Edição digital
Assine já
Arquitectura

OA debate contratação pública e as suas alterações

A iniciativa terá lugar na sede da OASRN, no dia 24 de Outubro entre as 14h30 e as 18h30 e, embora seja gratuita, é necessário inscrição prévia

CONSTRUIR
Arquitectura

OA debate contratação pública e as suas alterações

A iniciativa terá lugar na sede da OASRN, no dia 24 de Outubro entre as 14h30 e as 18h30 e, embora seja gratuita, é necessário inscrição prévia

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
LIDL investe 17 M€ na modernização de mais quatro lojas
Empresas
LIDL-loja
Construção metálica e mista bate recorde de exportações
Construção
Construção modular da Dstgroup integra Smart Studios Asprela
Construção
Construção sustentável entre os premiados do BfK Ideas
Construção
MAP Engenharia com duas novas obras em execução
Engenharia
Veka apresenta as suas últimas inovações na feira Veteco
Empresas
MASS Lab projecta comunidade sustentável na Quinta da Freixeira [c/galeria imagens]
Arquitectura
iCapital expande escritório de Lisboa
Imobiliário
Portugal Sotheby’s Realty cresceu 40% em facturação desde Janeiro
Imobiliário
Grupo Gresmanc reforça compromisso com meio ambiente com certificação ISO 14001
Empresas

Tendo em conta a entrada em vigor da Lei n.º 30/2021 de 21 de Maio, que veio introduzir novas dinâmicas aos procedimentos de contratação pública, a Comissão e Desenvolvimento Regional do Norte (CDRN), no seguimento do que já tinha sido feito em 2018, aquando das anteriores alterações ao Código de Contratação Pública (CCP), vai organizar a segunda edição de uma “Mesa Redonda”, no sentido de promover a apresentação e o debate sobre as medidas especiais de contratação pública e as alterações ao CCP. A iniciativa terá lugar na sede da OASRN, no dia 24 de Outubro entre as 14h30 e as 18h30 e, embora seja gratuita, é necessário inscrição prévia.

À semelhança do que aconteceu na primeira edição, a mesa redonda volta a contar com a presença de Fernando Batista, presidente do IMPIC. que fará uma breve apresentação da Lei e as suas alterações.

No debate irão também estar presentes representantes de entidades como o IHRU e o município do Porto, introduzindo na discussão visões e experiências multifacetadas, quer enquanto concorrentes, membros de júris, ou representantes da administração pública.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
LIDL-loja
LIDL investe 17 M€ na modernização de mais quatro lojas
Empresas
Construção metálica e mista bate recorde de exportações
Construção
Construção modular da Dstgroup integra Smart Studios Asprela
Construção
Construção sustentável entre os premiados do BfK Ideas
Construção
MAP Engenharia com duas novas obras em execução
Engenharia
Veka apresenta as suas últimas inovações na feira Veteco
Empresas
MASS Lab projecta comunidade sustentável na Quinta da Freixeira [c/galeria imagens]
Arquitectura
iCapital expande escritório de Lisboa
Imobiliário
Portugal Sotheby’s Realty cresceu 40% em facturação desde Janeiro
Imobiliário
Grupo Gresmanc reforça compromisso com meio ambiente com certificação ISO 14001
Empresas
Arquitectura

MASS Lab projecta comunidade sustentável na Quinta da Freixeira [c/galeria imagens]

O gabinete de arquitectura apresenta-nos a Quinta da Freixeira, um projecto urbano que assenta na criação de uma comunidade sustentável, inclusiva e com reduzida pegada ecológica. Uma proposta em que o gabinete assume também o seu papel, e responsabilidade, na criação de cidades mais acessíveis e habitáveis

O projecto urbano da Quinta da Freixeira, desenhado pelo gabinete de arquitectura MASS Lab parte de uma premissa: “estima-se que em 2030, uma em cada cinco pessoas que vivem em ambiente urbano vão querer morar no campo”. “Então, como podemos viabilizar uma experiência de vida radicalmente diferente fora da cidade, que agrade aos actuais moradores urbanos?” questionou o gabinete. Desta reflexão nasceu a Quinta da Freixeira, um projecto que conta com a promoção da ADD Solid, e que tem por base um conceito de sustentabilidade ambiental, ecológico e social.

