Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    O maior concurso “de sempre” da CP avaliado em 819M€

    O “maior concurso de sempre da história da CP” irá ser lançado já em Dezembro e compreende a aquisição de 117 novas automotoras eléctricas pela CP

    CONSTRUIR
    Empresas

    O maior concurso “de sempre” da CP avaliado em 819M€

    O “maior concurso de sempre da história da CP” irá ser lançado já em Dezembro e compreende a aquisição de 117 novas automotoras eléctricas pela CP

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    SRU Lisboa Ocidental assina protocolo de colaboração com OE
    Engenharia
    Finsolutia reforça capital em 25M€ para “acelerar expansão internacional” da sua plataforma
    Imobiliário
    Miele encerra 2023 com uma facturação de 21 M€
    Empresas
    APPII recorda “legado e inspiração” de André Jordan
    Imobiliário
    André Jordan (1933-2024): O adeus a um nome ímpar no turismo e hotelaria
    Imobiliário
    WellBe recebe nova sede da CGD
    Imobiliário
    Grupo Hipoges fecha 2023 com mais de 1.3 MM€ de vendas em activos imobiliários
    Imobiliário
    Boavista Windows fecha ronda de investimento de 1,5 M€
    Empresas
    Transfor Interiores realizou fit-out do novo escritório na LeYa no Porto.
    Empresas
    AIP leva empresa portuguesas à 9ª edição da SENCON da Dakar
    Empresas

    O “maior concurso de sempre da história da CP” irá ser lançado já em Dezembro e compreende a aquisição de 117 novas automotoras eléctricas pela CP, no valor de 819 milhões de euros. O anúncio foi feito pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, à margem da cerimónia de assinatura do contrato entre a Medway, a Stadler e a Tratavagonka para a aquisição de 16 locomotivas e 113 vagões.

    Segundo o ministro, o Governo já tem autorização da resolução do Conselho de Ministros e tem estado a trabalhar no caderno de encargos, o que abre caminho para o lançamento do concurso nas próximas semanas. O primeiro comboio deve chegar em 2026 e a totalidade das composições devem estar em circulação até 2029.

    O objectivo do Governo é o de garantir que os 117 comboios “são para ser feitos por uma empresa que esteja disponível para construir parte, ou a totalidade do comboio em Portugal”.

    “Portugal é uma economia com grande futuro, um país com quase 900 anos de História que tem obrigação de se dar ao respeito e de querer mais sobre o seu próprio desenvolvimento, disse, acrescentando que «não há nada que um comboio tenha que não possa já hoje ser feito em Portugal”, sublinhou Pedro Nuno Santos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    SRU Lisboa Ocidental assina protocolo de colaboração com OE
    Engenharia
    Finsolutia reforça capital em 25M€ para “acelerar expansão internacional” da sua plataforma
    Imobiliário
    Miele encerra 2023 com uma facturação de 21 M€
    Empresas
    APPII recorda “legado e inspiração” de André Jordan
    Imobiliário
    André Jordan (1933-2024): O adeus a um nome ímpar no turismo e hotelaria
    Imobiliário
    WellBe recebe nova sede da CGD
    Imobiliário
    Grupo Hipoges fecha 2023 com mais de 1.3 MM€ de vendas em activos imobiliários
    Imobiliário
    Boavista Windows fecha ronda de investimento de 1,5 M€
    Empresas
    Transfor Interiores realizou fit-out do novo escritório na LeYa no Porto.
    Empresas
    AIP leva empresa portuguesas à 9ª edição da SENCON da Dakar
    Empresas
    PUB
    Empresas

    Miele encerra 2023 com uma facturação de 21 M€

    A área de venda a retalho em electrodomésticos fechou 2023 com um crescimento de 6% em relação a 2022, uma evolução que se tem mantido constante nos últimos cinco anos. Também o canal Kitchen Retail cresceu 9% no mesmo período

    CONSTRUIR
    tagsmiele

    A marca de fabrico e comercialização de electrodomésticos de luxo, facturou 21 milhões de euros em 2023, no total das diferentes áreas de negócio, em Portugal. Este crescimento é representado principalmente pelas áreas de electrodomésticos e profissional, nesta última com especial destaque para os equipamentos de lavandaria.

