Edição digital
Assine já
Empresas

OLI cresce 15% e atinge os 41M€ no primeiro semestre

Nos primeiros seis meses do ano, a OLI obteve um volume de negócios de 41,3 M€, um aumento de 15% face ao mesmo período de 2021. Este resultado representa o melhor primeiro semestre de sempre da empresa portuguesa que comemora este ano 68 anos de vida

CONSTRUIR
Empresas

OLI cresce 15% e atinge os 41M€ no primeiro semestre

Nos primeiros seis meses do ano, a OLI obteve um volume de negócios de 41,3 M€, um aumento de 15% face ao mesmo período de 2021. Este resultado representa o melhor primeiro semestre de sempre da empresa portuguesa que comemora este ano 68 anos de vida

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Dte inicia componente técnica do ICON Aparts no Porto
Engenharia
Sacyr Neopul conquista projecto na Alta Velocidade da Galiza no valor de 49,4M€
Construção
Ferpinta espera facturar 350 M€ em 2022
Empresas
A sublime integração com a Natureza [c/galeria de imagens]
Arquitectura
“+ Concreta Interior Architecture Trends” nasce em 2023
Empresas
Decoração do novo Mosteiro de Santa Clara com assinatura da Vilaça Interiores
Arquitectura
Casa Peixoto arranca com construção da nova loja em Lisboa
Empresas
Grupo espanhol Sorigué adquire 70% do capital da SunEnergy
Empresas
Grupo Sikla adquire terreno em Palmela para novo projecto logístico
Empresas
“The Clothed Home” ou como estavam “vestidas” as casas dos nossos antepassados
Arquitectura

A Europa foi a principal responsável pelo crescimento crescido entre Janeiro e Junho deste ano. Na Europa do Sul (Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia), o principal destino das suas exportações, registou um crescimento de 11% e na Europa Central (Bulgária, Croácia, República Checa, Roménia, Albânia, Sérvia e Polónia) aumentou 12% em termos homólogos.

No primeiro semestre, a OLI exportou para 82 países, dos cinco continentes, mais de 75% da produção (autoclismos interiores e exteriores, placas de comando, torneiras de bóia e válvulas de descarga) do complexo industrial de Aveiro, que labora ininterruptamente 24 horas por dia, sete dias por semana.

“De Janeiro a Junho, a OLI viveu um período fortemente condicionado pela volatilidade de preços e disponibilidade das matérias primas, o que obrigou a empresa a adaptar-se continuamente aos diferentes condicionalismos sempre imprevisíveis. O impacto da Guerra na Ucrânia provocou o abrandamento das exportações para o leste da Europa, porém a OLI continuou a intensificar a sua estratégia de internacionalização e, ao longo do primeiro semestre, encontrou novas oportunidades em diversas latitudes, como por exemplo o Egipto”, revela António Ricardo Oliveira, administrador da OLI.

Para o exercício de 2022, a OLI mantém o objectivo de alcançar um volume de negócios de 80 milhões de euros, que representa um crescimento de 15% face a 2021. “Ainda na actividade comercial, acompanhámos a consolidação da OLI em projectos de arquitectura e de imobiliário nacionais e internacionais de referência, que reflecte a percepção positiva e de valor acrescentado que a marca aufere junto de prescritores, nomeadamente arquitectos”, refere o responsável.

Assim, “aa actividade industrial, prosseguimos com a ampliação do complexo industrial em Aveiro com o objectivo de aumentar a capacidade instalada e a eficiência logística e, consequentemente, oferecer uma melhor capacidade de resposta aos nossos clientes”, refere António Ricardo Oliveira.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Dte inicia componente técnica do ICON Aparts no Porto
Engenharia
Sacyr Neopul conquista projecto na Alta Velocidade da Galiza no valor de 49,4M€
Construção
Ferpinta espera facturar 350 M€ em 2022
Empresas
A sublime integração com a Natureza [c/galeria de imagens]
Arquitectura
“+ Concreta Interior Architecture Trends” nasce em 2023
Empresas
Decoração do novo Mosteiro de Santa Clara com assinatura da Vilaça Interiores
Arquitectura
Casa Peixoto arranca com construção da nova loja em Lisboa
Empresas
Grupo espanhol Sorigué adquire 70% do capital da SunEnergy
Empresas
Grupo Sikla adquire terreno em Palmela para novo projecto logístico
Empresas
“The Clothed Home” ou como estavam “vestidas” as casas dos nossos antepassados
Arquitectura

