Edição digital
Assine já
    PUB
    Arquitectura

    Projecto de Perrault para ParisLongchamp tem cunho português

    O projecto de arquitectura do novo edifício, da autoria do francês Dominique Perrault – que venceu o concurso em 2011 – tem a participação portuguesa da bysteel, empresa do dstgroup

    Ana Rita Sevilha
    Arquitectura

    Projecto de Perrault para ParisLongchamp tem cunho português

    O projecto de arquitectura do novo edifício, da autoria do francês Dominique Perrault – que venceu o concurso em 2011 – tem a participação portuguesa da bysteel, empresa do dstgroup

    Sobre o autor
    Ana Rita Sevilha
    Artigos relacionados
    Turismo impulsiona ocupação da Rua de Santa Catarina no Porto
    Imobiliário
    Problema da habitação exige “resposta complexa conjunta”
    Imobiliário
    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional
    Empresas
    Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa
    Imobiliário
    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio
    Empresas
    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’
    Empresas
    8.º Workshop PNUM associa-se ao projecto europeu ‘Greenincities’
    Arquitectura
    12 ideias para tirar o máximo partido de uma casa pequena
    Construção
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia

    O Hipódromo de Longchamp, em Paris, agora denominado ParisLongchamp, foi inaugurado após um período de cerca de três anos em que sofreu obras de profunda remodelação. O projecto de arquitectura do novo edifício, da autoria do francês Dominique Perrault – que venceu o concurso em 2011 – tem a participação portuguesa da bysteel, empresa do dstgroup.
    De acordo com a memória descritiva do projecto a que o CONSTRUIR teve acesso, o movimento, a permeabilidade, a materialidade e a relação com a envolvente foram conceitos e ideias subjacentes a todo o desenho do novo edifício, que teve o foco principal na “Tribune du Jockey”, um espaço inaugurado em 1857 por Napoleão III que recebe agora 10 mil pessoas. A Tribuna, de 160 metros de comprimento com 23 metros de altura, que apresenta uma “forma inclinada inspirada no movimento de um cavalo puro sangue a galope”, como revela Dominique Perrault, conta com quatro pisos, escadas rolantes, 75 camarins e um restaurante, no último piso, aberto em dias de corrida ou em eventos especiais, sobre uma estrutura em consola de grandes dimensões. Um dos pisos da tribuna oferece uma visão de 360 graus sobre todo o recinto.
    Transparência

    Esta permeabilidade é, aliás, uma das características do edifício, que é “aberto nas duas direcções” e composto por “pisos livres” com circulações pensadas e desenhadas de forma a permitir movimentos fluídos entre os vários espaços, assim como flexibilidade e modularidade de acordo com as necessidades e eventos que recebe.

    Ao nível dos materiais, Dominique Perrault destaca as infra-estruturas em betão e metal, as bancadas revestidas a madeira e as fachadas em alumínio dourado que, sublinha na memória descritiva, “contribuem para a integração do volume na envolvente, na medida em que ‘jogam’ com a luz de acordo com as estações do ano”.

    O arquitecto francês salienta ainda que a nova Tribuna – mais baixa e mais curta que a anterior – dá ênfase à paisagem e ao projecto de arquitectura paisagista que remonta ao século XIX e a Adolphe Ailhand. Na opinião de Perrault, “o edifício, a envolvente e os jardins formam um todo que valoriza a herança daquele lugar”.
    Cunho português

    Responsável por toda a obra de estruturas metálicas e sistemas de fachada em alumínio e vidro, a bysteel assumiu a construção da “Tribune du Jockey”. Com um valor superior a seis milhões de euros, a execução desta empreitada pela bysteel incluiu ainda o projecto de ligações, fornecimento e montagem da estrutura metálica, chapa colaborante, fachadas em alumínio e vidro.

    O hipódromo, que durante mais de 150 anos acolheu o “Prix de l’Arc de Triomphe” – a corrida de cavalos mais famosa da Europa -, recebe, no próximo mês de Outubro, a edição deste ano daquela prestigiada corrida de cavalos.

    O famoso hipódromo da capital francesa conta com uma área de construção de 20 mil metros quadrados, implantado numa área total de 57 hectares, entre o rio Sena e o Bosque de Bolonha.

    Para Rodrigo José Crespo de Araújo, administrador da bysteel, é um enorme orgulho fazer parte desta empreitada, tão emblemática e histórica como esta.

    #gallery-2 { margin: auto; } #gallery-2 .gallery-item { float: left; margin-top: 10px; text-align: center; width: 33%; } #gallery-2 img { border: 2px solid #cfcfcf; } #gallery-2 .gallery-caption { margin-left: 0; } /* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

    Sobre o autorAna Rita Sevilha

    Ana Rita Sevilha

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Turismo impulsiona ocupação da Rua de Santa Catarina no Porto
    Imobiliário
    Problema da habitação exige “resposta complexa conjunta”
    Imobiliário
    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional
    Empresas
    Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa
    Imobiliário
    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio
    Empresas
    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’
    Empresas
    8.º Workshop PNUM associa-se ao projecto europeu ‘Greenincities’
    Arquitectura
    12 ideias para tirar o máximo partido de uma casa pequena
    Construção
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    PUB
    Imobiliário

    Turismo impulsiona ocupação da Rua de Santa Catarina no Porto

    De uma forma geral, o retalho na cidade consolidou-se com a entrada de marcas como Carolina Herrera ou Purificación García, reforçando a oferta da cidade que, até este ano, contava, quase exclusivamente, com marcas portuguesas e as do grupo Inditex e outras espanholas

    O crescimento do turismo no Porto, em particular de turistas estrangeiros, contribuiu para um aumento tanto de compradores, como de vendas nas principais localizações da cidade, com destaque para a rua de Santa Catarina.

    O relatório de retalho referente a 2023 daRetail, empresa de consultoria imobiliária especializada na venda e arrendamento de espaços comerciais e da Gesvalt, empresa de referência no sector da consultoria, avaliação e serviços técnicos, aponta para o aumento do turismo na cidade, tendo recebido mais 22 % de dormidas em 2023 face a 2022, representando 7,6 % do total do País.

    O destaque vai para a rua de Santa Catarina que, dos seus 131 espaços existentes, apenas cinco se encontram disponíveis, representando uma taxa desocupação de 93%.

    De uma forma geral, o retalho na cidade consolidou-se com a entrada de marcas como Carolina Herrera ou Purificación García, reforçando a oferta da cidade que, até este ano, contava quase exclusivamente com marcas portuguesas juntamente com as do grupo Inditex e algumas outras marcas espanholas, como a Bimba y Lola.

