Edição digital
Assine já
    PUB
    Construção

    CGD adopta medidas para fazer face ao impacto da COVID-19 nas empresas

    A Caixa Geral de Depósitos tomou um conjunto de medidas que de forma “simples e imediata” irá implementar com vista ao apoio às empresas e particulares.

    CONSTRUIR
    Construção

    CGD adopta medidas para fazer face ao impacto da COVID-19 nas empresas

    A Caixa Geral de Depósitos tomou um conjunto de medidas que de forma “simples e imediata” irá implementar com vista ao apoio às empresas e particulares.

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Sotheby’s International Realty antecipa mercado imobiliário de luxo “mais vibrante” com descida das taxas de juro
    Imobiliário
    Centros Comerciais Alegro recebem projectos de autoconsumo em parceria com a Helexia
    Empresas
    Belas Clube de Campo faz balanço “muito positivo” da comercialização do Native
    Imobiliário
    Mercado de escritórios em “franca” recuperação
    Imobiliário
    José Dias assume presidência da APAL
    Empresas
    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria
    Construção
    LG adquire Athom para “potenciar” negócio de espaços inteligentes
    Empresas
    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026
    Construção
    Nolon comercializa empreendimento Canidelo Residences
    Imobiliário
    Presença portuguesa “bate recorde” na BAU 2025
    Empresas

    A Caixa Geral de Depósitos tomou um conjunto de medidas que de forma “simples e imediata” irá implementar com vista ao apoio às empresas e particulares numa altura em que a economia está praticamente paralisada devido ao impacto do COVID-19. Relativamente às empresas as medidas abrangem os clientes do banco com créditos activos e serão executadas por solicitação dos seus clientes e para os níveis de risco adequados.

    A CGD vai aceitar reajustar os pagamentos das prestações mensais nos seus créditos de médio e longo prazo com por um período até 6 meses, para que possam ajustar os seus planos de tesouraria aos novos níveis de atividade. Irão também ser prolongados os prazos de pagamento de financiamentos especializados em modelos de leasing para equipamentos mais atingidos pela actual crise por períodos adicionais de 12 meses. Em articulação com as sociedades de garantia mútua a instituição vai promover o ajustamento das prestações dos financiamentos garantidos, igualmente de forma a aliviar o peso das prestações nos períodos críticos dos próximos meses.

    Os particulares também não foram esquecidos e para os clientes individuais com crédito (habitação ou crédito pessoal), a CGD avaliará a eventual carência de capital até 6 meses, mediante pedido dos clientes e em condições de simplicidade de acesso, designadamente para o Crédito à Habitação

    Outras medidas previstas para as empresas:

