Edição digital
Assine já
Empresas

BMI fortalece portfólio de produtos em prol da competitividade

A nova estratégia é resultado da forte aposta em investigação e desenvolvimento, com os novos produtos a serem produzidos com recurso a uma nova tecnologia de fabrico.

CONSTRUIR
Empresas

BMI fortalece portfólio de produtos em prol da competitividade

A nova estratégia é resultado da forte aposta em investigação e desenvolvimento, com os novos produtos a serem produzidos com recurso a uma nova tecnologia de fabrico.

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
IASFA lança novo concurso para arrendamento de 60 casas de renda económica
Construção
Fundo Ambiental executou perto de 1000 milhões em 2021
Construção
Openbook assina renovação do escritório da SPS Advogados
Arquitectura
Preço da venda de casas cresce e arrendamento estabiliza ao longo de 2021
Imobiliário
Garcia Garcia assegura ampliação da norte-americana Brunswick em Portugal
Construção
KERAKOLL com unidade produtiva em Portugal
Empresas
Alentejo recebe projecto turístico de 10 M€
Construção
Conferência: Sines, a infraestrutura da transição digital da Europa e do mundo
Empresas
CCIP quer explorar oportunidades de negócio no Reino Unido em Janeiro
Empresas
Roca Gallery discute o novo consumo e a sua influência sobre o design
Empresas

O grupo BMI está a reforçar o seu protfólio de produtos. O grupo que resulta da fusão de Brass Monier e Icopal, é, actualmente, um dos maiores fabricantes de soluções para coberturas planas e inclinadas em toda a Europa. A estratégia seguida visa a criação “de uma gama de produtos melhorada em termos de qualidade, mantendo os mesmos perfis. Todos os produtos continuaram a ser certificados pela Certif e cumprem todos os requisitos da norma”, reforça a empresa em comunicado. “O serviço continuará a ser o mesmo, com a aposta em elevados padrões de qualidade e forte capacidade de resposta”.

A nova estratégia é resultado da “forte aposta em investigação e desenvolvimento”. Os novos produtos assentam “numa nova tecnologia de fabrico da gama básica, baseada num sistema de cozedura por U cassetes que permite o cozimento em temperaturas mais elevadas obtendo-se produtos com maior resistência ao gelo e mecânica, reduzindo significativamente o risco de fissuras”, explica o grupo.
“Esta é uma evolução natural para a BMI, uma vez que apostamos na melhoria contínua da nossa gama de produtos e nos serviços prestados. Somos ágeis na capacidade de resposta às necessidades dos mercados com que trabalhamos. Esta reestruturação tornará a nossa oferta mais competitiva e actrativa para o mercado”, justifica Pedro Abrantes, Iberia Residential Sales Director, da BMI Iberia.

“A nova gama básica terá assim níveis de qualidade superiores uma vez que o controlo do serviço foi melhorado, sendo que todas as telhas são verificadas visualmente, antes da paletização, para que o produto chegue ao cliente nas melhores condições”.

Este processo que estará concluído nos próximos meses, fortalecerá a posição da BMI Portugal no mercado das coberturas inclinadas. Com mais de 150 centros produtivos e operacionais na Europa, partes da Ásia e África do Sul, a empresa reúne mais de 165 anos de experiência no sector.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
IASFA lança novo concurso para arrendamento de 60 casas de renda económica
Construção
Fundo Ambiental executou perto de 1000 milhões em 2021
Construção
Openbook assina renovação do escritório da SPS Advogados
Arquitectura
Preço da venda de casas cresce e arrendamento estabiliza ao longo de 2021
Imobiliário
Garcia Garcia assegura ampliação da norte-americana Brunswick em Portugal
Construção
KERAKOLL com unidade produtiva em Portugal
Empresas
Alentejo recebe projecto turístico de 10 M€
Construção
Conferência: Sines, a infraestrutura da transição digital da Europa e do mundo
Empresas
CCIP quer explorar oportunidades de negócio no Reino Unido em Janeiro
Empresas
Roca Gallery discute o novo consumo e a sua influência sobre o design
Empresas
Construção

IASFA lança novo concurso para arrendamento de 60 casas de renda económica

A concurso estão 60 habitações, situadas em Almada, Cacém, Coimbra, Elvas, Évora, Lisboa, Mem Martins, Ponta Delgada, Ramada, Seixal e Tomar

Estão abertas as candidaturas para o arrendamento de casas de renda económica do Instituto de Acção Social das Forças Armadas (IASFA), que se encontram devolutas e a necessitar de obras. A concurso estão 60 habitações, situadas em Almada, Cacém, Coimbra, Elvas, Évora, Lisboa, Mem Martins, Ponta Delgada, Ramada, Seixal e Tomar.