    Entre as lojas instaladas na rua de Santa Catarina, destacam-se os espaços dedicados à moda, representando mais de metade do total, mais precisamente 65,71 %. A seguir, ambos com 10%, surgem os espaços de restauração e cosmética, seguidos dos espaços de serviços, com 5,71%, e dos espaços de outro tipo, com 8,57 %.

    Já na zona dos Clérigos destacma-se as marcas premium e na zona dos Aliados como o principal destino das marcas de luxo, tal como se pode comprovar pela abertura da Tods, Burberry, Zegna ou Longchamp nesta localização.

    Neste caso, os espaços com mais de 1000 metros quadrados (m2) têm um custo de 50 €/m², enquanto aqueles entre 501 e 1000 m2 têm rendas entre 60 €/m² e 70 €/m². Nos espaços com menores áreas, entre 301 e 500 m2, a renda situa-se entre 80 €/m² e 90 €/m²; naqueles com uma área entre 101 e 300 m2, a renda situa-se entre 95 €/m² e 110 €/m²; e, por último, os espaços com menos de 100 m2 têm custo entre 120 €/m² e 150 €/m².

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Problema da habitação exige “resposta complexa conjunta”

    Presente na V Conferência da Promoção Imobiliária, que decorreu esta terça-feira, dia 18 de Junho, em Lisboa, Patrícia Gonçalves Costa, secretária de Estado da Habitação, considera que é necessário “repor a confiança de investidores e promotores”, o que exige “medidas concretas e céleres”

    tagsCOPIP

    Equilíbrio foi a palavra de ordem na intervenção de Patrícia Gonçalves Costa, secretária de Estado da Habitação, no arranque dos trabalhos da tarde da V Conferência da Promoção Imobiliária, que decorreu esta terça-feira, dia 18 de Junho, em Lisboa e que reuniu algumas centenas de profissionais do sector, com organização da Associação Portuguesa dos Promotores e Investidores Imobiliários (APPII) e da Vida Imobiliária.

    Na sua primeira intervenção pública junto da indústria, que representa volumes de investimento da ordem dos 15% do PIB nacional, a governante defendeu a necessidade de sector público e privado trabalharem conjuntamente para resolver a questão da habitação e criar soluções estruturais.

    “O problema da habitação está longe de ser resolvido e, por isso, é preciso trabalharmos em conjunto para dar os primeiros passos e criar um equilíbrio no sector”, declarou a secretária de Estado da Habitação, um desafio ao qual a indústria respondeu com a afirmação de que “está ao dispor do Governo e dos portugueses para conseguirmos ter mais habitação em Portugal”, nas palavras de Hugo Santos Ferreira, presidente da APPII.

    O presidente da associação representativa deste sector frisou durante a conferência que “temos um problema habitacional há décadas” e que o mesmo “exige uma resposta complexa dada em conjunto”. Na sua perspectiva, é necessário repor a confiança de investidores e promotores, o que exige “medidas concretas e céleres”.

    “A conjuntura actual exigia uma mudança de paradigma, que a nova estratégia pública parece trazer ao propor-se dinamizar a oferta. Contudo, é preciso que esta mudança seja célere. Os portugueses precisam de mais casas a preços que podem pagar. E não podem esperar quatro anos. É fundamental urgência, celeridade e acção”, afirmou Hugo Santos Ferreira, destacando a redução do IVA na construção de habitação de 23% para 6%.

    Este foi um dos temas marcantes em debate no encontro com a titular da pasta da Habitação. Sem revelar uma data concreta para avançar com medidas nesta área e em que moldes serão realizadas, a responsável ressalvou que “é preciso tempo para trabalhar nesta medida e que a mesma não pode ser despida e isolada das outras medidas”.

    Patrícia Gonçalves Costa considera que “estas só farão sentido se forem todas tomadas em bloco e avançarmos com a mesma urgência para todos”, revelando que “precisamos de tempo, mas não estamos a trabalhar para o final de legislatura”. O Executivo defende que “a redução do IVA tem de ser trabalhada mais em pormenor para, no momento em que sai, ter benefícios para o promotor e para o utilizador. Não queremos avançar sem que haja esta garantia”.

    Em relação às medidas de uso do solo público, Patrícia Gonçalves Costa confirmou que o Governo está “a trabalhar no sentido de garantir a compatibilidade deste regime com outros diplomas já em vigor e que podem ter que sofrer alterações de maneira a não bloquear este interesse urgente na concretização, que é acelerar procedimentos e todas as parcerias que possam acontecer de privados com autarquias possam ser equilibradas”.

    Outro tema debatido foi o Simplex Urbanístico, uma medida que a APPII frisou ter sido bem acolhida pelo sector, embora com a necessidade de sofre correções e ajustes, também confirmada pela secretária de Estado garantindo, contudo, que “qualquer alteração não pode perder de vista o princípio essencial de simplificação e aceleração do processo administrativo”.

    Até Agosto, o Executivo pretende realizar as correções que têm a ver com as compatibilidades das portarias e, num momento à posteriori, resolver as questões mais profundas em conjunto com todos os stakeholders que têm vindo a ser auscultados.

    Em relação ao arrendamento acessível, evidenciou-se o built-to-rent e a importância do financiamento para esta área, com a Governante a anunciar que o Executivo está a “trabalhar várias linhas de financiamento que garantam um programa robusto de arrendamento, que poderá estar desenhado a mais breve trecho que o anunciado. O programa de arrendamento acessível também está a ser revisitado a nível de procedimentos, incluindo de valores de renda e garantir a confiança aos intervenientes para assumirmos o arrendamento como um produto estável e de confiança.”

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional

    Com recurso à Inteligência Artificial e a modelos matemáticos, o novo “digitalizador” de blocos de mármore vai permitir antecipar os diferentes desenhos dos veios, antes do corte, possibilitando a criação de catálogos. A tecnologia, desenvolvida pelo DER do Instituto Superior Técnico, está prestes a ser testada nas pedreiras do Alto Alentejo do Grupo Galrão

    Inserido na agenda mobilizadora ‘Stone4.0: Artificial Intelligence for Stone Products Valorization’, o novo projecto do Departamento de Engenharia de Recursos Minerais (DER) e Energéticos do Instituto Superior Técnico (IST), promete acelerar a competitividade das empresas do sector, através do recurso à Inteligência Artificial. Técnicos do DER estão a desenvolver um digitalizador de blocos de mármore, que podem chegar às 25 toneladas, o qual usa a IA para prever a textura interior, antecipando cortes e os desenhos dos veios que as placas poderão apresentar depois de cortadas. Uma funcionalidade que promete revolucionar o mercado global do mármore, com impacto directo na competitividade nas empresas portuguesas.