    • Renovar a generalidade dos planos de limites aprovados por prazos que podem ir até 180 dias, mantendo em vigor as disponibilidades de financiamento garantidas aos actuais clientes;
    • Simplificação dos mecanismos de prorrogação até 180 dias de todas as operações de curto prazo em vigor;
    • Para empresas ou entidades do sector da saúde e social (hospitais, clínicas, laboratórios, lares, bombeiros, entidades de apoio social, em geral), simplificar a decisão de prorrogação em 12 meses do prazo total de operações de leasing mobiliário que estejam em vigor e, em alternativa, introduzir períodos de carência até 12 meses;
    • Para o sector dos transportes, alargar o prazo de pagamento dos leasings sobre viaturas ligeiras e viaturas pesadas períodos até 12 meses ou em alternativa introduzir períodos de carência até 90 dias;
    • Para o sector de turismo, além das medidas gerais antes enunciadas, alargar os prazos de vencimento até mais 5 anos, em função de avaliação pontual tendo presente aspectos específicos das empresas;
    • Criação de linhas de crédito e reforço das actuais linhas para conferir meios adicionais às empresas no âmbito das suas actividades, nomeadamente para aquisição de equipamentos informáticos e de telecomunicações no sentido de incrementar os meios disponíveis para Teletrabalho;
    • Aumentar até 30% os limites de factoring com recurso e notificado;
    • Pré-financiar as encomendas do Estado ou de grandes cadeias de distribuição, através dos mecanismos de crédito existentes, contribuindo para a manutenção das linhas de abastecimento das funções essenciais;
    • Manter em funcionamento, com grande simplificação dos processos e celeridade das decisões, todas as linhas de financiamento que a CGD dispõe, satisfazendo em tempo e capacidade as necessidades dos clientes;
    • Como medida de apoio aos pequenos comerciantes, a Caixa isentará o pagamento da mensalidade de todos os Terminal de Pagamento Automático com facturação inferior a 7.500€ por mês até 31 de maio. E, de forma a dinamizar a utilização de cartões e incentivar a desmaterialização dos pagamentos, a CGD manterá a política que tem vindo a ser praticada de não cobrar da componente fixa da MSC (Merchant Service Charge) nas transações de pequeno valor;
    • Além destas medidas e como forma de mitigar as quebras de tesouraria das empresas suas abastecedoras, a CGD antecipará este mês o pagamento a fornecedores no montante de 10 milhões de euros e manterá os pagamentos com prazos imediatos, após confirmação, nos próximos meses.
    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Sotheby’s International Realty antecipa mercado imobiliário de luxo “mais vibrante” com descida das taxas de juro
    Imobiliário
    Centros Comerciais Alegro recebem projectos de autoconsumo em parceria com a Helexia
    Empresas
    Belas Clube de Campo faz balanço “muito positivo” da comercialização do Native
    Imobiliário
    Mercado de escritórios em “franca” recuperação
    Imobiliário
    José Dias assume presidência da APAL
    Empresas
    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria
    Construção
    LG adquire Athom para “potenciar” negócio de espaços inteligentes
    Empresas
    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026
    Construção
    Nolon comercializa empreendimento Canidelo Residences
    Imobiliário
    Presença portuguesa “bate recorde” na BAU 2025
    Empresas
    PUB

    Foto: Site da Câmara Municipal do Seixal

    Construção

    Metro Sul do Tejo vai chegar à Costa e à Trafaria

    Assinatura para definir os termos e condições de cooperação a estabelecer entre a Câmara de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a TML irá acontecer dia 15 de Julho na Costa da Caparica

    CONSTRUIR

    O Metro Sul do Tejo vai avançar até à Costa da Caparica e à Trafaria. A assinatura do protocolo de colaboração entre a autarquia de Almada, o Metropolitano de Lisboa e a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), com vista a definir os termos e condições de cooperação a estabelecer entre as partes, irá acontecer no próximo dia 15 de Julho, na Praça da Liberdade, na Costa da Caparica.

    Este novo troço visa reduzir a dependência do transporte individual, respondendo assim ao compromisso de Portugal de atingir a neutralidade carbónica em 2050.

    Inês de Medeiros, presidente da Câmara Municipal de Almada, preside à cerimónia de assinatura, tendo em vista o estudo, planeamento e concretização do projecto de prolongamento do Metro Sul do Tejo até à Caparica e Trafaria, designadamente no que se refere ao seu objecto, custos, faseamento e definição do traçado. A cerimónia conta, também, com a presença da Secretária de Estado da Mobilidade, Cristina Pinto Dias.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Guimarães é uma das finalistas da Capital Verde Europeia 2026

    Pelo segundo ano consecutivo Guimarães volta a ser uma das finalista ao título de Capital Verde Europeia. A shortlist inclui ainda as cidades de Heilbronn e Klagenfurt. A cidade vencedora será conhecida a 24 de Outubro

    CONSTRUIR

    Guimarães está na shortlist das três cidades finalistas que disputam o título de Capital Verde Europeia 2026. O município chega à fase final da competição pelo segundo ano consecutivo e disputará o título com Heilbronn (Alemanha) e Klagenfurt (Áustria). A cidade vencedora será conhecida a 24 de Outubro, numa cerimónia que terá lugar em Valência, Capital Verde Europeia em 2024.

