Edição digital
Assine já
Imobiliário

Investimento de 10 M€ transforma antiga fábrica de louças de Sacavém em condomínio

O Real Forte III é um condomínio fechado promovido pelo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo, gerido pela NORFIN

CONSTRUIR
Imobiliário

Investimento de 10 M€ transforma antiga fábrica de louças de Sacavém em condomínio

O Real Forte III é um condomínio fechado promovido pelo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo, gerido pela NORFIN

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Architect Your Home e APPII promovem mesa redonda no Sil 2022
Empresas
Open House 2022: “O interior dos edifícios é, muito mais do que o exterior, um campo de exploração arquitectónica”
Arquitectura
Mercado imobiliário apresenta trajectória de recuperação
Imobiliário
Zona Oeste é o novo alvo de expansão da Homing Group
Empresas
Consumo de cimento cresce 10,7% no primeiro trimestre
Construção
Roca promove debate sobre o acesso a habitação acessível
Construção
Grupo Preceram participa na Tektónica 2022
BNP Paribas Fortis em Bruxelas adopta soluções da OLI
Empresas
The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa
Imobiliário
Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano
Imobiliário

Inserido nos terrenos da antiga Fábrica de Louças de Sacavém e com um investimento de mais de 10 milhões de euros, o Real Forte III é um condomínio fechado promovido pela Zetland Capital, do Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo, gerido pela NORFIN.

Localizado junto ao extremo norte do Parque das Nações e de frente para o Tejo, o condomínio fechado Real Forte III destaca-se pelas amplas áreas verdes do jardim, pela piscina e ginásios privativos, com a marca NORFIN associada à qualidade de construção e dos acabamentos.

“O projecto Real Forte esteve sempre associado a um produto de qualidade, desde logo pela sua localização privilegiada. Apesar da construção ter sido interrompida devido à crise financeira que afectou o país, o projecto está novamente em desenvolvimento. Agora, a Norfin tem a oportunidade de associar a sua marca a este empreendimento, dando vida a uma zona com muita procura e onde presentemente há muito pouca oferta de habitação nova a preços atrativo e acessível para as famílias portuguesas.”, considera Francisco Sottomayor, CEO da Norfin.

O empreendimento integra um edifício de habitação e comércio de seis pisos, com uma área total de construção de mais de 12.000 m2. É constituído por 49 fracções residenciais, com áreas generosas, entre 140 m2 e 255 m2, e tipologias T1 a T4, seis lojas comerciais no embasamento do imóvel e áreas entre os 37 e os 2.800 m2, com estacionamento subterrâneo. Os preços começam nos 290 mil euros. O Real Forte III possui ainda zona exterior com piscina e ginásio privativos. A maioria das unidades estará equipada com uma zona de barbecue exterior. A obra deverá estar concluída em Janeiro de 2022.

De acordo com a Norfin, “o Real Forte III oferece uma boa relação preço/m2, em particular quando comparado com projetos em venda em Lisboa ou no vizinho Parque das Nações. Famílias que vivam no Parque das Nações podem, pelo mesmo preço global do apartamento onde vivem, mudar-se para o Real Forte III e aumentar consideravelmente a sua área residencial e/ou de tipologia. O edifício está rodeado por áreas verdes e uma vasta área de espaços de lazer, tais como espaço para skates, bicicletas, corridas e caminhadas, jardins, entre outras infraestruturas”.

A localização do Real Forte,  na zona sul de Sacavém, área adjacente ao Parque das Nações permite aos seus residentes usufruir, de toda uma série de infraestruturas fundamentais a uma vida familiar estável e organizada, desde escolas públicas e privadas, a hipermercados, entre outras infraestruturas de saúde e de lazer, além da vista sobre o Rio Tejo e os espaços verdes circundantes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Architect Your Home e APPII promovem mesa redonda no Sil 2022
Empresas
Open House 2022: “O interior dos edifícios é, muito mais do que o exterior, um campo de exploração arquitectónica”
Arquitectura
Mercado imobiliário apresenta trajectória de recuperação
Imobiliário
Zona Oeste é o novo alvo de expansão da Homing Group
Empresas
Consumo de cimento cresce 10,7% no primeiro trimestre
Construção
Roca promove debate sobre o acesso a habitação acessível
Construção
Grupo Preceram participa na Tektónica 2022
BNP Paribas Fortis em Bruxelas adopta soluções da OLI
Empresas
The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa
Imobiliário
Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano
Imobiliário
Empresas

Architect Your Home e APPII promovem mesa redonda no Sil 2022

O encontro promove temas da actualidade do sector da arquitectura e construção, entre eles “Os aumentos dos custos de construção na conjectura actual” e “Os desafios e burocracias processuais”

(na imagem: equipa AYH)

Sob o tema “Lessons Learned”, o evento visa a partilha de experiência e conhecimento, é promovido pelo Architect Your Home Portugal (AYH) e pela Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII) e terá lugar irá realizar-se no dia 14 de Maio Salão Imobiliário de Lisboa 2022 (SIL), em formato de Mesa Redonda.

