Edição digital
Assine já
Empresas

Engie Hemera implementa “maior sistema de autoconsumo fotovoltaico” em Cacia

Os cerca de 13 mil módulos instalados irão permitir uma poupança energética de 13% à Renault Cacia, evitando a emissão de 1,8 mil toneladas de CO2

CONSTRUIR
Empresas

Engie Hemera implementa “maior sistema de autoconsumo fotovoltaico” em Cacia

Os cerca de 13 mil módulos instalados irão permitir uma poupança energética de 13% à Renault Cacia, evitando a emissão de 1,8 mil toneladas de CO2

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Cooperativas ou como a arquitectura pode ser uma ferramenta “para intervir de maneira crítica em ambientes locais”
Arquitectura
Portugal Railway Summit 2022
Empresas
Metro de Lisboa investe na acessibilidade das estações
Construção
Eurofred marca presença no CIAR 2022
Empresas
Edifício Berna 54 vendido por 15 M€
Imobiliário
Vicaima lança nova linha de design de interiores para profissionais
Empresas
CIN pinta a história de monumentos icónicos em Lisboa
Empresas
Rendas das casas sobem 9,2% em lisboa e 6,0% no porto no último ano
Imobiliário
Lançado concurso público para reabilitar a EN114
Construção
ASAVAL organiza spring meeting internacional do Tegova em portugal
Imobiliário

A Engie Hemera está a implementar na fábrica da Renault em Cacia, situada no concelho de Aveiro, o “maior sistema solar de autoconsumo fotovoltaico” em Portugal.

Com esta solução, a fábrica do Grupo Renault que produz órgãos e componentes para a indústria automóvel desde Setembro de 1981, vai passar a produzir e a consumir agora energia verde nas suas instalações, reforçando o seu compromisso com a descarbonização e sustentabilidade, a poupança de energia e a aposta estratégica de produção de energia própria.

Os cerca de 13 mil módulos instalados ocupam um terreno com uma área total de 46 mil metros quadrados, o equivalente a mais de quatro campos de futebol. Atingem uma potência instalada superior a 6 megawatt-pico (MWp), gerando, em média, uma produção energética anual de 8 GWh.

A instalação destas unidades de produção para autoconsumo (UPAC) permite uma poupança energética de 13% à Renault Cacia, reduzindo assim a sua pegada ecológica, evitando a emissão de 1,8 mil toneladas de CO2.

Para estes 13% do seu consumo, a Renault deixa de estar exposta às flutuações do preço de mercado da electricidade, durante os próximos 25 anos, numa altura em que estes preços batem recordes.

Duarte Caro de Sousa, director-geral da Engie Hemera, sublinha que “este projecto, o maior sistema de autoconsumo fotovoltaico em Portugal, permite à Renault Cacia dar um passo fundamental rumo à transição energética. A aposta permite a esta instalação fabril produzir a sua própria energia, ainda mais verde, e obter elevadas poupanças na sua factura energética”.

Por sua vez, Christophe Clement, director-geral da Renault Cacia, salienta que “este é um investimento estratégico e representa um passo importante no compromisso do Grupo Renault na descarbonização das nossas fábricas em toda a Europa, até 2030. A Engie Hemera revelou-se desde a primeira hora o parceiro ideal para este projecto ambicioso e no qual depositamos muitas esperanças, a todos os níveis”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Cooperativas ou como a arquitectura pode ser uma ferramenta “para intervir de maneira crítica em ambientes locais”
Arquitectura
Portugal Railway Summit 2022
Empresas
Metro de Lisboa investe na acessibilidade das estações
Construção
Eurofred marca presença no CIAR 2022
Empresas
Edifício Berna 54 vendido por 15 M€
Imobiliário
Vicaima lança nova linha de design de interiores para profissionais
Empresas
CIN pinta a história de monumentos icónicos em Lisboa
Empresas
Rendas das casas sobem 9,2% em lisboa e 6,0% no porto no último ano
Imobiliário
Lançado concurso público para reabilitar a EN114
Construção
ASAVAL organiza spring meeting internacional do Tegova em portugal
Imobiliário
Empresas

Portugal Railway Summit 2022

A PFP – Plataforma Ferroviária Portuguesa, Cluster da Ferrovia, volta a organizar o “Portugal Railway Summit”, nos dias 16 e 17 de Maio de 2022, no Terminal de Cruzeiros de Leixões, Matosinhos

CONSTRUIR

A PFP – Plataforma Ferroviária Portuguesa, Cluster da Ferrovia, volta a organizar o “Portugal Railway Summit”, nos dias 16 e 17 de Maio de 2022, no Terminal de Cruzeiros de Leixões, Matosinhos.

