Edição digital
Assine já
    PUB
    Imobiliário

    Prémios distinguem imobiliária Remax Portugal

    Além de notoriedade, prémios evidenciam factores como “confiança na marca, satisfação de cliente, qualidade de serviço, inovação e boas práticas de recursos humanos”

    CONSTRUIR
    Imobiliário

    Prémios distinguem imobiliária Remax Portugal

    Além de notoriedade, prémios evidenciam factores como “confiança na marca, satisfação de cliente, qualidade de serviço, inovação e boas práticas de recursos humanos”

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Lisboa é a escolha da Microsoft para novo centro de desenvolvimento da Inteligência Artificial
    Construção
    Dessalinizadora no Algarve estará concluída em 2026
    Construção
    AESSO nasce para divulgar soluções de protecção solar para edifícios
    Empresas
    Oger prepara-se para novos investimentos
    Imobiliário
    Anúncios de nova construção a crescer há 3 meses
    Imobiliário
    Pipedrive anuncia a abertura de um novo escritório em Lisboa
    Imobiliário
    Maria Ramalho Fontes assume direcção de Design e Marketing da MOME
    Empresas
    Protocolo PRO_MOV e APCC reforça requalificação profissional
    Empresas
    FEP homenageia arquitecto responsável pelo seu edifício
    Construção
    MVGM lança app para garantir “uma gestão ainda mais eficiente”
    Imobiliário

    A operar no mercado nacional há 23 anos e composta por uma rede acima dos 12 mil profissionais, a Remax Portugal volta a arrecadar vários prémios. Em destaque estão prémios como “Escolha do Consumidor 2023”, “Prémio Cinco Estrelas 2023”, “Superbrands 2022”, “Marca Recomendada 2023” com melhor Índice de Satisfação no Portal da Queixa na categoria “Mediação Imobiliária – Redes”, “Happy Awards 2023”, “Best Team Leaders”, “Powerful Brand – Marcas com Valor 2022” e “Produto do Ano 2023”.

    Distinguida novamente como “Escolha do Consumidor 2023”, na categoria “Imobiliárias”, a Remax recebe assim a certificação que atesta o serviço da rede avaliado directamente pelos consumidores. Com 89,2% dos votos, a rede imobiliária alcançou a quinta posição do top nacional de todas as marcas, tendo sido eleita na sua categoria como a “Marca número um na Escolha do Consumidor”.

    Na categoria “Imobiliárias”, também conquistou o “Prémio Cinco Estrelas 2023”, que avalia e certifica o grau de satisfação que os produtos, os serviços e as marcas, a nível nacional, conferem aos seus utilizadores. Foi igualmente reconhecida como “Superbrands 2022”, um prémio que, anualmente, reconhece as marcas de excelência escolhidas pelos consumidores.

    Recebeu, também, da Consumers Trust o Prémio “Marca Recomendada 2023. A marca tem vindo a liderar no Portal da Queixa a categoria “Mediação Imobiliária – Redes”, o que lhe permite obter um posicionamento de referência na relação de proximidade e de confiança com os consumidores. O prémio “Marca Recomendada” é um reconhecimento atribuído pelos consumidores no Portal da Queixa, pela forma como mantiveram o elevado nível de performance de uma forma consistente ao longo dos últimos 12 meses. A RE/MAX foi ainda reconhecida pelos “Happy Awards” como “organização feliz”, através da avaliação da satisfação e felicidade dos colaboradores, clientes e fornecedores, com a nota de 88,59%.

    Destacar ainda que a RE/MAX foi a vencedora da iniciativa “Powerful Brand | Marcas com Valor 2022” na categoria Consultoras Imobiliárias. Recorde-se que a Powerful Brand é uma ferramenta de benchmark, que mede o valor das marcas, a partir de KPI´s, nos territórios da sustentabilidade, da ética, da inovação, do propósito da marca.  Em evidência também o facto da RE/MAX ter arrecadado o prémio “Produto do Ano 2023”, na categoria “Serviços no Imobiliário”, no qual os consumidores votaram e elegeram o projeto “Clube RE/MAX”.

