Edição digital
Assine já
    PUB

    Sogenave, instalações na Maia

    Imobiliário

    Sogenave investe 22M€ em novo projecto no Barreiro

    O futuro edifício, a ser construído num terreno de 2.100 m2 vai receber um novo centro logístico e de distribuição, cujas obras deverão arrancar no início de 2023

    CONSTRUIR

    Sogenave, instalações na Maia

    Imobiliário

    Sogenave investe 22M€ em novo projecto no Barreiro

    O futuro edifício, a ser construído num terreno de 2.100 m2 vai receber um novo centro logístico e de distribuição, cujas obras deverão arrancar no início de 2023

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados
    Imobiliário
    Maior projecto de ‘hibridização’ do país com luz verde para avançar
    Engenharia

    A cidade do Barreiro, na margem sul do Tejo, vai receber um novo centro logístico e de distribuição da Sogenave, para armazenamento e centro de distribuição. Segundo o Idealista, o novo projecto imobiliário, deverá arrancar no início de 2023 e conta com um investimento de 22 milhões de euros.

    O novo projecto vai contar, ainda, com um conjunto de incentivos municipais, no âmbito de um acordo assinado em Julho passado com o município.

    O futuro edifício, a ser construído num terreno de 2.100 metros quadrados (m2) na União de Freguesias de Palhais e Coina, terá três pisos e quatro unidades funcionais, para armazém ambiente, armazém de frio, áreas administrativas e zonas técnicas e sociais. No exterior está prevista a construção de parques de estacionamento e espaços verdes.

    De acordo com a informação disponibilizada pelo município, a Sogenave faz parte do grupo Trivalor, uma ‘holding’ com mais de 50 anos de actividade e 100% nacional, e as instalações do Barreiro deverão albergar também as outras empresas deste grupo português.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados
    Imobiliário
    Maior projecto de ‘hibridização’ do país com luz verde para avançar
    Engenharia
    PUB

    DR

    Imobiliário

    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto

    No mês que se seguiu à Páscoa, diárias mantiveram preços e ocupação média aumentou para 70% em Lisboa e 57% no Porto. Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente

    A Confidencial Imobiliário divulgou os dados mais recentes das estatísticas do SIR-Alojamento Local, revelando que Abril prolongou o efeito positivo do período da Páscoa, com sustentação dos preços das diárias quer em Lisboa quer no Porto e um aumento dos níveis de ocupação nas duas cidades.

    Em Lisboa, o Alojamento Local registou uma ocupação média de 70% no mês de Abril, um resultado superior aos 65% verificados em Março. No Porto, este tipo de acomodação teve uma taxa média de ocupação de 57% em Abril, também superior aos 46% do mês anterior. Os níveis de preços praticados mantiveram-se relativamente estáveis entre os dois meses, comparando-se 119€ em Abril com 121€ em Março no caso de Lisboa, e 105€ com 104€, respectivamente, no caso do Porto.

    Traduzindo a maior dinâmica de ocupação, Abril registou também um acréscimo do RevPAR face ao mês anterior, com este indicador a atingir 80€ em Lisboa e 58€ no Porto, em comparação com os 76€ e 46€, respectivamente, observados no mês de Março.

    De assinalar ainda, o que parece ser a maior confiança dos operadores e proprietários neste mercado, com a oferta ativa a registar ligeiro acréscimo em abril face a março. Concretamente, em Abril contabilizavam-se 3.750 apartamentos T0/T1 activos em AL para ocupação na capital, mais do que os 3.550 registados em Março. No Porto, Abril somou 3.770 apartamentos T0/T1 com actividade no AL, também ligeiramente acima dos 3.700 registados no mês da Páscoa. Em qualquer dos casos, o volume de oferta activa em AL no mês de abril de 2024 é o mais elevado dos últimos quatro anos.

    Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente. Tal traduziu-se num volume de negócios de 9,5 milhões de euros em Lisboa e 6,9 milhões euros no Porto durante o mês de Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital

    A Câmara de Barcelos vai adquirir os terrenos onde ficará localizado o novo Centro Hospital de Barcelos. A decisão surge depois da ministra da Saúde ter dado garantias que o novo hospital irá mesmo avançar 

    Município de Barcelos aprovou ontem, em reunião extraordinária, a aquisição dos terrenos para a construção do Novo Hospital de Barcelos pelo valor de 4 milhões de euros. Segundo o Presidente, Mário Constantino Lopes, esta decisão surge na sequência da garantia dada pela ministra da Saúde de que o Governo irá avançar com a construção do designado Centro Hospitalar de Barcelos, um equipamento que vai servir a população deste concelho e do concelho de Esposende.

    Designado “Acordo de cedências e urbanização para a execução do Plano de Pormenor do Centro Hospitalar de Barcelos”, o documento ontem aprovado estabelece as normas da transacção a efectuar entre o Município e a Sociedade Agrícola da Quinta de S. Martinho, S.A.. O acordo não só refere o montante da aquisição de 155 850 metros de terreno, por 4 milhões de euros, como estabelece as áreas de cedência ao domínio público e as parcelas para a construção da variante poente e acessos ao novo hospital. Esta deliberação será agora submetida à apreciação da Assembleia Municipal.

    Para o Presidente da Câmara, Mário Constantino Lopes, esta foi uma “decisão de enorme importância e um passo muito significativo. Regozijamo-nos por, 16 anos depois, este Executivo Municipal estar a cumprir um passo fundamental neste processo, fazendo-o com total transparência procedimental, bem observável na instrução desta deliberação que hoje foi colocada a votação”, sublinha o autarca de Barcelos. Para Mário Constantino, esta é a prova cabal que “demonstra o dinamismo que o atual Executivo tem imprimido no desatar de nós e na resolução de problemas que, muitos deles, se arrastavam há décadas”.

    O Presidente aproveitou ainda esta decisão para “enaltecer a unanimidade político-partidária que se estabeleceu em Barcelos à volta deste importante desígnio para o nosso concelho”.

    A deliberação ontem aprovada sucede depois de a Ministra da Saúde, em recente visita a Barcelos, ter dado a garantia de que o Governo vai avançar com os procedimentos necessários e imprescindíveis para que a construção do Centro Hospitalar seja concretizada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark

    A multinacional sueca é a nova inquilina do parque empresarial localizado em Alfragide. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez e Volkwagen Financial Services

    Localizado em Alfragide, o Alfrapark, da autoria do arquitecto Frederico Valsassina, totaliza mais de 22.000m2 de espaço de escritório e cerca de 1.500 lugares de estacionamento. Os clientes têm à sua disposição restaurante, café, salas de congresso e reuniões, heliporto e grandes áreas verdes a envolver os edifícios. Em 2022, o Alfrapark deu início aos trabalhos de conclusão das infraestruturas do empreendimento, cuja conclusão beneficia os seus clientes e utilizadores: mais áreas verdes, áreas de circulação e zonas de estacionamento. Quando estiver concluído, terá mais de 35.000m2 de espaço de escritório. O empreendimento ganhou um novo inquilino: a SKF, multinacional sueca, especialista no fabrico de rolamentos, ocupa agora uma fracção no edifício F do espaço, numa operação liderada pela Cushman & Wakefield (C&W) C&W, em representação do proprietário

    Sobre esta operação, comenta: “A SKF procurava um espaço moderno e próximo das suas actuais instalações pelo que encontrou no Alfrapark, a localização, o ambiente empresarial e um espaço com qualidade, características que valorizam”, refere Afonso Almeida Fernandes, Consultor Sénior da Cushman & Wakefield

    “É com grande entusiasmo que damos as boas-vindas à SKF ao Alfrapark. Estamos honrados em tê-los como parte de nossa comunidade de negócios e confiamos que sua presença agregará imenso valor ao nosso ambiente corporativo. Acreditamos firmemente que a chegada da SKF trará novas oportunidades de colaboração, inovação e crescimento para todos os envolvidos. Sua reputação de excelência e compromisso com a qualidade certamente fortalecerá ainda mais o nosso ecossistema empresarial.”, sublinha por sua vez Pedro Galvão Pisco, administrador da Alfraparque, proprietária do empreendimento.

