Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    O futuro (in)certo da Efacec: Estado avança com reprivatização

    O Estado avançou com a reprivatização da Efacec, o novo caderno de encargos foi aprovado e já há interessados na aquisição dos 71,73% do capital do grupo.

    CONSTRUIR
    Empresas

    O futuro (in)certo da Efacec: Estado avança com reprivatização

    O Estado avançou com a reprivatização da Efacec, o novo caderno de encargos foi aprovado e já há interessados na aquisição dos 71,73% do capital do grupo.

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Litehaus quer “imprimir” 100 casas por ano em Portugal
    Construção
    IP lança concurso público de 58,3M€ para Variante Nascente de Évora
    Construção
    O novo EVlink Pro DC 180 kW da Schneider Electric
    Empresas
    Dstgroup abre candidaturas para os estágios de Verão
    Empresas
    Sotecnisol Power lança ferramenta para gestão de centrais fotovoltaicas
    Empresas
    Thomas & Piron com novo investimento de 300M€ em Loures
    Imobiliário
    Porto quer integrar nos roteiros turísticos projectos de artistas e criativos locais
    Empresas
    MAP vai diversificar áreas de actuação e estuda aquisições
    Construção
    Savills/ Predibisa assegura colocação de 70% das fracções do Edifício Natura
    Imobiliário
    32M€ para modernização da Linha de Leixões para mercadorias
    Construção

    papa

    O caderno de encargos da venda direta a realizar no âmbito do processo de reprivatização de acções representativas de 71,73% do capital social da EFACEC Power Solutions, SGPS, s a., ficou selado no último Conselho de Ministros realizado no dia 10.

    O Secretário de Estado das Finanças, João Nuno Mendes, garantiu que existe já “um conjunto significativo de investidores que estão interessados” e “um conjunto de critérios de selecção que fazem parte desse mesmo caderno de encargos”. João Nuno Mendes relembrou que “se não fosse a intervenção do Estado – pela nacionalização e pela garantia a uma linha de financiamento de 70 milhões de euros – a empresa provavelmente não teria sobrevivido”.

    “Hoje estamos muito satisfeitos. foi possível fazer a empresa sobreviver e foi possível estabilizar o seu conselho de administração”, pelo que “estão agora reunidas as condições para dar arranque ao processo de reprivatização e que vai ter um objectivo fundamental, que é o de termos uma Efacec sustentável, do ponto de vista económico e financeiro e que se possa desenvolver do ponto de vista industrial e da sua capacidade de exportação”, concluiu o responsável.

    O comunicado, divulgado no final da reunião, refere ainda que todos elementos informativos respeitantes ao processo de reprivatização estão à disposição do Tribunal de Contas, de forma a reforçar a absoluta transparência da operação.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Litehaus quer “imprimir” 100 casas por ano em Portugal
    Construção
    IP lança concurso público de 58,3M€ para Variante Nascente de Évora
    Construção
    O novo EVlink Pro DC 180 kW da Schneider Electric
    Empresas
    Dstgroup abre candidaturas para os estágios de Verão
    Empresas
    Sotecnisol Power lança ferramenta para gestão de centrais fotovoltaicas
    Empresas
    Thomas & Piron com novo investimento de 300M€ em Loures
    Imobiliário
    Porto quer integrar nos roteiros turísticos projectos de artistas e criativos locais
    Empresas
    MAP vai diversificar áreas de actuação e estuda aquisições
    Construção
    Savills/ Predibisa assegura colocação de 70% das fracções do Edifício Natura
    Imobiliário
    32M€ para modernização da Linha de Leixões para mercadorias
    Construção
    PUB
    Construção

    Litehaus quer “imprimir” 100 casas por ano em Portugal

    O arquitecto Rui Barbosa é o vencedor do concurso de arquitectura lançado pela Litehaus para desenhar a casa impressa em 3D na Comporta. Com vários projectos já em carteira a empresa estabeleceu como meta a construção de 100 unidades/ano

