Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    EcoStruxure IT: A nova geração na gestão dos centros de dados

    Optimizar o rendimento da infraestrutura e mitigar os riscos, fornecendo visibilidade de todo o ecossistema do centro de dados, de proximidade e na cloud são as principais mais valias desta tecnologia

    CONSTRUIR
    Empresas

    EcoStruxure IT: A nova geração na gestão dos centros de dados

    Optimizar o rendimento da infraestrutura e mitigar os riscos, fornecendo visibilidade de todo o ecossistema do centro de dados, de proximidade e na cloud são as principais mais valias desta tecnologia

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Flex offices registam taxa de ocupação superior a 85%
    Imobiliário
    Porto: Zona do Pinheiro Manso recebe novo empreendimento
    Imobiliário
    Brasileiros, franceses, americanos, suíços e ingleses lideram top 5 de estrangeiros à procura de casa em Portugal
    Imobiliário
    IDB Lisbon recebe quatro novos inquilinos
    Empresas
    Um ano depois da aquisição da Predibisa, Savills regista forte crescimento no Norte
    Imobiliário
    Corian Design lança cores 2024 da gama Solid Surface
    Empresas
    Lã Mineral com alta resistência térmica Volcalis ALPHA PLUS 32
    Arquitectura
    Hera.coop representa investimento de 34M€
    Imobiliário
    Tektónica antecipa edição em 2025
    Construção
    B. Prime mandatada para gerir Lote 23 da Quinta Patino
    Imobiliário

    O EcoStruxure IT, da Schneider Electric, faz parte da nova geração de Gestão de Infraestrutura de Centro de Dados ou DCIM  (cuja sigla em inglês significa Data Center for Infraestructure Management), baseada na cloud e especialmente projectada para ambientes híbridos de TI e Centros de Dados, permitindo a sua integração na Internet of Things (IoT).
    Optimizar o rendimento da infraestrutura e mitigar os riscos, fornecendo visibilidade de todo o ecossistema do centro de dados, de proximidade e na cloud são as principais mais valias desta tecnologia-

    Alguns exemplos dessa aplicação são: a visibilidade completa de todo o ecossistema híbrido, a partir de qualquer lugar, com acesso directo a partir de um smartphone; Informação, alarmes inteligentes e monitorização através de um sistema aberto que recolhe dados de todos os dispositivos, independentemente do fornecedor; Previsão de possíveis riscos, aproveitando pontos de referência e análises globais disponíveis na base de dados do EcoStruxure; Facilidade de implementação através de um modelo de subscrição, para qualquer dimensão do ambiente de TI e Monitorização remota 24 horas por dia, 7 dias por semana, com o Service Bureau da Schneider Electric.

    “A crescente complexidade e diversidade dos ambientes críticos dos Centros de Dados, juntamente com a restrição ao nível dos orçamentos e recursos humanos, representam um desafio para os profissionais do sector. O primeiro passo para o superar é através de uma estratégia de gestão na cloud. O EcoStruxure IT fornece acesso e informações valiosas aos ambientes de Centros de Dados a partir de qualquer lugar, a qualquer momento e através de qualquer dispositivo”, diz Dave Johnson, Executive Vice President de IT Division da Schneider Electric.

    Dentro do EcoStruxure IT, a Schneider Electric continua a oferecer o StruxureWareTM para Centros de Dados, uma solução de monitorização e gestão de operações on-premise, adequada para Centros de Dados e implementações de TI de qualquer dimensão.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Flex offices registam taxa de ocupação superior a 85%
    Imobiliário
    Porto: Zona do Pinheiro Manso recebe novo empreendimento
    Imobiliário
    Brasileiros, franceses, americanos, suíços e ingleses lideram top 5 de estrangeiros à procura de casa em Portugal
    Imobiliário
    IDB Lisbon recebe quatro novos inquilinos
    Empresas
    Um ano depois da aquisição da Predibisa, Savills regista forte crescimento no Norte
    Imobiliário
    Corian Design lança cores 2024 da gama Solid Surface
    Empresas
    Lã Mineral com alta resistência térmica Volcalis ALPHA PLUS 32
    Arquitectura
    Hera.coop representa investimento de 34M€
    Imobiliário
    Tektónica antecipa edição em 2025
    Construção
    B. Prime mandatada para gerir Lote 23 da Quinta Patino
    Imobiliário
    PUB
    Empresas

    IDB Lisbon recebe quatro novos inquilinos

    A Pictet Technologies, UpHill, Mamma Team e Circutor, ocupam em conjunto mais de 4.800 m2 do edifício, tendo encontrado no hub o “lugar certo” para potenciar os seus negócios

    CONSTRUIR

    O IDB Lisbon – Innovation & Design Building Lisbon, edifício detido e gerido pela Jamestown, empresa global de investimento e gestão imobiliária, conta com quatro novos inquilinos. A Pictet Technologies, UpHill, Mamma Team e Circutor, que, em conjunto, ocuparam mais de 4.800 metros quadrados (m2) do edifício, encontraram no hub de inovação o “lugar certo” para potenciar os seus negócios, afirma a empresa.

    “Os escritórios que têm sucesso no mercado actual são hubs de lifestyle que oferecem às empresas uma comunidade e promovem interacções criativas” afirma Michael Phillips, presidente da Jamestown. “No IDB Lisbon, activámos o rooftop com arte, gastronomia e entretenimento, criando uma experiência dimensional e distinta que torna o edifício muito mais do que um local de trabalho. Estamos empenhados em criar uma rede global de centros de inovação e o IDB Lisbon é uma componente-chave desse programa mais amplo, que se estende de Berlim a Roterdão e de Nova Iorque à Área da Baía de São Francisco”, destaca.

    Fundada em 2016, a Pictet Technologies, que irá ocupar todo o 5º piso (2.644m2) do IDB Lisbon, é a fábrica de software de tecnologia financeira de ponta que serve exclusivamente as necessidades do grupo Suíço Grupo Pictet, um dos principais especialistas independentes em gestão de activos e património na Europa, fundado em 1805.

