Edição digital
Assine já
LINA
Arquitectura

LINA: Open Call procura propostas que promovam “um mundo mais sustentável e equilibrado”

Até 12 de Setembro, estão abertas as candidaturas à rede internacional LINA – Learning, Interacting and Networking in Architecture para profissionais emergentes de arquitectura e planeamento urbano da Europa. Em Portugal, faz-se representar pela Trienal de Arquitectura de Lisboa

CONSTRUIR
LINA
Arquitectura

LINA: Open Call procura propostas que promovam “um mundo mais sustentável e equilibrado”

Até 12 de Setembro, estão abertas as candidaturas à rede internacional LINA – Learning, Interacting and Networking in Architecture para profissionais emergentes de arquitectura e planeamento urbano da Europa. Em Portugal, faz-se representar pela Trienal de Arquitectura de Lisboa

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Não é um barco, é um escritório
Arquitectura
“É fundamental que os arquitectos voltem a aproximar-se dos centros de decisão”
Arquitectura
A Casa da Praia é finalista na categoria office design dos Society of British Interior Design Awards
Arquitectura
Almada: Já são conhecidos os vencedores dos 4 lotes para Habitação a Custos Controlados
Arquitectura

Até 12 de Setembro, estão abertas as candidaturas à rede internacional LINA – Learning, Interacting and Networking in Architecture para profissionais emergentes de arquitectura e planeamento urbano da Europa que desejem internacionalizar trabalhos em desenvolvimento, ou apresentar novas propostas, que lidem com desafios espaciais, territoriais, climáticos e sócio-políticos.

A rede LINA congrega 28 organizações, incluindo a Trienal de Arquitectura de Lisboa em representação de Portugal, e pretende apoiar talentos emergentes e mobilizar esforços e ideias com potencial de transformação do mundo num lugar mais sustentável e circular.

Em Portugal, a participação da Trienal de Arquitectura de Lisboa combina duas vertentes, o acolhimento anual de evento de um dos membros desta plataforma no pólo cultural do Palácio Sinel de Cordes, em Lisboa, e a selecção de emergentes para a criação de um ensaio e um podcast a partir de uma travessia até à capital portuguesa.

Nesta primeira abertura de candidaturas, LINA convida a participar num programa de arquitectura europeu que vai reunir os esforços do sector para abordar a crise ambiental e climática numa perspectiva de intercâmbio de visões e abordagens.

Podem candidatar-se, individual ou colectivamente, pessoas que operam na área da arquitectura, planeamento urbano, arquitectura paisagista, design, artes, curadoria, investigação e outras profissionais transdisciplinares com propostas ligadas aos desafios territoriais, espaciais, climáticos e sócio-políticos.

Como profissionais emergentes, a LINA considera quem tenha já criado trabalho independente não relacionado com a sua formação académica ou instituições associadas à arquitectura ou ao planeamento urbano, nos últimos dois anos, não tenha apresentado publicamente, ou publicado, a nível internacional esse trabalho independente ou ainda não tenha obtido reconhecimento do seu corpo de trabalho por parte da crítica e/ou em instituições ou editoras importantes e estabelecidas.

As candidaturas seleccionadas são convidadas a participar em um ou mais eventos do programa de arquitectura organizado pelas instituições membro da LINA entre Outubro de 2022 e Maio de 2023, como conferências, exposições, ensaios, workshops, entre outros formatos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Arquitectura

Alentejo: “A Ordem está agora mais próxima dos problemas locais”

A presidente da recém-criada Secção Regional do Alentejo da Ordem dos Arquitectos fala dos desafios daquele organismo num território que, estando longe de ser pobre, é disperso e obriga a uma maior ‘unidade’ entre os profissionais. Cláudia Gaspar adianta ainda que o PRR não será tábua de salvação na região mas, qualquer que seja o caminho, os arquitectos querem fazer parte do processo de encomenda

Ricardo Batista

“Os princípios da Ordem mantêm-se, com as preocupações naturais da arquitectura e do momento, e de um modo transversal. A Ordem continua a ser uma, mas está agora mais próxima das entidades locais, da sociedade, mais próxima dos problemas locais”.

Dois anos depois de tomar posse como a primeira presidente do Conselho Directivo do Alentejo da Ordem dos Arquitectos, Cláudia Gaspar traça um balanço positivo da nova organização daquele organismo, sublinhando que entre as prioridades da nova secção esteve sempre “o reconhecimento das mais valias existentes localmente, dos saberes locais”.