    A área de venda a retalho em electrodomésticos da Miele fechou 2023 com um crescimento de 6% em relação a 2022, uma evolução que se tem mantido constante nos últimos cinco anos. Também fruto do trabalho da empresa alemã em Portugal, o canal Kitchen Retail cresceu 9% no mesmo período, tornando a Miele na marca referência no canal da especialidade.

    A nível estratégico, a confiança mantém-se no desenvolvimento dos canais de retalho e na consolidação do posicionamento da Miele no mercado premium de electrodomésticos.

    “A conjuntura actual da Miele é o resultado do constante esforço em oferecer produtos de qualidade, durabilidade e de alto desempenho, bem como uma experiência de excelência a todos os nossos consumidores. Estes atributos fazem parte do nosso ADN e é graças a eles e à dedicação de todos os nossos colaboradores que a Miele é um caso de sucesso”, sublinha Antonio Salgado, director-geral da Miele em Espanha e Portugal.

    Também em 2023, seguindo a estratégia de Own Retail, que visa estar mais próxima enquanto marca através das lojas próprias, a Miele inaugurou o seu segundo Miele Experience Center (MEC), desta vez no Porto.

    Atento aos novos paradigmas e desafios apresentados pelo cenário económico, o Grupo, a partir da sua sede na Alemanha, lançou o Miele Performance Program, que pretende “garantir e reforçar” a competitividade a longo prazo, por exemplo, maximizando o potencial empresarial, reduzindo a complexidade e, em geral, os custos. O programa garante um crescimento sustentável no futuro, contribuindo com 500 milhões de euros, especialmente através da poupança em custos de materiais e da melhoria do volume de negócios.  

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Boavista Windows fecha ronda de investimento de 1,5 M€

    A ronda de investimento, liderada pela Insight Venture, tendo sido co-investidor o Banco Português de Fomento, tem como objectivo duplicar a área de produção e reforçar presença no mercado europeu

    CONSTRUIR

    BOAVISTA Windows fecha ronda de investimento de 1,5 milhões de euros para duplicar área de produção e reforçar presença no mercado Europeu

     

    A Boavista Windows, empresa portuguesa especializada em janelas em fibra de vidro, levantou um investimento de 1,5 milhões de euros para “escalar a produção e consolidar a vertente exportadora do negócio”.

    Para Francisco Pereira Branco, CEO da Boavista, “este investimento vai permitir acelerar o nosso crescimento e aumentar a presença em mercados que consideramos estratégicos para o nosso crescimento internacional. É essencial diminuirmos a pegada de carbono dos edifícios durante todas as suas fases de vida. E torna-se fundamental conciliar a performance ambiental dos sistemas com um design que vá de encontro às solicitações dos projectos, cada vez mais focados na sustentabilidade dos edifícios”.

    A ronda de investimento foi liderada pela Insight Venture, tendo sido co-investidor o Banco Português de Fomento. Para Mónica Mendonça, CEO da Insight Venture, “a Boavista é uma empresa que nos atraiu desde a primeira apresentação. Desenvolvem produtos com reduzida pegada ecológica, promovendo a diminuição das emissões de carbono dos edifícios, uma das maiores fontes de CO2 para a atmosfera”.

    Quanto ao futuro, acrescenta que “para completar esta ronda de investimento a Boavista atingiu vários milestones de performance e tem já tem vendas em quatro mercados para além do mercado nacional, o que acreditamos que é possível consolidar e aumentar”.

    Com a aposta na duplicação da área de produção e no crescimento da equipa técnico-comercial, o investimento permitirá escalar as vendas da Infinnito, a primeira janela minimalista totalmente fabricada em fibra de vidro, que alia a componente ambiental à durabilidade e funcionalidade e a um design vanguardista.

    A estratégia passa por aumentar significativamente a presença em Portugal, mas também nos mercados-alvo na europa que, segundo o CEO da Boavista, são “os países com grandes zonas costeiras e os mercados do Norte da Europa onde, além das exigências térmicas elevadas, a pegada ecológica dos produtos mais influencia as decisões dos promotores e projetistas”.

