Edição digital
Assine já
Construção

Portal da Construção Sustentável: Novo apoio à eficiência energética é “passo de gigante, mas para trás” 

Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis conta com nova categoria e reforço de15 M€. Contudo, “o recurso a materiais convencionais provenientes do petróleo”, quer dizer que “continuaremos a isolar os nossos edifícios com materiais baratos e altamente poluentes”

CONSTRUIR
Construção

Portal da Construção Sustentável: Novo apoio à eficiência energética é “passo de gigante, mas para trás” 

Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis conta com nova categoria e reforço de15 M€. Contudo, “o recurso a materiais convencionais provenientes do petróleo”, quer dizer que “continuaremos a isolar os nossos edifícios com materiais baratos e altamente poluentes”

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Linha Violeta estende Metro a Odivelas e Loures
Engenharia
IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação
Construção
Schneider Electric lança versão minimalista dos mecanismos D-Life
Empresas
Engenheiros e Economistas adoptam posição conjunta sobre Alta Velocidade
Engenharia
AEG apresenta nova ‘Garrafeira de Envelhecimento’ da gama Matt Black
Empresas
Segunda vida do icónico Edifício Cruzeiro começa agora
Arquitectura
Topeca lança Tuforte Juntas Hydro
Empresas
Geberit recebe ‘Medalha de Platina’ da EcoVadis
Empresas
Análise: “2023 deverá manter actividade em níveis dos últimos cinco anos”
Imobiliário
Villages da Natixis em Portugal têm “novas cidades” para visitar
Imobiliário

Portugal, recorrendo ao PRR e através do Fundo Ambiental, acaba de reforçar o Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis, em 15 milhões de euros, incluindo uma nova categoria que visa a melhoria da eficiência energética e ambiental dos edifícios, recorrendo a materiais convencionais para isolamento.

Uma decisão que não foi bem recebida pelo Portal da Construção Sustentável (PCS), já que recorrer a materiais “convencionais para isolamento” quer dizer que “continuaremos a isolar os nossos edifícios com materiais baratos e altamente poluentes”. Aline Guerreiro, CEO do PCS, considera que “este é um passo de gigante, mas para trás, na imperativa corrida a um desenvolvimento mais sustentável”.

Sendo o ambiente construído um dos mais poluentes, desde a extracção de matérias-primas até ao fim de vida útil de um edifício, o que significa mais de 40% das emissões, mais de 50% de resíduos, o consumo de cerca de 60% de recursos naturais e mais de 40% de energia, no mundo, “a forma de tornar os edifícios mais sustentáveis é começar pelo início, ou seja, pelas matérias-primas, que têm de deixar de ser provenientes do petróleo”, afirma a responsável pelo PCS.

“Todo o material proveniente deste combustível fóssil já poluiu o bastante. Não esquecer que o CO2 liberado durante a queima de petróleo é o principal responsável pelo aquecimento global. O dióxido de enxofre, um dos poluentes também libertados na mesma combustão, é a causa principal da chuva ácida”.

A construção deve, por isso, optar por pré-fabricados, na medida em que esta opção pode representar uma poupança de 80% de energia, já que a eficiência energética não se refere apenas ao funcionamento de um edifício, mas também ao uso e aplicação de recursos materiais. “Os materiais convencionais e as técnicas tradicionais de construção são grandes consumidores de energia e geram resíduos sólidos que, na maioria das vezes, não são reciclados, como por exemplo, os materiais plásticos ou derivados de combustíveis fósseis. Construções modulares podem reduzir a produção de resíduos até 90%, (Waste & Resources Action Program) já que são realizadas em ambiente controlado”.

Isolar convenientemente os edifícios é outro aspecto fundamental e, também aqui, o tipo de isolamento escolhido deve ser tido em conta. “Os isolamentos devem ser naturais e não provenientes de petróleo, por todas as razões já descritas. No nosso País já temos produção e bons aplicadores de outro tipo de isolamento que não os combustíveis fósseis, como por exemplo, as lãs e a cortiça. Isolar um edifício diz também respeito às caixilharias: optar sempre por materiais duráveis e, mais uma vez, não provenientes de petróleo. Estes, aplicados a caixilharias tendem a deteriorarem-se, a alterarem a sua forma com o tempo sendo, mais uma vez, altamente poluidores”.

