Edição digital
Assine já
Construção

Sonae Sierra e Sonae Capital estabelecem acordo para o investimento e gestão de uma nova central de cogeração

A actual central de cogeração a fuel será substituída por uma central de alta eficiência energética

Ana Rita Sevilha
Construção

Sonae Sierra e Sonae Capital estabelecem acordo para o investimento e gestão de uma nova central de cogeração

A actual central de cogeração a fuel será substituída por uma central de alta eficiência energética

Sobre o autor
Ana Rita Sevilha
Artigos relacionados
Estudo: “Reconectar é a nova tendência global”
Imobiliário
Alunas de arquitectura representam Portugal em concurso internacional da Saint-Gobain
Arquitectura
Alojamento Local: LovelyStay espera resultados de 7 M€ e 13 mil reservas para este Verão
Empresas
OBO Bettermann Portugal recebe prémio “Fornecedor do ano” pela AGEFE
Empresas
Câmara de Lisboa extingue concurso para central fotovoltaica em Carnide
Engenharia
Investimento em imobiliário comercial quase duplica no primeiro trimestre
Imobiliário
Sonae Arauco vence Green Product Award 2022
Empresas
Ordem propõe ao Governo revisão para aceleração de resolução de conflitos na Contratação Pública
Engenharia
Hipoges com crescimento de 35% em 2021
Empresas
Trienal de Arquitectura Lisboa: “Como desenhar o diálogo?”
Arquitectura

A Sonae Sierra, especialista em centros comerciais, acaba de celebrar um acordo com a Sonae Capital para o investimento e gestão numa nova central de cogeração no Centro Colombo, que permitirá um aumento da eficiência energética, a utilização de energia mais “amiga do ambiente” e a redução das emissões de gases com efeito de estufa,anunciou a Sonae Sierra.

A actual central de cogeração a fuel,explica, “será substituída por uma central de alta eficiência energética que utilizará gás natural, um combustível mais ‘amigo do ambiente’. A mudança vai permitir à Sonae Sierra uma redução das emissões de CO2 da ordem dos 25%/ano quando comparado com a central actual (cerca de 4.500 toneladas/ano)”.

“A cogeração é uma tecnologia que permite racionalizar eficazmente o consumo dos combustíveis necessários à produção de energia útil, assegurando um aproveitamento elevado da energia primária e possibilitando o cumprimento integral aos objectivos das políticas energéticas comunitárias e nacionais. Este é, actualmente, um dos sistemas mais eficientes de produção de electricidade a partir de qualquer combustível”.

A Sonae Sierra refere ainda que, “a cogeração responde também de forma eficaz a preocupações de natureza ambiental, pois ao produzir a mesma energia final com um menor consumo de energia primária, reduz significativamente as emissões para o ambiente”.

A par da redução das emissões de gases com efeito de estufa, esta parceria permite à Sonae Sierra produzir energia eléctrica e térmica, recorrendo a tecnologia mais eco-eficiente, que será utilizada para auto-consumo e para venda a terceiros, representando para a Sierra um bom retorno a nível financeiro.

Esta substituição será implementada através de uma parceria com a Sonae Capital que ficará responsável pelo investimento e pela gestão da central de cogeração por um período de 15 anos.

Este acordo é representativo da política de Responsabilidade Corporativa da Sonae Sierra permitindo o aumento da eficiência energética das operações e a redução das emissões de gases com efeito de estufa.