A debate estarão temas da actualidade do sector da arquitectura e construção, nomeadamente: “Os aumentos dos custos de construção na conjectura actual” e “Portugal – os desafios e burocracias processuais”. À mesa, a trocar e partilhar ideias, boas práticas, casos de sucesso, e vivências, de uma forma informal e sem filtros, estarão um conjunto de arquitectos, decoradores e construtores portugueses. Entre eles, Paula da Mata, Paris Sete, Rita Castro, SOS Arquitectura, Gustavo Romero, do Gustavo Romero Atelier, Rita Frias e Nuno Guerra, do gabinete ADOC, Ana Costa e Hugo Almeida , do Atelier 72, entre outros.

Nas palavras de “Após este período de grandes mudanças, é com grande prazer que voltamos “ao normal” com esta iniciativa juntamente com a organização da FIL Para além da habitual consultoria, este ano teremos um evento especial, uma mesa-redonda junto da APPII, que creio será muito interessante para todos, refere Mariana Morgado Pedroso, directora geral e arquitecta no AYH
“O evento Lessons Learned possibilita um momento de convivência imprescindível na realidade em que vivemos, entre os vários profissionais do sector imobiliário. É essencial continuar a falar dos problemas actuais do sector para que eles sejam conhecidos e resolvidos, beneficiando disto tanto os profissionais como os destinatários finais, os portugueses”, acrescenta Hugo Santos Ferreira, Presidente APPII

A 25.ª Edição do Salão Imobiliário de Lisboa, realiza-se de 12 a 15 de maio na FIL.

Esta será a nona participação consecutiva do AYH no certame, onde mais uma vez estará presente com uma equipa especializada nas áreas do investimento e no residencial, disponíveis para consultoria e esclarecimento de dúvidas e dicas sobre como comprar e/ou investir num imóvel, desde o grande empreendimento ao mercado residencial. O aconselhamento é gratuito para todos visitantes da feira, para tal os visitantes apenas têm que trazer o seu projecto e receberão aconselhamento sobre o tema em que tenham dúvidas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Arquitectura

Open House 2022: “O interior dos edifícios é, muito mais do que o exterior, um campo de exploração arquitectónica”

Apartamentos, edifícios, palácios, palacetes, escritórios, hotéis, restaurantes, num total de 70, entre Lisboa e Almada, são algumas das muitas possibilidades que podem ser visitadas na Open House de 2022. A partir da pergunta: Se retirássemos as fachadas, que cidade ficaria à vista?, a “A Rebeldia do Invisível”, procura explorar o que está no interior, o que não se vê

A dupla de arquitectos do atelier Aurora são os curadores convidados da 11ª Open House. Ao Construir, Sérgio Antunes revela-nos de que forma esta edição nos pode mostrar o que está além das fachadas dos edifícios, “a dissociação entre o interior e o exterior, a identidade invisível das cidades e que só está acessível a alguns e que esconde, na sua maioria das vezes, novas formas de habitar a cidade”.

Como é que surgiu o convite para serem os curadores da edição de 2022 da Open House?

O convite foi feito pela Trienal e normalmente a escolha recai em gabinetes de arquitectos com um plano mais teórico. Mas, pela segunda vez, (julgo que com as irmãs Almada Negreiros foi a primeira) voltaram a apostar em alguém que vem da prática e como nós temos tido alguma atenção na nossa prática profissional no que diz respeito às questões relacionadas com o património, à identidade da cidade e as cidades de uma forma geral, talvez isso tenha pesado na decisão da Trienal. Mas confesso que nunca explorei muito porque é que isso aconteceu, mas imagino que tenha sido algo deste género.

Mais uma vez o público é convidado a conhecer a arquitectura, mas também as ruas e a sua envolvência. Qual o tema que definiram para esta edição?

O texto que nós produzimos como sinopse acho que é revelador do próprio tema, “A Rebeldia do Invisível”, no sentido daquilo que está no interior, do que não se vê. Em todo em caso e, explicando um pouco a ideia, é que há de facto nas cidades todas, e em Lisboa também, características que são próprias da cidade, que fazem com que, quando vemos uma fotografia desta cidade, nós a reconheçamos pelas características dos edifícios, dos materiais e da luz. Portanto, a nós interessava-nos explorar esta ideia de que existe uma arquitectura que é mais ou menos anónima, que é mais ou menos não excepcional, portanto contínua, quase se quisermos, igualitária e que, depois, a pouco e pouco, por dentro, no interior destes edifícios, tem-se alterado. O interior dos edifícios é, muito mais do que o exterior, um campo de exploração arquitectónica. Há uma maior liberdade no interior porque é menos controlado e por isso mesmo o interior tem sido fonte de exploração arquitectónica muito mais do que o exterior. E a nós interessa-nos esta dissociação entre interior e exterior e pouco e pouco os edifícios são cada vez mais diferentes por dentro do que são por fora e interessa-nos explorar, nessas visitas que fazemos, estes edifícios.

É também por isso que lançam, na própria sinopse da página oficial da Open House 2022, a questão “Se retirássemos as fachadas, que Lisboa ficaria à vista?”