“Construir para desconstruir é o novo mote para uma construção mais sustentável. Se ao invés de aplicarmos colas e outros aglutinantes que dificultam a reciclagem e reutilização de materiais e optarmos por sistemas mecânicos de encaixe, estaremos a possibilitar novas vidas aos materiais quando o edifício atingir o seu fim de vida. É por isso que os projectos devem conter também as “instruções” de desconstrução”.

No mesmo sentido, “o edifício deve, no final da sua vida útil, ser desconstruído selectivamente”. Utilizando aqui, também, a regra do 3R’s – reduzir, reutilizar, reciclar – “todos os materiais devem ser separados por tipologias, os aptos a serem reutilizados e os aptos a serem reciclados. Só uma ínfima parte, senão nenhuma, deve ser considerada para aterro”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Linha Violeta estende Metro a Odivelas e Loures
Engenharia
IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação
Construção
Schneider Electric lança versão minimalista dos mecanismos D-Life
Empresas
Engenheiros e Economistas adoptam posição conjunta sobre Alta Velocidade
Engenharia
AEG apresenta nova ‘Garrafeira de Envelhecimento’ da gama Matt Black
Empresas
Segunda vida do icónico Edifício Cruzeiro começa agora
Arquitectura
Topeca lança Tuforte Juntas Hydro
Empresas
Geberit recebe ‘Medalha de Platina’ da EcoVadis
Empresas
Análise: “2023 deverá manter actividade em níveis dos últimos cinco anos”
Imobiliário
Villages da Natixis em Portugal têm “novas cidades” para visitar
Imobiliário
Engenharia

Linha Violeta estende Metro a Odivelas e Loures

O projecto da Linha Violeta que irá ligar, à superfície, os concelhos de Loures e Odivelas está em consulta pública até meados de Fevereiro. Fomos conhecer os detalhes desta linha que terá 13 km de extensão e 19 estações, representando um investimento global de 400 milhões de euros. A linha deverá inaugurar no final de 2025

A nova linha de metro ligeiro, Linha Violeta, irá ligar, à superfície, os concelhos de Loures e Odivelas. O projecto é liderado pelo Metropolitano de Lisboa em articulação com os municípios de Loures e Odivelas. A Linha Violeta apresenta um desenvolvimento com cerca de 13 km de extensão, predominantemente à superfície (8,6km), mas também com troços em trincheira (0,4km), em viaduto (0,4km) e quatro troços em túnel (aproximadamente 3,7km).

O traçado proposto tem como objectivo servir os grandes núcleos populacionais de Loures e Odivelas, fazendo a ligação entre as freguesias com maior densidade urbana e ligando os mais importantes polos de serviços e comércio. Estendendo-se num corredor em “C”, ligando o Hospital Beatriz Ângelo ao Infantado, com ligação a Lisboa na estação de Metro de Odivelas (actual Linha Amarela), esta Linha de metro ligeiro engloba das 19 estações, sendo três estações subterrâneas, duas em trincheira e 14 à superfície. Onze estações serão no concelho de Loures e oito no concelho de Odivelas.

O percurso
A Linha Violeta irá começar à superfície junto ao Hospital Beatriz Ângelo, com uma estação mesmo ao lado deste equipamento hospitalar e que será compatibilizada com o chamado Plano de Pormenor da Quinta do Correio-Mor. Deste ponto, a linha segue em trincheira e túnel para vencer uma área de relevo mais acentuado em direcção à Ramada. A estação seguinte será a do Planalto da Caldeira, à superfície. A linha prossegue à vista de todos com a estação Torres da Bela Vista, onde estão previstos cerca de 150 lugares de estacionamento, aí entra em túnel com as estações Jardim da Radial, numa área predominantemente residencial e com uma elevada densidade de ocupação no norte do concelho de Odivelas, e Ramada Escolas, que servirá uma zona também densamente povoada. Daqui seguirá para a Estação Ribeirada, em trincheira, para onde está previsto parque com 98 lugares de estacionamento. Está prevista ainda a requalificação do espaço de implantação através da criação de um espaço público verde na envolvente à estação que permitirá uma efectiva ligação entre os vários espaços urbanos. Após a Estação Ribeirada, o traçado desenvolve-se em trincheira sobre área de matos sem construções, até à estação seguinte, a Estação Jardim do Castelinho que se desenvolve a cerca de 10m de profundidade. O último troço do traçado da Linha Violeta em túnel NATM desenvolve-se entre a Estação Jardim do Castelinho até à Odivelas Estação, fazendo a ligação à Linha Amarela do Metropolitano de Lisboa.