    Com o objectivo de desenvolver software e conteúdos médicos para a automação de jornadas de cuidados em hospitais e outras instituições, a startup portuguesa de série A, UpHill, irá ocupar mil m2 do IDB Lisbon, a partir do qual pretende continuar a criar soluções de primeira linha para o sector da saúde, após ter fechado, em Março, uma ronda de investimento de sete milhões de euros com o objectivo de duplicar a equipa e abrir escritórios em Espanha e no Reino Unido.

    Também a produtora com origem em Barcelona, Mamma Team escolheu este espaço para continuar a inspirar-se no desenvolvimento de conteúdos televisivos e fotográficos para agências, marcas e produtoras de todo o Mundo, arrendando mil m2 no 4º andar.

    A Circutor, também de origem espanhola, irá ocupar 160 m2 do IDB Lisbon, enquanto sede do seu primeiro escritório em Portugal, apesar de operar há mais de 20 anos no País e que irá agora disponibilizar um showroom e dar formação aos seus clientes sobre a área da mobilidade eléctrica e eficiência energética a partir do seu escritório nos Olivais.

    Com mais de 40 anos de experiência no mercado internacional, a Jamestown tem uma abordagem de propriedade e gestão a longo prazo e é conhecida pela revitalização de edifícios históricos em polos de inovação e centros comunitários de uso misto.

    A Jamestown está empenhada em criar uma rede global de centros de inovação com foco em tecnologia, media, gaming e em iniciativas climáticas. As propriedades europeias sob sua gestão incluem o Groot Handelsgebouw em Roterdão, uma carteira de edifícios no distrito Schinkel de Amesterdão, o Innovation and Design Building Lisbon, a Factory Lisbon, o Schanzenstrasse e o CIC Berlin. Nos Estados Unidos, a Jamestown é conhecida pelo One Times Square em Nova Iorque, Industry City em Brooklyn e Ponce City Market em Atlanta.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Corian Design lança cores 2024 da gama Solid Surface

    As novidades apresentam-se em 10 novas cores integradas em cinco colecções – Artista, Geologic, Terrazzos, Terrains e Atmosphere – concebidas para materializar a beleza existente da natureza em qualquer espaço de design, tanto em ambientes comerciais como residenciais

    CONSTRUIR

    A Corian Design apresenta a sua nova colecção de cores para 2024, aperfeiçoando o seu portfólio da Corian Solid Surface com uma gama de cores e opções de design, feitas à medida para elevar os “espaços a novos patamares”.

    As novidades apresentam-se em 10 novas cores integradas em cinco colecções – Artista, Geologic, Terrazzos, Terrains e Atmosphere – concebidas para materializar a beleza existente da natureza em qualquer espaço de design, tanto em ambientes comerciais como residenciais, onde cada espaço é uma tela para uma transformação “inspirada”. Muitas destas propostas têm por base componentes reciclados, causando impacto no design, mas não no ambiente.

    “Inspirados pela natureza, sempre em constante evolução, introduzimos estilos e designs inovadores que enriquecem os espaços trazendo uma sensação de natureza que é simultaneamente subtil e sofisticada”, afirma Andrea Albert, EMEA marketing leader da Corian Design. “Estamos particularmente entusiasmados por mostrar a integração de componentes reciclados na nossa mais recente paleta de cores, que reflectem o nosso compromisso de combinar estética com responsabilidade ambiental.”

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional

    Com recurso à Inteligência Artificial e a modelos matemáticos, o novo “digitalizador” de blocos de mármore vai permitir antecipar os diferentes desenhos dos veios, antes do corte, possibilitando a criação de catálogos. A tecnologia, desenvolvida pelo DER do Instituto Superior Técnico, está prestes a ser testada nas pedreiras do Alto Alentejo do Grupo Galrão

    CONSTRUIR

    Inserido na agenda mobilizadora ‘Stone4.0: Artificial Intelligence for Stone Products Valorization’, o novo projecto do Departamento de Engenharia de Recursos Minerais (DER) e Energéticos do Instituto Superior Técnico (IST), promete acelerar a competitividade das empresas do sector, através do recurso à Inteligência Artificial. Técnicos do DER estão a desenvolver um digitalizador de blocos de mármore, que podem chegar às 25 toneladas, o qual usa a IA para prever a textura interior, antecipando cortes e os desenhos dos veios que as placas poderão apresentar depois de cortadas. Uma funcionalidade que promete revolucionar o mercado global do mármore, com impacto directo na competitividade nas empresas portuguesas.

    “Como o padrão visual das placas depende do lado pelo qual se começa a cortar a pedra, a simulação digital que o DER está a preparar, através de modelos matemáticos, irá permitir visualizar, com precisão, toda a variedade de padrões diferentes que pode ser obtido a partir de um só bloco”, afirma Gustavo Paneiro, investigador e docente do DER. “Esta funcionalidade permitirá que, no futuro, os clientes das empresas portuguesas de pedra natural, sejam eles arquitectos, decoradores ou consumidores finais, tenham à sua disposição milhares e milhares de padrões num catálogo virtual. Será a sua escolha que irá determinar exactamente a forma como cada bloco será cortado, o que tornará as empresas parceiras muito mais eficientes e, por isso, competitivas no mercado mundial da pedra natural”, sustenta o investigador.

    O projecto está a ser desenvolvido em escala laboratorial nas instalações fabris do Grupo Galrão, em Pêro Pinheiro, pelo DER e pelo seu Centro de Recursos Naturais e Ambiente (CERENA). É financiado pelas verbas europeias das Agendas Mobilizadoras do PRR, programa de apoio a consórcios de empresas, universidades e centros de investigação para a inovação e criação de novos produtos e serviços de alto valor acrescentado. Para além do Grupo Galrão, estão envolvidos no projecto os grupos A. Bento Vermelho e Marmocazi, todos com grandes pedreiras no Alentejo Central. Participam também as tecnológicas Sevways Portugal e FrontWave, especializadas em pedra natural.