O aviso de abertura, publicado em Diário da República, prevê a atribuição de casas de renda económica que se encontram devolutas ou a precisar de reabilitação. As obras necessárias para a utilização das fracções, com um custo máximo de cinco mil euros, acrescidos de IVA, deverão ser realizadas pelos arrendatários, sendo que o valor pago, até ao montante definido no concurso, será posteriormente descontado nas rendas mensais, no prazo máximo de 60 meses.

O concurso está aberto por 30 dias, até 5 de Fevereiro, e podem concorrer todos os militares e pessoal militarizado dos quadros permanentes das Forças Armadas, nas situações de activo, reserva e reforma.

Publicidade


Desde a alteração do regime jurídico do arrendamento das casas de renda económica do IASFA, em 2019, foram abertos três concursos para arrendamento de habitações: em 2019, para 55 casas prontas a habitar; em 2020, para 97 casas carecidas de obras e o presente concurso para 60 casas que também necessitam de obras de reabilitação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Fundo Ambiental executou perto de 1000 milhões em 2021

O ano passado o Fundo Ambiental aplicou 955,4 milhões de euros em apoios nas diferentes áreas da sua intervenção, o que, em termos absolutos, configura o maior valor de sempre aplicado em matéria de ambiente

Este valor representa um crescimento de 68% face ao ano anterior e de 703% em relação a 2017, ano em que foi criado o Fundo Ambiental e cuja aplicação em despesa se cifrou nos 135,8 milhões de euros.

Face à receita cobrada, a qual se situou nos 974,3 milhões de euros, a execução foi de 98,1%, o que reflecte a capacidade de resposta do Fundo num ano de ainda particular exigência nos apoios concedidos no âmbito da resposta aos efeitos da pandemia provocada pela Covid-19.

À semelhança dos anos anteriores, a área dos Apoios Tarifários foi a rubrica à qual foi alocada a maior verba do orçamento do Fundo: cerca de 733,1 milhões de euros. Dentro deste apoio destacam-se as transferências para o Sistema Energético Nacional (SEN), no valor global de 407,5 milhões de euros, acima do que é estipulado por lei, na medida em que foi necessário proceder a uma transferência extraordinária de 104 milhões de euros para que a que as tarifas do sector eléctrico não aumentassem em 2022.

Publicidade


Seguem-se o Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART) com 280,1 milhões de euros, o qual também contou com reforço de verbas, tal como previsto no Orçamento do Estado para 2021, a sustentabilidade dos serviços de águas (28 milhões) e o Programa de Apoio à Densificação e Reforço da Oferta de Transporte Público (PROTransP) com 15 milhões.

Em 2021, o Fundo Ambiental continuou a apoiar a aquisição de veículos de baixas emissões (VBE) – 926 veículos ligeiros e de mercadorias, 4712 bicicletas, motociclos e ciclomotores eléctricos, bicicletas de carga e bicicletas convencionais –, tendo comparticipado cerca de 4,5 milhões de euros.

O Fundo ainda apoiou, com 87,5 milhões, os projectos referentes à expansão da rede e aquisição de material circulante dos Metros de Lisboa e Porto, a aquisição de 10 navios eléctricos da Transtejo e a renovação de frota da CP – Comboios de Portugal.

Foram aplicados 12,8 milhões de euros nos recursos hídricos; 14 milhões na reparação de danos ambientais; 10,8 milhões na conservação da natureza e na biodiversidade; 3,6 milhões em projectos de sensibilização ambiental e 1,4 milhões em projectos de resíduos e economia circular.

Foram igualmente executados 17,1 milhões de euros com verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no qual o Fundo tem o papel de organismo intermediário. A maior parte desta verba diz respeito aos pagamentos das candidaturas aceites no programa Edifícios Mais Sustentáveis, o qual financia medidas que promovam a eficiência energética e hídrica nas habitações.

O Fundo Ambiental tem por finalidade apoiar políticas para a prossecução dos objectivos de desenvolvimento sustentável. Deste modo contribui para o respeito pelos compromissos nacionais e internacionais, designadamente os relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos e à conservação da natureza e da biodiversidade.

Transição justa

Além disso, foi iniciado o pagamento aos 25 trabalhadores da empresa que prestava serviços na central termoelétrica do Pego, os quais receberam a primeira tranche da Compensação para uma transição justa.