    Fundada em 1907, a SKF está actualmente presente em cerca de 130 países e conta com mais de 40.000 colaboradores e 17.000 distribuidores em todo o mundo. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez, Volkwagen Financial Services, entre outros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga

    Nova unidade hoteleira do Grupo Névoa, representa um investimento de 12 milhões de euros e abrirá no segundo semestre de 2024. O hotel, localizado em Braga, integrará a rede Holiday Inn e terá 111 quartos, salas de conferência, centro fitness e restaurante

    A Imobiliária Névoa, que integra o grupo com o mesmo nome, investiu cerca de 12 milhões de euros na construção de uma unidade hoteleira em Braga. O edifício de cinco pisos está em fase final de construção, devendo abrir as portas no segundo semestre de 2024. O hotel será explorado pela rede Holiday Inn e contempla 111 quartos, salas de conferências, um centro fitness e restaurante.

    “O investimento na construção de uma nova unidade hoteleira em Braga representa um marco significativo para o Grupo Névoa. Este projecto não só reafirma o nosso compromisso contínuo com a inovação e qualidade em todos os nossos empreendimentos, como também reforça a expansão do Grupo para outros pontos do país e fomenta vários benefícios económicos para a região, através da criação de emprego e posterior valorização turística e cultural em Braga”, refere Luís Sousa Ribeiro, director-geral da Imobiliária Névoa.

    A nova unidade está localizada perto do Hospital de Braga e da Universidade do Minho.

    Para além das áreas imobiliária e construção, a actuação do grupo Névoa estende-se também à distribuição automóvel e centros comerciais.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’

    “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor, o Grupo Ferreira Holding

    CONSTRUIR

    O  ‘The Yard’ é o novo empreendimento da Grupo Ferreira Holding (GFH). Localizado na zona dos Jardins da Arrábida, em Vila Nova de Gaia, o projecto de arquitectura tem assinatura do ODDA e curadoria do designer de interiores Rui Maciel.

    Uma das “principais bandeiras” do empreendimento é a sua aposta na sustentabilidade,  assumida desde a “concepção do projecto, na construção e sobretudo pensada para o futuro”. Esta mais-valia deve-se, em “grande parte” ao processo construtivo utilizado. “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor.

    Este empreendimento oferece apartamentos de maiores dimensões, concebidos especialmente para famílias, sem deixar de lado as tipologias mais pequenas destinadas ao público mais jovem. Conta com um total de 92 unidades, com uma área média de 144m2, variando de T0 a T4, incluindo exclusivos duplex no último andar.

    Todos os espaços comuns, incluindo o ginásio, a área de co-working estão inseridos num lounge para os condóminos, que também dispõe de uma sala para crianças, uma sala de reuniões e uma sala de jantar gourmet.

    Viver em Vila Nova de Gaia está “estreitamente ligado à proximidade do mar e da natureza”, sendo esta a mensagem que o ‘The Yard’ pretende passar e que apesar de tudo esta a “um passo do Porto”, tornando o aspecto da acessibilidade um dos mais valorizados pelos clientes. Para integrar ainda mais a natureza, todo o design exterior foi planeado para que o edifício respire verde, com jardins verticais de plantas naturais preservadas na fachada.