Daqui o traçado sai em trincheira e segue sempre pela estrada nacional N8 onde estão localizadas as estações Heróis de Chaimite, Chafariz d’el-rei e, num canal paralelo à nacional N8, a estação da Póvoa de Santo Adrião. Estando prevista a demolição das oficinas aí existentes. Daqui o traçado da Linha de metro ligeiro atravessa terrenos livres de edificações do concelho de Loures, onde se implanta em viaduto de reduzida altura com uma extensão total de 184 metros. A sua ligação à N8 obrigará à demolição do alinhamento de edifícios aí existentes, seguindo-se a Estação Flamenga e a Estação Santo António dos Cavaleiros. Aqui a linha segue, em túnel para atravessar uma área urbana residencial, comercial e de serviços, o traçado volta de novo à superfície para a estação Quinta do Almirante, segue-se estação Conventinho, Loures, Várzea de Loures, Infantado, terminando na Quinta de São Roque.

A Linha Violeta deverá custar 250 milhões de euros, sendo financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), adicionalmente estima-se que o reordenamento urbano e as expropriações necessárias custem às autarquias de Loures e de Odivelas entre 80 e 70 milhões de euros, respectivamente.
Neste momento, estão concluídas as fases de diagnóstico e de viabilidade do projecto, bem como o Estúdio Prévio, tendo sido analisadas alternativas de traçado e de localização das estações. O projecto está agora em Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) que decorre até 14 de Fevereiro em consulta pública.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Construção

IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação

A futura estação, que irá integrar a Nova Linha de Alta Velocidade Porto – Lisboa, “terá um carácter multimodal agregando várias valências, e constituir-se-á como o centro de um novo polo de actividade social e económica da cidade”

CONSTRUIR

No âmbito da Nova Linha de Alta Velocidade Porto – Lisboa, a Estação de Coimbra B será objecto de uma intervenção para integrar o novo serviço de alta velocidade e reforçar a sua centralidade, logo na Fase 1 – Porto – Soure da Linha de Alta Velocidade (LAV), cujo início de operação se encontra planeado para 2028.

Neste contexto, a futura estação “terá um carácter multimodal agregando várias valências, e constituir-se-á como o centro de um novo polo de actividade social e económica da cidade”, de acordo com o Plano de Pormenor (PP) da Estação de Coimbra B, apresentado esta semana no Salão Nobre do Município e onde assinado o protocolo entre a Câmara Municipal de Coimbra e a Infraestruturas de Portugal, para o desenvolvimento dos estudos necessários para a concretização deste projecto.

Os estudos urbanísticos do Plano de Pormenor, que abrange a área da estação e respectiva zona envolvente num total de 143 hectares, foram adjudicados ao gabinete do professor Joan Busquets, BLAU-B Landscape arquitectura y Urbanisme, urbanista catalão com experiência em planos de desenvolvimento urbano associados a grandes projectos de infraestruturas ferroviárias.

O âmbito dos estudos inclui igualmente o apoio à IP na definição do programa preliminar da estação que integrará o caderno de encargos do procedimento de concurso da Fase 1.

As reuniões de trabalho com o urbanista e Câmara Municipal de Coimbra permitiram já estabelecer linhas orientadoras no que diz respeito à rede viária, mobilidade suave, conceito geral da estação, áreas de expansão urbana e integração paisagista.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Segunda vida do icónico Edifício Cruzeiro começa agora

72 anos depois da inauguração daquele que foi o primeiro centro comercial do país, o antigo Edifício Cruzeiro, agora designado Academia de Artes, vai ser apresentado ao público dia 28 de Janeiro

CONSTRUIR

O icónico edifício, desenhado em 1947 pelo arquitecto Filipe Nobre de Figueiredo e renascido agora pelo traço do arquitecto Miguel Arruda será o ponto de partida da Vila das Artes, que inclui um conjunto de equipamentos municipais no perímetro envolvente, como o Museu da Música Portuguesa, o Auditório Fernando Lopes-Graça, no Parque Palmela, o Conservatório de Música e Dança de Cascais, o Teatro Municipal Mirita Casimiro e o Auditório Sra. da Boa Nova, entre outros.

Mantida a histórica fachada, o seu interior foi totalmente remodelado, resultando em diferentes espaços dedicados à área educativa, uma sala de espectáculos com capacidade para 312 pessoas, um palco com 150 m2, três camarins e uma sala de projecção.

