Edição digital
Assine já
Arquitectura

Primeiro-ministro italiano pede ajuda a Renzo Piano na reconstrução de zona afectada pelo sismo

“Não se deve remover as pessoas dos seus lugares, deve-se reconstruir as casas onde estavam. Tirar as pessoas dos seus lugares é um acto cruel e é acrescentar sofrimento ao sofrimento”,

Ana Rita Sevilha
Arquitectura

Primeiro-ministro italiano pede ajuda a Renzo Piano na reconstrução de zona afectada pelo sismo

“Não se deve remover as pessoas dos seus lugares, deve-se reconstruir as casas onde estavam. Tirar as pessoas dos seus lugares é um acto cruel e é acrescentar sofrimento ao sofrimento”,

Sobre o autor
Ana Rita Sevilha
Artigos relacionados
Metro do Porto: Falta de qualificação da mão-de-obra preocupa e atrasa trabalhos
Construção
MALEO abre no Parque das Nações sétimo espaço de escritórios em Lisboa
Imobiliário
CIM Alto Minho assina carta de intenções com delegação indiana
Empresas
Grupo BÖWE investe 7,87 M€ no desenvolvimento de Robots Móveis Autónomos
Empresas
Gaia terá o primeiro ‘Laboratório de Cidades relacionais ‘ em Portugal
Construção
Trienal de Lisboa inaugura os dois últimos ‘Projectos Independentes’
Arquitectura
Ventura + Partners na lista das “melhores firmas de arquitectura do mundo”
Arquitectura
162M€ destinados à criação de 3000 fogos de habitação pública em Cascais
Construção
B.Prime comercializa terreno para projecto logistico
Imobiliário
Hyatt com novo resort em Portugal em 2024
Imobiliário

earthquakeitaly-1626146_1280

O primeiro-ministro da Itália – Matteo Renzi -, reuniu com o arquitecto Renzo Piano e pediu-lhe para desempenhar um papel de liderança no plano de prevenção e reconstrução da zona centro de Itália, que no passado dia 24 de Agosto foi afectada por um terramoto fazendo centenas de mortos e deixando cerca de 3000 edificações danificadas.

Após a reunião com Piano, Matteo Renzi lançou um Plano Nacional com o objective de discutir estratégias de habitação para os sobreviventes e de reconstruir as cidades medievais atingidas pelo sismo.

De acordo com o The Guardian, Renzo Piano sublinhou que “a reconstrução deve ser feita e coordenada de forma sábia e rápida” e “sobretudo com o envolvimento das pessoas afectadas”.

Em declarações ao jornal britânico, Piano referiu que Itália tem de reforçar a legislação. “Requisitos anti-sismo devem ser inseridos nas leis do país para tornar as nossas casas seguras”.

O plano de reconstrução apresentado consiste em três etapas: limpeza de escombros e quantificação de danos; recolocação das famílias afectadas em abrigos de emergência e reconstrução das habitações nos mesmos locais em que estavam antes do sismo.

Renzo Piano alertou para o facto de que “não se deve remover as pessoas dos seus lugares, deve-se reconstruir as casas onde estavam. Tirar as pessoas dos seus lugares é um acto cruel e é acrescentar sofrimento ao sofrimento”, explicou. O arquitecto destacou também a prioridade de reconstruir as estruturas públicas, como hospitais e escolas.

O governo italiano espera dentro dos próximos seis meses recolocar as cerca de 2900 pessoas desalojadas pelo sismo e actualmente a viver em abrigos de emergência em casas de madeira. A segunda fase do plano, que integra a reconstrução das cidades danificadas, deverá arrancar dentro de seis a oito meses.

