Edição digital
Assine já

DCIM100MEDIADJI_0365.JPG

Imobiliário

Projecto da Vanguard na Comporta avança para nova fase

As vendas da componente residencial e hoteleira do condomínio Dunas deverão arrancar a partir de Julho e as primeiras moradias deverão estar concluídas em 2024. Ainda este ano, o campo de Golfe pode começar a receber os primeiros jogadores

Cidália Lopes

DCIM100MEDIADJI_0365.JPG

Imobiliário

Projecto da Vanguard na Comporta avança para nova fase

As vendas da componente residencial e hoteleira do condomínio Dunas deverão arrancar a partir de Julho e as primeiras moradias deverão estar concluídas em 2024. Ainda este ano, o campo de Golfe pode começar a receber os primeiros jogadores

Cidália Lopes
Sobre o autor
Cidália Lopes
Artigos relacionados
ERA Imobiliária conta com três novas agências
Imobiliário
Vila Galé Monte do Vilar representa investimento de 4M€
Imobiliário
Archi Summit antecipa nova edição com inúmeras iniciativas
Arquitectura
A revolução chegou à indústria
Empresas
Évora recebe conferência internacional “Smart Cities, Smart Future?”
Empresas
VIC Properties anuncia novos accionistas e reforça estrutura financeira
Imobiliário
5ª edição do Programa de Trainees da Tétris já está a decorrer
Empresas
Investimento superior a 35 M€ transforma antigo edifício da Ageas no Porto
Imobiliário
Prime Watch destaca aumento de renda de cerca de 20% em apenas um ano
Imobiliário
Município do Porto cede terreno para futura Academia da Associação de Futebol
Construção

Um dos mais emblemáticos projectos da Vanguard Properties, o Terras da Comporta, está prestes a entrar numa nova fase. Com as infraestruturas do condomínio Dunas concluídas no Verão deste ano, a promotora “estima dar início às vendas em planta da parte residencial e hoteleira a partir do segundo semestre de 2022”. Ao Construir, Duarte Zoio, head of corporate communications da Vanguard Properties, confirmou, ainda, “que até 2024 estão previstas terem dezenas de moradias prontas a habitar”. Os preços esses rondam os 1,7 e os 20 milhões de euros.

Também no Dunas, o campo de golfe com 18 buracos, par 72, desenhado por David McLay-Kidd, “que já está na fase final de growing, estará apto a ser jogado em Setembro deste ano”.

Refira-se que o condomínio Dunas inclui hotelaria e condomínios turísticos, uma componente comercial e cultural bem como um conjunto de serviços, entre os quais uma clínica médica, assim um Clubhouse com capacidade para eventos.

Já o condomínio Torre deverá ter as suas infraestruturas concluídas entre o final do ano e início de 2023. Também neste, inserido num pinhal com 365 hectares, estão previstas moradias, hotelaria e condomínios turísticos bem como campo de golf de 18 buracos par 72. Desenhado por dois campeões do US Open este percurso terá um Clubhouse dimensionado para eventos desportivos, culturais e corporativos.

Quanto à componente hoteleira, a Vanguard Properties “estima ter um ou dois hotéis prontos entre 2024 e 2025”.

Com um investimento global superior a três mil milhões de euros, este é um projecto para desenvolvimento a médio e longo prazo. O projecto de arquitectura dos lotes esteve a cargo da AO – LX e da OODA, tendo o atelier Saraiva + Associados assinado o Clubhouse do Dunas e da Torre, assim como a coordenação geral do restante projecto. O paisagismo do Clubhouse do Dunas coube a PB ARQ e da Torre foi da responsabilidade de Hipólito Bettencourt. A empreitada está a cargo da DST e a fiscalização é da Tecnoplano. A TPF assume os trabalhos de projectista das infraestruturas dos condomínios.

Sustentabilidade

A preocupação ambiental tem sido uma das bandeiras da promotora para este projecto que, desde que concluiu o negócio para a sua aquisição, sempre se quis distanciar de um tipo de construção massiva e abusiva. É nesse sentido, que a aposta ao nível da sustentabilidade, da economia circular e respeito das tradições locais são alguns dos pilares do Terras da Comporta.

Ao nível da qualidade e eficiência das infraestruturas, a Vanguard Properties optou por um método construtivo inovador e menos invasivo, em madeira, NZEB e C02 negativas, integradas numa Comunidade Energética.

Neste sentido, e por forma a permitir “uma autonomia energética de pelo menos 80% através da produção própria a partir de fontes renováveis”, a Vanguard Properties e a Energia Unida, do Grupo Greenvolt, anunciaram, recentemente, uma parceria para desenvolver uma comunidade de produção descentralizada de energia para o Terras da Comporta. Todos os edifícios que serão construídos no projecto estarão ligados à comunidade energética descentralizada, o que significa que serão simultaneamente produtores e consumidores de energia, o que inclui os dois campos de golfe, loteamentos residenciais, hotéis, hotéis-apartamento, aldeamentos turísticos e equipamentos logísticos e comerciais.

De acordo com a promotora, “esta será a maior comunidade energética de Europa” e deverá contar com uma produção estimada de cerca de 7MW através da instalação de 35.000 m² de painéis fotovoltaicos.

O investimento previsto é de até 11 milhões de euros, sendo que até sete milhões de euros serão investidos por parte da Energia Unida e até quatro milhões nas estruturas de car-park, a cargo da Vanguard Properties, sobre os quais serão instalados os painéis.