    Os objectivos da empresa passam por, até 2027, ultrapassar os 50 mil metros quadrados (m2) de janelas instaladas, com uma redução superior a cinco mil toneladas de CO2 emitidos para a atmosfera.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Transfor Interiores realizou fit-out do novo escritório na LeYa no Porto.

    A LeYa seleccionou a Transfor Interiores para realizar o fit-out da sua nova sede no norte do país

    CONSTRUIR

    Localizado nas Lake Towers, foi um desafio exigente em termos especialidade e soluções que aliassem o conforto e a funcionalidade, dentro do curto prazo de execução e rigor financeiro A equipa de Design&Build da Transfor Interiores desenhou e concebeu o espaço, priorizando as cores neutras, as madeiras e os tecidos, para criar e gerar o máximo de conforto e funcionalidade nos postos de trabalho em openspace, gabinetes, salas de reunião, zona de recepção, lounge e cafetaria.

    Um novo escritório que reflecte a identidade e valores da marca LeYa em cada detalhe.

    Para Ana Rita Bessa, CEO da LeYa, “Graças ao profissionalismo da Transfor, a nova sede da LeYa no norte do país é um espaço de conforto e funcionalidade. Desde o desenho do espaço, à escolha dos materiais e equipamentos, à muito relevante entrega atempada da obra, a LeYa encontrou na Transfor mais do que um fornecedor: um verdadeiro parceiro, conhecedor do seu métier e capaz de responder às necessidades da LeYa com as melhores soluções disponíveis. Os colaboradores da LeYa têm num espaço que reconhecem seu e do qual se orgulham da mesma forma que a Transfor se deve orgulhar de um trabalho bem feito!”

    A Transfor Interiores integra o grupo empresarial português que opera no sector da engenharia e construção e que alberga hoje várias áreas de negócio: Transfor Indústria (Carpintaria e Serralharia), a Transfor Interiores (Remodelação e Fit-out), e a por último a Transfor Sustentabilidade (Soluções Energéticas). Entre 2016 e 2022 o volume de negócios acumulado superou os 328 milhões de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    AIP leva empresa portuguesas à 9ª edição da SENCON da Dakar

    Nesta nova edição do evento, Portugal estará representado com um pavilhão, onde será dado palco a sete empresas portuguesas de pequena e média dimensão que em conjunto apresentam um volume de negócios de mais de 245 M€

    CONSTRUIR

    A Associação Industrial Portuguesa (AIP) vai marcar presença, pelo segundo ano consecutivo, na Feira Internacional de Materiais de Construção e Equipamentos (SENCON), no Dakar, Senegal, que acontece de 8 a 10 de Fevereiro, no Centre des Expositions Diamniadio.

    Nesta nova edição do evento, Portugal estará representado com um pavilhão, organizado e dinamizado pela AIP, onde será dado palco a sete empresas portuguesas de pequena e média dimensão que em conjunto apresentam um volume de negócios de mais de 245 milhões de euros.

    A delegação portuguesa liderada pela AIP é composta por empresas que actuam em diferentes áreas, desde os equipamentos e infraestruturas, aos revestimentos, tintas, iluminação e até ao mobiliário.

    Além da presença numa feira com mais de duas centenas de expositores de 14 países em 4.800 metros quadrados, as empresas portuguesas têm agendadas mais de 40 reuniões com as empresários locais.

    “A SENCON, pela exposição que oferece, mas também pelo potencial de networking que proporciona, assume cada vez maior relevância no papel da AIP enquanto agente dinamizador do tecido empresarial português”, refere Filomena Pina Pires, directora da AIP para a Internacionalização, Empreendedorismo e Cooperação Empresarial. “Marcarmos presença neste evento pelo segundo ano consecutivo é a possibilidade para reafirmarmos a presença das empresas do setor, tanto no Senegal como nos restantes mercados da África Ocidental”.