Este novo empreendimento está localizado em Lousa, no concelho de Loures, na fronteira com o município de Mafra, no centro de um triângulo montanhoso compreendido entre as serras da Atalaia, Carregueira e Serves, o que lhe confere um tipo de paisagem distinta da habitual paisagem dos municípios da grande Lisboa. A Quinta da Freixeira remonta à primeira metade do século XVIII, num período marcado pela fixação de diversas actividades industriais, associadas às actividades agrícolas e pecuárias da região. Esta envolvência e património histórico são recuperados e fazem parte integrante do projecto delineado pelo atelier para a construção de uma “Comunidade”.

“A proposta integra a manutenção de elementos do ambiente industrial, como os fornos e chaminés, aos quais são associados diferentes papéis na materialização de um imaginário de regeneração, associados à caracterização do espaço público, assim como de alguns edifícios afectos a lotes privados que deverão ser respeitados, regenerados e integrados com o novo edificado a construir”, lê-se na proposta do projecto.

A construção de uma comunidade
Mais do que a oferta residencial esta é uma proposta de criação de uma comunidade “centrada nas pessoas”, que aproveita “a envolvente natural para funções complementares à urbanização”, quer na vertente social quer na vertente de lazer e desporto.

Numa área com mais de 55 000 m2, apenas 11 000m2 estão previstos para habitação, distribuídos por 45 moradias e 38 apartamentos. Cerca de 7600 m2 estão destinados ao comércio, serviços, restauração, estando prevista ainda a criação de um pólo tecnológico. O projecto integra ainda uma residência sénior com capacidade para 120 utentes e uma unidade de cuidados continuados. Os diferentes programas de serviços, oferecem novos postos de trabalho, agregadores de espaços com opções de lazer, cultura e educação.

O projecto de arquitectura contempla ainda a criação de uma rede de espaços comunitários, zonas de hortas, desporto e parques infantis, bem como de uma rede pedonal de aproximação à natureza. “Toda a área da proposta está dotada de espaços de convívio do mais diferente ao mais específico: diferentes zonas de estar estão espalhadas pelo terreno, porém zonas mais específicas como zonas de horta, zona de exercício físico informal e parques infantis estão estrategicamente localizadas para que os utilizadores com interesses comuns possam usufruir e partilhar estes espaços”.

O pilar da sustentabilidade
O projecto assume desde a primeira hora o compromisso com a sustentabilidade, ambiental, mas também social e económica, com a redução de emissões e com a circularidade dos materiais. Em suma, “recorremos a estratégias que tornam a proposta sustentável do ponto de vista social, económico, hídrico e ambiental, de forma a tornar esta zona o menos dependente de outras centralidades. A presente solução enfatiza o sentido de comunidade e circularidade através de um conjunto auto-suficiente envolvendo e integrando os seus residentes”.

Afinal, “uma comunidade verde e resiliente tem de ser planeada, projectada e operada de forma a minimizar as emissões ao longo do ciclo de vida do seu desenvolvimento e da sua operação. O objectivo é atender às necessidades dos seus residentes, trabalhadores e visitantes, sendo capaz de criar um ambiente e lugar que responda às exigências contemporâneas de pessoas e negócios permitindo que a comunidade prospere”, justifica a equipa de arquitectos no documento de apresentação da Quinta da Freixeira.

Face à preocupação com as alterações climáticas, o projecto introduz um tipo de construção “com o mínimo impacto possível, considerando a impermeabilização do solo e facilitando o ciclo natural da água. Além disso, promove-se a criação de sistemas de armazenamento de águas da chuva que podem ser canalizados para o sistema de rega ou depósitos relativos a sistemas de segurança de contra incêndios”.