“Estamos hoje mais próximos das dificuldades que os arquitectos têm na sua prática quotidiana, sejam os que trabalham na Administração publica, os que trabalham nos seus gabinetes privados ou os que são trabalhadores independentes, uma grande maioria da realidade do Alentejo”, salienta Cláudia Gaspar, à margem de um painel dedicado ao Território e que reuniu, no Archi Summit, os presidentes de algumas das novas secções regionais da Ordem dos Arquitectos.

Para a responsável pela estrutura do Alentejo, naquela região, extensa, os arquitectos têm a particularidade de trabalhar num território disperso, de forma dispersa e muitas vezes de costas voltadas uns para os outros.

“Uma das nossas premissas tem sido conseguir colocar os arquitectos a dialogar entre eles mas, acima de tudo, fazer a ponte entre a arquitectura e a sociedade, com uma série de actividades de divulgação da arquitectura, conferências, mesas redondas”, assegura, sublinhando que têm sido iniciativas “muito bem acolhidas”. Cláudia Gaspar destaca, essencialmente, o trabalho institucional que tem sido feito junto das 47 autarquias e das quatro comunidades inter municipais, trabalho que “tem sido um trabalho longo e será extenso, num ano particularmente difícil em que temos o PRR e as câmaras numa logica de contra relógio para conseguir alguns fundos no âmbito do Programa para, sobretudo habitação”.

“Queremos ser intervenientes do processo de encomenda e da contratação publica de arquitectos para um melhor ambiente construído, para uma melhor arquitectura e, com isso, para uma melhoria da qualidade de vida no Alentejo”, acrescenta ao CONSTRUIR a presidente da secção regional do Alentejo dos Arquitectos. “Estamos numa região em que boa parte dos municípios nunca reuniu com a Ordem dos Arquitectos, que começa agora a ser notada. E esse tem, também, de ser o nosso papel”, garante Cláudia Gaspar.

Território “riquíssimo”
Remetendo para uma imagem pré-concebida do Alentejo como território pobre, a arquitecta logo contraria essa ideia, assumindo que estamos a falar de um território “riquíssimo”. “E tem dificuldades como todos têm”, acrescenta. No entender de Cláudia Gaspar, “o Alentejo sofre, desde logo, com a diferenciação entre o que é o rural e o urbano. Temos um território com uma grande área de propriedade rural mas não é de todo pobre. A questão da paisagem, e entenda-se a paisagem cultural, urbana e rural, é altamente dinâmica. Não é agora, que existem fundos e que tanto se fala no famoso PRR, com fundos que chegam de forma transversal a todo o País, que o Alentejo vai dar o salto no seu desenvolvimento”, garante a arquitecta, que assegura que o Alentejo já está em franco desenvolvimento há muito tempo. “O Pólo tecnológico de Sines é apenas um exemplo dessa atractividade”, garante, sublinhando que os arquitectos já estão no terreno a acompanhar essas dinâmicas. Há, no entanto, desafios. Cláudia Gaspar salienta que “o Planeamento no Alentejo nem sempre é feito a pensar no longo prazo ou num ordenamento de território sustentável mas sim, muitas vezes, a pensar no benefício rápido”.

Não sendo uma prioridade, a representante dos arquitectos no Alentejo alerta para um fenómeno crescente que importa ser olhado com atenção e que merece a melhor resposta. Há, em virtude da aposta numa agricultura intensiva, um aumento considerável de população – essencialmente proveniente de países asiáticos – para trabalhar nas estufas, fenómeno que obriga a uma resposta habitacional que hoje ainda não existe. “O papel da Ordem é, mais uma vez, articular todos os agentes, colocar a sociedade em contacto com a arquitectura e desmistificar a ideia de que a arquitectura é uma disciplina para as elites”, conclui.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Arquitectura

Já são conhecidos os 10 finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa. E há um atelier português!

Segundo o júri, “entre estas práticas jovens de diferentes continentes podemos aprender muito com a diversidade de perspectivas emergentes sobre sustentabilidade, equidade social e inclusão na comunidade”

CONSTRUIR

Já são conhecidos os dez finalistas do Prémio Début Trienal de Lisboa Millennium bcp. Indo ao encontro do tema da 6ª edição da Trienal em 2022 – Terra –  a selecção apresenta uma maior diversidade geográfica, com práticas dos dois hemisférios do globo. São eles o atelier Tiago Antero – ATA (Portugal), o atelier Tropical – Valerie Mavoungou (Congo), Ben-Avid (Argentina), messina/rivas architecture office (Brasil), Nana Zaalishvili (Georgia), Rohan Chavan (Índia), Savinova Valeria (Rússia), Spatial Anatomy (Singapura), vão (Brasil) e Vertebral (México).

