanto Chairman e sempre serei grato a todos os colegas que me apoiaram ao longo dos anos e que permitiram que, juntos, trabalhássemos incansavelmente para fazer da Broadway Malyan a melhor empresa que poderia ser”, afirma Stuart Rough. “Estou desejoso de poder orientar os nossos talentosos designers em todos os estúdios da empresa e desempenhar um papel importante de garantir que o nosso compromisso com a excelência continua a ser o fundamento de tudo o que fazemos, quer em Portugal quer nos outros países”, acrescenta o arquitecto.

    A nível executivo, inicia-se um novo capítulo na história da Broadway Malyan, sedeada em Londres, e que passa a ser liderada por Ed Baker. O novo Chairman global do grupo tem como objectivo acelerar o crescimento da empresa, particularmente nas regiões do Reino Unido, Médio Oriente, Extremo Oriente, África e Índia, onde a escassez de habitação, uma demografia em profunda mudança e a crescente necessidade de combater as alterações climáticas estão a exigir soluções cada vez mais inovadoras.

    A nova estrutura directiva pretende continuar a consolidar a reputação da Broadway Malyan enquanto referência de excelência e sustentabilidade em projectos de larga escala quer a nível de arquitectura quer de masterplanning em todo o mundo.

    Enquanto Chairman, Stuart Rough teve um papel essencial na expansão da empresa para Espanha, China e Singapura, bem como no desenvolvimento de vários projetos premiados em Portugal. Stuart assume agora um papel de guardião da qualidade do design da Broadway Malyan, acompanhando e supervisionando o trabalho criativo de arquitectura, especialmente em projectos de uso misto de grande escala em todo o mundo. Assume ainda a mentoria de talento na rede global da empresa.

    Já o novo Chairman conta com quase duas décadas de experiência em Singapura, bem como noutros mercados internacionais. Tem liderado projectos icónicos e sustentáveis em todos os escritórios da Broadway Malyan, entre os quais se incluem o masterplanning para um novo hub de saúde em Singapura, a regeneração de um antigo bairro red light na Indonésia e um projecto de planeamento urbano para combater a falta de habitação em Banguecoque. Continuará a trabalhar internacionalmente e trará a mais-valia da sua experiência para os projectos do Reino Unido.

    Sobre as mudanças em curso Ian Apsley, CEO da Broadway Malyan, destaca “a abordagem visionária do Ed e a sua experiência de raiz em urbanismo e master planning são uma mais-valia para o nosso objectivo de fazer crescer os serviços core de master-planning, arquitectura, paisagismo e interiores. A sua liderança e perspectiva serão cruciais quer para a sede de Londres quer para os estúdios da Broadway Malyan em todo o mundo, à medida que nos adaptamos a uma arquitectura sempre em evolução”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Arquitectura

    Ordem lança livro sobre os “50 anos de arquitectura no Portugal Democrático”

    ’50_25 Arquitectura em Democracia | OA’ foi produzido pelo Conselho Diretivo Nacional da OA e reúne os discursos de tomada de posse dos presidentes da Associação dos Arquitectos Portugueses e da Ordem dos Arquitectos

    CONSTRUIR

    A Ordem dos Arquitectos (OA) continua as suas comemorações sobre os 50 anos do 25 de Abril e os 25 anos da Ordem dos Arquitectos com o lançamento do livro ’50_25 Arquitectura em Democracia | OA’. Produzido pelo Conselho Diretivo Nacional (CDN) da OA, o livro reúne os discursos de tomada de posse dos presidentes da Associação dos Arquitectos Portugueses e da Ordem dos Arquitectos, homenageando aqueles que exerceram a presidência desta casa em democracia. A apresentação decorrerá na sede da OA, em Lisboa, esta quarta-feira, 8 de Maio, a partir das 18h30.

    Seguir-se-á uma ‘Conversa(s) em Democracia’, moderada pela responsável da edição e membro do CDN, Sofia Aleixo, com os presidentes da original Associação dos Arquitectos Portugueses (AAP) e da sequente Ordem dos Arquitectos que responderam a este convite: Francisco Silva Dias, Helena Roseta, José Manuel Pedreirinho, Gonçalo Byrne e o actual presidente Avelino Oliveira. Luísa Teotónio Pereira e Sara Quintanilha estarão em representação de Nuno Teotónio Pereira e de Olga Quintanilha.