A Escola Profissional de Teatro de Cascais vai ter 10 salas para as diversas disciplinas leccionadas, assim como o Conservatório de Música e Dança de Cascais vai ocupar oito salas. Esta será também a casa da Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras e da Companhia de Dança Paulo Ribeiro.

A biblioteca é outra das novidades já que é totalmente dedicada às artes performativas, a partir da colecção doada por José de Matos Cruz, especializada em cinema.

Ao longo dos anos, o espaço que chegou a dispor de 40 estabelecimentos, um rinque de patinagem, um cinema, dancings, um salão de fado e outro de jogos, foi-se degradando, chegando a um estado de autêntica inutilização. Devoluto durante vários anos, o edifício Cruzeiro esteve para ser demolido. Chegou a ter um projecto habitacional previsto pelo banco BPI, proprietário do imóvel.

Foi adquirido pela Câmara Municipal de Cascais em Novembro de 2016 ao Fundo de Pensões do BPI pelo valor simbólico de 100.000 euros, sendo que a autarquia só obteve luz verde do Tribunal de Contas para a realização de obras de requalificação em 2019.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Análise: “2023 deverá manter actividade em níveis dos últimos cinco anos”

De acordo com o estudo anual Market 360º, da JLL, apesar dos desafios económicos que se vivem, 2023 será “um ano dinâmico para o imobiliário português”. Falta de oferta continua a ser uma das principais preocupações do sector

CONSTRUIR

A consultora imobiliária JLL prevê “um ano dinâmico” para o imobiliário nacional, em linha com os ritmos médios de absorção, ocupação, investimento e valores dos últimos cinco anos, especialmente nos escritórios e na habitação. No balanço apresentado esta quinta-feira, dia 19 de Janeiro, no seu estudo anual Market 360º, a empresa deu conta, ainda, do total de mais de 100 milhões de euros de facturados em 2022, o que representou um crescimento de 7% face a 2021.

“A solidez já mostrada pelos indicadores do mercado em contexto de incerteza, a consolidação de Portugal como destino imobiliário internacional e o desequilíbrio entre a procura forte e a oferta reduzida sustentam as expectativas da consultora num ano de incerteza e desafios macroeconómicos”, indica o estudo.

A JLL antecipa um natural abrandamento na dinâmica da procura quer para ocupação quer para investimento face ao ano passado, pela dupla circunstância de enfrentar um agravamento das condições económicas e comparar-se com níveis recorde de atividade. Contudo, não antecipa quebras disruptivas em termos de montantes transacionados e absorção, prevendo ainda que os preços e as rendas possam manter uma trajetória positiva, mas mais suave. A baixa capacidade de reposição da oferta, que se mantém escassa em todos os segmentos, é uma das explicações para este comportamento.

Recorde-se que o ano 2022 estabeleceu novos recordes na transacção de habitação, com vendas estimadas de 31 mil milhões de euros, e no investimento em imobiliário comercial*, cujo volume ultrapassou a barreira inédita dos 3.400 milhões de euros.

O volume de absorção, também,, tocou novos máximos, atingindo-se a ocupação de 272 mil m2 de escritórios em Lisboa, acima do anterior máximo histórico registado em 2008. Os preços da habitação intensificaram a trajectória de crescimento ao longo do ano e as rendas quer da habitação quer dos imóveis não residenciais, incluindo escritórios, logística e retalho, exibiram igualmente uma tendência positiva.

Pedro Lancastre, ceo da JLL, declara que “encaramos 2023 com bons olhos, pois o imobiliário nacional já deu provas da sua capacidade de resistir a choques externos e adaptar-se rapidamente em contextos de incerteza”. É, no entanto, um “optimismo cauteloso”, na medida em que o agravamento das condições económicas em Portugal e na Europa pode contaminar o mercado imobiliário. “Será um ano de redução do poder de compra das famílias e da capacidade de investimento das empresas, e de maiores restrições no acesso ao financiamento, tudo isto a acontecer numa Europa onde ainda não se sabe muito bem o que esperar em termos de geopolítica”, alerta Pedro Lancastre.

Pedro Lancastre considera, ainda, que “será normal que se repensem estratégias e reposicionem projectos”. Isto porque, “ainda que os promotores e investidores não antecipem quedas significativas na procura, vai haver maior dificuldade no acesso ao financiamento para novos projectos, num contexto em que os custos de construção estabilizam e em que os licenciamentos estão muito demorados”. 