Exacto. Provavelmente os nossos interiores já não correspondem, nem sociologicamente, nem arquitectonicamente, à imagem que temos do exterior. É frequente, hoje em dia, existirem casas em prédios de rendimento com uma única fracção por piso, onde cada pessoa tinha o seu apartamento. Sociologicamente há mudanças que depois do exterior são invisíveis. E, portanto, a pergunta que queremos fazer é: Que identidade de Lisboa é essa agora que está por trás das fachadas?

No fundo a identidade dessa Lisboa tem muito a ver com todas as mudanças sociologias e turísticas que a cidade tem vindo a sofrer?

Claro, e também com um esvaziamento dos bairros tradicionais, porque as pessoas formam família e muitas vezes não tem capacidade económica para se manterem nos bairros e isso a pouco e pouco esvazia as cidades das suas soluções tradicionais. E depois, os novos habitantes, quem vem, transforma o interior das habitações muitas vezes, mas não é autorizado a fazê-lo no exterior, porque não pode fazê-lo e, portanto, o exterior não é um espelho desses novos habitantes. Há uma dissociação entre o interior e o exterior.

Não se consegue olhar para o exterior e perceber o que está no interior….

Exacto, há uma dissociação entre estes dois aspectos. Por outro lado, percebemos também que esta dissociação acontece não só em edifícios mais contemporâneos, fruto dessas mudanças sociológicas, também em edifícios mais antigos, por exemplo. Alguns dos edifícios escolhidos para a Open House reforçam exactamente esta ideia. Edifícios, que nos séculos XVII ou XVIII, estavam integrados na cidade, em que não havia nada de reconhecível no exterior e que eram iguais aos edifícios que estavam ao lado e que depois por dentro eram palacetes e edifícios extraordinários e, portanto, construídos assim de raiz. Não foi só a transformação ao longo do tempo que fez essa dissociação entre o exterior e o interior, mas é que verificamos que há edifícios que sempre o foram.

Haveria nessas situações então alguma intenção?

Havia claramente. Um dos edifícios que faz parte da Open House este ano é o do Manteigueiro, que é um palacete no Chiado, onde hoje funciona o Ministério da Economia, que do exterior não difere em nada de um prédio de rendimento, mas depois quando se entra é que se nota a diferença logo a começar pela escadaria fantástica. Em si mesmo já construído para ser continuo e discreto, mas depois quem entra tem essa explosão e é interessante termos essa perspectiva também.

Pelo segundo ano, a Open House atravessa o Tejo e divide os seus percursos com a cidade de Almada. Que semelhanças e diferenças podemos esperar em relação à edição do ano passado?

Não há propriamente diferenças entre Lisboa e Almada no que diz respeito a este lado conceptual, essa diferença entre o interior e o exterior, aliás as tipologias construtivas repetem-se de um lado e doutro. Portanto, se víssemos uma fotografia de Almada iriamos confundi-la com uma Lisboa neste sentido conceptual e, em muitas coisas, é uma cidade só. Como é evidente há menos disponibilidade de edifícios em Almada do em que em Lisboa, por ser uma cidade com muito maior diversidade, ainda assim, nós repetimos alguns edifícios que já tinham estado na edição anterior e acrescentamos outros que são muito particulares, alguns palacetes e algumas quintas que vão ser possíveis ver este ano.

Além do Tejo, que une ambas as cidades, qual o fio condutor que une as edições?

Prende-se com aquilo que dizia: com o facto de procuramos uma Lisboa e uma Almada onde não existem grandes diferenças, onde as tipologias habitacionais são basicamente as mesmas e que, à semelhança de Lisboa, também sofreu com a saída da população do centro e uma alteração dos usos dos edifícios.

Tal como qualquer centro histórico, Almada acaba por ter que manter as suas fachadas e isso acaba até por ser transversal a todas as cidades de certa forma…

O que eventualmente existirá em Lisboa de forma mais acentuada e de forma muito particular é de facto esta obrigação de continuidade, que tem sido sempre defendida pelas políticas publicas, de preservação das fachadas e com isso uma certa preservação da imagem da cidade e isso tem sido de facto muito de forte em Lisboa e essa diferença entre o interior e o exterior é mais marcante por causa disso. Ou seja, Lisboa acaba por transmitir uma imagem que de facto já não existe…

Em termos programáticos, é possível avançar qual o roteiro ou os percursos previstos para este ano?

São por volta de 70 edifícios ou fracções de edifícios, no conjunto entre Lisboa e Almada. À semelhança dos anos anteriores existem edifícios que são de visita livre e outros que necessitam de marcação para poderem ser visitados. Vamos manter o percurso sonoro e para este ano foram convidados quatro especialistas, que não pertencem necessariamente ao mundo da arquitectura, que vão fazer roteiros e visitas guiadas na rua, são também artistas plásticos, jornalistas. Não é só uma Lisboa de arquitectos.

No fundo, a programação será muito idêntica ao modelo pré-pandemia, altura em que excepcionalmente o programa teve que ser muito mais fechado e circunscrito.

