Edição digital
Assine já
    PUB

    DR

    Construção

    Novos alojamentos para estudantes com investimento de 10 M€

    São cerca de 30 os imóveis que estão em fase de celebração de protocolos entre a Fundiestamo e diversas instituições universitárias públicas

    CONSTRUIR

    DR

    Construção

    Novos alojamentos para estudantes com investimento de 10 M€

    São cerca de 30 os imóveis que estão em fase de celebração de protocolos entre a Fundiestamo e diversas instituições universitárias públicas

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Hera.coop representa investimento de 34M€
    Imobiliário
    Tektónica antecipa edição em 2025
    Construção
    B. Prime mandatada para gerir Lote 23 da Quinta Patino
    Imobiliário
    Turismo impulsiona ocupação da Rua de Santa Catarina no Porto
    Imobiliário
    Problema da habitação exige “resposta complexa conjunta”
    Imobiliário
    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional
    Empresas
    Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa
    Imobiliário
    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio
    Empresas
    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’
    Empresas
    8.º Workshop PNUM associa-se ao projecto europeu ‘Greenincities’
    Arquitectura

    DR

    No âmbito do Plano Nacional de Alojamento para o Ensino Superior (PNAES), o Governo prevê um investimento estimado em 10 milhões de euros e que visa colocar no mercado de arrendamento para estudantes cerca de 1500 novas camas em todo o País, anunciou o Ministério da Ciências, Tecnologia e Ensino Superior.

    O objectivo passa por proceder à reabilitação de imóveis, em particular, património público devoluto ou disponível, para posterior arrendamento a custo acessível para habitação permanente e para residência temporária de estudantes. O processo irá ser realizado pela Fundiestamo, que através de um instrumento financeiro especifico, o Fundo Nacional para a Reabilitação de Edifícios (FNRE) vai levar a cabo a diferentes operações de reabilitação.

    Desde Junho estão em curso dezenas de processos de colaboração e visitas técnicas entre instituições de Ensino Superior e a Fundiestamo, envolvendo ainda outras entidades, nomeadamente autarquias e organismos públicos, para utilização do FNRE  para fins de reabilitação de património para residência de estudantes.

    Actualmente, encontram-se em fase de celebração de protocolos cerca de 30 imóveis, envolvendo instituições como a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, a Universidade de Lisboa, a Universidade de Coimbra, o Instituto Politécnico de Leiria, o Instituto Politécnico de Coimbra, a Universidade de Évora, a Universidade do Porto e a Universidade de Aveiro, bem como outras entidades, como a Movijovem.

    O FNRE é um fundo imobiliário público, gerido pela Fundiestamo, sociedade de capitais exclusivamente públicos, que integra o universo do grupo Parpública e é fiscalizada pela CMVM e Banco de Portugal.

    Numa primeira fase, reabilita os imóveis do Estado, das autarquias, das Instituições de Ensino Superior públicas e outras entidades públicas e do terceiro sector, financiando a respetiva reabilitação através do FEFSS (Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social), com o retorno de uma rendibilidade estimada de, pelo menos, 4 % ao ano.

    As entidades participam no Fundo com os seus imóveis e recebem em contrapartida Unidades de Participação, que geram rendimento anual. Não alienam, por isso, necessariamente, os seus direitos sobre os imóveis já que podem permanecer com a titularidade maioritária de Subfundos que os integram.

