Edição digital
Assine já
Arquitectura

Trienal de Arquitectura Lisboa: “Como desenhar o diálogo?”

Wilfried Kuehn, co-fundador do atelier berlinense Kuehn Malvezzi, e Clara Simay, co-fundadora da cooperativa parisiense Grand Huit, são os convidados do último ciclo de conferências Campo Comum, que decorre dia 25 de Maio, no CCB

CONSTRUIR
Arquitectura

Trienal de Arquitectura Lisboa: “Como desenhar o diálogo?”

Wilfried Kuehn, co-fundador do atelier berlinense Kuehn Malvezzi, e Clara Simay, co-fundadora da cooperativa parisiense Grand Huit, são os convidados do último ciclo de conferências Campo Comum, que decorre dia 25 de Maio, no CCB

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
JLL celebra 25 anos no imobiliário em Portugal
Imobiliário
Colt reforça investimento em Portugal e espera chegar aos 140 colaboradores no final do ano
Empresas
Interesse de estrangeiros na compra de casa aumenta 29% no 2º trimestre
Imobiliário
Empresas Sonae criam compromisso para evitar desflorestação até 2030
Empresas
Mineiro Aires vai presidir ao Conselho Superior de Obras Públicas
Construção
Schneider Electric vence diversos prémios de design
Empresas
Cushman & Wakefield alerta para o impacto do ESG no custo dos imóveis
Imobiliário
Exportação: Cimenteira do Louro com 2M€ de mercadoria afectada por problemas logísticos
Construção
Geberit actualiza sistema de tubagens multicamada Mepla
Empresas
Jamestown altera nome do edifício JQOne para IDB Lisbon – Innovation & Design Building
Imobiliário

Wilfried Kuehn, co-fundador do atelier berlinense Kuehn Malvezzi, e Clara Simay, co-fundadora da cooperativa parisiense Grand Huit, são os convidados do último ciclo de conferências no âmbito do Campo Comum, promovido pela Trienal de Lisboa e com curadoria: Diana Menino e Felipe De Ferrari, trazem ao debate projectos específicos onde têm actuado como designers, facilitadores e mediadores: da primeira casa do mundo para o culto de três religiões, à quinta urbana de policultura para a integração económica e alojamento de pessoas vulneráveis.

A última sessão do programa Campo Comum, que irá decorrer no dia 25 de Maio, na sala Luís de Freitas Branco, no CCB, foca-se na co-existência, na arquitectura como um quadro para encontros frutíferos entre diferentes utilizadores e comunidades. Se as últimas décadas têm sido definidas por uma forte sensação de fragmentação, consequência directa tanto do capitalismo como do neoliberalismo que nos rodeiam, parece que agora há a vontade de enfrentar os desafios da nossa época em conjunto.

Esta série de conferências assume a arquitectura como uma atitude estratégica face ao espaço e aos recursos. Ao adoptar uma postura crítica e optimista, pode abordar a realidade de formas radicais, revelando contradições e potencial, e desenvolvendo projectos que viabilizem ideias emancipatórias, construindo assim um campo comum. Essa abordagem pode ser concebida como um processo cumulativo de constante apropriação, imitação, repetição, tradução e recontextualização com pensamento aberto – incluindo pragmatismo e humor – baseado na revisão cuidadosa da realidade material e das condições sociais. Explorar esses fios leva-nos a uma forma colectiva de construção.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
JLL celebra 25 anos no imobiliário em Portugal
Imobiliário
Colt reforça investimento em Portugal e espera chegar aos 140 colaboradores no final do ano
Empresas
Interesse de estrangeiros na compra de casa aumenta 29% no 2º trimestre
Imobiliário
Empresas Sonae criam compromisso para evitar desflorestação até 2030
Empresas
Mineiro Aires vai presidir ao Conselho Superior de Obras Públicas
Construção
Schneider Electric vence diversos prémios de design
Empresas
Cushman & Wakefield alerta para o impacto do ESG no custo dos imóveis
Imobiliário
Exportação: Cimenteira do Louro com 2M€ de mercadoria afectada por problemas logísticos
Construção
Geberit actualiza sistema de tubagens multicamada Mepla
Empresas
Jamestown altera nome do edifício JQOne para IDB Lisbon – Innovation & Design Building
Imobiliário
Arquitectura