Num contexto de grande expectativa quanto ao futuro do sector Ferroviário, este evento terá como foco os planos de investimento que se avizinham e os desafios ecológicos que é preciso enfrentar, proporcionando a discussão de prioridades e a apresentação de novas perspectivas de inovação ferroviária.

Ao longo dos dois dias de encontro terão lugar seis painéis. O primeiro dia será dedicado ao tema “Investimentos Nacionais e Internacionais” e às “Inovações e Desafios Tecnológicos”. No dia 17 de Maio a “Intermodalidade” e o “Fórum de Clusters” dominaram os trabalhos. O segundo dia do encontro reserva ainda tempo para as pitching sessions e interacção B2B.

O Portugal Railway Summit, é o fórum de discussão anual das tendências do sector Ferroviário, e local privilegiado para a criação de oportunidades de negócio e parcerias estratégicas focadas nos tópicos definidos pelo ERRAC, e pela Agenda Estratégica de Investigação e Inovação Ferroviária (SRIA), “RAIL 2030 – Research and Innovation priorities”: Digitalização, Automação, Nova Mobilidade Soluções, Mobilidade Mais Verde e Sustentável. Ferrovia, a espinha dorsal da Mobilidade 2030.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Eurofred marca presença no CIAR 2022

Com o mote “Actuar hoje pelo amanhã”, o evento é uma organização da EFRIARC, em conjunto com o LNEC e a Casa da América Latina e acontece de 4 a 6 de Maio

CONSTRUIR

A Eurofred vai marcar presença, pela primeira vez, no XVI CIAR 2022 (Congresso Iberoamericano de Ar Condicionado e Refrigeração), que irá ter lugar de 4 a 6 de Maio de 2022, no Centro de Congressos do LNEC. O evento visa promover o conhecimento, debate técnico e científico nos domínios do aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração envolvendo investigadores, académicos e profissionais e reúne profissionais de engenharia, fabricantes, decisores políticos, autoridades governamentais, investigadores e académicos de vários locais do mundo.

A presença da Eurofred no evento reforça o papel da companhia nas áreas de sustentabilidade correlacionado com as soluções e tecnologias que disponibiliza. Com uma presença na área expositiva do congresso, a Eurofred junta-se ao debate sobre a qualidade do ambiente indoor e refrigeração onde o ar condicionado está no centro do desenvolvimento sustentável.

Segundo, Santiago Perera, Iberia & Latam business director da Eurofred “a nossa presença no CIAR 2022 vem comprovar a nossa aposta e compromisso no desenvolvimento de soluções de alto desempenho e sustentáveis que respondam a compromissos ambientais e a políticas de CSR que enquanto entidade nos obrigamos a cumprir”.

Em média, passamos 90% do nosso tempo em espaços interiores e estes, segundo a OMS, estão 5 a 10 vezes mais contaminados que o exterior. Neste âmbito, a Eurofred apresentou o Split de parede AGIO da Daitsu que dispõe de um sistema específico de purificação do ar que inclui 3 filtros – antipó, foto catalítico e multifunção – capazes de reter pó, odores, bactérias e vírus. O equipamento conta ainda com a função de purificação Cold Plasma, que decompõe os elementos patogénicos (vírus ou bactérias) através de descargas elédtricas nas moléculas do ambiente. O resultado é um ar interior mais limpo e saudável.

O novo Split AGIO da Daitsu utiliza o novo gás refrigerante R32, muito mais eficiente e sustentável. Entre as suas principais características: o seu potencial de aquecimento global (GWP) representa um terço em relação aos actuais modelos com gás R410A; a temperaturas exteriores baixas, consome menos energia e emite menos emissões; é um gás 100% puro, muito mais barato e fácil de reciclar; os equipamentos utilizam menos 30% de carga de gás e, por ser ecológico, tem uma carga fiscal mais baixa e a sua manutenção em caso de fuga é 3 vezes menor.