    A Litehaus, lançou em Março o concurso de arquitectura, direccionado a estudantes e profissionais de arquitectura residentes em Portugal para desenhar o projecto de uma casa impressa em 3D para o empreendimento na zona da Comporta, perto de Melides.
    “Sendo a impressão 3D a mais recente tecnologia capaz de revolucionar o sector da construção, foi com grande entusiasmo que participei neste desafio lançado pela Litehaus e sinto-me muito honrado por ver o meu projecto seleccionado como vencedor. Na proposta com a qual concorri, procurei aliar este novo método de construção à repetição modular, fácil de ajustar às várias necessidades dos futuros utilizadores e desafios criados pelo ambiente envolvente. Procurei conjugar elementos contemporâneos com a linguagem arquitectónica tradicional de Melides, respeitando sempre o contexto urbanístico”, comenta Rui Marta Barbosa.
    A unidade destaca-se pelo seu carácter modular. O azulejo da piscina, que confere uma cor avermelhada à água, e os tons acastanhados e beges presentes nos materiais que compõem a volumetria da casa dão um toque convidativo, acolhedor e quente ao edifício. Adicionalmente, a disposição e número das divisões da casa podem ser organizadas e ajustadas de acordo com a vontade dos clientes e condicionantes do terreno, devido aos espaços modulares e ao corredor central que os conecta.

    Esta nova villa vai integrar a rede habitacional zero waste construída com recurso à tecnologia de impressão 3D, desenvolvida pela espanhola Cosmos e que a Litehaus trouxe para Portugal.

    A empresa está já desenvolver vários projectos habitacionais no mercado nacional. “Prevê-se que o mercado da construção com impressão 3D cresça 88%, anualmente, podendo valer 400 mil milhões de dólares em 2030, e nós pretendemos fazer parte dessa evolução, contribuindo para um marco na história da arquitectura portuguesa. O nosso objectivo é o de construir 100 habitações por ano em Portugal. Estamos a construir 13 casas em Torres Vedras e estão mais 50 planeadas, temos 73 apartamentos modulares turísticos contratados em Braga e estamos prestes a fechar um empreendimento de 108 acomodações para estudantes em Famalicão”, afirma Simi Launay, chief creative officer da Litehaus.

    A tecnologia de impressão em 3D desenvolvida pela Cosmos permite que sejam erguidas 45 m2 de paredes em menos de 24 horas. O segredo para tornar estas casas mais amigas do ambiente centra-se, principalmente, na construção das paredes, compostas, maioritariamente, por ECOMortar, um material que substitui o cimento e produz entre 40 a 50% menos de emissões de CO2. Adicionalmente, a tecnologia modular e de impressão 3D aplicadas na fabricação destas paredes reduz o desperdício em 90%.

    A elevada eficiência dos materiais e técnicas de construção utilizados resulta do facto de os módulos serem impressos num local fechado, sob condições ambientais controladas e sem produção em excesso, uma vez que é apenas impressa a quantidade necessária. Nos módulos são, ainda, previamente instalados isolamento, electricidade e canalização, acelerando significativamente a montagem no local.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    IP lança concurso público de 58,3M€ para Variante Nascente de Évora

    No final da semana passada a IP lançou o concurso para a construção da Variante Nascente de Évora. Já esta semana foi lançado concurso público, no valor de 5,5M€ para reabilitação da Ponte da Arrábida

    A empreitada a contratar visa a construção de uma nova ligação rodoviária alternativa ao actual troço do IP2, com início no Nó de Évora Nascente da A6/IP7, imediatamente após a praça de portagem, e termina na conexão com o actual IP2, em S. Manços.

    A futura Variante terá cerca 12,8 quilómetros de extensão com dupla faixa de rodagem. Ao longo do traçado serão construídos restabelecimentos desnivelados, sendo a interligação com a rede existente assegurada através dos seguintes nós: Nó de Vale de Figueiras; Nó da Fonte Boa do Degebe; Rotunda de Ligação à EN18.

    O empreendimento prevê ainda a construção de 8 Passagens Superiores, duas das quais sobre linhas de caminho de ferro.

    O projecto da Variante Nascente de Évora constitui o maior investimento a executar pela Infraestruturas de Portugal no âmbito do PRR. Integrado na Componente C7 – Infraestruturas, investimentos em Missing Links e Aumento de Capacidade da Rede, este empreendimento irá contribuir decisivamente para a melhoria das ligações rodoviárias na região de Évora, melhorar a segurança rodoviária e promover a competitividade das empresas e a mobilidade das populações da região.

    Concurso público de 5,5 M€ para reabilitação da Ponte da Arrábida
    Já esta segunda-feira foi publicado o concurso público com um preço base de 5,5 milhões de euros para reabilitar a face interior do tabuleiro e pilares da Ponte da Arrábida. O prazo para apresentação de propostas vai até ao dia 17 de Maio e a empreitada tem um prazo de execução de 540 dias.