    Rui Maciel, arquitecto e designer de interiores, com cerca de 20 anos de experiência, é o responsável pela curadoria da decoração de interiores, que se destaca pelos ambientes “requintados e luxuosos”. Segundo o designer “a ideia é que as pessoas sintam que estão a entrar num lobby de um hotel e não num típico hall de entrada de um prédio”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa

    “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o ministro da Coesão

    CONSTRUIR

    O ministro da Coesão admite que o Metropolitano de Lisboa está a trabalhar no reajustamento do programa das obras da Linha Circular, atendendo a que os trabalhos estão atrasados “e não se vai recuperar o atraso” a tempo de assegurar que a intervenção tenha financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

    Em entrevista ao Jornal de Notícias e à radio TSF, Castro Almeida admite que trabalhos como os do Metro “são obras que estão atrasadas, e é o tipo de obras onde não é fácil acelerar o ritmo”. “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o governante, admitindo que “apesar disso, a Metropolitano de Lisboa está a ajustar o programa para que nós possamos fazer uma pequena reformulação no PRR de forma a não perder dinheiro”.

    Na entrevista, Castro Almeida salienta que “há essa preocupação de não perder dinheiro, e se não fizermos quatro estações, vamos fazer duas estações. Desde que estejam a operar, serão financiadas pelo PRR. Não queremos fazer grandes reformulações no PRR. Tenho a ideia que o Governo anterior desenhou PRR, e a este Governo compete-lhe executar. Não vamos estar sempre a pensar no que está pensado e a dar passos atrás e à frente. O País não ganha nada com isso. Mas há pequenos ajustamentos que vamos ter que fazer para não perder dinheiro. E estas obras de que lhe falo, estas alterações no programa do Metropolitano de Lisboa, são desses casos. Eu não estou com isto a dizer que as obras vão deixar de ser feitas. A natureza ou a origem do financiamento é podem ter de alteradas”.

    As alterações podem, no entanto, representar encargos para os cofres públicos, ora porque os trabalhos em falta serão pagos pelo Banco Europeu de Investimento ou com recurso ao Orçamento de Estado.n

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes

    ­Através da sua empresa Dstsolar, o grupo  de Braga irá construir cinco novas centrais fotovoltaicas flutuantes para a Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, num valor de investimento de quatro milhões de euros 

    CONSTRUIR

    A Dstsolar, empresa do Dstgroup especializada na área da energia solar, acaba de vencer o concurso público lançado pela Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, EDIA , para a construção de cinco centrais fotovoltaicas nas albufeiras do Reservatório de Ferreira, Reservatório 4 Monte Novo, Barragem do Penedrão, Barragem de Pias e Barragem das Almeidas, num valor de negócio de cerca de 4 milhões de euros. Uma empreitada  flutuante, similar à que já realizada para a EDIA, em 2020, no Reservatório de Cuba Este.

    Estima-se que estas cinco centrais fotovoltaicas venham a alcançar uma produção anual de 7.9 gigawatts-hora, evitando a emissão de 1455 toneladas por ano de dióxido de carbono para a atmosfera.

    A obra deste investimento verde, com forte racional económico, ficará concluída em 11 meses e contará com 7864 módulos fotovoltaicos, 1 455 052 kg/ano de emissões de CO2 evitadas, 4 521,8 kWp de potência instalada e 7 907 892 kWh/ano de energia produzida.

    De acordo com Raúl Cunha, director geral da Dstsolar “este novo projecto de solar fotovoltaico flutuante reforça o papel da Dstsolar como uma empresa de referência na energia solar em Portugal, atestando a qualidade e o rigor do nosso trabalho”.

    Esta operação vai contribuir para a redução da incidência da luz nos reservatórios, limitando o crescimento de algas e contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuição dos custos com a limpeza de filtros. De salientar ainda que a cobertura dos reservatórios vai reduzir a evaporação, com impacto na redução dos custos operacionais da distribuição de água.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE

    A Agenda ILLIANCE integra 29 entidades, lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. A Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais

    CONSTRUIR

    A Bandora, empresa portuguesa especialista em tecnologia de eficiência energética para edifícios inteligentes, foi convidada pela Bosch Termotecnologia, para integrar a Agenda Mobilizadora “ILLIANCE”, financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência.