Sofia Couto e Sérgio Antunes, Aurora Arquitectos
@Elia Diez

BIO

Fundado em 2010 por Sofia Couto e Sérgio Antunes, o atelier Aurora Arquitectos foi a consequência natural de um trabalho desenvolvido em conjunto nos anos anteriores. O percurso começou durante o período académico, tendo-se fortalecido com a experiência profissional com o colectivo Kaputt!

Actualmente com uma equipa ampliada a outros elementos, o atelier tem como objecto de trabalho projectos das mais variadas escalas, de pequenas casas a edifícios de habitação, bem como equipamentos culturais. Recentemente, a área mais desenvolvida é a reabilitação urbana, que representa um foco de especialização e investigação para o atelier.

Na sua abordagem é particularmente importante a reacção ao local que se encontra, daquilo que faz parte da existência desse espaço e de outros elementos da construção (por vezes, com centenas de anos). O desafio é, por isso, interpretar, esmiuçar, copiar, distorcer e até ironizar essas matérias-primas, para que sejam devolvidas ao local de uma forma nova e inesperada.

Cada caso é acompanhado de uma forma atenta e personalizada, procurando-se assim uma solução distinta, que torna cada projecto uma experiência singular. Perante os condicionalismos encontrados (legais, orçamentais, programáticos ou de constrangimentos de obra), os esforços vão no sentido de vencer os momentos chave do projecto, momentos esses que culminam no espaço construído, dando sentido a tudo o resto.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Imobiliário

Mercado imobiliário apresenta trajectória de recuperação

No primeiro trimestre de 2022 foi registado um volume de investimento na ordem dos 191M€. Um valor que não reflecte a dinâmica da actividade registada em todos os segmentos

O mercado imobiliário registou, no primeiro trimestre de 2022 um volume de investimento de 191 milhões de euros. Este valor, estando 27% abaixo do registado no mesmo período de 2021, não reflecte a crescente actividade que o mercado tem demostrado, com várias transacções em processo de negociação. Esta é uma conclusão do “Real Estate Market Overview”, um estudo elaborado pela consultora imobiliária internacional Savills, que analisou o panorama actual e as tendências de mercado em Portugal durante o primeiro trimestre de 2022.


Perspectivas e tendências actuais

Este trimestre registou um aumento mais acentuado do que inicialmente esperado da inflação (5,5% em Março) e dos custos dos materiais e da mão de obra na construção (8%), em parte motivado pelo conflito na Ucrânia, e um decréscimo no indicador de confiança do consumidor. No entanto, e com base no desempenho registado nos dois primeiros meses de 2022, a economia não parou de crescer, tendo o PIB registado uma variação homóloga de 11,9%.

Os resultados apontados pelo estudo com autoria da Savills demonstram que, em termos de distribuição de volume de investimento, aproximadamente 70% do mesmo se concentrou no mercado de Escritórios. Indústria e Logística está na segunda posição e regista 13% do total de investimentos, seguida da Hotelaria com 12%.
74% das transacções, equivalentes a 134 milhões de euros, foram realizadas por investidores estrangeiros provenientes da Suíça (35%), Espanha (26%), Suécia (9%) e China (4%) e tiveram como principal target os sectores dos Escritórios, Indústria e Logística e de Retalho. Quanto aos investidores nacionais, que representam 26% do total do investimento, durante o primeiro trimestre de 2022 apostaram preferencialmente nas áreas de Hotelaria, Escritórios e de Retalho.

As expectativas quanto ao investimento residem, neste momento, nos factores geopolíticos uma vez que o conflito na Ucrânia poderá reforçar a atractividade de Portugal relativamente a investimentos nos sectores da Hotelaria, Escritórios e Industrial e Logístico, mas igualmente no crescimento de sectores como o Residencial e Industrial e Logístico com base numa procura que excede a oferta. Importa referir que os vários segmentos estão a recuperar, mas a ritmos diferentes.

“Será agora mais seguro dizer que o mercado imobiliário português superou com nota distinta os desafios dos últimos dois anos. Ainda que pairem algumas incertezas motivadas pelo conflito Rússia-Ucrânia, Portugal ocupa uma posição cada vez mais competitiva e aliciante no mercado ocupacional e assume-se como um safe heaven para investidores que valorizam segurança e estabilidade. Nos primeiros três meses do ano, os resultados alcançados abrem portas para um fecho de ano em que poderão ser retomados valores pré- pandemia e, em alguns setores, deverão ser mesmo ultrapassados“, refere Alexandra Portugal Gomes, head of research da Savills Portugal

Quais as tendências para os diversos mercados?

O sector do Retalho, severamente atingido pelos efeitos da pandemia tem vindo adaptar-se gradualmente, tendo alguns subsetores como o High-street, Retail Parks e supermercados melhorado o seu desempenho. O e-commerce em Portugal deverá seguir a tendência de 2021, período em que registou um total de aproximadamente 4.2 mil milhões de dólares americanos em receitas sendo que grande parte do volume destas proveio do sector da moda e equipamentos de media e tecnologia. O primeiro trimestre de 2022 continuou a provar-se como um desafio para os centros comerciais, cuja recuperação continua a ritmo menos célere, mercê de uma redução no footfall.