Câmara de Braga avança com plano de execução do Parque Ecomonumental das Sete Fontes

Para o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o Parque das Sete Fontes “é um projeto absolutamente estratégico para Braga e totalmente irreversível”

CONSTRUIR

O Município de Braga prepara-se para dar mais um passo essencial com vista à concretização do futuro Parque Ecomonumental das Sete Fontes, com a aprovação da delimitação da primeira unidade de execução do Plano de Urbanização das Sete Fontes. O documento será analisado em Reunião de Executivo Municipal, que se realiza na próxima Segunda-feira, 27 de junho.

A referida unidade, com uma área total de 54.215, prevê, de forma exata e efetivamente delimitada, solo para uso cultural (43.282 m2), solo para espaço público pedonal e solo para espaços habitacionais, sendo que a operação assegura, ainda, uma ligação viária à via existente a norte (junto ao Colégio João Paulo II).

Para o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o Parque das Sete Fontes “é um projeto absolutamente estratégico para Braga e totalmente irreversível”. “Ao longo dos últimos anos, fomos cumprindo diversas etapas necessárias para concretizar o Parque. Logo em 2014, aprovámos a suspensão do Plano Diretor Municipal (PDM) e estabelecemos medidas cautelares preventivas; avançámos com a supressão da via que atravessava as Sete Fontes e promovemos uma ampla discussão pública sobre as alterações ao PDM para esta área e sobre o seu plano de urbanização”, refere o Autarca.

Ricardo Rio salienta, ainda, a postura de “total diálogo e disponibilidade” que a Câmara Municipal teve com todos os proprietários, “mesmo compreendendo que alguns se sentissem defraudados, não nos seus direitos, mas nas suas expectativas”.

A aprovação da delimitação da primeira das 24 Unidades de Execução do Parque das Sete Fontes, acrescenta o Edil, é um “requisito fundamental para a concretização do parque, mas também um passo determinante para o seu sucesso”.

Trinta hectares de parque verde público, 30 hectares de área florestal privada e 30 hectares de área urbana com criação de praças, pequenas edificações de apoio, miradouros, percursos pedestres e cicláveis. Assim será o Parque das Sete Fontes, cujo elemento central é o ancestral sistema de abastecimento de águias à Cidade de Braga, uma obra hidráulica do século XVIII classificada como Monumento Nacional desde 2011.

Este local privilegiado de contacto com a natureza será, em breve, um espaço propício à realização de atividades desportivas e de lazer. Um lugar de convívio e de vivência cultural e ambiental. Um lugar pensado por uma equipa de reputados especialistas nacionais, sob a coordenação da arquiteta paisagista Teresa Andresen.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal de Arquitectura abre ‘call’ para curadoria da 7ª edição

São admissíveis candidaturas individuais ou colectivas, cuja primeira fase termina a 15 de Outubro de 2022. A 7ª edição da Trienal deverá acontecer entre Setembro e Dezembro de 2025

CONSTRUIR

Enquanto a Trienal 2022 está quase a arrancar, a organização lançou este mês a ‘call’ para curadoria geral da 7ª edição que irá decorrer em 2025.

A Trienal de Arquitectura de Lisboa é um evento concebido e produzido pela associação cultural de direito privado sem fins lucrativos designada Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa. São admissíveis candidaturas individuais ou colectivas, cuja primeira fase termina a 15 de Outubro de 2022.

“Aguardamos com entusiasmo candidaturas a este grande festival com propostas relevantes para o estado da arte em arquitectura, originais e em linha com os objectivos da Trienal”, refere a organização da Trienal que acredita, ainda, que “esta antecedência permite que as pessoas interessadas visitem a 6.ª edição, Terra, que inaugura no dia 29 de Setembro e afinem uma candidatura que deverá ser apresentada até 15 de Outubro”.