Sobre a diversidade desta lista, o júri considera que “se as primeiras obras de um percurso em arquitectura apontam o caminho posterior de quem as projecta, a partir dos dez finalistas Début é possível imaginar o trabalho futuro de toda uma geração. Entre estas práticas jovens de diferentes continentes podemos aprender muito com a diversidade de perspectivas emergentes sobre sustentabilidade, equidade social e inclusão na comunidade. Uma dezena de finalistas que prova não só o que a arquitectura pode fazer, mas, mais relevante, o que deve fazer no presente ao serviço do nosso futuro.”

O Prémio Début Trienal de Lisboa Millennium bcp é atribuído após uma selecção independente com duas fases distintas. Primeiro, é aberta uma chamada à apresentação de candidaturas auto-propostas. Simultaneamente, algumas dezenas de individualidades da área da arquitectura a nível internacional são convidadas pela Trienal a nomear quem considerem merecer esta distinção. Depois, o conjunto das propostas é disponibilizado ao júri, que selecciona a lista de finalistas e a prática vencedora.

A Trienal de Lisboa recebeu para esta edição 95 candidaturas de 38 países.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Vanguard Properties patrocina 6ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa

“Tendo em consideração a visão e posicionamento da Vanguard Properties relativamente à arte contemporânea, arquitectura, paisagem e temas críticos para a sociedade e seu futuro, como a sustentabilidade, apoiar a Trienal 2022 faz todo o sentido”, explica José Cardoso Botelho, CEO da Vanguard Properties

CONSTRUIR

O promotor imobiliário Vanguard Properties é o patrocinador oficial da 6ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, que arranca com um programa de três dias com inaugurações de exposições, lançamento de livros, anúncio de prémios, conversas e performances, nos dias 29 e 30 de Setembro e 1 de Outubro. Terra é o título da edição deste ano, num apelo à necessidade de um futuro mais sustentável do planeta.

Com curadoria geral de Cristina Veríssimo e Diogo Burnay, as iniciativas decorrem em diversos espaços culturais da cidade, como o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, o MNAC – Museu Nacional da Arte Contemporânea Antiga, o CCB – Garagem Sul, a Culturgest, ou a Fundação Calouste Gulbenkian, entre outros. Esta edição conta com a participação de artistas e figuras internacionais da arquitectura, mas também do pensamento e investigação, para além da representação e envolvimento de instituições que apoiam esta iniciativa.

O segundo momento-chave da Trienal 2022 acontece com o ciclo de conferências Talk, Talk, Talk, entre os dias 26 e 28 de Outubro. Serão três dias de partilha, de reflexões e debate alargado em torno das exposições centrais.

“Tendo em consideração a visão e posicionamento da Vanguard Properties relativamente à arte contemporânea, arquitectura, paisagem e temas críticos para a sociedade e seu futuro, como a sustentabilidade, apoiar a Trienal 2022 faz todo o sentido. Acreditamos que esta 6ª edição promove exposições, espaços de debate, assim como outras iniciativas que são sobretudo uma reflexão em relação ao futuro da arquitectura e da gestão de recursos”, explica José Cardoso Botelho, CEO da Vanguard Properties.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Drawing Room Lisboa regresso com 23 galerias de arte e cerca de 70 artistas

5ª edição ininterrupta da feira de arte dedicada ao desenho contemporâneo realiza-se de 26 a 30 de Outubro na Sociedade Nacional de Belas Artes

CONSTRUIR

A 5ª edição da Drawing Room Lisboa, que se realiza de 26 a 30 de Outubro, na Sociedade Nacional das Belas Artes, em Lisboa, vai contar com a presença de 23 galerias de arte, representando cerca de 70 artistas portugueses e internacionais.

Depois do êxito da edição de 2021, é renovada a versão de feira presencial, com apresentação e comercialização de obras de galerias e artistas nacionais e internacionais.

A integrar o Programa Geral de 2022 encontram-se 18 galerias portuguesas, uma selecção da responsabilidade de Mónica Álvarez Careaga, directora da Drawing Room Lisboa, e do Comité Consultivo da Feira, após a análise de todos os projectos recebidos. Depois de definir os critérios de uma selecção muito árdua que contou com o aconselhamento de especialistas portugueses e teve em conta o interesse do projecto apresentado para esta edição, o carácter internacional da feira e o necessário equilíbrio entre continuidade e renovação, a feira contará com algumas das mais importantes galerias portuguesas, como Vera Cortês, Filomena Soares, Pedro Cera, 3+1 Arte Contemporânea, Bruno Múrias ou Miguel Nabinho de Lisboa, Galeria Fernando Santos, Pedro Oliveira, KubikGallery ou Presença, do Porto, ou ainda Fonseca Macedo – Arte Contemporânea, de Ponta Delgada, Açores.

