Edição digital
Assine já
    PUB
    Engenharia

    PRR canaliza 62 M€ para a produção de hidrogénio

    Estão abertas as candidaturas aos fundos do Plano de Recuperação e de Resiliência (PRR) dedicados a investimentos em produção de gases de origem renovável

    CONSTRUIR
    Engenharia

    PRR canaliza 62 M€ para a produção de hidrogénio

    Estão abertas as candidaturas aos fundos do Plano de Recuperação e de Resiliência (PRR) dedicados a investimentos em produção de gases de origem renovável

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Grupo BEI debate desafio “multimilionário” da habitação na Europa
    Construção
    Antarte apresenta linha de móveis desenhados por IA
    Empresas
    Viana do Castelo: Mercado que vai nascer no emblemático ‘prédio Coutinho’ já a concurso
    Construção
    Câmara de Portalegre vai investir 1M€ na construção de Centro Cultural nos Fortios
    Construção
    Maia lança concurso para construir mais de 50 casas por 8M€
    Construção
    Open Call ‘ Arquitectas da nossa casa’ decorre até 15 de Setembro
    Arquitectura
    Facturação das lojas dos Centros Comerciais cresce 7% até Junho de 2024
    Empresas
    Venda de casas recupera com aumento de 4,9%
    Construção
    Vilamoura Lusotur adere às ‘casas inteligentes’ da NOS
    Empresas
    OLI conquista prémio de Design em Nova Iorque
    Empresas

    Estão abertas as candidaturas aos fundos do Plano de Recuperação e de Resiliência (PRR) dedicados a investimentos em produção de gases de origem renovável.

    Com uma dotação de 62 milhões de euros, este é o primeiro de três avisos do PRR para projectos de produção de hidrogénio e de outros gases de origem renovável para autoconsumo e/ou injecção na rede. As candidaturas serão realizadas através do Fundo Ambiental, entidade responsável pela gestão do aviso.

    Os projectos apresentados, cujo prazo de candidatura termina a 30 de Dezembro, podem compreender investimentos com armazenamento, transporte e distribuição de gases renováveis. Os projectos podem ter diversas aplicações (ex.: transportes, indústria), desde que visem aumentar a contribuição das renováveis no consumo de energia, reduzir as emissões de Gases com Efeito de Estufa, reduzir a dependência energética e melhorar a segurança do aprovisionamento de energia.

    Ao abrigo deste aviso são elegíveis as despesas de investimento correspondentes ao sobrecusto de um projecto de produção de gases de origem renovável, face a uma instalação convencional.

    O financiamento por beneficiário e por operação terá uma dotação máxima de cinco milhões de euros. Este valor pode ascender a 10 milhões de euros, caso os projectos abranjam mais elementos da cadeia de valor, ou seja, incluam a integração da produção, distribuição e o consumidor final. São beneficiárias as pessoas colectivas, públicas ou privadas, que pretendam desenvolver projectos industriais de produção de hidrogénio renovável e outros gases renováveis.

    Aviso do POSEUR financia 13 projectos

    Concluída a avaliação às candidaturas ao aviso do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), também relativo à produção de gases renováveis, foram aprovados 13 projectos, que mobilizam um total de 34 milhões de euros do Fundo de Coesão.

    Os 13 projectos de produção de gases a partir de fontes renováveis representam um investimento total de 62,3 milhões de euros e uma capacidade instalada de 34 megawatts.

    Os beneficiários são entidades privadas e vão desenvolver projectos de produção de hidrogénio verde, produção e enriquecimento de bio metano, entre outros. Os projectos estão dispersos pelo território nacional – Monforte, Ílhavo, Águeda, Rio Maior, Paços de Ferreira, entre outros. O maior projecto, de 10,6 milhões de euros (beneficiário de um apoio de 5 milhões de euros), localiza-se em Setúbal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Grupo BEI debate desafio “multimilionário” da habitação na Europa
    Construção
    Antarte apresenta linha de móveis desenhados por IA
    Empresas
    Viana do Castelo: Mercado que vai nascer no emblemático ‘prédio Coutinho’ já a concurso
    Construção
    Câmara de Portalegre vai investir 1M€ na construção de Centro Cultural nos Fortios
    Construção
    Maia lança concurso para construir mais de 50 casas por 8M€
    Construção
    Open Call ‘ Arquitectas da nossa casa’ decorre até 15 de Setembro
    Arquitectura
    Facturação das lojas dos Centros Comerciais cresce 7% até Junho de 2024
    Empresas
    Venda de casas recupera com aumento de 4,9%
    Construção
    Vilamoura Lusotur adere às ‘casas inteligentes’ da NOS
    Empresas
    OLI conquista prémio de Design em Nova Iorque
    Empresas
    PUB
    Construção