Na Quinta da Freixeira, o gabinete MASS Lab substitui o conceito de fim-de-vida da economia linear por novos fluxos circulares de reutilização, restauração e renovação, num processo integrado. “É um conceito estratégico que assenta na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Inspirando-se nos mecanismos dos ecossistemas naturais, que gerem os recursos a longo prazo num processo contínuo de reabsorção e reciclagem, este conceito promove um modelo económico reorganizado, através da coordenação dos sistemas de produção e consumo em circuitos fechados. Caracteriza-se como um processo dinâmico que exige compatibilidade técnica e económica, mas que também requer igualmente enquadramento social e institucional”. A proposta pretende promover a utilização de materiais provenientes desta economia circular, mas também a própria recolha de materiais e resíduos selectiva. Alcançar o “net zero” é assumidamente uma meta a cumprir.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Arquitectura

A sublime integração com a Natureza [c/galeria de imagens]

Vencedor do concurso de arquitectura Concreta Under 40, o projecto do atelier Inês Brandão Arquitectura representa um elogio à natureza envolvente do montado alentejano e à sua arquitectura tradicional

O projecto da autoria do atelier da arquitecta Inês Brandão tem como pano de fundo a paisagem alentejana, inserido numa propriedade com 70 hectares, onde os carvalhos, as azinheiras, os sobreiros e as giestas povoam os diversos montes e criam uma paisagem idílica. Um projecto que privilegia o contacto com a natureza e que buscou na arquitectura tradicional alentejana um segundo foco de inspiração.

“Os clientes não sabiam ao certo o que é que queriam, para além de que queriam uma casa onde se usufruíssem ao máximo desta qualidade de vida de campo. Esse foi o nosso ponto de partida: privilegiar e, simultaneamente, explorar ao máximo a natureza envolvente”, conta Inês Brandão. Uma tarefa facilitada, ou não, pelo facto deste terreno estar isento de construções pré-existentes o que permitiu a escolha do lugar certo para este projecto, no alto de uma colina, com vista privilegiada para a lagoa e colinas circundantes.

A sua forma, em cruz, surge da adaptação da construção ao local e às suas preexistências naturais, contornando as árvores à sua volta, sem cortar nenhuma. A arquitecta recorre à imagem de uma bailarina para justificar a escolha da forma da construção, moldada, em torno das árvores. Desta forma, “permitiu-se que cada um dos seus quatros braços fosse inteiramente rodeado pela paisagem envolvente que penetra no interior de cada espaço, criando a ilusão de uma construção de escala mais reduzida”, descreve.

Os 400 m2 de casa estão, assim, repartidos, comungando com a natureza sem a ela se sobrepor, enquanto a alusão à arquitectura típica alentejana ganha relevo. “A nível formal uma das imagens de referência que tínhamos era a típica casa branca, com grandes chaminés, mas de dimensão mais pequena. Esta forma em cruz permite-nos uma ilusão quanto à real dimensão do projecto”, conta Inês Brandão.

Quase que escondida pela natureza, chega-se à Casa por um caminho que serpenteia o terreno desde a entrada da propriedade, situada a um nível mais baixo, “permitindo a quem aqui chega absorver a envolvente da região, não revelando de imediato toda a paisagem e a casa”, o que reforça a imagem de um refúgio/oásis.

O refúgio
O hall de entrada é o ponto de intersecção dos dois eixos que definem a organização espacial da casa, e a partir do qual se acede aos restantes espaços. “No volume adjacente à entrada, encontramos o espaço de refeições e a sala de estar, que se abre generosamente para a extensa vista sobre o montado de sobro. No final deste braço está o escritório, um espaço mais intimista separado do resto por um alpendre, e com uma relação mais “serena” com a paisagem.