À representação portuguesa, juntam-se ainda cinco galerias internacionais, como as espanholas Galería Siboney, Galería Silvestre e Martínez & Avezuela, a alemã Jahn und Jahn ou a galeria Encounter Contemporary, sedeada em Londres.

A Drawing Room Lisboa tem vindo a ganhar relevo na cena artística contemporânea, por se afirmar como um contributo na criação de oportunidades para a classe artística dedicada ao desenho e na afirmação do espaço que o desenho pode ocupar no sector da arte contemporânea. Prova disso mesmo, é o apoio crescente que esta iniciativa tem recebido por parte das instituições, museus e centros de arte, galerias, colecionadores e outros profissionais.

Em Outubro vão ainda estar expostos os trabalhos dos 10 finalistas da segunda edição do Prémio FLAD de Desenho: António Olaio, Carla Cabanas, Cecília Costa, Maria Capelo, Noé Sendas, Paulo Lisboa, Pedro Barateiro, Pedro A.H. Paixão, Susanne S. D. Themlitz e Vera Mota. O vencedor será conhecido no dia 29 de Outubro, na Drawing Room Lisboa – parceira desta edição – e receberá um prémio monetário de 20 mil euros. Esta iniciativa visa apoiar a produção artística e inovação em Portugal e resulta de uma parceria entre a Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento e a Drawing Room Lisboa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Almada: Já são conhecidos os vencedores dos 4 lotes para Habitação a Custos Controlados

Campos Costa arquitectos, Lima & Paixão, Furo Circular e MassLab são os vencedores do mais recente concurso lançado pela Câmara Municipal de Almada para a construção de 95 fogos de habitação a custos controlados. O concurso foi dividido em quatro lotes (Lote A, B, C e D), sendo que a cada um deles corresponde um… Continue reading Almada: Já são conhecidos os vencedores dos 4 lotes para Habitação a Custos Controlados

Cidália Lopes

Campos Costa arquitectos, Lima & Paixão, Furo Circular e MassLab são os vencedores do mais recente concurso lançado pela Câmara Municipal de Almada para a construção de 95 fogos de habitação a custos controlados. O concurso foi dividido em quatro lotes (Lote A, B, C e D), sendo que a cada um deles corresponde um projecto de arquitectura.

Lote A – 1º classificado Campos Costa Arqº

“Integração da proposta com a envolvente”, sem descurar “a qualidade espacial associada à prossecução dos conteúdos programáticos” foi um dos pontos em destaque pelo júri quanto ao primeiro classificado para o Lote A. O projecto de Campos Costa arquitectos distingue-se, ainda, pelos sistemas construtivos preconizados, “aliando à racionalidade construtiva exigível a empreendimentos deste género, a correcta e eficiente proposta da correspondente materialidade”.

Lote B – 1º Classificado Lima & Paixão – Gestão e Projecto

Para o Lote B, a escolha recaiu no atelier Lima & Paixão – Gestão e Projecto, cujo proposta “explora inteligentemente a ideia de construção dum edifício assente sobre ‘pilotis’, permitindo, simultaneamente, libertar o edifício do contacto com o terreno”. A proposta evidencia, também “uma eficiente escolha de materiais, contemplando a utilização de painéis pré-fabricados de betão leve nas fachadas”.

Lote C – 1º Classificado Furo Circular

“Clareza e consistência formal da solução conceptual” foram os aspectos salientados pelo júri para a proposta ganha para o Lote C pela Furo Circular. A “sustentabilidade da solução”, aliada à “racionalidade construtiva e à correcta e eficiente utilização dos materiais e sistemas construtivos” foram, também, valorizados.

Lote D – 1º Classificado MassLab

Já o atelier MassLab assina a proposta escolhida para o último Lote do concurso, o D, e que segundo o júri “resultou no desenho dum edifício de elevadíssima qualidade arquitectónica”. Aproveitando o objecto da intervenção, o autor avançou, ainda, para uma proposta de desenho para o parque e praça adjacentes, “numa clara aposta em conferir uma dimensão e escala urbana à intervenção”.

