Edição digital
Assine já
    PUB
    Arquitectura

    Eduardo Souto de Moura, Sergio Fernandez, Teresa Calix, Ana Sofia Silva e Carlos Machado juntos em apresentação de livro na FAUP

    “Anonimato e Banalidade, Arquitectura Popular e Arquitectura Erudita na Segunda Metade do Século XX em Portugal”, corresponde à tese de Doutoramento de Carlos Machado, apresentado esta 4ª feira, às 18h30, no Auditório Fernando Távora

    CONSTRUIR
    Arquitectura

    Eduardo Souto de Moura, Sergio Fernandez, Teresa Calix, Ana Sofia Silva e Carlos Machado juntos em apresentação de livro na FAUP

    “Anonimato e Banalidade, Arquitectura Popular e Arquitectura Erudita na Segunda Metade do Século XX em Portugal”, corresponde à tese de Doutoramento de Carlos Machado, apresentado esta 4ª feira, às 18h30, no Auditório Fernando Távora

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Governo aprova estudo para requalificação do ‘Liceu’ em Setúbal
    Construção
    Remax: Transacções de imóveis de luxo entre Janeiro e Abril movimentam 484 M€
    Imobiliário
    The Editory Collection Hotels adiciona mais uma unidade ao seu portefólio
    Imobiliário
    Antigo edifício da CGD transformado em 13 apartamentos de “charme”
    Imobiliário
    Câmara de Sintra avança para construção de Multiusos em Fitares por 2,5M€
    Construção
    Greenvolt e Finançor celebram parceria no solar fotovoltaico
    Empresas
    Arquitectos apresentam estratégia de actuação para a próxima década
    Arquitectura
    Corpo Santo 13 comprado por investidores privados
    Imobiliário
    Lisboa recebe 61ª Capital do Móvel
    Empresas
    Mota-Engil ganha nova obra de mais de 135M€ no Brasil
    Construção

    Eduardo Souto de Moura, Sergio Fernandez, Teresa Calix, Ana Sofia Silva e Carlos Machado são os convidados para apresentar o novo livro ‘Anonimato e Banalidade, Arquitectura Popular e Arquitectura Erudita na Segunda Metade do Século XX em Portugal’.  Da autoria de Carlos Machado, arquitecto, professor e investigador da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), o evento terá lugar esta quarta-feira, dia 30 de Março, às 18h30, no Auditório Fernando Távora.

    Editado pela FAUPpublicações, o livro corresponde, no essencial, à Tese de Doutoramento de Carlos Machado apresentada na FAUP, com o mesmo título, orientada pelos professores Carlos Martí Arís (1948-2020) e Sergio Fernandez.

    Nas palavras de Carlos Martí Arís, o autor aborda “um tema complexo e essencial”, ainda que “hoje bastante desconsiderado, inclusive ignorado, a saber: o estudo daqueles elementos que fazem da arquitectura uma arte colectiva que, para lá da sua dimensão pessoal, se transmite no decorrer do tempo e se desenvolve segundo uma tradição viva e continuamente renovada”.

    Através do livro, o autor aplica este conceito de tradição à arquitectura portuguesa da segunda metade do século XX e analisa como casos exemplares o Mercado Municipal de Vila da Feira (1953-59), de Fernando Távora; Conjunto Habitacional da Bouça, SAAL (1973-77), de Álvaro Siza; Pólo da Mitra – Universidade de Évora (1990-96), de Vítor Figueiredo; e Casas-pátio em Matosinhos e na Senhora da Hora (1993-98 e 1995), de Eduardo Souto de Moura.

    Carlos Machado concluiu o curso de Arquitectura na Escola Superior de Belas Artes do Porto em 1987 e o Doutoramento em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto em 2006, com uma tese dedicada à Arquitectura Portuguesa Contemporânea. É docente da FAUP desde 1988. Desenvolve projectos de arquitectura como profissional liberal a partir de 1983 e foi colaborador no escritório do arquitecto Eduardo Souto de Moura em 1990/91.