    Para cada operação de reabilitação é criado um Subfundo, que tem a duração normal de dez anos, sendo que, durante ou no termo deste prazo, o participante pode reaver a totalidade do imóvel ou pode optar por alienar em mercado as Unidades de Participação correspondentes, o que também pode fazer antecipadamente, se optar por realizar liquidez.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Hera.coop representa investimento de 34M€
    Imobiliário
    Tektónica antecipa edição em 2025
    Construção
    B. Prime mandatada para gerir Lote 23 da Quinta Patino
    Imobiliário
    Turismo impulsiona ocupação da Rua de Santa Catarina no Porto
    Imobiliário
    Problema da habitação exige “resposta complexa conjunta”
    Imobiliário
    Digitalização do mármore para acelerar a competitividade da indústria nacional
    Empresas
    Lisboa é o 8º destino para investimento em residências de estudantes na Europa
    Imobiliário
    MCA Group e Samsung assinam um Master Supply Agreement para fornecimento de baterias de iões de lítio
    Empresas
    Forster Profile Systems apresenta solução para portas ‘ultra minimalistas’
    Empresas
    8.º Workshop PNUM associa-se ao projecto europeu ‘Greenincities’
    Arquitectura
    PUB
    Construção

    Tektónica antecipa edição em 2025

    A 27ª edição da feira de construção terá lugar de 10 a 12 de Abril de 2025, novamente em conjunto com o SIL. Em 2025, a organização pretende reforçar o seu estatuto enquanto “marketplace” e como “local privilegiado” para a apresentação das principais novidades e tendências

    A organização da feira de construção Tektónica, anuncia que a 27ª edição terá lugar de 10 a 12 de Abril de 2025, na FIL – Centro de Congressos e Exposições de Lisboa. Em 2025, a Tektónica pretende reforçar o seu estatuto enquanto “marketplace” e como “local privilegiado” para a apresentação das principais novidades e tendências, através de um programa de acções e iniciativas para o sector, onde se destacam as últimas inovações. Mantêm-se igualmente a realização em simultâneo com o Salão Imobiliário de Portugal (SIL).

    A edição de 2024, registou um crescimento em participações de empresas, ascendendo a 300 presenças, nacionais e internacionais, e uma forte adesão de visitantes, ultrapassando as 25.500 visitas.

    De realçar que num inquérito efectuado durante a feira os visitantes, profissionais e público, avaliaram positivamente a Tektónica, com 98% a referir que o evento correspondeu às expectativas.

    De destacar, ainda, que 92% dos visitantes profissionais consideram que o Salão contribui para a projecção e crescimento económico do sector e 94% recomenda a visita a outros profissionais do sector, tencionando repetir a visita na próxima edição.

    No que reporta ao público, 96% recomendaria a visita ao evento e 95% tenciona visitar na próxima edição em 2025.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    12 ideias para tirar o máximo partido de uma casa pequena

    Com algumas estratégias inteligentes e criatividade, é possível transformar espaços compactos em ambientes funcionais e confortáveis

    Casas pequenas representam um desafio e uma oportunidade para arquitetos e construtores. A crescente popularidade de micro-apartamentos e “tiny houses” evidencia a necessidade de soluções inteligentes que maximizem o espaço disponível sem sacrificar o conforto e a funcionalidade.

    Com algumas estratégias inteligentes e criatividade, é possível transformar espaços compactos em ambientes funcionais e confortáveis. Neste artigo, vamos explorar doze ideias práticas para maximizar uma casa pequena, garantindo conforto, organização e estilo.

    Use móveis multifuncionais

    Os móveis multifuncionais são uma das principais chaves para aproveitar melhor um espaço pequeno. Desde um sofa cama, uma mesa dobrável e cama com gavetas embutidas são exemplos que oferecem mais do que uma função para o mesmo espaço. Por exemplo, uma cama com gavetas pode servir tanto para dormir quanto para armazenar roupas ou outros objetos, o que vai libertar espaço nos armários.

    Aposte em armazenamento vertical

    Quando o espaço no chão é limitado, o armazenamento vertical pode ser uma solução eficaz. Colocar prateleiras nas paredes ou usar estantes altas pode criar um espaço extra para livros, plantas e decorações. Além disso, pendurar objetos como bicicletas, utensílios de cozinha ou ferramentas em ganchos pode ganhar ainda mais espaço.