Quanto ao sector Industrial e Logístico, que registou o melhor resultado de sempre em 2021, no primeiro trimestre de 2022 apresentou valores de absorção substancialmente superiores ao mesmo período do ano passado, acima dos 56.000 m2. Tendo em conta a elevada procura por parte de operadores logísticos, da Indústria e de Retalho, e os projectos que serão concluídos ainda durante 2022, augura-se um resultado bastante satisfatório para este sector. Importa referir que existe uma crescente preocupação com a sustentabilidade, optimização e qualidade dos equipamentos que estão a ser desenvolvidos.

O mercado Residencial começou o ano com um impulso positivo, em continuidade com o final de 2021, impulsionado pelo clima económico e financeiro favorável, uma vez que taxa de desemprego, inflação e taxas de juro se mantinham baixas e a concessão de novos empréstimos para a habitação continuava a aumentar. No entanto, as alterações que se verificaram nas taxas Euribor e na inflação a partir do final de Fevereiro tiveram algum impacto, ainda que reduzido, neste trimestre podendo, futuramente, implicar outras alterações nomeadamente um ajuste das taxas de juro de referência por parte do Banco Central Europeu.

No que se refere a performance do mercado, o preço médio por metro quadrado em Lisboa é de 4.113 euros, valor que representa um crescimento de 6% quando comparado com o 1º trimestre de 2021. Os valores de renda no mercado de arrendamento continuam igualmente a subir, sendo que este mercado poderá ganhar maior destaque neste ano, por tendência e/ou necessidade, devido às alterações demográficas que o tornam mais apetecível, mas igualmente à incerteza no âmbito financeiro dos núcleos familiares, devido ao aumento das taxas de juro, inflação e restrições na atribuição de crédito.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Zona Oeste é o novo alvo de expansão da Homing Group

O crescimento da actividade de Alojamento Local na Zona Oeste da grande Lisboa é o mote da expansão da actividade da Homing Group para a Ericeira, Santa Cruz e Lourinhã

Ericeira, Santa Cruz e Lourinhã são as novas apostas para a expansão da área negócio do grupo, depois extensão de negócio em Lisboa, para os municípios de Cascais, Sintra, Loures e Oeiras, e para a Ilha da Madeira.

Esta nova expansão, permite que o grupo alargue o serviço de gestão total a todos os proprietários destas zonas com uma presença física no local, reforçando assim a sua estratégia de proximidade com os actuais e potenciais clientes.

Com foco na rentabilidade dos seus proprietários, a empresa especializada em alojamento local e mediação imobiliária, oferece diversos serviços como uma estrutura própria de manutenção limpeza e lavandaria. A Homing conta actualmente com 4 lojas física (em Lisboa, Porto e Algarve), e 350 propriedades para o alojamento local. A Homing Group é composta por três marcas – Homing Short Rent, Homing Real Estate e Facility Care

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Consumo de cimento cresce 10,7% no primeiro trimestre

Por sua vez, a evolução do mercado das obras públicas no 1º trimestre de 2022 foi negativa, apurando-se uma redução de 7,9%, em termos homólogos

CONSTRUIR

O consumo de cimento no mercado nacional registou, no primeiro trimestre, um crescimento de 10,7% face a igual período do ano passado, totalizando 1.020,9 milhares de toneladas nos primeiros três meses de 2022.

Os números, que constam da Análise de Conjuntura do Sector da Construção divulgado pela Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), estão em linha com os indicadores da economia revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), segundo os quais o PIB registou um aumento homólogo de 11,9%, reflectindo em parte um efeito de base, dado que em Janeiro e Fevereiro de 2021 estiveram em vigor várias medidas de combate à pandemia, e um crescimento acentuado do consumo privado.

Nos primeiros dois meses de 2022, o número total de obras de edificação e reabilitação licenciadas aumentou 3,5% face a igual período do ano passado, em resultado de variações de 5,8% nos edifícios residenciais e de -3,2% nos edifícios não residenciais. Quanto ao número de fogos licenciados em construções novas, assiste-se a um expressivo aumento de 19,8% em termos homólogos. Paralelamente, no que concerne ao montante dos novos empréstimos concedidos aos particulares para aquisição de habitação, a informação disponibilizada indica um total de 2.464 milhões de euros até Fevereiro, o que traduz uma subida de 25,3% em termos homólogos.