    Também a salientar o “Best Team Leaders”, estudo que identifica e premeia os líderes que se distinguem através da avaliação das suas equipas. Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX conquistou o primeiro lugar na 10ª edição da iniciativa, sendo considerada a melhor líder de equipas em Portugal. Nas categorias “Competência/Característica – delegação” e “Funções – Diretores de Marketing”, os prémios foram para João Ferrão, diretor de marketing da RE/MAX. Outro dos distinguidos da RE/MAX foi Luís Camões, premiado na categoria “Funções – Diretores de Operação”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Lisboa é a escolha da Microsoft para novo centro de desenvolvimento da Inteligência Artificial
    Construção
    Dessalinizadora no Algarve estará concluída em 2026
    Construção
    AESSO nasce para divulgar soluções de protecção solar para edifícios
    Empresas
    Oger prepara-se para novos investimentos
    Imobiliário
    Anúncios de nova construção a crescer há 3 meses
    Imobiliário
    Pipedrive anuncia a abertura de um novo escritório em Lisboa
    Imobiliário
    Maria Ramalho Fontes assume direcção de Design e Marketing da MOME
    Empresas
    Protocolo PRO_MOV e APCC reforça requalificação profissional
    Empresas
    FEP homenageia arquitecto responsável pelo seu edifício
    Construção
    MVGM lança app para garantir “uma gestão ainda mais eficiente”
    Imobiliário
    PUB

    CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO – GRUPO Prime Yield

    Imobiliário

    Oger prepara-se para novos investimentos

    Fundada há 15 anos, a gestora de investimentos prepara-se para entrar numa nova fase do negócio, passando a actuar também como coinvestidora nas suas áreas estratégicas. Nelson Rêgo assume a direcção da gestão da Oger neste que é um momento crucial para a holding

    Nelson Rêgo, com um percurso de mais de duas décadas na gestão de empresas com especial foco no setor imobiliário, assume o cargo de CEO da gestora de investimentos Oger, da qual foi também fundador há 15 anos. Regressando às funções executivas, Nelson Rêgo vai liderar activamente o negócio da holding, que se prepara para entrar numa nova fase da sua política de investimento.

    A Oger gere e realiza investimentos nas áreas de desenvolvimento imobiliário, imobiliário de rendimento, proptech e de carteiras de crédito malparado (NPL&REO), preparando-se para diversificar os modelos de investimento com que aborda estes mercados. Focada numa estratégia com perfil de risco dinâmico para maximizar a valorização do capital investido, a Oger pretende agora adoptar estruturas de coinvestimento.

    “A nossa visão é ter um envolvimento muito activo e presente nos investimentos que realizamos e gerimos”, começa por comentar Nelson Rêgo, o CEO & Founder da OGER. “Mantemos esta estratégia, mas queremos diversificar as formas de exposição aos projectos e investimentos e, por isso, além dos investimentos directos que fazemos, estamos muito atentos a oportunidades de investimentos colaborativos. Este é um modelo especialmente interessante para a nossa área de negócio de proptech, mas que acrescenta também muito valor noutras áreas, como é o caso do investimento em desenvolvimento imobiliário”, diz o responsável.

    “Estamos muito empenhados em dinamizar novos investimentos e capitalizar o valor das nossas carteiras de projectos e investimentos já consolidados, e para isso temos que olhar para o futuro e abrir as perspectivas na forma como abordamos os negócios e os parceiros”, comenta Nelson Rêgo.

    Fundada em 2008, a OGER opera há mais de 15 anos no mercado através de aquisições, investimentos imobiliários e soluções de gestão de crédito, com projectos que já se estendem a mercados na Europa, África e América do Sul.

    Actualmente, a holding centra a sua actividade no investimento em quatro áreas centrais. Desde logo, no desenvolvimento imobiliário, para o qual tem uma estratégia de abordagem integral dos projectos, com envolvimento desde a aquisição do terreno à venda do empreendimento. Nesta área evidenciam-se os investimentos em projectos de habitação premium no Algarve e na região da Grande Lisboa.

