Edição digital
Assine já
Empresas

Morgado & Companhia lança equipamento que elimina o Covid-19

A empresa, de materiais e equipamentos eléctricos e electrónicos para a indústria e construção civil, lançou o SanificaAria Beghelli, o mais recente higienizador de ar

CONSTRUIR
Empresas

Morgado & Companhia lança equipamento que elimina o Covid-19

A empresa, de materiais e equipamentos eléctricos e electrónicos para a indústria e construção civil, lançou o SanificaAria Beghelli, o mais recente higienizador de ar

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Greenvolt fecha acordo para fornecer energia verde à BA Glass
Engenharia
AEP organiza Congresso Portugal Empresarial
Empresas
CBRE contrata Nuno Torcato para departamento de Industrial e Logística
Imobiliário
APICER lança marca ‘Portugal Ceramics’
Empresas
MOBi.E inaugura hub de carregamento em Loulé
Empresas
Imovirtual organiza 3ª edição do ‘Aproximo’
Imobiliário
Mercado de Fusões e Aquisições português movimenta 8,2bi em 2022
Imobiliário
Porto: Ligação entre São Bento e Casa da Música prevista para 2025
Construção
Curso sobre blockchain e Web 3.0 quer mudar a forma como se pensa o negócio
Empresas
Governo estuda práticas internacionais de regulação no mercado habitacional
Imobiliário


Setembro é o mês de regresso aos locais de trabalho e às escolas. Um regresso que se faz cauteloso e com preocupações acrescidas. A pensar na necessidade impostas pela pela pandemia a Morgado & Companhia, empresa importadora e distribuidora de materiais e equipamentos eléctricos e electrónicos para a indústria e construção civil, lança no mercado nacional o SanificaAria Beghelli. O mais recente higienizador de ar, destinado a inactivar bactérias e vírus, incluindo a Covid-19, desenvolvido pela italiana Beghelli, que actua na área de iluminação de emergência.

Com uma taxa de sucesso de 99,9%, comprovado por laboratórios independentes, o SanificaAria promove a circulação do ar pelo seu interior e higieniza-o, através da radiação de ultravioletas, UV-C. Apresenta capacidade de tratamento de ar de 30 m³ por hora e consumo de 25W, podendo ser instalado em casas, restaurantes, hotéis, escolas, escritórios, lojas, repartições públicas e hospitais, entre outros.

Projectado para operar na presença de pessoas, o SanificaAria Beghelli apresenta-se como uma solução segura, com eficácia comprovada até 99,9% em vírus (incluindo os coronavírus) e bactérias, ozono free, sem exposição externa a fontes de UV-C, silencioso e eficaz mesmo na presença de ar condicionado. Assegura a higienização contínua de ambientes, através de uma tecnologia que replica e intensifica a acção purificadora natural da radiação solar, minimizando ou eliminando quaisquer substâncias contaminantes.

“A Beghelli criou uma tecnologia que utiliza uma célula de fluxo iluminada internamente por uma fonte de UV-C, através da qual é forçada a circulação do ar que sai higienizado, mantendo o processo sempre eficaz e respeitando o meio ambiente”, explica Filipe Morgado, CEO da Morgado & Companhia. “É um processo totalmente seguro para as pessoas, porque a tecnologia UvOxy® patenteada não gera Ozono nem as radiações UV-C emitidas pela lâmpada passam para o exterior do equipamento”, garante Filipe Morgado. “O aparelho utiliza uma lâmpada UV-C, que, por estar encapsulada no interior do aparelho, não expõe as pessoas a essas mesmas radiações. A par desta protecção, a fonte de luz está calibrada de forma a não gerar ozono”, sublinha ainda o responsável. O ar é aspirado para dentro da câmara fechada que contém a fonte de UV-C, onde o processo de inactivação dos microrganismos ocorre, garantindo um ambiente mais inócuo.

A segurança das pessoas, aliada ao conforto e inovação, tem sido, ao longo dos últimos 43 anos de existência da empresa, a preocupação primária da Morgado & Companhia nas soluções e produtos que comercializa. “Há mais de 35 anos iniciámos uma parceria com a Beghelli, uma empresa focada na segurança das pessoas, que agora apresenta ao mercado uma arma no combate a esta pandemia provocada pela Covid-19 “, assinala o CEO.