Processed with VSCO with av4 preset

Empresas

Ferpinta espera facturar 350 M€ em 2022

No ano do seu 50º aniversário, a empresa, fabricante de tubos de aço, espera alcançar “um dos seus melhores anos” em termos de facturação

CONSTRUIR

A Ferpinta, criada pelo Comendador Fernando Pinho Teixeira, que celebra este ano o seu 50º aniversário, apresentou o balanço de facturação, que regista  um dos seus melhores anos.

Depois de 2021 ter sido o melhor ano de toda a história da empresa em termos de facturação, 2022 está a ser “um ano também muito positivo”. Até ao final do ano a empresa, especialista no fabrico de tubos de aço, prevê atingir os 350 milhões de euros de facturação, sendo que o resultado líquido deste mesmo período é de 45 milhões de euros.

Ainda que, tal como muitas outras empresas, tenham sentido repercussões da Guerra na Ucrânia, como o aumento dos preços dos materiais e da energia e a incerteza, a Ferpinta acabou por ver reflectidos apenas impactos indirectos.

Ainda neste ano, a empresa fez um investimento de mais de 1 milhão de euros, a par do investimento de 50 milhões de euros em curso para a construção da nova fábrica na Zona Industrial de Loureiro, em Oliveira de Azeméis.

O 50º aniversário da Ferpinta foi ainda assinalado pelo patrocínio ao Futsal de Azeméis e pela reunião de stakeholders, com o objectivo de apresentar as novidades da empresa, de partilhar a sua visão do futuro e de apresentar soluções inovadoras que vêm acrescentar valor e capacidade de produção e de oferta comercial aos seus clientes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

“+ Concreta Interior Architecture Trends” nasce em 2023

A 31º Edição da Concreta regressa só em 2024, mas a organização anuncia a organização da + Concreta Interior Architecture Trends. O evento, especial e exclusivo para a área dos acabamentos para a arquitectura irá decorrer nos dias 23 e 24 de Novembro 2023, na Alfandega do Porto

CONSTRUIR

A 31º Edição da Concreta regressa só em 2024, já que o certame irá manter o seu caracter bianual, mas a organização anuncia a organização da + Concreta Interior Architecture Trends.

“Um evento especial e exclusivo na área dos acabamentos para a arquitectura, que irá decorrer nos dias 23 e 24 de Novembro 2023, na Alfandega do Porto”, anuncia a directora de marketing da Exponor. O evento, voltado para a arquitectura e design, será palco das últimas tendências onde as empresas serão inspiração para o desenvolvimento do sector.

“Este é um formato inovador, destinado a fabricantes e marcas que trabalham o B2B. As empresas terão acesso a um projecto chave-na-mão. Todo o layout do espaço é definido pela equipa multidisciplinar da Concreta + e a montagem é da inteira responsabilidade da organização do evento”, refere Amélia Estêvão.

Local de partilha de conhecimento, experiências e inspirações com conferências e sessões técnicas a Feira é especialmente dedicada a empresas de arquitectura, aos segmentos de espaços de banho, cozinha, revestimentos e pavimentos.

“Enquanto a Concreta está direccionada para toda a fileira da construção, engenharia e design a + Concreta será um evento de nicho, com um formato mais pequeno direccionado para todos os segmentos que actuam mais na parte final da construção. Foi algo que sentimos falta na Concreta e por isso pensámos em algo mais direccionado num encontro mais B2B”, justifica a responsável da Exponor.

O evento inclui a realização de jantar networking com alguns expositores e uma selecção dos principais responsáveis dos gabinetes de arquitectura, “oferecendo um ambiente propício à negociação, com encontros menos formais e mais eficazes, durante os dois dias de evento”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Casa Peixoto arranca com construção da nova loja em Lisboa

A nova loja será concebida seguindo o conceito de galeria de arte da recente Casa Peixoto Porto, projectada para proporcionar uma nova experiência ao consumidor. Com um prazo previsto de construção de 18 meses, tem abertura prevista para 2024

CONSTRUIR

A empresa de comércio e distribuição de materiais de construção e bricolage, lar & jardim, Casa Peixoto, lançou a primeira pedra da sua nova loja em Lisboa, uma obra que representa um investimento de 10 milhões de euros, não incluindo o terreno.