Na oferta de purificação, a Eurofred apresenta, ainda, a gama Purifier, de reduzidas dimensões que elimina germes, partículas e odores de forma fácil e cómoda. Com uma cobertura de espaços até 20 m2 (CADR 118) e até 55 m2 (CADR 420), dispõe de filtragem de elevada eficiência, e inclui pré-filtro e filtro de carbono ativo. Ambos contam com filtro HEPA que consegue captar e reter partículas iguais ou superiores a 0,3 micras de diâmetro com 99,97% de efectividade.

Ainda no que diz respeito à sustentabilidade e politicas de CSR, a empresa tem como objectivo apagar a pegada de carbono, “como um exemplo essencial e tangível do respeito pelo ambiente”. Neste sentido, “todos os anos são calculados e compensados 100% das emissões de CO2 ao plantar árvores em áreas danificadas pelo fogo como parte do compromisso da marca com o planeta”.

A marca tem como política reduzir as suas emissões e nesse sentido está já a trabalhar na substituição de veículos antigos por uma frota de carros híbridos e elétricos. Também tem vindo a implementar a utilização de luzes LED nos escritórios bem como, a utilização de materiais reciclados.

“Aos dias de hoje, a Eurofred contribuiu para a reflorestação de um total de 79 hectares com 61.600 árvores plantadas, absorvendo 4.800 toneladas de CO2. Em Portugal, e graças às acções de reflorestação realizada até à data na zona de Abrantes, há já compensação das suas emissões até 2036”, reforça.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Vicaima lança nova linha de design de interiores para profissionais

O Spalted maple, Terrazo amber e Antique Patina, as três principais colecções Vicaima Infinity oferecem uma multiplicidade de inspirações, com recurso a madeira, metal ou pedra

CONSTRUIR

Com o objectivo de “colocar ao dispor dos profissionais um espetro ilimitado de opções nos diferentes momentos do processo criativo”, a Vicaima acaba de lançar uma nova marca, a Vicaima Infinity.

Através de uma produção tecnologicamente avançada, a Vicaima Infinity assegura a criação de designs e acabamentos personalizados, em diferentes superfícies e texturas, com diferentes opções de acabamento que vão desde o mate, ao satin e ao alto brilho.

Paralelamente, para os profissionais que procuram uma visão sobre as últimas tendências, as três principais colecções Vicaima Infinity oferecem uma multiplicidade de inspirações. Com recurso a madeira, metal ou pedra, a marca proporciona uma experiência imersiva que inclui, entre outras opções, o Spalted maple, Terrazo amber e Antique Patina.

A diferenciação do Vicaima Infinity afirma-se “na promoção de uma perfeita harmonia entre múltiplos produtos, como portas, roupeiros, painéis ou peças para mobiliário. Estas soluções somam a esta estética e sofisticação, a qualidade e elevada performance da marca nas soluções corta fogo, corta fogo e acústico, segurança, e térmicas, caraterística do universo de produtos Vicaima”.

Fiel aos seus valores de sustentabilidade, todas estas soluções Vicaima Infinity estão disponíveis com certificação FSC, entidade que promove a gestão responsável das florestas.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

CIN pinta a história de monumentos icónicos em Lisboa

A Estação de Santa Apolónia e o Teatro Nacional de São Carlos voltaram às suas cores originais graças à fusão entre o passado e à inovação tecnológica da CIN

CONSTRUIR

O tom avermelhado, que agraciava a Estação Ferroviária de Santa Apolónia em 1967 voltou a tomar cor na fachada deste icónico edifício. Esta mudança contou com o apoio da CIN e surge no seguimento de um projecto criado no interior da estação, onde foi construído um novo empreendimento hoteleiro. A intervenção devolveu às fachadas a cor vermelha após terem sido encontrados vestígios deste tom original numa imagem que remonta a 1967.

Liliana Leis Soares, directora-adjunta de Marketing da CIN, esclarece que “o encontro do tom certo foi um grande desafio para a nossa equipa de colorimetria e prescrição, tendo em consideração toda a história que o projecto representa. A cor original que, tal como refere o arquitecto José Aguiar, em tudo se assemelha um vermelho óxido de ferro, remonta a uma época específica da Revolução Industrial, pelo que teríamos de conciliar os melhores produtos de reabilitação e afinar um tom que pudesse contar a magia e a importância de um edifício como a Estação de Santa Apolónia”.