As propostas deverão ser apresentadas tendo em conta a estrutura fixa do evento, conforme o ponto seguinte, nomeadamente três grandes exposições centrais, três livros associados às três exposições, uma conferência internacional, três prémios: Universidades, Début e Carreira e 10-15 Projectos Independentes.

A primeira fase da selecção tomará em consideração aspectos como a relevância do tema, originalidade da proposta e adequabilidade aos objectivos da Trienal. Na segunda fase de selecção acrescenta-se a estrutura e natureza da equipa indicada, o valor da experiência da autoria da proposta, eloquência na apresentação, competências de trabalho em equipa e no relacionamento com a imprensa, entre outros.

Toda a informação respeitante à candidatura e respectivo formulário está disponível na página online da Trienal de Arquitectura de Lisboa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Museu do Tesouro Real: Conjugar o presente e preservar o antigo

Inaugurado recentemente o novo Museu do Tesouro Real é o culminar de dois grandes desafios: concluir o Palácio Nacional da Ajuda e instalar nesse remate um museu para o tesouro real. Entre a necessidade de preservar o antigo e dar relevância ao novo assim nasceu um projecto assinado pelo arquitecto João Carlos Santos e que contou com uma equipa de 150 profissionais

CONSTRUIR

O novo Museu do Tesouro Real é a nova morada permanente das jóias da coroa e das peças da ourivesaria real portuguesa. O novo equipamento cultural da capital portuguesa representou um duplo desafio. Por um lado, concluir o Palácio Nacional da Ajuda, com o remate da sua ala poente que esteve inacabada durante 226 anos e instalar nesse remate um museu para o tesouro real, tendo em conta todas as medidas de segurança necessárias para proteger um património de valor inestimável e que é constituído por raras e valiosas jóias, insígnias e condecorações, moedas e peças de ourivesaria civil e religiosa, como é disso exemplo a coroa e a laça de esmeraldas de D. Mariana, aquela que se pensa ser a maior pepita de ouro do mundo ou a caixa de tabaco encomendada por D. José ao ourives do Rei de França no século XVIII e que a amante de Luís XV não queria deixar sair de Paris.
Mas antes de pensar na protecção de todas estas jóias para o arquitecto João Carlos Santos, impôs-se desde o início a protecção do próprio monumento nacional.

“O primeiro desafio foi pensarmos como materializar este remate junto do edifício que é uma pré-existência e que tem um valor patrimonial como é o Palácio Nacional da Ajuda. Depois foi como é que se remata um palácio que era para ter o triplo da dimensão que tem hoje e nunca chegou a ser concluído. Muitas pessoas olhavam para esta parte do alçado poente do palácio e pensavam que o palácio tinha tido um problema com o próprio terramoto, mas isso não é verdade o palácio foi construído precisamente por causa do terramoto porque o antigo Paço Real na ribeira, naquilo que é hoje conhecido como a Praça do Comércio, ficou danificado com o terramoto”, explica João Carlos Santos. “Como esta estrutura para ter o triplo da dimensão, tudo o resto não foi construído e a Calçada da Ajuda não era para existir aqui”, continua o responsável, “e, portanto, conciliar estas pré-existências todas foi efectivamente um outro desafio. Esta questão da calçada parece uma questão menor, mas não o é porque nós não podíamos avançar simplesmente por cima da Calçada da Ajuda”, refere João Carlos Santos que é simultaneamente o director geral da Direcção Geral do Património Cultural, DGPC, entidade que foi a responsável pelo projecto museológico.
Na realidade, a solução para o projecto final acabou por ocupar uma parte da Calçada, “ainda que o seu traçado tenha sido mantido houve uma alteração nos perfis e traineis da mesma de modo a fazer a concordância com as quotas do projecto”, conta o arquitecto.
Imperceptível, é o facto da nova estrutura, o remate, não tocar o Palácio Nacional da Ajuda. Como nos conta João Carlos Santos “os dois edifícios não estão ligados por questões estruturais e de segurança”, como se de uma grande junta de dilatação em todo o perímetro que une os dois edifícios se tratasse. O mesmo princípio, o da separação, foi seguido nas arcadas em pedra pré-existentes, não havendo contacto físico entre estas e o edifício em betão que, aparentemente, se ergue por cima dessa estrutura pré-existente. “Mais uma vez colocou-se a necessidade de protecção estrutural, o que levou à solução de construção de uma ponte por cima das arcadas, ao longo dos 26 metros de vão, e que não toca nessa estrutura que queremos salvaguardar e preservar”.

