Edição digital
Assine já
Imobiliário

Nova app Century 21 realiza procedimentos de transacção de imóveis

Os procedimentos de registo e qualificação do utilizador são efectuados com base em certificados de autenticação digitais

CONSTRUIR
Imobiliário

Nova app Century 21 realiza procedimentos de transacção de imóveis

Os procedimentos de registo e qualificação do utilizador são efectuados com base em certificados de autenticação digitais

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Câmara de Gaia vai contratualizar empréstimo de 18 milhões de euros para prosseguir com investimentos
Construção
Rehau desenvolve sistema para renovação do ar interior
Empresas
Universidade do Porto tem plano para modernizar campus avaliado em 100M€
Construção
AICEP dedica rubrica “Em foco” às oportunidades de negócio no Canadá nas áreas das Infraestruturas e Construção
Construção
Re/Max reforça equipas a nível nacional
Imobiliário
Mapei vai inaugurar novo showroom no edifício Verde Parque
Imobiliário
Round Hill Capital adquire activos da rede Smart Studios
Imobiliário
ACAI elege novo presidente
Imobiliário
Gebalis com mais de 40M€ para reabilitar bairros municipais
Construção
10º Congresso Rodoferroviário Português
Engenharia

Agora, a possibilidade de aquisição, venda ou arrendamento de uma casa está, literalmente, na ponta dos dedos dos portugueses, porque a Century 21 Portugal acaba de lançar uma nova versão da sua app Century 21, que permite realizar todos os processos inerentes a uma transacção imobiliária, de forma totalmente digital. O único passo que só é possível efectuar off line é a escritura do imóvel, que ainda necessita de ser realizada presencialmente, no notário.

A aplicação recorre à Inteligência Artificial que interage e orienta o utilizador em todas as fases do processo, começando pela recolha de informação sistematizada sobre o utilizador e o tipo de habitação que pretende. Os procedimentos de registo e qualificação do utilizador são efectuados com base em certificados de autenticação digitais, que garantem os mesmos níveis de segurança de uma operação de internet banking. Para melhorar a experiência do utilizador, ao longo do processo de aquisição ou venda de uma casa, foi implementado um percurso típico para o comprador e vendedor. Na prática, trata-se de um tutorial que orienta o utilizador e ajuda a obter informação, de forma simples, intuitiva e eficiente. Com esta funcionalidade, materializa-se o acompanhamento completo ao cliente em cada fase dos procedimentos, com interacção automática com todos os envolvidos – comprador, vendedor e agentes – dado que a comprovação, o rigor e a transparência são aspectos fundamentais nos procedimentos de transacção de um imóvel e garantidos ao longo de todo o processo.

Na fase de procura de habitação, a app disponibiliza um modelo inovador de georreferenciação táctil de imóveis. As funcionalidades da app permitem a selecção de datas e agendamento automático de dia e hora de visita à casa, com sincronização automática de agendas entre cliente e consultor. Agora, o comprador pode também optar pela visita virtual ao imóvel e todos os registos de visitas e comentários aos imóveis são integrados no perfil do utilizador, para que o consultor tenha toda a informação actualizada sobre o processo de procura da casa.

Entre as novas funcionalidades desta versão da app, surge a possibilidade de adicionar filtros nas características da habitação pretendida, para uma selecção mais eficiente dos imóveis procurados pelo utilizador. Através do desenvolvimento de um novo algoritmo, com base nos filtros apresentados para a selecção de uma habitação, passam a ser apresentadas casas com características semelhantes. Seguem-se as notificações de habitações com base nos filtros definidos, que passam a informar o utilizador quando surgem novas casas com os critérios indicados.

Quando se encontra a casa pretendida, o assistente digital apoia o utilizador na formalização da proposta de aquisição do imóvel ao proprietário, de forma totalmente desmaterializada e com validade formal. A app ajuda o comprador a avançar para os passos seguintes do processo, desde a qualificação para acesso a crédito à habitação, até à recolha de toda a documentação para a assinatura do contrato de promessa de compra e venda do imóvel e escritura, que passam agora a ser já disponibilizadas na app.