A construção da nova loja, com um prazo previsto de duração de 18 meses, tem abertura prevista para 2024. A futura loja de Lisboa situa-se na zona do Parque das Nações, próximo à Gare do Oriente, e contempla um edifício que se encontrava devoluto, com cerca de 10 mil metros quadrados, que incluem dois pisos de estacionamento e cerca de 5.000 metros quadrados de área comercial.

A loja será concebida seguindo o conceito de galeria de arte da recente Casa Peixoto Porto, projectada para proporcionar uma nova experiência ao consumidor e destacar-se como um local de referência na apresentação das últimas tendências e tecnologias de materiais de construção e decoração. No showroom de design, irão ser expostos milhares de produtos em diferentes ambientes e áreas amplas, exibindo marcas nacionais premium, entre muitas outras marcas selecionadas pela qualidade, matérias-primas e produção, seguindo os mais importantes critérios de sustentabilidade.

Luciano Peixoto, administrador da Casa Peixoto, destaca que “a estratégia de expansão progressiva das lojas físicas da Casa Peixoto a nível nacional, escolhendo Lisboa, uma cidade empreendedora e dinâmica, como a próxima localização da Casa Peixoto, contribui para uma oferta comercial mais moderna e atractiva, e ao encontro das preferências dos consumidores, além da criação de emprego e do impulso económico que irá trazer”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo espanhol Sorigué adquire 70% do capital da SunEnergy

O negócio irá permitir a entrada do grupo espanhol na área da mobilidade sustentável e abre as portas do mercado espanhol à SunEnergy

CONSTRUIR

O grupo espanhol Sorigué acaba de entrar no capital da SunEnergy, passando a deter 70% da empresa portuguesa. A SunEnergy, deverá terminar 2022 com mais de 20 delegações em todo o país. Os dados do primeiro semestre do ano apontam para um crescimento de 50% do volume de negócios face ao mesmo período de 2021, ano que já tinha sido o seu melhor ano de sempre.

Fundado em 1954 e actualmente liderado por Ana Valles, o grupo Sorigué tem actividade em áreas como construção, engenharia ou tecnologia, tendo entrado em 2021 no sector das energias renováveis, com a aquisição da empresa espanhola Ecotelia. Esta entrada no capital da empresa portuguesa pressupõe, além da aposta na energia solar, a entrada do grupo na área da mobilidade sustentável, através da instalação e operação de postos de carregamento de carros eléctricos.

“Mesmo com o crescimento que a SunEnergy tem tido em Portugal, após meses de conversas, chegámos à conclusão de que esta operação era benéfica para nós, na medida em que passamos a integrar um grupo com quase 70 anos de actividade e uma vontade constante de evoluir”, afirma Raul Santos, que continua como director geral da SunEnergy em Portugal. “Este negócio traz-nos ainda maior estabilidade e abre-nos as portas do mercado espanhol, gerando mais oportunidades e possibilitando sinergias que seguramente irão aumentar a nossa competitividade”.

Esta operação marca a primeira aposta do grupo Sorigué no mercado português.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo Sikla adquire terreno em Palmela para novo projecto logístico

A operação contou com a participação da doValue na venda do terreno por um 1,700 M€

CONSTRUIR

A doValue Portugal, empresa gestora de créditos e activos imobiliários, comunica a venda de um terreno com projecto logístico aprovado de mais de 30 mil metros quadrados (m2) de Área Bruta de Construção (ABC), localizado em Palmela, no distrito de Setúbal.

A transacção, efectuada por 1,700 milhão de euros, foi concluída no passado dia 30 de Setembro e teve como comprador o grupo Sikla, conglomerado empresarial internacional que opera na área industrial, presente em Portugal e em mais de 35 países.

“A gestão do nosso portefólio de activos imobiliários está focada na geração transversal de valor, o que claramente acontece nesta operação, que pode traduzir-se na criação de oportunidades adicionais de investimento em Portugal”, salienta João Ribeiro, director de Real Estate da doValue Portugal, acrescentando que “o potencial de desenvolvimento e crescimento de um projecto logístico desta dimensão potenciará um enorme dinamismo económico-financeiro em toda a região envolvente, consolidando esta zona como referência logística incontornável em Portugal”.