Num projecto com inúmeras particularidades, o arquitecto ressalva outro aspecto construtivo do projecto: este está “simplesmente” pousado no chão. Ao invés das fundações habituais, a solução construtiva adoptada passou pela utilização de estacas de grande dimensão, com um metro de largura, por sete metros de profundidade, tendo sido criado um ensoleiramento geral, uma espécie de tabuleiro, onde todo o edifício assenta.

Particularidades de uma estrutura ambígua que preserva e assume a entidade cultural e histórica do monumento nacional do qual faz parte, mas ao mesmo tempo assume uma identidade própria e moderna, imediatamente perceptível para quem nela entra pelo lado da Calçada da Ajuda e olha para a sua fachada moderna, rasgada por inúmeras janelas.

Um cofre no interior
O Museu do Tesouro Real, o segundo grande desafio proposto, é ele próprio uma caixa-forte. Uma solução eficaz reforçada pela sua cobertura em espuma de alumínio pintada de ouro, visível para quem entra ao nível do piso 1. Com 40 metros de comprimento, 10 metros de largura e 10 metros de altura, esta é uma das maiores caixas-fortes do mundo, com três pisos, munida com sofisticados equipamentos de segurança e videovigilância, portas blindadas de 5 toneladas. A segurança das peças é ainda reforçada por vitrines com controlo de temperatura e humidade e vidros à prova de bala.

O museu, em si, ocupa uma pequena parte dos cerca de 12 mil m2 de área, a maior parte da qual ocupada por áreas técnicas de grande dimensão e que estão vedadas ao público.

O projecto custou 31 milhões de euros, 18 milhões de euros do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa, 4,8 milhões de euros da DGPC e 9 milhões de euros financiados pela Associação Turismo de Lisboa

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

MVRDV vai desenvolver o novo Innovation District em Matosinhos

O concurso internacional lançado pela Galp foi ganho pela holandesa MVRDV, que irá liderar uma equipa multidisciplinar que inclui empresas internacionais como Thornton Tomasetti, LOLA, LiveWork, além das portuguesas OODA e A400

CONSTRUIR

A Galp seleccionou a MVRDV para desenvolver o projecto de regeneração urbana que dará origem ao novo Innovation District que vai nascer nos terrenos da antiga Refinaria de Matosinhos. A escolha da Galp decorreu no âmbito de um concurso internacional para a escolha do conceito que melhor reflectisse o objectivo de transformar os terrenos da Refinaria de Matosinhos num “World Class Innovation District”.

Sedeada nos Países Baixos, a MVRDV é um gabinete de urban planners de referência mundial, que integra uma equipa de 345 profissionais, incluindo arquitectos de renome, autores de projectos emblemáticos que ajudaram a renovar, ou criar de raiz, paisagens urbanas inovadoras em países tão distintos como os Estados Unidos, França, China, Alemanha, Coreia do Sul ou Reino Unido. Para seleccionar a equipa de projeto adequada para este desafio, a MVRDV aliou-se ao escritório de arquitectura português OODA.

A MVRDV irá liderar uma equipa multidisciplinar que inclui empresas internacionais como a Thornton Tomasetti (especialistas em engenharia de estruturas que lideraram um dos maiores projetos de regeneração a dos Estados Unidos, os Hudson Yards, incluindo o emblemático edifício “The Vessel”, bem como as sedes da Google e da Bloomberg) e a LOLA (LOst LAndscapes, responsável pelo Forest Sports Park,Shenzen e pela sede da Adidas World Sports), os especialistas de integração com a comunidade LiveWork e as portuguesas OODA (Douro Hotel, Matadouro e Miramar Tower, no Porto) e A400 (projectos de engenharia tais como os escritórios da Google, no Lagoas Park, em Oeiras, ou os escritórios da Microsoft, em Lisboa).