    Participou em congressos e ciclos de conferências sobre arquitectura e fotografia de arquitectura. Foi um dos organizadores do Ciclo de Conferências Discursos de Arquitectura realizado na ESPAP em 1990/1. Publicou artigos sobre arquitectura e ensino da arquitectura em revistas, catálogos e monografias nacionais e internacionais. Enquanto Professor Auxiliar lecciona as Unidades Curriculares “História da Arquitectura Contemporânea” (MIArq) e “Teoria da Arquitectura Contemporânea” (PDA) na FAUP, instituição na qual desenvolve actividade como investigador.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Governo aprova estudo para requalificação do ‘Liceu’ em Setúbal
    Construção
    Remax: Transacções de imóveis de luxo entre Janeiro e Abril movimentam 484 M€
    Imobiliário
    The Editory Collection Hotels adiciona mais uma unidade ao seu portefólio
    Imobiliário
    Antigo edifício da CGD transformado em 13 apartamentos de “charme”
    Imobiliário
    Câmara de Sintra avança para construção de Multiusos em Fitares por 2,5M€
    Construção
    Greenvolt e Finançor celebram parceria no solar fotovoltaico
    Empresas
    Arquitectos apresentam estratégia de actuação para a próxima década
    Arquitectura
    Corpo Santo 13 comprado por investidores privados
    Imobiliário
    Lisboa recebe 61ª Capital do Móvel
    Empresas
    Mota-Engil ganha nova obra de mais de 135M€ no Brasil
    Construção
    PUB

    Hotel ‘Flor de Sal’, em Viana do Castelo

    Imobiliário

    The Editory Collection Hotels adiciona mais uma unidade ao seu portefólio

    O Hotel Flor de Sal, em Viana do Castelo, passa assim a ser a 11ª unidade hoteleira da marca da Sonae. Enquanto “referência no Norte do País e perfeitamente estabelecido no destino” era estratégia integrar no Grupo esta unidade”, segundo Isabel Tavares, directora geral de Vendas e Marketing da Editory Collection Hotels

    CONSTRUIR

    O Grupo The Editory Collection Hotels acaba de integrar mais uma unidade no portfólio de hotéis: o Hotel Flor de Sal, em Viana do Castelo, sendo a 11ª unidade a juntar-se à operação do Grupo a nível nacional.

    Localizado mesmo em frente ao mar e a poucos minutos do centro da cidade de Viana do Castelo, o hotel começou a sua actividade em 2004, tendo, recentemente, sido alvo de investimentos de renovação e reconversão energética.

    “O Hotel Flor de Sal é uma referência no Norte do País e perfeitamente estabelecido no destino, e para a nossa marca, é estratégico integrar esta unidade em Viana do Castelo”, afirmou Isabel Tavares, directora geral de Vendas e Marketing da Editory Collection Hotels.

    O Flor de Sal, uma unidade de 4* Estrelas, dispõe de 60 quartos, dos quais oito são suites e uma penthouse, com uma decoração “moderna e sofisticada” na qual imperam os tons claros e as madeiras, a par de muita luz natural e de janelas que permitem “apreciar a vista-mar ou a vista de montanha”.

    Vocacionado para lazer, a unidade apresenta, também, uma forte componente corporativa ao disponibilizar quatro salas de reuniões, uma delas com capacidade até 200 pessoas em plateia, com vista-mar e luz natural, assim como um ginásio e um heath club Solinca, com piscina interior.

    O restaurante Saleiro, com 40 lugares sentados, é, também, uma “referência” da gastronomia tradicional e dos sabores do Alto-Minho. Com serviço de almoços e jantares à Carta, apresenta, ainda, um menu executivo durante a semana e, ao jantar, há condições para refeições de grupos empresariais ou familiares. No bar encontra-se disponível a carta de snacks e de vinhos de várias Regiões Demarcadas.

    O Grupo The Editory Collection Hotels, detido a 100% pela SC Investments, que por sua vez é detida na quase totalidade pela Efanor, em resultado da reestruturação do portfolio da ex-Sonae Capital e agrega os negócios de Hotelaria, Fitness, Tróia e Real Estate que pertenciam à Sonae Capital.

    As restantes unidades da marca são o Porto Palácio Hotel by The Editory (Boavista, Porto), The Editory Artist (Baixa, Porto), The Editory House (Ribeira, Porto), The Editory Boulevard (Aliados, Porto), The Editory Riverside (Santa Apolónia, Lisboa), The Editory Garden (Baixa, Porto), The Editory by The Sea (Troia), Aqualuz Troia Mar & Rio by The Editory (Troia), Troia Residence by Editory (Troia) e Aqualuz Lagos by The Editory (Lagos).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    LIV Santa Catarina

    Imobiliário

    Antigo edifício da CGD transformado em 13 apartamentos de “charme”

    Com promoção da Oxy Capital e da Zaphira Capital, o LIV Santa Catarina está a ser comercializado pela Quintela e Penalva l Knight Frank, em parceria com a Bloom Lifestyle

    CONSTRUIR

    O projecto, da Oxy Capital e da Zaphira Capital, comercializado pela Quintela e Penalva l Knight Frank, em parceria com a Bloom Lifestyle, resulta da transformação de um edifício histórico em 13 apartamentos de “charme”.  A renovação integral inspirou-se na “alma tradicional portuguesa” e no “espírito boémio” de bairro.