    Participará também Francisco “Pitum” Keil do Amaral, que elaborou um cartoon expressamente para esta edição comemorativa do 25 de Abril e dos Arquitectos. Este cartoon está centrado no efémero tempo do programa estatal de construção de habitações SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local).

    Através discursos e notícias de tomada de posse dos presidentes em democracia poderá traçar-se o papel crucial da Arquitetura no Portugal democrático, a construção de habitação no tempo do SAAL, que permanecem, a entrada na então Comunidade Económica Europeia (CEE) e a modernização do País, em simultâneo com uma profissão crescente em número de arquitectos e valorização internacional, mas que respondeu a desafios, como os baixos honorários e a saída para o estrangeiro.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Arquitectura

    Focus Group desenha novo parque de estacionamento de Entrecampos

    Com um investimento de 16 M€, o edifício tem três núcleos verticais de acesso pedonal pelo jardim, entrada e saída de veículos pelo Piso 0 e é composto por cinco pisos enterrados com capacidade total de 586 lugares de estacionamento

    CONSTRUIR

    O parque de estacionamento subterrâneo do loteamento de Entrecampos, um investimento na ordem dos 16 milhões de euros, encontra-se em fase avançada de construção, numa obra a cargo do Grupo Casais. Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa sublinhou esta terça-feira, dia 7 de Maio, na apresentação do projecto que “este não se destina apenas aos moradores mas a todos aqueles que o queiram utilizar e assim tirar mais carros do centro da cidade”

    Com projecto do Focus Group, que venceu o concurso público promovido pela Lisboa Ocidental SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana, o novo  parque de estacionamento conta com 18.920 metros quadrados (m2) de área de construção e terá uma cobertura “verde” destinada um jardim que servirá como elo entre os edifícios que integram o loteamento.

    Segundo o Focus Group, “pretendeu-se apresentar uma solução para o estacionamento público desta zona de modo a servir as necessidades dos serviços, comércio e habitações locais existentes e previstas”, para além da sua proximidade a vários polos da Universidade de Lisboa.

    O edifício tem três núcleos verticais de acesso pedonal pelo jardim, entrada e saída de veículos pelo Piso 0 e é composto por cinco pisos enterrados com capacidade total de 586 lugares de estacionamento.

    O jardim previsto para o Loteamento das Forças Armadas ocupa no seu total uma área de cerca de 10 mil m2, distribuídos, de forma mais ou menos equitativa, entre a cobertura do parque de estacionamento e o espaço, a nascente, entre este e os edifícios de Habitação de Renda Acessível (PRA).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Arquitectura

    Álvaro Siza homenageado pelo Comité Internacional de Críticos de Arquitectura

    A iniciativa acontece a 6 de Maio na Fuindação de Serralves, no âmbito no âmbito da programação paralela comissariada pelo arquitecto António Choupina para a exposição C.A.S.A.

    CONSTRUIR

    A homenagem a Álvaro Siza, promovida pelo Comité Internacional de Críticos de Arquitectura (CICA), terá lugar na Fundação de Serralves, esta segunda-feira, dia 6 de Maio, pelas 19 horas, no âmbito da programação paralela comissariada pelo arquitecto António Choupina para a exposição C.A.S.A. (Colecção Álvaro Siza, Arquivo).

    Em Outubro, na sequência das Conferências Internacionais sobre o Poder e o Dever da Crítica Arquitectónica (2021), Definindo Qualidade Arquitectónica (2022) e Arquitectura como Crítica Construída (2023), realizar-se-á online a conferência de 2024 “Entre Autonomia e Comprometimento”, que procurará reconhecer as contribuições de Álvaro Siza e Denise Scott Bown neste campo.

    Esta homenagem contará com uma introdução de Wilfred Wang, presidente do CICA, que de seguida conversará com Ana Tostões, presidente da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA) e membro da CICA e Álvaro Siza que descreverá o seu projecto favorito de modo a responder às questões: Deve um edifício ser um mundo em si mesmo? Ou deve antes relacionar-se com o contexto? Os melhores edifícios conseguem ambos: criar uma ordem e linguagem próprias, enquanto dialogam e dão forma à envolvente?