Eficácia contra os vírus e bactérias garante certificações

Os produtos Beghelli utilizam fontes de UV-C que irradiam o volume de ar tratado com energia suficiente para decompor até 99,9% dos microrganismos. O SanificaAria foi submetido a testes de certificação em laboratórios independentes, onde foi comprovada a sua eficácia do ponto de vista sanitário, no que concerne à inativação de vírus e bactérias.

Os resultados concluíram que a sua redução, expressa em percentagem, é superior a 99,9%.Os resultados indicam ainda que o SanificaAria decompõe uma ampla gama de bactérias, vírus, coronavírus e outros microrganismos, o que lhe valeu a classificação de acordo com a norma IEC 60335-2-65 para higienizadores de ar. Testes realizados num laboratório credenciado pela UNI CEI EN ISO/IEC 17025:2018.

Reconhecida como um fabricante credível de equipamentos relacionados com a segurança do consumidor, a Beghelli lançou o equipamento no passado mês de Julho, em Itália, onde vendeu só no primeiro mês mais de 5000 unidades, nomeadamente para escolas, empresas e bancos. Para além de Portugal, o SanificaAria está a ser comercializado em países como Alemanha, Polónia, Hungria, República Checa, Espanha, Irlanda e Inglaterra.

Um equipamento para qualquer espaço

O SanificaAria pode ser colocado em qualquer espaço público ou privado, doméstico ou comercial. Restaurantes, hotéis, salas de aula, escritórios, cabeleireiros, consultórios médicos, cozinhas, salas de habitações, repartições públicas e hospitais são alguns dos espaços, onde pode ser instalado, estando disponível no formato “stand alone”, vertical em pavimento ou suspenso na parede ou tecto.

É um produto certificado do ponto de vista eléctrico pela aposição da marcação CE, pode funcionar 24/24 horas, pois apresenta uma elevada eficiência energética consumindo apenas 25W. Pode funcionar em simultâneo com o ar condicionado.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Greenvolt fecha acordo para fornecer energia verde à BA Glass
Engenharia
AEP organiza Congresso Portugal Empresarial
Empresas
CBRE contrata Nuno Torcato para departamento de Industrial e Logística
Imobiliário
APICER lança marca ‘Portugal Ceramics’
Empresas
MOBi.E inaugura hub de carregamento em Loulé
Empresas
Imovirtual organiza 3ª edição do ‘Aproximo’
Imobiliário
Mercado de Fusões e Aquisições português movimenta 8,2bi em 2022
Imobiliário
Porto: Ligação entre São Bento e Casa da Música prevista para 2025
Construção
Curso sobre blockchain e Web 3.0 quer mudar a forma como se pensa o negócio
Empresas
Governo estuda práticas internacionais de regulação no mercado habitacional
Imobiliário
Engenharia

Greenvolt fecha acordo para fornecer energia verde à BA Glass

O acordo agora fechado entre a GreenVolt e a BA Glass prevê que o fornecimento de energia gerada nos parques solares e eólicos na Polónia se inicie durante o quarto trimestre de 2023

A GreenVolt – Energias Renováveis, assinou com a BA Glass um contrato de aquisição de energia (PPA ou Power Purchase Agreement, na língua inglesa) para fornecer energia obtida a partir de fontes renováveis à sua unidade polaca por um período de 15 anos.

A energia renovável será fornecida a um dos maiores produtores de embalagens e garrafas de vidro da Europa através da Augusta Energy, uma joint-venture entre a KGAL, uma gestora de ativos alemã, e a V-Ridium Power, empresa que opera no mercado polaco, detida a 100% pela GreenVolt.

O acordo agora fechado entre a GreenVolt e a BA Glass prevê que o fornecimento de energia gerada nos parques solares e eólicos na Polónia se inicie durante o quarto trimestre de 2023.