Esta compensação, atribuída pelo Fundo Ambiental, tem como objectivo garantir a manutenção do rendimento dos trabalhadores afectados, directa e indirectamente, pelo fim da produção de electricidade a partir de carvão na Central Termoeléctrica do Pego, durante uma fase transitória e até que estes encontrem emprego, vigorando até 31 de Dezembro de 2022.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Openbook assina renovação do escritório da SPS Advogados

O projecto de interiores foi “redesenhado a pensar nas pessoas, na sua comodidade e bem-estar, privilegiando o trabalho de equipa, a socialização corporativa e o sentido de grupo e comunidade”

CONSTRUIR

O atelier de arquitectura Openbook assinou o projecto de renovação do escritório de advogados SPS. Localizado em Lisboa, a empresa transformou o espaço num novo paradigma “redesenhado a pensar nas pessoas, na sua comodidade e bem-estar, privilegiando o trabalho de equipa, a socialização corporativa e o sentido de grupo e comunidade”.

“Este projecto de arquitectura de interiores teve por base a reabilitação do local de trabalho pré-existente, num novo desenho que reflecte o modelo de trabalho híbrido adoptado. Um escritório que se assume como um ponto de encontro para u novo normal, de forma despretensiosa e informal, mas ao mesmo tempo moderna e inovadora. Um local de trabalho com foco na colaboração e bem-estar dos colaboradores, que vai ao encontro das tendências dos escritórios pós-pandemia”, refere a Openbook.

Com uma vista de 360º sobre Lisboa, foi salvaguardado e aproveitado ao máximo a luz natural através de uma planta sem barreiras físicas opacas. “Todos os gabinetes têm divisórias de vidro com cortinados, conferindo privacidade sem criar barreiras à luz natural”.

O desenho privilegiou as áreas comuns e colaborativas, como é disso exemplo a fusão da recepção com o hub, detalha a Openbook: “O cuidado com o conforto visual e acústico foi tido em conta, em especial nas zonas de trabalho, com a presença de painéis acústicos e o uso de plantas e vegetação como elemento arquitectónico.

A portugalidade está, também, presente na escolha de materiais como a pedra, a cortiça e o burel, com a sustentabilidade a assumir também protagonismo“.

Este novo conceito tem ainda presente uma redução da área de escritório, face a uma nova política de trabalho que permitirá o regresso ao trabalho presencial, mantendo contudo, parcialmente, o teletrabalho. Assim, o paperfree, a cleandesk e o freesitting marcam o novo modelo de trabalho da SPS.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Preço da venda de casas cresce e arrendamento estabiliza ao longo de 2021

Lisboa, Porto, Setúbal e Faro registaram ao longo do ano um aumento dos preços de venda entre 5% e 10%, enquanto arrendamento estabilizou ou desceu em algumas localidades, revela o último relatório apresentado pela plataforma CASAFARI

CONSTRUIR

Ao longo de 2021, apesar da situação de pandemia, os preços médios de venda de apartamentos continuaram a trajectória ascendente praticamente em todos os distritos de Portugal, com Faro, Lisboa e Évora a registarem as maiores subidas (entre 8,4 e 9,4%), seguindo-se Aveiro e Madeira, com os mesmos 8,2%. Os números foram apresentados pela plataforma CASAFARI, no seu mais recente relatório de análise do mercado imobiliário relativo ao ano de 2021,
Os dados da CASAFARI apontam para o crescimento mais acentuados nos preços de venda de moradias. Évora e Lisboa lideram o aumento com variações entre os 13.2% e 11.8%, respectivamente, enquanto Guarda regista o maior decréscimo com -1.6%

No entanto, no mercado de arrendamento, a oferta de casas para arrendar levou a uma estabilização dos preços nos principais distritos do país. Os dados de 2021 revelam o impacto da pandemia no preço de venda de apartamentos, moradias e arrendamento ao longo de todo o ano. Aqui seguem as principais conclusões:

Distrito de Lisboa:
No que diz respeito à venda de imóveis, em geral, os preços médios de venda de apartamentos e moradias continuam o seu caminho ascendente, com Alenquer e Cascais a liderarem esta subida (13,8% e 11,9%, respectivamente). Cascais, Lisboa e Oeiras destacam-se como os concelhos mais caros do distrito de Lisboa, com preços médios de venda de apartamentos na ordem dos 300 e 400 mil euros.
No arrendamento, o ano foi marcado por um aumento generalizado da oferta disponível, decorrente da crise do sector do Turismo devido à pandemia, o que levou a uma estabilização dos preços, já que nenhum dos concelhos de Lisboa registou uma subida do preço médio de arrendamento superior a 2,9%. Lisboa, Cascais e Oeiras são os concelhos onde é mais caro arrendar uma casa, com Lisboa a registar um preço médio de 1070€, Cascais 1204€ e Oeiras 960€.