 

 

 

Sobre o autorAna Rita Sevilha

Ana Rita Sevilha

Mais artigos
Artigos relacionados
Metro do Porto: Falta de qualificação da mão-de-obra preocupa e atrasa trabalhos
Construção
MALEO abre no Parque das Nações sétimo espaço de escritórios em Lisboa
Imobiliário
CIM Alto Minho assina carta de intenções com delegação indiana
Empresas
Grupo BÖWE investe 7,87 M€ no desenvolvimento de Robots Móveis Autónomos
Empresas
Gaia terá o primeiro ‘Laboratório de Cidades relacionais ‘ em Portugal
Construção
Trienal de Lisboa inaugura os dois últimos ‘Projectos Independentes’
Arquitectura
Ventura + Partners na lista das “melhores firmas de arquitectura do mundo”
Arquitectura
162M€ destinados à criação de 3000 fogos de habitação pública em Cascais
Construção
B.Prime comercializa terreno para projecto logistico
Imobiliário
Hyatt com novo resort em Portugal em 2024
Imobiliário
Construção

Metro do Porto: Falta de qualificação da mão-de-obra preocupa e atrasa trabalhos

As condições precárias e os baixos salários já fizeram com que mais de 300 mil trabalhadores abandonassem o sector em Portugal

“A causa principal dos atrasos na obra do metro do Porto é a grande quantidade de trabalhadores não qualificados”, denuncia Albano Ribeiro, do Sindicato da Construção de Portugal, que avança já ter pedido audiência com a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Em causa estão os atrasos das obras de metro do Porto, que levaram inclusive o presidente da Câmara Municipal a fazer um ultimato à administração da Metro, pelos 215 dias de atraso na linha Rosa e no metrobus da Boavista, recusando assim autorizar novas empreitadas até à conclusão da linha mencionada.

Depois da notícia avançada na passada sexta-feira (11 de novembro), chega a vez da Construção desvendar os principais problemas que estão a implicar os sucessivos atrasos numa das maiores obras do norte do país.

Para Albano Ribeiro, do Sindicato da Construção de Portugal, além das características arqueológicas da cidade, o problema reside, essencialmente, na falta de mão de obra qualificada. Entre operários e quadros superiores, diz o dirigente sindical que estão cerca de 800 trabalhadores alocados às obras do metro, a maior parte sem qualquer experiência prévia no setor da construção.

As condições precárias e os baixos salários já fizeram com que mais de 300 mil trabalhadores abandonassem o sector em Portugal, o que levou o Sindicato a pedir uma audiência com a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a fim de encontrar solução para o setor.

A alternativa, diz o sindicalista, passa pelos centros de formação, que deveriam voltar a qualificar pessoal, para um setor cada vez mais envelhecido.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

MALEO abre no Parque das Nações sétimo espaço de escritórios em Lisboa

Com um total de 3.000 m2, o espaço na Torre A, na Av. D. João II, 11, encontra-se dividido em 10 pisos e oferece os habituais serviços premium da marca. Esta é a segunda abertura do ano, após a inauguração do centro de Sete Rios no passado mês de Abril

CONSTRUIR

O especialista em soluções de escritórios flexíveis e adaptáveis, a Maleo abre no Parque das Nações o sétimo espaço de escritórios em Lisboa, na Torre A, na Av. D. João II, 11.

Com um total de 3.000 m2, o espaço encontra-se dividido em 10 pisos e oferece os habituais serviços premium da marca, com projectos exclusivos de escritório à medida, espaços equipados e com serviços de salas de reunião, business lounge, equipa de recepção, além de todo o suporte tecnológico e apoio logístico. Além disso, integra também um Sports Lounge, espaço destinado exclusivamente a todos os clientes Maleo de cada um dos sete centros.

Esta é a segunda abertura do ano, após a inauguração do centro de Sete Rios no passado mês de Abril. “É um crescimento que resulta, em larga medida, da capacidade de oferta de soluções flexíveis, que respondem às necessidades de cada caso. Como consequência, as empresas identificam a Maleo como um parceiro que responde a todas as suas necessidades logísticas”, indica a empresa em comunicado.