    “Estamos entusiasmados com a oportunidade de explorar novas fronteiras tecnológicas no mercado de casas inteligentes”, revela a CEO da Bandora, Márcia Pereira. “Acreditamos que a Agenda ILLIANCE é um passo importante para alcançar a neutralidade carbónica no sector dos edifícios. Para uma startup portuguesa, este compromisso representa uma oportunidade única de liderança e inovação para contribuir para um futuro mais sustentável. Esta iniciativa só reforça o nosso compromisso nesse sentido. Estamos confiantes de que, ao adoptar medidas concretas para reduzir as emissões de carbono, não só estaremos a ajudar o planeta, mas também a fortalecer a nossa posição no mercado e a aprofundar o nosso impacto positivo na sociedade”, acrescenta a responsável.

    No âmbito do projecto ILLIANCE a Bandora desenvolverá uma plataforma digital para gerir a operação energética de edifícios residenciais, tanto individualmente quanto em Comunidades de Energia, integrando sistemas IoT (Internet das Coisas) e aplicando machine learning para a automação e optimização do consumo. A inteligência artificial será utilizada para responder às necessidades dos utilizadores de forma eficiente e sustentável.

    A Agenda ILLIANCE é composta por um consórcio de 29 entidades lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para promover a inovação e a competitividade com a visão de criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. Como parte da Agenda ILLIANCE, a Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais. Esta integração permitirá à startup portuguesa expandir a sua equipa de engenharia e explorar o crescente mercado de casas inteligentes, respondendo aos desafios actuais e futuros do sector da energia aplicada aos edifícios.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados

    Estudo “Custo de Vida” da Mercer aponta inflação, tendências económicas incertas, factores geopolíticos, guerras/crises locais e custos com habitação como os principais factores com impacto na decisão de seguir uma carreira internacional

    CONSTRUIR

    Lisboa é a 100.ª cidade mais cara do mundo para expatriados, de acordo com a edição de 2024 do ranking “Custo de Vida”, divulgado pela consultora Mercer. A subida de 17 posições no ranking global em 2024 por comparação com o ano anterior revela um agravamento do custo de vida para quem decide vir trabalhar para a capital portuguesa. Atendendo apenas ao panorama europeu, Lisboa ocupa a 39.ª posição.

    O ranking “Custo de Vida” da Mercer, empresa do grupo Marsh McLennan, classifica o custo de vida de 226 cidades do mundo para expatriados a partir da análise do custo comparativo de mais de 200 itens em cada local, incluídos nas categorias de transporte, alimentação, vestuário, produtos domésticos e entretenimento. Este estudo pretende apoiar as empresas multinacionais na definição de políticas de compensação para colaboradores expatriados.

    Hong Kong segura uma vez mais a primeira posição do ranking, seguindo-se Singapura. Zurique, Genebra e Basileia são três das cinco cidades mais caras a nível mundial, podendo o elevado custo de vida da Suíça estar correlacionado com a sua qualidade de vida superior.

    O aumento do custo com habitação verificado em diversas cidades tornou a mobilidade num desafio para as organizações. A inflação é outro factor que está a diminuir o poder de compra e a exercer pressão sobre as políticas de compensação. Esta conjuntura deverá dificultar a atracção e retenção de talentos-chave, podendo aumentar os custos com benefícios/remunerações, assim como os custos operacionais e criando limitações à mobilidade dos colaboradores.

    “Os desafios do custo de vida têm um impacto significativo ao nível da mobilidade nas empresas multinacionais e nos seus colaboradores”, afirma Tiago Borges, Career Business Leader da Mercer Portugal. “É importante que as organizações se mantenham atentas às tendências e que tenham em conta o feedback dos colaboradores, de forma que possam gerir eficazmente o impacto destas questões”.