Por isso, “em termos de valor, há condições para estabilizar os preços e as rendas em setores mais aquecidos e dar continuidade à tendência de crescimento em mercados secundários mais afetados pela falta de oferta e para onde a procura se está a direccionar em busca de produtos mais adequados aos seus rendimentos, estejamos a falar de habitação, escritórios ou armazéns”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Design nacional em destaque no maior mercado mundial da fileira casa portuguesa

Mais de 40 empresas rumam à Maison&Objet após vendas para o mercado francês superarem os 500 milhões de euros em 2022

CONSTRUIR

A Fileira Casa Portuguesa inicia 2023 com uma nova presença de relevo numa das maiores feiras mundiais de mobiliário e design de interiores. No total, 44 empresas oriundas de Portugal demonstram as suas propostas de valor e designs únicos junto dos principais agentes dos diferentes sectores na Maison & Objet, que se realiza de 19 a 23 de Janeiro em Paris.

Tendo em conta as actuais transformações sociais, económicas e políticas, o certame da capital francesa apresenta o tema inspiracional “Take Care!”, que espelha nos produtos em mostra a crescente necessidade do conforto, do respeito pelo património e da consciência ambiental que os utilizadores procuram. A presente edição volta a conectar os prescritores e compradores franceses a um forte contingente nacional, que pretende expressar a modernidade e rejuvenescimento do elevado padrão de qualidade da sua oferta.

Perante a significativa presença nacional na feira, Joaquim Carneiro, Presidente da APIMA, Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins, que lidera a participação lusa, afirma que “face ao prolongamento de um cenário conturbado, no qual o conflito na Ucrânia e o incremento do custo das matérias-primas se reafirmam como os principais desafios, é de louvar a resiliência demonstrada pelas dezenas de empresas portuguesas que marcam presença nesta nova edição da Maison & Objet, continuando a procurar novas oportunidades e clientes numa conjuntura sem paralelo”.

“A significância deste certame é comprovada, de forma clara, pelos dados que o mercado francês apresenta para o nosso país: um volume de exportações que ultrapassou os 500 milhões de euros em 2022 e uma quota de mercado que continua a representar cerca de um terço do total das vendas nacionais ao exterior. Manter a trajectória crescente das exportações, para este e para os demais mercados, de forma sustentada e suportada, cada vez mais, em valor acrescentado, é o grande desafio da década para Portugal”, reforça o Presidente da APIMA.

A Fileira Casa Portuguesa prepara-se, assim, para o primeiro ano no pós-pandemia de total normalidade nos certames internacionais, procurando continuar a crescer nos mercados tradicionais e estimular as vendas em algumas geografias de elevado potencial. Promoção que não será realizada exclusivamente “fora de portas”, com a 3ª edição do Portugal Home Week, na Alfândega do Porto, agendada para os dias 15 e 16 de Junho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Merlin Properties lança comercialização da segunda fase do Parque Logístico Lisboa Norte

Este segundo armazém logístico é constituído por cerca de 33 mil m2 de construção, com 11m de pé direito livre, um número considerável de cais de descarga hidráulicos e dispõe ainda de um logradouro funcional. A comercialização é da Cushman & Wakefield e a Savills

CONSTRUIR

Na sequência do sucesso da primeira fase de comercialização do Lisboa Park, que atingiu 100% da sua ocupação e em que foram arrendados 45.000m2 a inquilinos como a DB Schencker, Rangel e Olicargo, a Merlin Properties vai avançar com a comercialização da nova área logística, para a qual escolheu a Cushman & Wakefield e a Savills.

Este segundo armazém logístico é constituído por cerca de 33 mil metros quadrados (m2) de construção, com 11 metros de pé direito livre, um número considerável de cais de descarga hidráulicos, dispondo ainda de um logradouro funcional, com amplas zonas de manobra de veículos de grande porte.

João Cristina, responsável da Merlin Properties em Portugal, explica que “tendo em conta a excelente aceitação do nosso primeiro armazém pelo mercado e a contínua falta de produto logístico, a Merlin reforça a sua aposta no desenvolvimento do Parque Logístico com o objectivo de trazer, o mais rapidamente possível para o mercado, produto de elevada qualidade e que seja uma referência no País”.