    Viana do Castelo: Mercado que vai nascer no emblemático ‘prédio Coutinho’ já a concurso

    O anúncio da abertura do procedimento, esta segunda-feira publicado no Diário da República (DR), inclui a construção do edifício e arranjos envolventes no prazo de 720 dias

    A Câmara de Viana do Castelo abriu esta segunda-feira o concurso público internacional para a construção do novo mercado municipal de Viana do Castelo no local onde existia o prédio Coutinho, pelo preço base de 12,6 milhões de euros.

    O anúncio da abertura do procedimento, esta segunda-feira publicado no Diário da República (DR), inclui a construção do edifício e arranjos envolventes no prazo de 720 dias.
    O prazo para apresentação das propostas termina no dia 27 de Agosto, sendo que os concorrentes são obrigados a manter as propostas durante 66 dias a contar a partir daquela data.
    O novo edifício vai ser construído junto ao jardim público da cidade, no local onde abriu portas, em 1892, o primeiro mercado. Em 1965, foi transferido para um lote contíguo, junto à igreja das Almas, onde funcionou até ao início de 2002.

    A transferência do primeiro mercado permitiu, no início da década de 70 do século passado, a construção do prédio Coutinho, desconstruído em 2022.

    De acordo com a análise custo benefício da construção do novo mercado municipal apresentada pela Câmara de Viana, em Junho, o investimento justifica-se “pelo importante contributo para a melhoria da rentabilidade dos negócios [daquela zona do centro histórico] e pela dinamização da Área de Reabilitação Urbana (ARU) e espaços envolventes, mitigando os constrangimentos inerentes à localização e funcionamento do mercado actual”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Câmara de Portalegre vai investir 1M€ na construção de Centro Cultural nos Fortios

    O edifício nasce de uma proposta apresentada pela arquitecta Elsa Curião e assenta, desde logo, na necessidade identificada pela autarquia alentejana de descentralizar a oferta cultural da cidade, criando condições nos Fortios para a realização de eventos desportivos e socio-culturais

    A Câmara de Portalegre vai investir aproximadamente um milhão de euros nos trabalhos de construção de um novo Centro Cultural na freguesia dos Fortios, estando, para o efeito, a promover o respectivo concurso público.

    O edifício nasce de uma proposta apresentada pela arquitecta Elsa Curião e assenta, desde logo, na necessidade identificada pela autarquia alentejana de descentralizar a oferta cultural da cidade, criando condições nos Fortios para a realização de eventos desportivos e socio-culturais.

    Na descrição da proposta, a arquitecta explica que o terreno conta, actualmente, com um pavilhão abandonado e em mau estado de conservação, além de contar com um espaço exterior e um terreno rural agregado. Elsa Curião propõe assim um edifício que remete para a neutralidade do branco do Alentejo, num largo onde predomina uma “miscelânea de arquitectura vernacular com pouco interesse”.

    A proposta arquitectónica que a autarquia procura materializar em obra aponta para uma “segunda pele, uma estrutura de ensombramento que tornasse o edifício mais fresco, uma vez que a fachada do edifício é virada a Sul”. “Esta segunda pele serve como estrutura de sombreamento a um terraço ensombrado por esta mesma estrutura, e será um terraço panorâmico de contemplação da paisagem alentejana. Este terraço panorâmico “rooftop” terá um pequeno bar de apoio e poderá receber eventos culturais e desportivos”, naquele que é apontado como um “elemento diferenciador do Centro Cultural. “A imagem noturna que se pretende do edifício é que seja uma caixa de luz, existindo projectores de luz na estrutura de ensombramento para o edifício, criando a ilusão de um edifício com luz própria”.