Por sua vez, a evolução do mercado das obras públicas no 1º trimestre de 2022 foi negativa, apurando-se uma redução de 7,9%, em termos homólogos, no volume dos concursos de empreitadas de obras públicas promovidos, e no que concerne ao montante total dos contratos de empreitadas de obras públicas objecto de celebração e registo no Portal Base verifica-se uma variação homóloga temporalmente comparável de -42,7%(2). Contudo, apesar deste arranque deficitário ao nível das empreitadas de obras públicas, perspectiva-se uma aceleração da actividade para os próximos meses, tendo em conta o volume de investimentos públicos previstos no PRR e no Portugal 2020 e a expectável aprovação do Orçamento do Estado para 2022.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Roca promove debate sobre o acesso a habitação acessível

Debate sobre “Habitação Acessível” tem lugar no dia 12 de Maio, pelas 11 horas e conta com Patrícia Santos Pedrosa, Filipa Roseta, Inês Lobo, Luís Mendes e Sandra Marques Pereira

CONSTRUIR

Inserido num conjunto de eventos internacionais que a Roca pretende organizar nos seus espaços Roca Galleries (Lisboa, Madrid, Barcelona, Xangai e Pequim), o Roca Lisboa Gallery vai realizar um debate sobre o tema “Habitação Acessível” no dia 12 de Maio, pelas 11 horas.

Com o objectivo de “promover e dar visibilidade ao debate sobre o acesso a habitações mais dignas e adequadas”, a mesa redonda “vai ter como foco as reflexões a partir do contexto português”, inserida num dos tópicos estipulados no programa do Fórum Internacional UIA 2022: “Barreira 05: Promoção e Produção”.

Num contexto onde habitar é também o direito holístico à cidade, enquadrado pela urgência de se ter presente a dimensão da sustentabilidade social, ambiental e económica, propõe-se discutir heranças, estratégias e possibilidades nas respostas ao acesso pleno à habitação.

A sessão de debate vai contar com a moderação da arquitecta, mas também investigadora e professora Patrícia Santos Pedrosa, assim como oradores convidados, Filipa Roseta, arquitecta e vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local da Câmara Municipal de Lisboa, Inês Lobo, arquitecta e coordenadora da Comissão Técnica de Habitação da Ordem dos Arquitectos, Luís Mendes, geógrafo, Centro de Estudos Geográficos, IGOT, ULisboa e Sandra Marques Pereira, socióloga e investigadora Dinamia’CET, ISCTE.

O Fórum Internacional UIA 2022, marca este ano presença em Madrid com o tema “Affordable Housing Activation: Removing Barriers”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Grupo Preceram participa na Tektónica 2022

As empresas do Grupo Preceram, (Argex, Gyptec, Preceram e Volcalis), vão estar presentes na Tektónica 2022, que decorre de 12 a 15 de maio, na FIL – Feira Internacional de Lisboa.

Brand SHARE

Grupo Preceram participa na Tektónica 2022

As empresas do Grupo Preceram, (Argex, Gyptec, Preceram e Volcalis), vão estar presentes na Tektónica 2022, que decorre de 12 a 15 de maio, na FIL – Feira Internacional de Lisboa. O Grupo Preceram leva a exposição (stand 2B09), soluções para a construção direcionadas para o conforto, eficiência energética, sustentabilidade dos edifícios, flora e paisagismo.

Um dos grandes destaques da presença do Grupo Preceram nesta edição da Tektónica será a apresentação ao público da nova Placa Gyptec Gold.

Lançada no mercado recentemente, a nova placa da Gyptec é uma placa de gesso multifunções resistente a tudo. Agora já é possível usar uma única placa para toda a obra.
A mais versátil das placas, a placa Gold, é um produto de excelência da gama de soluções Gyptec, que combina múltiplas vantagens dos vários tipos de placas, permitindo resolver todas as necessidades de um projeto usando apenas uma placa.

A Gold é reforçada com fibras para melhorar o comportamento ao fogo, com maior densidade e resistência ao impacto e flexão, é tratada com um agente hidrófugo para diminuir a absorção de água. Adequada para todos os sistemas interiores com características de maior capacidade de carga, resistência ao fogo e bom comportamento à humidade.

O Grupo Preceram aproveitará o evento para divulgar e promover algumas das suas novas ferramentas digitais.

A nova biblioteca de soluções e sistemas com isolamento térmico pelo interior e tijolo térmico foi elaborada em conjunto com o parceiro estratégico ITeCons que aceitou o desafio da Gyptec para levar a cabo o cálculo de um conjunto de soluções construtivas que combinassem o tijolo térmico e acústico Preceram, lã mineral Volcalis e as placas de gesso Gyptec.

As soluções construtivas foram definidas no sentido de dar resposta aos requisitos legais de comportamento térmico dos edifícios. Ou seja, o objetivo foi o de encontrar e criar soluções para auxiliar os projetistas a melhorar o desempenho energético das suas construções. Todas as soluções apresentadas no relatório são soluções de eficiência energética adequadas para edifícios NZEB.

Ainda, relativamente a ferramentas digitais de apoio ao projeto, destaque para a adição de mais objetos na biblioteca BIM da Gyptec. Nesta área de trabalho é possível encontrar agora ainda mais sistemas e soluções para construção e reabilitação de paredes e tetos.

O Grupo Preceram irá participar no workshop “Descarbonização e circularidade – Como fazer?”. Nesta ação organizada pelo Cluster Habitat Sustentável o Grupo Preceram fará parte do painel de oradores que no dia 12 de maio às 16h30 no Auditório Espaço Tektónica HUB, irão debater sobre os desafios da descarbonização e circularidade para a construção do nosso Habitat.