Localizado no maior parque logístico nacional, encontra-se numa zona consolidada de transportes e de logística de mercadorias. Dado o fácil acesso às principais vias e eixos rodoviários do País, a apenas 500 metros da auto estrada A1, com ligação à A10 e à A9, o parque situa-se junto à estação ferroviária da Castanheira do Ribatejo, em Vila Franca de Xira, com ligação direta à capital, que se encontra a apenas 30km.

A Merlin Properties, a maior empresa imobiliária espanhola cotada em bolsa e cuja principal actividade é a aquisição e gestão de activos imobiliários comerciais, espera com esta operação em Portugal continuar a reforçar a sua presença no segmento de logística na Península Ibérica, estando presente nos principais pontos-chave da distribuição de mercadorias como Madrid, Barcelona, Valência, Sevilha, Saragoça e Vitória-Bilbau.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

“Domaine de Vilamoura” com investimento de 47M€

A Nexity Portugal e grupo AEGIDE lançam hoje a primeira pedra do “Domaine de Vilamoura”. O investimento de 47 M€, irá criar 159 apartamentos a pensar no turismo sénior

CONSTRUIR

A Nexity Portugal e o Grupo ÆGIDE conceberam este projecto, delegando depois a sua operação no Grupo Domitys. O projecto de apartamentos turísticos foi vendido ao grupo Perial Asset Management. O montante de investimento global é de 47M€ euros e deverá estar concluída dentro de dois anos.

“Este projecto representa bem um dos objectivos do desenvolvimento da Nexity em Portugal, procurando diversificar a oferta residencial e turística, aproveitando as excelentes condições do nosso país para atrair mais investimento e mais visitantes e residentes, procurando com isso desenvolver as economias locais”, afirma Fernando Vasco Costa, director-geral da NEXITY Portugal.

Localizado em Vilamoura, na região do Algarve, o “Domaine de Vilamoura” faz parte de um grande projecto de requalificação urbana de uso misto que incluirá edifícios residenciais, alojamento turístico, compras e lazer. Com uma área de cerca de 13.000 m², o edifício de apartamentos turísticos, com a certificação ambiental BREEAM Very Good, terá 159 apartamentos, desde estúdios a T3, que vão de 40m² a mais de 100 m².

Para Vilamoura, concelho de Loulé e para a economia local, esta representará uma dinâmica importante e gerará mais de cinquenta postos de trabalho directos.

Estes Apartamentos Turísticos destinam-se principalmente a estadias longas de seniores, que valorizam a natureza e o convívio, num alojamento equipado com modernidade e que oferece um ambiente seguro.

O “Domaine de Vilamoura” oferecerá serviços hoteleiros de alta qualidade, (serviços à medida, concierge, serviço de quarto, etc.), projectados para facilitar a vida diária, graças à experiência do Grupo AEGIDE neste segmento. O grupo é o criador da marca Domitys, que ficará com a responsabilidade da operação, quando a obra estiver concluída.

Os clientes também poderão desfrutar de muitas áreas de relaxamento, com acesso gratuito, mas também serviços, incluindo uma área de bem-estar com spa, duas piscinas (interior e exterior), um ginásio, dois bares, um dos quais no rooftop, e um restaurante.

“A nossa ambição na DOMITYS sempre foi pensar de forma diferente sobre a habitação, permitindo que os idosos vivessem em casa, em total liberdade. Para encorajá-los nesta direcção, o DOMITYS convida-os a viajar, a mudar de ar. É neste contexto que este projecto em Vilamoura parecia óbvio. A construção destes apartamentos turísticos resulta de uma parceria de alta qualidade com o Grupo Nexity e a Perial ASSET Management. Estamos muito orgulhosos com este projecto, que vai ao encontro das necessidades e expectativas do município e dos compromissos do grupo ÆGIDE-DOMITYS em prol da qualidade de vida dos nossos clientes,” diz Frédéric Walther, CEO associado do Grupo Domitys.

O lançamento da primeiro pedra reuniu Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé, Telmo Pinto, presidente da freguesia de Quarteira, José Miguel, presidente da Inframoura, Julien Claude, director de Desenvolvimento Imobiliário Internacional do grupo ÆGIDE, Eric Agnesa, director da Nexity International, Fernando Vasco Costa, director-geral da Nexity Portugal, e Yoann TURPIN, gestor de Investimentos da Perial Asset Management.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

OASRN recebe encontros “The Future Design of Streets”

Entre Janeiro e Maio de 2023, a OASRN acolhe as sessões de debate que propõem “ampliar o leque de perspectivas sobre o futuro das ruas, para melhor entender e imaginar as várias possibilidades do seu desenho”

CONSTRUIR

Entre Janeiro e Maio de 2023, a Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) acolhe os encontros mensais organizados pela plataforma “The Future Design of Streets”. Em formato presencial e de webinar, estas iniciativas propõem “ampliar o leque de perspectivas sobre o futuro das ruas, para melhor entender e imaginar as várias possibilidades do seu desenho”.