    Para Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, “é um enorme orgulho para o município de Guimarães ver novamente valorizado o trabalho que desenvolve em prol da sustentabilidade”. O edil considera que a presença de Guimarães, pelo segundo ano consecutivo, entre as cidades finalistas ao título de Capital Verde Europeia é a prova de que o caminho que está a ser trilhado é o certo. “O nosso compromisso com o desenvolvimento ambientalmente sustentável só é possível com o apoio das escolas e universidades, empresas e cidadãos, pois só dessa forma alcançaremos o objectivo comum de sensibilizar a população para a necessidade de proteger o ambiente e assim combater as alterações climáticas. As iniciativas e acções que temos vindo a realizar, ao longo dos últimos anos, fazem de Guimarães uma cidade referência para as outras cidades, portuguesas e europeias”, afirma o autarca.

    O painel de sete especialistas independentes que avaliou o lote inicial de nove cidades candidatas valorizou o desempenho das três cidades finalistas, incluindo Guimarães, em sete parâmetros ambientais: qualidade do ar; qualidade da água e eficiência; biodiversidade, áreas verdes e uso sustentável do território; desperdício e economia circular; poluição sonora; desempenho energético e mitigação das alterações climáticas; e adaptação às mesmas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Albergaria avança com reabilitação de dois bairros sociais num investimento de 1,5M€

    Este investimento integra a estratégia de reabilitação e construção do parque habitacional do município, a qual conta com um financiamento global superior a 4,2 milhões de euros do PRR

    CONSTRUIR

    O município de Albergaria-a-Velha avança com a requalificação de dois bairros sociais, num total de 44 habitações, 32 no Bairro das Lameirinhas e 12 no Bairro de Napoleão. O investimento, superior a 1,5 milhões de euros terá um impacto na vida de 150 pessoas.

    A reabilitação dos dois bairros irá incidir essencialmente na substituição de coberturas e pavimentos, na beneficiação de caixilharias, casas de banho, móveis de cozinha e roupeiros, na colocação de bombas de calor, entre outros trabalhos, visando uma melhor eficiência energética e conforto para os moradores.

    “É um marco muito importante para Albergaria-a-Velha a concretização de um objetivo do executivo, melhorar a habitação social municipal conferindo-lhe a dignidade e adequação que os moradores merecem. Neste momento damos início à requalificação de dois bairros de habitação social cujo montante ascende a 1,5 milhões de euros, após a garantia do seu financiamento a 100%, reflectindo todo o empenho na concretização de uma estratégia habitacional oportuna”, assegura Catarina Mendes, vereadora responsável pela área de Habitação do município.

    A reabilitação do parque habitacional municipal integra a Estratégia Local de Habitação do Município de Albergaria-a-Velha será um contributo relevante para melhorar as condições de acesso da população à habitação, incluindo ainda vários programas de apoio nesta área, tais como o programa de Apoio ao Arrendamento Urbano para Fins Habitacionais ou o Apoio à Recuperação de Habitações Degradadas.

    Este projecto decorre no âmbito das candidaturas submetidas pelo Município junto do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), para financiamento pelo Plano de Recuperação e Resiliência, no âmbito do Programa de Apoio ao Acesso à Habitação. Recorde-se que o Município celebrou, no dia 12 de Junho, o Termo de Responsabilidade e Aceitação relativo a Candidaturas para Reabilitação e Construção de Habitações, numa cerimónia que teve lugar na CCDR Centro, em Coimbra, e que contou com a presença do ministro das Infraestruturas e Habitação, Miguel Pinto Luz e do ministro Adjunto e da Coesão, Manuel Castro Almeida, tendo sido já garantido um financiamento global superior a 4,2 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    UNIT chega ao mercado para responder à “crescente procura” por habitações em CLT

    A Unit nasce da “vontade mútua” de utilizar a inovação, o design, a arquitectura e a tecnologia como ferramentas de mudança positiva, contribuindo para uma construção “ambientalmente e economicamente mais responsável”

    CONSTRUIR

    Fundada em 2023 por Francisco Salgado Ré, arquitecto português cofundador do atelier AND-RÉ, e Esther Bahne, marketeer alemã especialista em estratégia e criatividade, a Unit nasce da “vontade mútua” de utilizar a inovação, o design, a arquitectura e a tecnologia como ferramentas de mudança positiva, contribuindo para uma construção “ambientalmente e economicamente mais responsável”.