O concurso, que contou com a assessoria técnica da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos, contou com um total de 35 trabalhos recebidos dentro do prazo fixado para o efeito.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Arquitectura

A Casa da Praia é finalista na categoria office design dos Society of British Interior Design Awards

A Casa da Praia integra o leque de finalistas, entre os 85 países a concurso, aos prémios atribuídos pela Society of British Interior Design

CONSTRUIR

O projecto foi conceptualizado e desenvolvido por uma equipa interdisciplinar da WYcreative, agência do grupo, que combinou as suas valências com a equipa de arquitectura da MOA Arquitectos e Rita Andringa, Designer de Interiores e fundadora do Andriga Studio, que foi a responsável por toda a decoração do interior da Casa da Praia.

Esta estrutura colaborativa esteve na génese do Projecto, recebeu como indicação fundamental por parte do WYgroup a necessidade de criar um local de referência para a sua forte identidade e cultura colectiva. Foi isso que conduziu à idealização da Casa de Praia, um experience hub com mais de 2000m2 em frente à praia de Santo Amaro de Oeiras. Uma casa pensada para todos os colaboradores, um espaço vivo, onde todos se sentem confortáveis e que recebe de braços abertos quem a visita.

Carlos Castelo Branco, 3D Director na WYcreative, refere que “a Casa de Praia é representativa da cultura e identidade do WYgroup. Foi inspirada no próprio ecossistema – o mar, a criatividade – e orientada à sustentabilidade, através de uma cultura de consciência ambiental e de promoção de um estilo de vida sustentável, de forma a reduzir o impacto no meio ambiente e a ampliar o impacto no bem-estar. Valorizámos ambientes fluidos e ágeis, que acomodam as várias tarefas e estilos de trabalho e esse é um ponto crucial.”

Muito satisfeita com esta nomeação, , acrescenta “Acreditamos que o futuro do trabalho coexiste com o home office, e que para a criação de um ambiente de trabalho positivo, os escritórios deverão ser cada vez mais humanizados e preparados para a aprendizagem, o crescimento, e a partilha de cultura. Na idealização da Casa da Praia a aposta focou-se na promoção da experiência dos colaboradores in loco, privilegiando o bem-estar, a sustentabilidade, a colaboração, a interacção e proximidade entre as pessoas porque equipas felizes e saudáveis são produtivas e os melhores activos de qualquer organização que quer ser bem-sucedida no futuro. E no WYgroup, acreditamos que a melhor forma de evoluir, é construir o futuro todos os dias.”, acrescenta Rita Baltazar, Co-fundadora e partner do WYgroup

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Decoração d’A Padaria Portuguesa assinada por João Pombeiro e XXXI studio

De acordo com os arquitectos, o ponto de partida para esta mudança de visual foi o regresso à origem do que é, na sua essência, uma padaria, pelo que os responsáveis foram à procura de referências próximas ao imaginário tradicional português

CONSTRUIR

As quase 60 lojas d’A Padaria Portuguesa foram intervencionadas em simultâneo e apresentam agora uma nova decoração, cujo resultado final ficou a cargo do arquitecto João Pombeiro e do XXXI studio. O ponto de partida para esta mudança de visual foi o regresso à origem do que é, na sua essência, uma padaria, pelo que os responsáveis pela transformação visual foram à procura de referências próximas ao imaginário tradicional português.

Para isso recorreram a materiais naturais e com origem em Portugal, como é o caso do mármore de Estremoz presente nos tampos de mesa e o uso de terracota do Algarve nas peças de revestimento de balcão e luminárias. Nas paredes foram ainda privilegiados azulejos em tom bege a lembrar as antigas padarias. A produção das novas peças é 100% portuguesa, com o projecto a reforçar, assim, o seu compromisso com a portugalidade.

No que ao mobiliário diz respeito, as cadeiras de interior foram desenhadas exclusivamente para A Padaria Portuguesa. Também os sofás, num modelo mais moderno e minimalista, as tapeçarias no interior, os toldos, que passaram a ser beges, os expositores de produto e o cavalete à entrada das lojas, em metal, são elementos novos na decoração.