    Neste concurso público, o preço tem um factor de ponderação de 80% e a qualidade 20%, estando ainda este último ponto dividido em três subfactores de ponderação: programa de trabalhos (60%), memória descritiva e justificativa (30%) e cronograma financeiro (10%).
    Esta operação de manutenção, cuja despesa foi autorizada pela IP, compreende uma dotação de 2,8 milhões de euros a alocar em 2025 e 2,7 milhões de euros em 2026. Ao montante fixado para cada ano pode “ser acrescido do saldo apurado no ano anterior”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    O novo EVlink Pro DC 180 kW da Schneider Electric

    Schneider Electric lança estação de carregamento rápido para veículos eléctricos que promove a electrificação dos edifícios, parques de estacionamento e frotas

    A Schneider Electric, lança EVlink Pro DC 180 kW, uma solução de carregamento rápido para veículos eléctricos (VE) que maximiza a eficiência energética e minimiza os custos eléctricos. Em 2023, Portugal registou um aumento de 69% no número de utilizadores que carregaram os seus veículos em postos de carregamento de redes públicas. Com o carregamento rápido do EVlink Pro DC, que permite que os veículos atinjam os 80% de carga em apenas 20 minutos, é possível optimizar a utilização da energia do edifício e fazer os veículos de frota voltar à estrada mais rapidamente.

    Actualmente, o sector dos transportes representa 23% do consumo mundial de energia, e os edifícios 26%. Para alcançar os objectivos de neutralidade carbónica, é necessário acelerar a transição para a electrificação, de forma a permitir a adopção de mais energia limpa, como é o caso da energia solar nos telhados, para alimentar os edifícios e veículos. Ao combinar soluções eficientes de carregamento de veículos eléctricos e infraestrutura de distribuição eléctrica com software inteligente de gestão de energia – apoiado por uma rede de especialistas certificados em serviços de consultoria, no local e à distância –, os proprietários e operadores podem cumprir os seus objectivos de sustentabilidade, manter a fiabilidade da energia e oferecer uma experiência confortável aos condutores de VE.

    Integração perfeita para maximizar o controlo e a distribuição de energia
    O EVlink Pro DC integra-se perfeitamente com sistemas de gestão de carregamento, como o EcoStruxure EV Charging Expert, para distribuir de forma inteligente a energia do edifício para os postos de carregamento de veículos eléctricos em tempo real, o que garante a máxima eficiência e poupança de custos. O novo equipamento é também interoperável com sistemas de gestão de edifícios como o EcoStruxure Power Monitoring Expert e o EcoStruxure Building Operation, o que simplifica as operações diárias dos operadores de edifícios, consolidando todas as informações numa única solução. A solução também está certificada com múltiplos sistemas de gestão de carregamento de estações (CSMS), o que proporciona aos proprietários de edifícios e operadores de pontos de carregamento a liberdade de integrar e gerir um sistema de carregamento que se adapta às suas necessidades específicas, graças à visibilidade dos dados e à supervisão de back-end necessária para gerir eficientemente o seu sistema.

    “O EVlink Pro DC 180 kW tira partido da nossa longa experiência na distribuição eléctrica e no sector dos edifícios para oferecer uma abordagem inovadora de infraestrutura e carregamento de veículos eléctricos. O nosso compromisso com a interoperabilidade e a integração sem falhas significa que os operadores de edifícios e frotas ganham mais visibilidade, eficiência energética e controlo, enquanto os condutores têm acesso fácil a uma rede de postos de carregamento, uma melhoria muito necessária para a experiência geral de quem tem um VE,” afirma Patricia Pimenta, VP Home & Distribution Iberia da Schneider Electric. “Reforçados por uma rede mundial de técnicos com experiência dedicada, os clientes podem contar com uma experiência de eMobility melhorada em que podem confiar.”

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Dstgroup abre candidaturas para os estágios de Verão

    Está de regresso a iniciativa que pretende aproximar os estudantes da actividade laboral do universo do grupo DST. A edição 2024 dos cursos de Verão prevê 50 vagas, direccionados para as diferentes áreas onde o grupo actua. Em 2023, o Dstgroup recebeu mais de 300 candidaturas para 32 estágios

    O Dstgroup vai abrir 50 novas vagas para os estágios de Verão de 2024, que decorrerão de Junho a Setembro, com remuneração 820€/mês. Esta iniciativa tem como objectivo a abertura de portas para o universo da empresa a todos os jovens que estejam a frequentar qualquer tipo de ensino, seja profissional ou superior.

    O grande propósito do grupo liderado por José Teixeira, é potenciar a aproximação de estudantes ao contexto real de trabalho e à cultura da empresa, com o intuito de enriquecer os participantes a um nível pessoal e profissional.