No seu conjunto, os sete centros Maleo totalizam agora cerca de 17.500 m2. Aos espaços República 18, Liberdade 245, Castilho 52, Mouzinho da Silveira, Parque das Nações e Sete Rios, junta-se agora o segundo centro no Parque das Nações. No global, a Maleo conta com um investimento a rondar os 8 milhões de euros.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

CIM Alto Minho assina carta de intenções com delegação indiana

No âmbito desta visita, foi assinada uma carta de intenções tendo em vista a promoção de uma cooperação concreta sobre desenvolvimento urbano sustentável e economia circular, com destaque para os (bio)resíduos

CONSTRUIR

A Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho) recebeu esta segunda-feira, dia 14 de Novembro, nas suas instalações de Ponte de Lima, uma delegação indiana da cidade de Jamshedpur, que se encontra de visita ao território para conhecer iniciativas inovadoras e boas práticas relacionadas com o desenvolvimento urbano sustentável e a economia circular, com foco na gestão de resíduos sólidos.

Esta visita faz parte do programa Internacional de Cooperação Urbana e Regional (IURC), vinculado à União Europeia, que promove encontros entre cidades e regiões de todo o mundo para partilhar soluções para problemas comuns e desenvolver acções voltadas para as principais agendas internacionais.

No âmbito desta visita, foi assinada uma carta de intenções tendo em vista a promoção de uma cooperação concreta sobre desenvolvimento urbano sustentável e economia circular, com destaque para os (bio)resíduos, não descurando outras áreas de trabalho como a transição ecológica; a renovação urbana e coesão social; e ecossistemas/ sectores estratégicos inovadores, sustentáveis e neutros em carbono.

O desenvolvimento de um plano de acção será o corolário deste processo de cooperação, que se vai estender até Dezembro de 2023, englobando ainda outras iniciativas, nomeadamente a realização de visitas de intercâmbio e a participação nas actividades do IURC.

No decorrer desta semana, a delegação de Jamshedpur terá a oportunidade de conhecer o trabalho de um conjunto de entidades e empresas do Alto Minho com responsabilidades, entre outras, nas áreas da gestão dos resíduos sólidos urbanos, tratamento de água potável e águas residuais ou na coesão social e económica de territórios transfronteiriços. O programa inclui ainda a passagem por alguns locais de visitação turística como a fortaleza de Valença, a Porta do Lindoso e o centro histórico de Ponte da Barca.

Refira-se que Jamshedpur foi a primeira cidade industrial estrategicamente projectada na Índia moderna, fundada em 1919, por Jamsetji Tata, criador do Grupo Tata.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Grupo BÖWE investe 7,87 M€ no desenvolvimento de Robots Móveis Autónomos

O investimento na MOV.AI, uma startup que tem apostado em revolucionar o desenvolvimento de AMR’s, reflecte “a visão estratégica da BÖWE sobre a robótica no futuro da automação”

CONSTRUIR

O Grupo BÖWE, um dos principais fornecedores de tecnologia integrada de automação com sede na Alemanha e presente em Portugal há mais de 40 anos, anunciou um investimento de cerca de 8,2 milhões de dólares (7,87 milhões de euros) na MOV.AI, uma startup que tem apostado em revolucionar o desenvolvimento de Robots Móveis Autónomos (AMR’s).

O investimento, liderado pelo Grupo BÖWE, inclui os investidores já existentes da MOV. AI – State of Mind Ventures, NFX e Viola Ventures e “reflecte a visão estratégica da BÖWE sobre a robótica no futuro da automação e é um voto de confiança na abordagem inovadora da MOV.AI ao software de robots”.

Com um papel “cada vez mais importante na cadeia de abastecimento, especificamente na intralogística”, a ABI Research estima que a nível global, os robots móveis nos armazéns vão crescer cerca de 40% entre 2021 e 2030, podendo atingir mais de 500 mil envios globais. 

“Estamos muito optimistas na capacidade da MOV.AI para modernizar o mercado da robótica, um mercado que é um pilar fundamental na automação industrial moderna e está preparado para o hiper crescimento”, afirma Joachim Koschier, managing director do Grupo BÖWE.