    O CICA foi fundado em 1978, durante o 13º Congresso Mundial da União Internacional de Arquitectos (UIA), por Pierre Vago, Bruno Zevi, Max Blumenthal, Mildred Schmertz, Blake Huges, Jorge Glusberg, Louise Noëlle e Julius Posener, entre outros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Grupo Navarra apresenta soluções para uma arquitetura mais sustentável

    A utilização do alumínio na arquitetura tem-se destacado como a opção mais sustentável para a construção, garantindo mais eficiência energética e acústica nos edifícios.

    Brand SHARE

    A Associação Europeia do Alumínio, European Aluminium´s 2050, refere o potencial da reciclagem do alumínio, nos vários setores, para evitar toneladas de emissões de CO2 até 2050 e diminuir a dependência de importações na Europa.

    O alumínio é um material amplamente utilizado na arquitetura devido às suas propriedades únicas (leveza, durabilidade e resistência à corrosão), o que o tornam ideal para uma variedade de aplicações, desde estruturas de grandes edifícios até detalhes arquitetónicos. Além disso, o alumínio pode ser facilmente moldado, permitindo a criação de designs inovadores e personalizados.

    Conheça as soluções navarra para arquitetura:

    Os sistemas de alumínio Navarra contribuem para construções sustentáveis, apresentando soluções versáteis e funcionais para uma variedade de aplicações:

    1. Sistemas de fachadas de alumínio e vidro. Existem vários tipos de fachadas que podem ser aplicadas nos mais variados projetos arquitetónicos de reabilitação ou de arquitetura contemporânea.
    2. Janelas e portas: O alumínio é amplamente utilizado na fabricação de janelas e portas devido à sua leveza, resistência e durabilidade. Os sistemas de alumínio oferecem diferentes gamas de estilos, tamanhos e acabamentos, permitindo a personalização para cada projeto.
    3. Sistemas de claraboias: O alumínio é utilizado em sistemas de cobertura através da fabricação de claraboias, por serem leves e de fácil instalação.
    4. Revestimentos e ventilação de espaços: O alumínio também é bastante utilizado como revestimento em fachadas e em espaços onde são necessárias áreas de arejamento.
    5. Guarda-corpos, divisórias, elementos mobiliários e arquitetónicos: A versatilidade do alumínio permite que seja aplicado a uma ampla variedade de produtos.

    O alumínio desempenha um papel significativo na arquitetura e na construção sustentável, oferecendo benefícios como eficiência energética, durabilidade, leveza, versatilidade e reciclabilidade. Ao utilizar o alumínio de maneira consciente e responsável, é possível contribuir para a redução do impacto ambiental da indústria da construção.

     

    SOLUÇÕES NAVARRA INTEGRAM PROJETOS INOVADORES E SUSTENTÁVEIS – UNUS HOUSE – CONSTRUÇÃO MODULAR

    Protótipo do modelo de Construção Modular UNUSHOUSE

     

    Fundada pelo arquiteto Jaime Silva, a marca Unus House patenteia uma Tecnologia Construtiva Modular Pré-Fabricada, baseada nos princípios e necessidades da Construção Industrializada, Sustentável e Evolutiva, que apresenta edifícios com necessidades energéticas quase nulas, nZEB – near Zero Energy Building.

    Conheça na integra este projeto

    A Navarra foi a chave deste processo, na diferenciação relativamente aos demais sistemas construtivos que existem no mercado e no mundo que tem a ver com a forma como encaixamos e desencaixamos, montamos e desmontamos é esse o segredo da Unus House”.  Arqtº Jaime Silva

    Com esta Tecnologia, os edifícios modulares alinham-se com o conceito de construção sustentável, dado que entram na Economia Circular, garantem a redução de resíduos associado a soluções e materiais sustentáveis, com a possibilidade de separação em fim de vida, sendo ainda possível serem reutilizados em novas construções e reintegrados no novo ciclo de produção como matéria-prima.

    As cidades são as grandes responsáveis pelo consumo de materiais, água e energia, recursos fundamentais para a habitabilidade humana. Sendo o alumínio um produto verde e da economia circular, tem um papel determinante na construção civil e na arquitetura sustentável.