A energia que será fornecida anualmente à BA Glass é equivalente ao consumo médio de 4.800 famílias. Vai permitir que seja evitada a emissão de 11,6 mil toneladas de CO2, por ano, contribuindo assim para que a empresa do sector do vidro alcance as suas metas de sustentabilidade.

“Esta parceria com a BA Glass na Polónia, reforça a posição da GreenVolt como uma referência no desenvolvimento e operacionalização de projectos de energia renovável na Europa, bem como a sua capacidade de dar resposta a soluções à medida das necessidades dos seus clientes e de os ajudar a atingirem os objectivos de descarbonização”, diz João Manso Neto, CEO da GreenVolt.

A par da produção de energia a partir de biomassa, a partir de resíduos florestais e resíduos lenhososos urbanos, em Portugal e no Reino Unido, a GreenVolt é promotora de projectos eólicos e solares fotovoltaicos, com actuação em vários mercados europeus e no mercado americano, com um pipeline de 6,7 GW – com 2,9 GW em estado avançado de desenvolvimento até ao final de 2023.

No segmento estratégico da geração distribuída, actua nos mercados português e espanhol, tanto no segmento empresarial como no residencial apresentando soluções que visam a redução da factura energética dos seus clientes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

AEP organiza Congresso Portugal Empresarial

Promovido pela AEP o encontro, que está marcado para dia 16 de Setembro, irá receber empresários, decisores e académicos para debaterem os desafios da Indústria e da Sustentabilidade. O evento conta com a presença do Presidente da República e Ministro da Economia e do Mar

Exponor recebe Presidente da República e Ministro da Economia e do Mar

A AEP – Associação Empresarial de Portugal já está em contagem decrescente para o dia 16 de Setembro. O Congresso Portugal Empresarial vai reunir, na Exponor, em Leça da Palmeira, empresários, decisores e académicos para debaterem os desafios da Indústria e da Sustentabilidade.
Com mais de 500 participantes inscritos, o encontro tem como foco prioritário o “desígnio da competitividade de Portugal”, e os temas que lhe estão subjacentes designadamente políticas públicas, demografia, transições digital, climática e energética, inovação e competitividade.
O programa já conta com as presenças do Presidente da República, do Ministro da Economia e do Mar, da Comissária Europeia Elisa Ferreira, do presidente do Conselho Económico e Social Francisco Assis e de empresários, autarcas e gestores.
Durante o jantar do Congresso, com a presença do Presidente da República, a AEP vai ainda distinguir quem se tem destacado no tecido empresarial nacional com os prémios “Carreira” (um empresário e uma empresa), “Empresa Sustentável”, “Exportação e Internacionalização” e “Inovação PME”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

CBRE contrata Nuno Torcato para departamento de Industrial e Logística

Nuno Torcato será o novo director do departamento de Advisory & Transaction na área de Industrial e Logística, reforçando assim a sua forte aposta da CBRE neste sector

A consultora imobiliária CBRE reforçou, recentemente o departamento de Advisory & Transaction na área de Industrial e Logística com a contratação de Nuno Torcato para director desta área, “reforçando assim a sua forte aposta neste sector”.

Com um bacharelato em contabilidade pelo ISCAL e um MBA no IE Business School, em Madrid, Nuno Torcato começou o seu percurso profissional em 1999 na KPMG onde assumiu funções na área da auditoria e, mais tarde, na área de M&A. Posteriormente, mudou-se para Madrid e juntou-se ao Banco Finantia como director-adjunto de Corporate & Leveraged Finance e dois anos depois foi director adjunto de Corporate & Strutured Finance no Banif Investment Bank. Ao longo do seu percurso passou, também, pela PwC, tendo trabalhado entre Portugal e Angola, e pelo Grupo Pestana. Em 2021 transitou para a Urbania, uma empresa de promoção imobiliária na área de residências de estudantes, intervindo, também, em financiamento alternativo.

“Estamos muito satisfeitos com a contratação do Nuno Torcato. Acreditamos que a sua vasta experiência, bem como o seu perfil dinâmico e a capacidade de criar e gerir relações com clientes, vão contribuir para o desenvolvimento e consolidação da nossa área transaccional de logística, numa altura em que este mercado está a crescer exponencialmente. Esta área é uma das grandes apostas da CBRE pelo que a chegada do Nuno vem, certamente, maximizar o potencial de negócio”, afirma Francisco Horta e Costa, director-geral da CBRE Portugal.