    No Imobiliário de rendimento, com geração de retorno em imóveis consolidados nos sectores residencial e comercial, adoptando uma estratégia core plus e o conceito chave-na-mão. Destacam-se os investimentos nos projectos Imoslen, marca de build-to-rent para habitação e serviços activa nos concelhos de Oeiras, Lisboa e Porto; e CityOffice, marca de espaços de escritórios com serviços associados, presente em Angola e Moçambique, com expansão marcada para Portugal, Grécia e Espanha.

    Ao nível do segmento NPL&REO, investimento no sector das carteiras de crédito em incumprimento e activos imobiliários colaterizados. Capitalização do know how adquirido através de empresas participadas cuja actuação abrange a totalidade do ciclo de gestão de risco de crédito.

    Outro das áreas de actuação da holding é ao nível do investimento em projecto de I&D para a área imobiliária, de que se destacam o software Mister ou a app iPY, plataformas de aposta na digitalização de processos.

    Nelson Rêgo possui mais de duas décadas de experiência em investimento, desenvolvimento e consultoria imobiliária, integrando ao longo do seu percurso empresas como a ABN Souza, a Krata, Tinsa e a Prime Yield, que criou e liderou durante quase 20 anos. Trabalhou com todos os principais bancos e investidores que operam na Europa, África e América Latina em consultoria imobiliária, avaliação e projecto de desenvolvimento imobiliário. Desde 2010 que colabora com os mais importantes fundos de private equity, tanto para buy side quanto para sell side, em operações de NPL&REO. Possui uma licenciatura em Gestão Imobiliária, bem como diversas outras pós-graduações pela Salford-Manchester, AESE Lisboa, IESE Madrid/Barcelona e Secovi-São Paulo. É Membro do RICS (FRICS) desde 2007.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Anúncios de nova construção a crescer há 3 meses

    De acordo com um estudo hoje divulgado pelo portal Imovirtual os anúncios de imóveis de nova construção aumentaram cerca de 36% nos últimos 3 meses. Em comparação com os imóveis usados, em termos de preço, a nova construção custa, em média, mais 395 000€

    A análise, focado na nova construção e na evolução da procura e oferta no portal, contempla o número de anúncios de novos imóveis, as regiões mais procuradas, preços, tipologia e outras informações, durante o período de Novembro, Dezembro de 2023 e Janeiro de 2024 e o período homólogo.

    Nos últimos 3 meses, o portal teve em média 12 279 anúncios activos de nova construção por mês, o que representa um crescimento de 36% face ao período homólogo onde estavam activos uma média de 9 015 anúncios por mês. Em relação aos preços da nova construção, estes também aumentaram, à semelhança do que tem vindo a acontecer em todas as categorias de imóveis. No período em análise, comprar uma casa de nova construção custava, em média, 565 000€, uma diferença de 65 000€ face ao período homólogo, no qual o preço médio rondava os 500 000€.

    Contudo, comparativamente com os imóveis usados, durante o mesmo período, verificou-se que estes custavam em média 170 000€, uma diferença de 395 000€ (-232%) em relação aos de nova construção.

    Quando analisada a categoria das casas, verificou-se uma maior oferta de anúncios para apartamentos, no qual representa 94% dos imóveis novos, enquanto as moradias são apenas 6%.

    Relativamente ao preço dos apartamentos de nova construção, aumentou de 485 000€ para 550 000€, o que representa uma subida de 13%. Também no que toca às moradias, os preços da nova construção aumentaram de 950 000€ para 988 500€.

    Lisboa foi a região onde se verificou um maior número de anúncios de imóveis pertencentes à categoria da nova construção com 39% da oferta de todo o país. Seguindo-se, neste top 3, Porto (22%) e Faro (19%). Setúbal e Ilha da Madeira completam o top 5.

    Para Sylvia Bozzo, Marketing Manager do Imovirtual, “em relação à procura, é interessante constatar que, mesmo com mais ofertas em Lisboa do que no Porto, é esta última região que lidera o número de pesquisas para imóveis de nova construção.”