    “Como o padrão visual das placas depende do lado pelo qual se começa a cortar a pedra, a simulação digital que o DER está a preparar, através de modelos matemáticos, irá permitir visualizar, com precisão, toda a variedade de padrões diferentes que pode ser obtido a partir de um só bloco”, afirma Gustavo Paneiro, investigador e docente do DER. “Esta funcionalidade permitirá que, no futuro, os clientes das empresas portuguesas de pedra natural, sejam eles arquitectos, decoradores ou consumidores finais, tenham à sua disposição milhares e milhares de padrões num catálogo virtual. Será a sua escolha que irá determinar exactamente a forma como cada bloco será cortado, o que tornará as empresas parceiras muito mais eficientes e, por isso, competitivas no mercado mundial da pedra natural”, sustenta o investigador.

    O projecto está a ser desenvolvido em escala laboratorial nas instalações fabris do Grupo Galrão, em Pêro Pinheiro, pelo DER e pelo seu Centro de Recursos Naturais e Ambiente (CERENA). É financiado pelas verbas europeias das Agendas Mobilizadoras do PRR, programa de apoio a consórcios de empresas, universidades e centros de investigação para a inovação e criação de novos produtos e serviços de alto valor acrescentado. Para além do Grupo Galrão, estão envolvidos no projecto os grupos A. Bento Vermelho e Marmocazi, todos com grandes pedreiras no Alentejo Central. Participam também as tecnológicas Sevways Portugal e FrontWave, especializadas em pedra natural.

    Primeiro “digitalizador” nasce no Alto Alentejo
    O primeiro objectivo desta fase do projecto é montar um digitalizador de blocos nas pedreiras do Grupo Galrão em Estremoz e Vila Viçosa. Quando esse equipamento começar a funcionar, só sairão da pedreira para a fábrica em Pêro Pinheiro os blocos que, no seu interior, contenham padrões previamente seleccionados digitalmente e escolhidos pelos clientes.
    “A solução que está a ser desenvolvida DER permitirá a criação de um vasto stock virtual, apresentando duas vantagens fundamentais: a optimização do processo de transformação, ao possibilitar que os clientes escolham e comprem cada bloco no local de extracção, antes de ser transportado e cortado, e a significativa redução de desperdício. Este será, portanto, um processo mais eficiente e sustentável”, afirma Paulo Diniz, administrador do Grupo Galrão. “Esta é para nós uma vantagem competitiva significativa e que dá um novo sentido ao ‘Tudo Começa na Pedra’ da nossa assinatura”, sublinha o responsável.

    Eficiência que favorece a competitividade
    O trabalho dos engenheiros do DER e do CERENA começou muito antes, com a observação do mercado mundial das rochas ornamentais. “Chamou-nos muito a atenção o uso que foi dado a placas de mármore português com veios para o revestimento do novo Perelman Performing Arts Center, em Nova Iorque, construído no Ground Zero das Torres Gémeas, uma obra da Granoguli, uma empresa do grupo A. Bento Vermelho”, afirma Amélia Dionísio, professora e investigadora do DER. “Como há uma tendência crescente na arquitectura mundial para usar as características visuais naturais do mármore para fins de design na construção, o digitalizador que estamos a construir irá oferecer muitas mais pré-opções aos arquitectos e decoradores”, afirma. “Irá, sobretudo, permitir à indústria oferecer aos seus clientes peças que eles escolheram com uma precisão notável”, descreve Amélia Dionísio. “E irá fazê-lo quase sem desperdícios, o que era impensável até há muito pouco tempo”.
    A indústria percebe bem o potencial que o DER está a construir. “À medida que a aplicação industrial deste projecto se for tornando funcional, iremos usá-las nas plataformas electrónicas para comércio de pedras naturais em todo o mundo”, afirma Jorge Galrão, director de Exportação do grupo. “Prever o que está dentro dos blocos será útil em todos os segmentos de mercado, mas é nos mercados ‘premium’ muito exigentes dos Estados Unidos da América e do Médio Oriente, e em parte nos do Canadá, da Alemanha e de França, que ela pode ser mais valiosa: para corresponder a pedidos muito precisos e bem pagos, já não será preciso cortar blocos atrás de blocos para encontrar os padrões certos”, explica. “Bastará escolhê-los primeiro e, a seguir, cortá-los da forma certa para obterem exactamente as chapas pretendidas”.

    Este projecto do Departamento de Engenharia de Recursos Minerais e Energéticos do IST vai, a prazo, baixar radicalmente a matéria-prima necessária para cada encomenda, quer pela redução dos desperdícios, quer pelo aumento do valor comercial do mármore habitualmente subvalorizado. “Será mais um contributo do nosso ramo da engenharia para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e para a descarbonização deste sector da indústria mineral”, afirma a investigadora Amélia Dionísio.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa

    A capital portuguesa emerge como um dos mercados com maior potencial de crescimento deste tipo de imobiliário entre 40 cidades europeias analisadas. Residências de estudantes na Europa terão défice de 3,2 milhões camas dentro de cinco anos, revela estudo internacional da JLL

    A procura por residências de estudantes (Purpose-built student accommodation, PBSA, no termo em inglês) de qualidade na Europa nunca foi tão elevada. O número de estudantes continua a crescer, reflectindo a crescente procura internacional pelas principais faculdades europeias. O interesse dos investidores também está a aumentar, atraídos pela solidez dos valores praticados e bom desempenho operacional. Contudo, a procura supera largamente a oferta existente, estimando-se que faltem 3 milhões de camas no stock para dar resposta às necessidades actuais. Este défice deverá agravar-se em mais 200.000 camas nos próximos cinco anos, mostra o relatório “European PBSA: Investing in the Future”, desenvolvido pela JLL.

    Este estudo analisa 40 cidades europeias em termos da procura por parte dos estudantes, da oferta de residências universitárias e do seu potencial de desenvolvimento, a maturidade do mercado, desempenho operacional, acessibilidade e adequação de eficiência energética do actual stock. Outra das conclusões essenciais deste estudo é o facto de a actual oferta de residências privadas de estudantes na Europa somar 800.000 camas, pelo que seria necessário crescer quatro vezes para satisfazer a procura existente. Esta procura sem resposta representa uma oportunidade de investimento de 450 mil milhões de euros, 34 vezes mais do que o recorde anual europeu de investimento imobiliário observado em 2022.

    O estudo da JLL elege, de entre estas 40 cidades, as 20 que se impõem como os destinos mais atractivos para investimento em nova oferta de PBSA, classificando Lisboa na 8ª posição do ranking liderado por Londres, Paris e Barcelona.