    Localizado no centro de Santa Catarina, em Lisboa, entre os bairros da Bica, Bairro Alto, Santos-o-Velho e Chiado, o LIV Santa Catarina, no antigo número 5 da Rua Marechal Saldanha, onde em tempos funcionou uma das dependências da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a ser alvo de uma reabilitação que combina a “rica história da arquitectura do século XIX com um design de interiores contemporâneo e a solidez estrutural de uma nova construção”.

    “Assistimos a um momento especial assente na notoriedade que Lisboa foi granjeando ao longo dos últimos anos um pouco por todo o mundo. A intenção do comprador internacional já não está condicionada apenas pelo preço. A qualidade da habitação, assim como a oferta de um conjunto de valências que se estendem além das fachadas de um imóvel, tem um papel decisivo na escolha da propriedade e, cada vez mais, terão que estar alinhados com os padrões internacionais de luxo e de vivência das principais capitais do mundo”, salienta Francisco Quintela, sócio fundador da Quintela e Penalva.

    A procura por produtos de excelência é “uma tendência que se irá manter”, não só pelo “conhecimento que os mercados internacionais vão tendo da cidade de Lisboa, mas igualmente pela constante procura de casas no tradicional triângulo associado ao luxo em Lisboa (Chiado-Príncipe Real-Avenida da Liberdade) e face à escassez de produto”, acrescentou Francisco Quintela.

    Foi a pensar neste cliente, “que conhece Lisboa e procura uma arquitectura tradicional sem descurar da qualidade esperada num produto imobiliário ao nível das principais cidades europeias e mundiais”, que foi concebido o LIV Santa Catarina.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Câmara de Sintra avança para construção de Multiusos em Fitares por 2,5M€

    Para o presidente da autarquia de Sintra, Basílio Horta, este investimento é “a cara de uma estratégia de descentralização e de proximidade e vem humanizar o território. Com esta obra pretendemos servir milhares de pessoas e famílias, satisfazendo as suas necessidades culturais, fortalecendo assim o sentido de comunidade.” 

    CONSTRUIR

    A Câmara Municipal de Sintra assinou o auto de consignação que marca o arranque da construção do Multiusos de Fitares, num investimento de 2,5 milhões de euros. 

    Segundo adiantam os responsáveis municipais em comunicado, o valor desta empreitada corresponde à criação, de raiz, de um edifício multiusos em Fitares, na freguesia de Rio de Mouro, com dois pisos e implantado num lote com cerca de 6.800 m2, sendo que a sua área total de construção será de 1.034 m2 (incluindo zonas técnicas). 

    Para o presidente da autarquia de Sintra, Basílio Horta, este investimento é “a cara de uma estratégia de descentralização e de proximidade e vem humanizar o território. Com esta obra pretendemos servir milhares de pessoas e famílias, satisfazendo as suas necessidades culturais, fortalecendo assim o sentido de comunidade.” 

    O edifício Multiusos de Fitares, com uma lotação prevista até 270 lugares, pretende, como o nome indica, ter um carácter polivalente e permitir a realização de eventos de várias naturezas tais como espetáculos, conferências, exposições e outras atividades coletivas, constituindo um contributo importante para aumentar a oferta cultural nesta freguesia. 

    O edifício será constituído no R/C por um foyer que integra a recepção com zona para bengaleiro, pequena cafetaria, instalações sanitárias e acesso à cabine de som. O foyer tem acesso direto à sala multiusos onde decorrerão todos os espetáculos e atividades. Do outro lado da sala multiusos existe a área destinada aos artistas com acessos independentes a partir do exterior. Essa zona será constituída por camarins masculinos e femininos incluindo instalações sanitárias, zonas de arrumos de material de cena e posto de socorro. O 1º piso é constituído apenas por áreas técnicas interditas ao público. 

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Mota Engil – Eng. Carlos Mota Santos

    Construção

    Mota-Engil ganha nova obra de mais de 135M€ no Brasil

    Com este contrato, a Mota-Engil destaca continuar “a reforçar a sua presença na América Latina, através do sucesso na contratação de novos projetos de grande dimensão nos mercados ‘core’ na região”

    CONSTRUIR

    A Mota-Engil anunciou ter celebrado um novo contrato no Brasil, em consórcio com duas empresas, num valor superior a 135 milhões de euros.

    Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo português de construção e engenharia avança que o novo contrato assinado pela sua sucursal no Brasil, no valor de cerca de 791 milhões de reais, está relacionado com a implantação do Veículo Ligeiro de Transporte ferroviário (VLT) de Salvador e Região Metropolitana trecho Águas Claras – Piatã, de 10,52 quilómetros (km) de extensão e com um prazo de execução de 50 meses.

    “O novo contrato […] tem por objeto a elaboração e o desenvolvimento dos Projetos Básico, Executivo e ‘As Built’, execução das obras civis e de urbanização, fornecimento e implantação dos sistemas de energia (rede aérea de tração e subestações) e trabalho Técnico Social para fins de desapropriação, visando a implantação do VLT” detalha.

    Com este contrato, a Mota-Engil destaca continuar “a reforçar a sua presença na América Latina, através do sucesso na contratação de novos projetos de grande dimensão nos mercados ‘core’ na região”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    (@Ricardo Gonçalves)

    Arquitectura

    City Cortex desce à cidade (c/ galeria de imagens)

    De um programa de pesquisa que assume a cortiça como “paradigma de matéria-prima sustentável” nasce o City Cortex, onde um grupo de arquitectos e designers de renome internacional, desenvolveram um conjunto de projectos originais à escala urbana desenhados para as cidades do presente e do futuro. Esses projectos tomaram, finalmente, forma e poderão ser vivenciados, até Novembro, num circuito que começa em Belém e atravessa o Tejo até à Trafaria

    O City Cortex tem a chancela da Corticeira Amorim e já leva uns bons anos de desenvolvimento. Lançado em 2019 o projecto teve como objectivo central explorar o uso da cortiça em contexto urbano, tendo na altura sido lançado um desafio a vários gabinetes internacionais. A pandemia atravessou-se no caminho e a apresentação do projecto foi adiada, mas o trabalho de desenvolvimento ganhou um novo impulso.

    Seis anos volvidos, o City Cortex irá fez a sua apresentação, em Lisboa, num contexto de crescente sensibilização para a importância de consumir, produzir e vender produtos que ajudem a mitigar os impactos das alterações climáticas. Um contexto onde a cortiça ganha, naturalmente, protagonismo.

    Através do contributo de seis arquitectos e estúdios de design, com nome reconhecido internacionalmente –  Diller Scofidio + Renfro, Eduardo Souto de Moura, Gabriel Calatrava, Leong Leong, Sagmeister & Walsh  e Yves Béhar – o City Cortex cria e oferece oito projectos originais para espaços públicos e semi-públicos, os quais exploram a relação deste material natural e sustentável com o design e a arquitectura.

    O programa encara a cidade como um organismo vivo e dinâmico, respondendo aos desafios urbanos do século XXI, onde questões como fruição, protecção, intergeracionalidade, coesão social, conforto, sustentabilidade e gestão de recursos são essenciais. Propondo, simultaneamente, uma experiência lúdica ao cidadão, transformando espaços urbanos comuns um espaço de interacção multidisciplinar e multicultural.

    O City Cortex é concebido e comissariado pela experimentadesign e tem o apoio à produção da ArtWorks.

    Uma proposta de circuito para experimentar a cortiça na cidade

    O proposto por City Cortex é colocar “a cortiça como mote para repensar a experiência do espaço público urbano, despertando o interesse para uma utilização de materiais sustentáveis, que possam fazer parte de uma economia circular e tenham um papel fundamental na activação participada e lúdica do espaço”, descreve a organização.

    Esta “experiência” propriamente dita arranca a 6 de Junho e irá unir, num circuito, a freguesia de Belém, em Lisboa, à Trafaria, em Almada. Arrancamos neste percurso com a “Life Expectancy”, que tem a assinatura de Sagmeister & Walsh, localizada na passagem pedonal, por baixo da via férrea, para o Padrão dos Descobrimentos. A proposta explora as propriedades de isolamento sonoro e térmico da cortiça, através da colocação de painéis deste material no tecto do túnel, “proporcionando uma melhor atmosfera sonora e experiência estética”.

    A segunda participação da equipa de designers da Sagmeister & Walsh neste projecto poderá ser vista no Museu de Arte Popular e transforma a cortiça em garrafas onde as rolhas são vidro. Abordando, com sentido de humor, os ruídos num espaço de lazer e a flexibilidade da manipulação deste material. Também com assinatura deste gabinete o “Humpbacks”, um colchão flutuante ecológico produzido a partir de esferas de cortiça, estará localizado no Espelho d’Água, na Av. Brasília.

    Avançamos um pouco mais adiante e na mesma margem do Tejo, junto dos jardins do MAAT, encontramos a instalação “Port_ALL”, do designer Yves Béhar, que tem como inspiração a Torre de Belém e a histórica ligação do local como ponto de chegada e partida da capital portuguesa.