    O prazo de execução da obra é de aproximadamente um ano a contar da adjudicação da empreitada

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Construção

    Maia lança concurso para construir mais de 50 casas por 8M€

    Os anúncios, publicados em Diário da República (DR), têm um prazo de execução de 18 meses

    ACâmara Municipal da Maia lançou esta segunda-feira dois concursos públicos, no valor total de mais de oito milhões de euros, para construção de 56 casas em várias freguesias deste concelho do distrito do Porto.

    Os anúncios, publicados em Diário da República (DR), têm um prazo de execução de 18 meses.

    O primeiro, cujo valor base é 4.664.110,00 euros, visa a conceção/construção de 32 fogos na Travessa do Pisão, em Águas Santas.

    Um segundo anúncio aponta para a conceção/construção de 24 fogos na Rua Eusébio da Silva Ferreira, em Nogueira e Silva Escura, no valor de 3.464.025,00 euros.

    Estas empreitadas estão a ser coordenadas pela empresa Espaço Municipal Renovação e Gestão do Património.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    KREAR Estarreja

    Construção

    Construção tradicional é actualmente “um modelo esgotado”

    A primeira fábrica com o sistema Krear deverá estar a funcionar ainda em Outubro deste ano e conta com um investimento estimado de 15 milhões de euros, cujo sistema permite a sua adaptação a qualquer tipo de projecto. Com um grande foco na sustentabilidade, decorrem estudos e ensaios para que possam ser integrados materiais reciclados no próprio betão

    Cidália Lopes

    O Grupo Casais e a Secil juntaram forças para “transformar” a construção em Portugal. A joint venture KREAR aposta na construção off-site através da padronização de peças em betão, desenvolvidas em 2D e 3D. A fábrica onde tudo vai acontecer, em Estarreja, está já numa fase avançada de construção e deverá começar a produzir “lá para Outubro”.

    O investimento previsto nesta unidade é de 15 milhões de euros, que “vão ser certamente todos os gastos”, afirma Daniel Granjo, director geral da KREAR. Até porque este responsável acredita que existe uma “forte possibilidade” de expansão do processo de fabrico, à medida que a fábrica for entrando na sua velocidade cruzeiro.

    “Queremos impulsionar a mudança”

    Perante um mercado da construção deficitário em termos de mão de obra e preços dos materiais com custos elevados, a opção passa por olhar para formas de construir “mais alternativas” e que até aqui eram apenas usadas em pequena escala e em segmentos muitos específicos. Os exemplos de países europeus, como a Alemanha ou o Reino Unido, onde a construção off-site já é usada em larga escala, deram confiança para que as empresas avançassem nesta aposta.

    Daniel Granjo destaca que estamos perante “uma mudança de paradigma”, não só porque considera que a construção tradicional é “actualmente um modelo esgotado”, até porque o sector se encontra limitado pela falta de mão de obra, mas também porque “percebemos que temos que mudar o processo, temos essa responsabilidade”.

    Um dos principais problemas da construção tradicional é a falta de mão de obra e a formação. Daniel Granjo considera que esta “não é uma profissão atractiva para um jovem actualmente”.  Esta é, também, uma lacuna que consideram que a construção off-site vem preencher, já que sendo todo o processo é muito mais “inovador, digital e mais limpo”, o que se torna muito mais apelativo para os jovens.

    Haverá, também, uma forte componente de formação, tanto de início, como continua que, de certa forma, torna a profissão mais motivadora. A pensar nisso, a própria fábrica tem um auditório preparado para este tipo de situações. Também por isso, acreditam esta unidade de produção será, de facto, “impulsionadora dessa mudança” e que irá “fazer escola para outras fábricas que se seguirão”.