Quem pretender vender a sua casa também encontra na app Century 21 a forma mais fácil e prática de o fazer, dado que a aplicação agrega um sistema de avaliação automática de imóveis, com apresentação de valores de comercialização aos proprietários. Se o utilizador decidir fazer a venda da habitação sozinho, a app disponibiliza um guia de orientação para preparar todo o processo de comercialização do imóvel.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Câmara de Gaia vai contratualizar empréstimo de 18 milhões de euros para prosseguir com investimentos
Construção
Rehau desenvolve sistema para renovação do ar interior
Empresas
Universidade do Porto tem plano para modernizar campus avaliado em 100M€
Construção
AICEP dedica rubrica “Em foco” às oportunidades de negócio no Canadá nas áreas das Infraestruturas e Construção
Construção
Re/Max reforça equipas a nível nacional
Imobiliário
Mapei vai inaugurar novo showroom no edifício Verde Parque
Imobiliário
Round Hill Capital adquire activos da rede Smart Studios
Imobiliário
ACAI elege novo presidente
Imobiliário
Gebalis com mais de 40M€ para reabilitar bairros municipais
Construção
10º Congresso Rodoferroviário Português
Engenharia
Construção

Câmara de Gaia vai contratualizar empréstimo de 18 milhões de euros para prosseguir com investimentos

Entre os investimentos que constam da proposta de empréstimo encontra-se a reformulação da rede viária pedonal da Estrada da Rainha e rua Caminho do Senhor (três milhões de euros) ou o pavilhão multiusos nos Arcos do Sardão (8,5 milhões de euros)

CONSTRUIR

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia afirmou esta segunda-feira que o município vai contratualizar um empréstimo de 18 milhões de euros para prosseguir com alguns investimentos e poder providenciar a comparticipação em projetos comunitários no “overbooking”.

A proposta de abertura de procedimento para a contratação de um empréstimo para aplicação em investimentos até ao montante de 18.516.473,56 euros foi esta segunda-feira aprovada com a abstenção dos dois vereadores do PSD.

Ao executivo, Eduardo Vítor Rodrigues assegurou que “o empréstimo é fundamental para libertar o município para os fundos comunitários”, em particular, para o “overbooking” do programa Norte 2020, mecanismo que, disse, “não é possível ser desprezado”.

“Parece estranho que o município peça empréstimo, mas isto não tem a ver com dinheiro”, assegurou, esclarecendo que na conta bancária a câmara conta com 39,5 milhões de euros, mas que o mesmo “não pode ser usado” devido à lei das finanças locais.

“Este é um empréstimo de tentativa de resposta à lei, que é insuficiente e apresenta mais deficiências do que vicissitudes. Vamos usar a margem de endividamento para afetar a um conjunto de investimentos”, garantiu.

Entre os investimentos que constam da proposta de empréstimo encontra-se a reformulação da rede viária pedonal da Estrada da Rainha e rua Caminho do Senhor (três milhões de euros), o pavilhão multiusos nos Arcos do Sardão (8,5 milhões de euros), construção do pavilhão municipal de Vilar do Paraíso (três milhões de euros), reabilitação dos edifícios dos Paços do Concelho (3,5 milhões de euros) e sistema de acesso ao centro histórico (600 mil euros).

Para o vereador social-democrata Cancela Moura, o pedido de contratação de empréstimo “suscita dúvidas”, considerando que que o município deveria ser “prudente” face à conjuntura de incerteza.

“Numa época de conjuntura de tanta incerteza, entre as consequências da guerra da Europa e com os níveis de inflação a recuarem 30 anos, seria prudente que o município dispusesse de uma reserva de financiamento para situações imponderáveis, como ocorreu, por exemplo, no passado recente com a pandemia”, defendeu.