    Dado o “elevado” interesse por experiências de alojamento em ambientes de natureza, a entrada da Unit Living no mercado português tem sido “positiva”.

    A Unit Living diferencia-se pelo design e estética que conferem às unidades, permitindo múltiplas configurações conforme as necessidades e preferências de cada cliente. Entre estas incluem-se a posição das janelas, para que se enquadrem na melhor paisagem do local, o acabamento da madeira exterior, disponível nos tons Natural Wood, Black Stained e Whitewashed, ou as paredes interiores, que podem manter a cor natural da madeira ou ser pintadas de branco.

    As UNITs incluem uma casa de banho completa, podendo ser equipadas com uma cozinha, guarda-roupa, secretária, mobiliário, entre outros elementos de configuração disponíveis. O deck externo permite conectar várias unidades, uma funcionalidade importante para quem procura opções de maior dimensão ou deseja aumentar a estrutura actual.

    Tudo começa na selecção de materiais, com toda a estrutura das UNIT´s feita em CLT (Cross-Laminated-Timber), um material de construção sustentável composto por várias camadas de madeira coladas perpendicularmente entre si, formando painéis de grande resistência e estabilidade, conferindo assim a durabilidade desejada às unidades.

    “O CLT é um material sustentável que conserva as propriedades da madeira natural, elevando os valores estéticos e sensoriais dos espaços. Proporciona inúmeras vantagens em relação à construção tradicional em betão, nomeadamente a elevada resistência e robustez, aliada a tempos de construção mais rápidos, redução de custos e desperdício, bem como um menor impacto ambiental desde o fabrico, passando pelo transporte, até à instalação no local” afirma Francisco Salgado Ré, cofundador da Unit Living.

    Rapidez é uma das palavras-chave do projecto, sendo necessárias apenas 12 semanas para a fabricação das UNITs. Importa destacar também o cuidado no processo de implementação, que é feito de modo a minimizar o impacto nos terrenos, uma vez que cada UNIT é entregue já finalizada, limitando o número e a profundidade das intervenções no solo.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo SPintos conclui construção do empreendimento D’Ouro Tower

    Em Vila Nova de Gaia, a construtora tem, ainda, em curso as obras de construção dos Jardins da Seara, em Oliveira do Douro, e os empreendimentos “Repúblicas” em Mafamude. Brevemente serão lançadas as obras do Edifício Vintage Garden, na cidade do Porto, e o Edifício Tetris, também em Gaia

    CONSTRUIR

    O Grupo SPintos, através da sua construtora SPintos – Engenharia e Construção, e da sua promotora Propiso – Empreendimentos Imobiliários, acaba de concluir a empreitada de construção do empreendimento D’Ouro Tower, em Vila Nova de Gaia. O empreendimento representou um investimento de cerca de 8 milhões de euros.

    Segundo o Grupo, este empreendimento destaca-se pela arquitectura “contemporânea”, onde sobressai o betão e os reflexos dourados, com os seus apartamentos “amplos” e “cuidada” selecção dos materiais e aposta na sustentabilidade.

    “A elevada qualidade de construção e dos acabamentos posiciona o empreendimento D’Ouro Tower no segmento de habitação premium, projetado para um ambiente cosmopolita e urbano”, indicam.