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Pipedrive anuncia a abertura de um novo escritório em Lisboa

    A Pipedrive, a plataforma de CRM que está presente em Portugal desde 2017, anuncia um novo escritório em Lisboa para acolher a sua equipa internacional. Com cerca de 200 colaboradores, o escritório da capital portuguesa é o segundo maior da Pipedrive a nível global

    A Pipedrive passa a ocupar um novo edifício localizado na Casal Ribeiro 16, perto do Saldanha, em Lisboa. O novo espaço foi projectado para proporcionar um ambiente de trabalho amplo, confortável e moderno, estrategicamente pensado para melhorar os níveis de satisfação e produtividade. O edifício é composto por cinco pisos no total, sendo que três serão de uso exclusivo da Pipedrive. Um outro piso inclui áreas comuns a todos os outros trabalhadores do edifício. O escritório tem 1.760 m2, incluindo uma zona de ginásio e balneários, uma cozinha partilhada, postos de café e snacks, zonas pet-friendly, um terraço com um pequeno jardim e um parque para bicicletas. Com uma localização privilegiada em termos de acessos, serviços e transportes públicos, o Saldanha está no coração de Lisboa e é um bairro de referência para o sector empresarial.

    Com cerca de 200 colaboradores, o escritório da capital portuguesa é o segundo maior da Pipedrive a nível global e pretende celebrar a diversidade e a inclusão, dois dos valores mais importantes da empresa. Aproximadamente metade da equipa do novo escritório é composta por mulheres, com mais de 50 nacionalidades a trabalhar em conjunto globalmente.

    “Este ano, a Pipedrive celebra o seu 7.º aniversário em Portugal. Agora, com o nosso segundo maior escritório, a nova e vibrante área de trabalho é a manifestação física de valores como: colaboração, a cultura e a inovação, tanto para a nossa equipa como para os nossos valiosos clientes. O que torna o escritório especial é o facto de ter uma representação de todos os departamentos da empresa. Isto reflecte uma grande oportunidade para os membros da equipa, que podem aprender mutuamente, compreender melhor o negócio e obter informações preciosas sobre todas as funções e departamentos” afirma Zahra Jivá, directora de Estratégia Global de Vendas da Pipedrive.

    O novo escritório em Lisboa é a prova da evolução e investimento da marca em Portugal, o que demonstra a determinação da empresa em atingir os objectivos a que se propõe. Esta mudança foi concebida para melhorar a qualidade de vida de toda a equipa, que inclui profissionais de diferentes áreas, desde a engenharia ao customer service e até ao marketing.

    Com as novas instalações em Lisboa, a Pipedrive está numa posição privilegiada para acolher eventos, cursos ou workshops, proporcionando assim um ambiente de trabalho ainda mais atractivo para o crescimento e captação de talento.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    MVGM lança app para garantir “uma gestão ainda mais eficiente”

    Esta aplicação encontra-se em fase de implementação no Centro Via Rápida, Porto e será pioneiro em Portugal. Implementada com sucesso em Espanha, há pouco mais de um ano, esta plataforma oferece uma “gestão inovadora” de activos imobiliários

    A MVGM aposta na inovação com o recente lançamento em Portugal da app AXSET. Projectada para oferecer uma experiência diferenciada facilitando a gestão diária dos clientes, inquilinos, lojistas e outros utilizadores.

    Esta aplicação encontra-se em fase de implementação no Centro Via Rápida, Porto e será pioneiro em Portugal. Implementada com sucesso em Espanha, há pouco mais de um ano, esta plataforma oferece uma “gestão inovadora” de activos imobiliários.

    Organizada em três módulos fundamentais: Comunidade/Social, Controlo e Business Intelligence (BI), a plataforma oferece um sistema simples para controlar o acesso e fazer reservas de espaços, bem como para se inscrever em eventos realizados no próprio ativo. Para além disso, inclui um Gateway de pagamento que permite a comercialização de serviços através da integração com Paypal ou Stripe.

    Ana Santos, directora de Operações da MVGM em Portugal, enfatiza o compromisso da empresa com a inovação, afirmando que a empresa está dedicada a “impulsionar a inovação na gestão de activos” e, nesse sentido, desenvolveu esta ferramenta que permite aos proprietários tomar “decisões informadas baseadas em dados reais, facilita os inquilinos no reporte de incidências e permite aos Property Managers e fornecedores saber em tempo real a existência  das mesmas possibilitando uma célere gestão/resolução”.