Distrito do Porto:
A norte, todos os concelhos do distrito do Porto registaram um crescimento do preço de venda de apartamentos e moradias no último ano, com a variação mais acentuada do preço médio de venda de apartamentos a verificar-se em Vila do Conde (12%), enquanto Santo Tirso, Felgueiras e Vila Nova de Gaia foram os concelhos com maior aumento do preço de venda de moradias – 15,1%, 13,1% e 12,2%, respectivamente.
Já no mercado de arrendamento, Matosinhos é o concelho que apresenta preços médios mais elevados, na ordem dos 750€.

Distrito de Faro:
A sul, no distrito de Faro, todos os concelhos demonstraram um crescimento contínuo dos preços médios de venda tanto de apartamentos, como de moradias, com Vila Real de Santo António e Silves a liderarem com aumentos dos preços médios de venda de apartamentos entre os 12% e 14%.
Na venda de moradias, o maior aumento observado foi no concelho de Castro Marim, com os preços de venda das moradias a subirem até 16.2% ao longo de 2021, seguindo-se Lagos com 14.9%. O preço médio mais alto de venda de moradias continua a registar-se nos concelhos de Loulé e Lagos, com valores a rondar os 620 e 670 mil euros.
A nível de arrendamento, os concelhos de Faro mostraram algumas variações, com uma tendência de estabilização ou, até, de diminuição dos preços médios. Loulé foi o único concelho a ter um crescimento residual, de 0,8%, mantendo-se como o concelho mais caro do distrito de Faro, onde arrendar uma casa custa em média 750€, enquanto Albufeira e Tavira registaram uma diminuição do preço médio de arrendamento na ordem dos 3% e Vila Real de Santo António arrecada a maior diminuição com -5,8%.

Distrito de Setúbal
Já no Distrito de Setúbal, nenhum concelho registou diminuição de preços ao fechar o ano, sendo a Moita o concelho a registar o maior aumento do preço médio de venda de apartamentos (10,9%). Por outro lado, a cidade de Setúbal foi a que registou uma maior quebra de preços entre o 3º e 4º trimestres (1,4%). Grândola regista o preço médio mais caro de um apartamento (praticamente 328 mil euros), e o Barreiro demonstra um maior aumento do preço por m2 entre o 3º e o 4º trimestre (4,7%).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Garcia Garcia assegura ampliação da norte-americana Brunswick em Portugal

A construtora é responsável pelo projecto de Design & Build, com intervenção ao nível da arquitectura, engenharia e execução da obra, para a subsidiária portuguesa da multinacional que fabrica barcos desportivos e de recreio das marcas Quicksilver e Bayliner

CONSTRUIR

A multinacional norte-americana Brunswick, vai expandir a sua unidade fabril em Portugal. O projecto de ampliação da unidade industrial localizada em Vilanova de Cerveira foi entregue à construtora nacional Garcia Garcia. Alinhado com a sua estratégia de crescimento e expansão, este projecto permitirá à subsidiária portuguesa potenciar o aumento da sua capacidade produtiva e logística e tem conclusão prevista para Junho do próximo ano. Actualmente, a Brunswick é líder na concepção, construção e comercialização de produtos de entretenimento, sendo a maior produtora mundial de barcos de lazer e de recreio.

“Este projecto, que reflecte o dinamismo e a competitividade que a Brunswick Portugal tem vindo a revelar, tem como objectivo garantir um eficiente aumento da capacidade instalada orientado para a consolidação da sua liderança no mercado. Neste sentido, é bastante gratificante podermos fazer parte deste plano de expansão da Brunswick, contribuindo com todo o nosso know-how e experiência para que este projecto responda integralmente às suas necessidades”, sublinha Miguel Garcia, administrador da construtora.

O projecto consiste na ampliação das instalações da Brunswick, através da construção de uma nova nave industrial. Os trabalhos incluem a demolição de um edifício existente e a edificação de um novo, contíguo às actuais instalações da empresa. O novo edifício agregará uma área total de 5.200 m2, dos quais 4.000 m2 terão como destino o apoio à produção e 1.200 m2, em piso superior, terão como fim áreas administrativas e sociais.