Nos anos 90, a Estação Ferroviária de Santa Apolónia mudava a sua cor para um azul claro, numa pretensão de harmonia entre a vista rio e o tom do céu. O retorno do vermelho a Santa Apolónia, pelo atelier de arquitectura Saraiva e Associados (S+A) para a construção do novo hotel The Editory Riverside, foi aprovado pela Infraestruturas de Portugal, que detém o edifício. O licenciamento passou pela Câmara Municipal de Lisboa (Santa Apolónia não é monumento nacional, mas imóvel de interesse público).

Também em Lisboa, o Teatro Nacional de São Carlos regressou à sua cor original, um azul envolvente que, à semelhança do anterior se deve à intervenção da CIN no processo de reabilitação. As suas fachadas, que eram amarelas desde 1940, retomaram a sua cor azul original após o encontro de vestígios desse mesmo tom nas paredes do edifício. Contudo, este facto não foi suficiente para que a Direcção-Geral do Património da Cultura (DGPC) desse o parecer positivo quanto à alteração da cor. Os arquitectos João Aguiar e João Pernão, da equipa da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa elaboraram, com o apoio da CIN, um relatório que definia a cor original do Teatro Nacional de São Carlos – que, posteriormente foi pintado com Cinoxano Mineral da CIN, cor E563.

Liliana Leis Soares explica que “mais do que um projecto de reabilitação urbana, o processo inerente ao Teatro Nacional de São Carlos pressupôs uma investigação histórica e exaustiva que evidenciou o saber-fazer centenário da marca CIN no que à cor diz respeito. Colocámos o nosso conhecimento ao serviço da Direcção-Geral do Património da Cultura, encontrando uma cor que corresponde, em detalhe, ao que havia sido projectado na sua inauguração em 1973. A responsável acrescenta que “é um enorme orgulho poder associar a marca CIN a estes projectos de enorme impacto cultural, que concede às cores este poder singular de contar as histórias de cada edifício e de cada lugar, numa perfeita simbiose entre o passado e o futuro”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

IP com lucros de 14M€ em 2021

IP termina 2021 com resultado líquido de 14 milhões de euros e EBITDA positivo de 497 milhões de euros, o que reflecte a redução do impacto da covid-19 nas receitas de utilização das infraestruturas rodoferroviárias

CONSTRUIR

A Infraestruturas de Portugal (IP) registou em 2021 um resultado líquido positivo de +14 milhões de euros (2020: -56 milhões de euros) e um EBITDA de +497 milhões de euros verificando-se um aumento de 12% face ao valor registado em 2020 (+445 milhões de euros).

Esta evolução deveu-se principalmente “ao aumento do rendimento com as principais receitas, designadamente: da Contribuição do Serviço Rodoviário (+52 milhões de euros) e da Tarifa de Utilização da Infraestrutura Ferroviária (+5 milhões de euros)”. Segundo a empresa, “a redução do impacto da pandemia COVID-19 sobre o nível de utilização da infraestrutura rodoferroviária sob gestão da IP durante ano de 2021, face a 2020, foi determinante para o aumento daqueles rendimentos, apesar de ainda não se terem atingido os níveis de utilização de 2019”.

Já relativamente à receita de portagens, verifica-se uma diminuição de -5% (-15milhões de euros), apesar do aumento da utilização da infraestrutura, em resultado da introdução nas AE ex-SCUT, em 1 de Julho de 2021, do novo regime de descontos previsto nos artigos 425.º e 426.º da LOE (50% nas tarifas de portagem).

Destaque positivo para o facto da IP ter incrementado o nível de intervenções na infraestrutura face ao registado em 2020. Com efeito, em 2021, o gasto com as actividades de conservação das redes rodoviária e ferroviária ascendeu a 196 milhões de euros, mais 5% do que o registado em 2020.

Relativamente ao resultado financeiro verificou-se uma melhoria de 24 milhões de euros, cujo principal contributo se deve à redução de -21 milhões de euros na componente dos juros afectos às subconcessões, em virtude da descida do passivo associado, a que acresce a redução do impacto dos encargos financeiros associados à dívida sob gestão directa da IP em -5 milhões de euros. Esta evolução positiva apenas é contrariada pelo aumento dos outros gastos financeiros, de que se destacam os associados à obtenção de garantias bancárias para processos fiscais, em +2milhões de euros.