    Primeiro “digitalizador” nasce no Alto Alentejo
    O primeiro objectivo desta fase do projecto é montar um digitalizador de blocos nas pedreiras do Grupo Galrão em Estremoz e Vila Viçosa. Quando esse equipamento começar a funcionar, só sairão da pedreira para a fábrica em Pêro Pinheiro os blocos que, no seu interior, contenham padrões previamente seleccionados digitalmente e escolhidos pelos clientes.
    “A solução que está a ser desenvolvida DER permitirá a criação de um vasto stock virtual, apresentando duas vantagens fundamentais: a optimização do processo de transformação, ao possibilitar que os clientes escolham e comprem cada bloco no local de extracção, antes de ser transportado e cortado, e a significativa redução de desperdício. Este será, portanto, um processo mais eficiente e sustentável”, afirma Paulo Diniz, administrador do Grupo Galrão. “Esta é para nós uma vantagem competitiva significativa e que dá um novo sentido ao ‘Tudo Começa na Pedra’ da nossa assinatura”, sublinha o responsável.

    Eficiência que favorece a competitividade
    O trabalho dos engenheiros do DER e do CERENA começou muito antes, com a observação do mercado mundial das rochas ornamentais. “Chamou-nos muito a atenção o uso que foi dado a placas de mármore português com veios para o revestimento do novo Perelman Performing Arts Center, em Nova Iorque, construído no Ground Zero das Torres Gémeas, uma obra da Granoguli, uma empresa do grupo A. Bento Vermelho”, afirma Amélia Dionísio, professora e investigadora do DER. “Como há uma tendência crescente na arquitectura mundial para usar as características visuais naturais do mármore para fins de design na construção, o digitalizador que estamos a construir irá oferecer muitas mais pré-opções aos arquitectos e decoradores”, afirma. “Irá, sobretudo, permitir à indústria oferecer aos seus clientes peças que eles escolheram com uma precisão notável”, descreve Amélia Dionísio. “E irá fazê-lo quase sem desperdícios, o que era impensável até há muito pouco tempo”.
    A indústria percebe bem o potencial que o DER está a construir. “À medida que a aplicação industrial deste projecto se for tornando funcional, iremos usá-las nas plataformas electrónicas para comércio de pedras naturais em todo o mundo”, afirma Jorge Galrão, director de Exportação do grupo. “Prever o que está dentro dos blocos será útil em todos os segmentos de mercado, mas é nos mercados ‘premium’ muito exigentes dos Estados Unidos da América e do Médio Oriente, e em parte nos do Canadá, da Alemanha e de França, que ela pode ser mais valiosa: para corresponder a pedidos muito precisos e bem pagos, já não será preciso cortar blocos atrás de blocos para encontrar os padrões certos”, explica. “Bastará escolhê-los primeiro e, a seguir, cortá-los da forma certa para obterem exactamente as chapas pretendidas”.

    Este projecto do Departamento de Engenharia de Recursos Minerais e Energéticos do IST vai, a prazo, baixar radicalmente a matéria-prima necessária para cada encomenda, quer pela redução dos desperdícios, quer pelo aumento do valor comercial do mármore habitualmente subvalorizado. “Será mais um contributo do nosso ramo da engenharia para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e para a descarbonização deste sector da indústria mineral”, afirma a investigadora Amélia Dionísio.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    default

    Empresas

    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio

    A Samsung SDI irá fornecer as baterias de iões de lítio E5S que irá permitir a electrificação de um total de 48 comunas localizadas em cinco províncias de Angola, no âmbito do Projecto de Electrificação Rural de Angola que está em curso

    CONSTRUIR

    A MCA Deutschland GMBH, empresa pertencente ao Grupo MCA, e a Samsung SDI assinaram um contrato para o fornecimento de produtos e serviços destinados ao desenvolvimento do Projecto de Electrificação Rural em Angola, que está a ser desenvolvido pela construtora portuguesa.

    Este acordo consiste no fornecimento pela Samsung SDI de baterias de iões de lítio E5S, a serem incorporadas no sistema de armazenamento de baterias, que irá permitir a electrificação de um total de 48 comunas localizadas em cinco províncias de Angola (Malanje, Lunda Norte, Lunda Sul, Bié e Moxico). No total, o Projecto de Electrificação Rural de Angola abrange mais de 200 mil habitações e mais de um milhão de pessoas.

    O Projecto de Electrificação Rural em Angola inclui a construção de infraestruturas de distribuição de electricidade “verde” em três fases, compreendendo 48 sistemas híbridos de geração fotovoltaica com armazenamento de energia em baterias de iões de lítio (“mini-redes”), que irão funcionar de forma autónoma sem recurso à geração a diesel e com uma capacidade total instalada de 719MWh de energia disponível.
    Para a fase 1 do Projecto de Electrificação Rural, a MCA Deutschland Gmbh emitiu ordens de compra à Samsung SDI para o fornecimento de 319 Mwh de módulos de baterias de iões de lítio E5S.
    Com a implementação deste sistema de electrificação como alternativa à extensão da rede estatal ou à instalação de geradores a gasóleo como principal fonte de electricidade, verificar-se-á uma poupança energética e respectiva redução de emissões de CO2, indo ao encontro do objectivo do plano “Energia Angola 2025” de diversificar a matriz energética do país, de modo a garantir que cerca de 77% da população rural tenha acesso a electricidade, e contribuir para a redução anual de emissões poluentes em cerca de um milhão de toneladas de dióxido de carbono.
    Manuel Couto Alves, Chairman e fundador da MCA, afirma que “estar envolvido em projectos que aumentam a qualidade de vida das populações faz parte da essência do Grupo MCA. É um motivo de orgulho, mas também uma responsabilidade. O nosso objectivo é cuidar não só da nossa geração, mas também das gerações vindouras. Para lhes oferecer um planeta mais limpo”. “E, por isso, buscamos sempre fornecedores e parceiros com a mesma visão, que nos disponibilizem produtos inovadores e ‘conscientes’”, acrescenta.