O objectivo passa por “definir o compromisso para o desenho urbano, na implementação de novas ruas assim como na adaptação de existentes, reconhecendo a diversidade e a complexidade da vida urbana”, indica a organização.

As sessões têm lugar a 18 de Janeiro, 15 de Fevereiro, 15 de Março, 19 de Abril e 17 de Maio deste ano, sempre às 17 horas. As apresentações pelos oradores serão feitas em inglês, seguidas de sessões de debate em português com o público presente na sede da OASRN.

A primeira sessão, sob o tema “Changing Streets”, conta com a presença de Rita CastelBranco, arquitecta do Município de Lisboa, Patrick Bernard, fundador La Republique des Hyper Voisins, em Paris e de David Sim, director criativo Gehl, em Copenhaga
A 15 fevereiro tem lugar a segunda sessão, sobre “Play & Sports”, com a participação de Cidália Silva, arquitecta e investigadora Lab2PT, Laska Nenova, BG Be Active Association, Placemaking Europe e José Llopis, UPV – Universitat Politècnica de València.
“New/Old Approaches” é o tema escolhido para 15 de Março. Holly Lewis, co-founder We made that, de Londres, Rodrigo Coelho, da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto e Jasmijn Lodder, Strassen befreien (“Free the streets”), de Berlim abrem o debate.

A 19 de Abril, Joan Caba, urbanista do Barcelona Metropolitan, Niklas Aalto-Setälä, urbanista da cidade de Helsínquia e Juan Luis Rivas, da Universidade de Granada, abordam o tema “Big Streets”.

“Outside Suburbia” encerra este ciclo de sessões, com a presença de Sébastien Rolland, urbanista do Urbalyon, Helena Amaro, investigadora da CEAU-FAUP e João Leite, da Faculdade de Arquitetura Unidade de Lisboa.

The Future Design of Streets’ é uma iniciativa de Daniel Casas Valle (CEAU-FAUP), em colaboração com Ivo Oliveira (EAAD-UM), e resulta de uma parceria entre o grupo ‘Morfologias e Dinâmicas do Território do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo’ da FAUP, da EAAD – Escola de Arquitectura, Arte e Design da Universidade do Minho, do Lab2PT – Laboratório de Paisagens, Património e Território e do departamento de Arquitectura e Multimédia Gallaecia, da Universidade Portucalense.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CORUM Eurion compra instalações industriais da Fusion Fuel por 10M€

O fundo gerido pela empresa francesa CORUM Asset Management, adquiriu as instalações industriais à Fusion Fuel, em Benavente, numa operação de sale and leaseback

CONSTRUIR

A Savills Portugal apoiou a venda e o arrendamento desta operação após ter vendido o activo à Fusion Fuel, no primeiro semestre de 2021. Os trabalhos de remodelação realizados entre 2021 e 2022 transformaram este espaço industrial num edifício verde, com produção de energia renovável em autoconsumo, bem como estações de carregamento de veículos eléctricos, entre outras características que contribuem para o cumprimento dos critérios ESG e tornaram possível a sua integração no fundo CORUM Eurion, um fundo certificado como Socially Responsible Investing.

“A Savills está extremamente orgulhosa de ter gerido com sucesso esta operação de sale and leaseback, depois de ter ajudado a Fusion Fuel a garantir o activo em 2021. Esta transacção bem-sucedida é mais uma demonstração da nossa oferta completa de serviços, que permitiu ao nosso cliente alcançar os seus objectivos, ocupando um activo totalmente concebido para as suas necessidades garantido no âmbito de um arrendamento de longo prazo”, refere Alberto Henriques, Director de Investimento da Savills Portugal

O edifício, localizado no Parque Industrial de Vale Tripeiro, em Benavente, foi construído em 2004 e totalmente remodelado em 2022. A Fusion Fuel, que ocupa toda a instalação, é uma empresa portuguesa e subsidiária da Fusion Fuel Green PLC, cotada na NASDAQ, um líder emergente no sector do hidrogénio verde que criou um gerador solar a hidrogénio modular e integrado, alimentado por um electrolisador PEM miniaturizado, que permite a produção fora da rede de hidrogénio verde.