    “A subida do custo de vida leva a que os colaboradores repensem rotinas e reduzam despesas, podendo mesmo obrigar a um esforço adicional para que consigam satisfazer as suas necessidades básicas”, acrescenta. “Perante estes desafios, as empresas podem repensar a compensação associada à mobilidade, podendo, por exemplo incluir ou reforçar apoios à habitação prestar serviços de apoio ou explorar estratégias alternativas de atracção e retenção de talento”.

    No contexto europeu, além das quatro cidades suíças que surgem nas primeiras posições do ranking – Zurique (3.ª posição), Genebra (4.ª posição), Basileia (5.ª posição) e Berna (6.ª posição) –, as cidades mais caras são Londres (8.ª posição), Copenhaga (11.ª posição), Viena (24.ª posição), Paris (29.ª posição) e Amesterdão (30.ª posição).

    Por outro lado, Minsk, capital bielorussa, é a cidade europeia mais barata, ocupando a 212.ª posição. Outras cidades de baixo custo na Europa incluem Sarajevo (203.ª posição), Escópia (198.ª posição), Cracóvia (175.ª posição) e Breslávia (169.ª posição).

    Apesar de a economia europeia ter abrandado, há já sinais positivos de crescimento na maioria dos Estados-Membros da União Europeia. No Sul da Europa, verifica-se uma expansão económica mais acelerada, prevendo-se que a taxa de inflação anual diminua, o que indica uma maior estabilidade de preços.

    No panorama mundial, as duas cidades com um custo de vida mais elevado situam-se na Ásia, Hong Kong (1º posição no ranking) e Singapura (2º lugar), o que se deve sobretudo ao elevado preço das habitações. Estes importantes centros económicos atraem também um elevado número de colaboradores expatriados, o que também contribui para o aumento do custo dos bens.

    Todas as cidades norte-americanas estão classificadas nas 100 primeiras posições, com sete cidades entre as 20 primeiras. No extremo inferior estão as cidades do Canadá, sendo que a economia canadiana tem demonstrado uma forte resiliência e está a superar as expectativas. Toronto é a cidade canadiana mais cara (92.ª posição), seguida de Vancouver (101.ª posição). Por sua vez, o custo de vida nas cidades mexicanas registou um aumento significativo por comparação com o ano anterior, com a capital a ocupar a 33.ª e Monterrey a 115.ª posição, uma subida de 46 e 40 lugares, respetivamente.

    Na América do Sul, a capital do Uruguai, Montevidéu, é a cidade mais cara para colaboradores expatriados (42.ª posição). Devido às flutuações das taxas de câmbio e ao preço das habitações, v árias cidades sul-americanas registaram um movimento significativo por comparação com o ano anterior – Santiago, no Chile, caiu 73 lugares para a 160.ª posição do ranking, enquanto Bogotá, na Colômbia, subiu 40 lugares para a 174.ª posição.

    Já na região do Pacífico, a inflação deverá continuar a pressionar o poder de compra dos habitantes. Sydney (58.ª posição), na Austrália, é a cidade mais cara da região, ultrapassando Noumea, na Nova Caledónia, que ocupa a 60.ª posição, tendo subido 10 lugares.

    As cidades africanas mais caras são Bangui (14.ª posição), na República Centro-Africana, Djibuti, capital do país com o mesmo nome, (18.ª posição) e Djamena (21.ª posição), no Chade. Lagos (225.ª posição), na Nigéria, desceu 178 lugares desde o ano passado, sendo esta a maior alteração por comparação com o ano anterior. Esta mudança deve-se sobretudo às flutuações cambiais, incluindo as repetidas desvalorizações da naira.