“O sector imobiliário está a passar por uma fase muito dinâmica, mas é a área da logística, em especial, que tem registado as maiores transacções, sendo 2022 já considerado o melhor ano deste segmento em Portugal. Espero vir a contribuir para reforçar a notoriedade da CBRE, sempre através de um trabalho em equipa, e apoiar os nossos clientes que queiram entrar ou expandir os seus negócios dentro deste sector”, acrescenta Nuno Torcato.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

APICER lança marca ‘Portugal Ceramics’

Sob o mote ‘The Art of Possibility’, a marca tem como principal propósito comunicar um posicionamento de um sector que seja autêntico, relevante e diferenciador, e melhorar a comunicação e a imagem do sector, essencialmente nos mercados internacionais.

A Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e de Cristalaria (APICER) prepara-se para lançar a sua mais recente marca, com vista “à promoção da internacionalização da cerâmica portuguesa”. “Uma acção imprescindível no contexto actual”, reforça a associação.

Portugal Ceramics, desenvolvida ao abrigo do projecto Intercer, tem data de apresentação marcada para o dia 22 de Setembro, às 17 horas, no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, em Matosinhos.

Sob o mote ‘The Art of Possibility’, a marca tem como principal propósito comunicar um posicionamento de um sector que seja autêntico, relevante e diferenciador, e melhorar a comunicação e a imagem do sector, essencialmente nos mercados internacionais.

Este evento irá marcar, ainda, o arranque de um conjunto de iniciativas de comunicação e acções junto dos mercados internacionais preconizadas para os anos de 2022 e 2023, onde a marca e o novo posicionamento serão apresentados e explicados em pormenor.

João Neves, secretário de Estado da Economia, José Luís Sequeira, presidente da Direcção da APICER, João Magalhães, director de Estratégia da agência Super, responsável pelo desenvolvimento da marca, e Luís Pedro Silva, arquitecto e autor do projecto do Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, são alguns dos oradores e convidados que irão marcar presença no evento.

 

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

MOBi.E inaugura hub de carregamento em Loulé

Ao todo a MOBi.E já totaliza nove hubs, num investimento de cerca de 2 milhões de euros. Leiria, Loures e Guimarães já têm o hub em funcionamento, seguindo-se posteriormente, Almada, Coimbra, Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viseu

tagsMOBI.E

A MOBi.E. inaugura esta terça-feira, dia 13 de Setembro, em Loulé, mais um hub de carregamento para veículos eléctricos, dando assim continuidade à execução do Programa de Estabilidade Económica e Social aprovado pelo Governo (PEES), lançado pelo Governo e com financiamento do Fundo Ambiental.

O hub de Loulé irá ser operado pela KLC – Kilometer Low Cost ao abrigo de um contrato de concessão de 10 anos estabelecido na sequência de um Concurso Público Internacional, promovido para o efeito pela MOBi.E. Com esta infraestrutura de carregamento, o município de Loulé passa a contar com um total de 72 postos de carregamento de acesso público, ligados à rede Mobi.E.

Ao todo a MOBi.E já totaliza nove hubs, num investimento de cerca de 2 milhões de euros. Leiria, Loures e Guimarães já têm o hub em funcionamento, seguindo-se posteriormente, Almada, Coimbra, Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viseu.

Cada hub é constituído por um posto de carregamento ultrarrápido (150 kW), três postos de carregamento rápido (50 kW), cinco postos de carregamento normal (22 kW) e um posto de transformação, permitindo o carregamento simultâneo de 18 veículos.

A rede Mobi.E de acesso público é composta atualmente por mais de 2.750 postos de carregamento e mais de 5.900 tomadas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Imovirtual organiza 3ª edição do ‘Aproximo’

As inscrições já estão abertas para o evento gratuito, que decorre online, que tem início às 10 horas, no dia 28 de Setembro. O objectivo passa “conectar os profissionais do sector imobiliário, potenciando o networking e analisando as tendências de negócio”

O portal Imovirtual vai organizar, dia 28 de Setembro, a terceira edição do APROXIMO. As inscrições já estão abertas para o evento gratuito, que decorre online, às 10 horas. Tal como o nome indica, o ‘Aproximo’ pretende conectar os profissionais do sector imobiliário, potenciando o networking e analisando as tendências de negócio mais relevantes da actualidade.