“Temos a sorte de ter encontrado o parceiro ideal para esta transacção na CORUM. Com uma vasta experiência no mercado português e alinhamento com os nossos princípios fundamentais e a ambição dos objectivos ESG. A CORUM tem fortes sinergias com a nossa empresa, tendo em conta a qualidade do activo, e os nossos objectivos empresariais. Estamos confiantes que esta transacção irá reforçar ainda mais o nosso balanço e proporcionar à Fusion Fuel uma maior flexibilidade para financiar as nossas iniciativas de crescimento na Europa e América do Norte”, sublinha Frederico Figueira de Chaves, Co-Head e Diretor Financeiro da Fusion Fuel.

A CORUM entrou em Portugal em 2014 e já investiu mais de 100 milhões de euros no país, através de uma carteira de quinze edifícios. A CORUM Investments vende os seus fundos Corum Origin e CORUM XL em Portugal, que estão abertos a investidores privados que queiram rentabilizar as suas poupanças através do sector imobiliário. Os fundos imobiliários CORUM investem em imóveis comerciais arrendados a inquilinos robustos financeiramente e a longo-prazo. “Estamos satisfeitos por ter iniciado esta parceria com a Fusion Fuel, um líder emergente no sector do hidrogénio verde com um papel relevante no processo de transição energética globalmente. Este activo cumpre com os mais avançados critérios ESG, está subjacente a um contracto de longo prazo com uma empresa financeiramente sólida em crescimento e está situado numa localização em consolidação para os sectores logístico e industrial. Este investimento marca a quarta aquisição da CORUM em Portugal nos últimos dois anos, o que reforça a nossa dedicação e track record no mercado nacional”, considera por sua vez Miguel Valente Bento, responsável pelos investimentos da CORUM Asset Management no sul da Europa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Limehome encerra 2022 com “balanço muito positivo”

A empresa continua a aumentar as operações em toda a Península Ibérica, onde está perto de mil unidades, em mais de 13 cidades. No caso de Portugal, o operador anunciou recentemente o seu primeiro projecto no Porto, em parceria com a Ratisbona

CONSTRUIR

O especialista em tecnologia hoteleira e operador de serviced apartments totalmente digitalizados, a Limehome, obteve “um balanço muito positivo no exercício do ano de 2022”. “Durante o ano passado, a Limehome abriu aproximadamente de 600 novos apartamentos equipados e com serviços completos em 24 cidades europeias. Isto significa que a empresa tem actualmente mais de 3300 suites abertas e planeadas em 110 localidades na Alemanha, Áustria, Países Baixos, Bélgica, Espanha, Portugal e Hungria”, refere Cesar de Sousa Freitas, diretor geral da Limehome.

“Atingimos os nossos objetivos ambiciosos apesar de ter sido um ano difícil para a indústria, o que mais uma vez demonstra o grande potencial do nosso modelo de negócio. Este é um sinal claro para o mercado”, afirma.

A empresa continua a aumentar as operações em toda a Península Ibérica, onde está perto de mil unidades, em mais de 13 cidades. No caso de Portugal, o operador anunciou recentemente o seu primeiro projecto no Porto, em parceria com a Ratisbona. A par com Lisboa, a cidade invicta, é uma “cidade-chave para o seu crescimento, sem excluir outros destinos de potencial interesse para o seu modelo de negócio, o que lhe permite operar em cidades de diferentes dimensões, tanto capitais como cidades provinciais, diferentes tipos de procura, bem como numa grande variedade de bens imobiliários”.

Também em Espanha reforçou a sua expansão com novas aberturas em cidades onde já tinha presença (Madrid, Barcelona, Málaga, Valencia, Sevilha e Granada), e em novas cidades, como Palma, Haro e Jerez.

Fora da Península Ibérica, e com a abertura de uma última propriedade em Dusseldorf, a Limehome completou a sua presença em todas as cidades alemãs de grau A, assim como em cidades como Amesterdão e Budapeste.

Desta forma, a Limehome indica que “entra no novo ano fiscal com mais de 45 milhões de euros”. No Outono de 2022, os investidores existentes HV Capital, Picus Capital e Lakestar anunciaram a renovação dos seus investimentos. O grupo AW Rostamani Group e a Capital Four investiram pela primeira vez na empresa de tecnologia hoteleira.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.