    Utilize espelhos para ampliar o espaço

    Os espelhos são uma ótima opção para ambientes pequenos, porque criam a ilusão de um espaço maior. Colocar espelhos em posições estratégicas, como em frente às janelas ou em paredes opostas, pode refletir a luz natural e aumentar a sensação de amplitude. Além disso, espelhos com designs elegantes podem adicionar um toque decorativo ao ambiente.

    Adote um estilo minimalista

    Menos é mais quando se trata de decorar e mobilar uma casa pequena. O estilo minimalista, com poucos móveis e objetos, ajuda a evitar a sensação de desorganização e claustrofobia. Opte por cores neutras e claras, como branco, bege e cinza, que são cores que contribuem para criar um ambiente mais arejado e espaçoso.

    Decoração com cores claras e neutras

    Em espaços pequenos, a escolha de cores pode ter um impacto significativo. Utilizar uma paleta de cores claras e neutras, como brancos, beges e cinzas, pode ajudar a ampliar visualmente o ambiente. Essas cores refletem melhor a luz natural e artificial, criando uma sensação de espaço aberto e arejado. Pequenos toques de cores vibrantes podem ser adicionados através de almofadas, quadros e outros acessórios decorativos para dar vida ao ambiente sem o sobrecarregar.

    Escolha de móveis compactos e elegantes

    Móveis compactos e elegantes são essenciais numa casa pequena. Peças com linhas simples e design minimalista ocupam menos espaço visual e físico. Sofás e cadeiras sem braços, mesas de centro pequenas e cadeiras dobráveis são ótimos exemplos. Além disso, móveis com pernas expostas em vez de bases sólidas ajudam a criar uma sensação de continuidade do chão, fazendo com que o espaço pareça maior.

    Integração de plantas na decoração

    As plantas não só melhoram a qualidade do ar, mas também adicionam uma sensação de vida e frescura a um espaço pequeno. Pequenas plantas em prateleiras, janelas ou penduradas em suportes de teto podem criar um ambiente acolhedor sem ocupar muito espaço. Jardins verticais são uma solução excelente para trazer a natureza para dentro de casa sem comprometer o espaço útil no chão.

    Iluminação estratégica

    A iluminação adequada pode transformar a percepção de espaço numa casa pequena. Luzes embutidas no teto, luminárias de parede e abajures de chão que direcionam a luz para cima ajudam a criar uma sensação de altura. A iluminação em camadas, que inclui uma combinação de luz geral, pode adicionar profundidade e dimensão ao espaço. Evitar luminárias volumosas e optar por designs mais discretos e modernos também contribui para um ambiente mais leve e arejado.

    Espaços de armazenamento escondidos

    Criar espaços de armazenamento escondidos é uma estratégia eficaz para manter a casa organizada sem sacrificar o estilo. Móveis com compartimentos ocultos, como sofás com baú, camas com gavetas embutidas ou mesas de centro com espaço de armazenamento, ajudam a manter os itens fora da vista e a maximizar o uso do espaço. Além disso, o uso de painéis deslizantes ou cortinas para esconder áreas de armazenamento pode manter a estética limpa e arrumada.

    Explore a versatilidade dos móveis modulares

    Os móveis modulares são flexíveis e podem ser reorganizados conforme a necessidade, como sofás modulares, estantes e mesas, que podem ser configuradas de diferentes maneiras de forma a que adapte o espaço de acordo com as suas atividades do dia a dia. Esta versatilidade é especialmente útil em casas pequenas, onde o espaço precisa de ser multifuncional.

    Maximize a luz natural

    A luz natural pode fazer maravilhas em espaços pequenos, tornando-os mais acolhedores e amplos. Para aproveitar ao máximo a luz natural, evite bloquear janelas com móveis ou cortinas pesadas. Em vez disso, opte por cortinas leves e translúcidas que permitam a passagem da luz. Espelhos e superfícies brilhantes também podem ajudar a refletir a luz natural por todo o ambiente.