Na agenda do evento está prevista uma mesa-redonda, com a moderação de Massimo Forte, vários oradores vão discutir temas como a tecnologia do sector, a profissionalização e a conjuntura actual do mercado imobiliário. Os participantes desta mesa-redonda são Hugo Moreira (Golden Properties), Sandra Camelo (Private Luxury), Aurora Gomes (Comprar Casa), Hugo Gaito (Remax Expo) e Bruno Rodrigues (Veigas Caldas).

O Aproximo, que terá a duração de duas horas, conta ainda com uma sessão liderada por Pedro Camarez, sobre como “Construir a marca pessoal no Linkedin”.

“Sentimos que esta oportunidade de juntar os profissionais do imobiliário num único evento é uma das iniciativas que um portal como o Imovirtual deve proporcionar. É uma ocasião para se olhar de uma perspectiva conjunta e mais alargada para as últimas mudanças do mercado, bem como para potenciar novas colaborações entre os participantes. É um evento dinâmico e participativo no qual continuaremos a apostar, sendo esta edição uma rampa de lançamento para o que estamos já a planear para 2023”, menciona Diogo Lopes, director de Marketing do Imovirtual.

Durante o evento, existirá um momento interactivo, através do qual os participantes vão poder sugerir temas e oradores para o Aproximo de 2023, que já será realizado presencialmente.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Mercado de Fusões e Aquisições português movimenta 8,2bi em 2022

O sector de Real Estate foi o mais activo até Agosto, com 72 transacções, seguido pelo sector de Internet, Software & IT Services, com 37 operações

O mercado transaccional português registou até Agosto de 2022, 295 operações com valor total de 8,2bi de euros, sendo que 47% do total das transacções possuem os valores revelados, de acordo com o mais recente relatório do Transactional Track Record, em colaboração com o Intralinks. Estes números representam uma diminuição de 19% no número de transacções em comparação ao mesmo período de 2021, bem como uma queda de 47% do capital mobilizado.
Em Agosto, foram registadas 18 fusões e aquisições, entre anunciadas e encerradas, num valor total de 1,3bi euros.
Em termos sectoriais, o sector de Real Estate foi o mais activo até Agosto, com 72 transacções, seguido pelo sector de Internet, Software & IT Services, com 37 operações.

Âmbito Cross-Border
No âmbito Cross-Border, e que diz respeito ao número de transacções, a Espanha foi o país que mais investiu em Portugal no período em análise, contabilizando 27 transacções. Em segundo lugar está o Reino Unido com 21 operações.
No sentido inverso, as empresas portuguesas escolheram a Espanha e a Alemanha como principal destino de investimento, com 12 e sete transacções, respectivamente.
As empresas norte-americanas diminuíram em 54% suas aquisições no mercado português, até Agosto de 2022. As aquisições estrangeiras no sector de Tecnologia e Internet diminuíram em 15%, em comparação ao mesmo período de 2021.
Em relação aos fundos estrangeiros de Private Equity e Venture Capital que investem em empresas portuguesas, houve um crescimento de 18% no período.

Private Equity, Venture Capital e Asset Acquisitions
Até Agosto de 2022, foram contabilizadas 28 transacções Private Equity e um total de 2,1bi de euros. Houve uma diminuição de 12% no número de operações em comparação ao mesmo período de 2021. Em Venture Capital, foram realizadas 53 rodadas de investimentos e um total de 667 milhões de euros, representando uma diminuição de 20% no número de transacções.
No segmento de Asset Acquisitions, foram registadas 79 transacções com um valor de 2,4bi de euros, representando uma queda de 1% no número de operações.