    Com o foco na sustentabilidade

    Não obstante, o crescimento de diferentes materiais para a construção, que procuram responder a uma necessidade de preservação dos recursos naturais e menos poluentes, o Grupo Casais partiu para o projecto com a intenção de recorrer ao ‘tradicional’ betão. Não obstante, Daniel Granjo, destaca o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido para incorporar materiais reciclados na composição do betão, de forma a contribuírem para dar uma solução a estes resíduos. Ainda numa fase de testes, “para que não interfiram na qualidade e resistência do betão”, a ideia passar por contribuir para dar um destino aos muitos resíduos que se encontram em aterros.

    Por um lado, a componente técnica e tecnológica e, por outro, o material a ser utilizado. Além de mais “resistente”, indica Daniel Granjo, “as alternativas hoje existentes permitem reduzir muito as emissões de CO2”, normalmente atribuídas à indústria do cimento.

    “Esta é a matéria que nos permite construir com mais qualidade e mais durabilidade, isso não é discutível. Ao mesmo tempo, este é um material que nos permite recriar o tipo de fachada que o arquitecto quiser, seja fachada ventilada ou de pedra ornamental, com a vantagem de ir já para a obra com as caixilharias e os vidros”, reforça.

    Além disso, “com esta forma de construção não há desperdício” e, com isso, “diminuir prazos”, “custos”, mas, também, o “impacto ambiental” da actividade da construção, indica.

    Off-site e modular de mãos dadas

    À semelhança de uma fábrica automóvel, a nova unidade industrial da Krear irá ter um sistema robotizado em carrossel para a produção de peças pré-definidas em betão que depois de assembladas e combinadas vão constituir estruturas e fachadas do edifício, seja ele novo ou fruto de uma reabilitação. Para uma maior eficiência do processo, a unidade vai ter incorporado uma central de betão dedicada.

    A nova unidade terá uma capacidade de produção de 700 metros quadrados (m2) por dia. “Ou seja, tendo como referência um apartamento com 70 m2, a nossa fábrica pode produzir, por ano, cerca de 1500 apartamentos, 15 hotéis, com 24 quartos com tipologia B&B ou cinco residências de estudantes de seis pisos, com 90 quartos”, explica Daniel Granjo.

    Ainda sem querer revelar dados mais concretos, sabemos que assim que ficar concluída, a nova unidade Krear tem já vários projectos para entrar em produção. O primeiro será um projecto de turismo de gama alta, que será “desafiante” e com uma arquitectura “bastante diferenciadora”. Estão, ainda, em estudo, projectos de habitação a custos controlados e de residências de estudantes.

    “A curiosidade tem sido muita e temos tido muitos contactos de projectistas e empreiteiros para saberem como podem, inclusive, alterar o projecto inicial de uma construção tradicional para esta em fábrica”.

    Daniel Granjo refere, ainda, que, “embora a Casais vá, obviamente, integrar esta forma de construção em muito dos seus projectos, não somos aqui empreiteiros nem construtores. Não é uma solução exclusiva para a Casais. Vamos, sim, oferecer soluções para as empresas do sector”.

    A flexibilidade é, também, outras das importantes ferramentas da Krear. Não só pode produzir uma solução fabricada em betão, como uma solução híbrida. Existe, portanto, a possibilidade de complementar estas soluções com outras que a Casais já produz ao nível da construção modular, seja através do sistema Cree, como da Blufab.

    A pensar nesta “complementaridade”, a fábrica de Estarreja está já preparada com duas naves, em que uma delas terá a capacidade para produzir cerca de 100 m2 por dia em soluções híbridas Cree. Além disso, cerca de metade dessa segunda nave vai estar preparada trabalhar em soluções customizadas e este é um detalhe muito importante e que se diferencia de todas as fábricas que existem na Europa. “Sabemos que esta unidade só teria sucesso se conseguíssemos aqui um compromisso entre a capacidade de produção, competitividade e customização. É neste espaço que vamos fazer as fachadas, a tal ‘casca’ do edifício que, no fundo, é o que dá identidade ao edifício”, explica.