    Organize de forma eficiente

    Manter uma casa pequena organizada é essencial para o espaço. Utilize caixas, cestos e organizadores para guardar objetos. Praticar o desapego e doar ou vender coisas que já não são usadas também ajuda a evitar o acúmulo de objetos desnecessários. Uma casa bem organizada não só parece maior, mas também é mais funcional e agradável para viver.

    Para arquitetos e construtores, a criação de espaços pequenos funcionais e estéticamente agradáveis exige criatividade e atenção aos detalhes. Ao implementar estas 12 ideias, é possível maximizar o uso do espaço disponível, proporcionando conforto e estilo aos moradores. Adaptar-se às limitações dos ambientes pequenos pode resultar em soluções inovadoras que redefinem o conceito de moradia eficiente.

    Sobre o autorBrand SHARE

    Brand SHARE

    Mais artigos
    Construção

    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital

    A Câmara de Barcelos vai adquirir os terrenos onde ficará localizado o novo Centro Hospital de Barcelos. A decisão surge depois da ministra da Saúde ter dado garantias que o novo hospital irá mesmo avançar 

    CONSTRUIR

    Município de Barcelos aprovou ontem, em reunião extraordinária, a aquisição dos terrenos para a construção do Novo Hospital de Barcelos pelo valor de 4 milhões de euros. Segundo o Presidente, Mário Constantino Lopes, esta decisão surge na sequência da garantia dada pela ministra da Saúde de que o Governo irá avançar com a construção do designado Centro Hospitalar de Barcelos, um equipamento que vai servir a população deste concelho e do concelho de Esposende.

    Designado “Acordo de cedências e urbanização para a execução do Plano de Pormenor do Centro Hospitalar de Barcelos”, o documento ontem aprovado estabelece as normas da transacção a efectuar entre o Município e a Sociedade Agrícola da Quinta de S. Martinho, S.A.. O acordo não só refere o montante da aquisição de 155 850 metros de terreno, por 4 milhões de euros, como estabelece as áreas de cedência ao domínio público e as parcelas para a construção da variante poente e acessos ao novo hospital. Esta deliberação será agora submetida à apreciação da Assembleia Municipal.

    Para o Presidente da Câmara, Mário Constantino Lopes, esta foi uma “decisão de enorme importância e um passo muito significativo. Regozijamo-nos por, 16 anos depois, este Executivo Municipal estar a cumprir um passo fundamental neste processo, fazendo-o com total transparência procedimental, bem observável na instrução desta deliberação que hoje foi colocada a votação”, sublinha o autarca de Barcelos. Para Mário Constantino, esta é a prova cabal que “demonstra o dinamismo que o atual Executivo tem imprimido no desatar de nós e na resolução de problemas que, muitos deles, se arrastavam há décadas”.

    O Presidente aproveitou ainda esta decisão para “enaltecer a unanimidade político-partidária que se estabeleceu em Barcelos à volta deste importante desígnio para o nosso concelho”.

    A deliberação ontem aprovada sucede depois de a Ministra da Saúde, em recente visita a Barcelos, ter dado a garantia de que o Governo vai avançar com os procedimentos necessários e imprescindíveis para que a construção do Centro Hospitalar seja concretizada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga

    Nova unidade hoteleira do Grupo Névoa, representa um investimento de 12 milhões de euros e abrirá no segundo semestre de 2024. O hotel, localizado em Braga, integrará a rede Holiday Inn e terá 111 quartos, salas de conferência, centro fitness e restaurante

    CONSTRUIR

    A Imobiliária Névoa, que integra o grupo com o mesmo nome, investiu cerca de 12 milhões de euros na construção de uma unidade hoteleira em Braga. O edifício de cinco pisos está em fase final de construção, devendo abrir as portas no segundo semestre de 2024. O hotel será explorado pela rede Holiday Inn e contempla 111 quartos, salas de conferências, um centro fitness e restaurante.