Mais de 20 especialistas destas seis empresas vão participar de uma equipa multidisciplinar criada pela Galp para o efeito e elaborarão um Masterplan nos próximos 12 meses. A “nova cidade” dentro da cidade de Matosinhos, centrada na inovação, terá um desenvolvimento faseado. O desenvolvimento do projeto da Galp, concretizado pela MVRDV, irá ocorrer em colaboração direta com Câmara Municipal de Matosinhos, a CCDR-N e a Universidade do Porto.

“Este é mais um passo importante no compromisso da Galp com o futuro de Matosinhos. Estamos certos de que, com a ajuda do MVRDV, seremos capazes de criar um distrito de inovação de classe mundial, focado em energia sustentável e em tecnologias avançadas. Este distrito irá criar novas oportunidades de negócio e emprego potenciando o tecido económico e social da comunidade”, afirma Andy Brown, CEO da Galp.

Para Luísa Salgueiro, Presidente da Câmara de Matosinhos, “a ambição é que Matosinhos possa ter a mais ambiental e tecnologicamente avançada área de atividade económica da euro-região, que estreite as relações entre a academia e a indústria 4.0 e 5.0, continuando a contribuir para a criação de riqueza e ainda mais para a atração e fixação de emprego”.

Enno Zuidema, Studio Director e Urban Planner da MVRDV, destaca que “com este projecto, queremos contribuir para um novo futuro para os habitantes de Matosinhos, Porto e região Norte, concebendo o desenvolvimento de uma área única que inclui inovação de topo, natureza, lazer e cultura. Será um trabalho e uma vivência conjunta com os habitantes, os parceiros e a Galp”.

A decisão pelo projecto apresentado pela MVRDV foi suportada por um painel de peritos altamente qualificados que contou com membros afiliados da Universidade de Harvard e da Universidade do Porto. Além dos critérios técnicos e dos méritos do conceito desenvolvido para o futuro Innovation District de Matosinhos – nomeadamente pelo seu impacto social, económico e ambiental –, o painel de especialistas valorizou também no projecto da MVRDV a experiência da equipa multipremiada (só a MVRDV recebeu já 153 prémios internacionais) que irá assegurar a sua execução. O sócio fundador da MVRDV Winy Maas e os arquitectos e urban planners Enno Zuidema, Rodrigo Vilas-Boas e o arquitecto paisagista Peter Veenstra são alguns dos membros da equipa que vai liderar o projecto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Projecto português distinguido nos Architizer A + Awards

A MG Coudelaria, que conta com a assinatura do gabinete português Visioarq foi distinguida no Architizer A+Awards Popular Choice 2022 na categoria Details- Architecture + Wood

CONSTRUIR

(Crédito Foto Maria João Gala)

O prémio que este ano comemora o seu 10º aniversário, o programa desta temporada foi ampliado para incluir a nova “Firm of the eyear” A+Awards, além de apresentar uma gama diversificada de novos jurados para ajudar a seleccionar os projectos de arquitectura contemporânea mais inovadora e impactante do mundo.

Esta edição contou um número recorde de submissões que foram analisadas quer pelo júri quer pelo público geral.
O projecto desenhado pelo gabinete português fundado por Pedro Afonso, Nuno Bordalo Poiarez e Vicente Gouveia, foi o escolhido do público numa categoria que evidenciou a utilização da madeira enquanto elemento-chave na arquitectura.

A arquitectura da escola de equitação localizada em Vila Nova de Famalicão tira partido da natureza exuberante da região do Minho. “O projecto, inserido numa propriedade tipicamente minhota é marcado por uma forte componente natural, na região onde a expressão da vegetação, natural e com intervenção humana, é visualmente preponderante”, descreve o gabinete.