    “A edição de 2024 dos estágios de Verão do Dstgroup conta com o amadurecimento de edições de anos anteriores e com novidades certamente enriquecedoras para todos os seus participantes. Queremos aproximar os estagiários das realidades, dos desafios do mundo do trabalho em pleno séc. XXI, em particular nas áreas em que actuamos, e demonstrar a nossa proposta de valor diferenciada. O nosso ADN assente na arte, na cultura, além da aposta na formação, em estratégias de bem-estar e de conciliação entre vida profissional e pessoal serão pontos chave a ser percepcionados pelos estagiários. Atingiremos o nosso objectivo se criarmos boa memória, para sermos vistos como a melhor escolha quando ingressarem no mundo do trabalho”, esclarece José Machado, director de Recursos Humanos do grupo.

    Os estágios estão direccionados para as seguintes áreas: Engenharias Civil, Electrotécnica, Electrónica Industrial e Computadores, Mecânica, Energias Renováveis, Telecomunicações e Informática; Gestão e Sistemas de Informação; mas também Mecânica Automóvel; Desenho Técnico e Maquinação; Preparação e Gestão de Obra; Soldadura Avançada e Técnico de Manutenção Industrial. Para além destas áreas em destaque, o grupo disponibiliza ainda vagas noutras áreas especializadas.

    Em 2023, o Dstgroup recebeu mais de 300 candidaturas e acolheu 32 estágios. Dos candidatos que já tinham o seu percurso escolar concluído, dois alunos transitaram para estágio curricular, um para estágio profissional e outro para contrato de trabalho.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Sotecnisol Power lança ferramenta para gestão de centrais fotovoltaicas

    Empresa lança plataforma que permite, entre outros, calcular rácios e comparativos de performance das centrais fotovoltaicas, contribuindo para uma maior poupança e redução na pegada de carbono

    A Sotecnisol Power, empresa do sector de energia solar fotovoltaica, lançou a plataforma ROMA (Reporting, Operation and Maintenance Application), uma ferramenta que oferece aos clientes um acesso simplificado às informações operacionais das suas centrais fotovoltaicas, permitindo avaliar o seu rendimento e eficiência de uma forma muito intuitiva e prática.

    Com a crescente adopção de tecnologias de produção de energias limpas, como a energia solar, a gestão eficiente das centrais fotovoltaicas torna-se cada vez mais relevante. Neste contexto, a ROMA surge como uma solução eficaz para responder às crescentes necessidades dos clientes, que procuram maior eficiência e rapidez no fluxo da informação, por forma a garantir a melhor utilização das suas centrais fotovoltaicas.

    Através da ROMA, os utilizadores têm acesso a todas as características técnicas dos seus sistemas fotovoltaicos, incluindo dados de produção de energia e de performance, comparativos contratuais, históricos de facturação, gestão das manutenções preventivas, registo e quantificação de incidentes e relatórios de desempenho. Desta forma, os clientes têm a oportunidade de contribuir activamente para a redução das emissões de carbono, ao mesmo tempo que beneficiam de um sistema energético mais sustentável e economicamente vantajoso.

    Em média, os utilizadores de instalações fotovoltaicas equipados com a plataforma ROMA conseguem obter poupanças entre 40% e 70% na sua factura de energia eléctrica tradicional, dependendo do perfil de consumo da instalação.

    “Os sistemas fotovoltaicos são fundamentais para a transição para uma matriz energética mais sustentável e amiga do ambiente”, afirma Filipe Bello Morais, director geral da Sotecnisol Power. “Acreditamos que o acesso facilitado às informações operacionais destes sistemas é crucial para maximizar a produção de energia renovável e promover a sustentabilidade ambiental. Assim, a ROMA foi desenvolvida para que cada utilizador possa gerir, de forma consciente, a energia que produz e aproveite plenamente o potencial da sua central fotovoltaica”, acrescenta o responsável.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Thomas & Piron com novo investimento de 300M€ em Loures

    Com assinatura do gabinete de arquitectura Saraiva + Associados, de Miguel Saraiva, o início da construção e comercialização, que decorrerá em quatro fases, está previsto para 2025 e o seu término para 2034

    CONSTRUIR

    A promotora belga, Thomas & Piron vai lançar o novo empreendimento Clarissas, numa zona de “elevado potencial urbanístico” de Loures, onde foi construído no séc. XVI o antigo Convento de Nossa Senhora dos Mártires e da Conceição dos Milagres e a atual Igreja Matriz de Sacavém e que, mais tarde, foi ocupado por instalações militares, conhecidas como Quartel de Sacavém.