A MOV.AI Robotics Engine Platform altera a forma como os AMR’s são construídos, separando o software do hardware e oferecendo aos fabricantes de AMR e integradores de automação as ferramentas de qualidade empresarial de que necessitam para uma automatização avançada, permitindo a implementação dos AMR’s em menos tempo, ao mesmo tempo, que garante um funcionamento seguro com a operação ininterrupta em ambientes de negócios e operacionais em constante mudança.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Gaia terá o primeiro ‘Laboratório de Cidades relacionais ‘ em Portugal

Com o objectivo de “criar projectos de reflexão prática para cidades mais humanizadas”, o protocolo destina-se a alavancar estudos em articulação com várias universidades e o envolvimento de diferentes actores sociais

CONSTRUIR

Vila Nova de Gaia vai receber o primeiro Laboratório de Cidades Relacionais, um projecto pioneiro a nível nacional que decorre de um protocolo de cooperação entre a Gaiurb e o Instituto Padre António Vieira (IPAV) que será assinado esta quinta-feira, dia 17 de Novembro.

O Laboratório de Cidades Relacionais terá instalações na Casa dos Ferradores, na Rua Cândido dos Reis, em Vila Nova de Gaia, e marcará o arranque de uma articulação entre as duas entidades para um urbanismo mais orientado para as pessoas.

Com o objectivo de “criar projectos de reflexão prática para cidades mais humanizadas”, o protocolo destina-se a alavancar estudos em articulação com várias universidades e o envolvimento de diferentes actores sociais para analisar e impactar dinâmicas do quotidiano do urbanismo.

O modelo, já aplicado em Inglaterra, França ou Estados Unidos, chega agora a Portugal, onde “o desafio de pensamento híbrido será o ponto de partida para avaliar o impacto de projectos, medidas e soluções urbanas”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Trienal de Lisboa inaugura os dois últimos ‘Projectos Independentes’

Ambas as exposições, ‘Inquietação. Arquitectura e Energia em Portugal’ nas Galerias Municipais, na Av. da Índia, e ‘River Somes’ nas Carpintarias de São Lázaro, inauguram esta quinta-feira, dia 17 de Novembro

CONSTRUIR

A Trienal de Lisboa 2022 inaugura esta semana os dois últimos ‘Projectos Independentes’ que se reúnem aos restantes já inaugurados no passado 5 de Novembro para este que é o último mês da passagem de mais uma edição da Trienal de Lisboa pela capital.

Neste sentido, esta quinta-feira, 17 de Novembro, inaugura às 16 horas, nas Galerias Municipais – Galeria da Av. da Índia,  ‘Inquietação. Arquitectura e Energia em Portugal’, com a presença dos artistas e curadores envolvidos na exposição. Este projecto aborda o “emaranhado” entre arquitectura e energia no século XX, utilizando Portugal como exemplo e tendo em conta as transformações actuais.

“Na era do Antropoceno, quando a humanidade actua sobre os ciclos e sistemas globais e num momento de crise climática, a arquitectura tem um papel de mediação para lá de soluções activas ou passivas, através de uma reflexão sociocultural”, explica a curadoria.

No mesmo dia, a partir das 17 horas, nas Carpintarias de São Lázaro, tem lugar a inauguração de ‘River Somes’. Este ‘Projecto Independente’ propõe a regeneração e renaturalização fluvial para interligar as diversas comunidades que habitam a cidade de Cluj-Napoca, na Roménia, e relacioná-las com a fauna e flora locais, já muito afastadas do seu habitat natural nas margens do rio Somes. “Através da arquitectura, uma equipa multidisciplinar une esforços para um novo quadro de diálogo e interacção que encontre novas respostas para o problema do crescimento urbano”, indica o atelier responsável.

A Trienal de Lisboa 2022 encerra a 5 de Dezembro mas alguns projectos continuarão patentes até 2023.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Ventura + Partners na lista das “melhores firmas de arquitectura do mundo”

O atelier conquistou, assim, a segunda presença nesta que é a quarta edição da A+ List, promovida pela
Architizer e que resulta dos A+Awards, que dá a conhecer os projectos mais inovadores e recém-concluídos

CONSTRUIR

Depois de em 2020 já ter conquistado este reconhecimento, a Ventura + Partners está presente, mais uma vez, na lista das melhores firmas de arquitectura do mundo. “The A+List: 196 Architecture and Design Firms to Watch”, promovida pela Architizer, é construída anualmente com base nos resultados do programa A+Awards que dá a conhecer os projectos mais inovadores e recém-concluídos em todo o mundo.