    A capital portuguesa é identificada como um dos “newcomers”, cidades emergentes que conjugam um forte crescimento da população estudantil com um custo de vida acessível, além de evidenciar o esforço realizado nos últimos anos para internacionalizar o ensino. De acordo com este relatório, o número de estudantes em Portugal cresceu 83% entre os anos lectivos de 2016/2017 e 2022/2023, e especificamente entre o segmento de alunos internacionais, a taxa de crescimento foi de 100%. De tal forma que Lisboa é a 10ª cidade com maior número de estudantes, contabilizando uma população universitária da ordem dos 170.000 alunos. Contudo, é também uma das cidades onde a escassez de oferta é mais acentuada, sendo a 4ª com maior carência de stock face à procura existente. Concretamente, a taxa de provisão existente em Lisboa é actualmente uma das mais baixas da Europa, com o stock actual a dar resposta a menos de 4% da procura activa.

    Lisboa consta, assim, entre as cidades com maior potencial de crescimento no investimento neste segmento de mercado, esperando-se que duplique o actual stock em cinco anos. Sem prejuízo, tal não configurará um choque de oferta, esperando-se que a taxa de provisão, mesmo com o novo investimento já previsto, se mantenha abaixo dos 10%.

    “Lisboa tem, de facto, uma procura elevada e crescente para as residências universitárias, quer por estudantes estrangeiros quer de mobilidade nacional. Actualmente a população internacional representa 16% da comunidade de estudantes universitários em Portugal, quando em 2010 a sua quota era de 6%. Com a vantagem de ser bastante mais diversificada, com representatividade de europeus, americanos, chineses e também de alunos do Médio Oriente, face a um padrão anteriormente dominado pelos estudantes oriundos dos PALOP”, começa por comentar Joana Fonseca, head of strategic consultancy & research da JLL. A mesma responsável acrescenta que “contudo, temos efectivamente um problema de falta estrutural de oferta e, de facto, é necessário bastante mais pipeline. Mesmo com o reforço previsto do stock que este estudo aponta e que coloca Lisboa entre as cidades com a taxa de crescimento da oferta mais elevada nos próximos cinco anos, vamos continuar muito abaixo das necessidades da procura, até mesmo num cenário conservador quanto ao crescimento do número de estudantes”.

    Em relação ao sector como produto de investimento, André Vaz, head of living & alternative investment da JLL, explica que “o PBSA é uma das classes de activos com maior dinâmica na Europa, essencialmente devido às yields mais atractivas face a outro tipo de activos e porque operacionalmente corre muito bem. Em Portugal, o potencial de investimento neste sector é enorme, porque partimos de um stock extremamente baixo face ao universo de procura que efectivamente existe”.

    Contudo, alerta este responsável, “existem bastantes desafios para o desenvolvimento deste tipo de produto. Por um lado, as questões de licenciamento, com processos muito demorados e o facto de não existir uma licença específica para PBSA. Por outro lado, as questões de localização e equação custo/retorno, que é comum a todos os mercados e que é também um tema relevante em Lisboa. A maioria dos polos universitários da capital situam- se em zonas prime, onde há falta de terrenos ou o custo de aquisição dos mesmos é muito elevado. Com os custos de construção actuais, comprar terrenos para PBSA implicaria um valor máximo de aquisição do solo na ordem dos 600€-700€, o que é uma tarefa difícil junto a estes hubs e que implicaria investir em áreas de influência mais alargadas. Isso é um desafio para os investidores e operadores, que pretendem entrar no mercado com produtos em zonas core. Contudo, há uma dupla circunstância que coloca Lisboa entre os destinos de investimento mais atractivos, nomeadamente ter um dos maiores índices de crescimento do número de estudantes e, simultaneamente, um dos menores stocks, com capacidade para satisfazer apenas 4% da procura”.

    O estudo da JLL revela que cerca de 40% da procura europeia de residências universitárias que não tem resposta – 1,2 milhões de camas – concentra-se nas 40 principais cidades universitárias, estimando-se que este défice aumente em mais 8% apesar do pipeline previsto de 130.000 novas camas, à medida que as universidades europeias continuem a registar crescimento de estudantes quer nacionais quer internacionais.

    Na última década, o número de estudantes na Europa e no Reino Unido cresceu 15%, alcançando-se uma comunidade estimada de 21,7 milhões em 2022/2023. A JLL estima que esta população vá crescer outros 10% até 2030/2031, o que se traduzirá num aumento nominal de 2,0 milhões de estudantes com necessidade de soluções de habitação face aos níveis de 2022/2023.

    Contabilizam-se cerca de 2,2 milhões de camas em residências universitárias nos principais mercados europeus, das quais apenas 40% são detidos por investidores institucionais privados. Os outros 60% são propriedade pública ou subsidiada, e muitas vezes restringem o acesso a estudantes nacionais e internacionais que não cumprem determinados critérios socioeconómicos. Contudo, quase metade do número de estudantes que acresceu à população universitária na última década é de origem internacional, o que significa que foram o grupo com maior índice de crescimento.

    Apesar do investimento em residências de estudantes na Europa ter registado um forte incremento entre 2008 e 2022, com uma taxa de crescimento anual da ordem dos 27%, inicialmente seleccionou quase exclusivamente o Reino Unido. Os principais mercados na Europa Continental teriam de crescer, em média, 13 vezes, para equiparar ao ritmo crescimento observado no Reino Unido entre 2008 e 2022. Para fazer face à procura insatisfeita, os maiores mercados de estudantes, como França e Alemanha, poderiam ver o investimento crescer de uma média de €500 milhões para €7.000 milhões. Em mercados mais emergentes, como Itália, ao ritmo actual que o investimento decorre, seriam precisos 100 anos para aplicar o investimento necessário.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    default

    Empresas

    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio

    A Samsung SDI irá fornecer as baterias de iões de lítio E5S que irá permitir a electrificação de um total de 48 comunas localizadas em cinco províncias de Angola, no âmbito do Projecto de Electrificação Rural de Angola que está em curso

    A MCA Deutschland GMBH, empresa pertencente ao Grupo MCA, e a Samsung SDI assinaram um contrato para o fornecimento de produtos e serviços destinados ao desenvolvimento do Projecto de Electrificação Rural em Angola, que está a ser desenvolvido pela construtora portuguesa.

    Este acordo consiste no fornecimento pela Samsung SDI de baterias de iões de lítio E5S, a serem incorporadas no sistema de armazenamento de baterias, que irá permitir a electrificação de um total de 48 comunas localizadas em cinco províncias de Angola (Malanje, Lunda Norte, Lunda Sul, Bié e Moxico). No total, o Projecto de Electrificação Rural de Angola abrange mais de 200 mil habitações e mais de um milhão de pessoas.