    Por sua vez, o Vice-Presidente e director da Samsung SDI Europe GmbH, Jongsuk Lee, afirma que “enquanto Samsung, estamos orgulhosos de fazer parte deste Projecto Farol do Grupo MCA em Angola, que está a transformar a vida das pessoas, bem como as infraestruturas do país. Acreditamos firmemente que este projecto contribuirá para a colaboração a longo prazo de ambas as empresas, não só em África, mas também onde as energias renováveis e o armazenamento de baterias se tornam parte integrante das nossas vidas e negócios”.

    O Projecto de Electrificação Rural em Angola começou a ser construído em 2023 e deverá estra concluído em 2026, envolvendo o Grupo MCA, o governo angolano através do Ministério das Finanças, um consórcio de bancos representado pelo Commerzbank AG como Agente e a Agência Alemã de Crédito à Exportação, Euler Hermes (ECA).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’

    O ‘Forster unico xs’ foi concebido tanto para novas construções como para a reabilitação e responde à tendência do minimalismo na arquitetura, sem ceder nos desempenhos, enquanto tem na sua génese o ecodesign e a circularidade

    CONSTRUIR

    A Forster Profile Systems, do Grupo Reynaers, apresenta a sua mais recente solução técnica para portas ultra minimalistas. O ‘Forster unico xs’ é um sistema “revolucionário” que combina “design e sustentabilidade”.

    Concebido tanto para novas construções como para a reabilitação responde à tendência do minimalismo na arquitetura, sem ceder nos desempenhos, enquanto tem na sua génese o ecodesign e a circularidade.

    Com vistas de aço de apenas 23 mm, o perfil ultrafino permite o “tão desejado” minimalismo e assegura um desempenho acústico até 46 dB, face às necessidades crescentes de conforto acústico em áreas urbanas ou noutras zonas expostas a fontes de ruído intenso.

    Já a maleabilidade e força estática intrínseca do aço, asseguram uma boa experiência de utilização durável, mesmo com painéis de vidro pesados e de grande dimensão, que ampliam as vistas e expandem a luz natural, essencial para o bem-estar no interior dos edifícios.

    Outro benefício é a possibilidade de criar formas curvas, ou configurações mais arrojadas, e assim se moldar ao património edificado.

    Totalmente fabricadas em aço, sem componentes plásticos na ruptura térmica, os perfis das portas ‘forster unico xs’ são uma escolha “ambientalmente responsável” já que têm na sua génese a redução da pegada de carbono ainda antes do edifício começar a ser utilizado e asseguram a eficiência térmica necessária para reduzir as emissões de carbono na fase de utilização. No fim de vida, são 100% recicláveis sem perder valor, ótimas, portanto, no contexto da encomia circular.

    Disponíveis com funcionalidades de segurança antipânico para edifícios coletivos e com outras opções de segurança, estas portas garantem também a acessibilidade total em espaços que se querem inclusivos, à luz da DIN 18040.

    A opção de contactos magnéticos materializa a monitorização do estado da porta, expandindo a segurança e a eficiência, sobretudo, em portas com controlo de acessos e edifícios inteligentes.

    Outro atributo que as torna “verdadeiramente únicas” é a possibilidade de galvanização a quente. Este processo mais amigo do ambiente, proporciona protecção adicional contra a corrosão e confere aos perfis uma estética “diferenciadora”.

    De recordar que a Forster integrou em Portugal a estrutura do Grupo Reynaers em 2022, destacando-se especialmente na área da reabilitação urbana, segurança passiva contra incêndios e por um acompanhamento próximo e flexível junto de todos os intervenientes no projecto.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE

    A Agenda ILLIANCE integra 29 entidades, lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. A Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais

    CONSTRUIR

    A Bandora, empresa portuguesa especialista em tecnologia de eficiência energética para edifícios inteligentes, foi convidada pela Bosch Termotecnologia, para integrar a Agenda Mobilizadora “ILLIANCE”, financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência.

    “Estamos entusiasmados com a oportunidade de explorar novas fronteiras tecnológicas no mercado de casas inteligentes”, revela a CEO da Bandora, Márcia Pereira. “Acreditamos que a Agenda ILLIANCE é um passo importante para alcançar a neutralidade carbónica no sector dos edifícios. Para uma startup portuguesa, este compromisso representa uma oportunidade única de liderança e inovação para contribuir para um futuro mais sustentável. Esta iniciativa só reforça o nosso compromisso nesse sentido. Estamos confiantes de que, ao adoptar medidas concretas para reduzir as emissões de carbono, não só estaremos a ajudar o planeta, mas também a fortalecer a nossa posição no mercado e a aprofundar o nosso impacto positivo na sociedade”, acrescenta a responsável.

    No âmbito do projecto ILLIANCE a Bandora desenvolverá uma plataforma digital para gerir a operação energética de edifícios residenciais, tanto individualmente quanto em Comunidades de Energia, integrando sistemas IoT (Internet das Coisas) e aplicando machine learning para a automação e optimização do consumo. A inteligência artificial será utilizada para responder às necessidades dos utilizadores de forma eficiente e sustentável.

    A Agenda ILLIANCE é composta por um consórcio de 29 entidades lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para promover a inovação e a competitividade com a visão de criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. Como parte da Agenda ILLIANCE, a Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais. Esta integração permitirá à startup portuguesa expandir a sua equipa de engenharia e explorar o crescente mercado de casas inteligentes, respondendo aos desafios actuais e futuros do sector da energia aplicada aos edifícios.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Expansão da Vista Alegre e Bordallo Pinheiro na Ásia com ajuda de Cristiano Ronaldo

    O futebolista português é o novo accionista da Vista Alegre Atlantis e prepara-se, em conjunto com a Visabeira, para criar uma nova empresa para o Médio Oriente e Ásia, visando a expansão das históricas marcas Vista Alegre e Bordallo Pinheiro para estes mercados

    CONSTRUIR

    Cristiano Ronaldo adquiriu, através da CR7 SA, 10% do capital da Vista Alegre Atlantis e acordou adquirir, em operação a concretizar nos próximos dias, 30% do capital da Vista Alegre Espanha. Em alinhamento estratégico com o Grupo Visabeira, as partes acordaram ainda a criação conjunta, em partes iguais, de uma nova empresa no Middle East & Asia, cujo objectivo é fazer crescer as marcas Vista Alegre e Bordallo Pinheiro naquelas geografias. Esta colaboração entre ambas permitirá acelerar o processo de expansão global das marcas no segmento de prestigio/luxo em vários mercados internacionais, tanto no retalho como na hotelaria premium.