Publicidade


A fase conceptual do projecto teve em linha de conta alguns desafios e condicionalismos, nomeadamente o espaço disponível e o facto de a empresa continuar a laborar, o que obrigou a um planeamento sólido e uma coordenação eficaz entre a Garcia e a Brunswick. Desta forma, todas as intervenções foram planeadas e estão a ser executadas de modo a não provocarem constrangimentos à normal actividade da Brunswick, sendo que a realização dos trabalhos em obra foi previamente pensada para garantir a segurança de todos os trabalhadores e a normal laboração da empresa.

Para além da construção da nova nave industrial, a construtora está a realizar alguns trabalhos de melhoria nas naves já existentes, com o objectivo de optimizar os processos produtivos e as instalações da Brunswick.

Este é o segundo projecto que a Garcia desenvolve com a Brunswick, reforçando uma parceria iniciada em 2012, quando a construtora foi responsável pela reconstrução de uma das naves industriais do complexo da subsidiária portuguesa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

KERAKOLL com unidade produtiva em Portugal

A nova fábrica do grupo que actua no sector da construção sustentável está já a operar. Localizada em Rio Maior, representa um investimento superior a 11M€ e vem reforçar a actuação do grupo na Península Ibérica

CONSTRUIR

A Kerakoll, empresa que actua no sector da construção sustentável, inaugurou a primeira unidade produtiva em Portugal em Rio Maior, no distrito de Santarém.

A Kerakoll está presente em Portugal desde 2006 através da filial Kerakoll Portugal S.A., dirigida pelo director geral, Mário Couto, com sede na Venda do Pinheiro.

Com um investimento de mais de 11 milhões de euros e o envolvimento de mais de 100 operários especializados, a nova fábrica de Rio Maior foi construída em menos de um ano, apesar do contexto da pandemia.

A fábrica estende-se numa superfície total de 19.000 m2, dos quais 6.600 m2 cobertos, e, uma vez em pleno funcionamento pleno, terá uma capacidade produtiva de cerca de 60.000 ton/ano. A unidade foi realizada respeitando padrões importantes de sustentabilidade e de poupança energética, típicos na pegada industrial da Kerakoll. Foram instalados 900 m2 de sistemas para isolamento térmico pelo exterior Kerakoll e 443 painéis fotovoltaicos que garantem a produção anual de 55% da energia eléctrica e de 70% da água quente necessária.

A nova fábrica portuguesa integra a estratégia de expansão internacional do grupo iniciada em 2020. Até 2025 o grupo prevê investir até 175 milhões de euros na sua presença em várias geografias. O investimento em Portugal vem reforçar a presença na península ibérica onde a Kerakoll está presente com duas unidades, ambas localizadas em Espanha (Almazora e Castellón de la Plana).

O investimento em Portugal é justificado pelo facto deste ser “um mercado particularmente interessante pela potencialidade de crescimento económico e pelas dinâmicas em perspectiva especificamente no sector da construção, graças também aos resultados obtidos na luta contra a covid-19 com uma elevada percentagem de população vacinada”, referiu Andrea Remotti, Administrador Delegado do Kerakoll Group.

A fábrica situa-se próxima da costa atlântica, numa posição estratégica para o aprovisionamento de matérias-primas como areias, carbonato de cálcio e cimentos, permitindo reduzir o tráfego rodoviário, em linha com a vocação sustentável da empresa.

A fábrica de Rio Maior é caracterizada por uma elevada automação e por uma grande flexibilidade produtiva que permite realizar numerosas mudanças de produção, em particular para a realização de adesivos como o H40 Gel, lançado pela primeira vez no mercado português, Bioflex e Super-K. Para além disso, a localização é estratégica também do ponto de vista distributivo, permitindo um melhor fornecimento para todo o território nacional e para chegar a todos os diversos parceiros.

A Kerakoll está directamente presente em 12 países, com 17 unidades produtivas em Itália, Espanha, Polónia, Grécia, França, Reino Unido, Índia, Brasil e Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Alentejo recebe projecto turístico de 10 M€

O investimento de 10 M€ compreende a criação de um parque zoológico, numa área com 141,9 hectares, e uma unidade hoteleira de cinco estrelas, já em construção. O projecto criará meia centena de postos de trabalho

CONSTRUIR

O investimento de 10 M€ compreende a criação de um parque zoológico, numa área com 141,9 hectares, e uma unidade hoteleira de cinco estrelas, já em construção. Ambos os projectos ficarão localizados na Herdade da Camacha
Recrear a savana africana nas planícies alentejanas é o que se pretende com o “Africa Safari Park”. O projecto turístico promovido pela Africa Land – Turismo e Natureza Lda, compreende a construção de um parque zoológico e uma unidade hoteleira, num investimento estimado de 10 milhões de euros, subscritos por capitais privados, e ficará localizado na Herdade da Camacha, a sete quilómetros da vila de Almodôvar.