    O Projecto de Electrificação Rural em Angola inclui a construção de infraestruturas de distribuição de electricidade “verde” em três fases, compreendendo 48 sistemas híbridos de geração fotovoltaica com armazenamento de energia em baterias de iões de lítio (“mini-redes”), que irão funcionar de forma autónoma sem recurso à geração a diesel e com uma capacidade total instalada de 719MWh de energia disponível.
    Para a fase 1 do Projecto de Electrificação Rural, a MCA Deutschland Gmbh emitiu ordens de compra à Samsung SDI para o fornecimento de 319 Mwh de módulos de baterias de iões de lítio E5S.
    Com a implementação deste sistema de electrificação como alternativa à extensão da rede estatal ou à instalação de geradores a gasóleo como principal fonte de electricidade, verificar-se-á uma poupança energética e respectiva redução de emissões de CO2, indo ao encontro do objectivo do plano “Energia Angola 2025” de diversificar a matriz energética do país, de modo a garantir que cerca de 77% da população rural tenha acesso a electricidade, e contribuir para a redução anual de emissões poluentes em cerca de um milhão de toneladas de dióxido de carbono.
    Manuel Couto Alves, Chairman e fundador da MCA, afirma que “estar envolvido em projectos que aumentam a qualidade de vida das populações faz parte da essência do Grupo MCA. É um motivo de orgulho, mas também uma responsabilidade. O nosso objectivo é cuidar não só da nossa geração, mas também das gerações vindouras. Para lhes oferecer um planeta mais limpo”. “E, por isso, buscamos sempre fornecedores e parceiros com a mesma visão, que nos disponibilizem produtos inovadores e ‘conscientes’”, acrescenta.

    Por sua vez, o Vice-Presidente e director da Samsung SDI Europe GmbH, Jongsuk Lee, afirma que “enquanto Samsung, estamos orgulhosos de fazer parte deste Projecto Farol do Grupo MCA em Angola, que está a transformar a vida das pessoas, bem como as infraestruturas do país. Acreditamos firmemente que este projecto contribuirá para a colaboração a longo prazo de ambas as empresas, não só em África, mas também onde as energias renováveis e o armazenamento de baterias se tornam parte integrante das nossas vidas e negócios”.

    O Projecto de Electrificação Rural em Angola começou a ser construído em 2023 e deverá estra concluído em 2026, envolvendo o Grupo MCA, o governo angolano através do Ministério das Finanças, um consórcio de bancos representado pelo Commerzbank AG como Agente e a Agência Alemã de Crédito à Exportação, Euler Hermes (ECA).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’

    O ‘Forster unico xs’ foi concebido tanto para novas construções como para a reabilitação e responde à tendência do minimalismo na arquitetura, sem ceder nos desempenhos, enquanto tem na sua génese o ecodesign e a circularidade

    A Forster Profile Systems, do Grupo Reynaers, apresenta a sua mais recente solução técnica para portas ultra minimalistas. O ‘Forster unico xs’ é um sistema “revolucionário” que combina “design e sustentabilidade”.

    Concebido tanto para novas construções como para a reabilitação responde à tendência do minimalismo na arquitetura, sem ceder nos desempenhos, enquanto tem na sua génese o ecodesign e a circularidade.

    Com vistas de aço de apenas 23 mm, o perfil ultrafino permite o “tão desejado” minimalismo e assegura um desempenho acústico até 46 dB, face às necessidades crescentes de conforto acústico em áreas urbanas ou noutras zonas expostas a fontes de ruído intenso.

    Já a maleabilidade e força estática intrínseca do aço, asseguram uma boa experiência de utilização durável, mesmo com painéis de vidro pesados e de grande dimensão, que ampliam as vistas e expandem a luz natural, essencial para o bem-estar no interior dos edifícios.

    Outro benefício é a possibilidade de criar formas curvas, ou configurações mais arrojadas, e assim se moldar ao património edificado.

    Totalmente fabricadas em aço, sem componentes plásticos na ruptura térmica, os perfis das portas ‘forster unico xs’ são uma escolha “ambientalmente responsável” já que têm na sua génese a redução da pegada de carbono ainda antes do edifício começar a ser utilizado e asseguram a eficiência térmica necessária para reduzir as emissões de carbono na fase de utilização. No fim de vida, são 100% recicláveis sem perder valor, ótimas, portanto, no contexto da encomia circular.

    Disponíveis com funcionalidades de segurança antipânico para edifícios coletivos e com outras opções de segurança, estas portas garantem também a acessibilidade total em espaços que se querem inclusivos, à luz da DIN 18040.

    A opção de contactos magnéticos materializa a monitorização do estado da porta, expandindo a segurança e a eficiência, sobretudo, em portas com controlo de acessos e edifícios inteligentes.

    Outro atributo que as torna “verdadeiramente únicas” é a possibilidade de galvanização a quente. Este processo mais amigo do ambiente, proporciona protecção adicional contra a corrosão e confere aos perfis uma estética “diferenciadora”.

    De recordar que a Forster integrou em Portugal a estrutura do Grupo Reynaers em 2022, destacando-se especialmente na área da reabilitação urbana, segurança passiva contra incêndios e por um acompanhamento próximo e flexível junto de todos os intervenientes no projecto.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Arquitectura

    8.º Workshop PNUM associa-se ao projecto europeu ‘Greenincities’

    O objectivo do WPNUM24 é verificar a correlação entre forma urbana e resiliência urbana testando técnicas e processos que se inserem no âmbito da morfologia urbana, da ecologia e da paisagem

    A Universidade Portucalense (UPT) vai realizar, entre os próximos dias 26 e 29 de Junho, o 8.º Workshop da Rede Lusófona de Morfologia Urbana (PNUM), organizado pelo Departamento de Arquitectura e Multimédia Gallaecia (DAMG).

    O ‘Workshop PNUM 2024: Resiliência e Forma Urbana’ (WPNUM24) abordará as formas urbanas a partir da respectiva relação com os sistemas naturais que estruturam, metabolicamente, o território, com o propósito de explorar métodos de análise morfológica que conduzam a leituras cruzadas, qualitativas e quantitativas, sobre o território e os seus sistemas.

    “O objectivo do WPNUM24 é verificar a correlação entre forma urbana e resiliência urbana testando técnicas e processos que se inserem no âmbito da morfologia urbana, da ecologia e da paisagem, visando a convergência do ambiente natural com o ambiente construído. A modificação de ambos, à luz da resiliência urbana, exige o aprofundar de soluções de base natural para as formas urbanas, almejando cidades de base natural”, explicou David Leite Viana, coordenador do WPNUM24 e professor do DAMG da UPT.

    No contexto do projecto europeu GreenInCities (EU Research and Innovation Funding Programme “Horizon Europe”), no qual o município de Matosinhos participa, pretende-se desenvolver uma nova abordagem cocriativa, integrada e colaborativa para o planeamento e regeneração climática urbana, em áreas desfavorecidas e disfuncionais, através do desenvolvimento de ferramentas e metodologias inovadoras.

    A área do Parque de Real e sua envolvente, que apresenta vulnerabilidades em aspectos relativos à sua integração e articulação urbana e paisagística, foi seleccionada para área de estudo e proposta no projecto GreenInCities.