    Casa em Felgueiras

    Sobre o autorBrand SHARE

    Brand SHARE

    Mais artigos

    Andreia Teixeira, head of Project Management do Grupo Openbook

    Arquitectura

    Andreia Teixeira assume cargo de Project Management do Grupo Openbook

    Esta contratação visa “reforçar a coordenação, gestão de recursos e riscos, bem como a monitorização e controlo de projectos” dentro da empresa

    CONSTRUIR

    Andreia Teixeira é a mais recente contratação do Grupo Openbook para o cargo de head of Project Management. Com uma formação sólida em arquitectura e uma vasta experiência na gestão e coordenação de projectos, planeamento e desenvolvimento urbanístico, vem fortalecer a capacidade interna de gestão de projectos, em resposta ao crescimento contínuo do Grupo e à expansão do seu portfólio de projectos em curso, de grande dimensão.

    Esta contratação visa reforçar a coordenação, gestão de recursos e riscos, bem como a monitorização e controlo de projectos dentro da empresa. Além disso, alinha-se com a estratégia definida pela Openbook, que visa a melhoria contínua da eficiência, qualidade e produtividade.

    “A contratação de Andreia Teixeira é um passo significativo para fortalecer a nossa capacidade de gestão de projectos. A sua experiência e expertise serão inestimáveis para aprimorar as nossas operações e alcançar os nossos objetivos estratégicos”, justifica Rodrigo Sampayo, partner do Grupo Openbook.

    Além da contratação de Andreia Teixeira, o Grupo Openbook também anunciou a chegada de outros profissionais para reforçar e expandir a sua equipa em diferentes áreas de actuação. Nesse sentido, Margarida Fonseca e Gonçalo Reis juntam-se à Openbook Architecture como arquitectos seniores, trazendo consigo um vasto conhecimento e experiência no campo da arquitectura. Edgar Franco vai integrar a equipa de 3D ArchViz do Grupo e Fátima Filipe, arquitecta de interiores, faz agora parte da Openbook Studio. Por fim, Joana Pimentel, designer, foi contratada para se juntar à equipa de Marketing e Comunicação.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Cooperativa de Aldoar (arqº Manuel Correia Fernandes) @Luís Ferreira Alves

    Arquitectura

    Exposição “O Que Faz Falta” comemora 50 anos de arquitectura em democracia

    O título da exposição presta homenagem a uma das figuras de abril, José Afonso, e à canção “O que faz falta”, do álbum Coro dos Tribunais, lançado em 1974. Com curadoria dos arquitectos Jorge Figueira e Ana Neiva, a exposição inaugura a 25 de Outubro

    CONSTRUIR

    A Casa da Arquitectura junta-se ao momento de celebração e reflexão em torno dos 50 anos do 25 de Abril de 1974 através da exposição “O Que Faz Falta. 50 Anos de Arquitetura Portuguesa em Democracia”. Com curadoria dos arquitectos Jorge Figueira (coordenação) e Ana Neiva (curadoria-adjunta), a exposição inaugura a 25 de Outubro próximo.

    O título da exposição presta homenagem a uma das figuras de abril, José Afonso, e à canção “O que faz falta”, do álbum Coro dos Tribunais, lançado em 1974.

    Nas palavras dos curadores, “o objectivo geral da exposição é o de estabelecer uma leitura panorâmica da produção arquitetónica entre a Revolução de Abril 1974 e os dias de hoje (2024), revelando como a arquitectura foi, e é, simultaneamente reflexo e incentivo do regime democrático em Portugal”.

    Nesse sentido, “os projectos seleccionados reflectem os modos como a arquitectura concretizou programas públicos vários, considerando a diversidade geográfica do País, continental e insular, e a contribuição de arquitecctas e arquitetos de diferentes backgrounds e gerações”, acrescentam os arquitectos.

    A exposição “O Que Faz Falta. 50 anos de Arquitetura Portuguesa em Democracia” é extraída da colecção “50 anos de Arquitetura Contemporânea Portuguesa”, um acervo criado pela Casa da Arquitectura que faz a leitura da produção de arquitectura em período democrático, com o objectivo de ser criada uma colecção de recorte territorial e temporal.

    Este acervo, que contou com a curadoria de Carlos Machado e Moura, Graça Correia, João Belo Rodeia, Jorge Figueira, Paula Melâneo e Ricardo Carvalho, visa promover o estudo e investigação de todos os interessados e do qual futuramente se irão extrair várias leituras temáticas em exposições, actividades e publicações.

    A exposição será acompanhada por um programa paralelo que tem a curadoria dos arquitectos Nuno Sampaio e Jorge Figueirae ficará patente até dia 7 de Setembro de 2025.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.