Sobre o autorAna Rita Sevilha

Ana Rita Sevilha

Mais artigos
Artigos relacionados
Estudo: “Reconectar é a nova tendência global”
Imobiliário
Alunas de arquitectura representam Portugal em concurso internacional da Saint-Gobain
Arquitectura
Alojamento Local: LovelyStay espera resultados de 7 M€ e 13 mil reservas para este Verão
Empresas
OBO Bettermann Portugal recebe prémio “Fornecedor do ano” pela AGEFE
Empresas
Câmara de Lisboa extingue concurso para central fotovoltaica em Carnide
Engenharia
Investimento em imobiliário comercial quase duplica no primeiro trimestre
Imobiliário
Sonae Arauco vence Green Product Award 2022
Empresas
Ordem propõe ao Governo revisão para aceleração de resolução de conflitos na Contratação Pública
Engenharia
Hipoges com crescimento de 35% em 2021
Empresas
Trienal de Arquitectura Lisboa: “Como desenhar o diálogo?”
Arquitectura
Imobiliário

Estudo: “Reconectar é a nova tendência global”

Segundo o Savills Impact prevê-se uma diminuição global da procura de escritórios em toda a Europa entre 8-10% à medida que as empresas se adaptam às novas formas de trabalho

2022 é o ano em que a Humanidade começa a emergir da pandemia, o ano em que o mundo começa a voltar ao normal. Ao mesmo tempo que as pessoas voltam à sua rotina, a Savills lança o seu estudo Impacts 2022que pretende explorar a nova tendência global – “Reconectar”.

Depois de dois anos em que a pandemia manteve as pessoas mais afastadas, 2022 representa o regresso a alguma normalidade, o ano em que as principais cidades do mundo estão a retomar a sua actividade e que as pessoas procuram uma reconexão ao seu local de trabalho exigindo, no entanto, uma maior qualidade de vida, flexibilidade e políticas de sustentabilidade. É este novo paradigma que a Savills pretende abordar no seu estudo Impacts 2022que explora nova tendência global – “Reconectar”.

Esta edição do Savills Impacts aborda perspectivas sobre a nova era do trabalho, o futuro das cidades resilientes, o comércio/retalho físico, as oportunidades do mercado imobiliário e a realidade actual da cadeia logística.

Uma nova era do trabalho

As pessoas estão a reconectar-se ao seu local de trabalho, mas também a exigir uma nova realidade. As novas tecnologias, alterações demográficas e o impacto da Covid-19 transformaram a forma como a sociedade global experiencia o mundo. As prioridades passaram agora a ser a tecnologia – potenciadora de trabalho remoto – a diversidade, o talento e o espaço de trabalho enquanto lugar que proporciona bem-estar e qualidade de vida. Perante os novos factores prioritários, as empresas deverão adaptar-se ao “novo normal” para atrair e reter talento, através da diversidade e do trabalho flexível, o que permitirá aumentar os níveis de satisfação e a integração dos colaboradores.

Como exemplo desta nova era do trabalho, a cidade de Lisboa foi recentemente eleita como o destino preferido dos nómadas digitais, oriundos de todo o mundo, e o Algarve conquistou a 4ª posição como destino favorito para os nómadas digitais trabalharem.

O inquérito Savills Office FiT 2021 concluiu que 12% dos trabalhadores revela interesse por espaços de coworking, em comparação com 3% verificados em 2020. Prevê-se que o tipo de espaço flexível se torne ainda mais diversificado, com localizações disponíveis no centro das cidades como em áreas suburbanas.

No entanto, a procura de espaço flexível é também susceptível de aumentar com o crescente número de pessoas que optam por trabalhar por conta própria. No Reino Unido, os pedidos de espaço flexível para escritórios aumentaram 82% em relação aos níveis pré-pandémicos. A Savills prevê uma diminuição global da procura de escritórios em toda a Europa entre 8-10% à medida que as empresas se adaptam às novas formas de trabalho.

Os green offices registam também uma tendência crescente à medida que as preocupações com as políticas de ESG são cada vez mais prementes. Os EUA e cidades como Londres, Paris, Pequim e Xangai são os locais que apresentam o maior número de escritórios com certificados verdes. Em média, 28% do stock total nas 20 principais cidades globais tem o certificado verde, o que significa que mais de 70% do stock existente deverá sofrer alterações no futuro.

Oportunidades e desafios para o sector imobiliário

O investimento global em apartamentos atingiu um valor recorde de mais de 478 mil milhões de dólares em 2021 e, no terceiro trimestre do ano, o investimento excedeu pela primeira vez o mercado dos escritórios.