    “A Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro são marcas pelas quais sempre tive uma grande admiração e das quais sou cliente assíduo. A possibilidade de apoiar a estratégia de globalização da marca Vista Alegre, como marca de lifestyle de luxo, é um orgulho para mim enquanto português. Faremos juntos tudo o que estiver ao nosso alcance para promover este ícone nacional de excelência e colocá-lo no patamar das melhores marcas do mundo” salientou em comunicado o jogador.

    Fernando Campos Nunes, fundador e accionista do Grupo Visabeira, detentor do Grupo Vista Alegre Atlantis SGPS, fez questão de salientar que “é com grande entusiasmo que recebemos o Cristiano Ronaldo como nosso investidor, representando este momento a união de duas das mais relevantes e unânimes marcas portuguesas. Cristiano Ronaldo é um elemento indissociável de Portugal. Consegue levar o nome do nosso país aos lugares mais recônditos da Terra, com uma imagem de trabalho, dedicação, simpatia e muito talento. É verdadeiramente uma marca planetária. Para além disso, tem um enorme orgulho no seu país e todos o admiram. Assim também são a Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro. Por isso, a coordenação de esforços destas que são as marcas portuguesas mais internacionais só pode ser boa para todos: Cristiano Ronaldo, Vista Alegre e Portugal”, afirmou o empresário.

    Este investimento acontece numa altura em que a marca, fundada em 1824, comemora os seus
    200 anos de existência, com várias acções em Portugal e nos mercados externos, entre exposições, publicações, lançamento de peças com artistas e designers nacionais e internacionais, e eventos vários.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Empresas

    “Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro”

    Em entrevista exclusiva ao CONSTRUIR, o presidente da CONSTRUMAT explica a importância de uma maior aposta em áreas como a industrialização ou a construção em madeira, atendendo a que Portugal e Espanha estão hoje perante um cenário de transformação. Xavier Vilajoana fala da importância da presença de empresas portuguesas num evento que procura aproximar-se da referência europeia na fileira da construção

    Ricardo Batista

    Ao CONSTRUIR, enquanto decorria a edição deste ano da CONSTRUMAT, o presidente do salão explicou que os expositores marcam presença no evento porque têm a garantia de que se trata de uma iniciativa de negócio, mais do que uma mostra de produtos. Xavier Vilajoana  ainda digere a edição deste ano sem, no entanto, ambicionar que o evento, promovido pela Fira de Barcelona, possa crescer tanto em espaço como qualitativamente.

    Abertas as portas da CONSTRUMAT deste ano, em que ponto do mercado estamos, da economia, no mercado deste negócio de construção?

    Estamos num bom momento. Continuamos a crescer de forma sustentada e, além disso, estamos em plena transformação. Ou seja, estamos em um momento em que é preciso construir mais e de forma mais sustentável. É necessário construir pensando no presente, mas sobretudo no futuro. E, além disso, há muitas necessidades do nosso sector, tanto a nível residencial como a nível de infraestruturas.  Portanto, estamos numa fase particularmente positiva, de crescimento. E mais: estamos numa fase de expansão tanto quantitativamente quanto qualitativamente, o que também é muito importante.

    Esta foi há alguns anos uma das melhores e maiores feiras de construção na Europa. Que caminho importa percorrer agora para recuperar esse posicionamento?
    Acho que ainda somos uma feira de referência. O que é certo é que, evidentemente, não estamos nos níveis em que estivemos no início do Século e estou certo de que esses são tempos que não voltarão mais. Mas também porque queremos voltar às origens. Procuramos ser uma Feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura. Aqui pode-se encontrar desde inovação em maquinaria, em materiais, novos sistemas construtivos, novas tecnologias, startups, ou seja, muitos subsectores da construção que são muito importantes estão aqui representados, neste que é um ponto de encontro para todos os que querem ver onde estamos e sobretudo para onde vamos.

    Falando com alguns dos expositores, sublinharam que esta é uma feira muito especial porque, diziam, “aqui não somos meros expositores, somos negociantes. Aqui faz-se negócio”. É assim?

    Exactamente. De facto, é um dos valores acrescentados que tem a CONSTRUMAT. Os expositores, no final, o que vêm procurar é isso. Campanhas de marketing e de promoção de marca quase todas as empresas já o fazem fora das Feiras. Portanto, aqui, principalmente, o que eles vêm procurar é negócio. E se crescemos em relação à edição anterior em 50%, é porque a resposta é muito positiva e a satisfação também. “De boca em boca” é o que melhor funciona quando se trata de uma campanha de marketing. E esperamos que a edição do próximo ano seja ainda melhor do que foi a deste ano e possamos ocupar, se possível, outro pavilhão maior. No final, se conseguirmos que os expositores e visitantes se sintam bem e estejam, pelo menos, tão satisfeitos quanto na edição anterior, eu acredito que continuaremos a crescer e poderemos voltar a ser o salão de referência de construção em Espanha e, por que não, rivalizar com outras feiras de referência na Europa como a Batimat (Paris, França) ou a Bauma (Munique, Alemanha).

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Percorrendo a feira, percebi que há uma mudança efectiva até ao nível dos expositores.
    Falamos de novos sistemas construtivos, construção em madeira, novos métodos de construção, industrialização da construção. Isso é mudança comum tanto em Portugal como em Espanha, desde logo porque partilhamos um problema derivado da falta de mão-de-obra. Seria também uma mudança na forma de fazer construção?