    Na 15.ª posição, o Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, é a cidade mais cara do Médio Oriente, enquanto Bombaim passou a ocupar a 136.ª posição e a ser a cidade mais cara da Índia.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    DCIM100MEDIADJI_0492.JPG

    Engenharia

    Maior projecto de ‘hibridização’ do país com luz verde para avançar

    O governo português deu luz verde ao projecto de construção do parque eólico do 274 MW da Iberdrola, integrado no Sistema Electroprodutor do Tâmega. A infraestrutura vai aproveitar o ponto de injecção na rede eléctrica já construído no complexo para aumentar a produção de energia limpa. As obras deverão arrancar no início de 2025

    CONSTRUIR

    O novo parque eólico terá uma potência de 274 MW, o equivalente ao consumo de 128 mil habitações, e será construído nos distritos de Braga e Vila Real. Concebido para aproveitar o ponto de injecção na rede eléctrica já construído no Sistema Electroprodutor do Tâmega (SET), este é o maior projecto de hibridização do país, sendo o primeiro a combinar energia eólica e hídrica.

    A empresa obteve o segundo e último parecer ambiental favorável para o projecto dos parques Eólicos Tâmega Norte e Tâmega Sul. Trata-se da denominada DCAPE (Decisão de Conformidade Ambiental do Projecto de Execução). Este passo implica a aprovação pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) ao projecto de construção, cumprindo todas as condições e medidas incluídas na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) favorável, recebida em Março de 2023 pela Iberdrola.

    Desta forma, a energética continua com o processo de instalação, sendo que o próximo passo consiste na solicitação da licença de produção à Direcção-Geral de Energia e Geologia de Portugal (DGEG). O objectivo da Iberdrola é obter todas as autorizações e começar as obras no início de 2025.

    A incorporação de energia eólica no Sistema Electroprodutor do Tâmega aumenta a sua contribuição de energia limpa, acessível e competitiva para o sistema eléctrico, garantindo o fornecimento da quantidade máxima de energia verde autorizada, originalmente, para cada projecto, durante o maior tempo possível.

    Ao contar com duas tecnologias que funcionam em alternância, reduz-se significativamente a dependência da variação das condições ambientais e das limitações pela possível falta de recursos como o vento, facilitando uma produção renovável mais estável e permitindo optimizar a infraestrutura eléctrica de transporte.

    As centrais de geração híbrida utilizam o mesmo ponto de conexão à rede e partilham infraestruturas, como a subestação que, neste caso, requererá a construção de uma ampliação, já prevista no projecto inicial, e a linha de evacuação da electricidade produzida.

    Além disso, localizam-se em terrenos já destinados à geração renovável e contam com caminhos e instalações comuns para a operação de ambas as tecnologias. Tudo isso resulta num impacto ambiental consideravelmente menor quando comparado com o impacto que teriam duas centrais independentes.

    O Sistema Electroprodutor do Tâmega é um dos maiores projectos hidroeléctricos da Europa nos últimos 25 anos. Com um investimento total de mais de 1.500 milhões de euros, é composto por três centrais: a Central Hidroeléctrica do Alto Tâmega, com uma capacidade instalada de 160 MW, a Central de Armazenamento por Bombagem de Gouvães (880 MW) e a Central de Daivões (118 MW), estas duas últimas em funcionamento desde 2022.

    As três centrais somam uma capacidade instalada de 1.158 MW, que representa um aumento de 6% da potência elétrica total instalada no país. Assim, o complexo tem a capacidade de produzir até 1.766 GWh por ano, suficiente para satisfazer as necessidades energéticas dos municípios vizinhos, bem como das cidades de Braga e Guimarães (440 mil habitações). Adicionalmente, esta infraestrutura renovável tem uma capacidade de armazenamento de 40 milhões de kWh, equivalente à energia consumida por 11 milhões de pessoas durante 24 horas nos seus lares.

    O SET permite eliminar a emissão de 1.2 milhões de toneladas de CO2 anuais e diversificar as fontes de produção, evitando a importação de mais de 160 mil toneladas de petróleo por ano. O impacto positivo para a região permite fomentar a actividade económica e o emprego através da criação de até 3.500 postos de trabalho directos e 10.000 indirectos ao longo da sua construção, 20% dos quais provenientes dos municípios vizinhos através de mais de 100 fornecedores, 75 deles portugueses.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.