Compra da sede do Novo Banco é transacção do mês
A transacção destacada pelo TTR em Agosto de 2022, foi a aquisição da sede do Novo Banco em Lisboa pela Merlin Properties. O valor da transacção é de 112 milhões de euros
A operação contou com a assessoria jurídica dos escritórios Garrigues Portugal; e Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Porto: Ligação entre São Bento e Casa da Música prevista para 2025

“Estamos a regularizar o piso da base, e vamos começar de imediato a montar a estrutura da laje de base da estação. Esta é uma estação charneira, porque é daqui que nasce o túnel, em direcção quer ao Santo António, quer à Casa da Música”, sublinhou Tiago Braga, presidente do conselho de administração da Metro do Porto

CONSTRUIR

Apesar das contingências com que os trabalhos se têm deparado, na obtenção de materiais e matérias-primas e no aumento de custos, as obras da Linha Rosa do Metro do Porto estão a decorrer dentro do prazo previsto. A futura estação da Galiza, por onde vai passar a nova linha, que irá fazer a ligação entre São Bento e a Casa da Música, deverá estar concluída em 2025. E irá trazer, também, “uma mudança no paradigma do transporte na cidade”, sublinhou, nesta quinta-feira, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, por ocasião à visita à obra.

“As pessoas só vão ficar satisfeitas com esta obra quando não houver obra, quando ela estiver terminada. É nesse momento que as pessoas vão perceber que houve uma mudança no paradigma do transporte na cidade, com um impacto enorme na qualidade de vida, no ambiente, e também na sua bolsa, porque é muito mais barato andar de metro do que andar em transporte individual”, frisou.

“Ao mesmo tempo, têm surgido algumas coisas que parecem más mas são boas”, acrescentou Rui Moreira. “Por exemplo, quando ao fazer escavações descobrimos parte da história do Porto. É evidente que as descobertas arqueológicas, nomeadamente nas Cardosas, atrasam um pouco a obra e aumentam o custo, mas ao mesmo tempo é o nosso património que fica a descoberto. Tudo isso, no futuro, será devidamente avaliado pelos cidadãos”, concluiu.

Com uma dotação global de 407 milhões de euros é expectável que ocorra um acréscimo de custos devido às actuais circunstâncias. Ainda assim, Tiago Braga, presidente do conselho de administração da Metro do Porto, sublinhou que, “durante a fase de concurso, face ao que tinham sido os preços-base, conseguimos apresentar resultados que nos permitiram algumas poupanças. Estamos a gerir esse orçamento já tendo em consideração este aumento de custos. Olhamos para o projecto de uma forma mais abrangente.”

“A Ucrânia era um dos grandes produtores de aço mundiais, há aqui um impacto direto da guerra nos custos dos materiais e matérias-primas associadas à construção civil”, acrescentou Tiago Braga, admitindo uma inflação de “20% a 30%” nos preços.

Em termos técnicos, na futura estação Galiza, Tiago Braga explicou que já foi escavado tudo o que havia para escavar. “Estamos a regularizar o piso da base, e vamos começar de imediato a montar a estrutura da laje de base da estação. Esta é uma estação charneira, porque é daqui que nasce o túnel, em direcção quer ao Santo António, quer à Casa da Música” – trabalhos que o responsável prevê terem início entre a última semana de Setembro e o início de Outubro.

A futura estação Galiza vai servir a EB 2/3 Gomes Ferreira, o Centro Comercial da Galiza, a Escola Secundária Infante D. Henrique, a Maternidade Júlio Dinis e toda a área envolvente – Centro Materno Infantil do Norte, Faculdade de Letras, Faculdade de Arquitectura, Jardins do Palácio de Cristal e Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota.