Cancela Moura considerou ainda que alguns dos investimentos que constam da proposta de empréstimo deveriam ser “realizados à custa do município”, como previsto no orçamento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Rehau desenvolve sistema para renovação do ar interior

O Awadukt Thermo oferece todas as possibilidades de instalação possíveis, uma vez que proporciona aos arquitectos a máxima liberdade de desenho graças aos seus tubos de ar enterrados a uma profundidade de aproximadamente 1,5 metros

CONSTRUIR

Na Rehau, conscientes da importância da renovação do ar interior e com o objectivo de oferecer “as melhores soluções aos seus utilizadores”, a empresa desenvolveu o sistema Awadukt Thermo.

Se pensarmos que o ar condicionado, clima, ventilação e segurança impede frequentemente que novos edifícios e edifícios eficientes do ponto de vista energético abram janelas para ventilar os espaços e que cada pessoa precisa de aproximadamente 600 litros de ar novo por hora para que não surjam problemas de concentração, fadiga, irritação e baixa produtividade podem ser sentidos, o sistema de ventilação antimicrobiana sustentável Awadukt Thermo “garante ar novo, limpo e higiénico”.

O sistema adequado a todas as causas de estagnação do ar evita todos os problemas graças às suas tubagens de parede lisa. “Este sistema é também o único no mercado com um revestimento antimicrobiano, impedindo assim a formação de germes”, refere a empresa.

Além disso, é 30% mais rápido de instalar do que o betão porque os tubos são 90% mais leves e fornecidos em varas com comprimentos maiores.

O Awadukt Thermo da REHAU oferece todas as possibilidades de instalação possíveis, uma vez que proporciona aos arquitectos a máxima liberdade de desenho graças aos seus tubos de ar enterrados a uma profundidade de aproximadamente 1,5 metros. Desta forma, a energia geotérmica é aproveitada com a utilização da capacidade de armazenamento de energia do subsolo, recorrendo a tubos enterrados horizontalmente neste. Desta forma, as necessidades de aquecimento e arrefecimento podem ser reduzidas sem sacrificar o conforto interior.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Universidade do Porto tem plano para modernizar campus avaliado em 100M€

A aposta em novas residências universitárias está a ser desenvolvida em articulação com algumas autarquias do distrito, como é o caso da Câmara do Porto, com quem a U. Porto irá submeter duas candidaturas ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)

Ricardo Batista

Está avaliado em 100 milhões de euros o plano de investimentos delineado pelos responsáveis da Universidade do Porto, uma iniciativa que vai permitir não apenas a requalificação do campus universitário como a execução de um conjunto de trabalhos com implicações na forma como se vive e estuda na Área Metropolitana do Porto. O ambicioso conjunto de projectos esteve em particular destaque na sessão solene que assinalou a tomada de posse de António de Sousa Pereira para o segundo mandato, de quatro anos, enquanto reitor da Universidade. Em causa está a requalificação de alguns espaços da universidade e a construção de outros, nomeadamente, novos espaços para “estudar e investigar”, mas também novos alojamentos e espaços dedicados à cultura e arte.

Planos de expansão
Entre os projectos, destacam-se a expansão da Faculdade de Belas Artes e da Faculdade de Desporto, mas também a construção de mais três edifícios na Faculdade de Engenharia.

A requalificação da Faculdade de Medicina no edifício partilhado com o Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), a reconstrução do Aquário da Foz e a conclusão do novo Estádio Universitário são também alguns dos projectos prioritários para os próximos quatro anos. A par do investimento nas unidades orgânicas da U. Porto, António de Sousa Pereira pretende criar novas residências universitárias, sendo que esta aposta vai permitir “quase duplicar a oferta de camas da universidade”.


Articulação com a AM Porto

A aposta em novas residências universitárias está a ser desenvolvida em articulação com algumas autarquias do distrito, como é o caso da Câmara do Porto, com quem a U. Porto irá submeter duas candidaturas ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a construção de uma residência no Monte Pedral, com 200 camas, e outra no Morro da Sé, também com cerca de 200 camas.