O conceito de comunidade energética consiste na produção descentralizada de energia e partilha com os membros da comunidade. A título de exemplo, no caso do “Terras da Comporta”, cada casa, cada unidade hoteleira ou espaço comercial terão instalados painéis fotovoltaicos que estarão a produzir energia para consumo próprio ou para partilha com a comunidade, sempre que não haja necessidade de consumo ou em caso de excesso de produção. Desta forma, há uma optimização da produção e do consumo com benefícios muito significativos para os consumidores que podem atingir uma redução do custo de energia de cerca de 40%. Por outro lado, tratando-se de produção de energia a partir de fontes renováveis vai contribuir para o grande objectivo de sustentabilidade do projeto, que passa por garantir que todos os edifícios construídos sejam neutros em emissões de carbono (Net Zero Carbon Buildings).

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Artigos relacionados
ERA Imobiliária conta com três novas agências
Imobiliário
Vila Galé Monte do Vilar representa investimento de 4M€
Imobiliário
Archi Summit antecipa nova edição com inúmeras iniciativas
Arquitectura
A revolução chegou à indústria
Empresas
Évora recebe conferência internacional “Smart Cities, Smart Future?”
Empresas
VIC Properties anuncia novos accionistas e reforça estrutura financeira
Imobiliário
5ª edição do Programa de Trainees da Tétris já está a decorrer
Empresas
Investimento superior a 35 M€ transforma antigo edifício da Ageas no Porto
Imobiliário
Prime Watch destaca aumento de renda de cerca de 20% em apenas um ano
Imobiliário
Município do Porto cede terreno para futura Academia da Associação de Futebol
Construção
Arquitectura

Archi Summit antecipa nova edição com inúmeras iniciativas

Pela primeira vez, a organização vai levar o Archi Summit a diversas cidades do País. Bragança recebe a primeira Archi Talks dia 18 de Março. A 7ª edição do evento internacional conta com a curadoria da dupla Moncada Rangel e projecto de exposição pelo atelier +L7 Office for Architecture

Cidália Lopes

A quatro meses do arranque da sétima edição do Archi Summit, a organização revela um conjunto de novidades e iniciativas que visam antecipar aquela que é um dos mais importantes eventos de arquitectura em Portugal. A Casa da Arquitectura, em Matosinhos, será o palco das conferências e eventos do Archi Summit, que tem data marcada para os dias 5, 6 e 7 de Julho.

O projecto de exposição está a cargo do atelier +𝘓7 𝘖𝘧𝘧𝘪𝘤𝘦 𝘧𝘰𝘳 𝘈𝘳𝘤𝘩𝘪𝘵𝘦𝘤𝘵𝘶𝘳𝘦. Fundado em 2019 pelo arquitecto Luís Garcia, este jovem atelier está sediado em São Paulo e no Porto e tem como permissa “unir prática e pesquisa para alcançar uma arquitectura flexível e que se transforme ao longo do tempo”.

TransForm

O tema TransForm desafia as concepções existentes sobre objectos, espaços e acções para além da sua Forma, mas enquanto um mecanismo para conectar o passado e o futuro, os seres humanos e o universo, o acto de produzir e o de agir, sendo o design o unificador entre intervenientes.

A dupla Moncada Rangel junta-se novamente à equipa do Archi Summit para fazer a curadoria da 7ª edição. Francesco Moncanda e Mafalda Rangel são uma dupla de arquitectos de formação que encaram a sua prática de diferentes perspectivas. Juntos formam o atelier Moncada Rangel, que define a sua prática arquitectónica como uma exploração do espectro do possível em múltiplos territórios.
Além da dupla de design italiano FormaFantasma, que se distingue por “investigações experimentais de materiais, abordando preocupações ambientais e explorando o design ao serviço da natureza” e que, em 2022, apresentaram uma selecção de trabalhos colaborativos envolvendo a paisagem de Maritoga, a 7ª edição vai contar como as participações do gabinete de arquitectura OMA, representado pelo arquitecto Giulio Margheri, e nomes promissores como o colectivo italiano Fosbury Architecture, composto por Giacomo Ardesio, Alessandro Bonizzoni, Nicola Campri, Veronica Caprino e Claudia Mainardi. Mariana Pestana, co-fundadora do estúdio interdisciplinar The Decorators, também compõe o painel de oradores.

Archi Talks
Este é também o ano em que a organização lança as Archi Talks, um ciclo de conferências com o intuito de promover a arquitectura e os seus profissionais em todo o território português. A primeira iniciativa deste ciclo acontece já a 18 de Março, no Teatro Municipal de Bragança, numa iniciativa conjunta com a OASRN e o Município de Bragança, tendo como propósito promover a descentralização e, ao mesmo tempo, a discussão da arquitectura e a partilha de conhecimento e conta com a participação de Luís Doutel, Fátima Fernandes e Michele Cannatà, Filipa Castro Guerreiro, Manuel Correia Fernandes, Álvaro Domingues e Marta Aguiar. que é a ARCHI
Serão abordados temas como o ”Despovoamento e a Economia Local” e “O Exercício da Arquitectura no interior e/ou nos grandes centros”. O programa conta, ainda, com uma visita ao centro histórico de Bragança e, no dia 19 de Março, uma visita à Capela de Nadir Afonso, em Alimonde.
O objectivo passa por “percorrer o território nacional, fora dos grandes centros”, cujas datas e próximos locais serão posteriormente anunciados.

Iniciativas paralelas
As Morning Tours estão de regresso pelo terceiro ano consecutivo, depois do balanço muito positivo que houve o ano passado. Consistem em visitas guiadas de grupo a locais de interesse cultural e turístico da cidade do Porto (neste caso) e acontecem durante os três dias do evento, na parte da manhã. Neste momento, encontramo-nos a planear outras iniciativas paralelas para tornar a experiência Archi Summit ainda mais interessante e dinâmica, que podemos partilhar mais em breve.