    “O investimento na construção de uma nova unidade hoteleira em Braga representa um marco significativo para o Grupo Névoa. Este projecto não só reafirma o nosso compromisso contínuo com a inovação e qualidade em todos os nossos empreendimentos, como também reforça a expansão do Grupo para outros pontos do país e fomenta vários benefícios económicos para a região, através da criação de emprego e posterior valorização turística e cultural em Braga”, refere Luís Sousa Ribeiro, director-geral da Imobiliária Névoa.

    A nova unidade está localizada perto do Hospital de Braga e da Universidade do Minho.

    Para além das áreas imobiliária e construção, a actuação do grupo Névoa estende-se também à distribuição automóvel e centros comerciais.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa

    “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o ministro da Coesão

    CONSTRUIR

    O ministro da Coesão admite que o Metropolitano de Lisboa está a trabalhar no reajustamento do programa das obras da Linha Circular, atendendo a que os trabalhos estão atrasados “e não se vai recuperar o atraso” a tempo de assegurar que a intervenção tenha financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

    Em entrevista ao Jornal de Notícias e à radio TSF, Castro Almeida admite que trabalhos como os do Metro “são obras que estão atrasadas, e é o tipo de obras onde não é fácil acelerar o ritmo”. “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o governante, admitindo que “apesar disso, a Metropolitano de Lisboa está a ajustar o programa para que nós possamos fazer uma pequena reformulação no PRR de forma a não perder dinheiro”.

    Na entrevista, Castro Almeida salienta que “há essa preocupação de não perder dinheiro, e se não fizermos quatro estações, vamos fazer duas estações. Desde que estejam a operar, serão financiadas pelo PRR. Não queremos fazer grandes reformulações no PRR. Tenho a ideia que o Governo anterior desenhou PRR, e a este Governo compete-lhe executar. Não vamos estar sempre a pensar no que está pensado e a dar passos atrás e à frente. O País não ganha nada com isso. Mas há pequenos ajustamentos que vamos ter que fazer para não perder dinheiro. E estas obras de que lhe falo, estas alterações no programa do Metropolitano de Lisboa, são desses casos. Eu não estou com isto a dizer que as obras vão deixar de ser feitas. A natureza ou a origem do financiamento é podem ter de alteradas”.

    As alterações podem, no entanto, representar encargos para os cofres públicos, ora porque os trabalhos em falta serão pagos pelo Banco Europeu de Investimento ou com recurso ao Orçamento de Estado.n

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes

    ­Através da sua empresa Dstsolar, o grupo  de Braga irá construir cinco novas centrais fotovoltaicas flutuantes para a Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, num valor de investimento de quatro milhões de euros 

    CONSTRUIR

    A Dstsolar, empresa do Dstgroup especializada na área da energia solar, acaba de vencer o concurso público lançado pela Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, EDIA , para a construção de cinco centrais fotovoltaicas nas albufeiras do Reservatório de Ferreira, Reservatório 4 Monte Novo, Barragem do Penedrão, Barragem de Pias e Barragem das Almeidas, num valor de negócio de cerca de 4 milhões de euros. Uma empreitada  flutuante, similar à que já realizada para a EDIA, em 2020, no Reservatório de Cuba Este.

    Estima-se que estas cinco centrais fotovoltaicas venham a alcançar uma produção anual de 7.9 gigawatts-hora, evitando a emissão de 1455 toneladas por ano de dióxido de carbono para a atmosfera.

    A obra deste investimento verde, com forte racional económico, ficará concluída em 11 meses e contará com 7864 módulos fotovoltaicos, 1 455 052 kg/ano de emissões de CO2 evitadas, 4 521,8 kWp de potência instalada e 7 907 892 kWh/ano de energia produzida.

    De acordo com Raúl Cunha, director geral da Dstsolar “este novo projecto de solar fotovoltaico flutuante reforça o papel da Dstsolar como uma empresa de referência na energia solar em Portugal, atestando a qualidade e o rigor do nosso trabalho”.