A madeira natural de pinho assumiu o papel de material principal, uma escolha que surgiu surge naturalmente enquanto solução, ajudando a compor não só os revestimentos exteriores e interiores, como a própria estrutura dos edifícios a criar.

“Os elementos estruturais assumem-se claramente enquanto protagonistas do edifício, sendo a partir deles que tudo o resto se vai desenvolver. O esqueleto é base da forma e tudo o resto assume uma leitura acessória. Com esta hierarquização pretende-se de alguma forma que o natural não perca o protagonismo e a importância que merece, crescendo ao longo do tempo, envolvendo e integrando cada vez mais o edificado proposto. A utilização da madeira ao nível da fachada e vãos, com mais ou menos aberturas permitiu ainda obter, em termos funcionais, um controlo importante ao nível da iluminação e ventilação natural, conferindo o conforto desejado a este espaço”, referem os arquitectos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Arquitecto esloveno Jože Plečnik em exposição no Porto

“A Liubliana de Plečnik” vai estar patente até ao dia 15 de Julho de 2022 na OASRN

CONSTRUIR

“A Liubliana de Plečnik” é o título da exposição itinerante dedicada à obra de Jože Plečnik (1872–1957) que assinala as comemorações dos 150 anos do seu nascimento e que estará patente na sede da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) entre 7 de Junho e 15 de Julho de 2022. A mostra destaca um grande conjunto de projectos do arquitecto esloveno, cuja obra se inscreve na lista do Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Plečnik foi responsável pela criação de espaços destinados a uso público que foram decisivos na transformação da cidade de Liubliana, uma intervenção a tal ponto fundamental que hoje pode chamar-se-lhe “Liubliana de Plečnik, um fenómeno urbanista singular e uma obra de arte holística do século XX”.

“A Liubliana de Plečnik” apresenta 16 obras que incluem alguns dos seus trabalhos mais importantes como a Biblioteca Nacional e Universitária, o Jardim de todos os Santos – Žale, a Igreja de São Francisco em Šiška ou as pontes no rio Ljubljanica.

Esta exposição evidencia o trabalho de Jože Plečnik, que atravessa grande parte da primeira metade do século XX, e a sua capacidade de intervenção numa cidade previamente construída, remodelando-a durante décadas e destacando as qualidades que já tinha – projectava ruas, praças e parques, e colocava edifícios novos na rede já existente, capazes de enobrecer ainda mais a cidade. Ciente da importância dos laços entre a cidade e o rio, converteu o rio Ljubljanica num dos motivos urbanos mais importantes.

“Nestes tempos em que nos vemos confrontados com a impotência do urbanismo contemporâneo, a modelação de Liubliana levada a cabo por Jože Plečnik, durante várias décadas, representa um feito único e irrepetível”, afirma o professor e autor dos textos da exposição, Andrej Hrausky.

A inauguração decorreu esta terça-feira, no dia 7 de Junho, na sede da OASRN, tendo sido  assinalada com uma conferência por Natalija Lapajne, curadora da exposição e do Museu de Arquitectura e Design de Liubliana, seguindo-se as intervenções da Blazka Kepic, embaixadora da República da Eslovénia em Portugal, Paula Santos, vice-presidente do Conselho Directivo da Ordem dos Arquitectos, Laura Castro, directora regional de Cultura do Norte, Francisco de Calheiros, cônsul honorário da Embaixada da República da Eslovénia na República Portuguesa, Filipa Guerreiro, vogal do Conselho Executivo da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, e Teresa Cunha Ferreira, coordenadora da Cátedra UNESCO “Património, Cidades e Paisagens. Gestão Sustentável, Conservação, Planeamento e Projeto” da Universidade do Porto.

A Exposição ‘A Liubliana de Plečnik’ é organizada pelo Consulado da Eslovénia no Porto, pela Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) e pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, em colaboração com a Embaixadora da República da Eslovénia na República Portuguesa Blažka Kepic, o Museu de Arquitectura e Desenho de Liubliana (MAO), o Leitorado de Língua e Cultura Eslovenas de Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e o Centro Cultural Luso-Esloveno.