Outras das novidades para este ano são as Archi Revi Talks + Challenge, em parceria com a Revigrés.
As “ArchiRevi Talks” vão acontecer em formato roadshow nas faculdades das áreas de Arquitectura, Design e Engenharia Civil, em todo o País, para falar sobre sustentabilidade e convidar os futuros profissionais do sector a responder aos desafios da construção sustentável através da sua participação num desafio. Os contactos com as faculdades estão ainda a ser realizados e o agendamento das Talks dependerá da disponibilidade de cada uma das instituições.

Já o “ArchiRevi Challenge” propõe a realização de um projecto de intervenção num espaço existente, sob uma perspectiva inovadora e com um impacto real e visível, integrando produtos e materiais da Revigrés.
O objectivo é demonstrar como a escolha dos revestimentos e pavimentos cerâmicos contribui positivamente para a qualidade do meio ambiente e qualidade de vida dos utilizadores, para prolongar o ciclo de vida dos edifícios e, consequentemente, para a descarbonização das cidades.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Empresas

A revolução chegou à indústria

: “Quem liderou a transição digital da sua empresa, o CEO, o CTO ou o Covid-19?”. A pergunta é obviamente uma piada, mas diz muito sobre a profunda transformação que o Mundo atravessou nos últimos dois anos. A pandemia acabou, mas a evolução prosseguiu em ritmo acelerado, agora impulsionado pela sustentabilidade e eficiência energética, mas também pela necessidade, cada vez maior, de interligação e conexão factores que estão a ditar uma profunda transformação da indústria da Domótica, Material Eléctrico e Iluminação

“Esta Transformação Digital é já uma realidade na forma como nos relacionamos, estejamos a falar de edifícios ou cidades”, sublinha Rui Horta Carneiro, secretário-executivo da Associação KNX Portugal. A associação KNX tem tido um papel crucial na promoção, informação e formação sobre o protocolo KNX, a norma aberta e multi-fabricante, que reúne mais de meio milhar de indústrias em todo o mundo.

“A Associação KNX Portugal faz esta divulgação de modo transversal, através da sua presença em Feiras, em Conferências, com Artigos Técnicos, com os Prémios KNX, com a sua presença de várias formas no mercado. Naturalmente, os arquitectos e os projectistas ocupam lugar de destaque na atenção que damos a todos os players envolvidos. Outra dimensão importante da nossa actividade é a da colaboração com as autoridades na definição da legislação e regulamentação do nosso Sector”, sublinha Rui Horta Carneiro. Em 2023 “estaremos presentes em feiras, designadamente na Tektónica e na DecorHOTEL, lançaremos mais uma edição dos PRÉMIOS KNX PORTUGAL, estaremos presentes em eventos vários – quer organizados por nós, quer a convite de Parceiros –, faremos a nossa Conferência KNX”, adianta o secretário-geral. Quanto aos tópicos, Rui Horta Carneiro destaca a “ciber-Segurança, a fiabilidade de equipamentos e redes, a necessidade de soluções inteligentes de Gestão Integrada”

A IoT já não é o futuro, é o presente. De que forma o protocolo KNX tem respondido às novas demandas?
A evolução tem sido enorme. Neste momento temos cerca de 14 biliões de equipamentos com ligação IoT (Internet of Things) e apenas cerca de metade são telemóveis. Estamos a viver uma Transformação Digital que muda totalmente a nossa vida e a nossa relação com o mundo.
Essa Transformação Digital é já uma realidade na forma como trabalhamos e no modo como nos relacionamos com os nossos espaços, sejam edifícios ou sejam cidades.
A tecnologia KNX, enquanto protocolo aberto e hoje com mais de 500 fabricantes, tem estado sempre na vanguarda das soluções de conexão entre todos os equipamentos de quaisquer edifícios, facilitando uma gestão cada vez mais integrada e mais fácil, em simultâneo com cada vez maiores resultados em termos de eficiência energética.

Como é que o protocolo tem evoluído face a esta rápida evolução tecnológica?
O Protocolo KNX oferece desde há cerca de 14 anos todo o tipo de soluções de conexão, com e sem cabo. E tem evoluído a uma enorme velocidade, crescendo para fora das tradicionais conexões apenas eléctricas.
As soluções KNX evoluíram na direcção das tecnologias de informação, adoptaram linguagens próprias da evolução informática e hoje permitem não apenas conectar todos os equipamentos dentro de qualquer edifício, mas igualmente comunicar com outros edifícios, com o restante território e com o mundo.
A KNX tem vindo a alargar, graças designadamente à IoT, a sua conexão e integração com outros Protocolos, sejam de gestão de edifícios, sejam de gestão de negócio, sejam ainda de gestão de recursos humanos, por exemplo. Ora, isto permite que o utilizador do edifício se concentre no seu negócio, na sua actividade. Com evidentes ganhos de eficiência.

E que desafios traz todo este novo contexto?
A par com as necessidades crescentes de segurança e fiabilidade dos sistemas, talvez o maior desafio seja o da integração da gestão do edifício. Como é fácil de compreender, com o crescimento exponencial das tecnologias, dos fabricantes e da IoT, a gestão integrada dum edifício há 8 ou 10 anos atrás tornou-se muito complicada. Coincidiam no mesmo edifício diferentes protocolos técnicos, muitos deles fechados (ou proprietários). E mesmo outros protocolos abertos não tinham a capacidade de comunicar com outros sistemas, gerando uma enorme complexidade e ineficiências na gestão dum edifício.
O grande desafio, que o Protocolo KNX está a vencer, é o de integrar cada vez mais todo o tipo de outros Protocolos técnicos (no edifício e fora dele), de modo a simplificar, racionalizar e optimizar a gestão integrada do edifício. E, dessa forma, optimizar a eficiência energética.