    Do ponto de reflexão que “Port_ALL” oferece passamos, ainda nos jardins do MAAT, à paisagem sensorial que as esculturas urbanas que o estúdio de arquitectura e design nova iorquino Leong Leong criou, inspirado pela ideia da cidade como espaço lúdico e de recreio. O arquitecto recorre de um aglomerado natural de cortiça para criar elementos esculturais que definem uma nova paisagem micro‑urbana.  Uma reflexão sobre a utilização da cortiça nos equipamentos urbanos, como “forma de amenizar a dureza da paisagem da cidade, tendo em conta as diferentes exigências de cada corpo para se sentir confortável nos espaços urbanos”, justifica Leong Leong.

    Com assinatura do arquitecto Souto de Moura, a “Conversadeira”, surge do lado Oeste do MAAT, entre este e o Museu de Electricidade. Souto de Moura utiliza a cortiça “para criar um ambiente de calma e refúgio, possibilitando o encontro entre duas pessoas, quase privado originando um espaço quase privado, num local onde passam centenas de pessoas. O ângulo relativamente ao rio e as duas alturas dos assentos fazem com que cada uma das pessoas tenha uma perspectiva distinta sobre a mesma vista, promovendo também uma proximidade física invulgar entre as duas”. A cortiça não é um material estranha ao arquitecto que desde o início de actividade a usa. “Este protótipo vai funcionar como um teste para vermos o seu comportamento, que já sabemos que é altamente resistente e isolante, contra o tempo e o uso”, sublinha.

    Ainda na mesma margem do Tejo, no pequeno jardim público junto à Biblioteca Municipal de Belém, que integra também o projecto, encontramos a “Second Skin”. A peça criada pelo estúdio de design nova-iorquino Diller Scofidio + Renfro foca-se na importância da leitura e da literacia, bem como na relevância dos espaços verdes nas cidades.

    “Second Skin” utiliza a cortiça como principal material para a construção de uma pequena biblioteca comunitária ao ar livre. O projecto cria uma segunda pele de cortiça que envolve o tronco das árvores, desenhando estantes e bancos.

    Quase a terminar este percurso precisamos de atravessar o Tejo, para a Trafaria, onde está localizada a intervenção do arquitecto e engenheiro Gabriel Calatrava e do colectivo CAL. A “Onda” utiliza a cortiça como componente central de um sistema de ocupação, temporário ou permanente, com o objectivo de criar um novo espaço colectivo num terreno público na Trafaria, a sul do Tejo.  “Onda” premeia o encontro e o convívio da comunidade local e dos visitantes da Trafaria e em parceria com uma associação local, a comunidade da Trafaria participa na instalação, trazendo de suas casas para o espaço expositivo cadeiras já sem uso que serão renovadas através de uma membrana de cortiça, não só numa óptica de reutilização e reciclagem, mas também com o intuito de que a população local se relacione emocionalmente com o espaço, criando as suas próprias referências.

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    Empresas

    Solução solar para espaços interiores portuguesa vence Prémios Europeus de Energia Sustentável 2024

    Através da start-up Seenergy, a arquitecta portuguesa Rita Gomes está a desenvolver uma gama de mobiliário com capacidade para fazer o aproveitamento e o armazenamento da energia solar. O seu trabalho foi agora distinguido nos Prémios Europeus de Energia Sustentável 2024

    CONSTRUIR

    A arquitecta portuguesa Rita Gomes é a vencedora do Prémio Europeu de Energia Sustentável 2024, na categoria de “Mulheres na Energia” (Woman in Energy), pelo trabalho desenvolvido pela sua start-up Seenergy, pioneira na utilização de soluções de energias renováveis integradas em peças de mobiliário.

    O projecto de Rita Gomes ficou em primeiro lugar numa votação pública online. A arquitecta portuguesa recebeu o galardão durante a cerimónia de entrega dos prémios da Semana Europeia da Energia Sustentável (EUSEW), que teve lugar no dia 11 de Junho, em Bruxelas.

    Com sede no Porto, o desafio da start-up de Rita Gomes é desenvolver uma gama de mobiliário, económico e ecológico, com capacidade para fazer o aproveitamento e o armazenamento da energia solar. “A nossa missão passa por criar soluções inovadoras em que possamos aplicar, à escala mundial, as vantagens desta tecnologia solar integrada no mobiliário, contribuindo assim para um futuro mais sustentável e ambientalmente mais responsável”, reforça a vencedora.