Ambos os projectos, Africa Safari Park e Africa Safari Lodge, estiverem em apreciação na Câmara Municipal de Almodôvar ainda em 2018 tendo obtido, em Outubro desse ano, o estatuto de Reconhecimento de Interesse Publico Municipal requerido pela empresa promotora. Na altura, o valor do investimento, o facto do projecto de arquitectura estar, à data, já em licenciamento, bem como o seu impacto na promoção e desenvolvimento económico e social do concelho do concelho foram argumentos suficientes para convencer o município. A perspectiva é que ambos os projectos venham a criar cerca de 55 postos de trabalho directos, bem como algumas dezenas de empregos indirectos em virtude do fornecimento de bens e serviços, consultorias, trabalho sazonal, estágios, etc. Para além disso, a expectativa é que o “fluxo turístico venha a levar à instalação de novos negócios e empresas, impulsionando outros investimentos e empreendedorismos”, pode ler-se na acta de reunião da assembleia municipal.

O promotor avançou agora com a avaliação do estudo de impacto ambiental do Safari Park, que se encontra em fase de consulta pública. De acordo com os documentos apresentados o projecto do Parque Zoológico (também designado por Safari Park) constitui uma das componentes do empreendimento designado por AFRICA SAFARI PARK – ALMODÔVAR, a ser implantado na Herdade da Camacha, com uma área total de 147,67 há. O Parque Zoológico terá uma área de cerca de 141,9 ha e estará vocacionado para a conservação da vida animal aliada à vertente de investigação/educação.
A componente de hotelaria “considerado como uma actividade complementar, para permitir a estadia de visitantes no local, a instalar em zona vedada e separada da área do Parque Zoológico”, está já licenciada pela CM de Almodôvar desde 27 de Abril de 2020, e está actualmente em fase inicial de construção. Inclui um edifício central e 32 unidades de alojamento (estilo bungalow) com 72 camas e capacidade para 108 hóspedes e ficará implementada numa área com 4,8 ha.

Publicidade


De acordo com o documento em apreciação pública o ”Parque Zoológico pretende “recriar” o ambiente dos Safari que se realizam em África, contemplando um conjunto de exemplares de animais típicos da savana africana, felinos e herbívoros, que servem como referencial da conservação da vida animal aliada às vertentes de educação e investigação. O Parque foi concebido e dimensionado tendo em conta o bem-estar dos animais, no sentido de lhes serem proporcionadas as melhores condições, tão próximas quanto possível dos seus ecossistemas naturais.
Palancas, girafas, impalas e zebras são alguns dos animais herbíferos (das dez espécies que estarão representadas) que poderão ser vistos. Mas o projecto contempla ainda a introdução de leões, lince Ibérico e chitas, entre outros carnívoros.

Estima-se que o Parque Zoológico venha a empregar 18 funcionários permanentes, estabelecimento hoteleiro poderá vir a empregar até 40 funcionários.

As visitas realizar-se-ão em veículos todo-terreno (deverão existir 3 veículos com capacidade para 9 ou 12 passageiros). “Estima-se uma carga máxima de 200 visitantes por dia, cerca de 5160 visitantes por mês e cerca de 54810 visitantes por ano”, refere o estudo.

Em termos do edificado, o projecto contempla a construção de um edifício de quarentena, um centro interpretativo, que “servirá como local de informação aos visitantes relativamente às características e às actividades desenvolvidas no Parque Zoológico”. O centro ficará localizado no “monte alentejano” existente na propriedade e que será alvo de reabilitação, uma clínica veterinária, para além de edifícios afectos à manutenção do espaço. Para além disso, está ainda prevista a construção de uma charca e de 3 furos para abastecimento de água e respectiva ETA, a execução de valas para a implantação das redes de abastecimento, saneamento, electricidade e gás, a construção de duas ETARs, reservatórios de água para consumo humano, rega e incêndio e acessos, bem como os arranjos paisagísticos dos espaços exteriores e instalação de vedações.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Conferência: Sines, a infraestrutura da transição digital da Europa e do mundo

A Conferência sobre Sines, a infraestrutura da transição digital da Europa e do mundo decorre dia 11 de Janeiro. Em análise estarão os investimentos e projectos futuros. O evento conta com a participação dos investidores internacionais

CONSTRUIR

A Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS) é a maior área de acolhimento empresarial de Portugal, gerida pela aicep Global Parques – Gestão de Áreas Empresariais e Serviços S. A., e recebe a segunda grande conferência “Encontros na ZILS: Sines Tech, EU-Atlantic Data Gateway Platform”. O encontro que terá lugar no dia 11 de Janeiro é exclusivamente dedicado à infraestrutura da transição digital.