Têm uma ligação muito estreita com os fabricantes e fornecedores. Qual o foco actual da indústria?
O foco da indústria é essencialmente o de alargar e optimizar a capacidade de comunicação e de conexão entre sistemas de informação e controlo dos edifícios. Quanto maior for essa integração e a capacidade de comunicar com outros sistemas e protocolos, dentro e fora do edifício, melhores e mais eficientes serão as soluções para os utilizadores. As vantagens competitivas para os utilizadores dos edifícios estão do lado do OPEX, e não do CAPEX.
Isto tem vindo a determinar uma profunda mudança no investimento imobiliário: hoje, e cada vez mais, o decisivo para o mercado não é o custo inicial do edifício! O que é essencial é garantir a diminuição dos custos de operação (do edifício e da actividade nele exercida).
Ora, as Soluções KNX estão exactamente entre as melhores para obter este resultado de aumento de competitividade para o dono do negócio, para o gestor da actividade exercida e para o gestor do edifício.

Como vê a Associação KNX a evolução do mercado português? Quais são os seus principais drivers?
A evolução do mercado português tem estado, no essencial, em linha com o que se passa na dinâmica do resto do mundo.
Em Portugal, o drive do mercado tem estado centrado num crescimento muito acentuado da oferta Hoteleira, da oferta de Edifícios de Escritórios e da oferta de Habitação para os segmentos Alto e Médio-Alto (quer de Apartamentos, quer de Villas).
Fazemos um balanço positivo dos últimos anos e encaram o futuro com razoável optimismo.

Qual papel tem a Associação na divulgação, promoção e formação destas temáticas junto de arquitectos e projectistas?
O papel da Associação KNX Portugal é exactamente o que a questão destaca: divulgamos, promovemos, informamos, formamos e procuramos contribuir para um melhor conhecimento sobre as Soluções KNX, sobre o elevado grau de compatibilidade entre equipamentos de diferentes fabricantes, sobre o grande nível de integração na gestão dos edifícios de todo o tipo e a Simplicidade, Conforto e Eficiência Energética que se obtêm com a utilização da tecnologia KNX.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos

Matinha

Imobiliário

VIC Properties anuncia novos accionistas e reforça estrutura financeira

Os novos investidores são agora a AlbaCore Capital Group, Mudrick Capital Management e a Owl Creek Asset Management e da qual faz parte, também, a actual equipa de gestão da Vic. A transacção deverá estar concluída durante o segundo trimestre de 2023

CONSTRUIR

A VIC Properties anunciou esta sexta-feira, dia 17 de Março, que a Aggregate Holdings  vendeu a totalidade das acções que detinha da promotora imobiliária, numa transacção que totalizou um montante superior a 670 milhões de euros e que “proporcionará à VIC Properties uma estrutura financeira significativamente reforçada e mais flexível”. A transacção está sujeita às condições habituais para uma operação desta natureza, e espera-se que seja concluída durante o segundo trimestre de 2023.

Os novos investidores, liderados pela AlbaCore Capital Group, Mudrick Capital Management e a Owl Creek Asset Management e da qual faz parte, também, a actual equipa de gestão da Vic, confirma o “compromisso de longo prazo para com o mercado residencial português”, naquela que será “uma nova fase de crescimento”.

Como parte do seu novo plano estratégico, a VIC Properties receberá um significativo reforço de capital, cujos termos e valor ainda estão por acordar, de forma a acelerar o desenvolvimento dos seus três grandes projectos residenciais em Portugal. Estes projectos contemplam o Prata Riverside Village e a Matinha, ambos situados na zona ribeirinha de Lisboa, e o Pinheirinho, localizado entre a Comporta e Melides. Na sua globalidade, estes projectos têm uma área bruta de construção combinada de 570 mil metros quadrados (m2) e, após estarem totalmente licenciados e desenvolvidos, irão fornecer aproximadamente três mil novos apartamentos à cidade de Lisboa e variadíssimas unidades residenciais e turísticas na região entre a Comporta e Melides.

“Hoje arranca um novo e excitante capítulo para a VIC Properties. Juntamente com os nossos novos parceiros, e beneficiando de uma estrutura de capital reforçada, estamos altamente entusiasmados por podermos investir no desenvolvimento contínuo de alguns dos mais proeminentes projectos residenciais do País, proporcionando habitação de alta qualidade, sustentável e moderna, que tanta falta faz a quem vive em Portugal”, afirma João Cabaça, ceo da VIC Properties.

Já Jason Mudrick, fundador e chief Investment Officer da Mudrick Capital Management, afirma que “esta transacção vai permitir à VIC Properties acelerar as suas ambições estratégicas”

“A Aggregate e a equipa de gestão da VIC fizeram um trabalho notável na criação e desenvolvimento da empresa a partir do zero, o que nos deixa bastante entusiasmados em trabalhar com a VIC nesta nova etapa, apoiando-a na promoção dos seus emblemáticos projectos residenciais, contribuindo assim para novas soluções de habitação em Portugal”, reforça.