No volume perpendicular ao anterior, a cozinha surge, a um nível inferior, com uma relação mais próxima com a piscina, que dela se avista, conferindo a este espaço um carácter lúdico e convivial. Uma vez que consideramos que a casa e a paisagem se fundem num único elemento, foi fundamental pensar o desenho paisagístico de forma coerente, escolhendo plantas adaptadas ao clima, com pouca manutenção e resistentes à seca, com o objectivo de criar ambientes de cada área (..)”, descreve.
Por fim, no lado oposto da cozinha, desenvolve-se, a um nível superior, o volume dos quartos, acessível através de uma escada, que se prolonga até ao corredor que dá acesso aos quartos e que é pontuado por um conjunto de aberturas que permitem a iluminação natural do espaço, mas que mantêm a privacidade desta área. Cada quarto tem uma relação independente com a paisagem, usufruindo de uma vista mais controlada, dada a topografia que os acolhe. Lavanda e outras pequenas espécies formam a fronteira junto aos alpendres dos quartos, reforçando a tranquilidade inerente a estes espaços.

Ao longo de toda a Casa foram criados alpendres, antecâmeras que funcionam como espaços de transição entre interior e exterior e que delimitam os diferentes espaços. “Esses espaços podem ser ocultados por persianas de aço corten perfuradas, uma reinterpretação do “muxarabi” – elemento da arquitectura vernacular árabe, que controla passivamente a temperatura dentro da casa, pois permite a ventilação constante desses espaços”.
Da varanda ao interior, as vigas de madeira e a materialidade do piso reforçam a continuidade espacial. O betão afagado foi o material escolhido para o pavimento de toda a casa, pela sua simplicidade e robustez. Em toda a casa, o armazenamento foi embutido nas paredes e escondido através de portas com núcleo de palha. Este sistema permite que os espaços interiores dos armários sejam permanentemente ventilados.

Ficha Técnica

Nome do Projecto: Casa no Crato
Ano de conclusão do projecto: 2021
Área bruta construída: 394m2
Localização do projecto: Crato, Alentejo, Portugal
Programa: Habitação Unifamiliar
Arquiteto Líder: Inês Brandão
Equipa de projecto: Ana Filipa Santos, Olivier Bousquet
Escritório de Engenharia: Equação PTV
Paisagismo: Inês Brandão Arquitectura
Empreiteiro Geral: Jorge Félix dos Santos
Director de Obra: Rui Chorinca
Serralharia: Proençafer – Indústria De Serralharia
Carpintaria: Carpintaria Alagoense
Equipa de jardinagem: Tiago Dias e João Mário Dias

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Arquitectura

Decoração do novo Mosteiro de Santa Clara com assinatura da Vilaça Interiores

“Acreditamos que entrelaçar a história e a tradição ao requinte e contemporaneidade que nos caracteriza é a melhor forma de respeitar a nobreza do monumento”, afirma Rui e Tiago Vilaça

CONSTRUIR

A Vilaça Interiores, empresa de design e arquitectura de interiores, inserida no mercado de luxo, assume a decoração do novo Hotel e Spa de 5 estrelas, nascido da recuperação de um dos mais icónicos monumentos nacionais, o Mosteiro de Santa Clara, em Vila do Conde. Uma operação que contou com um investimento entre os dois e os três milhões de euros.

A reconstrução do antigo Convento é um projecto do Grupo Arliz, que actua em várias áreas de negócio, nomeadamente a construção civil e a gestão hoteleira, e conta com a colaboração do arquitecto Carvalho Araújo, que liderou a componente estrutural e de renovação da obra.

De acordo com Rui e Tiago Vilaça, a dupla da Vilaça Interiores, “foi uma enorme honra em participar num projecto desta dimensão”. “Acreditamos que entrelaçar a história e a tradição ao requinte e contemporaneidade que nos caracteriza é a melhor forma de respeitar a nobreza do monumento”, afirmam.