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Empresas

    Cimpor inaugura nova fábrica nos Camarões

    A nova fábrica destaca-se pela introdução de tecnologias de produção ecológica de nova geração de ‘argila calcinada’, colocando os Camarões numa posição de destaque

    CONSTRUIR

    A Cimpor inaugurou, oficialmente, esta sexta-feira, dia 19 de Julho, a sua nova fábrica nos Camarões. Um investimento que expande “significativamente” a presença empresa em África e que desempenha um “importante papel” no desenvolvimento das infraestruturas dos Camarões. Refira-se que a unidade já se encontrava a laborar desde 29 de Outubro de 2023.

    Em consonância com a estratégia de descarbonização da Cimpor, a nova fábrica destaca-se pela introdução de tecnologias de produção ecológica de nova geração de ‘argila calcinada’, colocando os Camarões numa posição de destaque não só em África, mas em todo o Mundo.

    Foi em 2020 que a Cimpor Global iniciou os seus investimentos em África, tendo começado em Abidjan, na Costa do Marfim, onde instalou a primeira fábrica integrada de cimento de argila calcinada do Mundo, baseada em processos de produção inovadores e sustentáveis adequados às características e recursos de África.

    Esta decisão permitiu reduzir as emissões de CO2 por tonelada de cimento até 40% através do recurso a cimentos de argila calcinada produzidos com a sua tecnologia ‘deOHclay’.

    Na sequência deste investimento inicial, a Cimpor começou a trabalhar na futura fábrica de cimento nos Camarões, em Kribi, equipada com a primeira e única linha de produção de argila calcinada com calcinador flash do Mundo actualmente em funcionamento.

    A empresa, através do seu braço nos Camarões – Cimpor Cameroun – tem actualmente uma capacidade de produção anual de 1,2 milhões de toneladas de cimento e 400 mil toneladas de argila calcinada.

    No seguimento da sua estratégia em África, a Cimpor prossegue a construção da sua terceira fábrica no Gana, equipada com tecnologias de produção de cimento mais ecológicas sustentáveis.

    Entretanto, e até 2030, a holding tem previsto um conjunto de investimento com vista a “aumentar a sustentabilidade” da sua actividade e que inclui o desenvolvimento de cimentos de baixo teor carbónico, a diminuição da pegada de CO2 das centrais, a produção de electricidade através de painéis fotovoltaicos e a criação de um sistema inovador de produção que utiliza o hidrogénio como motor principal.

    Em Março deste ano, TCC Group Holdings (TCC), um dos maiores produtores de cimento do mundo, adquiriu a totalidade das acções da Cimpor e assumiu o seu lugar como o terceiro maior produtor de cimento a nível global.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Governo já transferiu mais de 29M€ para a construção do Hospital Central da Madeira

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira

    CONSTRUIR

    O Governo da República já transferiu mais de 29 milhões de euros para a construção do Hospital Central e Universitário da Madeira. No relatório publicado esta sexta-feira pelo Tribunal de Contas é ainda possível ler que até Agosto de 2023, não foram identificadas irregularidades financeiras nas obras.

    No documento, o Tribunal de Contas deixa duas recomendações à Secretaria Regional de Equipamentos e Infraestruturas que, conjuntamente com a Secretaria Regional das Finanças, identifique, de forma desagregada, os montantes afetos, despendidos e programados em cada uma das vertentes do projeto do Hospital Central e Universitário da Madeira.

    A segunda recomendação é a de que promova o cumprimento dos prazos de pagamento definidos contratual e legalmente, evitando pagamentos em atraso. Conclusões e recomendações presentes no relatório da auditoria À primeira fase de construção do Hospital Central e universitário da Madeira, publicado hoje pelo Tribunal de contas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Focus Group e Prospectiva ganham loteamento do Casal do Pinto

    Numa área de 66.958m2, na Freguesia do Beato, vai ser criado um Parque Urbano de 3 hectares e a criação de 42 lotes na sua grande maioria para o uso habitacional. O concurso público lançado pela autarquia de Lisboa para a elaboração do projecto de loteamento do Casal do Pinto foi ganho pelo Focus Group, em consórcio com o gabinete Prospectiva

    CONSTRUIR

    O Focus Group, em consórcio com o gabinete Prospectiva, venceu o concurso promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, para a elaboração do projecto de operação de loteamento do Casal do Pinto. Trata-se de uma área de 66.958m2, na Freguesia do Beato, actualmente sem função nem uso, situada numa encosta virada a nascente/sul no antigo Vale da Quinta da Conceição, outrora zona de produção agrícola, que ao longo dos anos se converteu num enorme vazadouro ilegal, mas que se pretende, agora, seja transformada numa nova área habitacional na Cidade de Lisboa.