O acordo requer determinadas alterações aos actuais acordos de financiamento do grupo VIC, incluindo, entre outros, um exercício de solicitação de consentimento para que os titulares das obrigações em circulação da VIC aprovem certas alterações aos termos de tais obrigações a fim de implementar a transacção, incluindo a libertação da garantia existente prestada pela Aggregate, assim como de quaisquer compromissos futuros relacionados com as obrigações convertíveis da VIC.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

@Openbook

Imobiliário

Investimento superior a 35 M€ transforma antigo edifício da Ageas no Porto

Aquela que é a primeira aquisição do grupo internacional em Portugal e desenvolvido em parceria com a Adriparte, conta com projecto da Openbook e Project Management da Alphalink para transformar o edifício num “escritório do futuro”

Cidália Lopes

O edifício Campo Alegre, antiga sede da Ageas, no Porto, foi vendido à Osborne +Co, promotora com uma vasta experiência no desenvolvimento de escritórios. Aquela que é a primeira aquisição do grupo internacional em Portugal, em parceria com a Adriparte, representa um investimento superior a 35 milhões de euros. Com assinatura do atelier Openbook, o projecto conta, ainda, com a equipa da Alphalink para Project Management. Ainda em fase de licenciamento, as obras de reabilitação do imóvel deverão estar concluídas no final de 2024.

“Estamos ansiosos para aproveitar o potencial do edifício existente de Campo Alegre e transformá-lo em um espaço de escritórios de primeira linha que exceda os padrões da indústria. A nossa equipa está muito satisfeita por estar envolvida na criação de uma localização privilegiada dinâmica e sustentável para atrair novos ocupantes internacionais para a Zona 1 CBD Boavista”, afirma Fernando Caldas, general manager da Osborne+Co em Portugal.

Com 15 mil metros quadrados (m2), este será “um dos melhores projectos de escritórios na cidade do Porto”, que poderá vir a receber mais de 600 colaboradores, distribuídos por sete pisos. A aquisição “deste edifício emblemático”, que conta com uma “localização privilegiada, acessibilidades e excelente visibilidade” vai, ainda, colmatar a “crescente procura no mercado de ocupação de escritórios”.

“Altamente sustentável e moderno”

Desenhado para promover um espaço “altamente sustentável e moderno” e com foco no bem-estar dos seus ocupantes, a intervenção no edifício prevê a substituição da fachada e M&A, criando um edifício de escritórios de classe A.

A zona central do edifício irá oferecer, ainda, uma área significativa para amenities e espaços de escritórios adequados para ocupantes de menor dimensão, criando neste espaço um ponto vibrante e de encontro.

Tendo em conta a grande procura por espaços de grande dimensão, este edifício de escritórios irá também colocar no mercado pisos com áreas entre os 800 m2 e os 2000 m2, o que o torna “altamente atraente para novas empresas que queiram entrar no Porto ou para aquelas que pretendam aumentar as suas operações”.

O ‘Campo Alegre’ conta, ainda, com mais de 2.500 m2 de terraços exteriores, que se encontram em diferentes pisos, e cuja utilização se tornou ainda mais importante e mais procurada pelos ocupantes dos edifícios de escritórios depois da pandemia de Covid. “Esta é uma característica única quando comparada com o stock existente de prédios de escritórios disponíveis no núcleo CBD”, refere.

O projecto de requalificação prevê, ainda, espaços de estacionamento ao nível da rua e subsolo (-1 e -2) e conta, também, com parque para bicicletas, carregamento de veículos eléctricos, fornecimento de energia através de fontes renováveis, sistema inteligente e centralizado de todo o edifício e IoT disponível através de app.

“O nosso vasto track-record global na promoção de edifícios de escritórios de vanguarda, contribui de uma forma decisiva para o desenvolvimento sustentável das cidades, cumprindo com os requisitos ESG. Esperamos que os futuros ocupantes deste edifício possam usufruir de um ambiente e serviços complementares com elevados padrões de qualidade”, adianta Fernando Caldas.

Concluída venda do portefólio Invictus

A operação foi assessorada pela CBRE, tendo, desta forma, concluído a venda do portefólio Invictus, que pertencia à seguradora. Para a AGEAS, esta transacção corresponde às suas reais expectativas na conclusão de um processo estruturado que incluía três importantes activos da cidade do Porto, e é com grande satisfação que reconhece a importância do projecto de transformação apresentado pela Osborne, o qual dará uma nova vida ao edifício no qual funcionou a sede daquela seguradora durante cerca de 10 anos e que, com a requalificação prevista, contribuirá para uma cidade cada vez mais regenerada.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Imobiliário

Prime Watch destaca aumento de renda de cerca de 20% em apenas um ano

Estudo anual sobre imobiliário comercial realizado pela consultora B. Prime, que destaca, ainda, a falta generalizada de oferta, em todos os segmentos, o que potencia uma pressão nas rendas com aumentos muito expressivos

CONSTRUIR

O mercado de escritórios registou, em algumas zonas da cidade de Lisboa,  um aumento de 20% no valor das rendas. Esta é uma das conclusões do Prime Watch, um estudo anual sobre imobiliário comercial realizado pela consultora B. Prime, que destaca, ainda, a falta generalizada de oferta, em todos os segmentos, o que potencia uma pressão nas rendas com aumentos muito expressivos. Não obstante, e apesar do cenário de incerteza geopolítica e consequentes oscilações económicas, “o sector imobiliário continuou a demonstrar uma forte resiliência”, tendo o segmento de investimento registado uma variação de +55% para um valor próximo de 3.2 mil milhões de euros.

No segmento de investimento existe, ainda, uma expectativa no aumento de operações de sale & leaseback de modo a contornar eventuais dificuldades de tesouraria, devido ao aumento das taxas de juro.