Ocupando os primeiros três pisos estão os cerca de 90 quartos, sendo que o último é composto por quartos temáticos, pelos quais atravessa a magia das águas-furtadas. Responsável por torná-los requintados e confortáveis, a Vilaça Interiores recorreu quase integralmente a móveis de design próprio e fabricados em exclusivo para o hotel, deixando as paredes narrar a história do edifício através de fotografias e ilustrações do Mosteiro.

Além de um sofisticado serviço de alojamento, o hotel integra múltiplos espaços socias e culturais.

De acrescentar, ainda, que, no decorrer da obra, foi descoberto um piso subterrâneo sem registos anteriores, no qual está previsto um Centro Interpretativo, a abertura de um restaurante de luxo, não só para os hóspedes, mas também aberto ao público, acompanhado pela garrafeira onde irão habitar os vinhos a ser servidos aos clientes.

Paralelamente, numa construção em separado que avizinha o hotel, idealizou-se a concepção daquela que virá a ser a sua atracção primordial, o Spa e Wellness Center, que garante diversos serviços de lazer, entre os quais a sauna e a piscina interior.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

“The Clothed Home” ou como estavam “vestidas” as casas dos nossos antepassados

A exposição de origem polaca “The Clothed Home: Tuning In To The Seasonal Imagination” evoca rituais de relação com o mundo natural e reflexão do ritmo das mudanças sazonais

CONSTRUIR

A exposição ‘The Clothed Home: Tuning In To the Seasonal Imagination’ está patente até ao final do mês de Novembro na Trienal de Arquitectura de Lisboa e explora as formas como os têxteis têm sido utilizados para reflectir o ritmo das mudanças sazonais nos interiores domésticos.

A ideia da exposição polaca, criada em 2021, revela uma surpreendente actualidade. Cada vez mais se começa a procurar formas de adaptar os interiores ao inverno que se aproxima – não só no contexto decorativo, mas também para fornecer isolamento adicional. Assim, a atenção volta-se para a sazonalidade, até há pouco tempo considerada parte marginal da vida, mas que agora se sente cada vez mais o seu impacto.

Enraizada nas antigas tradições têxteis polacas e nos rituais domésticos, a exposição procura restabelecer e cultivar uma relação mais atenta com o mundo natural e as suas contínuas mudanças. Na era pré-elétrica, antes que a acessibilidade do aquecimento central e do ar condicionado tornasse os moradores acostumados às condições externas, as casas funcionavam como ressoadores, ajudando-os a sentir o ritmo cíclico do ano.

Inspirações e soluções para as casas podem ser encontradas na tradição polaca dos têxteis, que é explorada e exibida pela “The Clothed Home”. A exposição recorda como estavam “vestidas” as casas dos nossos antepassados, utilizando as tradições dos desenhos têxteis polacos anteriores à era da electricidade.

Os criadores de kilins tecidos à mão, revestimentos de parede e tecto, tapetes e outros têxteis utilizados para design de interiores, usam o significado e a temperatura das cores para recriá-los. Assim, indicam o ritmo que outrora foi marcado pelo ciclo das estações. A visualização destas salas “vestidas”, executadas por Alicja Bielawska, uma artista que cria obras espaciais com tecidos, inspira a re-sintonizar os ciclos da natureza e a refletir sobre o seu lugar no presente.

Małgorzata Kuciewicz e Simone De Iacobis do grupo Centrala – um estúdio de arquitectura e pesquisa de Varsóvia que lida com reinterpretações e intervenções espaciais destinadas a renovar a linguagem da arquitectura – são responsáveis pelo conceito e design da exposição. A curadora da exposição é Aleksandra Kędziorek, e a identidade visual foi desenhada por Anna Kulachek.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

As instalações dos Aires Mateus para a Bienal de Veneza em livro

A apresentação do livro “Aires Mateus Architectural Terrains Five Investigations” é uma iniciativa da Livraria A+A e da editora Architangle e tem lugar no CCB no próximo dia 15 de Novembro

CONSTRUIR

A Livraria A+A e a editora Architangle apresentam, no próximo dia 15 de Novembro, o livro “Aires Mateus Architectural Terrains Five Investigations”. A iniciativa terá lugar na Garagem Sul, do Centro Cultural de Belém e será apresentada por Delfim Sardo.