    A Seenergy utiliza células solares sensibilizadas por corantes que imitam o processo de fotossíntese nas plantas, convertendo a luz em electricidade. Ao contrário dos painéis solares comuns, as células solares podem ser utilizadas em ambientes fechados, dado que não precisam de luz solar directa. Uma vez recolhida, a energia é armazenada numa bateria que é integrada nas peças de mobiliário, podendo depois ser utilizada para carregar dispositivos ou acender luzes através de uma entrada USB.

    Rita Gomes é uma das três finalistas dos Prémios Europeus de Energia Sustentável 2024, na categoria de Mulheres na Energia. O prémio distingue mulheres que lideram projectos e actividades inovadoras que, quando replicadas, podem ajudar a promover a transição para a utilização de fontes de energias mais sustentáveis na Europa. É dada especial atenção ao contributo feminino nesta iniciativa, por forma a impulsionar a integração, em termos de género, e apoiar a igualdade de oportunidades no sector da energia.

    As outras finalistas são Françoise Réfabert da França, e ainda Karolina Attspodina da Alemanha. Françoise desenvolveu uma visão inovadora na área do financiamento acessível para renovações ao nível da energia doméstica. Karolina tem a missão de trazer a energia solar para as varandas dos espaços habitacionais, através de kits de bricolage.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Setúbal assina parceria com antiga Parque Escolar para construção de 500 novos fogos

    O contrato pressupõe a construções de três projectos no âmbito do programa 1º Direito, num investimento de cerca de 75 M€, cujas candidaturas apresentadas ao IHRU estão ainda a aguardar resposta

    CONSTRUIR

    A Câmara Municipal de Setúbal aprovou a celebração de contratos interadministrativos com a Construção Pública, EPE (ex-Parque Escolar), para a concretização de 500 novos fogos habitacionais no concelho, num conjunto de projectos que representa um investimento de quase 75 milhões de euros.

    Em comunicado, a autarquia esclarece que a celebração do protocolo e do contrato interadministrativo está condicionada à “prévia aprovação das candidaturas submetidas pelo município de Setúbal ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) e à realização dos contratos de financiamento”. E salienta que a “implementação de soluções de cooperação entre as entidades públicas com competências na área da habitação permite, por um lado, maximizar a oferta de habitações e, por outro, agilizar o cumprimento dos marcos e metas contratualizados no âmbito do PRR”.

    Mediante a conclusão dos trabalhos de edificação dos fogos pela Construção Pública, ficará a Câmara Municipal a única responsável pela entrega e exploração dos imóveis, assim como pela gestão das habitações e pelo retorno do investimento efectuado.

    Actualmente a aguardar o resultado das candidaturas apresentadas pela autarquia ao IHRU, no âmbito dos apoios comunitários provenientes do PRR, os três empreendimentos previstos incluem a construção de 44 fogos na Quinta da Parvoíce, 142 na zona da Rua das Piteiras e 314 na zona da Bela Vista.

    Mediante a aprovação das candidaturas apresentadas, a autarquia fica incumbida, perante o IHRU, de atribuir habitações destinadas a residência permanente de pessoas e agregados familiares elegíveis e apuradas no âmbito da legislação emanada pelo programa 1º Direito, bem como a gerar a oferta de soluções habitacionais destinadas ao arrendamento com rendas acessíveis no território do concelho sadino.

    Assim, a Câmara Municipal está já a salvaguardar futuras parcerias institucionais com entidades públicas nas respectivas áreas de competência, nomeadamente com a Construção Pública, a qual, refere a proposta aprovada, “detém o know how e a experiência para planear e executar as operações necessárias à concretização de tais projetos habitacionais, com qualidade e no estrito cumprimento das obrigações legais, designadamente orçamentais e de contratação pública”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Pedro Lancastre e Giuseppe Amitrano

    Imobiliário

    Pedro Lancastre nomeado o novo CEO da Dils em Portugal

    “A reputação e credibilidade de Pedro Lancastre no sector irão reforçar a nossa marca e contribuir significativamente para a evolução do nosso negócio”, afirmou Giuseppe Amitrano

    CONSTRUIR

    A Dils, grupo imobiliário de origem italiana, acaba de anunciar a nomeação de Pedro Lancastre como CEO para liderar as operações em Portugal. Uma nomeação que surge na sequência da recente aquisição da Castelhana, enquanto estratégia de internacionalização da Dils.

    Pedro Lancastre junta-se assim à Dils, trazendo consigo uma “vasta experiência” no sector imobiliário. Anteriormente, o responsável liderou a JLL em Portugal, uma das maiores consultoras imobiliárias do mercado português, onde desempenhou a função de CEO, tendo a seu cargo a responsabilidade máxima pelas operações e estratégia de negócio da empresa.