Os critérios ESG são uma componente incontornável e são cada vez mais determinantes na valorização dos imóveis e na sua procura, tanto para compra, como para arrendamento.

O Prime Watch destaca, igualmente, o crescimento que deverá continuar a manter-se na criação de Sociedades de Investimentos Imobiliário de Capital Fixo (SICAFI’S) visando obter uma maior eficiência fiscal.

No mercado de arrendamento, a oferta continua a ser diminuta, principalmente no segmento dos escritórios e logística, o que faz com que o regime de pré-arrendamento continue a ter uma enorme preponderância na área disponível; ou seja, muitos edifícios ainda antes de estarem concluídos já estarão ocupados.

Segundo Jorge Bota, managing partner da B. Prime, “existem enormes expectativas para o ano de 2023, nomeadamente a partir do segundo semestre, altura em que se prevê uma retoma do mercado de investimento, após o abrandamento que estamos a viver nestes primeiros meses do ano”.

“Neste momento muitos investidores estão a aguardar pela estabilização das taxas de juro, que se espera venha a acontecer a partir do segundo semestre. No decorrer deste ano, a dinâmica nos segmentos da logística e de escritórios vai continuar a ser robusta e estes serão certamente os activos mais procurados pelos investidores”.

O Prime Watch faz um balanço anual dos diferentes segmentos do imobiliário comercial: escritórios, logístico, retalho e investimento; no que diz respeito a volume de negócios, operações efetuadas, caracterização da procura e da oferta. Este estudo revela igualmente valores de ocupação, rendas e yields, para além de apontar uma série de tendências e expectativas para este ano de 2023.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Município do Porto cede terreno para futura Academia da Associação de Futebol

O complexo vai nascer na Avenida da Cidade de Xangai, na zona da Prelada, em Ramalde. O projecto de arquitectura está a ser analisado pelo Município do Porto e o concurso para a adjudicação da obra deverá acontecer no Verão

CONSTRUIR

A futura Academia da Associação de Futebol do Porto (AFP), vai nascer na Avenida da Cidade de Xangai, na zona da Prelada, em Ramalde, num terreno cedido pelo Município, cabendo à AFP a concretização do projecto.

O ‘pontapé de saída’ foi dado esta terça-feira, dia 14 de Março, nos Paços do Concelho, com a escritura de cedência do terreno, numa cerimónia que contou com as presenças de Catarina Araújo, vereadora da Juventude e Desporto, e de José Neves, presidente da AFP.

O presidente da AFP adiantou que o projecto de arquitectura está a ser analisado pelo Município do Porto, revelando que o concurso para a adjudicação da obra deverá acontecer “no Verão”. “A Câmara tem que, obrigatoriamente, consultar várias entidades para que seja aprovado e nós aguardamos para que, de seguida, possamos lançar o concurso público para a obra. É importante, porque, caso tenhamos uma oportunidade de recorrer a fundos comunitários, assim o faremos”, sublinhou José Neves, acreditando que, daqui a dois anos, a nova Academia de Futebol do Porto seja uma realidade.

O terreno agora entregue à Associação destina-se a construir três campos de futebol de onze (dois sintéticos e um relvado), um para o futebol de praia e outro para segmentos específicos, como o treino de guarda-redes, balneários, armazéns e zonas de logística.

No acordo estabelecido com a AFP, a Câmara quis salvaguardar, também, que o equipamento estará disponível para a comunidade envolvente. “A sua abertura à sociedade, para além dos atletas e demais agentes desportivos que por lá irão passar, deve ser sublinhada”, afirmou Catarina Araújo. Com efeito, além das actividades destinadas ao futebol amador, a AFP garantiu à autarquia que incluirá diversos espaços dedicados a promover a saúde e bem-estar dos atletas e de todos aqueles que pretendam usufruir dos serviços.

A AFP contará, ainda, com um espaço dedicado a consultas de nutrição e à reabilitação física, com técnicos especializados ao serviço dos atletas, bem como um local dedicado ao acompanhamento psicológico, considerando a relevância e o impacto da saúde mental.

Prevê-se ainda o desenvolvimento de actividades para pessoas com deficiências, físicas ou psicológicas; o fomento da actividade física e a socialização da população sénior; e ainda a defesa da igualdade de género pela promoção da prática desportiva junto do público feminino.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

“Hoje em dia não basta fazer arquitectura”

O grupo Openbook está em expansão, com reforço das áreas de design e nos serviços e apostou em diferentes vertentes, da corporativa à hoteleira, passando pelo residencial, sem esquecer aquela que é a sua área mais reconhecida internacionalmente: os escritórios. Paulo Jervell, partner e um dos fundadores do grupo, explica a aposta do Grupo

O hotel Choupana Hills na Madeira está em reconstrução. O investimento na recuperação da unidade, que durante décadas foi um marco do Turismo no arquipélago, é do grupo Lux Hotels e deverá custar, de acordo com notícia avançada pelo Diário da Madeira, cerca de 20 milhões de euros. A intervenção pressupõe a reconstrução dos edifícios afectados pelo incêndio de 2016, bem como as obras de conservação e manutenção nos edifícios não afectados, a recuperação dos arranjos exteriores e a redefinição de todos os espaços interiores e conceito de decoração. A arquitectura está a cargo da Openbook e o design de interiores foi entregue à NOBK, empresa do grupo Openbook.