A Ventura + Partners conquistou, assim, a segunda presença nesta que é a quarta edição da A+ List, e dá provas da sua força nacional e internacional. Depois de ter sido distinguido em 2020, o gabinete de arquitectura sediado no Porto recebe, em 2022, a distinção que faz referência ao projecto de ampliação do Serviço de Medicina Intensiva do Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, vencedor do prémio Public Vote Winner, 10th Annual A+Awards, Architecture +Health.

A par da Ventura + Partners fazem parte da A+ List nomes de referência da arquitetura mundial: Skidmore, Owings & Merrill (SOM), Zaha Hadid Architects, MVRDV, Mecanoo e Kengo Kuma & Associates.

“Este é mais um reconhecimento internacional que consolida o trabalho da Ventura + Partners, posicionando-a entre os melhores escritórios de arquitetura do mundo e empresas com visão de futuro, com projectos desafiantes e que respondem às necessidades dos clientes de uma forma diferenciada”, considera o atelier.

A Ventura+Partners foi fundada em 1994, no Porto, mas já tem presença em Lisboa e a nível internacional, contando com escritórios em Paris e Nova Iorque. Actualmente já emprega cerca de 140 colaboradores espalhados pelos vários gabinetes. Em 2021 venceu a distinção de “Empresa do Ano 2021”, pela Architecture Masterprize, sendo o único gabinete de arquitectura português na lista de 18 empresas distinguidas nas várias categorias. A este prémio juntam-se, também no ano passado, a distinção pela Architizer com uma menção honrosa na categoria de “Melhor Empresa de Grande Dimensão” e o destaque pela Deezen como um dos “Gabinetes de Arquitectura do ano”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

162M€ destinados à criação de 3000 fogos de habitação pública em Cascais

São 2.869 fogos nos quais vão ser investidos mais de 162 milhões de euros. Destinam-se a jovens e classe média do concelho e abrangem um total de 7.387 pessoas. O investimento é repartido entre administração central e local e o acordo foi assinado hoje pelo presidente do município, Carlos Carreiras, e o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos

CONSTRUIR

Destes 2.869 fogos, 929 vão ser construídos de raiz (800 em terrenos camarários já existentes e 129 em terrenos que a autarquia vai adquirir) e os restantes 1940 são ser alvo de total requalificação. Todos fazem parte da Estratégia Municipal de Habitação (EMH) e representam um acréscimo de 30% no actual parque habitacional de Cascais.
Do total dos 162.346.766,00€, 58.622.196,00€ são comparticipação do IHRU, 44.831.634,00€ vem de empréstimo bonificado e 58.892.936€ são investimento da Câmara de Cascais.

A reabilitação destes 1940 fogos consiste em efectuar melhoramentos nas fachadas dos prédios com aplicação de isolamento térmico, na alteração dos vãos envidraçados para novos vãos com corte térmico, substituição das colunas de abastecimento de água nas áreas comuns, na requalificação de iluminação das áreas comuns através da implementação de luz led e de sensor, na instalação de painéis fotovoltaicos para produção de energia para as áreas comuns e na reabilitação ou substituição de coberturas.

À parte destes investimentos comparticipados, o município de Cascais tem vindo a desenvolver projectos que visam a promoção de alojamento para estudantes (reabilitação do Mosteiro de Santa Maria do Mar em Sassoeiros com cerca de 50 camas), a promoção de residências para pessoas portadoras de deficiência em instituições como a Cercica e o CRID, para cerca de 100 pessoas, num total de investimento de 10M€. Ou ainda o apoio às Estruturas Residenciais Para Pessoas Idosas (ERPI), neste momento com 400.