    Sim. Veja: sempre disse que este é um sector muito resiliente. Sempre foi. É um sector que sempre olhou para o futuro, sempre antecipou as necessidades do futuro, tanto da sociedade como do planeta, e a industrialização é uma parte da solução. Além disso, a industrialização pode ter muitos níveis: pode ser na totalidade, pode ser em módulos, pode ser em pequenos detalhes ou espaços como cozinhas, casas-de-banho. Além disso, a industrialização tem uma vantagem, que é permitir a incorporação de mão de obra, por exemplo, do sector feminino, mas, além disso, reduzir tempos de obra. Por outro lado, em cidades muito consolidadas é mais complicado de fazer. Ocupar um espaço entre dois edifícios existentes é difícil recorrendo a um processo industrial. Mas é verdade que é um sector que é uma soma de muitas soluções. Felizmente, aqui na CONSTRUMAT, podemos ver muitas dessas soluções. E há mais: este é um sector onde os diferentes actores colaboram e cooperam muito entre si. Não é a primeira vez que vêm duas empresas diferentes, com produtos diferentes, e se olham, falam, trocam ideias e dessa colaboração surge um novo produto como consequência dessa transmissão de conhecimento. E isso para nós também gera um valor agregado muito alto. Depois, a sustentabilidade. É evidente que agora não só se olha os edifícios pensando no presente, ou seja, quando estiverem construídos, mas também se tem em conta a sua vida útil, o consumo que sustentam, as emissões de CO2, como também ao nível de manutenção. Ou seja, os edifícios têm que ser sustentáveis economicamente, ambientalmente e socialmente.

    Há um ciclo de vida muito longo de um edifício…
    Exactamente. E tem de ser levado em conta. As pessoas já olham quanto vai custar a manutenção e os custos que vai ter esse edifício, ou a casa, ou o apartamento onde vai morar.

    E considerar também o processo de eventual demolição
    A reciclagem e a reabilitação são muito importantes. Actualmente avançou-se muito. Há empresas de demolição que já implementam, no mesmo terreno onde se demoliu, pequenas estações de reciclagem dos materiais, que depois são reutilizados na nova construção. Isso já funciona há algum tempo e cada vez a economia circular na construção está mais difundida.

    Procuramos ser uma feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura

    O que Portugal pode trazer para CONSTRUMAT? Que valor acrescentado podem ter os expositores de Portugal?
    Portugal e Espanha são pontos de união entre a América e a Europa. São pontos de entrada. Além disso, têm muitas semelhanças. Têm o mesmo tipo de cidades consolidadas mas, ao mesmo tempo, têm municípios afastados das grandes cidades que precisam dessa comunicação para que possam crescer de forma sustentável. Acredito que em Portugal também têm um problema de acesso à habitação principalmente em grandes cidades como Lisboa por exemplo, e esse é um problema comum. Isso só se resolve construindo mais e fazendo mais apartamentos, porque se a promoção de novas casas é mais célere que a construção dos mesmos é muito evidente que haverá tensões no mercado. Mas isso não se pode só limitar às grandes cidades. A resposta a estes problemas depende, também, da execução de boas redes de comunicação e de mobilidade.  É importante considerar que o cálculo de distâncias seja feito em minutos e não apenas em quilómetros. Quando conseguirmos isso teremos mais facilidade para crescer.

    Consolidar novas áreas urbanas…
    Exacto, e bem comunicadas. Dou sempre este exemplo: se planificar agora uma viagem a Londres, vou ter vários aeroportos onde aterrar. Seja Luton, Gatwick, Stansted. Para termos uma ideia: Stansted está a uma distância quase equivalente à distância entre Barcelona e Girona. E, no entanto, quando tu vens a Barcelona e aterras em Girona, não pensas que estás a vir para Barcelona. E, no entanto, estás à mesma distância que, por exemplo, o aeroporto de Stansted. De Stansted ao centro de Londres demoras 25 minutos. Quando conseguirmos isso, aliviaremos o peso e a pressão que há nas cidades como Lisboa ou Barcelona, por exemplo, que são tão solidárias e tão maduras.

    Este ano têm um país convidado, Marrocos. O que significa isso? Um piscar de olho ao Mundial, que Espanha organiza em conjunto com Marrocos e Portugal?

    Sim, também. É o primeiro ano que temos um convidado de honra. Neste caso, a escolha acabou por ser Marrocos porque na edição anterior da CONSTRUMAT, quase 30% dos visitantes era desse País, naquela que foi a nacionalidade mais representativa entre os visitantes. Além disso, se considerarmos que Espanha passou a ser o primeiro país na relação comercial com Marrocos, ultrapassando a França, também nos fez pensar nesta opção. A isto junta-se, claro, o facto de Espanha, juntamente com Portugal, organizar conjuntamente o Mundial de 2030 de futebol. Então dissemos que este era o melhor momento. Mas evidentemente, nas próximas edições haverá outros países e porque não Portugal? É um dado curioso que muitas vezes olhamos para o perfil do visitante como um perfil europeu por estarmos tão perto. Mas há um número considerável de visitantes de outros continentes. Há uma conexão muito grande com estas feiras. Eles podem trazer e beber muito desta informação que nós partilhamos neste tipo de eventos. De facto, somos a porta de entrada para a Europa para o continente africano e, portanto, eles também têm de aproveitá-lo. Somos a porta de entrada para a Europa e eles são a nossa porta de entrada para África. Portanto, é normal que com os países do norte de África tenhamos este tipo de relação. Além disso, eles também precisam crescer muito em infraestruturas. As empresas europeias, e quase todas espanholas, são especialistas. Temos grandes empresas nacionais que trabalham por todo o Mundo, muito importantes, e, portanto, é um factor a ter em conta. Mas não só o continente africano, o continente asiático também traz muitos visitantes. E o americano. Tanto o norte-americano como o sul-americano. Realmente estamos num lugar, Barcelona neste caso, que é um nexo de união de muitas culturas, de muitos países e de muitos continentes. E temos de aproveitar isso.