A exposição, que desde 2017 já foi apresentada em países como Espanha, Canadá, Brasil e Rússia, estará patente até ao dia 15 de Julho de 2022.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Finalista a Prémio Aga Khan para Arquitectura 2022 fala português

O projecto de Reabilitação de Alto de Bomba, levado a cabo pela iniciativa Outros Bairros, em Cabo Verde, é um dos 20 finalistas do Prémio Aga Khan para Arquitectura 2022

CONSTRUIR

O projecto de Reabilitação de Alto de Bomba, levado a cabo pela iniciativa Outros Bairros, em Cabo Verde, é um dos 20 finalistas do Prémio Aga Khan para Arquitectura 2022. Estes 20 projectos foram seleccionados por um júri independente de um conjunto de 463 projectos nomeados para o 15º Ciclo de Prémios (2020-2022).

O Prémio Aga Khan para a Arquitetura (AKAA) anunciou os 20 projectos pré-seleccionados para o ciclo de Prémios de 2022. Os projectos vencedores concorrem a um prémio no valor de um milhão de USD, um dos maiores da arquitectura.

Entre os projectos distribuídos por 16 nacionalidades encontramos o projecto de Reabilitação Urbano de Alto de Bomba, na cidade do Mindelo, em Cabo Verde. Um projecto de reabilitação levado a cabo pela iniciativa Outros Bairros e que este ano foi eleito Prémio Obra do Ano 2022 do ArchDaily Brasil, um prémio que elege os melhores projectos de arquitectura portuguesa.

O Prémio Aga Khan para a Arquitectura foi estabelecido em 1977 para identificar e encorajar conceitos de construção que respondam com sucesso às necessidades e aspirações das comunidades nas quais os muçulmanos têm uma presença significativa. Desde que foi lançado, há 45 anos, 121 projectos receberam o prémio e quase 10.000 projectos de construção foram documentados. O processo de selecção da AKAA enfatiza a arquitectura que não apenas atende às necessidades físicas, sociais e económicas das pessoas, mas também estimula e responde às suas aspirações culturais.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Arquitectos portugueses vencem concurso para criação de centro comunitário na Islândia

A estrutura desenhada pelos portugueses promove a ligação com a natureza circundante e vai activar novas actividades sociais para locais e turistas

CONSTRUIR

Concebido pelos portugueses Sastudio, em colaboração com dois parceiros islandeses – Hjark e Landmotun –, o Parque Comunitário de Leiðarhöfði distribuir-se-á por um hectare de terreno. O projecto contempla um edifício polivalente de 500m2 que se eleva suavemente do solo e, simultaneamente, cria uma nova frente de rua, protege a nova praça dos ventos dominantes de Nordeste, enquanto maximiza a exposição solar.

A cobertura ajardinada prolonga a flora local e torna-se uma extensão do passeio pedonal que oferece um novo ponto de vista sobre a povoação e a natureza envolvente. O aterro será removido e a acumulação natural das águas criará um lago para os meses quentes e um ringue de patinagem nos mais frios.

O projecto foi pensado para criar um espaço versátil, capaz de acomodar vários tipos de eventos e se adaptar a múltiplos usos para a população e visitantes. O gabinete português Idealizou, assim, várias estruturas recreativas: parque infantil, redes, baloiços e equipamento de exercício, feitos a partir de material de pesca reciclado e madeira local. O novo cais prolonga o passeio sobre a água, oferecendo uma nova perspectiva da paisagem e um maior contacto com a natureza.

“Assumimos um risco ao desafiar o planeamento existente para habitação privada, considerámos o desejo da população por uma nova centralidade neste local único. Sugerimos e desenhámos um centro comunitário, um espaço social para todas as idades, que consiga acolher diversas funções e apoiar actividades ao ar livre”, explica Tiago Sá, fundador da Sastudio.