    A AIP, a mais antiga e representativa associação empresarial de Portugal, tem como missão a defesa dos interesses das empresas portuguesas, a dinamização do tecido empresarial português, contribuir para o fortalecimento do associativismo empresarial e fornecer serviços de qualidade a empresas e associados para que estas possam crescer de forma mais sustentável, ajudando a impulsionar a economia nacional.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Sonae Arauco reitera compromisso com fileira florestal

    Um dos projectos de I&D florestal está a testar a sobrevivência e o crescimento famílias de pinheiro-radiata e pinheiro-bravo, de forma contribuir para uma maior disponibilidade de matéria-prima com a previsão de uma procura cada vez maior do mercado por soluções sustentáveis, como a madeira

    CONSTRUIR

    A Sonae Arauco organizou esta quarta-feira, dia 7 de Fevereiro, no Hotel Vila Galé Coimbra, que reuniu cerca de 70 profissionais entre produtores florestais, prestadores de serviços, grupos de certificação e fornecedores de madeira. O objectivo foi “reflectir sobre a sustentabilidade da fileira do pinheiro-bravo e sobre o modelo de relacionamento com os seus parceiros”.

    Enquanto empresa que trabalha com soluções derivadas de madeira, tem vindo a dinamizar uma estratégia que visa aumentar a rentabilidade da floresta e promover a sustentabilidade da fileira do pinheiro-bravo. Para tal, tem trabalhado de forma directa e através de parcerias em áreas diversas, como a geração e transferência de conhecimento e a gestão florestal.

    “A fileira do pinho é a fileira florestal que cria mais valor para o País e abrange uma enorme diversidade de mercados, produtos e agentes, que juntos formam uma cadeia de valor extensa e com elevadas relações de interdependência, através de transacções comerciais de produtos e subprodutos, num claro exemplo de economia circular”, explicou Nuno Calado, Responsável de Sustentabilidade Sonae Arauco.

    A equipa de gestão florestal da Sonae Arauco tem levado a cabo diversas iniciativas inovadoras para as florestas, no sentido de assegurar a sustentabilidade deste activo. Um dos projectos de I&D florestal está a testar a sobrevivência e o crescimento de várias famílias de programas de melhoramento genético de pinheiro-radiata e pinheiro-bravo, em diferentes tipos de solo e de localização, e que tem demonstrado excelentes resultados em Portugal, podendo, assim, contribuir para alinhar a disponibilidade de matéria-prima com a previsão de uma procura cada vez maior do mercado por soluções sustentáveis, como a madeira.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    sublinha José Pedro Barbosa, administrador da PPG Dyrup Ibéria

    Empresas

    “Não somos uma equipa numerosa mas temos uma forte componente de visão de mercado”

    Portugal é o primeiro mercado europeu, onde o grupo está presente, a testar o “revolucionário sistema universal de afinação de cores”. “Spectron” é o nome do novo sistema tintométrico o qual utiliza já os novos corantes da PPG. A tecnologia Spectron vai entrar em todo o nosso core business, trazendo valor acrescentado aos nossos produtos”, afirma José Pedro Barbosa, administrador da PPG Dyrup

    A PPG Dyrup promete revolucionar o seu sistema tintométrico e o processo já arrancou em Portugal. São vários os benefícios introduzidos, elevada precisão e garantia de qualidade dos produtos, maior e melhor oferta de cores (+41% de cores disponíveis) e o seu software permite uma rápida reprodução de qualquer cor. O “Spectron” permite ainda a utilização dos novos corantes PPG que se distinguem pela “elevada performance” em termos de opacidade, durabilidade e resistência, para além de estarem disponíveis em embalagens “bolsa” mais sustentáveis, que usam menos 20% de plástico incorporado. “O lançamento em Portugal do novo sistema de afinação de cores ‘Spectron’ é um marco significativo na procura contínua pela excelência e inovação”, sublinha José Pedro Barbosa, administrador da PPG Dyrup

    Portugal foi pioneiro no lançamento do ‘Spectron’. Porquê?
    Não somos uma equipa tão numerosa como a que os mercados de França ou Itália têm, mas temos uma forte componente de visão de mercado e para a PPG era também fundamental fazer este lançamento num local onde houvesse uma maior concentração geográfica para conseguir realizar o mais rapidamente possível este lançamento, de forma que outros mercados possam recolher os dividendos desta implementação. Temos previsto até ao final do ano, no máximo primeiro trimestre de 2025, terminar a implementação do sistema em todo o território, o que não seria possível em mercados de maior dimensão fazê-lo num tão curto espaço de tempo.