A finalizar, e face aos valores do mercado de arrendamento e tendo em conta a dificuldade de acesso para determinados profissionais deslocados, o município está a desenvolver um programa de promoção de alojamento para profissionais em funções essenciais, como polícias, bombeiros, profissionais de saúde e professores.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

B.Prime comercializa terreno para projecto logistico

O terreno, localizado no concelho de Cascais, tem projecto aprovado para a construção de um armazém logístico ou industrial de cerca de 4 mil m2

CONSTRUIR

A B. Prime foi mandatada, em regime de exclusividade para comercializar um terreno para projecto logístico, localizado no concelho de Cascais. Com cerca de 12 mil m2, o terreno tem projecto aprovado para a construção de um armazém logístico ou industrial de cerca de 4 mil m2.

Junto aos acessos da A37 e A5, este espaço localiza-se numa área logística fortemente consolidada pela presença de empresas como a Obo Bettermann, a Tabaqueira, a Aralab, a Rauschert, a Vitrohm, entre outras.

Esta localização e o projeto, em si, permitem que o edifício construído possa ser a sede de um único operador, ou em alternativa, poderá ser criado um pequeno parque de armazéns.

Este tipo de activos que permite a construção de empreendimentos logísticos tem tido um peso muito relevante no mercado de investimento português, devido ao desequilíbrio que permanece entre a forte procura e a escassa oferta, de qualidade. Este facto traduz-se na contínua aposta, no nosso país, de investidores internacionais que são especializados na promoção de imóveis logísticos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Hyatt com novo resort em Portugal em 2024

O futuro Dreams Madeira Resort Spa & Marina, em Porto Santo, marcará a entrada do portfólio de marcas da Inclusive Collection em Portugal

CONSTRUIR

A Hyatt Hotels anunciou esta terça-feira, dia 15 de Novembro, planos para a expansão da Hyatt’s Inclusive Collection, um novo portfólio global de marcas de resorts de luxo com tudo incluído, para Portugal com o Dreams Madeira Resort Spa & Marina. No seguimento dos planos de expansão da Hyatt’s recentemente anunciados para cinco resorts com tudo incluído na Bulgária, a estreia planeada do Dreams Madeira Resort Spa & Marina marcará a entrada do portfólio de marcas da Inclusive Collection em Portugal, seguindo a presença de marcas com tudo incluído em Espanha e Grécia e introduzindo o conceito de assinatura Unlimited-Luxury no destino de visita obrigatória.

Dreams Madeira Resort Spa & Marina tem data de abertura prevista para  o início de 2024, assim que as renovações estiverem concluídas.

“Com o Dreams Madeira Resort Spa & Marina, temos o prazer de anunciar planos para apresentar a Inclusive Collection a um dos principais destinos insulares da Europa, que atrairá diversos viajantes de todo o mundo que procuram experiências imersivas de resort com tudo incluído”, disse Jaime De La Mata, SVP de desenvolvimento de negócios para EMEA no Apple Leisure Group.

Situado numa localização privilegiada na serena ilha do Porto Santo, uma das principais atracções turísticas da Madeira, o resort Dreams Madeira Resort Spa & Marina contará com 366 quartos de luxo, desde quartos standard a moradias de luxo, bem como uma praia e marina privada. O resort será administrado operacionalmente pelo Apple Leisure Group, uma afiliada da Hyatt e propriedade de um investidor institucional que contará com a Okami Hotels para a gestão de activos da propriedade.

“Portugal representa um destino ideal para reforçar a nossa posição como líder na categoria de luxo com tudo incluído, ao mesmo tempo que aumenta a presença da nossa marca em destinos procurados que são importantes para os nossos hóspedes, membros do World of Hyatt, clientes, proprietários e operadores”, afirmou Javier Coll, presidente do Apple Leisure Group, supervisionando o Desenvolvimento e Inovação de Negócios Globais.

Os membros do World of Hyatt podem agora aproveitar os benefícios do programa, incluindo ganhar e resgatar pontos, em resorts Inclusive Collection imperdíveis em destinos como México, Costa Rica, Colômbia e Caribe. Espera-se que os resorts Inclusive Collection na Europa comecem a participar do World of Hyatt até o final do ano.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.