Apenas foram reaproveitados o chão em mosaico hidráulico e os candeeiros em verga, por serem muito característicos da marca, bem como o mobiliário exterior (as mesas e as cadeiras), embora este tenha sofrido uma reformulação evidente: todo ele foi restaurado e pintado de laranja pela marca original, ADICO, de modo a garantir o máximo reaproveitamento possível dos materiais existentes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

“É fundamental que os arquitectos voltem a aproximar-se dos centros de decisão”

Para a presidente do Conselho Directivo da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos, pelo papel e importância que os arquitectos têm na valorização do espaço público e numa estratégia de habitação condigna, estes têm de estar mais próximos dos centros de decisão

Ricardo Batista

“Os arquitectos afastaram-se da política e é fundamental que voltem a aproximar-se dos centros de decisão”. O alerta foi dado por Helena Botelho. A presidente do Conselho Directivo da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos alertou, durante a conferência “Arquitectura e Território”, para o facto de haver apenas um arquitecto entre os 230 deputados que compõem a XV Legislatura, sublinhando que “quando tomarmos consciência de que não temos arquitectos na política é que percebemos que muitos dos problemas de que nos queixamos resultam disso mesmo”.
No âmbito do Archi Summit 2022, que decorreu até 15 de Julho no Palácio Ford, no Porto – e do qual o CONSTRUIR foi parceiro de media-, Helena Botelho integrava um painel juntamente com responsáveis de várias outras secções regionais e dissertava sobre a importância de uma mobilização geral de arquitectos na defesa de uma melhor qualificação não apenas do espaço público, ordenamento do território, mas na defesa intransigente da melhoria de qualidade das políticas de habitação.

Pensar juntos

Ao CONSTRUIR, a presidente do Conselho Directivo da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos reconhece que não sabe de quem é a culpa, mas considera fundamental que “os arquitectos estejam próximos dos centros de decisão”. “Temos de ser chamados a participar e acredito que essa participação política é fundamental. O papel da Ordem enquanto organismo agregador pode ser determinante mas, para tal, os membros têm de estar mais unidos e mais próximos da própria Ordem”. Segundo Helena Botelho, “temos de pensar juntos, participar juntos. Somos muitos, em algumas zonas bastante dispersos mas se tivermos essa intervenção política será muito mais fácil de conquistar um território que ainda não conquistámos”. “Se olharmos para os arquitectos que têm agora 70, 80, 90 anos, eram arquitectos que eram activos politicamente, independentemente da sua filiação. E é importante que cada um, no seu território, no que conseguir, junto com a Ordem, lute por essa participação na medida em que cada um consegue mas conseguimos muito mais juntos”. Questionada sobre a possibilidade de este afastamento ser, de algum modo, reflexo de alguma desvalorização que a sociedade atribua ao papel do arquitecto, Helena Botelho recorda que “o arquitecto tem mérito reconhecido. Vale a pena dizer que, em Portugal, temos dois Pritzker. Isso significa que até internacionalmente a arquitectura portuguesa é reconhecida. Mas temos um caminho a percorrer nesta relação entre quem aprecia e quem projecta, para que consigamos estar na mesma sintonia na ideia de reconstruir melhores cidades, melhores paisagens, melhores territórios”. A presidente da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos alerta também para a legislação e o facto de esta ser um problema tanto para quem projecta como para quem avalia. “O papel activo de que falava também tem a ver com isto, para de alguma forma alterarmos alguma coisa. Não há arquitecto nenhum que não nos fale da importância de serem introduzidas alterações. Esse trabalho, essa reflexão sobre a legislação que temos em vigor, também devia ser feita”, acrescenta.

‘Clarificação’ de procedimentos
Helena Botelho revela ainda ao CONSTRUIR que está em marcha um trabalho conjunto com a Câmara de Lisboa para a sistematização das operações urbanísticas. “A ideia passa por apresentar um manual onde esteja prevista cada situação e procedimento urbanístico e, com isso, conseguirmos perceber o que é que podemos utilizar e quais são as particularidades que a Câmara de Lisboa define com cada bairro, algo que remete com o regulamento municipal”, salienta. A presidente da Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitectos defende que as opções têm de ser claras, transparentes e iguais para todos. Não queremos que na mesma Câmara dêem pareceres diferentes. Isso não pode acontecer e descredibiliza o processo”, refere aquela responsável, para quem “importa definir critérios e princípios, que as normativas sejam transparentes e acessíveis a todos os técnicos”.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Arquitectura

O potencial da pedra portuguesa sob o olhar da arquitectura

Para além de Lisboa, os sete grandes projectos de investigação e desenvolvimento realizados entre 2016 e 2022 pelo programa Primeira Pedra materializaram-se em exposições também em Londres, Milão, Nova Iorque, no Dubai, em São Paulo, Veneza e Weil am Rhein

“A “Primeira Pedra” é um programa internacional de pesquisa experimental que explora o vasto potencial da pedra portuguesa. Ao longo dos últimos seis anos, após o lançamento do projecto na 15ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza em Maio de 2016, o programa convidou alguns dos nomes nacionais e internacionais mais consagrados nas áreas do design e arquitectura a produzir peças que homenageiam a versatilidade desta matéria-prima”, explica Célia Marques, vice-presidente da Assimagra.