    O desenvolvimento da app, foi liderado por uma equipa multidisciplinar composta por profissionais experientes de diversos departamentos, incluindo Inovação e Análise de Dados, Marketing e Experiência do Utilizador, bem como gestores de activos. Esta colaboração transversal garantiu a funcionalidade da aplicação, validando processos quer para os gestores, quer utilizadores finais.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Edificio de escritórios

    Imobiliário

    Cushman & Wakefield e Savills / Predibisa comercializam ICON Douro

    As áreas disponíveis para arrendamento variam entre 750 m2 e 1500 m2 e serão entregues em open space. O edifício ICON Douro faz parte do empreendimento ICON, que é composto por dois edifícios de escritórios com a assinatura do arquitecto Luís Pedro Silva

    A Cushman & Wakefield e a Savills/Predibisa foram mandatadas para comercializar dois pisos no edifício ICON Douro, propriedade do Grupo Ageas. As áreas disponíveis para arrendamento variam entre 750 m2 e 1500 m2 e serão entregues em open space, sistema de AVAC em funcionamento, pavimento técnico sobre elevado, instalações sanitárias e tecto falso com iluminação embutida.

    O edifício ICON Douro faz parte do empreendimento ICON, que é composto por dois edifícios de escritórios com a assinatura do arquitecto Luís Pedro Silva, totalizando mais de 22 mil m2, 168 unidades de Service Apartments, nove mil m2 de espaços verdes, assim como espelhos de água, ginásio, restaurantes, cafés e pontos de carregamento de veículos eléctricos.

    Além disso, o empreendimento beneficia de uma localização “estratégica”, “bem servido” a nível de transportes públicos e com acesso directo à VCI e AEP, a cerca de cinco minutos do Nó de Francos.

    De acordo com Maria João Pinto, consultora de escritórios da Cushman & Wakefield no Porto, o ICON Douro oferece “conforto, mobilidade, acessibilidade e sustentabilidade” e que de destaca pela sua “diferenciada e imponente” arquitectura.

    “Pensado no bem-estar de quem o ocupa, existe uma diversidade de serviços que o complementam o que, do ponto de vista da retenção de talento, sabemos que é um factor chave para as empresas que pretendem ver os escritórios em pleno funcionamento”, acrescenta.

    Também Graça Cunha, associate offices, na Savills / Predibisa,destaca o “notável” ICON Douro como um dos locais “mais apreciados para trabalhar, tanto pelo valor acrescentado que o projecto apresenta e oferece às empresas, como pelo conjunto de acessibilidades e características complementares, tais como pisos em open space, bastante luz natural e excelentes acabamentos, praticamente pronto a ocupar”.

    De salientar, que o edifício prima, ainda, pela eficiência e cumpre altos padrões de sustentabilidade, possuindo painéis fotovoltaicos e a certificação BREEAM very good.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Tiko adquire Housell com o objectivo de criar “a maior agência imobiliária digital” a nível ibérico

    A Tiko assume o controlo da Housell a partir desta terça-feira, dia 20 de Fevereiro, e estende a sua presença a todas as regiões de Espanha. O AVIV Group, que detinha até agora a Housell, passa a ter uma participação minoritária na Tiko

    CONSTRUIR

    A Tiko, a marketplace de compra e venda de casas, acaba de adquirir a Housell, empresa de serviços imobiliários. Esta operação reforça a estratégia de negócio da Tiko e converte-se na “maior agência imobiliária digital a operar em Espanha e Portugal”.

    Assim, e através da aquisição da Housell, a Tiko dá o primeiro passo com vista a multiplicar por 10 o volume das suas transacções imobiliárias e atrair mais de 700 consultores nos próximos 12 meses.

    Sem revelar os valores envolvidos no negócio, a Tiko assume o controlo da Housell a partir desta terça-feira, dia 20 de Fevereiro, e estende a sua presença a todas as regiões de Espanha, tornando-se na maior agência imobiliária digital. O AVIV Group, que detinha até agora a Housell, passa a ter uma participação minoritária na Tiko.