Para a administração da SiklaLusa, “esta aquisição foi um passo muito importante”, que se traduz no “crescimento sustentável em diversos mercados, nomeadamente no português”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Marca hoteleira Selina cotada na Bolsa de Nova Iorque

Com a integração na bolsa de valores, Selina garante 55 M€ em receitas de PIPE, até 235 M€ em dinheiro da conta fiduciária de BOA e 120 M€ das subscrições

CONSTRUIR

A Selina Hospitality PLC (Selina), empresa do sector hoteleiro, em expansão, focada na experiência direcionada aos viajantes Millennials e Geração Z, tem a partir de hoje as suas acções cotadas na segunda maior bolsa de valores de Nova Iorque, a NASDAQ – National Association of Securities Dealers Automated Quotations, sob os símbolos “SLNA” e “SLNAW”.

A entrada na bolsa NASDAQ tem vindo a ser preparada desde o final de 2021, através da celebração de um acordo de fusão com a BOA Acquisition Corp., uma empresa de aquisição para fins especiais de capital aberto. Com a fusão e consequente integração na bolsa de valores, Selina garante assim 55 milhões de euros em receitas de PIPE, até 235 milhões de euros em dinheiro da conta fiduciária de BOA, e 120 milhões de euros das subscrições de 150 milhões de euros de capital de 6% de notas convertíveis não garantidas com vencimento em 2026.

“Fechamos um ciclo que há muito temos vindo a preparar, e assinalamos um novo marco na história de Selina, ao estarmos cotados na bolsa. Continuamos focados em alcançar a rentabilidade à medida que crescemos, escalarmos o nosso negócio, e progredirmos no sentido de obter margens cada vez mais rentáveis, sempre com a ligação do nosso espírito e da nossa marca a hóspedes locais, trabalhadores remotos e nómadas digitais, a nossa oferta de hospitalidade diferenciada”, considera Rafael Museri, co-fundador e ceo Selina.

Para reforçar a estabilidade e o crescimento da empresa, para além do co-fundador e director executivo Rafael Museri, e o co-fundador e director de Crescimento Daniel Rudasevski, Selina conta agora com mais cinco directores nas áreas de liderança, finanças, operações, marketing e tecnologia.

No primeiro semestre de 2022,  Selina obteve receitas recorde de 86 milhões de dólares, um aumento de 142% comparativamente a período homólogo de 2021, impulsionado sobretudo pela melhoria do desempenho operacional em todo o portfólio, assim como pela abertura de 13 novos espaços com mais 3.368 camas na Grécia, Austrália, Portugal, Panamá, Estados Unidos, Marrocos e Israel.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

NTT Data cria Hub dedicado a Experience Design em Óbidos

Esta unidade está integrada nos serviços de criatividade e comunicação da empresa, que reúne dezenas de criativos e pretende tirar partido da ligação à Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha

CONSTRUIR

A NTT Data Portugal, consultora global de negócios e tecnologia, criou em Óbidos mais um Hub de conhecimento específico, desta vez, focado em Experience Design. Esta unidade está integrada nos serviços de criatividade e comunicação da empresa, que reúne dezenas de criativos e pretende tirar partido da ligação à Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha, integrada no Instituto Politécnico de Leiria, para atrair e captar talento, aumentando dessa forma a capacidade para desenvolver projectos nacionais e internacionais orientados à melhoria da experiência dos utilizadores no uso de soluções de base tecnológica e no desenvolvimento de estratégias de comunicação 360º e de marketing digital.

O novo Hub está instalado nos edifícios centrais do Parque Tecnológico de Óbidos, distinguidos com inúmeros prémios de arquitectura e design, o que representa uma fonte de inspiração para o trabalho criativo que se desenvolverá neste novo Hub. É, igualmente, um símbolo da estratégia de alargamento territorial da NTT Data em Portugal, na medida em que está instalado num centro de media / baixa densidade populacional, com ligação à academia e uma envolvente que privilegia a qualidade de vida.