Esta edição, que apresenta as cinco instalações de arquitectura criadas para a Bienal de Veneza pelos arquitectos Aires Mateus durante a última década, está dividida em cinco volumes singulares. Cada um dos quais dedicado a uma das cinco instalações e que reflectem como nelas o espaço é retratado de uma forma sensitiva, poética e até matemática.

Cada instalação possui um pequeno ensaio, escrito por filósofos, arquitectos e um crítico de arte, nomeadamente Ricardo Carvalho, Nuno Crespo, Sofia Pinto Basto, Paulo Pires do Vale e ainda Delfim Sardo. Inclui, ainda, textos introdutórios de Francisco e Manuel Aires Mateus.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Fotografia: Ivo Tavares Studio

Arquitectura

Apresentação do projecto Turismo & Arquitectura I Plataforma Tours

A Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura, em Matosinhos, vai receber no próximo dia 11 de Novembro a apresentação do Projecto Turismo & Arquitectura I Plataforma Tours

CONSTRUIR

A Casa da Arquitectura – Centro Português de Arquitectura, em Matosinhos, vai receber no próximo dia 11 de Novembro a apresentação do Projecto Turismo & Arquitectura I Plataforma Tours.

A Plataforma Tours é uma componente do Programa “Turismo & Arquitectura” que resulta
de uma parceria entre a Casa da Arquitectura e o Turismo de Portugal.

O director-executivo da Casa da Arquitectura, Nuno Sampaio, e o Presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, farão a apresentação do projecto. O encerramento da sessão será feita pela Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal apresenta nova ronda de ‘Projectos Independentes’

A partir deste Sábado, dia 5 de Novembro, o novo ciclo arranca com a inauguração de três exposições no Palácio Sinel de Cordes, assim como mais dois espaços expositivos nas Carpintarias de São Lázaro e Galerias Municipais – Galeria Avenida da Índia

CONSTRUIR

A Trienal de Lisboa apresenta, a partir deste Sábado, dia 5 de Novembro, um novo ciclo de ‘Projectos Independentes’ que arranca com a inauguração de três exposições no Palácio Sinel de Cordes. 

The Clothed Home, exposição da artista Alicja Bielawska com curadoria de Aleksandra Kedziorek, organizada pelo Adam Mickiewicz Institute, explora as formas como os têxteis têm sido utilizados para reflectir o ritmo das mudanças sazonais nos interiores domésticos. A exposição foi recentemente apresentada no MAO, em Liubliana. 

Cidades (Des)Feitas por Infra-estruturas de Transporte Segregadas, da autoria de Filipe Temtem (Organização Elemental Chair, PUC Chile), apresenta um protótipo de um viaduto que funciona como infraestrutura retroactiva, no contexto de uma cidade chilena (des)feita por ferrovias e autoestradas. O projecto inclui ainda uma conferência a 25 de Novembro.

E, por fim, Terra-Collar Work, com curadoria de Gregg Tendai, Juaniko Moreno e Nastia Volynova é uma instalação criada a partir de um workshop realizado no Palácio dias antes da inauguração que aborda a urgência de reimaginar a concepção do trabalho no contexto das alterações climáticas.

Além destas três exposições, o Palácio Sinel de Cordes vai ainda acolher, esta sexta-feira, dia 4, e 25 de Novembro, o primeiro dia das duas últimas sessões do workshop Terra como Casa (que se estende à Casa da Cerca nos dias 5, 6, 26 e 27 de Novembro) e, a 22 e 23 de Novembro, o workshop Tracing Data Exhaust in Conflict Zones, que explora a relação dos seres humanos com a sua pegada digital, seguindo o rasto de metadados que expandem e condicionam as relações humanas.