    Quando é que o processo iniciou e qual será o valor do investimento?
    Estamos com este processo há um ano e tínhamos previsto, e conseguimos, fazer o lançamento agora durante a convenção. O investimento em Portugal só em máquinas tintométricas que serão colocadas nos clientes, substituindo o anterior equipamento, ronda os dois milhões de euros. Depois temos todos os outros custos inerentes, especialmente em I&D e no próprio desenvolvimento dos corantes que são de facto muito superiores e que é o resultado da aquisição, pela PPG, há cerca de dois anos, de uma empresa do norte da Europa que desenvolve esta tecnologia.

    O processo irá continuar em 2024?
    2024 é o ano de lançamento. A tecnologia Spectron vai entrar em todo o nosso core business, trazendo valor acrescentado aos nossos produtos.

    A certificação ao nível dos produtos ETICS é outra das apostas para 2024.
    Em mercados como a França e Itália somos líderes de mercado neste domínio. Temos fábricas próprias de massas, que não temos cá, e estamos num processo de aprendizagem, de recolher a experiência destes mercados e temos ido a Lyon e a Milão, onde estão localizados os centros de desenvolvimento ETICS, para recolher este conhecimento para adaptá-lo ao nosso mercado. Há aqui um processo de sinergias dentro da multinacional. O processo está a decorrer com o apoio do LNEC e contamos em breve ter novidades. A certificação dos produtos irá permitir a entrada em concursos públicos, por exemplo. Este não é o nosso target o nosso target é estar ao lado dos nossos agentes revendedores, ajudar a desenvolver o negócio e ir à obra com eles para proporcionar que eles sim efectuem negócio. Esta é a nossa postura estratégica.

    Prevêem novos investimentos na estrutura em Portugal?
    Para já temos todo este investimento com o lançamento da ‘Spectron’. Estamos sempre com melhorias na fábrica, ou seja, há continuamento investimentos que visam uma melhoria contínua, mas para este ano não prevemos mais investimentos em maquinaria que não seja esse. O próximo ano será um novo ano. Vamos focar-nos no que temos que fazer bem e logo virão outros investimentos

    Como correu 2023 para a PPG Dyrup em Portugal?
    Correu bem. Portugal obteve o melhor rating entre os países da Europa da Sul. Conseguimos ultrapassar os nossos objectivos em praticamente 10%. Foi um ano muito interessante, e recebemos os parabéns de todo o board do Sul da Europa relativamente aquilo que foi a performance em Portugal e em Espanha.

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    Empresas

    Vulcano promove curso técnico de modos de preparação de Águas Quentes Sanitárias

    Com uma duração de 6 horas, este curso proporcionará aos formandos várias aprendizagens acerca de conceitos de calor, energia e potência, conhecimento sobre os sistemas de produção de A.Q.S., sistemas instantâneos, sistemas de acumulação, bombas de calor A.Q.S, contribuição dos sistemas solares térmicos para a produção das A.Q.S., bem como a legislação aplicável

    CONSTRUIR

    O Instituto de Formação Vulcano (IFV), espaço de formação e certificação dos profissionais de hoje e do futuro nas áreas de água quente, energia solar térmica e climatização, divulga o seu curso técnico online de Modos de Preparação de Águas Quentes Sanitárias.

    A formação terá lugar nos dias 28 e 29 de fevereiro de 2024, em formato online, em horário pós-laboral. Destina-se a instaladores, técnicos-comercias recém-licenciados e projetistas que têm o objetivo de dar os primeiros passos na área ou aprofundar conhecimentos.

    Com uma duração de 6 horas, este curso proporcionará aos formandos várias aprendizagens acerca de conceitos de calor, energia e potência, conhecimento sobre os sistemas de produção de A.Q.S., sistemas instantâneos, sistemas de acumulação, bombas de calor A.Q.S, contribuição dos sistemas solares térmicos para a produção das A.Q.S., bem como a legislação aplicável.