O resultado líquido da IP regressa assim a terreno positivo, fixando-se em +14 milhões de euros, reflectindo, fundamentalmente, a redução do impacto extraordinário, global e não previsível da COVID-19 face a 2020, e que contrasta com o resultado líquido negativo de -56 milhões de euros verificado nesse ano.

De destacar ainda o crescimento do investimento, com particular ênfase o desenvolvimento do programa Ferrovia 2020, e que permitiu atingir os 278 milhões de euros de execução no ano, significando um crescimento de 36% face a 2020, seguindo assim a forte tendência de crescimento já verificada nos anos anteriores.

A IP manteve, ao longo do ano, a aceleração da liquidação da respectiva facturação, sempre que possível. Esta medida veio permitir que em 2021, o prazo médio de pagamentos (PMP) da IP se tenha fixado em 15 dias.
Em 2021, assistiu-se à redução do stock de dívida financeira da IP em 640 milhões de euros, fixando-se este agregado no final de Dezembro de 2021 em 4.145 milhões de euros. As amortizações realizadas respeitaram essencialmente à amortização do Eurobond 0621 (500 milhões de euros) e às amortizações dos empréstimos contraídos junto do BEI (129 milhões de euros).

Por fim, destaca-se a manutenção da política de financiamento prosseguida pelo accionista de capitalização da Empresa através de operações de aumento de capital que, em 2021, ascenderam a 1.613milhões de euros.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Sistema 38 PLUS da Ecosteel distinguida com Red Dot 2022

A OTIIMA foi distinguida com o prémio Red Dot 2022 na categoria Product Design, pelo seu sistema 38 PLUS, o qual voltou a apresentar-se a concurso com um novo conceito de design e um novo sistema de engenharia: o fecho oculto no perfil central

CONSTRUIR

Pela segunda vez, a Ecosteel vê a OTIIMA ser destacada com o prémio Red Dot 2022 na categoria Product Design, atribuído ao sistema 38 PLUS, o qual voltou a apresentar-se a concurso com um novo conceito de design e um novo sistema de engenharia: o fecho oculto no perfil central. Com uma linha de visão de apenas 22 mm, este perfil central, com fecho invisível, proporciona à janela uma essência ainda mais minimalista, oferecendo toda a protecção contra intrusão, bem como uma melhoria da acústica e da inércia do perfil.

O fecho encontra-se perfeitamente integrado na capa central, o que lhe confere um carácter invisível, salvaguardando assim a estética e o aspecto minimalista inerente às janelas OTIIMA. Esta inovação traduz-se também num conjunto de melhorias a nível dos fechos das capas centrais.

Como explica Ricardo Cortês, responsável do departamento de ID&T “este conceito, que já havia sido pensado entre portas, foi melhorado e posto funcional, o que lhe valeu um reconhecimento que veio reforçar a credibilidade da marca OTIIMA, a quem é atribuído pela segunda vez este prémio, depois de ter sido destacado em 2017.

38 PLUS é um sistema exclusivo minimalista, caracterizado por um sistema de correr inovador. Trata-se de uma tecnologia que proporciona aos painéis envidraçados uma estabilidade superior, utilizando rolamentos verticais, oferecendo também um excelente desempenho em impermeabilidade, permeabilidade ao ar e resistência a cargas de vento.

Equipado ainda com um inovador sistema anti-freeze exclusivo, este tipo de solução permite anular o processo de condensação nos painéis de vidro, potencia o descongelamento de qualquer formação de gelo no interior do sistema de calhas, proporcionando uma melhor drenagem de água, mesmo sob condições climáticas extremas.

Investigação Desenvolvimento & Tecnologia na Ecosteel

Constituído por uma equipa jovem, cujo foco é a inovação, o departamento de ID&T da ECOSTEEL tem objectivos claros para 2022: caminhar no sentido da optimização, desenvolvendo os mais variados projectos e prestando apoio no trabalho desenvolvido em obra, fábrica ou comercialmente. A principal missão do departamento de ID&T é pensar “fora da caixa”, criar o que não existe, o que também passa por agarrar uma ideia ou um projecto pensado anteriormente e transformá-lo num produto inovador. Ricardo Cortês, Mário Molho e André Almeida, que coordenam este departamento, sublinham que “desta forma, a carga de trabalho é maior do que se fosse algo construído de raiz, mas que o resultado final se revela recompensador. Foi seguindo esta linha de pensamento que nos levou a melhorar o sistema 38PLUS com o fecho oculto: uma ideia que conseguimos concretizar e que foi reconhecida com o Prémio Red Dot, na categoria Product Design”.