    “Todo o projecto do D’ouro Tower foi pensado para criar o máximo conforto, usufruindo da vista do Rio Douro, que serviu de inspiração de base à construção do edifício”, destaca o promotor, sublinhando que “a aposta na construção de grande qualidade e nos acabamentos de luxo, pretende ir ao encontro das necessidades dos investidores, oferecendo um produto premium, bem localizado e numa zona de grande procura e óptimos acessos”

    Este empreendimento de 10 pisos, é constituído por 60 apartamentos e 1 loja. De referir que 11 apartamentos são de tipologia T0 com mezzanine, 33 apartamentos T0 e 16 apartamentos T2. No rooftop do edifício destaca-se, ainda, uma piscina e um espaço de lazer. Outras áreas de destaque contemplam um bicicletário e um amplo lobby de convívio, e lavandaria comum.

    Em Vila Nova de Gaia, a construtora tem, ainda, em curso as obras de construção dos Jardins da Seara, em Oliveira do Douro, e os empreendimentos “Repúblicas” em Mafamude.

    Brevemente serão lançadas as obras do Edifício Vintage Garden, na Rua Costa Cabral, na cidade do Porto, e o Edifício Tetris, no centro de Vila Nova de Gaia (Tv. do Agueiro).

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Nova Loja Online Gyptec

    A Gyptec renovou e melhorou a sua loja online, e oferece agora uma experiência de compra completamente nova aos seus clientes.

    Brand SHARE

    A nova loja conta com um novo design e uma navegação mais rápida, foram também adicionadas novas funcionalidades e simplificada a gestão de encomendas. O objetivo desta atualização é simplificar as rotinas dos clientes, poupando-lhes tempo no processo de compras.

    Entre as várias novidades, destacam-se:

    • Consulta / modificação / cancelamento das propostas na área de clientes;
    • Possibilidade de descarregar os documentos da conta corrente
    • Gerir pagamentos na área dos documentos por regularizar
    • Cálculo do volume das cargas
    • Atualização do catálogo de prémios

    Estas novas funcionalidades permitem aos clientes consultar as propostas que já foram inseridas no sistema (ativas), as que foram canceladas / modificadas e ainda as que passaram a encomendas. Por outro lado, poderão também descarregar as faturas em conta corrente, e os restantes documentos.

    Poderão ainda consultar a conta corrente, documentos por regularizar e emitir referências MB de um lote de pagamentos que se pretenda liquidar ou efetuar o pagamento por transferência bancária.

    A Gyptec fortalece assim a sua presença digital, dando mais um passo na modernização e simplificação dos processos de gestão. Com a nova loja online nunca foi tão fácil fazer compras.

    Saiba tudo em: https://gyptec.eu/nova-loja-online-gyptec/

    Sobre o autorBrand SHARE

    Brand SHARE

    Mais artigos

    Avenida de Berlim (Lisboa)

    Construção

    Lisboa: Programa ‘Morar Melhor’ reabilita mais três bairros municipais

    As obras serão realizadas nos Bairros da Avenida de Berlim, Quinta dos Ourives e Boavista, com vista ao aumento das condições térmicas, de segurança, das condições de habitabilidade e de conservação, num total de 25 lotes 

    CONSTRUIR

    O Programa de Reabilitação ‘Morar Melhor’, criado em virtude dos contratos celebrados entre a Gebalis e a Câmara Municipal de Lisboa (CML), terá novas empreitadas em três bairros da capital. Desta feita, as obras serão realizadas nos Bairros da Avenida de Berlim, Quinta dos Ourives e Boavista, totalizando-se a conservação de 25 lotes.

    Todas as obras que agora iniciam têm como objetivos principais promover o aumento das condições térmicas dos edifícios, de segurança, das condições de habitabilidade e do tempo de conservação dos lotes. Para tal, serão intervencionadas as coberturas e beirais, portas, fachadas dos lotes, caixilharias, além da requalificação de espaços interiores comuns e exteriores.