    Devido à componente metodológica a ser explorada, bem como às problemáticas morfológicas e de resiliência a serem endereçadas, justifica-se trazer esta área também para o WPNUM24, enquanto área sobre a qual aprofundar o conhecimento e respectivas opções de projecto na interdependência entre forma urbana e resiliência urbana.
    “Pretende-se que do WPNUM24 resulte a consolidação de soluções urbano-ambientais, que tenham como referência uma matriz comum entre o ambiente construído e os sistemas naturais, assentes em processos de estudo e de projecto que partilhem visões relacionais das cidades, das pessoas, do ambiente, seus recursos e condições eco sistémicas, sendo expectável que se construa um chão comum capaz de responder aos inerentes desafios societais e urbano-ambientais.”, acrescentou ainda David Leite Viana, coordenador do WPNUM24 e professor do DAMG da UPT.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    12 ideias para tirar o máximo partido de uma casa pequena

    Com algumas estratégias inteligentes e criatividade, é possível transformar espaços compactos em ambientes funcionais e confortáveis

    Casas pequenas representam um desafio e uma oportunidade para arquitetos e construtores. A crescente popularidade de micro-apartamentos e “tiny houses” evidencia a necessidade de soluções inteligentes que maximizem o espaço disponível sem sacrificar o conforto e a funcionalidade.

    Com algumas estratégias inteligentes e criatividade, é possível transformar espaços compactos em ambientes funcionais e confortáveis. Neste artigo, vamos explorar doze ideias práticas para maximizar uma casa pequena, garantindo conforto, organização e estilo.

    Use móveis multifuncionais

    Os móveis multifuncionais são uma das principais chaves para aproveitar melhor um espaço pequeno. Desde um sofa cama, uma mesa dobrável e cama com gavetas embutidas são exemplos que oferecem mais do que uma função para o mesmo espaço. Por exemplo, uma cama com gavetas pode servir tanto para dormir quanto para armazenar roupas ou outros objetos, o que vai libertar espaço nos armários.

    Aposte em armazenamento vertical

    Quando o espaço no chão é limitado, o armazenamento vertical pode ser uma solução eficaz. Colocar prateleiras nas paredes ou usar estantes altas pode criar um espaço extra para livros, plantas e decorações. Além disso, pendurar objetos como bicicletas, utensílios de cozinha ou ferramentas em ganchos pode ganhar ainda mais espaço.

    Utilize espelhos para ampliar o espaço

    Os espelhos são uma ótima opção para ambientes pequenos, porque criam a ilusão de um espaço maior. Colocar espelhos em posições estratégicas, como em frente às janelas ou em paredes opostas, pode refletir a luz natural e aumentar a sensação de amplitude. Além disso, espelhos com designs elegantes podem adicionar um toque decorativo ao ambiente.

    Adote um estilo minimalista

    Menos é mais quando se trata de decorar e mobilar uma casa pequena. O estilo minimalista, com poucos móveis e objetos, ajuda a evitar a sensação de desorganização e claustrofobia. Opte por cores neutras e claras, como branco, bege e cinza, que são cores que contribuem para criar um ambiente mais arejado e espaçoso.

    Decoração com cores claras e neutras

    Em espaços pequenos, a escolha de cores pode ter um impacto significativo. Utilizar uma paleta de cores claras e neutras, como brancos, beges e cinzas, pode ajudar a ampliar visualmente o ambiente. Essas cores refletem melhor a luz natural e artificial, criando uma sensação de espaço aberto e arejado. Pequenos toques de cores vibrantes podem ser adicionados através de almofadas, quadros e outros acessórios decorativos para dar vida ao ambiente sem o sobrecarregar.

    Escolha de móveis compactos e elegantes

    Móveis compactos e elegantes são essenciais numa casa pequena. Peças com linhas simples e design minimalista ocupam menos espaço visual e físico. Sofás e cadeiras sem braços, mesas de centro pequenas e cadeiras dobráveis são ótimos exemplos. Além disso, móveis com pernas expostas em vez de bases sólidas ajudam a criar uma sensação de continuidade do chão, fazendo com que o espaço pareça maior.

    Integração de plantas na decoração

    As plantas não só melhoram a qualidade do ar, mas também adicionam uma sensação de vida e frescura a um espaço pequeno. Pequenas plantas em prateleiras, janelas ou penduradas em suportes de teto podem criar um ambiente acolhedor sem ocupar muito espaço. Jardins verticais são uma solução excelente para trazer a natureza para dentro de casa sem comprometer o espaço útil no chão.

    Iluminação estratégica

    A iluminação adequada pode transformar a percepção de espaço numa casa pequena. Luzes embutidas no teto, luminárias de parede e abajures de chão que direcionam a luz para cima ajudam a criar uma sensação de altura. A iluminação em camadas, que inclui uma combinação de luz geral, pode adicionar profundidade e dimensão ao espaço. Evitar luminárias volumosas e optar por designs mais discretos e modernos também contribui para um ambiente mais leve e arejado.

    Espaços de armazenamento escondidos

    Criar espaços de armazenamento escondidos é uma estratégia eficaz para manter a casa organizada sem sacrificar o estilo. Móveis com compartimentos ocultos, como sofás com baú, camas com gavetas embutidas ou mesas de centro com espaço de armazenamento, ajudam a manter os itens fora da vista e a maximizar o uso do espaço. Além disso, o uso de painéis deslizantes ou cortinas para esconder áreas de armazenamento pode manter a estética limpa e arrumada.

    Explore a versatilidade dos móveis modulares

    Os móveis modulares são flexíveis e podem ser reorganizados conforme a necessidade, como sofás modulares, estantes e mesas, que podem ser configuradas de diferentes maneiras de forma a que adapte o espaço de acordo com as suas atividades do dia a dia. Esta versatilidade é especialmente útil em casas pequenas, onde o espaço precisa de ser multifuncional.

    Maximize a luz natural

    A luz natural pode fazer maravilhas em espaços pequenos, tornando-os mais acolhedores e amplos. Para aproveitar ao máximo a luz natural, evite bloquear janelas com móveis ou cortinas pesadas. Em vez disso, opte por cortinas leves e translúcidas que permitam a passagem da luz. Espelhos e superfícies brilhantes também podem ajudar a refletir a luz natural por todo o ambiente.

    Organize de forma eficiente

    Manter uma casa pequena organizada é essencial para o espaço. Utilize caixas, cestos e organizadores para guardar objetos. Praticar o desapego e doar ou vender coisas que já não são usadas também ajuda a evitar o acúmulo de objetos desnecessários. Uma casa bem organizada não só parece maior, mas também é mais funcional e agradável para viver.