    “Com a aquisição da Housell, a Tiko consolida a sua liderança como a mais importante empresa imobiliária digital de Espanha”, diz Ana Villanueva, cofundadora e CEO Iberia da Tiko. “A Tiko e a Housell colaboram com sucesso desde há vários anos, por isso, estou bastante entusiasmada por dar mais um passo com o Guillermo Llibre e com a sua equipa. Um passo que reforça a nossa estratégia de negócios para 2024”, conclui Ana Villanueva.

    “Estamos muito felizes por nos juntarmos ao projecto Tiko e poder contribuir com toda a nossa experiência para melhorar o processo de compra e venda de casa, algo que faz parte do ADN de ambas as empresas. Por via desta operação vamos redefinir o panorama imobiliário e estamos muito orgulhosos por fazer parte deste conceito”, afirma Guillermo Llibre, CEO da Housell.

    Em Portugal, a Tiko já opera no Porto, Lisboa e Setúbal e com perspectiva de aumentar a sua presença nos próximos meses. Tendo como objectivo “oferecer ao cliente uma experiência de compra e venda fácil e rápida”, a Tiko passa, também, a oferecer um acompanhamento total por parte dos melhores profissionais do sector imobiliário. Para tal, a Tiko criou a Impulsa, uma plataforma criada pela proptech para facilitar o trabalho dos consultores no seu dia a dia, através de múltiplos serviços no mesmo local e em ambiente online.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Lagoas Park produzirá a sua própria energia nos próximos dois anos

    Esta medida insere-se no plano de investimentos de 25 milhões de euros que pretende tornar o Lagoas Park não só “o maior parque empresarial de Portugal, mas também um dos mais sustentáveis” da Europa

    CONSTRUIR

    A Henderson Park, gestora de fundos de investimento imobiliários privados, que adquiriu o Lagoas Park em 2020, anunciou que nos próximos dois anos pretende desenvolver o seu próprio sistema de produção de energia.

    Esta medida insere-se no plano de investimentos de 25 milhões de euros que pretende tornar o Lagoas Park não só “o maior parque empresarial de Portugal, mas também um dos mais sustentáveis” da Europa. O plano tem vindo a ser implementado em várias áreas do parque, centrado na reabilitação dos edifícios de escritórios, na melhoria das infraestruturas existentes e na criação de novos sistemas e equipamentos que optimizem a gestão e a eficiência operacional global e que tem como objectivo reposicionar a oferta do parque, melhorando a experiência dos milhares de colaboradores que ali trabalham, mas também atrair e reter inquilinos nacionais e internacionais.

    Entre as principais medidas destinadas a esta optimização em termos de sustentabilidade, o Lagoas Park passará a dispor de um novo e mais eficiente sistema de rega, cujo objectivo é atingir o mínimo consumo de água necessário. A fonte de água a utilizar neste sistema será através de água de furo e do reaproveitamento de águas pluviais.

    No âmbito desta missão de criar um parque mais sustentável, está também em projecto a instalação de painéis fotovoltaicos no interior do parque, de modo que parte da energia consumida pelos edifícios provenha de fontes renováveis.

    Os projectos de eficiência energética em curso no parque estão a progredir de forma constante e têm sido bem recebidos pelos ocupantes que reconhecem a importância, tanto a nível comercial como de reputação, ao fazer parte de um parque empresarial empenhado em atingir objectivos ambientais ambiciosos. O investimento em iniciativas de sustentabilidade para nos tornarmos cada vez mais autossuficientes em termos energéticos e minimizarmos o consumo de recursos, enquanto fornecemos as melhores instalações, serviços e ambiente para os nossos ocupantes, garantirá que o Lagoas Park se mantenha entre os parques empresariais líderes na Europa no futuro”, considera Ronan Webster, director de Gestão de Activos da Henderson Park.

    A implementação destas medidas, em paralelo com uma estratégia de sustentabilidade, alinhada com os requisitos da avaliação BREEAM In-Use, desenvolvida entre a equipa de consultoria de ESG da CBRE e a Henderson Park permitiu a obtenção desta certificação para os primeiros dois edifícios, com um resultado de Excellent no final de 2023.  A intenção é concluir as certificações de mais quatro edifícios, até ao final de 2024.