Na maioria dos países, os retornos totais do investimento para a habitação em 2020 foram de 5,5%-8,3%. O aumento do investimento em habitações multifamiliares levou a que os rendimentos líquidos atingissem níveis mínimos de 3% ou menos, na maioria das geografias.

A procura de habitação para arrendamento, especialmente habitação acessível, pode aumentar durante períodos de incerteza, nomeadamente se os critérios de empréstimo mais rigorosos reduzirem a procura. A procura tem sido impulsionada sobretudo por jovens que se deslocam para centros urbanos para trabalhar e estudar e, neste sentido, é pouco provável que esta situação seja alterada pela Covid-19 a longo prazo.

Um outro desafio para os investidores é a crescente intensidade operacional dos activos para arrendamento. Numa fase pós-pandémica, os ocupantes passam mais tempo em casa e focam-se em aspectos como o bem-estar e a conveniência, sendo essencial uma divisão entre o espaço de escritório e a esfera familiar. Após a experiência de confinamento, os espaços exteriores e janelas de maior dimensão tornaram-se um pré-requisito, ao mesmo tempo que o interesse pela segurança e saneamento foi reforçado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Alunas de arquitectura representam Portugal em concurso internacional da Saint-Gobain

O projecto “The Green Community” tem a marca das estudantes Adriana Pinto e Inês Matos e conta com o contributo da professora Clara Vale, da FAUP

No âmbito do Concurso Internacional Saint-Gobain para Estudantes de Arquitectura, a Saint-Gobain Portugal seleccionou o vencedor da fase nacional, que parte agora em representação do país para Varsóvia, no Architecture Student Contest 2022. A capital europeia abraça, entre os dias 8 e 10 de Junho, a etapa final do concurso. O projecto inclui, pela primeira vez, estudantes portugueses. Cada país leva a concurso uma ideia vencedora, escolhida e apurada, de forma igual, numa fase nacional.

O desafio proposto na presente edição envolveu a revitalização de uma área, localizada junto à estação ferroviária de Warszawa Wschodnia, na cidade de Varsóvia, através de uma combinação de funções de ativação social e residencial. O programa para um quarteirão de 14.500 m2, define como objectivos a criação de um centro de encontro e entretenimento num antigo edifício industrial existente, tendo em conta as directrizes dos responsáveis locais pela conservação e património, e o projeto de apartamentos de estudantes na nova parte residencial, a criar no restante espaço do quarteirão.

“The Green Community” tem a marca das estudantes Adriana Pinto e Inês Matos e conta com o contributo da professora Clara Vale, da Faculdade de Arquitetura do Porto (FAUP) e vai representar Portugal, onde concorre juntamente com 25 nações e acima de meia centena de projectos.

As alunas projectaram uma comunidade verde, que pretende fundir a nova construção com a renovação de um edifício industrial existente, criando um espaço calmo, conformado e colectivo. Procurando criar o menor impacto possível sobre os recursos utilizados e as zonas verdes, é proposta a reutilização do tijolo, proveniente das demolições, no revestimento dos novos edifícios. Já a luz solar é utilizada, não só para a produção de energia, mas também para o conforto térmico, através do efeito de estufa permitido pelas clarabóias ajustadas à orientação solar.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Alojamento Local: LovelyStay espera resultados de 7 M€ e 13 mil reservas para este Verão

O objetivo, até o final do ano, é ultrapassar os 18 milhões de euros de rentabilidade bruta

A LovelyStay, empresa especialista no mercado de alojamento local no País, estima um crescimento, nos meses de Junho, Julho e Agosto, em mais de 250% (face ao período homólogo), o que se traduz numa receita bruta em reservas superior a 7 milhões de euros.