Além destes alojamentos e da residência universitária situada no centro histórico sob a gestão da Federação Académica do Porto (FAP), que terá 20 quartos, a U. Porto tem previstas mais candidaturas ao PRR. Uma das candidaturas destina-se à reabilitação de camas já existentes em diferentes residências espalhadas pela cidade, e outras duas serão “exclusivas” da U. Porto para a construção de uma residência universitária na Rua Boa Hora, com cerca de 250 quartos, e para a construção de uma residência na Asprela, com cerca de 150 quartos.

Outro dos objectivos do reitor para este segundo mandato passa pela instalação do Centro de Investigação para a Saúde Humana e Animal no concelho da Maia, bem como o novo campus a ser desenvolvido na antiga refinaria de Leça da Palmeira, em Matosinhos, e cujo valor não está incluído nos cerca de 100 milhões de euros a investir.

Apesar de reconhecer que a situação provocada pela crise pandémica, agravada pelo recente conflito na Ucrânia, “criou, objectivamente, um impasse no processo de desenvolvimento e crescimento da Universidade”, o Reitor acredita que “os anos vindouros devem servir para recuperar dos efeitos da crise sanitária e iniciar uma nova fase de expansão sustentada e estrutural”. “Para o sucesso da retoma pós-Covid, é crucial a materialização das possibilidades abertas pela nova geração de fundos europeus. O Horizonte Europa, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e o novo quadro comunitário de apoio representam importantes oportunidades de financiamento para as instituições de ensino superior”, lembrou.

Para superar este “desinvestimento”, o Reitor aponta como receita a “actualização dos níveis de financiamento”, “fundamental para a requalificação do património, infraestruturas e equipamentos das instituições”, bem como a “desburocratização da gestão das instituições de ensino superior e de investigação científica”. Até que tal se concretize, “não tenho dúvidas de que, mesmo num contexto adverso, a Universidade do Porto não deixará de se desenvolver e de desenvolver o país”, vincou.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Construção

AICEP dedica rubrica “Em foco” às oportunidades de negócio no Canadá nas áreas das Infraestruturas e Construção

Uma sessão on-line para conhecer melhor as características do mercado canadiano, as regras das principais plataformas de public procurement e as oportunidades de negócio nos sectores das infraestruturas e da construção

CONSTRUIR

A Academia AICEP vai realizar no dia 15 de Julho o webinar Em Foco Canadá – Infraestruturas e Construção, dedicado às empresas que pretendam conhecer melhor as características do mercado canadiano, as regras das principais plataformas de public procurement e as oportunidades que aí podem encontrar no que se refere aos sectores das infraestruturas e da construção.

Este webinar conta com a participação do especialista do sector, Mário Rosado, presidente da empresa INFRABIZ com sede em Toronto, fundada em 2013 e especializada em infraestruturas e construção. Mário Rosado, fará uma apresentação geral do sector, recomendará as melhores formas de abordar o mercado e identificar oportunidades. Explicará ainda como as empresas portuguesas podem aceder e utilizar as principais plataformas de public procurement. Por sua vez, o delegado da AICEP no Canadá, Raúl Travado, fará uma breve introdução de enquadramento geral do mercado canadiano.

O sector da construção (incluindo infraestruturas) tem um grande peso na economia do Canadá, dando emprego a cerca de 1.5 milhões de canadianos. O sector representa 7.5% do PIB canadiano, tendo registado um valor de 149 mil milhões de dólares em 2021 (Statistics Canada). Apesar do impacto negativo da pandemia e da persistência de problemas ao nível das cadeias de abastecimento, ao que acrescem as pressões inflacionárias dos últimos longos meses, o sector da construção continua a mostrar resiliência e em 2021 recuperou já a tendência de crescimento.
De acordo com um relatório publicado em Março passado pela organização nacional BuildForce Canada, espera-se que o investimento, público e privado, e o crescimento do sector se mantenham até 2027, embora gradualmente a um ritmo mais moderado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Re/Max reforça equipas a nível nacional