    No âmbito deste projecto de intervenção, o Lagoas Park já implementou uma série de medidas para melhorar o seu desempenho e eficiência ambiental, incluindo a transformação de toda a iluminação em LED (interior e exterior), a instalação de painéis fotovoltaicos na cobertura de alguns dos edifícios (o que permite uma poupança de mais de 20% no consumo anual de energia), a substituição da utilização de gás para aquecimento em todos os edifícios de escritórios por equipamentos de origem energética mais eficientes, a instalação de torneiras de baixo consumo para reduzir o consumo de água, incluindo um sistema de alarme para monitorizar o consumo e evitar fugas, monitores para o consumo de energia, a redução da utilização de fontes e lagos decorativos, a substituição completa da rede de irrigação, a realização de estudos de biodiversidade e de impacto ambiental e, finalmente, a contabilização das taxas de resíduos e de reciclagem, bem como a avaliação e melhoria das questões relacionadas com o bem-estar.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Osborne+Co e Adriparte desenvolvem novo projecto de escritórios do Porto

    A CBRE e a JLL estão instruídas para comercializar em regime de co-exclusividade o novo projecto de escritórios Mutual, desenvolvido pela Osborne+Co e a Adriparte. O projecto de arquitectura tem a assinatura da Openbook

    CONSTRUIR

    O projecto de escritórios Mutual – Campo Alegre Offices nascerá na Rua do Campo Alegre (central business district da Boavista) através da reabilitação integral de um edifício de serviços com 10.300 metros quadrados (m2) distribuídos por sete pisos, desenvolvido através da joint-venture entre a Osborne+Co e a Adriparte. A CBRE e a JLL estão instruídas para comercializar o projecto em regime de co-exclusividade.

    Além da sua localização e dimensão, entre outras ammenities, destacam-se mais de 1.300m² de zonas exteriores, serviços de concierge, 144 lugares de estacionamento em cave e um amplo rooftop com uma vista panorâmica que permitirá momentos de lazer e bem-estar às equipas que diariamente viverão o novo lifestyle.

    A sustentabilidade é outro dos eixos centrais do projecto: A obra iniciou no final de 2023 e à data da sua conclusão, o edifício reunirá diferentes certificações, entre elas LEED e WELL, sustentadas pelo foco do projecto na saúde e bem-estar dos utilizadores bem como pela ambição de diminuir a sua pegada ecológica colocando a estratégia ESG no centro da intervenção. Neste âmbito, o projecto contará com a instalação de painéis solares, pontos de carregamento e estacionamento de bicicletas, incentivando a mobilidade sustentável e a ecologia.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Bankinter Investment e Sonae Sierra lançam ORES Alemanha

    O novo veículo de investimento alternativo direcionado a espaços comerciais no mercado alemão. O ORES Alemanha totalizou um investimento de 200 milhões de euros, com uma carteira de oito grandes superfícies comerciais com contratos de arrendamento a longo prazo e operadores líderes nos setores de alimentação e bricolagem e casa

    CONSTRUIR

    Bankinter Investment SGEIC, sociedade gestora de investimento alternativo do Bankinter, e a Sonae Sierra, acabam de lançar em conjunto o ORES Alemanha, um novo veículo de investimento alternativo destinado a investimentos em espaços comerciais no mercado alemão.

    Actualmente, o ORES Alemanha possui oito activos comerciais, sendo quatro destinados a espaços de supermercados e outros quatro destinados a espaços de bricolagem, formando assim uma carteira de activos conservadora e resiliente ao impacto de diversos ciclos económicos. Todos os activos possuem contratos de arrendamento com cumprimento obrigatório a longo prazo, formalizados com operadores líderes nos segmentos de alimentação e bricolagem e casa na Alemanha, como Edeka, Rewe, Aldi e Obi. O volume total do veículo alcançou um investimento de 200 milhões de euros.