Este é o terceiro concurso em que os jovens portugueses são premiados na Islândia – o primeiro, um jardim de infância cuja proposta foi adquirida pelo município de Reykjavik e, o segundo, um outro jardim de infância, em Garðabær, com início de obras previsto para este Verão.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

8ª edição do FIPA Portugal Brasil homenageia Mendes da Rocha

“Património arquitectónico em risco” é o tema da 8ª edição do Fórum Internacional do Património Arquitectónico Portugal Brasil (FIPA), que decorre nos dias 2 e 3 de Junho, no Museu dos Coches, em Lisboa. No evento, que este ano homenageia o arquitecto Paulo Mendes da Rocha – vencedor do prémio Pritzker

CONSTRUIR

A 8ª edição do Fórum Internacional do Património Arquitectónico Portugal Brasil acontece nos dias 2 e 3 de Junho, no Museu dos Coches, em Lisboa, sob o tema geral “Património arquitectónico em risco” e que integrará este ano uma homenagem ao arquitecto Paulo Mendes da Rocha, prémio Pritzker, autor do projecto de arquitectura do Museu dos Coches.

Ao longo dos dois dias vários oradores convidados do Brasil e de Portugal irão abordar as questões que vão desde a estratégia organizativa, do ponto de vista institucional, da defesa do Património (desde propostas para o IPHAN até aos municípios portugueses), às questões da intervenção de reabilitação e integração de práticas de inspecção e diagnóstico, até ao conhecimento dos materiais (degradação da pedra, ao cimento até século XX), de modelos habitacionais resistentes a sismos, a conclusões emanadas na conferência mundial UIA 2020, passando ainda por um convite, este ano associando a arqueologia (parceira de muitas intervenções) no âmbito do alerta sobre a situação no Alentejo, passando pela arqueologia subaquática e pela arte megalítica.

O Fórum Internacional do Património Arquitectónico Portugal Brasil é um evento anual, criado em 2015, que se realiza de forma interpolada, um ano no Brasil e outro ano em Portugal, com temas de interesse bilateral.

O objectivo é congregar reflexões que integrem simultaneamente pontos de vista de instituições, de técnicos, de investigadores e de empresas, promovendo um diálogo interinstitucional e interdisciplinar. Pretende ainda que se cheguem a conclusões sobre a defesa do Património corrente e classificado e os modos de intervir sobre este, partilhando as preocupações e as boas práticas entre os dois países, lançando assim laços de cooperação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

“Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos” em debate no CIUL

Integrado na rubrica de “Aulas Abertas”, a 7ª edição, resultante de uma estreita colaboração entre o CIUL e o ISCTE-IUL, terá lugar no próximo dia 26 de Maio, entre as 9 horas e as 19 horas

CONSTRUIR

Integrado na rubrica de “Aulas Abertas” promovidas pelo CIUL – Centro de Informação Urbana de Lisboa e resultante de uma estreita colaboração entre o Centro e o ISCTE-IUL, terá lugar no próximo dia 26 de Maio a 7ª edição do Colóquio Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos, onde serão apresentadas e discutidas as linhas temáticas de investigação em desenvolvimento no Doutoramento em Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos (ATMC) do ISCTE-IUL.

O programa de Doutoramento em ATMC elege o território contemporâneo como tema central de debate, privilegiando por essa via o estabelecimento de ramificações de pesquisa numa ampla rede.

A linha científica que orienta este ciclo de estudos é acolhida pelas unidades de investigação DINAMIA’CET-IUL e ISTAR-IUL, resultando do cruzamento entre a arquitectura, a arquitectura paisagista, a arte pública e o desenvolvimento urbano. A construção deste corpo multidisciplinar clarifica a perceção relativa aos fenómenos metropolitanos e respectiva cultura contemporânea.

O colóquio resulta de uma componente lectiva obrigatória do segundo ano curricular do programa doutoral que se destina a enquadrar e acompanhar a investigação em curso. Integra, ainda, intervenções de curta duração proferidas por alunos do curso e por docentes e investigadores do ISCTE-IUL, com o objectivo de partilhar e debater os resultados da investigação que o programa doutoral em ATMC tem originado com uma audiência abrangente, que inclua cidadãos e especialistas não-académicos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.