Nesta conferência irão ser partilhados os investimentos futuros e discutido o potencial geoestratégico da ZILS para o estabelecimento de mais players na área das infraestruturas de dados. A expectativa é que Portugal possa vir a dar um contributo importante na implementação da Estratégia Europeia de Dados e na criação um mercado único de dados que garanta a competitividade global e a soberania da Europa, com enfoque na conectividade internacional através de cabos terrestres e submarinos, centros de dados e outras tecnologias que complementam a visão de uma União Europeia unida e virada para o exterior.

Durante a presidência portuguesa da União Europeia, a Plataforma Atlântica de Dados foi reforçada, com a entrada em operação do cabo Ellalink, um investimento de 150 milhões de euros cofinanciado pela União Europeia, ligando a Europa (em Sines) à América do Sul (em Fortaleza), mas também pelo surgimento de projectos de centros de dados, de que é exemplo o maior campus de dados alimentado por energias renováveis da Europa, o START Campus, um investimento de 3.500 milhões de euros. A organização sublinha que “outros investimentos serão anunciados em breve”.

Na conferência, que decorrerá em formato híbrido participarão entre outros os CEO da START – Sines Transatlantic Renewable & Technology Campus, Afonso Salema, da Medusa Submarine Cable System, Norman Albi, da EllaLink, Philippe Dumont. O evento irá contar ainda com a participação de Alberto Passos, director Comercial na IP Telecom, Enrico Banfi, VP EMEA & APAC na Alcatel Submarine Networks, Olivier Labbe, director geral da CAP DC e Rui Ribeiro, director geral da IP Telecom. O encontro será encerrado por Eurico Brilhante Dias, Secretário de Estado da Internacionalização. Para além dos investimentos futuros e projectos estará também em análise a “Regulação e Licenciamento Nacionais”.

A aicep Global Parques desenvolve o Sines Tech – Innovation & Data Center Hub, um ecossistema digital capaz de oferecer uma solução totalmente integrada e atractiva de investimentos em estações de amarração de cabos submarinos de telecomunicações, bem como a instalação e operação de centros de dados, desenvolvendo assim em Portugal uma infraestrutura que impulsiona a nossa economia digital. Esta iniciativa é organizada no âmbito do programa Invest in Alentejo, liderado pela ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, cofinanciado pelo Alentejo 2020.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

CCIP quer explorar oportunidades de negócio no Reino Unido em Janeiro

A Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa está a organizar uma missão empresarial virtual ao Reino Unido de 24 a 28 de Janeiro. Com o objectivo de explorar “novas oportunidades de negócio” em diversos sectores, incluindo o da Construção e seus materiais

CONSTRUIR

A Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa está a organizar uma missão empresarial virtual ao Reino Unido de 24 a 28 de Janeiro. Esta missão pretende explorar “novas oportunidades de negócio” para as empresas portuguesas de diversos sectores, em especial “farmacêutico, saúde e life sciences, construção e materiais de construção, tecnologias de informação (digital), energias renováveis, ambiente e sustentabilidade”.

“O Reino Unido é a 5ª maior economia a nível mundial e a 2ª no contexto do continente europeu. O país posiciona-se como 10º exportador de bens e 2º de serviços a nível mundial e como 5º importador de bens e de serviços. O Brexit provocou grandes mudanças no relacionamento comercial entre a UE e o Reino Unido que, a partir de 1 de Janeiro de 2021, passou a reger-se pelo Acordo de Comércio e Cooperação. Não obstante os entendimentos conseguidos com o “Acordo Brexit”, são várias as consequências nas regras do comércio com o Reino Unido”, justifica a Câmara de Comércio.

O Reino Unido é considerado um dos maiores ecossistemas de tecnologia do mundo, com milhares de startups contruídas em torno de uma forte cultura empresarial. Na estrutura das exportações para o Reino Unido destacam-se os veículos e outro material de transporte, máquinas e aparelhos, seguidos dos metais comuns, vestuário e produtos alimentares.
“A Câmara de Comércio tem preparado inúmeras agendas customizadas para empresas que tenham interesse neste mercado, possibilitando aos empresários estarem frente a frente com exportadores, importadores e com o cliente final num dos mercados mais dinâmicos do mundo”.