Seminário e workshop prático do Grupo Preceram na Tektónica 2022
No dia 14 de maio às 15h45 no Auditório Espaço Tektónica HUB irá decorrer o seminário do Grupo Preceram com o tema: “A (re)construção eficiente. Adaptar, modificar e melhorar o desempenho térmico e acústico dos edifícios.”.

Como melhorar o conforto e o comportamento energético dos edifícios? O Grupo Preceram responde, com sistemas construtivos e soluções de desempenho melhorado, para pisos, paredes e tetos. Apresentação da nova Biblioteca de Soluções de paredes exteriores adequadas a edifícios NZEB.

Às 17h00 terá lugar no stand do Grupo Preceram (2B09), um workshop prático de aplicação de Tijolo Térmico e Acústico.

Programa e inscrições: https://solucoesparaconstrucao.com/grupo-preceram-tektonica-2022/#seminario

Visite-nos, no stand 2B09 do pavilhão 2, da FIL, de 12 a 15 de maio.
Local: Feira Internacional de Lisboa (mapa: https://goo.gl/maps/AfvbuUJKgeaQDkAy7)
Data e Horários: 12 e 13 de Maio | 10h00 – 19h00
14 e 15 de Maio | 14h00 – 20h00

Tudo sobre a nossa presença na Tektónica 2022 em: https://solucoesparaconstrucao.com/grupo-preceram-tektonica-2022/

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
Empresas

BNP Paribas Fortis em Bruxelas adopta soluções da OLI

O BNP Paribas seleccionou para as suas casas de banho os autoclismos ultra-eficientes “OLI 120 Plus Sanitarblock”, que garantem uma poupança diária de nove litros

CONSTRUIR

A nova sede do banco BNP Paribas Fortis, em Bruxelas, escolheu a portuguesa OLI para equipar os seus espaços de banho.

Para cumprir os níveis máximos de eficiência hídrica, este projecto, “jóia arquitectónica” e edifício passivo que atende aos mais altos padrões de inovação e desempenho ambiental, seleccionou para as suas casas de banho os autoclismos ultra-eficientes “OLI 120 Plus Sanitarblock”, que garantem uma poupança diária de nove litros, e as placas de comando “SLIM”, em preto soft-touch, com um design contemporâneo e uma estética depurada.

Localizado em Warandeberg, no coração da capital belga, o edifício ocupa uma área de mais de 100 mil metros quadrados e acolhe 4.100 postos de trabalho, tornando-se num dos maiores edifícios de escritórios da Bélgica.

A arquitectura, assinada por Baumschlager Eberle Architekten, Styfhals & Partners e Jasper-Eyers, destaca-se pela fachada ousada e futurista composta por colunas verticais, com minerais verdes provenientes de uma pedreira norueguesa, que contribuem para a singularidade de cada coluna, dando à fachada um aspecto mineral que evolui com a luz do sol. Em Março, a nova sede do banco BNP Paribas Fortis foi distinguida com o prémio “MIPIM 2022”, na categoria “Best Office and Business Development”.

Com esta prescrição, a OLI reforça a sua presença em projectos de referência internacionais, que se caracterizam pela inovação da arquitectura e da construção sustentável.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

The Edge Group investe 45M€ no Beloura Business Campus Lisboa

Segundo José Luís Pinto Basto, CEO do The Edge Group, “temos desde o início da criação do grupo e actualmente em curso investimentos imobiliários que ascendem a 400M€, sempre com um equilíbrio de capitais próprios e recurso a financiamento”

CONSTRUIR

O Beloura Business Campus, o mais recente projecto no segmento de escritórios da parceria do The Edge Group e Fundo Ardma FCR, já se encontra em comercialização e vem dar resposta às empresas que procuram localizações mais perto das zonas habitacionais e com preços mais competitivos, fora dos grandes centros urbanos.

O empreendimento, cujo investimento ascende a 45M€, consiste num edifício moderno de escritórios, que já se encontra pronto a ser utilizado por uma ou mais empresas, bem como uma área de futura expansão com um potencial construtivo acima de 11.000m2. O edifício actualmente disponível é composto por 3 pisos acima do solo e 3 pisos de estacionamento coberto subterrâneo. Tem cerca de 8.300m2 de área locável e está localizado junto à Quinta da Beloura, em Sintra. Inserido num lote com 27.300m2, o imóvel possui excelentes acabamentos, oferece um total de 563 lugares de estacionamento (409 em parque subterrâneo e 154 no parque exterior) e está pronto a utilizar, de acordo com as necessidades e dimensão de cada empresa. O lote compreende ainda uma parcela de terreno, com potencial construtivo adicional superior a 11.000m2, onde poderão ser projectados até 6 edifícios de escritórios, edificação de uma nave de logística de proximidade como complemento ao edifício de escritórios existente, ou outros usos dentro da indústria, comércio e serviços. O Beloura Business Campus conta ainda com uma excelente localização, uma vez que tem na área envolvente uma vasta gama de serviços, tais como: ginásio, hotel de 5 estrelas, campo de golfe, campos de ténis e padel, campo de futebol, spa, piscinas, escola de equitação, restaurantes, farmácias e supermercados, o que representa uma grande mais valia e qualidade de vida para quem ali trabalha.