    O projecto prevê ainda a reabilitação da Praça da República, no centro de Sacavém, a construção de uma rede de infraestruturas, e ainda a criação de espaços verdes na envolvente do empreendimento.

    Com um investimento total superior a 300 milhões de euros, o início da construção e comercialização, que decorrerá em quatro fases, está previsto para 2025 e o seu término para 2034.

    Com assinatura do gabinete de arquitectura Saraiva + Associados, de Miguel Saraiva, e com um conceito de habitação inovador e sustentável incorporado no seu design, todos os apartamentos foram pensados para serem eficientes energeticamente e “amigos” do ambiente, contemplando ainda a criação de 30 mil m2 de áreas verdes.

    O projecto imobiliário Clarissas vai incluir a construção de uma nova urbanização, que contempla uma área residencial com 10 lotes, 37 edifícios, num total de cerca de 760 apartamentos, de tipologias T1 a T5, incluindo penthouses e duplex, com cerca de 83.400 m2 e com valores a partir dos 195 mil euros.

    Todos os apartamentos vão contar com amplas varandas ou terraços, estacionamento privativo e, em alguns dos edifícios terão acesso a piscinas e jardins privativos.

    Serão ainda criados cerca de 9 mil m2 de zonas comerciais e de serviços, 30 mil m2 de zonas verdes, equipamentos sociais e de lazer destinadas a seniores e crianças, uma rede de infraestruturas com a construção de acessos pedonais e rodoviários, e ainda um total de lugares de estacionamento que poderá ascender a 2.400, sendo 1.800 privados e 700 públicos, incluindo um parque de estacionamento subterrâneo com capacidade para 180 lugares.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Porto quer integrar nos roteiros turísticos projectos de artistas e criativos locais

    Curated Porto integra, numa primeira fase, 13 projectos. Para a sua selecção foi lançada uma call aberta que considerou diferentes áreas de criatividade, bem como a necessidade de os espaços e ateliers estarem abertos ao público

    CONSTRUIR

    A Câmara Municipal do Porto vai lançar, esta terça-feira, dia 9, um novo projecto municipal para promoção de negócios locais. Chama-se Curated Porto e integra, numa primeira fase, 13 projectos de artesãos, artistas e novos criativos, que se destacam pela criatividade, inovação, sustentabilidade e diversidade cultural.

    Para a selecção dos projectos foi lançada uma call aberta que considerou diferentes áreas de criatividade, bem como a necessidade de os espaços e ateliers estarem abertos ao público.

    Além disso, definiu-se como condição a implantação dos negócios em diferentes quarteirões da cidade, tendo sido privilegiados aqueles que se encontram fora do circuito da Baixa e Centro Histórico do Porto, que se enquadra no espírito da dispersão dos fluxos turísticos pela cidade, que se preconiza nos oito quarteirões turísticos, recentemente apresentados

    “O Curated Porto surge como uma resposta à crescente procura por experiências turísticas autênticas, responsáveis e diferenciadoras. A organização de roteiros que contemplam esta oferta pretende não só responder a novas exigências de residentes e visitantes, mas também contribuir para o desenvolvimento da cidade através de um turismo mais consciente”, assinala Catarina Santos Cunha, vereadora do Turismo e Internacionalização.

    O projecto é apoiado pelo Turismo de Portugal e está acordado uma parceria com o Curated Porto para o lançamento de um episódio por semana, com cada um dos 13 artistas envolvidos no programa.

    Durante a tarde, está agendada uma conferência que versará sobre a influência do Turismo Criativo para a dinamização da economia local, o desenvolvimento sustentável e a captação de novos segmentos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    MAP vai diversificar áreas de actuação e estuda aquisições

    Prevendo facturar 80 milhões de euros em 2024, o dobro do que foi apurado no último ano, os responsáveis da MAP Engenharia estão atentos às oportunidades do mercado e estudam diversificar a sua actividade para outras áreas. Projectos públicos são uma hipótese e não está descartada a aquisição de empresas em nichos específicos. Diogo Guerra Abecasis, Co-Founder & Managing Director da MAP Engenharia explica, ao CONSTRUIR, que a falta de mão de obra, qualificada ou operacional, pode tornar-se um grave problema

    Ricardo Batista
    tagsMAP

    Ao CONSTRUIR, Diogo Guerra Abecasis, Co-Founder & Managing Director da MAP Engenharia, explica a estratégia de crescimento de uma empresa que tem apostado, nos últimos anos, na certificação dos seus processos. “Creio que o mercado reconhece claramente o valor deste processo porque é um selo de garantia e qualidade”, explica. Com uma carteira de 150M€ assegurada para os próximos dois anos, os responsáveis da MAP esperam duplicar a facturação no final de 2024 face aos 40M€ apurados no final do ano passado.