O programa deste novo ciclo marca também presença em mais dois espaços de Lisboa. De 17 de Novembro a 30 de Dezembro vai estar patente a exposição River Somes nas Carpintarias de São Lázaro. Criada por um colectivo de autorias e colaborações, o projecto propõe a regeneração e renaturalização fluvial para interligar as diversas comunidades que habitam a cidade de Cluj-Napoca, na Roménia.

Nas Galerias Municipais – Galeria Avenida da Índia, será possível visitar, de 17 de Novembro a 26 de Março de 2023, a exposição Disquietude: Arquitectura e Energia em Portugal. Com curadoria de Lars Fischer e Kim Förster, esta aborda o emaranhado entre arquitectura e energia no século XXI, utilizando Portugal como exemplo e tendo em conta as transformações actuais

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Pedro Carrilho assina nova sede da RFF & Associados

“De forma a ir ao encontro da marca, apostámos numa palete de cores e materiais que reflectissem os valores da RFF & Associados e que consistem na conjugação da madeira, do branco ou dos apontamentos em aço corten”, refere o arquitecto Pedro Carrilho

CONSTRUIR

A Pedro Carrilho Arquitectos, atelier de arquitetura e urbanismo, especializado em reabilitação urbana, é responsável pela concepção arquitectónica dos interiores e estruturação funcional da nova sede dos escritórios da RFF & Associados, na emblemática Avenida da Liberdade, em Lisboa.

Para quebrar com a linha arquitectónica de sobriedade comum a todos os espaços de circulação, de trabalho e de reunião, e também por se tratar de um espaço de pausa e convívio entre colaboradores, pretendeu-se criar um ambiente mais descontraído.

O espaço, com uma área de 500 m2, divide-se por dois pisos e foi pensado tendo por base a correspondência de diferentes tipos de funções. O piso superior é destinado à recepção principal, acolhimento dos clientes, salas de reunião sobre a Avenida e ainda algumas zonas de escritórios com vista para o Jardim do Torel. No piso inferior distribuem-se os restantes espaços de trabalho, divididos entre gabinetes comuns, espaço open space e ainda um espaço de copa que comunica com um terraço interior, muito acolhedor e agradável.

“De forma a ir ao encontro da marca, apostámos numa palete de cores e materiais que reflectissem os valores da RFF & Associados e que consistem na conjugação da madeira, do branco ou dos apontamentos em aço corten”, refere o arquitecto Pedro Carrilho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Arquitectura flutuante num futuro marcado pelas alterações climáticas

A Go Friday, empresa dedica à arquitectura flutuante do grupo Ecosteel em parceria com a Miami School of Architecture, lançaram o concurso “Floating House Design Competition”, que envolveu estudantes de aquitectura de diversos países

CONSTRUIR

(Na imagem: “The Lantern House”, da autoria de Lauren Elia, vencedora do concurso)

A competição teve como objectivo promover a investigação relacionada com importantes aspectos que têm contribuído para o desenvolvimento da arquitectura flutuante em todo o mundo. De que forma poderá a arquitectura flutuante contribuir para uma maior habitabilidade num futuro marcado pelas mudanças climáticas? Esta foi uma das questões que esteve na base deste concurso que colocou em evidência algumas das preocupações partilhadas pela Go Friday e pela Miami School of Architecture, SOA, como seja a adaptação ao calor extremo e o aumento do nível do mar.

Neste concurso, no qual participaram 16 alunos com trabalhos individuais e em grupo, foram apurados três vencedores, os quais, além de um prémio monetário, tiveram oportunidade de conhecer o departamento de I&D da Go Friday, em Portugal. “The Lantern House”, da autoria de Lauren Elia, foi o projecto vencedor, seguindo-se em segundo lugar “The Mangroon”, da dupla Vanessa Crespo e Anan Yu e, em terceiro lugar, “Aria”, de Tiffany Agam e Isacio Albir. As propostas apresentadas pelos jovens estudantes de arquitectura têm em comum a resposta a um desafio: criar casas flutuantes, projectadas a partir de estruturas capazes de fazerem face às alterações climáticas, adaptando-se ao meio ambiente.