    Segundo Fernando Angleu, presidente do Conselho de Administração da Gebalis, “o início de três novas empreitadas materializam, uma vez mais, o compromisso assumido pela Gebalis para com o Município e, sobretudo, para com os residentes nos bairros municipais, no sentido de aumentar o conforto habitacional e melhorar a sua qualidade de vida.”

    Fernando Angleu acrescenta que as três intervenções descritas “fazem já parte de um novo leque de intervenções previstas para 2024 que Programa Morar Melhor realizará em Lisboa”.

    Na zona Norte da cidade, o Bairro da Avenida de Berlim, situado nos Olivais, receberá obras de reabilitação em seis lotes, correspondentes a 87 fracções, num investimento de cerca de um milhão de euros. A intervenção, que se prevê concluída no primeiro trimestre de 2025, engloba a remodelação e conservação dos lotes, conferindo-lhes maior qualidade e funcionalidade em matérias de eficiência térmica e de segurança.

    Por sua vez, no Bairro dos Ourives, no Beato, o Programa ‘Morar Melhor’ será responsável pela conservação de cinco lotes, com 104 fogos habitacionais, sendo para tal investidos cerca de 1,1 milhão de euros numa empreitada que se estima concluída também no primeiro trimestre de 2025.

    Um ano após o início da intervenção no Bairro da Boavista, localizado na freguesia de Benfica, nas franjas do Parque Florestal de Monsanto, a Gebalis regressa para novas operações de reabilitação. Esta nova empreitada, com dotação orçamental superior a 2,5 milhão de euros e com prazo para conclusão previsto para o segundo trimestre de 2025, incluirá 14 lotes, com impacto em 168 fogos habitacionais.

    Considerado o maior investimento realizado na habitação municipal desde o Programa Especial de Realojamento (PER), o Programa Morar Melhor inclui intervenções de fundo em 478 edifícios, impactando 8614 frações, e reabilitação directa de 1545 fogos habitacionais.

    As próximas empreitadas, que deverão começar durante o Verão, terão lugar no Bairro Casalinho da Ajuda, Bairro Alta de Lisboa – PER 3, Bairro Alta de Lisboa – PER 4, Bairro Alto da Faia, Bairro Padre Cruz e Bairro Carlos Botelho.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510

    A Alta velocidade é um dos destaques da edição onde lhe contamos sobre uma tecnologia sustentável que permite impressão em 3D com recurso a materiais cimentícios, numa edição onde lhe contamos como foi a inauguração do novo Vila Galé Figueira da Foz e percorremos a edição deste ano do 40 Under 40 com presença de renome portuguesa. Mas há muito mais para ler nesta edição

    CONSTRUIR

    Alta-velocidade: ligação
    Porto-Oiã com duas propostas
    Caberá agora ao Júri do Concurso proceder à análise das propostas apresentadas pelos concorrentes, de acordo com o Programa do Procedimento. A entrega de propostas para o troço Porto-Oiã marca o arranque da primeira fase da nova linha de alta velocidade (LAV) entre Porto-Lisboa

    Impressão 3D com materiais cimentícios em teste
    Com benefícios “significativos” em termos de sustentabilidade e eficiência, esta tecnologia promete um futuro onde a construção é mais “rápida, barata e ecológica”

    OA alerta para problemas na assinatura digital
    A Ordem dos Arquitectos (OA) alerta para constrangimentos “graves” na assinatura digital em ficheiros DWFX, o que impossibilita a assinatura digital qualificada das peças desenhadas

    Vila Galé inaugura hotel na Figueira
    “Um projecto em que pomos em prática um dos desígnios da Vila Galé, o de valorizar o património e dar nova vida a imóveis históricos”, assegura o presidente do Grupo

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 510

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DA REVISTA TRAÇO

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025

    Arranca hoje, 8 de Julho, a empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo. A cargo da Teixeira Duarte, a intervenção, que terá um custo de 14 M€ deverá estar concluída em Março de 2025

    CONSTRUIR

    No âmbito da empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, será necessário condicionar a circulação automóvel no Túnel a partir das 22h00 do dia 8 de Julho, com o corte de uma via de circulação em cada sentido. Actualmente o túnel tem quatro vias de circulação em cada sentido e durante esta intervenção a circulação passará para três vias por sentido, sendo repostas novamente as quatro vias até ao final de Março de 2025.