    Esta operação vai contribuir para a redução da incidência da luz nos reservatórios, limitando o crescimento de algas e contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuição dos custos com a limpeza de filtros. De salientar ainda que a cobertura dos reservatórios vai reduzir a evaporação, com impacto na redução dos custos operacionais da distribuição de água.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Perspectivas menos optimistas para o Investimento em Construção

    A mais recente análise da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas, AICCOPN, sobre a conjuntura do sector da Construção nacional compila os principais dados sobre o sector

    CONSTRUIR

    As previsões de Primavera da Comissão Europeia, recentemente divulgadas, reviram em baixa as perspectivas, para 2024 e 2025, no que respeita à evolução do Investimento em Construção em Portugal. Com efeito, a estimativa de crescimento deste indicador para o corrente ano, passou de 2,9% para 2,5%, e para 2025, passaram de 3,3% para 2,8%. Neste âmbito, importa salientar que as Contas Nacionais Trimestrais divulgadas, pelo INE, referentes ao primeiro trimestre de 2024, revelaram um fraco arranque deste indicador, apurando-se variações de 0,9%, em termos homólogos, e de -0,3% face ao trimestre anterior.

    No que concerne à área licenciada pelas Câmaras Municipais, nos primeiros três meses de 2024, assistiu-se a uma expressiva redução, em termos homólogos, de 17,6%, nos edifícios habitacionais e de 31,7% nos edifícios não residenciais. Relativamente ao número de fogos licenciados em construções novas neste período, verificou-se uma contracção de 20,3%, em termos homólogos, para um total de apenas 7.222 alojamentos quando, há um ano, este número ascendeu a 9.060.

    Relativamente à avaliação da habitação para efeitos de crédito bancário, no mês de Março de 2024, observou-se um aumento de 6,5%, em termos homólogos, para 1580€/m2. Quanto aos custos de construção de habitação nova registou-se, naquele mês, um aumento do índice de 2,3%, em termos homólogos, em resultado de variações de -1,1% na componente dos materiais e de +6,9% na componente referente à mão de obra.

    No que diz respeito ao mercado das obras públicas, nos primeiros quatro meses de 2024, verificou-se um crescimento de 18,7%, em termos de variação homóloga temporalmente comparável, no valor dos contratos de empreitadas, celebrados e registados no Portal Base, que totalizaram 1.050 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    CCDR Norte 2030

    Construção

    CCDR Norte lança concurso para aumentar eficiência energética da administração local e IPSS

    O valor disponível de 85 M€ visa apoiar a eficiência energética e a redução das emissões de gases com efeito de estufa do parque edificado da administração local e das IPSS do Norte

    CONSTRUIR

    O Programa Regional Norte 2030 lançou um novo concurso, num valor global respeitante a 85 milhões de euros, dedicado a apoiar a eficiência energética e a redução das emissões de gases com efeito de estufa do parque edificado da administração pública local e das instituições particulares de solidariedade social (IPSS) do Norte.

    Segundo a CCDR NORTE, este apoio visa reduzir a “intensidade energética e aumentar a eficiência energética e hídrica dos edifícios” das infraestruturas destas instituições, de forma a ser promovido um parque edificado de “elevado desempenho energético e de baixo carbono”.

    Municípios, associações de municípios, empresas do sector empresarial local (detidas a 100% por entidades públicas), agências regionais de energia, IPSS e entidades proprietárias de equipamentos sociais, entre outras, mediante protocolo ou outras formas de cooperação com os municípios ou associações de municípios são as entidades que se podem candidatar a este concurso do Norte 2030.

    As candidaturas podem ser realizadas através do site institucional da União Europeia, Balcão Fundos (www.balcaofundosue.pt).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Testo investe em nova unidade em Portugal

    Construtora portuguesa Garcia Garcia será responsável pelo projecto, design and build, da nova fábrica da multinacional em Portugal

    CONSTRUIR

    Foi lançada a primeira pedra da nova unidade industrial em Portugal da Testo, soluções de medição portáteis e estacionárias, que elegeu a Garcia Garcia, construtora especializada no design and build, para a execução do projecto. A nova fábrica da multinacional, a ser construída na zona industrial de Albergaria-a-Velha, irá produzir equipamentos de medição portáteis. Com uma área de 21.000 m2, o edifício industrial será pautado por uma componente arquitectónica diferenciada, que irá marcar a paisagem envolvente pelas suas linhas modernas. A conclusão da empreitada está prevista para o segundo semestre 2025 e permitirá criar até 500 novos postos de trabalho na região, a médio prazo.