Os Prémios Red Dot Design são considerados um dos mais prestigiados concursos internacionais na área do design de produto. Em 2022, designers, escritórios de design e fabricantes de cerca de 60 países inscreveram os seus produtos nos Prémios Red Dot na categoria de Design de Produto. Sob o lema “Em busca do bom design e inovação”, os 48 membros internacionais do júri Red Dot avaliaram cada um dos produtos, tendo em conta, não só a funcionalidade e inovação dos mesmos, como também o design.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Epiroc apresenta a nova fresadora V

Com o seu design em V, a mais recente fresadora da Epiroc define um novo padrão em abertura de valas e pedreiras. Uma solução aparentemente simples com uma eficácia extraordinária que permite poupanças de energia até 40%

CONSTRUIR

“Os problemas de eficiência relacionados com a abertura de valas foram resolvidos com soluções avançadas, mas dispendiosas. Apresentamos uma alternativa que irá poupar tempo e dinheiro em praticamente todos os aspectos, do investimento à energia e ao desgaste da máquina portadora. E tudo é conseguido pelos ângulos do tambor”, explica Gordon Hambach, global business manager de acessórios hidráulicos na Epiroc.

Graças ao design em V, que permite um corte com uma base plana, nenhum material é deixado intocável entre os tambores. Uma fresadora de tambor regular tem de deslocar-se lateralmente para criar uma vala uniforme, uma abordagem que causa desgaste adicional no braço da máquina portadora, o VC 2000 pode atingir o mesmo resultado simplesmente a direito. Basicamente, funciona como um balde, o que facilita a sua utilização, é mais agradável para a máquina portadora e é necessária menos energia e tempo. Tendo em conta a redução dos períodos de inactividade e da manutenção, os cálculos são ainda mais atractivos.

As características distintivas das fresadoras de tambor Epiroc clássicos, como as engrenagens rectas robustas, o motor de engrenagem de binário elevado adaptável e o sistema de retenção QuickSnap para uma troca rápida e fácil, podem ser encontradas no nova VC 2000. Também está equipado com o suporte Pro, que conduz todas as mangueiras hidráulicas através do centro da lança e para locais seguros, como padrão. Também estão disponíveis suportes mecânicos e hidráulicos giratórios, bem como um sistema de pulverização de água que previne as poeiras. O sistema HATCON que monitoriza as horas de funcionamento, a localização e os intervalos de assistência e apresenta esses dados em praticamente qualquer ecrã através de My Epiroc é outra opção que aumentará a eficácia geral.

“O fornecimento de soluções que podem ajudar os nossos clientes a atingir novos níveis é gratificante, não menos importante no que diz respeito à poupança de energia e à sustentabilidade. Inspiram-nos a repensar constantemente todos os aspectos da nossa oferta, e VC 2000 é certamente o resultado disso”, conclui Gordon Hambach.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Instituto de Formação Vulcano estreia curso de instalação e manutenção de ar condicionado

Com a duração de dez dias, a formação será ministrada nos centros de Formação de Aveiro, em 2 a 31 de Maio, e em Lisboa, em duas sessões, de 23 a 31 de Maio e de 6 a 28 de Junho

CONSTRUIR

O Instituto de Formação Vulcano (IFV), espaço de formação e certificação nas áreas de água quente, energia solar térmica e climatização, estreia o curso de Instalação e Manutenção de Ar Condicionado. Com a duração de dez dias, a formação será ministrada às segundas e terças-feiras nos centros de Formação de Aveiro e Lisboa. A sessão em Aveiro terá lugar de 2 a 31 de Maio. Em Lisboa, o curso irá decorrer de 23 a 31 de Maio e de 6 a 28 de Junho. Destina-se a instaladores, recém-licenciados, e técnicos que tencionam dar os primeiros passos na área ou aprofundar conhecimentos.

Com uma duração de 80 horas, este curso irá proporcionar aos formandos várias aprendizagens, como: conceitos básicos de termodinâmica, princípios da climatização e refrigeração, componentes dos sistemas de ar condicionado e também procedimentos de instalação, funcionamento e manutenção. Os inscritos ficarão capacitados para compreender conceitos fundamentais como circuito frigorífico, e diagrama psicométrico, assim como identificar, seleccionar e instalar o equipamento mais adequado de acordo com o perfil do consumidor e a legislação vigente. Além disto, os formandos irão desenvolver aptidão para executar os procedimentos de funcionamento e manutenção de ar condicionado e ainda adquirir conhecimentos úteis para colocar em prática uma negociação de sucesso.