Só em Abril deste ano, a LovelyStay teve uma receita bruta de mais de 1,3 milhões de euros em reservas, um resultado diferenciador para um período pré-época alta. Desta forma, a empresa termina os primeiros quatro meses do ano com uma rentabilidade, para os seus proprietários, de mais de três milhões e 180 mil euros, um aumento significativo quando comparado com os anos anteriores, já que em 2021 teve uma facturação de mais de 585 mil euros e, em 2020, de mais de 657 mil euros.

“Quando iniciámos a nossa actividade, entrámos num mercado que já se encontrava em crescimento e resolvemos por isso profissionalizar a oferta de serviços de gestão de forma a trazer as melhores experiências aos hóspedes e, claro, uma maior rentabilidade aos nossos clientes. Hoje, dispomos de um serviço premium que ajuda os proprietários de alojamento local desde o início, ou seja, desde o processo de decoração do imóvel, a estratégias de preços assim como todos os aspetos diários inerentes à gestão completa da sua propriedade”, afirma William Tonnard, CEO da LovelyStay.

Para 2022, já considerado um dos melhores anos para o turismo em Portugal, a expectativa é que a LovelyStay continue a faturar pelo menos 30% acima da concorrência. A expectativa da empresa é de fechar o ano com uma rentabilidade bruta, ao nível de reservas para os seus proprietários, de mais de 18 milhões de euros.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

OBO Bettermann Portugal recebe prémio “Fornecedor do ano” pela AGEFE

Recebido pelo segundo ano consecutivo, este prémio visa distinguir as empresas fornecedoras que, na perspectiva dos distribuidores, introduzem mais valor na sua relação com a distribuição

A OBO Bettermann Portugal recebeu a distinção de “Fornecedor do Ano” pela Associação Empresarial dos Setores Eléctrico, Electrodoméstico, Fotográfico e Electrónico (AGEFE), pelo segundo ano consecutivo. Este prémio visa distinguir as empresas fornecedoras que, na perspectiva dos distribuidores, introduzem mais valor na sua relação com a distribuição.

Ainda enquadrado na 8ª edição dos prémios da AGEFE a OBO Bettermann foi, também, pelo segundo ano consecutivo a empresa vencedora na categoria de “Material de Instalação”.

De acordo com a OBO Bettermann, este reconhecimento surge “no seguimento da estratégia de proximidade e de serviço de excelência que a empresa tem tido junto dos seus clientes e parceiros e que contou com a votação dos nossos clientes, o que vem confirmar que continuamos no caminho certo”, refere Pedro Faria, director geral da OBO Bettermann Portugal.

Depois de dois anos muito difíceis, em 2020 e 2021, em que também os desafios foram adicionais, a empresa tomou diversas medidas adicionais para reforçar a qualidade do serviço e apoio ao mercado português durante este período, nomeadamente “continuar o foco na entrega de um serviço de excelência disponibilizando um stock diversificado, rapidez de entrega (em 24h), e um apoio técnico e comercial próximo e colaborativo”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

Câmara de Lisboa extingue concurso para central fotovoltaica em Carnide

A proposta foi aprovada após a retirada da única proposta apresentada, pelo valor de 1,7 milhões de euros

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a extinção do concurso para construção de uma central fotovoltaica em Carnide, após a retirada da única proposta apresentada, pelo valor de 1,7 milhões de euros.

Em 23 de Dezembro de 2021, o único concorrente a concurso, a ENGIE Hemera, comunicou à Câmara de Lisboa que, “por manifestamente ultrapassado o prazo de 120 dias para a manutenção da proposta, a retirava”, decisão que foi aceite “face à manifesta verdade do facto invocado”, lê-se na proposta apresentada pela vereadora da Manutenção e Obras Municipais, Filipa Roseta (PSD), e pelo vereador da Estrutura Verde e Plano Verde, Ângelo Pereira (PSD).

Em reunião privada da câmara, revelada no Diário de Notícias, a proposta foi aprovada por maioria, com duas abstenções, uma do BE e outra do independente do Cidadãos por Lisboa (eleito pela coligação PS/Livre), e com os votos a favor dos 15 restantes membros do executivo municipal (constituído por 17 eleitos no total), nomeadamente sete da liderança PSD/CDS-PP, cinco do PS, dois do PCP e um do Livre.