A intervenção, transversal, do grupo de arquitectura português no projecto de reconstrução desta unidade hoteleira segue em linha com a nova dinâmica do grupo inaugurada em 2022, com impacto nos resultados do grupo. No último ano, a Openbook facturou 6M€, o que representa um crescimento de 50% face a 2021, inaugurou uma nova área de negócio, de Investment Advisory, um serviço de apoio ao investimento imobiliário, e apostou em diferentes vertentes, da corporativa à hoteleira, passando pelo residencial, sem esquecer aquela que é a sua área mais reconhecida internacionalmente: os escritórios. “Hoje não basta fazer arquitectura. Muitos dos nossos clientes esperam uma integração mais ampla de serviços”, justifica Paulo Jervell, partner da Openbook. “Queremos continuar a traçar um percurso sólido não só na área corporativa onde somos uma grande referência, mas também noutros sectores como o do turismo que está a ganhar cada vez maior relevância no nosso portefólio”, explica o arquitecto.

As metas para 2023 estão traçadas: alcançar 7,5 milhões de euros de facturação e apostar cada vez mais no mercado internacional onde tem desenvolvido vários projectos em diversas geografias: do Luxemburgo ao Brasil ou Angola. O reforço da equipa, iniciado em 2022, será reforçado ao longo deste ano, estando prevista a criação de uma área de actividades de design do grupo, que permitirá expandir a oferta de serviços na área corporativa, tais como: design de ambientes, sinalética e wayfinding, branding e design de identidade de marca.

O que motivou a criação de uma nova área de Real Estate Advisory e, exactamente, em que fase do processo de investimento é que ela intervém?
A área de Real Estate Advisory surge como uma consequência do crescimento e da diversificação dos serviços prestados pelo Grupo Openbook. Esta área assenta na prestação de serviços globais especializados e integrados, desde a identificação e selecção de activos, análise de custos e de viabilidade económica, apoio à transacção, coordenação de due diligences, gestão e contratação de serviços jurídicos e financeiros, planeamento estratégico e coordenação de todo processo de investimento. Com a forte aposta nesta nova área de negócio, após a sua consolidação, prevemos que esta possa contribuir para um crescimento em cerca de 20% do nosso volume de negócios.

Terá uma autonomia face àquela que é a actividade principal do grupo? O que vai mudar naquela que hoje já é uma área desenvolvida pela NOBK?
Esta nova área de actividades de design vem complementar tanto os serviços de Design de Interiores da NOBK, como os serviços de Arquitetura da Openbook. É uma área que irá abranger principalmente o Environmental Graphic Design, Sinalética e Wayfinding, Branding e Design de identidade de marca, mas também Audiovisuais e Multimédia, tendo assim uma intervenção distinta da NOBK. O Environmental Graphic Design coordena-se com inúmeras disciplinas de design, incluindo não só o design gráfico e a arquitectura, como também o design de equipamento, design de interiores e a arquitectura paisagista. Em todas estas disciplinas foca-se nos aspectos visuais da navegação e orientação no espaço, comunicação de identidade e informações – no intuito de educar, orientar, inspirar e entreter – moldando desta forma as experiências que as pessoas têm de um determinado lugar.

Hoje não basta “fazer” Arquitectura? Estas apostas são sinais das novas exigências ou reflexo do crescimento do gabinete?
Sim, de facto hoje não basta fazer arquitectura. Muitos dos nossos clientes esperam uma integração mais ampla de serviços. O mercado atingiu um estado de maturidade e sofisticação que aconselha que seja uma única entidade a gerir a grande diversidade de contratações, e a oferecer uma visão alargada e profissional do negócio e não somente uma perspectiva da qualidade do desenho.

Quão importante é para vós a área internacional e qual o peso que tem hoje no vosso volume de negócios?
A Openbook teve sempre uma perspectiva de posicionamento internacional e prova disso são os projectos que tem vindo a desenvolver em diferentes geografias nos seus 15 anos de actividade. Os projectos são concebidos pela equipa em Portugal com um acompanhamento dos nossos parceiros locais. Temos em curso um conjunto de projectos corporativos e de habitação internacionais, designadamente no Centro da Europa, Angola e Médio Oriente, cuja receptividade nos permitem antever um cenário de crescimento muito significativo e que hoje representam cerca de 15% do nosso volume de negócios.

Principais desafios de 2023?
A política de crescimento é cultural na Openbook, sendo que esse crescimento tem vindo a ser consolidado com a liderança no mercado corporativo, bem como o reconhecimento da nossa qualidade em áreas como o sector residencial, e os sectores do turismo e ensino. Com o crescimento sustentável que a Openbook tem vindo a ter, os grandes desafios assentam em continuar a fazer boa arquitectura em todos os projectos independentemente da escala ou do volume da encomenda, a qualidade é o nosso pilar central. Continuar a apostar na formação contínua da nossa equipa, em proporcionar a evolução das suas competências e, a somar a isto, outras disciplinas e áreas de negócio complementares com uma contínua aposta na tecnologia que sustenta toda a produção, com o objectivo de atingir o crescimento de 25% em 2023.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Engenharia

Prospectiva desenvolve sistema de reciclagem de lâmpadas em São Tomé e Príncipe

Sob a alçada do “Power Sector Recovery Project”, co-financiado pelo Banco Mundial e pelo Banco Europeu de Investimento, o novo sistema de gestão de resíduos para lâmpadas usadas naquele País terá uma duração de 12 meses

CONSTRUIR

Contratada pela Agência Fiduciária de Administração de Projectos (AFAP) e pela Empresa de Água e Electricidade (EMAE) de São Tomé e Príncipe, a empresa de estudos e projectos de engenharia, Prospectiva, em consórcio com a TESE – Associação para o Desenvolvimento, será responsável pelo desenvolvimento, implementação e supervisão de um novo sistema de gestão de resíduos para lâmpadas usadas naquele País.