    Para arquitetos e construtores, a criação de espaços pequenos funcionais e estéticamente agradáveis exige criatividade e atenção aos detalhes. Ao implementar estas 12 ideias, é possível maximizar o uso do espaço disponível, proporcionando conforto e estilo aos moradores. Adaptar-se às limitações dos ambientes pequenos pode resultar em soluções inovadoras que redefinem o conceito de moradia eficiente.

    Sobre o autormmagalhaes

    mmagalhaes

    Mais artigos
    Imobiliário

    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno

    Promovido pela Lantia e com arquitectura de Saraiva + Associados, a comercialização está a cargo da Savills, JLL e Porta da Frente Christie’s

    CONSTRUIR

    ‘Vertice’ é o nome do mais recente empreendimento a figurar no Campo Pequeno, um dos ex-líbris da cidade de Lisboa. O projecto, promovido pela Lantia e com arquitectura de Saraiva + Associados, marcará a paisagem desta zona da capital. A comercialização está a cargo da Savills, JLL e Porta da Frente Christie’s.

    Na sua envolvente estão a praça do Campo Pequeno, a Avenida de Roma e Entrecampos, fazendo desta uma localização privilegiada no coração de Lisboa, próxima de alguns dos mais importantes acessos rodoviários e de redes de transportes como metro ou comboio. O projecto encontra-se, ainda, rodeado de escolas e universidades, cultura, arte, comércio, desporto e espaços verdes de qualidade.

    Com uma fachada com “design moderno e elegante” e interiores que se caracterizam pelas suas “áreas amplas, funcionalidade e acabamentos de qualidade superior”, o ‘Vértice’ conta com 119 apartamentos, com tipologias que vão desde o T0 a T5.

    O empreendimento encontra-se na vanguarda em relação aos critérios ESG (Environmental, Social and Governance), dando primazia à utilização de materiais sustentáveis, a uma reduzida pegada carbónica na sua construção e ao recurso a energias próprias e renováveis.

    Qualidade e critérios de sustentabilidade são as principais características destacadas pelas consultoras. Miguel Lacerda, Lisbon Residential director da Saviils Portugal considera que este empreendimento irá “marcar” o panorama dos empreendimentos residenciais em Lisboa “não só pelo seu design exterior e interior, mas também pelos seus elevados padrões em termos de critérios ESG”

    Um factor também salientado por João Cília, CEO da Porta da Frente Christie’s, cuja “elevada qualidade” e “localização central” o torna numa “oportunidade única”.

    Também Patrícia Barão, head of Residential da JLL Portugal, reforça a importância da localização e acessos existentes para quem queira viver no “coração” de Lisboa, assim como o “compromisso” com a inovação e a sustentabilidade.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Engenharia

    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”

    A Tecnoplano está a crescer nas diferentes latitudes onde está presente, mas o Brasil destaca-se. Depois do sector aeroportuário, os sistemas de energia, produção e transmissão, aceleram o ritmo de crescimento deste mercado, sustentado também pela existência de recursos humanos qualificados para dar resposta aos novos desafios. Ao CONSTRUIR, Pedro Matos de Pinho, CEO da Tecnoplano, fala sobre os diferentes desafios, tecnológicos e humanos, que se colocam nesta fase de crescimento

    No final de Dezembro, a Tecnoplano fechou as contas de 2023 com um aumento de 25% na sua área core de consultoria e projectos de fiscalização. Para este ano a perspectiva é crescer, pelo menos 50%, em função dos projectos em Portugal, mas também no Brasil, mercado que se tem vindo a afirmar na actividade da empresa, quer pelo valor gerado quer pelo aporte técnico que presta a outras geografias onde o grupo português está presente. Ao CONSTRUIR, o CEO da Tecnoplano, Pedro Matos de Pinho sublinha que já este ano o número de quadros do grupo no Brasil devem ultrapassar os existentes em Portugal, “o que é compreensível dada a dimensão do mercado”, justifica.

    No início do ano anunciaram a criação de uma espécie de ‘Governo Sombra’. Como é que a experiência está a correr?

    A experiência tem sido extremamente positiva. O Conselho de Administração Sombra (CdA) trouxe uma diversidade de perspectivas e ideias que enriqueceram as nossas decisões estratégicas. Têm existido algumas reuniões que este jovem CdA convoca para abordarem o andamento dos trabalhos e retirar informações valiosas dos membros mais seniores das empresas. Têm como objectivo apresentar a proposta de Plano Estratégico do Grupo até Setembro para discussão interna. Ficaremos a aguardar.

    Este é um instrumento para tornar o grupo mais “atractivo” numa altura em que a mão de obra qualificada, nomeadamente engenheiros, é um sério problema ao desenvolvimento e crescimento do sector. Como vêem este problema e como o tem contornado?

    Certamente, a atractividade é um dos objectivos. O déficit de engenheiros é um desafio global, e estamos a abordá-lo através de iniciativas selectivas nas universidades promovendo estágios. Além disso, investimos fortemente na formação contínua dos nossos colaboradores, o que nos permite manter um quadro de profissionais altamente qualificados. Actualmente estamos a criar a “Academia Tecnoplano” com esse mesmo propósito.

     

    A digitalização está a mudar todo o sector AEC e a fazê-lo avançar a uma grande velocidade. Como é que o grupo dá resposta às novas tendências como o digital twin, a modelação 3D, o uso da Inteligência artificial, etc..?

    Tentamos estar na vanguarda da digitalização no sector AEC. Estamos num processo de implementação de um sistema de gestão centralizado para as diversas áreas da nossa operação. Até ao final do ano teremos um sistema que irá agregar toda a parte contabilística e administrativa, mas com um foco na comunicação à operação. Queremos que a informação seja fornecida directamente à operação, pois é ali onde o impacto tem efeito. Quanto às ferramentas técnicas, a nível de desenvolvimento de projectos já operamos nos diversos sectores em ambiente BIM há alguns anos. Demos início a esta transição em 2016. Nas áreas de project management e supervisão de obras, estamos numa melhoria e actualização de ferramentas contínua, criando cada vez mais processos de integração das actividades com um foco em decisões baseadas em dados “data-driven decision”. A experiência dos nossos técnicos é essencial, no entanto, o mundo mudou e cada vez mais os stakeholders querem decisões baseadas em dados concretos que sustentam a decisão, minimizando o erro e subsequentemente a litigância. Em relação a AI, temos assistido a um aumento de actualizações dos nossos softwares com apoio desta tecnologia. Caminhamos para uma versão positiva do ‘Admirável Mundo Novo’. A gestão e controlo das nossas actividades passará por uma metodologia de integração para uma gestão mais assertiva e eficiente das áreas de conhecimento que compõem uma determinada actividade com recurso a softwares em constante actualização. A título de exemplo, a integração do escopo com o planeamento e controlo de custo é uma abordagem ao alcance de qualquer fiscal de obra que detenha a ferramenta e formação adequada, agregando a IA permite um planeamento previsível e mais preciso.