“A ideia de morar em casas flutuantes é algo que devemos levar em consideração, principalmente morando em Miami”, relembra Veruska Vasconez, professora da Miami School of Architecture, acrescentando que “as inundações tendem a agravar-se e o desenvolvimento excessivo de arranha-céus é esmagador”, pelo que ”o bom arquitecto deve ser capaz de pegar no conceito de casa-barco e criar espaços que proporcionem qualidade de vida”.

A cerimónia que reuniu os alunos e professores da Miami School of Architecture contou ainda com a presença de José Maria Ferreira, CEO da Ecosteel, para quem “as casas-barco são a prova que há sempre espaço para inovar, nunca esquecendo as crescentes preocupações com soluções que primem pela eficiência energética e sustentabilidade ambiental”. Para José Maria Ferreira, as casas-barco da Go Friday são fruto do pioneirismo, abordagem visionária e de uma aposta no estabelecimento das melhores relações e parcerias na área da indústria, design, tecnologia e I&D.

“Acaba por ser gratificante assistir ao talento de jovens futuros arquitectos que acreditam naquele que é o conceito da Go Friday e no potencial que possui enquanto solução para viver e desfrutar em ambientes únicos como seja o rio Douro, em Portugal, o rio Mystic em Massachusetts, nos Estados Unidos ou as margens Porto Rico, cenário que surgiu de inspiração para um dos projectos vencedores”, acrescenta.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal: As Talks arrancam esta quarta-feira

As Talks, Talks, Talks, as conferências da Trienal, reúne diferentes vozes com um contributo fundamental para os temas de Terra, com figuras que vão da arquitectura à agricultura, antropologia ou ao activismo social. Acontece de 26 a 28 de Outubro, na Fundação Calouste Gulbenkian

CONSTRUIR

Porquê? Como? Para quem? São estas as questões orientadoras de três dias de apresentações e debates que enriquecem as temáticas desenvolvidas nas exposições centrais de Terra.

O arranque deste ciclo de conferências dá-se esta quarta-feira, dia 26 de Outubro, pelas 18 horas, com um trio de vozes com saberes disciplinares complementares para responder à questão: “Porquê construir uma visão transversal dos problemas que enfrentamos?”

Através de um diálogo irreverente e reivindicativo traça-se o diagnóstico e propõem-se modos de acção colectiva. Para este painel são chamados à acção Arjun Appadurai, antropólogo e professor, Alexander D’Hooghe, urbanista e investigador e Keller Easterling, arquitecta e escritora (que vem em substituição de Vandana Shiva que não poderá comparecer). A moderação está a cargo de Marta Sequeira, arquitecta e investigadora.

“Como reimaginar os instrumentos da arquitectura em prol da economia circular?” é o tema do segundo dia de Talks, dia 27 de Outubro. Esta sessão traz a debate investigações que se debruçam sobre contextos urbanos complexos. A comparação entre os lados opostos do actual sistema de extracção e exploração de recursos é o catalisador para uma nova geração de modelos alternativos. Marcam presença Marc Angélil, investigador e professor, Charlotte Malterre-Barthes, arquitecta e investigadora e Rahul Mehrotra, urbanista e professor. A moderação é do autor e curador, Pedro Gadanho.

O terceiro dia é dedicado às comunidades, através de três práticas que procuram recuperar o equilíbrio em ecossistemas sociais diversos, do Brasil aos Países Baixos e à Índia. Através da pergunta “Para quem são mais urgentes soluções arquitectónicas?” e de exemplo recentes procura-se encontrar pistas para uma verdadeira mudança à escala global. Para o debate do dia 28 estarão presentes Anupama Kundoo, arquitecta e professora, Erik Stenberg, arquitecto e professor e Ernst Götsch, agricultor e investigador, e Marc Leiber, agrónomo e consultor. Inês Dantas, arquitecta e investigadora, faz a moderação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.