Segundo José Luís Pinto Basto, CEO do The Edge Group, “temos desde o início da criação do grupo e actualmente em curso investimentos imobiliários que ascendem a 400M€, sempre com um equilíbrio de capitais próprios e recurso a financiamento.” O CEO acrescenta ainda que “o Beloura Business Campus consolida a posição do Grupo no segmento de escritórios, agora em linha com a procura de algumas grandes empresas, nacionais e internacionais, por localizações com preços mais competitivos, fora dos centros urbanos e mais próximos do local de residência dos colaboradores. Como sabemos, Portugal está no topo das preferências das empresas para sediar as suas operações. E para dar resposta a esta procura, temos uma oferta diversificada de escritórios para todo o tipo de empresas e respectivas necessidades, seja a nível de localização, dimensão ou mesmo de renda.”

Para além do Beloura Business Campus, o The Edge Group tem actualmente em desenvolvimento alguns dos maiores projectos de investimento na área de escritórios a nível nacional, dos quais se destacam o edifício GC30, localizado na Av. Gago Coutinho em Lisboa, com uma área bruta de construção de 25.000m2, distribuídos por 5 pisos de escritórios no embasamento e 195 apartamentos de co-living nas torres; o Metropolis, localizado junto ao Norteshopping (Matosinhos), com uma área bruta de construção de 25.000m2 e também com uma oferta de escritórios, co-living e áreas para comércio e serviços ; e o Cinco District, um projecto de grande dimensão com início de construção prevista em 2022, com uma área bruta de construção de 38.000 m2, que consiste num empreendimento composto por uma torre e dois edifícios de escritórios, um hotel do grupo Marriott, rooftops ajardinados, skybar-restaurante e uma praça de eventos com serviços e retalho, localizado em frente à A5, em pleno nó Carnaxide/Linda-a-Velha.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Imobiliário

Remax com crescimento de 19% no 1º trimestre desde ano

Nos dados agora apresentados, as regiões do Centro de Lisboa e do Grande Porto continuam a representar cerca de 30% das transacções. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros continuam a ser aqueles que mais negoceiam em imobiliário

CONSTRUIR
tagsRE/MAX

A rede imobiliária Remax registou nos primeiros três meses do ano um volume de preços de cerca de 1,74 mil milhões de euros, relativos a 19.669 transacções, 76,7% das quais de compra e venda de imóveis, o que representa o melhor primeiro trimestre de sempre. A empresa finaliza este período com um incremento no número total de transacções, com mais 19,1%, e um volume de preços superior em 31%, quando comparado com igual período de 2021. Num sector que continua a dar provas de grande dinamismo, a Remax cresce em todos os indicadores de actividade.

Continuam a ser os portugueses quem mais está a adquirir ou a arrendar casa, com os investidores nacionais a serem responsáveis por 79,8% das transacções da Remax neste período. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros reforçaram a segunda posição daqueles que mais negoceiam em imobiliário – entre Janeiro e Março, as transacções com  os cidadãos brasileiros a representarem 6,5%, a que se seguiram norte-americanos (1,5%) e franceses (1,2%). Destaque para a nacionalidade norte-americana, que face ao trimestre homólogo de 2021, cresceu 143,3% no número de transacções, subindo quatro posições.

Nos dados agora apresentados, as regiões do Centro de Lisboa e do Grande Porto continuam a representar cerca de 30% das transacções da rede, não obstante os seus crescimentos não terem sido tão acentuados quanto à média nacional (19%). Por seu lado, a Margem Sul revelou um nível de actividade praticamente similar ao verificado nos três primeiros de 2021, em contraste com as regiões do Algarve, Linha de Cascais e Linha de Sintra, que verificaram crescimentos superiores a 30%.

Numa análise por distrito e apenas considerando aqueles que registaram mais de 200 transacções, o destaque vai para os distritos de Viseu (41,6%), Faro (41%) e Braga (26,4%), aqueles que mais cresceram face a igual período do ano passado. Lisboa com um incremento de 10,7%, o Porto 9,9% e Setúbal com 3%, registaram também bons níveis de crescimentos, atendendo ao enorme peso que representam na rede.

Tal como em ciclos anteriores, os apartamentos e as moradias são os dois tipos de propriedade que a rede mais comercializa, representando 62,7% e 20,8% do total, respectivamente, o que corresponde a cerca de 83,5% das transacções da rede no trimestre. Já as restantes foram referentes a terrenos (6,1%), lojas (4,1%), quintas (1,2%) e outros (5,1%). Salientar que com a retoma da actividade económica, sendo que o primeiro trimestre de 2021 foi pautado por um novo período de confinamento, entre Janeiro e Março deste ano houve um forte incremento na procura de lojas, o que originou um crescimento de 54,1% no número de transacções.

Actualmente, a rede imobiliária conta com total de 383 agências e ultrapassou já os 10 mil consultores.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.