Parte desse resultado pode ser visto, até Setembro, no Museu Nacional dos Coches, em Lisboa. São mais de 70 as peças criadas no âmbito da Primeira Pedra, da autoria de 36 designers, arquitectos e artistas nacionais e internacionais, oriundos de 15 nacionalidades, que reúne os primeiros seis projectos do programa com a segunda parte das temáticas “Expanded” e “Fragile Mode Fragile”.

“Os projectos mais recentes, apresentados ao público pela primeira vez no Museu dos Coches são da autoria de vários artistas reconhecidos quer a nível nacional como internacional como é o caso do Vhils, Ai Wei Wei, Philippe Starck, Aires Mateus, Michel Rojkind, Carla Juaçaba, R2, Jonhatan Olivares, Frith Kerr e Fernanda Fragateiro, sob o tema de colecção “Fragile, Mode, Fragile”, explica Célia Marques.

A Primeira Pedra 2016 I 2022 vai, assim, interagir com o complexo museológico desenhado pelo arquitecto Paulo Mendes da Rocha, quer nos espaços exteriores, nomeadamente a grande praça, quer nos espaços interiores, “permitindo uma multiplicidade de diálogos entre passado, presente e futuro”.
“O projecto Primeira Pedra é um projecto que alia design, inovação e qualidade às competências existentes no sector da pedra natural, a nível nacional. para o fortalecimento do valor da pedra portuguesa e da indústria que agrega nos patamares mais competitivos do mercado internacional, reforçando a imagem internacional de Portugal. A incorporação de design nas vertentes estratégicas de produto e de comunicação tem, no Projecto Primeira Pedra, um papel fundamental para optimizar o potencial da indústria extractiva e transformadora de pedra natural. Cada vez mais, é necessário fazer bem e diferente e, simultaneamente, comunicar entre os que são os principais protagonistas – arquitectos, designers e artistas – e os mais importantes media e opinion makers, numa perspectiva de internacionalização e utilização de networks globais”, avança Célia Marques.

Para além de Lisboa, os sete grandes projectos de investigação e desenvolvimento realizados entre 2016 e 2022 pelo programa Primeira Pedra materializaram-se em exposições também em Londres, Milão, Nova Iorque, no Dubai, em São Paulo, Veneza e Weil am Rhein.

Sete anos depois o balanço não podia ser mais positivo, como sublinha a vice-presidente da Assimagra. “Esta iniciativa permitiu a aliança entre a indústria e o design através do desenvolvimento de mais de 70 aplicações da pedra, que desde 2016, em duas edições de projecto, enaltecem a qualidade, durabilidade, versatilidade e a elegância cromática da pedra natural nacional e a ampla indústria que está ligada à sua extracção e transformação. Esta iniciativa, desde o seu início, teve um grande impacto nacional e internacional, tanto que a iniciativa Primeira Pedra, tem hoje um reconhecimento internacional parte de países que não nossos competidores, como a Itália, Brasil, através das associações sectoriais desses países, como exemplo da excelência de promoção do sector e de um país. Para além deste reconhecimento pelos “pares”, há ainda o enorme impacto directo junto dos autores que estiveram envolvidos e que, pelo reconhecimento internacional do seu trabalho, são actualmente autênticos embaixadores desta iniciativa e da pedra portuguesa. Contudo, o impacto não se fecha apenas juntos destes autores, mas também, junto de toda a comunidade criativa, sejam eles arquitectos, designers de produto, designers gráficos e artistas. De fundamental importância importa referir ainda o impacto directo ao nível sectorial e industrial, de todo um sector que é hoje amplamente reconhecido pela sua capacidade de fazer acontecer esta iniciativa tão distinta e distintiva”, aponta Célia Marques.

“Este esforço de internacionalização, conjugado com uma campanha de comunicação, transversal a todo o projecto, permitiu gerar novas relações entre a utilização, a produção e a criatividade. Os resultados atingidos demonstram não só um reforço significativo da imagem e do valor da pedra portuguesa, colocando-a na faixa dos “trendy materials”, como um estímulo ao aparecimento de novas oportunidades de novos projectos e novos negócios para este sector de actividade”, acrescenta a vice-presidente da Assimagra.

Este não é um capítulo que se encerra, antes pelo contrário. “Estão a ser preparadas algumas novidades, as quais serão divulgadas oportunamente após o fim da exposição, a 25 de Setembro”, revela Célia Marques.

Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

Manuela Sousa Guerreiro

Mais artigos
Arquitectura

Não é um barco, é um escritório

A Carmo Woods acaba de inaugurar os seus novos escritórios em Bordéus. Uma estrutura em madeira, com 600 metros quadrados, assente numa barcaça flutuante, representou um investimento em torno dos dois milhões de euros e, de acordo com os responsáveis do grupo, representa um projecto inovador do ponto de vista da
sustentabilidade e bem-estar dos colaboradores. O projecto de arquitectura é assinado pelos franceses 2PMA

Ricardo Batista

“Há uns barcos adaptados a escritórios, mas este foi desenhado de raiz para ser um escritório com dois andares e meio. Pode e tem de navegar por obrigações relacionadas com a manutenção mas não é um barco. É um escritório”. O statement do presidente do Conselho de Administração da Carmo Wood deixa claro o que esteve na origem do investimento de dois milhões de euros para a construção da nova sede da empresa em Bordéus, no novo bairro Bassins à flot, no Norte de Bordéus, junto à Cité du Vin. Os novos escritórios flutuantes em madeira foram apresentados formalmente num evento que contou com dezenas de convidados e onde Jorge Milne e Carmo explicou que a construção deste edifício, o primeiro do género em França, envolveu a perícia e know-how de 14 empresas (entre Portugal
e França), e uma multiplicidade de procedimentos administrativos, mas também um grande número de desafios técnicos, ambientais e estruturais.

Especialista no segmento de madeiras tratadas e com atividade tanto na área agrícola como de construção, a Carmo Woods dispõe agora de 600m2 de escritórios flutuantes, assentes numa barcaça de 30 metros por 11 metros, e que são, em si, uma atracção turística e ponto de interesse para todos os que visitam esta região da cidade. À Traço, Jorge Milne e Carmo explica que “estes escritórios nasceram de uma ideia que surgiu depois de uma conversa com um colaborador do grupo que tinha a ambição de construir uma casa flutuante. E eu pensei: “Se ele quer fazer uma casa, nós podemos fazer um escritório”.

A ideia motivou reuniões de trabalho com o ex-primeiro ministro e antigo presidente da Câmara de Bordéus, Alain Juppé, e envolveu as autoridades marítimas locais. “Tivemos de fazer um edifício o mais ecológico possível”, explica o presidente do grupo, promovendo o projecto de arquitectura do atelier 2PMA. “As paredes são feitas de uma mistura de terra crua e palha. A electricidade é gerada a partir de painéis solares e o ar condicionado aproveita a água do próprio lago onde estamos. É um edifício que recorre a materiais ecológicos e o isolamento, que não está à vista, é feito com recurso a lã de madeira”, refere. O edifício tem
uma pele exterior, de sombreamento, feita com postes de vinha, “pele que faz a ligação entre a nossa área da construção e a nossa área agrícola. São postes de madeira tratada usados nas vinhas, que simbolizam os mais de 40 anos de história da marca no mercado agrícola em França. Este novo espaço de
trabalho está equipado com a mais recente linha de mobiliário de escritório da marca e ainda soalho em pinho marítimo, igualmente lançado pela marca”, salienta Jorge Milne e Carmo.

Projecto inovador
“A inovação inerente a este projecto não se ficou pelo desafio de construir uns escritórios flutuantes em madeira, com esta dimensão e nesta região. Este é também um projecto inovador do ponto de vista da sustentabilidade e bem-estar dos colaboradores”, sublinha o presidente da Carmo Woods, que está agora de olho nas próximas oito licenças a serem lançadas. “A Câmara de Bordéus, que concedeu uma licença única, queria primeiro perceber o trabalho que seria feito. Conhecido o resultado do trabalho que desenvolvemos, tem preparadas mais oito licenças. Nós temos um know-how de tudo, desde o licenciamento à execução, projectos eléctricos, saneamento, etc. Estamos em posição privilegiada para concorrer a esses oito novos escritórios flutuantes que serão desenvolvidos”, assegura o responsável do grupo, que não descarta replicar o modelo em Portugal. “Essa hipótese está em cima da mesa, no Parque das Nações. Este projecto não representa apenas a nossa empresa como tem uma visibilidade fantástica em toda a França”, garante. “Estamos muito felizes com este novo projecto que é motivo de orgulho para a Carmo Wood e para todas as empresas que a constituem e que estiveram envolvidas, mas também para Portugal. Continuamos a fazer a diferença, como há 40 anos, num
mercado externo tão concorrencial como o mercado francês e a deixar bem claro que as empresas portuguesas podem e devem arriscar e desafiar-se a si próprias, dentro e fora de portas”, refere Jorge Milne e Carmo.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.