Nos primeiros cinco meses do ano juntaram-se à imobiliária 2.202 novos consultores. Março com 490 profissionais recrutados foi o mês em destaque. A representar a maior fatia no recrutamento da marca, posicionou-se a zona central de Lisboa (concelho) com 18,9% do total de consultores recrutados, seguida pelo Grande Porto (17,6%)

CONSTRUIR

A RE/MAX, confirma a aposta no capital humano, tendo apurado que de Janeiro a Maio foram recrutados 2.202 consultores, uma média de 440 profissionais por mês. Em termos de distribuição por regiões, a zona central de Lisboa (concelho) com 18,9% do total de consultores recrutados foi a mais representativa, seguida do Grande Porto (17,6%) e do Centro Norte (15%), que fecham o top 3 das regiões com maior expressão.

Na análise aos dados, é possível verificar que nos primeiros cinco meses do ano, Março foi o mês que registou o maior número de consultores recrutados pela RE/MAX, com 490 a juntarem-se à imobiliária. Janeiro contabilizou 465 novos consultores e Fevereiro 447, períodos também intensos ao nível do recrutamento.

Nos distritos com maior peso no recrutamento sobressaem os de Lisboa e Porto, com 40% e 20,9% respectivamente, o que traduz um peso significativo, mais de metade do recrutamento da rede. Braga, com 8,6%, ocupa a 3ª posição, seguida por Setúbal, com 7,7%. O distrito de Aveiro fecha o top 5, representando 5,4% no volume de recrutamento. A nível de concelhos, o ranking apresenta os cinco melhores: Lisboa (18,9%), Porto (6,8%), Sintra (5,3%), Vila Nova de Gaia (4,2%) e Oeiras com 4,1% do total de consultores recrutados neste período em análise.

“Temos cada vez mais uma equipa especializada e motivada que atrai outros profissionais. Além de que possibilitar altos rendimentos e liberdade na gestão dos assuntos pessoais, também acrescenta responsabilidade pelos mais elevados padrões de satisfação de clientes e parceiros”, sublinha Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Mapei vai inaugurar novo showroom no edifício Verde Parque

O novo showroom da empresa de produtos de construção irá estender-se por uma área superior a 600 m², no edifício Verde Parque, junto ao Parque das Nações

CONSTRUIR

Localizado no piso zero, este espaço irá acolher o novo showroom e os escritórios da administração da filial portuguesa do Grupo Mapei, líder mundial no segmento dos produtos químicos para a construção.

Comercializado em regime de co-excluvidade pela JLL e a Worx, o empreendimento Verde Parque é gerido pela Norfin e localiza-se a norte do Parque das Nações, beneficiando de boas acessibilidades, não só ao centro da cidade de Lisboa, mas também às principais vias de acesso para o norte e centro do país. Estendendo-se por uma área de construção de aproximadamente 9.900 m², é composto por dois edifícios de escritórios e conta com estacionamento privativo para 254 viaturas. O primeiro edifício, Lote 2 ergue-se por três pisos e uma área total de 3.700 m², tendo o piso 0 ocupado por um supermercado; já o segundo, o edifício Lote 3, conta com cinco pisos acima do solo e oferece uma área total de 6.300 m².

“Confirmando as nossas boas expectativas, o mercado está a ter um início de ano muito dinâmico, com fortes níveis de procura, não só no centro da cidade, mas também nos eixos mais periféricos; e esta operação com a Mapei vem, uma vez mais colocar essa vitalidade em evidência!”, refere Sofia Tavares, head of office Leasing da JLL.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Round Hill Capital adquire activos da rede Smart Studios

Negócio de 200 M€ engloba 2070 apartamentos, dos quais 1070 estão em fase de licenciamento na CML e estão previstos para a Alta de Lisboa, Areeiro e Ajuda

CONSTRUIR

O grupo de investimento Round Hill Capital comprou a rede Smart Studios. O montante envolvido ronda os 200 milhões de euros, o que faz deste um dos maiores negócios imobiliários concretizados este ano.