Sob a alçada do “Power Sector Recovery Project”, co-financiado pelo Banco Mundial e pelo Banco Europeu de Investimento, este novo sistema visa a reciclagem ou destruição controlada de lâmpadas fluorescentes, incandescentes, de halogénio, entre outras, de São Tomé e Príncipe, e a sua substituição por cerca de quinhentas mil lâmpadas LED em casas particulares e em edifícios públicos.

A implementação do sistema terá uma duração de 12 meses, com um investimento de 409.600 euros, e passará por diversas fases, nomeadamente de estudo ambiental e social, de contratação e formação profissional, de sensibilização da população, de recolha e substituição das lâmpadas, e de armazenamento, transporte e reciclagem ou destruição das mesmas.

A preservação ambiental e a prevenção da contaminação do ar e do solo com mercúrio, vidro, metais e outros componentes presentes em lâmpadas antigas são o principal objectivo para o desenvolvimento deste sistema, o qual terá capacidade de reciclar até três mil lâmpadas por dia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Casais constrói edifício híbrido em Espanha

O futuro hotel B6B em Madrid, desenvolvido no âmbito da parceria Sunny Casais, baseia-se no sistema CREE, ou seja, uma solução industrializada e híbrida de madeira e betão, com estrutura e fachadas pré-fabricadas

CONSTRUIR

O Grupo Casais lançou hoje a primeira pedra do primeiro edifício de construção híbrida (madeira e betão) em Madrid, Espanha, O projecto, desenvolvido no âmbito da parceria Sunny Casais, irá dar origem a um hotel B&B, com 120 quartos, dando assim início a uma nova geração de edifícios sustentáveis no país vizinho.

“Estamos perante uma parceria de sucesso, uma vez que este é sexto hotel B&B que construímos e, em breve, estaremos em condições de anunciar o sétimo, também em Espanha”, afirmou António Carlos Rodrigues, ceo do Grupo Casais.

O projecto baseia-se no sistema CREE, ou seja, uma solução industrializada e híbrida de madeira e betão, com estrutura e fachadas pré-fabricadas. As casas de banho e parte das redes e instalações especializadas serão também pré-fabricadas.

O Grupo Casais exporta assim, para Espanha, uma tipologia de construção “mais amiga do ambiente, capaz de reduzir a pegada de carbono em mais de 60%, pelo uso de madeira de engenharia e apenas 1/3 do betão de um edifício tradicional”.

Além disso, esta forma de construção tem ainda a vantagem, por se tratar de uma solução industrializada e pré-construída, de poder ser reutilizada posteriormente em outros edifícios, e que podem fazer poupar tempo, dinheiro e recursos.

“No Grupo Casais acreditamos que temos um papel preponderante na construção das sociedades e no futuro das comunidades. Por isso, temos vindo a reforçar o compromisso com a sustentabilidade dos nossos clientes, colaboradores e demais comunidades, contribuindo assim para os pilares de uma sociedade equilibrada e alinhada com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável”, defende António Carlos Rodrigues.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Projecto da nova Escola Secundária de Cascais

Construção

Câmara de Cascais avança com construção da nova secundária por 25,8M€

As novas infraestruturas de Escola Secundária de Cascais vão ser construídas de raíz pela Câmara num investimento de 25,8 milhões de euros. A aprovação da adjudicação do contrato de construção será feita será na primeira reunião descentralizada da autarquia que se realiza no dia 17 de Março

CONSTRUIR

Ao fim de quase 50 anos a funcionar em instalações provisórias, a Escola Secundária de Cascais vai ter novas infraestruturas, construídas de raiz pela Câmara de Cascais, num investimento de 25,8 milhões de euros. A aprovação da adjudicação do contrato de construção será feita será na primeira reunião descentralizada da autarquia que se realiza já no dia 17 de Março, no velho equipamento de ensino, perante professores e alunos. O concurso público foi lançado o ano passado tendo a câmara recebido 58 propostas.

As obras da nova secundária de Cascais arrancam já em Julho próximo e deverão ficar concluídas no final de 2025. As novas instalações vão servir 1.320 alunos dos ensinos básico e secundário (diurno e nocturno).

O projecto de arquitectura tem a assinatura de Pedro Matos Gameiro Arquiteto e da “Bugio II – Arquitetura”, e foi seleccionado por concurso público. A proposta de projecto baseia-se na criação de um pátio central quadrangular, rodeado por galerias exteriores a partir das quais se tem acesso às salas nos pisos superiores.

A disposição dos edifícios no piso térreo – onde se propõe o funcionamento de zonas comuns, ligados por zonas comuns cobertas – permite uma ligação visual entre a nova escola e a zona urbana envolvente. O edifício irá albergar 44 salas de aula, biblioteca, auditório, pavilhão polidesportivo e um espaço exterior com total recuperação do pinhal existente. No total a área de intervenção é de 37.283m2, com 15.025m2 de área total de construção implantados em 8.035m2.

A nova escola será construída no terreno adjacente à actual, com a particularidade de os trabalhos de demolição da velha escola, bem como a construção da nova, ocorrerão sem prejuízo das aulas que ali continuarão a decorrer.
Isto porque a obra irá decorrer em duas fases: primeiro será construído o novo edifício escolar, posteriormente será demolida a velha escola que dará lugar à construção do pavilhão polidesportivo e arranjos exteriores que abarcam um pinhal já existente. Este pinhal ficará, no entanto, disponível para usufruto da população. A velha Secundária de Cascais está instalada em pavilhões pré-fabricados inaugurados em Maio de 1973, tendo apenas 21 salas de aula com capacidade para 813 alunos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.