    Um novo parque verde com quase 3 hectares
    O «novo bairro», estará dotado de um parque urbano e um espaço público de grande relevância, procurando ter um papel importante na revitalização da zona – moldada por um misto de empreendimentos para a classe média e habitação social -, criando zonas de recreio, contemplação e de hortas urbanas.

    O loteamento servirá para colmatar a malha urbana existente do Bairro da Picheleira, com a criação de 42 lotes na sua grande maioria para o uso habitacional, com uma capacidade máxima de construção de 22.679 m2.
    Para além do projecto de loteamento está também previsto o projeto das obras de urbanização com uma área 76.079 m2, onde será desenvolvido o projeto do Parque da Quinta da Conceição com área aproximada de 2,6ha.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Em Maio, produção na construção recua na Zona Euro

    Em Maio a produção na construção recuou 2,4 % na zona euro e de 2,5 % na UE, face ao período homólogo de 2023, avança o gabinete de estatística da União Europeia, Eurostat

    CONSTRUIR

    A comparação mensal dos indicadores revela de em Maio de 2024, face ao mês anterior a produção no sector da construção, corrigida de sazonalidade, diminuiu 0,9% na zona euro e 1,0% na UE. Quando em Abril a produção no sector da construção já tinha caído 0,4 % na área do euro e mantendo-se estável na EU, de acordo com as primeiras estatísticas do Eurostat.

    Comparando o mês de Maio ao período homólogo de 2023 o gabinete de estatística da UE, aponta para um recuo de 2,4% da produção no sector da construção na zona euro, ao passo que na UE o recuo foi de 2,5%.

    Entre os países para os quais há dados disponíveis, as maiores quebras anuais registaram-se na Suécia (-7,5%), Eslovénia (-7,4%) e Alemanha (-7,0%), com a Hungria (7,3%), Bulgária (4,4%) e Dinamarca (1,1%) a registarem as únicas subidas.

    Já na comparação com Abril, a Croácia (-5,1%), Roménia (-4,1%) e Hungria (-3,8%) registaram os principais recuos e a Finlândia (1,9%), a Bulgária (1,1%), a Bélgica e a Espanha (0,3% cada) os maiores crescimentos.

    Em Portugal, a produção na construção manteve-se estável na comparação homóloga e caiu 3,3% face a Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    BUPi reconhecido com prémio internacional de inovação em SIG

    Distinção reconhece excelência na utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG). O projecto foi recentemente apresentado pela eBUPi perante plateia de líderes internacionais em informação geoespacial, no âmbito do National Geospatial Executive Summit

    CONSTRUIR

    O BUPi (Balcão Único do Prédio) foi distinguido com o Special Achievement in GIS (SAG) Award, prémio internacional, que reconhece práticas de excelência na utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG). A distinção atribuída em San Diego, nos Estados Unidos, pela ESRI Internacional , resulta de uma selecção restrita de projectos de dimensão inovadora em todo o mundo.

    Para Paulo Madeira, Coordenador Adjunto da eBUPi (Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado), esta distinção é “um reconhecimento internacional que temos de partilhar com os mais de 340 mil cidadãos que identificaram mais de 2,2 milhões de propriedades e com todas as entidades parceiras do projecto, com destaque para os municípios e todos os técnicos habilitados que diariamente contribuem para os resultados. Ao mesmo tempo é reconhecido o trabalho realizado pela eBUPi e pelas áreas governativas da Coesão Territorial e da Justiça e celebra o nosso compromisso com a inovação e a excelência no serviço aos cidadãos e na transformação do conhecimento do território em valor para o país”.