    Durante os doze anos do seu mandato, o responsável destacou-se pela sua capacidade de liderança e desempenho, bem como pelo comprovado sucesso na gestão de grandes projectos imobiliários, tendo contribuindo para impulsionar o crescimento e inovação do negócio.

    “Estamos extremamente satisfeitos por receber Pedro Lancastre no nosso grupo para liderar as operações em Portugal. O seu profundo conhecimento do mercado imobiliário português e a sua forte rede de contactos, posicionam-no de forma única para conduzir a futura expansão da Dils no País. Além disso, a sua reputação e credibilidade no sector irão reforçar a nossa marca e contribuir significativamente para a evolução do nosso negócio. O nosso objectivo é acelerar o crescimento no sector residencial e expandir a nossa área de actuação para serviços imobiliários comerciais, tais como escritórios, retalho, logística e hotelaria”, afirmou Giuseppe Amitrano, CEO da Dils.

    Já Pedro Lancastre considera tratar-se de uma “honra” à equipa da Dils. “Com a experiência e conhecimento da Dils, juntamente com a força e o legado impressionante da Castelhana, estamos prontos para acelerar a expansão no mercado e oferecer serviços de excelência aos nossos clientes. Acredito que a minha experiência no mercado imobiliário português permitirá reunir uma equipa de topo extremamente talentosa”, afirmou.

    Para Portugal, a Dils traz o seu modelo de negócio “único”, desenvolvido no mercado italiano, baseado no know-how orientado para a inovação e na capacidade de antecipar tendências do mercado. Este é um passo importante na estratégia de expansão europeia do grupo, que já inclui o mercado holandês e italiano e continuará com planos futuros para Espanha, Alemanha, França, Polónia e Reino Unido.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Hospital Oriental de Lisboa: Tribunal de Contas condiciona ‘visto’ à inclusão de ‘protecção sísmica’ no projecto de execução

    “Este TdC irá conceder o visto, mas com uma firme, incisiva e solene advertência à entidade fiscalizada que está obrigada, dando cumprimento ao princípio da boa administração e ao princípio da tutela do interesse financeiro do Estado, a incluir no projecto de execução da obra, também, a solução de sistema de isolamento de base”, lê-se na decisão que pode implicar revisão de projecto, revisão dos preços e atrasos que comprometem financiamento do PRR

    Ricardo Batista

    O Tribunal de Contas concedeu o visto ao contrato de gestão do futuro Hospital de Lisboa Oriental em regime de parceria público-privada, tendo, no entanto, ressalvado que a decisão obriga a que, “no cumprimento da boa administração”, integre no projeto de execução da obra uma solução de isolamento sísmico de base, para além da garantia de um sistema rigoroso e eficaz de monitorização do projeto de estruturas e fundações.

    “Este TdC irá conceder o visto, mas com uma firme, incisiva e solene advertência à entidade fiscalizada que está obrigada, dando cumprimento ao princípio da boa administração e ao princípio da tutela do interesse financeiro do Estado, a incluir no projecto de execução da obra, também, a solução de sistema de isolamento de base” contra sismos, refere a decisão, divulgada na página do organismo liderado por José Tavares.

    O Tribunal considera que a ARSLVT deverá garantir também “um sistema rigoroso e eficaz de monitorização do projeto de estruturas e fundações, com as mais exigentes leges artis aplicáveis e sem prejuízo do estrito cumprimento e fiscalização dos Eurocódigos, Especificações Técnicas e Recomendações e Especificações Técnicas para o Edifício Hospitalar em causa)”.

    Os juízes conselheiros defendem que “deve estar inequivocamente demonstrado” – para este como qualquer outro hospital – que as mais rigorosas técnicas das leges artis “foram adotadas para a futura construção de uma infraestrutura crítica, como esta, que se manterá em funcionamento durante dezenas de anos e na qual a entidade pública irá instalar equipamentos médicos de grande valor económico e onde irá realizar-se uma atividade pública de tão grande relevância humana e social”.

    O Tribunal salienta que o cumprimento desta obrigação poderá ser objeto de análise em sede de fiscalização concomitante ou sucessiva.

    ​O Tribunal recomenda ainda à ARS de Lisboa e Vale do Tejo que, em futuros procedimentos, preveja “de modo mais claro, um mecanismo de alterações contratuais consideradas necessárias para a acomodação de uma linha de financiamento europeu no equilíbrio económico público e privado da parceria em causa, compatível com os princípios da igualdade de tratamento dos concorrentes, da não discriminação e da obrigação da transparência que subjazem ao princípio da estabilidade ou da imodificabilidade das peças procedimentais da contratação pública”.