“A retirada da única proposta a concurso determinou enquanto nexo de causalidade necessária, uma causa extintiva do procedimento”, refere a proposta, explicando que tal resulta numa “impossibilidade superveniente, efetiva, absoluta e definitiva, total” em adjudicar/contratar o “bem” a concurso.

Antes de a empresa ENGIE Hemera, S. A. ser a única a concurso, “pelo valor da sua proposta de 1.759.522,57 euros, mais IVA”, o relatório preliminar de análise e avaliação das propostas concluiu que a proposta economicamente mais vantajosa para a entidade adjudicante é a apresentada pelo CME – Construção e Manutenção Eletromecânica, S.A., “pelo valor da sua proposta de 1.992.160,28 euros, mais IVA”, mas a mesma acabou por ser excluída e houve lugar à apresentação de uma pronúncia pelo concorrente, a qual o júri decidiu recusar.

Em 15 de outubro de 2020, a Câmara de Lisboa, sob a presidência de Fernando Medina (PS), decidiu revogar, pela segunda vez, o concurso para a construção de uma central fotovoltaica em Carnide.

A autarquia aprovou a decisão de “não adjudicação, com a consequente revogação da decisão de contratar e anulação do cabimento da empreitada” de construção, montagem, operação e manutenção de uma central fotovoltaica, na freguesia de Carnide”.

No final de fevereiro de 2020, a Câmara de Lisboa aprovou, por unanimidade, o lançamento de um novo concurso para a construção de uma central fotovoltaica em Carnide, no valor de dois milhões de euros, depois de o primeiro ter ficado deserto.

Conforme explicava a proposta, foram feitos três pedidos de prorrogação do prazo de apresentação de propostas, por parte de interessados, tendo o município autorizado, uma vez que os motivos prendiam-se com “a dificuldade na obtenção de orçamentos, devido à situação pandémica”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Investimento em imobiliário comercial quase duplica no primeiro trimestre

O investimento em imobiliário comercial atingiu os 380 milhões de euros no primeiro trimestre de 2022, quase o dobro em relação ao período homólogo do ano anterior, de acordo com os dados divulgados pela CBRE

Os segmentos de logística e escritórios figuram entre as classes de activos que atraíram o maior volume de investimento. No caso de logística, o investimento em activos começa a tornar-se mais expressivo, com seis transacções concluídas no trimestre, e os escritórios mantêm o seu interesse.

A forte procura por activos logísticos continua a exercer pressão sobre as prime yields, que diminuíram 25 pontos base em relação ao trimestre anterior, tanto em Lisboa como no Porto. Nuno Nunes, director de capital markets da CBRE Portugal, mostra-se, por isso, menos optimista face à evolução das yields. “Antecipamos um efeito de compressão, nomeadamente em logística, determinadas zonas de escritórios e retalho alimentar, suportada num expectável crescimento de renda decorrente de uma procura, em alguns casos, ainda superior à oferta disponível, que deverá ser monitorizado com atenção, pois existem vários factores de risco relevantes no horizonte”, alerta.

Já Cristina Arouca, directora de Research da CBRE Portugal, refere que: “apesar da subida das taxas de juro, existe actualmente uma elevada liquidez para investir no sector imobiliário. Não obstante, podemos ver o adiamento de algumas operações de forward funding e forward purchase devido à incerteza relacionada com o aumento dos custos de construção.”