A notícia foi avançada pelo jornal Expresso, e que segundo declarações de Ricardo Kendall, fundador e sócio da Smart Studios, “o acordo de venda da Smart Studios, engloba 2070 apartamentos em Lisboa, Carcavelos e Porto”.

A rede de espaços de coliving e residências de estudantes da Smart Studios é constituída por 2070 apartamentos, 600 em operação, 401 em fase final de construção, sendo que um dos prédios fica pronto em Julho e outro em Agosto e 1070 apartamentos em fase de licenciamento na Câmara Municipal de Lisboa.

Ao Construir, Ricardo Kendall confirmou que os mesmos estão previstos para a Alta de Lisboa, Areeiro e Ajuda, junto ao Polo 2 da UL. O responsável confirmou ainda, que irá manter-se na empresa “temporariamente”, sem, contudo, especificar, mais pormenores.

A carteira de activos da Smart Studios estava avaliada em 205 milhões de euros. No entanto, destaca Ricardo Kendall que do “portfólio foram excluídos três pequenos edifícios e, portanto, houve naturalmente ajustes”.

De referir que a Round Hill Capital e o Canada Pension Plan Investment Board anunciaram, no final de 2021, uma parceria para investir 1000 milhões de euros em projectos de residências de estudantes na Europa, incluindo Portugal. Com este acordo a Round Hill Capital aposta no reforço da sua presença neste mercado, onde soma já 40 projectos de residências de estudantes no Reino Unido e na Europa Continental desde 2002.

De destacar que a Smart Studios abriu no período da pandemia dois prédios, que totalizam 415 apartamentos. Um deles, junto à estação de Santa Apolónia, que “em quatro meses estava praticamente cheio”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

ACAI elege novo presidente

Jorge Bota, responsável da B. Prime, foi eleito para o mandato dos próximos três anos da Associação e antecipa “objetivos ambiciosos para os próximos anos, para tornar este sector cada vez mais profissional e na vanguarda da mudança”

CONSTRUIR

Jorge Bota foi eleito o novo presidente da ACAI – Associação de Empresas de Consultoria e Avaliação Imobiliária que agrega as maiores empresas do sector, para um mandato de três anos.

Constituída em 2013, a Associação tem como objectivo a promoção, regulamentação e desenvolvimento da actividade de consultoria imobiliária, de avaliação e administração de imóveis, de mediação e acompanhamento de negócios imobiliários, bem como de defesa, promoção e representação dos interesses empresariais do sector.

Considerando este um sector com “forte dinamismo”, e que a ACAI possibilita a agregação dessa vontade de “crescimento, profissionalismo e na melhoria contínua”, para desta forma poderem desempenhar uma função colaborativa com todos os “stakeholders” do sector, Jorge Bota, antecipa “objetivos ambiciosos para os próximos anos, para tornar este sector cada vez mais profissional e na vanguarda da mudança”.

Além de Jorge Bota, da B. Prime, na presidência da ACAI, a direcção da Associação conta, ainda com Francisco Horta e Costa da CBRE na vice-presidência, Eric van Leuven da Cushman & Wakefield, Pedro Lancastre da JLL e Pedro Rutkowski da Worx como vogais, além de Patricia Melo e Liz da Savills como membro do Conselho Fiscal.

Entre outras iniciativas, a ACAI promoveu a criação do LPI – Lisbon Prime Index, um índice que recolhe e disponibiliza os principais dados disponíveis para o mercado de escritórios e que estão na origem dos mais diversos estudos de mercado, sendo a fonte mais fidedigna sobre a actividade no mercado de escritórios em Lisboa.