    O ECO refere, esta sexta-feira, que esta decisão pode comprometer o acesso a fundos do PRR, desde logo porque esta intervenção vai implicar a revisão do projecto. De acordo com a publicação, as condições impostas deverão obrigar a mudar de forma material o projeto. O Hospital de Lisboa Oriental, nos termos contratualizados, tem previsto um total de 875 camas a ser construído numa área de 180 mil metros quadrados na zona de Marvila. Irá substituir seis unidades de saúde do centro da cidade de Lisboa, como o São José, Santa Marta, Santo António dos Capuchos, Dona Estefânia, Curry Cabral e Maternidade Alfredo da Costa. O novo hospital deveria começar a funcionar em 2027, mas de acordo com duas fontes que acompanham este tipo de parcerias, o projeto terá de ser refeito, será necessário estimar o novo custo e o respetivo agravamento associado à manutenção e, neste contexto, terá de haver uma renegociação com o Ministério da Saúde. Se este processo seguir estes passos, o que parece inevitável, terá provavelmente de ser novamente submetido ao Tribunal de Contas. “Serão meses de atraso e os fundos associados ao PRR [que têm de ser executados até 2026] estarão irremediavelmente comprometidos“, admite outra fonte que conhece os mecanismos de execução dos fundos comunitários.

    O valor de investimento nos próximos três anos, segundo o acordo assinado com a Mota-Engil, ascenderá a cerca de 380 milhões de euros, enquanto a manutenção da infraestrutura ocorrerá durante um período de 27 anos e ascenderá ao montante global de cerca de 143 milhões de euros a preços constantes.

    ​​

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos

    Francisco Sottomayor, CEO do Grupo Norfin

    Imobiliário

    Norfin assinala 25 Anos com objectivo de “continuar a crescer” e a “diversificar o negócio”

    Ao longo destes anos, o Grupo contabiliza a gestão de 34 fundos de um total de 61 veículos, correspondentes a cerca de cinco mil milhões de euros em activos

    CONSTRUIR
    tagsNorfin

    A celebrar 25 anos em Portugal, a Norfin contabiliza a gestão de 34 fundos de um total de 61 veículos, correspondentes a cerca de cinco mil milhões de euros em activos. Para o futuro, o objectivo passa por continuar a crescer “de forma sustentada e sustentável”, através de serviços “profissionais e rigorosos”, confirma Francisco Sottomayor, CEO do Grupo Norfin.

    “A história mostra-nos que o Grupo tem tido sucesso por saber adaptar-se e posicionar-se, ao longo dos diferentes ciclos económicos e fases do mercado imobiliário, indo ao encontro das necessidades do mercado e, nomeadamente, dos investidores, nacionais e internacionais, que procuram Portugal para investir”, explica Francisco Sottomayor, CEO do Grupo Norfin.

    Neste sentido, e “olhando para o presente e o futuro, a nossa visão é continuar a ultrapassar os limites do que é possível em desenvolvimento urbano e gestão de activos”, reafirma, com o foco em “espaços que não sejam apenas funcionais e apelativos”, mas, também, “sustentáveis e que sirvam e promovam as comunidades a que se destinam”.

    Nos últimos anos, o Grupo tem registado um crescimento significativo no volume de negócios, com os activos sob gestão a ultrapassarem os dois mil milhões de euros em 2024. Do Grande Porto à Grande Lisboa e estendendo-se ao Algarve, a actividade do Grupo está hoje, conjunturalmente, centrada na promoção imobiliária de projetos de habitação, hospitality, mas também de escritórios e logística.

    O Office Park Expo, que deu origem ao Campus da Justiça em Lisboa ou a reabilitação do Palácio da Junqueira, integrado num fundo em 2005, são alguns dos activos sob gestão da Norfin que Francisco Sottomayor destaca.

    Mas actualmente, o CEO acredita que projectos como o Campo Novo, o Monview, em Miraflores ou os “escritórios do futuro” Oriente Green Campus irão “impactar muito positivamente as áreas onde estão localizadas”. A estes junta-se, por exemplo, os diferentes projectos que gerem no Algarve, de Vilamoura a Palmares, entre outros.

    A sustentabilidade dos projectos que gere é outro dos focos do Grupo Norfin.  que, como refere Francisco Sottomayor, acrescentando que “o segredo para acrescentar valor efectivo nos activos que gerimos está em conseguirmos rodear-nos dos melhores advisors, construtores, prestadores de serviços e demais fornecedores, que formam uma equipa alargada com os nossas equipas, distribuídas pelas diferentes áreas de negócio”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.