A CBRE antecipa um forte volume de investimento ao longo do ano e prevê que o volume de negócios ultrapasse a referência dos três mil milhões de euros que se verificava antes da pandemia, podendo mesmo ser alcançado um novo recorde em 2022

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Sonae Arauco vence Green Product Award 2022

O prémio internacional reconhece o compromisso da empresa com o desenvolvimento sustentável. A utilização de madeira reciclada em algumas gamas de produto já excede os 65%. Concorreram a esta edição mais de 1500 participantes, de 54 países

A gama de produtos decorativos Innovus MFC, da Sonae Arauco, venceu o Green Product Award 2022, na categoria Interior & Estilo de Vida. O prémio internacional na área do design sustentável distingue, anualmente, produtos e serviços inovadores que já se estabeleceram no mercado.

Innovus MFC é um painel decorativo em aglomerado de partículas de madeira, revestido com uma superfície melamínica para aplicações interiores. O produto destaca-se pelas suas propriedades antibacterianas e resistência a manchas e riscos. A gama contempla ainda soluções com características adicionais de desempenho, tais como resistência melhorada ao fogo (FR) ou resistência adicional à humidade (MR). Com a incorporação de madeira reciclada e a superfície de alta tecnologia, Innovus MFC conjuga componentes estéticas, performance técnica e sustentabilidade ambiental.

Segundo Nils Bader, fundador do Green Product Award e diretor do Green Future Club: “O vencedor Innovus MFC prova que a sustentabilidade, o design e a inovação podem combinar na perfeição com um estilo de vida e um futuro mais ecológicos”. Por sua vez, João Berger, Chief Marketing & Sales Officer da Sonae Arauco, sustenta que “é com orgulho e com o sentimento de trabalho bem feito que recebemos este Green Product Award, um reconhecimento importante do mercado sobre a forma como a nossa principal colecção endereça o desafio das alterações climáticas”. Para este respnsável, “no futuro, esta é a tendência que vai afectar mais o negócio e, no caso da Sonae Arauco, estamos bem posicionados. Entregamos ao mercado soluções à base de madeira, que retêm dióxido de carbono, e fazemo-lo através de uma coleção de excelência”, afirma.

Valorização da madeira como matéria-prima natural, reutilizável e reciclável
A economia circular é um dos pilares do modelo de negócio da Sonae Arauco. A madeira utilizada nos produtos provém de fontes sustentáveis, certificadas ou controladas, sendo continuamente incorporada no processo industrial, e tem uma notável capacidade de armazenar CO2.

Em 2021, com os produtos que colocou no mercado, a empresa foi responsável pela retenção de cerca de 3,5 milhões de toneladas de CO2. Recentemente, a Sonae Arauco subscreveu o primeiro financiamento ligado ao seu desempenho de sustentabilidade e compromete-se, até 2026, a aumentar em 19% o volume de madeira reciclada incorporada nos seus produtos e estabelece ainda como meta a diminuição dos acidentes de trabalho com baixa médica.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

Ordem propõe ao Governo revisão para aceleração de resolução de conflitos na Contratação Pública

Apoiar o Governo na sua adesão a Centros de Arbitragem, a criação da figura do engenheiro-orçamentista certificado e, ainda, promover durante o mês de Junho um grande debate nacional sobre a dinamização do PRR e PNI2030 são algumas das medidas propostas

CONSTRUIR

A Ordem dos Engenheiros propôs ao Governo a revisão de algumas propostas com vista à para aceleração de resolução de conflitos na Contratação Pública. Mas não só. Em reunião com Mariana Vieira da Silva, Ministra da Presidência, Fernando de Almeida Santos, bastonário da Ordem dos Engenheiros, transmitiu “a disponibilidade da Ordem em colaborar com o Governo em áreas estratégicas para o desenvolvimento do País”, nomeadamente sobre o tema da Contratação Pública e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Para ajudar a enfrentar o problema da litigância nos contratos, o Bastonário disponibilizou-se a apoiar o Governo na sua adesão a Centros de Arbitragem aquando de contratação pública através da integração de engenheiros. O Bastonário defendeu, também, a criação da figura do engenheiro-orçamentista certificado, como solução para uma maior responsabilização técnica dos preços-base. Foram, ainda, discutidas metodologias de concepção-construção.