Para as empresas que ainda queiram participar nesta missão podem fazer a sua inscrição até ao dia 17 de Janeiro aqui

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Roca Gallery discute o novo consumo e a sua influência sobre o design

Especialistas internacionais participam no Rocagallery.com para falar sobre as mais recentes necessidades dos consumidores e sobre a forma como influenciam o design e a adaptação dos espaços

CONSTRUIR

No âmbito do tema do mês, “Novas formas de consumo”, a plataforma on-line do Roca Gallery promove a discussão e pesquisa em torno da arquitectura, do design e da sustentabilidade. Este debate tem por objectivo perceber de que forma as infraestruturas se podem adaptar aos novos hábitos de consumo da sociedade. A partir de vários pontos de vista e de áreas de especialização diversas, os convidados apresentam a sua visão sobre a melhor forma de ir ao encontro das necessidades, actuais e futuras, e como se poderá encontrar uma nova concepção dos espaços dedicados à comercialização de produtos e serviços.

Ao longo da história, as tendências e as preferências pessoais foram sendo sempre influenciadas pelo contexto social, económico e cultural. Os rápidos avanços tecnológicos e o impacto da pandemia mostraram de que forma as necessidades e as rotinas diárias mudaram, em todas as cidades do mundo: mudanças no horário de trabalho, nos protocolos de saúde, nas abordagens à educação, nas interacções sociais e até nos hábitos de consumo.

O aumento do comércio por via electrónica, o trabalho à distância e o interesse em experiências personalizadas são alguns dos factores que resultaram em novas necessidades sociais. A actual procura não se rege apenas por critérios materialistas, mas também sociais e ambientais, já que as empresas e os consumidores estão preocupados com a crise climática e com as desigualdades sociais.

Sob o mote do tema do mês, Novas formas de consumo, a Rocagallery.com analisa as alterações de consumo da sociedade e estuda a forma como os espaços de comércio e consumo devem ser adaptados para atender às atuais necessidades.
A plataforma foi a anfitriã de um painel de especialistas internacionais que partilharam, semanalmente, artigos até ao final de Dezembro. Desta forma foi possível ter uma visão geral sobre as novas necessidades comerciais e os recursos arquitectónicos e de design necessários para satisfazer os novos consumidores.

Do painel de autores que colaboraram neste tema, incluem-se Marta Urtasun e Pedro Rica, fundadores do Mecanismo Studio e professores do programa de mestrado em espaços gastronómicos na Universidade do País Basco, em San Sebastian. No seu artigo, intitulado “Changing From a Consumer and Immediate Society”, os autores defendem o design como uma ferramenta sustentável para lidar com o consumismo desenfreado. Agustín Aranda, jornalista e designer na Secretaria de Planeamento de Rosário, explica em “Urban Agriculture” como a proliferação de hortas comunitárias nas cidades argentinas tem impulsionado a economia nacional. Clare Dowdy, jornalista especializada em design para jornais como o Wallpaper, a Monocle e o Financial Times, reflecte sobre como o consumo de dados é uma parte cada vez mais importante de nossa sociedade e como os data centers podem influenciar a arquitectura. Héctor Serrano, director do estúdio Borealis, e Carmen Baselga, directora do estúdio Taller de Proyectos, discutem juntos a forma como a impressão 3D transformou a maneira como os produtos são produzidos e usados. Por último, Javier Díez, director do diez + diez Studio e especialista em design industrial, fala do papel do designer na comunicação entre um objecto e um designer.

Nos próximos dias, serão acrescentadas publicações de outros autores, como Colbey Reid, professor e chefe do departamento de Estudos da Moda no Columbia College Chicago, que vai falar sobre a forma como a moda, o género, o meio ambiente e a diversidade influenciam as escolhas do consumidor. Catherine Foulkrod, escritora de ficção e colaboradora de jornais como o The Believer, o New York Tyrant e o El Malpensante, vai explorar o papel activo dos consumidores na actualidade. Esteban Becerril, cofundador da B + R Arquitectos, vai escrever sobre o novo papel, actual e futuro, dos centros comerciais nos centros das cidades e arredores. Fernando Nasuti-Wood, senior marketing director da Lego na França e na Península Ibérica, vai reflectir sobre como projectar produtos para uma sociedade cada vez mais inclusiva e exigente.

Este novo tema do mês traz perspectivas de profissionais numa diversidade de disciplinas, uma vez que a Rocagallery.com procura abordar questões da mais alta actualidade do ponto de vista da arquitectura, do design, da inovação e sustentabilidade.

Todos os artigos podem ser lidos em inglês e espanhol em http://www.rocagallery.com/

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.