    Diogo Guerra Abecassis, co-founder & managing director da MAP EngenhariaEstamos no final do primeiro trimestre do ano. Já há dados sobre os resultados de 2023?

    O ano de 2023 foi de fato muito desafiante, por um lado o mercado a sofrer de instabilidade económica com o aumento das taxas de juro e da inflação, mas por outro lado, foi um ano de forte investimento na MAP, reforçamos as nossas equipas, optimizámos os nossos processos e parte deles através de novas certificações, tudo para estarmos preparados para o futuro próximo, que será de forte crescimento e consolidação.

    Quais as variações face a 2022, seja em facturação, resultados líquidos?

    Embora as contas finais de 2023 ainda não estejam formalmente concluídas, esperamos fechar o ano com uma facturação semelhante à de 2022, em torno dos 40 milhões de euros, e com resultados líquidos positivos.

    Como está repartido esse Volume de Negócios? A maior fatia cabe à construção? Reabilitação?

    De facto, verifica-se uma inversão no peso da reabilitação vs construção nova, sendo que em 2023, a construção nova representou mais de 70% do volume de negócios da MAP.

    Quais as estimativas para 2024?

    Estamos a entrar em 2024 com muita confiança e uma enorme expectativa. Será novamente um ano de forte crescimento na MAP, onde prevemos praticamente duplicar o nosso volume de facturação, para 80M€.

    É possível quantificar que investimentos têm em carteira de momento?

    Actualmente, a nossa carteira de projectos contratados para 2024 e 2025 totaliza aproximadamente 150 milhões de euros. Trata-se de projectos bastante diversificados e que abrangem várias áreas, incluindo residencial, turismo, escritórios, retalho, indústria e comércio.

    Existem dois grandes desafios, o primeiro e o mais crucial, é a falta generalizada de mão de obra, quer a mais qualificada, quer a mais operacional, o que pode vir a ser um problema mais grave no futuro com o crescimento do volume de construção, tanto em Obras públicas, como nas Privadas

    Algum projecto que destaquem pela sua natureza, pelo rasgo face à actual oferta, pelas características?

    Tendo em consideração um dos maiores problemas da actualidade, a habitação, podemos destacar a Obra que temos em curso da Cooperativa Vale Formoso, em Marvila, que representa precisamente uma resposta à falta de oferta de habitação para a classe média com a construção de 70 fracções, numa modalidade de investimento colectivo que esteve muito em voga no início dos anos 2000, mas que infelizmente foi desaparecendo. Além das 70 fracções estamos a falar de uma oferta residencial integrada com creche, serviços e espaços verdes. Estamos também a construir a última fase do projecto Gago Coutinho 30 em Lisboa, com 200 quartos de Hotel, e todas as zonas comuns de apoio. No Porto, decorre a bom ritmo a remodelação de um icónico edifício de escritórios no Campo Alegre, com 15.000 m2, que será totalmente renovado e transformado num espaço moderno, sofisticado e sustentável, para escritórios com classificação Green.

    Nessa carteira, que margem existe para responder à falta de oferta para a classe média? Têm projectos que se adequam a esse segmento?

    Creio que o mercado imobiliário tem vindo a procurar dar uma resposta positiva a esta carência de oferta habitacional para a classe média, e isso constata-se claramente nas obras que temos actualmente em curso, com vários empreendimentos residenciais para o segmento médio, de onde podemos destacar, as Villas em Loures (130 fogos), Jardins Altear na Alta de Lisboa (130 fogos) e a Cooperativa Vale Formoso em Marvila, conforme já referido, entre outros Projectos em Lisboa e no Porto para a classe média / alta.

    Duke Residences

    Olhando para a ‘crise na habitação’, que papel podem ter os promotores na sua resolução e que condições seriam necessárias para que essa resposta fosse mais eficaz? E as construtoras, são importantes nesta equação?

    Tendo em consideração a situação actual, naturalmente os promotores têm um papel fundamental, mas cabe ao Estado criar as condições favoráveis para aumentar fortemente esse investimento na habitação, por exemplo através de incentivos fiscais, passando por exemplo o IVA da construção nestes casos para a taxa reduzida a 6%, quer também pela criação de PPP que possam desenvolver projectos em terrenos, ou edifícios devolutos pertencentes às autarquias ou ao governo central. As construtoras são essenciais nesta equação, porque terão de estar preparadas para dar resposta a todas estas solicitações e concretizar no terreno a construção destes projectos Residenciais, e é precisamente para dar esta resposta que a MAP se tem vindo a preparar!