    A empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, no IC17/CRIL, com um investimento associado de cerca de 14 milhões de euros, tem três grandes grupos de objectivos que se complementam: requalificação da infraestrutura ao nível dos requisitos de segurança, de eficiência energética e de sustentabilidade, para garantir o melhor nível de serviço e a exploração integrada da rede adjacente; adequação dos sistemas de segurança de modo a dar cumprimento à Directiva Europeia, relativa aos requisitos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia e rede rodoviária nacional; e reforço dos sistemas de comunicação entre o Túnel do Grilo e o Centro de Controlo de Tráfego (CCT) da IP, localizado no Campus do Pragal, em Almada.

    Paralelamente a intervenção compreende ainda a requalificação da infraestrutura do túnel em betão, com recurso a tratamentos pontuais do betão e pintura da totalidade da extensão das duas galerias do túnel; a construção, em vala, de novos canais técnicos; a reabilitação do sistema de drenagem existente, incluindo nos taludes; e a reabilitação do pavimento em toda extensão do túnel; a reabilitação de um talude; e a construção de um novo edifício técnico.

    O Túnel do Grilo, inaugurado em 1998, está localizado no lanço Olival de Basto / Sacavém do IC17 – CRIL e tem actualmente um tráfego médio diário superior a 115 mil veículos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024

    Na sua mais recente “Análise de Conjuntura do Sector da Construção”, a AICCOPN, salienta os números mais recentes do sector. Apesar de observada uma diminuição das Transacções de Alojamentos no 1.º Trimestre de 2024, o Índice de Preços da Habitação continuou a subir, face ao período homólogo. A área licenciada pelas autarquias registou uma ligeira contracção e as obras públicas dispararam

    CONSTRUIR

    No 1º trimestre de 2024, de acordo com a informação divulgada pelo INE, foi transaccionado um total de 33.077 alojamentos, num montante global de 6.731 milhões de euros, valores que traduzem um decréscimo de 4,1% em número e de 1,8% em valor, face ao trimestre homólogo do ano passado. Face ao último trimestre de 2023, verificaram-se, de forma semelhante, decréscimos nas transacções de alojamentos, de 3,1% em número e de 6,2% em valor. Neste período e, apesar da diminuição nas transacções de alojamentos, o Índice de Preços da Habitação registou um crescimento de 7%, em termos homólogos, e de 0,6%, face ao 4º trimestre de 2023.

    Relativamente à área licenciada pelas autarquias, nos primeiros quatro meses deste ano, observa-se uma significativa redução, em termos homólogos, de 11,6%, nos edifícios habitacionais e de 24,5% nos edifícios não residenciais. No que concerne ao número de fogos licenciados em construções novas, verifica-se, até Abril, um decréscimo de 15,3%, para 9.704 alojamentos.

    Quanto ao montante do novo crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras, excluindo renegociações, até ao mês de Abril, totalizou 4.971 milhões de euros, valor que corresponde a um aumento de 33,6%, em termos homólogos. Ao nível do stock de crédito de empresas do sector da construção, detido pelas instituições financeiras, no mês de Abril, registou-se uma contracção de 2%, face ao mesmo mês de 2023, para 6.283 milhões de euros.

    No mercado das obras públicas, nos primeiros cinco meses de 2024, observou-se um crescimento nos principais indicadores. O volume total de concursos de empreitadas de obras públicas promovidos observou um expressivo aumento de 95,7%, em termos homólogos acumulados, e o total dos contratos de empreitadas de obras públicas, celebrados neste período, e objecto de reporte no Portal Base até ao passado dia 15 de Junho, registou um acréscimo de 20,3%, em termos de variação homóloga temporalmente comparável.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.