Fernando Almeida Santos manifestou, ainda, a intenção de promover, durante o mês de Junho um grande debate nacional sobre a dinamização do PRR e Programa Nacional de Investimentos 2030 (PNI2030).

Na audiência, estiveram, igualmente, André Moz Caldas, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros e Lídia Santiago, vice-presidente da Ordem.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Hipoges com crescimento de 35% em 2021

2021 foi um ano de forte crescimento para a empresa de asset management, que atingiu os 5.000 milhões de euros em activos sob gestão. 2021 foi ainda um ano de expansão, que levou a empresa a deixar cair a “Iberia” do nome para abraçar o mercado italiano

CONSTRUIR

A Hipoges, empresa de asset management, voltou a realizar o seu evento anual interno Town Hall. O evento online e transmitido em streaming ficou marcado pelos números do grupo em 2021. No ano transacto o grupo atingiu os 5.000 milhões de euros em activos sob gestão e registou um crescimento na ordem dos 35%.

O servicer conseguiu 13 novos clientes, presta actualmente serviços corporativos a mais de 50 empresas e reforçou a sua equipa que já conta com mais de 1.000 colaboradores divididos pelos quatro países onde opera – Portugal, Espanha, Grécia e Itália.

O evento ficou ainda marcado pelo anúncio de novas metas para 2022. Para este ano o grupo propõe-se a novos desafios com a aposta noutras linhas de negócio e a superar os objectivos alcançados em 2021.
Com destaque para a nova linha de negócio, Rentals Management, com 3.000 activos sob gestão e para a incorporação da Domus Residential Services, para a comercialização de promoções e activos complexos.

O ano de 2021, para o grupo, também ficou marcado pela incorporação da plataforma italiana Axis S.p.A e que permitiu ao servicer melhorar a oferta aos seus clientes. Esta contínua expansão europeia assinala também a transição da designação da empresa para unicamente Hipoges, deixando assim cair o Iberia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal de Arquitectura Lisboa: “Como desenhar o diálogo?”

Wilfried Kuehn, co-fundador do atelier berlinense Kuehn Malvezzi, e Clara Simay, co-fundadora da cooperativa parisiense Grand Huit, são os convidados do último ciclo de conferências Campo Comum, que decorre dia 25 de Maio, no CCB

CONSTRUIR

Wilfried Kuehn, co-fundador do atelier berlinense Kuehn Malvezzi, e Clara Simay, co-fundadora da cooperativa parisiense Grand Huit, são os convidados do último ciclo de conferências no âmbito do Campo Comum, promovido pela Trienal de Lisboa e com curadoria: Diana Menino e Felipe De Ferrari, trazem ao debate projectos específicos onde têm actuado como designers, facilitadores e mediadores: da primeira casa do mundo para o culto de três religiões, à quinta urbana de policultura para a integração económica e alojamento de pessoas vulneráveis.

A última sessão do programa Campo Comum, que irá decorrer no dia 25 de Maio, na sala Luís de Freitas Branco, no CCB, foca-se na co-existência, na arquitectura como um quadro para encontros frutíferos entre diferentes utilizadores e comunidades. Se as últimas décadas têm sido definidas por uma forte sensação de fragmentação, consequência directa tanto do capitalismo como do neoliberalismo que nos rodeiam, parece que agora há a vontade de enfrentar os desafios da nossa época em conjunto.

Esta série de conferências assume a arquitectura como uma atitude estratégica face ao espaço e aos recursos. Ao adoptar uma postura crítica e optimista, pode abordar a realidade de formas radicais, revelando contradições e potencial, e desenvolvendo projectos que viabilizem ideias emancipatórias, construindo assim um campo comum. Essa abordagem pode ser concebida como um processo cumulativo de constante apropriação, imitação, repetição, tradução e recontextualização com pensamento aberto – incluindo pragmatismo e humor – baseado na revisão cuidadosa da realidade material e das condições sociais. Explorar esses fios leva-nos a uma forma colectiva de construção.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.