    Os formandos ficarão capacitados para identificar e caracterizar os diferentes modos e preparação de A.Q.S., selecionar o sistema de produção A.Q.S. que melhor se adequa a cada instalação, através da estimativa de consumos e custos energéticos, e ainda a valorizar a integração dos sistemas solares térmicos na produção das A.Q.S.

    Atualmente, tendo em conta a crescente competitividade verificada no mercado laboral, é cada vez mais valorizada a qualificação de um profissional do setor, sobretudo vinda de um instituto de excelência.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Maior feira de decoração espanhola reúne 44 empresas nacionais em Madrid

    Feira Intergift que inicia amanhã, dia 7, decorre até 10 de Fevereiro e vai receber quase meia centena de empresas nacionais. Espanha é o segundo maior comprador mundial da Fileira Casa Portuguesa

    CONSTRUIR

    O cluster nacional do mobiliário e afins está a iniciar um périplo de promoção dos produtos “Made in Portugal”. Após arrancar a campanha internacional na Maison&Objet e antecipando a “Feria del Mueble” em Saragoça, que se realiza no próximo mês de Março, mais de quatro dezenas de empresas portuguesas estão em Madrid para a principal feira de decoração e brindes da Península Ibérica, a Intergift, numa participação que conta com o apoio da APIMA (Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins) na promoção e representação das marcas.

    Agendada para 7 a 10 de Fevereiro, a Intergift promete descortinar as mais recentes novidades para a temporada Primavera/Verão. Além do design inovador, a feira destaca-se como um ponto de encontro crucial para profissionais do mobiliário, decoração e brindes, reunindo promotores imobiliários, arquitectos, gestores hoteleiros, estudantes e representantes do canal HORECA – a última edição do evento bianual, coincidente com a Bisutex, Madridjoya e MOMAD, reuniu mais de 31 mil visitantes que puderam conhecer 1500 expositores de 21 países.

    O investimento das empresas nacionais é claro num momento em que Espanha se destaca no pódio dos maiores compradores das diversas indústrias deste ramo, que incluem o mobiliário, a colchoaria, os têxteis-lar, a cutelaria, a cerâmica, a iluminação e a tapeçaria. Entre Janeiro e Novembro de 2023, as marcas nacionais exportaram para este país produtos avaliados em mais de 500 milhões de euros e continuam a bater recordes a nível global.

    O presidente da APIMA, Joaquim Carneiro, sublinha a importância estratégica desta acção: “Quando falamos de Espanha, falamos do segundo maior mercado a nível mundial para as empresas da Fileira Casa Portuguesa. A relação das nossas indústrias com o país-vizinho é umbilical, seja a nível comercial ou institucional, e a destacada presença de 44 marcas nacionais demonstra exactamente o compromisso em investir neste mercado. Juntos, vamos continuar a traçar este caminho para consolidar a posição de Portugal como uma das grandes referências do design a nível global”.
    Com um histórico de 83 edições de sucesso, o certame é organizado pela IFEMA MADRID e apresenta-se como a maior feira de Espanha e Portugal para a promoção de novos produtos, designs, tendências e conceitos inovadores de marcas e retalho.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Revigrés e Archi Summit de regresso às faculdades para falar sobre Sustentabilidade

    A 2ª edição, com o tema ‘Re-Defining Spaces’, pretende que os futuros profissionais utilizem os revestimentos e pavimentos cerâmicos para “re-definir” um espaço de dimensão reduzida

    CONSTRUIR

    Após o sucesso da primeira edição, em que participaram mais de duas centenas de alunos, a Revigrés e o Archi Summit regressam com mais uma iniciativa ArchiRevi em 2024. As duas entidades voltam a marcar presença nas Faculdades das áreas de Arquitectura, Design e Engenharia Civil para falar sobre Sustentabilidade, em Masterclasses, e convidar os alunos a participar num concurso, desta vez, inspirados na filosofia do “minimal space design”.

    ‘Re-Defining Spaces’ pretende que os futuros profissionais do sector utilizem os revestimentos e pavimentos cerâmicos para “re-definir” um espaço de dimensão reduzida, com vista à sua optimização e indo ao encontro das boas práticas da construção sustentável.