    O BUPi já recebeu várias distinções em domínios como a inovação em Administração Pública ou a inovação tecnológica, é agora premiado internacionalmente na área do SIG “o que confirma que as apostas na criação do GeoBUPi e em soluções de imagem inovadoras foram acertadas e estão alinhadas com aquilo que de melhor está a ser feito actualmente a nível mundial, reforçando o papel e destaque de Portugal enquanto país que abraça e promove a inovação”, explica o responsável.

    Recentemente, a coordenação da eBUPi apresentou o projecto perante uma plateia internacional, no âmbito do National Geospatial Executive Summit, que reúne decisores e especialistas internacionais no âmbito do domínio da engenharia geoespacial.

    O BUPi conta já com a adesão de 154 municípios em Portugal Continental e na Região Autónoma da Madeira dos 172 sem cadastro Predial, estando em curso o processo com vista à adesão dos 14 municípios da Região Autónoma dos Açores ainda este ano.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Preços das casas aumentam 5% no primeiro semestre

    O preço das casas em Portugal cresceu 5% no primeiro semestre de 2024, um período em que a oferta de imóveis disponíveis no mercado também aumentou, de acordo com os dados da Alfredo

    CONSTRUIR

    O Doutor Finanças, especialista em finanças pessoais, em conjunto com a Alfredo, uma plataforma de Inteligência Artificial que recolhe dados do setor imobiliário, acaba de divulgar o balanço dos dados imobiliários dos primeiros seis meses deste ano.

    O preço das casas em Portugal cresceu 5% no primeiro semestre de 2024, um período em que a oferta de imóveis disponíveis no mercado também aumentou, de acordo com os dados da Alfredo.

    “Mais uma vez, o índice de preços da Alfredo, mostra-nos exatamente o que está a acontecer no mercado imobiliário em Portugal através de informações atuais e fidedignas, baseadas em transações reais. Uma ferramenta que é, sem dúvida, fundamental e uma mais-valia para quem está, neste momento, a pensar em comprar ou vender uma casa”, afirma Sérgio Cardoso, administrador com o pelouro da Academia Doutor Finanças.

    Em junho, o valor médio por metro quadrado nas principais capitais de distrito do país fixou-se nos 2.868 euros, o que compara com 2.730 euros no mês de dezembro. No que diz respeito à oferta, havia cerca de 200.097 casas disponíveis no mercado em junho, mais do que no final do ano passado (173.293 imóveis).

    Ponta Delgada apresenta a maior subida do preço das casas

    Considerando a evolução no último ano, o preço das habitações em Portugal aumentou 8,1% em junho, depois dos crescimentos homólogos de 7,1%, 8,8% e 6,5% nos três meses anteriores.

    Entre as 20 regiões analisadas, os preços subiram em 17 e diminuíram em três: Castelo Branco, Portalegre e Vila Real. Por outro lado, Ponta Delgada foi a região com o maior crescimento homólogo (20,9%), seguindo-se Aveiro (19,7%), Viana do Castelo (18,2%) e Leiria (15,4%).

    Leiria também se destacou como a região com a margem de negociação de preços mais elevada do território nacional, em junho, de 17,8%. A margem de negociação é o desconto esperado entre o preço de listagem (asking price) e o valor pelo qual a transação vai fechar.

    A seguir surgem Setúbal (15,6%), a Ilha da Madeira (15,4%) e a Guarda (14,4%), e com as margens mais baixas evidenciam-se Viseu (0,69%), Coimbra (1,91%) e Faro (2,22%).

    “Sabermos qual a taxa de desconto que está a ser praticada no mercado é relevante para quem está a pensar colocar um imóvel à venda ou para quem está à procura de casa para comprar. Estes dados oferecem maior visibilidade sobre a realidade do mercado imobiliário e expõem a diferença entre aquilo que vemos nos anúncios e aquilo que é a realidade”, refere Gonçalo Abreu, CEO e um dos cofundadores da Alfredo.

    O Índice de Preços Alfredo reúne informação de vários portais públicos de listagem e sites de agências imobiliárias com dados de transação que são posteriormente trabalhados utilizando algoritmos avançados de Inteligência Artificial, o que permite mostrar a realidade do mercado imobiliário em Portugal de uma forma ímpar. O Doutor Finanças é parceiro da Alfredo no relatório emitido com dados em tempo real.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.