    Pode-se saber um pouco mais sobre a próxima edição? O que têm planeado?
    De momento estamos a desfrutar desta. E estamos, felizmente, sobrecarregados porque o sucesso, por enquanto, está a ser muito alto. Está a corresponder às expectativas que tínhamos. E para o ano queremos crescer. Queremos alcançar um volume não só quantitativo, mas qualitativo, para podermos competir com feiras como a Batimat ou a Bauma. Porque se para o ano conseguirmos alcançar o volume que queremos, passaríamos a edições bienais para competir ombro a ombro com estas duas grandes feiras europeias. A intenção da CONSTRUMAT não é que se torne numa feira de mostra de produto. Ou seja, aqui tentamos que todos os expositores acrescentem valor, que apresentem soluções inovadoras, as novidades que saem no mercado, novas formas de construir. Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro. E eu acho que isto é muito importante, porque se não, não te diferencias das outras feiras. É muito importante que haja essa diferenciação, como disse, qualitativamente em relação às outras feiras

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Empresas

    Industrialização com forte presença num evento onde portugueses marcam pontos

    Novas técnicas construtivas, novos processos. A industrialização enquanto motor de uma construção mais sustentável teve um forte impacto na CONSTRUMAT deste ano, num evento onde as empresas portuguesas procuraram consolidar presença num mercado em crescimento

    Ricardo Batista

    Se há áreas em que Portugal e Espanha estão manifestamente unidos e empenhados é na necessidade de encontrar soluções, emergentes, que respondam de forma eficiente e sustentável à necessidade de colocar mais casas no mercado. Se na falta de oferta de imóveis à venda incidem os elevados custos dos materiais, as dificuldades dos promotores para obter financiamento ou desenvolver as promoções, a burocracia e, fundamentalmente, a escassez de solo e de mão de obra; no caso dos imóveis para arrendamento, a oferta contrai essencialmente devido aos desincentivos dos proprietários para manter essas moradias no mercado, bem como pelas mudanças na legislação.

    Durante três dias, o parque de feiras e exposições da Gran Via, em Barcelona, foi palco de excelência para 314 empresas poderem apresentar soluções que respondem a muitos desses desafios. A construção industrializada, como ferramenta para uma actividade construtiva mais sustentável, foi a grande protagonista da 23ª edição da CONSTRUMAT, que decorreu entre 21 e 23 de Maio e que encerrou portas com um balanço muito positivo depois de três dias de grande actividade, nos quais registou um total de 21.027 visitantes, 40% a mais que na edição de 2023. Dessa forma, a CONSTRUMAT consolida sua reactivação e se reafirma como o grande evento de feira da construção espanhola, procurando espaço para rivalizar com outras feiras de referência no contexto europeu, como afirmou Xavier Vilajoana em entrevista ao CONSTRUIR.

    Na edição deste ano, uma edição marcada pelo crescimento e pela dinamização de negócios, bem como por uma clara aposta do sector na inovação e na sustentabilidade, o destaque foi mesmo a construção industrializada, que consiste na fabricação dos elementos estruturais em fábrica para sua posterior montagem na obra. Esta prática destacou-se no evento como uma das tendências presentes e futuras mais eficazes da indústria, junto com a construção em madeira, novos materiais ou sistemas para tornar os edifícios mais eficientes em termos de economia de energia e água. Além de ser uma das melhores montras comerciais do sector, a CONSTRUMAT contou com um amplo programa de conteúdos e actividades profissionais. Assim, exibiu uma casa de dois andares fabricada em madeira e outros elementos naturais, que foi um dos grandes atractivos da edição deste ano. Além disso, contou com mais de 120 palestrantes no Sustainable Building Congress, onde Marrocos, como país convidado desta edição, apresentou os seus projectos de infraestruturas para acolher o Mundial de Futebol de 2030. Mais de 20 startups na área da construção participaram no PropCon-Hub, realizaram-se 10 workshops práticos e foram entregues os Prémios CONSTRUMAT, comissariados pela Fundació Mies van der Rohe, que reconheceram duas obras, uma em Cornellà (Barcelona) e outra na Alemanha, edificadas sob critérios de sustentabilidade.

    Durante três dias, o parque de feiras e exposições da Gran Via, em Barcelona, foi palco de excelência para 314 empresas poderem apresentar soluções que respondem a muitos desses desafios

    Portugueses em destaque

    Entre os expositores, várias foram as empresas portuguesas que aproveitaram o certame não apenas para apresentar as soluções como para estreitar relações com um mercado que tem mantido um crescimento interno invejável, graças à procura interna, tanto privada como pública, já que resolveu o problema do défice de forma inteligente no período expansivo do ciclo económico. E sendo um País próximo de Portugal, tem a particularidade de funcionar como 18 mercados distintos, tantos quanto as províncias autonómicas.


    Ao CONSTRUIR, o director Técnico e de Marketing do Grupo Preceram explica que “este evento acaba a ser muito interessante porque congrega muito a arquitectura, os arquitectos técnicos espanhóis, que têm um perfil diferentes dos portugueses, com a distribuição”. Ávila e Sousa acrescenta que a CONSTRUMAT “é uma feira essencialmente profissional, uma feira de três dias, muito concentrados e que apela mesmo ao público profissional. Aqui faz-se negócio”, sublinhando que “mais do que noutros eventos em que muitas vezes nós estamos numa perspectiva mais expositiva ou mais informativa, aqui estamos presentes numa perspectiva de concretizar algumas parcerias ou abrir portas para parcerias”. Para o responsável técnico de marcas como a Gyptec, Nexclay ou Volcalis, é notória uma “grande presença da construção industrializada, da construção em madeira ou em aço leve e de muitas empresas que são integradoras dos vários materiais apresentando soluções”, explicando que materiais como a lã mineral (Volcalis) ou as placas (Gyptec) têm, efectivamente, “um papel importante neste contexto de construção industrializada”. Ávila e Sousa vai, no entanto, ainda mais longe, explicando que o sucesso da feira de Barcelona está, desde logo, ligado ao seu posicionamento geográfico. “É um local da Península Ibérica muito próximo do resto da Europa, ou seja, nós estamos aqui numa zona em que temos muitos clientes e muitos visitantes que vêm de toda esta região, como vêm do País Vasco ou Valência, das Baleares e até das Canárias”. “Há toda uma dinâmica de mercado que torna importante e interessante a nossa presença na CONSTRUMAT, a que acresce o facto de, este ano, Marrocos ser o País convidado. 2030 é ‘já ali’ e há muita obra para ser feita. Mesmo que não sejam necessariamente os estádios do Mundial, há todo um conjunto de infra-estruturas que vão ter de ser construídas tal como alojamento”. “Se olharmos bem, não é necessariamente Marrocos que está a abrir as portas, é Espanha que está a abrir caminhos para Marrocos”, conclui. Não sendo necessariamente novidades, o Grupo Preceram apostou na marca Volcalis, nomeadamente a lã mineral com um coeficiente baixíssimo de transmissão térmica e uma absorção sonora máxima. O incêndio de Valência trouxe para cima da mesa a importância de uma apertada regulamentação em matéria de isolamento do edificado, colocando em evidência, por exemplo, a incombustibilidade da lã mineral enquanto isolamento. “Somos competitivos em termos de preço, temos capacidade de produção, e isso faz com que sejamos também apetecíveis como parceiros em alguns negócios”, refere.