Esta base comum das Associadas garante a missão da ACAI, no sentido de procurar promover acções junto dos diversos representantes de entidades públicas como Municípios, Governo e Assembleia da República, procurando juntamente com outras associações representativas do mercado imobiliário, um sector que nos últimos quatro anos captou em média cerca de três mil milhões de euros de investimento anual.

As Associadas da ACAI são responsáveis por cerca de 95% dos negócios imobiliários envolvendo a propriedade comercial, através da sua prestação de serviços de avaliação, consultoria e/ou mediação.

Em conjunto, nos últimos cinco anos, estas empresas foram responsáveis por avaliar mais de 118 milhões de m2 de imoveis; além de terem colocado 660.000m2 de lojas, 900.000m2 de escritórios e 700.000m2 de área logística e industrial, em Portugal, o que representa a maior parte dos negócios em imobiliário comercial, no nosso País.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Gebalis com mais de 40M€ para reabilitar bairros municipais

Investimento aprovado pela CML inclui reforço de 17 M€ para intervir em 740 fracções vazias até 2026

CONSTRUIR

Com 66 bairros municipais sob a sua gestão em Lisboa, cuja população residente estimada ascende a cerca de 60 mil habitantes, a Gebalis vai contar com um total de 40 milhões de euros provenientes do contrato-programa hoje aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa.

Assumindo-se como o maior contrato-programa alguma vez celebrado entre a edilidade e a Gebalis, o valor que está nele consagrado será canalizado para a necessária reabilitação estrutural de 11 bairros camarários, com um impacto em 2.613 frações, das quais cerca de 740 de forma directa.

Ao dar prioridade à melhoria da qualidade de vida nos bairros e das condições de habitabilidade dos respectivos arrendatários, a Gebalis vai então dar início a trabalhos de conservação em vários dos aglomerados urbanos localizados em Lisboa que se encontram sob sua responsabilidade, nomeadamente os bairros 2 de Maio, Açucenas, Alfinetes, Boavista, Bom Pastor, Condado, Flamenga, João Nascimento Costa, Padre Cruz, Rego e Telheiras Sul.

Com um calendário de execução que se estende até 2026, a este contrato-programa de 40 milhões de euros junta-se um anteriormente celebrado entre o actual executivo camarário e a Gebalis, no valor de 2 milhões de euros, para reabilitação de frações já em obras.

Para Fernando Angleu, Presidente do Conselho de Administração da Gebalis, este considerável suporte financeiro “representa a forte aposta da Câmara Municipal de Lisboa na habitação e assume-se como uma ferramenta fundamental para que a Gebalis melhore a resposta às necessidades prementes da população residente nos bairros camarários”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Engenharia

10º Congresso Rodoferroviário Português

O 10º congresso do Centro Rodoferroviário Português (CRP) terá lugar de 5 a 7 de Julho, no centro de congressos do LNEC, em Lisboa

CONSTRUIR

Durante três dias serão discutidos os principais desafios que se colocam ao sector rodoviário e ferroviário. A abertura do encontro é dedicado ao tema da “Digitalização no Transporte”, mas as atenções também se centraram naqueles que são os grandes desafios do sector: o da inovação, a mobilidade urbana, tendo por base aquela que é a premissa transversal, a sustentabilidade.

O debate prossegue no segundo dia do encontro dedicado às infraestruturas de transporte e que tem como país convidado Angola. Para além da realidade angolana, serão ainda analisadas as infraestruturas de transporte no Brasil e em Moçambique.

O papel central da Ferrovia, as pontes sua “operação e manutenção”, a mobilidade na era digital, a segurança e a rodovia sustentável serão alguns dos temas em destaque no último dia do encontro. A sessão de encerramento contará com a presença de Jorge Delgado, secretário de Estado da Mobilidade Urbana, Professor Jorge Delgado.

Ao longo dos três dias estão programadas várias sessões paralelas, bem como uma exposição técnica.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.