A Linha Rosa do Metro do Posto será a via directa da Boavista à Baixa, ligando as linhas Azul, Vermelha, Verde, Violeta e Laranja, na Casa da Música, à Linha Amarela, na Estação de S. Bento.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Curso sobre blockchain e Web 3.0 quer mudar a forma como se pensa o negócio

A EDIT. – Disruptive Digital Education e a SPHERE ELEPHANT, agência especializada em Web 3.0, juntaram-se para criar o primeiro curso em Portugal de Blockchain e Web 3.0 dedicado a gestores de marca. O curso irá focar-se no entendimento das tecnologias que envolvem a nova vaga de aplicações

CONSTRUIR

(na imagem: Daniel Devera, fundador e diretor geral da escola EDIT, Disruptive Digital Education)

O curso arranca a 1 de Outubro, no Porto, e incide sobre blockchain e as novas tecnologias que compõem a Web 3.0. É dedicado a gestores de marca ou “gestores de experiência” como prefere apelidar Hugo Silva Pereira, fundador e director Geral da SPHERE ELEPHANT, agência de media portuguesa exclusivamente focada em projectos Web 3.0.
“Nesta fase, o objectivo passa por educar profissionais, nas mais variadas áreas de negócio, sobre o que é, verdadeiramente, a Blockchain e de que forma irá mudar a nossa forma de pensar o cliente e o negócio”, afirma Hugo Silva Pereira.

Termos como Blockchain, Metaverso ou Cryptomoedas já entraram no léxico dos portugueses, embora muitos ainda não dominem ou olhem com desconfiança para o tema. Daniel Devera, fundador e diretor geral da escola EDIT, Disruptive Digital Education, esclarece que “é imperativo perceber que isto não é um curso de Trading. Queremo-nos afastar ao máximo disso. Antes, queremos educar sobre os benefícios da tecnologia e de que forma pode mudar o panorama da publicidade digital”.

O curso irá, conforme o nome indica, focar-se no entendimento das tecnologias que envolvem a nova vaga de aplicações, denominada de Web 3.0, e nos novos paradigmas de comunidade e customização que estes implicam.
Com investimentos multimilionários de empresas como a Google, a Microsoft, a IBM e, particularmente, a META, anteriormente conhecida como Facebook e que mudou o nome deliberadamente para reforçar a sua convicção e posicionamento no Metaverso, parecem existir poucas dúvidas que a indústria digital adivinha uma mudança no paradigma atual e está a prepará-la. “Ainda é preliminar. Ainda não é fácil para qualquer utilizador entrar neste meio, mas os estudos estão aí: a adopção de tecnologia como a realidade imersiva ou a blockchain estão a despertar a atenção dos utilizadores e os gestores de negócio precisam de se posicionar já para as experiências que podem oferecer às suas comunidades”, afirma Hugo Silva Pereira.

A primeira edição arranca aos fins-de-semana, no Porto, a partir do próximo dia 1 de Outubro, mas, segundo Daniel Devera, “chegará a Lisboa e criaremos uma versão remote assim que terminarmos o primeiro ciclo do curso. Ao sermos pioneiros, temos a responsabilidade de trabalhar conjuntamente com os alunos para criar algo sólido e construtivo”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Governo estuda práticas internacionais de regulação no mercado habitacional

O estudo a realizar pelo IHRU, em conjunto com outras entidades, vem complementar a medida já anunciada de travar o impacto da inflação nas rendas a praticar em 2023

CONSTRUIR

O Governo vai avançar com a realização de um estudo ao mercado habitacional, com o objectivo de analisar as práticas internacionais em matéria de regulação e os respectivos resultados, bem como a situação actual do mercado de arrendamento em Portugal e respectivo regime legal.

Reforçar a confiança, segurança e estabilidade na habitação é a grande meta do Governo, sem esquecer a reforma estrutural em curso, visando o reforço do parque habitacional público.

O estudo, definido pelo despacho já publicado, permitirá perceber de que forma é que outros países enfrentam este contexto comum de difícil acesso das famílias a uma habitação digna e a preços compatíveis com os seus rendimentos, que se tem agravado pela conjuntura internacional particularmente complexa, com origem multifactorial, mas, em particular, em dinâmicas especulativas e financeiras partilhadas.

Este trabalho, a realizar pelo IHRU em conjunto com outras entidades, vem complementar a medida já anunciada de travar o impacto da inflação nas rendas a praticar em 2023 (com a devida compensação aos senhorios), assim como a avaliação em curso, nos termos previstos no Orçamento do Estado, da solução para os contratos não submetidos ao Novo Regime do Arrendamento Urbano, com o objectivo de salvaguardar equilibradamente inquilinos e senhorios.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.