À semelhança de toda a companhia, o Hub de Óbidos segue um modelo de trabalho flexível, híbrido e dinâmico, que assenta na confiança e no compromisso de cada colaborador. Reflecte-se num registo de trabalho tendencialmente remoto, pontuado por momentos de colaboração presencial, que são muito importantes para promover o espírito de equipa e para revitalizar energias.

‘Na NTT Data colocamos as pessoas no centro da nossa actuação. Apostamos na contratação do melhor talento e no seu desenvolvimento, valorizando a generosidade, a liberdade responsável a energia criativa para construir uma proposta de valor focada na concepção, implementação e operacionalização de soluções de base tecnológica. Para isso, conjugamos o domínio de tecnologias de vanguarda, com o conhecimento de negócio, em diferentes sectores de atividade, para dar a vida a soluções criativas, de base digital e focadas na melhor experiência do utilizador. Por tudo isto, a área de experience design, à qual o novo Hub de Óbidos se vai dedicar, é central para a evolução da nossa actividade. Especialmente, porque a natureza deste tipo de trabalho nos permite acrescentar à organização, já de si diversa e multicultural, talento com diferentes backgrounds e bases de conhecimento, que enriquecem a nossa proposta de valor”, afirma Paulo Silva, partner & head of Emerging Business Areas and Delivery Models da NTT Data Portugal.

A par do novo Hub de Óbidos, a NTT Data tem já outros sete em funcionamento em quatro localidades: Braga, Castelo Branco, Coimbra, Porto e Évora.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Sebrae tem no WTC ponto de apoio para alavancar entrada de empresas brasileiras na Europa

O espaço criado com o propósito de desenvolver negócios por todo o mundo, terá em Lisboa uma representação do Sebrae, uma localização considerada estratégica para alavancar e apoiar a internacionalização das pequenas empresas brasileiras nos mercados português e europeu.

CONSTRUIR

Com o objectivo de impulsionar negócios em Portugal, o Sebrae, instituição correspondente à Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI) no Brasil, aposta no intercâmbio com Portugal e formaliza a sua adesão ao World Trade Center Lisboa (WTC).

O Sebrae elaborou uma estratégia de actuação com foco em Portugal, que visa estimular a inserção das micro e pequenas empresas brasileiras no mercado internacional, em sinergia com o propósito de disseminar a cultura empreendedora com empresas competitivas e sustentáveis, fomentando um ambiente favorável para o desenvolvimento dos pequenos negócios.

A partir do dia 3 de Novembro, o Sebrae estará no WTC, em Lisboa, com o propósito de integrar comités estratégicos e acções de matchmaking, tendo as startups brasileiras, a partir dessa data, um espaço integrado num ambiente que fomenta oportunidades de comércio e investimento para empresas que procuram ligar-se globalmente.

“É com grande orgulho que recebemos no nosso espaço, o primeiro escritório do Sebrae em Portugal. É com total sentido de responsabilidade que acolhemos uma instituição tão estratégica no Brasil, na expectativa que o WTC seja uma via para a realização da sua estratégia de internacionalização. O Sebrae junta-se agora a nós e vem reforçar o modelo inteligente e colaborativo que o nosso hub empresarial oferece”, afirma Vasco Fonseca, COO do FVC Group

Por sua vez, o presidente do Sebrae, Carlos Melles sublinha que a aposta da instituição no potencial da cooperação Brasil X Portugal se materializa também nesta parceria com o WTC. “Portugal é um ecossistema vibrante, com vocação para o empreendedorismo e para a inovação. Junto ao WTC, vamos aproximar as empresas brasileiras dos maiores players do mundo, oferecendo um ambiente propício e suporte técnico à expansão desses negócios para que, de fato, a internacionalização seja bem-sucedida”, afirma.

Desde 2018, Portugal tornou-se um país prioritário para a estratégia de acções internacionais do Sebrae, através do programa StartOut Brasil. Em 2021, ainda no contexto de pandemia da Covid-19, 15 startups brasileiras movimentaram cerca de meio milhão de euros (498.158 USD), em negócios em Lisboa. Estes resultados confirmam que as startups olham para Portugal como um mercado estratégico para a expansão na Europa.