    A cerimónia de lançamento da primeira pedra, que assinalou o início dos trabalhos, decorreu esta semana, tendo contado com a presença do CTO da Testo, Peter Kräuter, de responsáveis da Garcia Garcia, assim como do presidente da Câmara Municipal e Albergaria-a-Velha, António Loureiro.

    Com sede na Alemanha, na cidade de Titisee-Neustadt, no estado de Baden-Wuerttemberg, a Testo é especialista em tecnologia de medição fixa e portátil, desenvolvendo soluções nas áreas de AVAC e ventilação, qualidade alimentar, tecnologia da construção e controlo de emissões. Presente nos cinco continentes, a empresa emprega actualmente 3.700 trabalhadores e regista uma facturação de 450 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Escola Secundária du Bocage (foto retirada do site da União das Freguesias de Setúbal)

    Construção

    Governo aprova estudo para requalificação do ‘Liceu’ em Setúbal

    O investimento estimado superior a 21 milhões de euros incluiu a reabilitação do edifício e dos espaços exteriores. A Câmara Municipal está agora a preparar o lançamento do concurso para a realização dos projectos de arquitectura e de especialidades

    CONSTRUIR

    O estudo prévio, que prevê a requalificação da Escola Secundária du Bocage, o denominado ‘Liceu’, em Setúbal, foi aprovado pela Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, estando agora os serviços municipais a preparar o lançamento do concurso para a realização dos projectos de arquitectura e de especialidades.

    A obra, com um investimento estimado superior a 21 milhões de euros, inclui a reabilitação do edifício e dos espaços exteriores, assim como a construção de um auditório, uma biblioteca e uma nova portaria. Deste montante cerca de 15 milhões destina-se à requalificação do edifício, um milhão, 843 mil e 500 à construção das novas portarias, biblioteca e auditório e cerca de quatro milhões e 500 mil à requalificação dos espaços exteriores.

    Carla Guerreiro, vice-presidente da Câmara Municipal, adiantou, ainda, por outro lado, que na última reunião da comissão de acompanhamento da transferência de competências, realizada em 3 de Junho, a DGEstE comprometeu-se a realizar uma intervenção na cobertura do edifício, para resolver um problema de infiltrações.

    Em reunião com a comunidade educativa realizada no auditório da escola, na qual estiveram presentes André Martins e Carla Guerreiro, respectivamente, presidente e vice-presidente da Câmara Municipal, e Fátima Silveirinha, do executivo da União das Freguesias de Setúbal, deram a conhecer o projecto e avançaram estar a aguardar agora que o Governo tome decisões relativamente às fontes de financiamento, para que o processo avance em definitivo.

    Isto porque dado o grau de “complexidade” do levantamento do estado actual da escola, que acabou por ser “demorado”, inviabilizou que se avançasse mais cedo para a execução dos projectos de arquitectura e de especialidades, limitando a possibilidade de se apresentar uma candidatura ao PRR.

    Esta foi uma das sete escolas transferidas pelo Estado para a Câmara Municipal em 1 de Abril de 2022, no âmbito da transferência de competências na área da Educação.

    Além da Secundária du Bocage, também a EB 2,3 de Aranguez necessitam de “obras importantes”, assim como as escolas básicas 2,3 Barbosa du Bocage e de Azeitão têm de ser alvo de “uma grande requalificação”, uma intervenção que “não estava inicialmente prevista e só foi incluída após grande pressão da Câmara Municipal”, conclui André Martins.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.