O Curso de Instalação e Manutenção de Ar Condicionado comporta conteúdos programáticos com base teórica, apresentando em simultâneo uma componente prática. Mais informações aqui

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

“Lisboa Circular” da Roca reflecte sobre Energia

Focado numa Lisboa mais sustentável, o Roca Lisboa Gallery lança a 5ª e última sessão do workshop ligado a esta área. O tema deste mês é a Energia

CONSTRUIR

O Roca Lisboa Gallery lança a sua última sessão do Workshop “Lisboa Circular.” O tema será a energia e terá lugar no dia 3 de Maio no Roca Lisboa Gallery. “A energia é um recurso utilizado por todos nós mas nem sempre valorizado e reconhecido. O crescimento populacional contínuo e a maior procura de recursos, assim como os agravantes efeitos das alterações climáticas, exigem novas abordagens para as cidades com foco numa gestão de energia mais eficiente e sustentável”, justifica a empresa em comunicado.

Nesta sessão será analisado o sistema de energia da cidade, de forma holística, apresentando soluções sustentáveis e regenerativas, que possam contribuir para a descarbonização energética. Este workshop colaborativo contará com a presença de especialistas da área que irão apresentar projectos de referência, comunitários e de maior escala na cidade Lisboa.

A sessão dedicada ao tema da Energia vai contar com o contributo de Gonçalo Correia, da Sustainable Energy Youth Network (SEYN), e de Sara Freitas, da Lisboa E-Nova – Agência de Energia e Ambiente de Lisboa.

Organizado por Laura Korčulanin, consultora e fundadora do “Give a Shit Project”, “Lisboa Circular” é um ciclo composto por cinco workshops dedicados a temas essenciais da cidade e que definem o bem-estar para todos os cidadãos. O Roca Lisboa Gallery já contou com quatro sessões, a primeira focada no tema dos Resíduos Urbanos e a segunda na Mobilidade, Fevereiro foi o mês de falar na Alimentação, Março na Água e agora, por último, em Maio o foco é a Energia.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

CLS iMation optimiza processos intralogísticos

Simulation as a Service é o novo serviço da CLS iMation que permite, através da simulação, avaliar as condições existentes no ambiente industrial e apresentar soluções que permitem optimizar a fluidez dos processos

CONSTRUIR

A CLS iMation introduziu mais uma adição ao seu portfólio de Soluções Inteligentes para a Automatização Logística. Trata-se do iMation SaaS (Simulation as a Service), um serviço que permite à CLS avaliar as condições existentes no ambiente industrial do cliente, a fim de apresentar, através do potencial da simulação, aspectos e soluções que podem ser optimizados para melhorar a fluidez dos processos.

A simulação é uma parte importante das soluções CLS para avaliar a interacção entre os sistemas existentes e os benefícios que podem ser obtidos pela introdução de soluções automatizadas, no caso dos armazéns tradicionais, ou pela reorganização dos fluxos de trabalho para uma optimização efectiva das tarefas e da produtividade.

Graças às possibilidades oferecidas pela simulação a CLS é capaz de apresentar uma “antevisão” de aspectos, soluções de armazém e processos optimizáveis. Ao analisar dados e variáveis, é possível avaliar a interacção entre os sistemas existentes e dispor de cenários e soluções alternativas desde as fases iniciais de desenvolvimento.
Este serviço de simulação, desenvolvido pela CLS iMation, acrescenta valor ao projecto do ponto de vista da consultoria e é, simultaneamente, integrador de sistemas especializado na optimização de processos de intralogística, o que permite desenvolver propostas flexíveis, modulares e escaláveis.

Desde a concepção de novas instalações de produção, à reengenharia de um ambiente existente, a CLS é capaz, através da definição de parâmetros e análises extremamente detalhadas, de mostrar concretamente como é possível digitalizar e automatizar os próprios processos da forma mais eficiente, integrando-os mesmo com sistemas ou máquinas tradicionais, de acordo com os inputs e necessidades reais do cliente, que é acompanhado passo a passo durante todas as fases de análise e consultoria.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.