O WTC contempla 320 unidades, em 92 países. Em Portugal, conta com uma área total de 70 000 m2 divididos em áreas de escritórios, retalho e espaços verdes e ao ar livre, foi pensado para receber novos conceitos de negócio, favorecendo um lifestyle flexível, adaptável e evolutivo, focado no empreendedorismo, nas novas ideias, na sustentabilidade e no bem-estar.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Brico Depôt Iberia estreia marketplace

A nova plataforma, lançada em Portugal e Espanha, incluirá mais de 20 mil novas referências ao longo dos próximos meses e espera-se que as vendas obtido através deste canal representem 25% do total de vendas online

CONSTRUIR

Com o objectivo de dar continuidade à sua aposta na digitalização e assegurar a escolha certa aos consumidores, a Brico Depôt, especialista em construção, renovações e bricolage, acaba de estrear o seu modelo de Marketplace, simultaneamente em Portugal e Espanha.

A nova plataforma, integrada no e-commerce da Brico Depôt, incluirá mais de 20 mil novas referências nos primeiros meses, que complementarão as gamas próprias da empresa, seleccionadas por uma equipa de peritos para garantir que cumprem os critérios de qualidade, responsabilidade e preço. Espera-se igualmente que as vendas obtidas através deste canal representem 25% do total de vendas online.

Com esta nova aposta, a Brico Depôt continua o seu processo de digitalização, acelerado desde o início da pandemia com a implementação do seu e-commerce, em março de 2020, integrando os serviços de entrega ao domicílio Click&delivery através das suas lojas e o serviço Click&collect para recolha na loja em 30 minutos. A empresa desenvolveu ainda a aplicação Brico & Go que possibilita agilizar o processo de compra em lojas de bricolage.

Como resultado de tudo isto, a Brico Depôt recebeu, recentemente, o prémio de Melhor Comércio do Ano na categoria de bricolage por parte dos consumidores, tanto no seu canal físico como online, um reconhecimento que consolida o objectivo de tornar-se no parceiro de referência do consumidor na hora de realizar os seus projectos e desenvolver ferramentas que permitam desfrutar de uma experiência de compra óptima através de qualquer canal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Fileira ‘Casa Portuguesa’ ruma a França “para aumentar vendas”

Os certames, EquipHotel e Espritmeuble, afiguram “particularmente atractivos para as empresas portuguesas”. Até Julho, as exportações nacionais para França aumentaram 8% face a 2021

CONSTRUIR

No mês de Novembro, as empresas que compõem os diferentes sectores da Fileira Casa estarão representadas em dois dos principais certames franceses para estas indústrias. Inicialmente, a EquipHotel, de 6 a 10, acolherá 29 empresas portuguesas dedicadas à produção de mobiliário para os sectores da hotelaria e restauração e, entre 19 a 22, decorre a Espritmeuble, que contará com 13 marcas nacionais a procurarem promover a respectiva oferta junto dos compradores do mercado francês.

França posiciona-se, há vários anos, como o principal destino de exportação das diversas indústrias da Fileira ‘Casa Portuguesa’. Em 2021, representou cerca de 34% das vendas ao exterior, com 603 milhões de euros gerados. Valor que deverá ser batido no corrente ano, com um crescimento homólogo de 8% das exportações para esta geografia no período entre Janeiro e Julho.

Apesar das dificuldades causadas pela inflação, pela disrupção da cadeia logística internacional e pelo conflito na Europa de Leste, o cluster do mobiliário e afins mantém o ritmo de crescimento das exportações. Nos primeiros sete meses do ano, o sector gerou 1,2 mil milhões em vendas ao exterior, superando em 9% o valor gerado em igual período do ano passado.

Neste quadro, “é com naturalidade que os certames realizados em França se afigurem como particularmente atractivos para as empresas portuguesas, cuja qualidade é plenamente reconhecida junto dos profissionais franceses deste cluster”.

“A EquipHotel é, historicamente, uma feira muito importante para o ramo de contract, cuja relevância para as empresas de mobiliário e design de interiores portuguesas é cada vez maior, impulsionado pelo boom turístico”, afirma Joaquim Carneiro, presidente da Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), que lidera a participação nacional em ambos os certames.

“A Espritmeuble caracteriza-se pelo ecletismo, incluindo empresas de mobiliário e de interiores para toda a Casa. Esta complementaridade está alinhada com a estratégia de promoção que temos traçado para a Fileira, visando divulgar internacionalmente uma oferta integrada dos diferentes sectores deste cluster”, explica Joaquim Carneiro.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.