     

    E de que forma toda esta transformação já é visível na carteira de obras da Tecnoplano?

    A transformação digital está claramente reflectida na nossa carteira de obras. Projectos como a implementação de sistemas BIM (Building Information Modeling) têm demonstrado uma redução significativa em custos e prazos. A digitalização não é apenas uma tendência, é a realidade dos nossos projectos actuais. A Industrialização da Construção tem levado as nossas equipas, quer de projecto, quer de supervisão, para o “chão da fábrica”.

    Crescimento acelerado no Brasil

    O mercado português ainda é o vosso principal mercado? Como vêem a sua evolução?

    Embora o mercado português continue a ser crucial para nós, temos expandido significativamente a nossa presença internacional. Vemos o mercado português a evoluir positivamente, especialmente com os investimentos provenientes do PRR e as mais recentes iniciativas do actual governo, que estão a impulsionar o sector da construção e engenharia.

    Já estamos no Brasil desde 2012, actualmente com escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Araçatuba. Nos últimos 2 trimestres temos assistido a um crescimento acelerado na nossa actividade nesta geografia. O ano de 2024 vai ver possivelmente os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal, o que é compreensível dada a sua dimensão.

    Deduzo que a operação esteja a correr bem. Em que projectos estão a participar? E como vêem a vossa presença neste mercado a médio prazo?

    A operação no Brasil tem sido um sucesso, especialmente nos estados em que estamos concentrados, como São Paulo e Rio de Janeiro. Temos conseguido fechar parcerias estratégicas e participar em projectos de grande escala que têm elevado a nossa reputação no mercado local. Estamos a participar em projectos de infraestruturas energéticas, solar – adquirimos recentemente uma empresa no sector solar e carregamentos eléctricos – e a consolidar a nossa actividade aeroportuária. A médio prazo, vemos a nossa presença crescer significativamente, consolidando-nos como uma referência no mercado.

    A evolução que falámos no início também é sentida neste mercado? Como é que abordam os seus desafios nesta latitude e num mercado com a dimensão do Brasil?

    Sim, sentimos a evolução também no Brasil. Abordamos os desafios através da regionalização das nossas operações e da adaptação às especificidades locais. O Brasil, com a sua vastidão e diversidade, exige uma abordagem personalizada e flexível, e é exactamente isso que temos implementado, cada estado é um país à nossa dimensão, razão pelo qual abordamos a entrada num estado quase como uma internacionalização.

    Sobre a empresa que adquiriram recentemente neste mercado, como é que está a decorrer essa operação?

    Na parte de sistemas de energia temos trabalhado, maioritariamente, projectos em sistemas de transmissão, linhas e subestações de muito alta tensão. Temos projectos relevantes, incluindo um que compreende 900 km de linhas de muito alta tensão. É um projecto grande, apoiamos o cliente ainda na fase de leilão, ganharam os principais lotes e agora estamos na fase de desenvolvimento do projecto.

    Hidrogénio, produção de biogás e valorização orgânica de resíduos são áreas onde já actuam. O que estão a fazer neste domínio?

    Não são áreas novas, especialmente no biogás, já trabalhamos no passado. Agora o que estamos a fazer de relevante é o maior projecto de biogás na Europa, que é na Suécia e que representa um investimento de 56 milhões de euros. Desenvolvemos todo o projecto e estamos agora a finalizar o projecto de execução.

     

    Área industrial com forte crescimento

    Como é que surgem esta novas actividades na empresa?

    Temos um departamento de projectos industriais, uma área onde ainda há poucas referências em Portugal. Com a transição energética sentimos que este é um mercado em crescimento, razão pela qual apostámos em fortalecer esta equipa, que tem estado a trabalhar em diversos projectos industriais, nomeadamente em unidades de biomassa.

    Qual é o peso que esta área industrial tem dentro da vossa carteira de clientes, de obras, neste momento?

    O peso não é significativo de momento. Eu julgo que deve andar à volta dos10%, mas a tendência vai ser crescer e crescer muito. As outras áreas estão consolidadas, temos mercado e reconhecimento no mercado, por isso a tendência é crescer, sobretudo na parte dos sistemas de energia. Olhando para o grupo e para os diferentes mercados onde estamos a nossa intenção é que cada área possa contribuir para o grupo em geral. Por exemplo, no Brasil afirmamo-nos no sector aeroportuário estamo-nos a consolidar na área de sistemas de energia e já estamos, a partir deste mercado, a apoiar a nossa actividade noutros mercados, por exemplo em Angola onde estamos com a construtora MCA no desenvolvimento do projecto solar que esta tem em curso no país.

    À parte da perspectiva de crescimento na área industrial, a área da construção e infraestruturas ainda é o forte na vossa actividade?

    Sim e onde temos um posicionamento relativamente equilibrado entre infraestruturas, obra pública, e obra privada, que actualmente e felizmente até é superior à componente pública.

    Isto é uma estratégia que procuram seguir?

    Sempre. Foi o que nos salvou em 2008. Continua a haver uma insensibilidade ou uma incapacidade do Governo em alinhar as estratégias políticas de investimento à capacidade da indústria.

    Com o PRR temos um vasto conjunto de obras públicas pelo menos para os próximos 15 anos. Será o suficiente para criar em Portugal um sector novamente forte?

    Temos aqui um pipeline grande que pode dar alguma estabilidade, o problema é a confiança que está instalada no mercado. É preciso investimento em prefabricação, em fábricas off site. É um contexto que, obviamente, gera oportunidades.

    Em que projectos têm estado a apostar a vossa presença?

    Estamos envolvidos em diversos projectos do PRR, focando-nos em infraestruturas de transporte e sustentabilidade energética. Estes projectos não só são essenciais para o desenvolvimento do país, como também reforçam a nossa posição no mercado, capacitando-nos igualmente para uma abordagem mais confiante noutras geografias.

    Como é que correu o ano de 2023 e qual a perspectiva para este ano?

    Fechámos o ano de 2023 com quase 9 milhões de facturação na área de consultoria e projectos de fiscalização, o que representou um aumento de 25% face a 2022 e começámos 2024 com uma carteira superior em cronograma. Definimos um objectivo de ter sensivelmente 13 milhões de euros, o que representa um aumento de 50%, para este ano. Sendo que temos já grande parte da carteira assegurada, agora é uma questão de capacidade de execução. Há três anos que começamos o ano com 80% do objectivo para o ano económico em carteira. O que nos dá uma estabilidade e permite-nos sermos mais selectivos dado a dificuldade em trazer novos recursos. Podemos ter crescimentos muito maiores, mas preferimos ter crescimentos curtos com contratos rentáveis e projectos com valor acrescentado para permitir atrair os melhores recursos.

     

     

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.