    Que desafios se colocam hoje às construtoras no mercado nacional?

    Na minha opinião, no mercado actual, existem dois grandes desafios, o primeiro e o mais crucial, é a falta generalizada de mão de obra, quer a mais qualificada, quer a mais operacional, o que pode vir a ser um problema mais grave no futuro com o crescimento do volume de construção, tanto em Obras públicas, como nas Privadas. O outro desafio é a instabilidade criada pela inflação dos preços dos materiais e da mão de obra, devido a factores externos que não controlamos. Na MAP, felizmente, temos vindo a ultrapassá-lo sempre de uma forma justa e equilibrada com os nossos clientes e parceiros.

    Em que medida o Simplex que está em desenvolvimento (independentemente de qual for a composição do próximo Governo) pode ser uma resposta eficaz na questão dos licenciamentos?

    O mercado ainda está a assimilar as alterações introduzidas pelo Simplex, que são muitas, e creio que na generalidade são positivas, porque vão certamente acelerar os processos de licenciamento que todos verificávamos que eram excessivamente morosos, mas é provável que tenham de ser feitos alguns ajustes para tornar os processos ainda mais claros e objectivos.

    Há quem defenda, até mesmo do lado das autarquias, que o novo Decreto que procede à reforma e simplificação dos licenciamentos “aumenta o perigo” de voltarem a existir em território nacional várias “obras em esqueleto de betão. Teme que se tenha avançado em demasia na rapidez, ignorando a segurança jurídica?

    Não há modelos perfeitos, mas os vários players que tanto criticaram a mora dos processos de licenciamento, têm de ser responsáveis para desenvolver os projectos de acordo com as normas e legislação em vigor e certamente que irão ultrapassar as dúvidas que se coloquem num trabalho conjunto com as autarquias.

    Não há modelos perfeitos, mas os vários players que tanto criticaram a mora dos processos de licenciamento, têm de ser responsáveis para desenvolver os projectos de acordo com as normas e legislação em vigor

    A MAP conseguiu elevar a certificação da ISO9001 para um sistema de gestão integrado em QSA. O que é que isto quer dizer na prática e, no fundo, que reconhecimento é que o mercado faz deste tipo de aposta das empresas?

    De facto, fechámos em 2023 o processo de tripla certificação da MAP em Segurança e Ambiente, para juntar à Certificação de Qualidade que já detínhamos há uns anos, todas certificadas pela prestigiada Bureau Veritas. Creio que o mercado reconhece claramente o valor deste processo porque é um selo de garantia e qualidade, onde o cliente e todos os stakeholders têm a certeza de como determinados processos são realizados/alcançados. A MAP reflecte a preocupação e comprometimento de toda a empresa com estas áreas de actuação tão importantes, a Qualidade, a Segurança e o Ambiente.

    Sendo reconhecida a escassez de mão de obra no mercado nacional, de que modo têm respondido a este problema?

    É, de facto, o maior desafio para o futuro, por isso temos investido muito em formação, tendo em curso várias parcerias com Escolas Técnicas e Faculdades reconhecidas no mercado, em que acolhemos e formamos novos profissionais, tanto para uma vertente mais de acompanhamento de Obra no terreno (Encarregados), como também engenheiros estagiários para Direcção de Obra. Naturalmente que outro dos caminhos também terá que passar por receber emigrantes, com mais ou menos qualificações, e integrá-los no nosso mercado da construção.

    Vínhamos de um ciclo em que, pelo menos em pipeline, estavam em equação um conjunto significativo de investimentos, fosse na ferrovia, plano rodoviário, Aeroporto, Alta Velocidade. Como olha a MAP para esses planos de investimentos e de que modo se posicionam para fazer parte (ou não) dessa carteira de investimentos públicos?

    Apesar do historial da MAP ser praticamente no sector privado, apostar também no sector público é um dos desafios que temos para o ano de 2024, obviamente com uma selecção criteriosa dos projectos, mas posso confidenciar que estamos já envolvidos em concursos públicos que estão actualmente a decorrer.

    Por onde passa o crescimento da MAP? Como esperam aumentar a carteira de obras?