    Entre os expositores, várias foram as empresas portuguesas que aproveitaram o certame não apenas para apresentar as soluções como para estreitar relações com um mercado que tem mantido um crescimento interno invejável, graças à procura interna, tanto privada como pública, já que resolveu o problema do défice de forma inteligente no período expansivo do ciclo económico

    Quem também percebeu a importância de estar presente nesta montra de soluções foi a Efapel. A fabricante de Serpins (Coimbra), especialista em produtos para instalações eléctricas de baixa tensão, telecomunicações, som ambiente e calhas, foi também presença notada. Ao CONSTRUIR, o director comercial da Efapel em Espanha não tem dúvidas de que a CONSTRUMAT  vai voltar a ser uma das feiras de referência na Europa. Eduardo Rincón explica que esse caminho passa também pelas empresas. “A questão está na atitude que nós, enquanto fabricantes, temos perante estas iniciativas e a forma como funcionamos como motores do mercado ou apoiamos esta dinâmica”, diz, acrescentando que “esta é uma feira muito importante para o Sector da Construção e é, também, por isso que marcamos a nossa posição”.  Sobre a presença da empresa na iniciativa, Rincón explica que “a Efapel tem uma presença muito forte no mercado espanhol. Quando, em 2014, a Efapel inaugurou o armazém robotizado em Serpins com capacidade para seis mil paletes, atingiu um salto muito significativo de serviço que nos colocou num patamar muito competitivo. Neste momento temos equipas comerciais em 15 áreas de Espanha e em mais de 400 pontos de venda profissionais”. O director comercial da Efapel em Espanha salienta que ser fabricante com esta capacidade permite uma qualidade-preço impressionante, a que se junta a própria qualidade de fabrico exemplar. Esta combinação de factores permite que possamos ter uma óptima qualidade de serviço em Espanha e responder a encomendas num prazo não superior a 72 horas”, explica. Estes factores, no entender de Eduardo Rincón, representam uma séria diferenciação competitiva naquele mercado. Já Hugo Rodrigues salienta a importância da CONSTRUMAT para reforçar a presença num mercado em crescimento. O director comercial da Bragmaia, empresa com experiência no fabrico e comercialização de soluções para espaços urbanos, explica ao CONSTRUIR que aproveitam a presença na feira promovida pela Fira Barcelona para “consolidar a distribuição na região da Catalunha, além de procurarem novos distribuidores”. O director comercial da empresa explica que o mercado espanhol representa 30% da facturação do grupo, justificando que os números atestam, desde logo, “o reconhecimento de um bom produto, que pode ser customizado e à medida do cliente”.

    *O CONSTRUIR viajou a convite da Fira Barcelona

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos

    Century 21 Portugal Rock in Rio 2024

    Empresas

    Century 21 Portugal no Rock in Rio com “casa ecológica”

    A construção do novo espaço SIC-Century 21 Portugal ficou a cargo da Blocosystems através do sistema off-site e que reflecte o “compromisso da marca por um futuro mais sustentável”. O espaço é totalmente reutilizável, podendo ser transformada, posteriormente, num T3

    CONSTRUIR

    A Century 21 Portugal é a rede imobiliária oficial do Rock in Rio e, em associação com a SIC, vai celebrar o 20º aniversário do Rock in Rio com a instalação de uma “casa ecológica” na Cidade do Rock, erguida no Parque Tejo, em Lisboa.

    Naquele que será o segundo ano de parceria com a televisão oficial do evento, as duas marcas renovam a vontade de “inovar e voltam a oferecer uma experiência única” aos festivaleiros que se deslocarem ao recinto nos próximos dias 15, 16, 22 e 23 de Junho.

    Para a presente edição do Rock in Rio, a Century 21 Portugal decidiu promover a literacia das famílias sobre a industrialização da construção, eficiência energética e sustentabilidade. Um compromisso por um futuro mais sustentável que será demonstrado através da instalação de uma casa preparada off-site, amiga do ambiente e totalmente sustentável. Toda a montagem e desmontagem será feita sem danificar o solo e sem deixar rasto ambiental.

    A construção deste novo espaço ficou a cargo da Blocosystems, uma empresa especializada na execução de edificações através de um sistema construtivo “inovador e revolucionário”. Esta nova forma de construir permite produzir edificações de “elevada qualidade de conforto, habitabilidade e, sobretudo, de sustentabilidade, preservando a biodiversidade e tornando o seu espaço mais ecológico”, destaca a imobiliária.

    Fabricado nos estaleiros da Ailema, em Setúbal, o edifício foi transportado para o Parque Tejo em módulos pré-fabricados, reduzindo assim as deslocações de pessoal e equipamentos, bem como desperdícios e poluição.

    Toda a iluminação desta casa será suportada por um sistema auto-suficiente, composto por painéis fotovoltaicos e baterias, reduzindo a zero o consumo de electricidade para iluminação do espaço durante todo o evento. Já a sua execução será em LED, resultando num baixo consumo, tendo uma potência total instalada estimada em menos de 1500W.

    Foram, ainda, integradas duas ‘zonas verdes’ no edifício, no sentido de contribuir para a absorção de CO2, criando simultaneamente sombra e espaços mais frescos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.