    Para os inspirar, a segunda edição do ArchiRevi prevê ainda um workshop online do atelier Enorme Studio, em que os participantes vão aprender mais sobre a arquitectura e organização de espaços citadinos, com foco nos materiais cerâmicos e na sustentabilidade, com entrega de um Certificado de Formação.

    O período de submissão de projectos ao ArchiRevi Challenge decorre até 1 de Junho, podendo o regulamento ser consultado no site da Revigrés. Os 10 melhores trabalhos ganham prémios e serão expostos durante o Archi Summit 2024, onde será anunciado o primeiro lugar. O projecto vencedor será distinguido com um prémio monetário.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Efacec fornece mais de 100 carregadores elétricos para os EUA

    A solução de carga QC45 foi desenvolvida inteiramente pela Efacec e caracteriza-se pela sua capacidade de carregamento rápido de até 80% em menos de 30 minutos e pela sua elevada fiabilidade, incorporando uma saída CCS e uma saída CHAdeMO

    CONSTRUIR

    A Efacec fortalece a sua presença no mercado dos Estados Unidos da América (EUA) com a celebração de uma parceria com a eV Power Exchange Corp. (eV Power), cliente sediado em Salt Lake City, para o fornecimento e instalação de 132 carregadores eléctricos QC45 no Estado de Utah, na zona Oeste do território norte-americano.

    Com 20 carregadores já instalados e outros 50 planeados até ao final do segundo trimestre de 2024, em locais de elevado tráfego em Salt Lake City e arredores, a rede será uma das maiores do estado de Utah até final de ano. Cada posto inclui quatro carregadores QC45, permitindo assim o carregamento de quatro veículos em simultâneo, um destes destinado a condutores com mobilidade reduzida.

    A solução de carga QC45 foi desenvolvida inteiramente pela Efacec e caracteriza-se pela sua capacidade de carregamento rápido de até 80% em menos de 30 minutos e pela sua elevada fiabilidade, incorporando uma saída CCS e uma saída CHAdeMO.

    A parceria estabelecida inclui o licenciamento e personalização de um Charging Point Management System (CPMS), EVCore, concebido pela Efacec. O software permite ao condutor localizar, identificar e reservar carregadores disponíveis através de uma aplicação móvel (app) customizada para a eV Power.

    Uma das vantagens competitivas da solução entregue pela Efacec, face a outras disponíveis no mercado, é a possibilidade de a customizar de acordo com as necessidades e requisitos do cliente e, neste caso, à eV Power e ao mercado dos EUA. Ao integrar um terminal de pagamento com cartão de crédito, o condutor pode efetuar o pagamento sem necessitar de instalar a app e de se registar no sistema, agilizando o processo de carregamento.

    Para Michael Silva, chief commercial officer da Efacec, “O reforço da relação e da parceria com a eV Power, com a entrega de mais de uma centena de carregadores rápidos DC, assim como da plataforma EVCore (CPMS) e respectiva aplicação móvel e portal web, vem reforçar a forte aposta da Efacec no desenvolvimento e entrega de soluções de mobilidade sustentável. Comprova, ainda, que a competência técnica e o know-how das nossas pessoas são reconhecidos nos mercados internacionais mais exigentes e tecnicamente mais evoluídos, especialmente no que se refere ao desenvolvimento de produtos e soluções competitivas e customizáveis, de acordo com as necessidades dos clientes e dos mercados”.

    Após a instalação e colocação em funcionamento de todos os 132 carregadores, a eV Power estima que a sua rede de carregadores pode contribuir potencialmente para uma redução anual de mais de nove mil toneladas de emissões de CO2, com base numa taxa de utilização projectada de 15%.

    Este contrato comprova o “compromisso da Efacec com a sustentabilidade” e assinala “o início de uma parceria entre a empresa e a eV Power Exchange, que poderá conduzir a mais fornecimentos para este mercado e, eventualmente, para o Canadá”.

    Pioneira na mobilidade elétrica e na produção de carregadores rápidos e ultrarrápidos, a Efacec disponibiliza uma gama completa para os segmentos privados, públicos, rápidos e ultrarrápidos, contando entre os seus principais clientes com fabricantes de automóveis, operadores de infraestruturas de carregamento, utilities e players do setor petrolífero e gás, à escala mundial.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.