    A MAP continua com um forte crescimento, sempre de uma forma sustentada, mas acreditamos que 2024 será um ano marcante e transformador na realidade da empresa. Prevemos diversificar o negócio para nichos de mercado mais específicos, como as moradias de luxo e o fitout de espaços interiores, consolidaremos a construtora com grandes projectos, os que estão em curso e novos que aí vêm, e iremos também “atacar” as Obras públicas onde existem boas oportunidades. Muito em breve haverá muitas mais novidades para partilhar sobre o Universo MAP.

    E aquisições de empresas complementares, estão abertos a isso?

    Temos de facto estado bem atentos ao mercado e analisado algumas oportunidades interessantes de investimento, principalmente visando a área da indústria, pré-fabricação e sustentabilidade, podendo num futuro próximo fechar alguma aquisição ou parceria.

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Imobiliário

    Savills/ Predibisa assegura colocação de 70% das fracções do Edifício Natura

    Em virtude do sucesso da comercialização do Natura, está já em comercialização outro empreendimento do loteamento, o edifício Factory, composto por tipologias mais pequenas

    CONSTRUIR

    O Edifício Natura,  localizado nos terrenos da antiga fábrica Efanor, em Matosinhos, já se encontra vendido em 70%, o que confirma, assim, o “sucesso” deste projecto, comercializado pela Savills/Predibisa.

    Ana Jordão, residential business development director do Porto Division da Savills Portugal, destaca a “excelência” dos apartamentos, desde logo assegurada pela qualidade e selecção dos materiais utilizados, cujos “extensos” painéis de vidro, “generosas” varandas e jardins privativos, permitem a “ligação à envolvente natural”.

    Em virtude do sucesso da comercialização do Natura, está já em comercialização outro empreendimento do loteamento, o edifício Factory, composto por tipologias mais pequenas de forma a dar resposta à procura por parte de investidores e jovens que pretendem adquirir a primeira casa. Paralelamente, estão também já em desenvolvimento três projectos para outros lotes disponíveis.

    “Atendendo ao parque verde privado com aproximadamente três hectares existente no terreno do Natura, cada espaço interior reflecte e vive do exterior, através de edifícios transparentes, onde o reflexo do espaço natural e da luz interior assumem um elemento fulcral, valorizando igualmente o conceito de Home Living projectado em espaços desfragmentados para potenciar a vivência familiar”, destaca, também, o arquitecto Nuno Poiarez, cofundador da Visioarq.

    O projecto disponibiliza tipologias de habitação, desde o T1 ao T4, com maior oferta nas tipologias T2 e T3 para as famílias de maior ou menor dimensão, entre árvores, espelhos de água e cerca de 30 mil metros quadrados de percursos pedonais.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    32M€ para modernização da Linha de Leixões para mercadorias

    A modernização da Linha de Leixões para o tráfego de mercadorias custará até 32 milhões de euros, de acordo com uma autorização de despesa da Infraestruturas de Portugal (IP) e será integrada em futura candidatura no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 da União Europeia

    CONSTRUIR

    No despacho do Conselho de Administração da IP a empresa pública delibera “proceder ao lançamento do procedimento pré-contratual necessário à contratação da execução” da empreitada de modernização da Linha de Leixões, pelo valor de 32 milhões de euros. O montante é repartido pelos anos de 2025 (4 milhões de euros), 2026 (16,8 milhões) e 2027 (11,2 milhões).

    A modernização da Linha de Leixões para mercadorias (embora também traga benefícios para o tráfego de passageiros, cuja retoma está prevista para final deste ano) enquadra-se no Programa de Melhoria em Terminais Multimodais do Programa Nacional de Investimentos 2030.

    A empreitada da Linha de Leixões, que serve o porto homónimo em Matosinhos, será integrada em futura candidatura no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 da União Europeia. A fiscalização da empreitada custará até 3,8 milhões de euros.

    “As intervenções preconizadas para a Linha de Leixões visam atingir o objectivo do aumento de capacidade de tráfego para comboios de mercadorias até 750 metros, através da renovação da infraestrutura e aumento do comprimento útil de linhas de resguardo nas estações de Contumil, São Mamede de Infesta, e reformulação dos feixes de recepção/expedição do Terminal de Leixões”.

    Numa primeira fase estão previstos até dois comboios por hora que servirão as paragens de Campanhã, Contumil, São Gemil, Hospital São João (novo apeadeiro), São Mamede de Infesta, Arroteia (novo apeadeiro junto à Efacec) e Leça do Balio, partindo de Ovar ou de Campanhã. Numa segunda fase, o serviço poderá ser estendido a Leixões/Senhor de Matosinhos, com paragem em Guifões e Araújo/Custió.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.