    A ORES Alemanha proporciona aos seus investidores acesso a imóveis comerciais de alta qualidade no mercado alemão, ao mesmo tempo que oferece uma alta visibilidade de fluxos de caixa, gerando um dividendo recorrente e estável desde o primeiro ano de investimento. O Bankinter Investment será a entidade responsável pela gestão do veículo, enquanto a Sierra, já presente no mercado alemão, será responsável pela gestão da carteira de imóveis.

    O lançamento deste veículo destaca a importância estratégica da Alemanha como mercado principal para as actividades de investimento e gestão de activos a longo prazo da Sierra. Para o Bankinter Investment, representa a entrada do seu negócio de investimento alternativo neste país.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Mercado imobiliário mais optimista mas ainda em terreno negativo

    A recuperação da procura e a melhoria da conjuntura, marcada por um quadro de abrandamento da inflação e de uma possível inflexão na subida de juros, está a resultar um redireccionamento da oferta futura para a classe média e procura doméstica

    CONSTRUIR

    Os promotores imobiliários estão menos pessimistas quanto ao futuro do mercado residencial, animados pela melhoria na procura e pelas perspectivas mais optimistas quanto à trajectória da inflação e taxas de juro, indicam os mais recentes resultados do inquérito de confiança Portuguese Investment Property Survey (PIPS). Esta é uma iniciativa da Confidencial Imobiliário e da APPII que trimestralmente ausculta os principais promotores imobiliários.
    Embora mantendo-se em terreno negativo, o sentimento relativo à procura nos últimos 3 meses, considerando a evolução das vendas, melhorou significativamente, passando de -70 pontos no 3º trimestre para -44 pontos no 4º trimestre de 2023. Ao mesmo tempo, o sentimento quanto ao preço é de estabilidade, observando-se no 4º trimestre um saldo de +3 pontos.

    Em termos de expectativas para os próximos 3 meses, antecipa-se também uma clara redução da pressão sobre a procura, com o saldo deste indicador a passar de -64 pontos no 3º trimestre para -21 pontos no 4º trimestre. Relativamente aos preços, as expectativas são para que mantenham num registo de estabilidade.

    Esta melhoria de expectativas quanto à procura num quadro de estabilização de preços, reflecte também uma maior confiança na evolução dos indicadores macroeconómicos, num quadro de abrandamento da inflação e de uma possível inflexão na subida de juros. Deste cenário menos pessimista está a resultar um redireccionamento da oferta futura para a classe média e procura doméstica. O PIPS do 4º trimestre de 2023, mostra assim, uma redução do peso de Lisboa nos novos projectos em carteira (de 52% no 3º trimestre para 41% no 4º trimestre), em contraste com as áreas periféricas da Grande Lisboa, cujo peso aumentou de 30% para 44%. Ao mesmo tempo, há uma perda da quota dos empreendimentos dirigidos para a procura internacional (de 24% no 3º trimestre para 18% no 4º trimestre). Os empreendimentos direccionados a ambos compradores nacionais e internacionais também perdem quota (de 52% para 38%), ao contrário dos que são apenas focados na procura doméstica, que agregam 44% dos novos projectos (24% no 3º trimestre).

    “Este novo padrão representa um regresso ao registo que o mercado estava a observar antes do aumento dos juros, que levou ao refúgio dos operadores nos mercados “prime”, mais resilientes”, explica Ricardo Guimarães, director da Confidencial Imobiliário.

    Sem prejuízo de estarem mais confiantes quanto ao futuro, os promotores continuam bastante preocupados com os obstáculos à sua actividade, encabeçados pela burocracia e licenciamento, que continuam a ser identificados como o maior entrave. Comparando com a situação há um ano, alguns factores desgravaram – caso dos custos de construção, talvez não por terem caído, mas por deixarem de ser uma fonte de incerteza na contratação de empreitadas – mas, em contrapartida, contudo, houve um agravamento decorrente da maior instabilidade legal e fiscal, assim como dos actuais riscos políticos. Assim, no cômputo geral, os obstáculos agravaram-se em +15 pontos, dificultando que o mercado reactive a actividade da mesma forma como o poderia fazer num cenário de estabilidade e previsibilidade.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.