Edição digital
Assine já
Construção

Garcia Garcia assegura ampliação da norte-americana Brunswick em Portugal

A construtora é responsável pelo projecto de Design & Build, com intervenção ao nível da arquitectura, engenharia e execução da obra, para a subsidiária portuguesa da multinacional que fabrica barcos desportivos e de recreio das marcas Quicksilver e Bayliner

CONSTRUIR
Construção

Garcia Garcia assegura ampliação da norte-americana Brunswick em Portugal

A construtora é responsável pelo projecto de Design & Build, com intervenção ao nível da arquitectura, engenharia e execução da obra, para a subsidiária portuguesa da multinacional que fabrica barcos desportivos e de recreio das marcas Quicksilver e Bayliner

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
APREN e AP2H2 promoveram debate partidário dedicado à Transição Energética
Engenharia
uma imagem de céu azul, com painéis solares e uma montanha ao fundos
Casas de Nevogilde: Primeiras chaves entregues em Fevereiro
Imobiliário
‘Manuel Botelho – Projecto e Obra’ em exposição na FAUP
Arquitectura
Revista da APEMIP regressa ao mercado pela mão da Iberinmo
Imobiliário
CBRE aposta em soluções para clientes individuais e family offices
Imobiliário
Imobiliária eXp Realty anuncia expansão para três novos países
Imobiliário
Euromonitor International distingue Haier pelo 13º consecutivo
Empresas
Programa Rua Direita lança novos concursos
Construção
Vicaima equipa novo campus Le Roc da escola suiça “La Garenne”
Empresas
Setúbal prevê projectos de energias renováveis na ordem dos 35,5 M€
Engenharia

A multinacional norte-americana Brunswick, vai expandir a sua unidade fabril em Portugal. O projecto de ampliação da unidade industrial localizada em Vilanova de Cerveira foi entregue à construtora nacional Garcia Garcia. Alinhado com a sua estratégia de crescimento e expansão, este projecto permitirá à subsidiária portuguesa potenciar o aumento da sua capacidade produtiva e logística e tem conclusão prevista para Junho do próximo ano. Actualmente, a Brunswick é líder na concepção, construção e comercialização de produtos de entretenimento, sendo a maior produtora mundial de barcos de lazer e de recreio.

“Este projecto, que reflecte o dinamismo e a competitividade que a Brunswick Portugal tem vindo a revelar, tem como objectivo garantir um eficiente aumento da capacidade instalada orientado para a consolidação da sua liderança no mercado. Neste sentido, é bastante gratificante podermos fazer parte deste plano de expansão da Brunswick, contribuindo com todo o nosso know-how e experiência para que este projecto responda integralmente às suas necessidades”, sublinha Miguel Garcia, administrador da construtora.

O projecto consiste na ampliação das instalações da Brunswick, através da construção de uma nova nave industrial. Os trabalhos incluem a demolição de um edifício existente e a edificação de um novo, contíguo às actuais instalações da empresa. O novo edifício agregará uma área total de 5.200 m2, dos quais 4.000 m2 terão como destino o apoio à produção e 1.200 m2, em piso superior, terão como fim áreas administrativas e sociais.

Publicidade


A fase conceptual do projecto teve em linha de conta alguns desafios e condicionalismos, nomeadamente o espaço disponível e o facto de a empresa continuar a laborar, o que obrigou a um planeamento sólido e uma coordenação eficaz entre a Garcia e a Brunswick. Desta forma, todas as intervenções foram planeadas e estão a ser executadas de modo a não provocarem constrangimentos à normal actividade da Brunswick, sendo que a realização dos trabalhos em obra foi previamente pensada para garantir a segurança de todos os trabalhadores e a normal laboração da empresa.

Para além da construção da nova nave industrial, a construtora está a realizar alguns trabalhos de melhoria nas naves já existentes, com o objectivo de optimizar os processos produtivos e as instalações da Brunswick.

Este é o segundo projecto que a Garcia desenvolve com a Brunswick, reforçando uma parceria iniciada em 2012, quando a construtora foi responsável pela reconstrução de uma das naves industriais do complexo da subsidiária portuguesa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
uma imagem de céu azul, com painéis solares e uma montanha ao fundos
APREN e AP2H2 promoveram debate partidário dedicado à Transição Energética
Engenharia
Casas de Nevogilde: Primeiras chaves entregues em Fevereiro
Imobiliário
‘Manuel Botelho – Projecto e Obra’ em exposição na FAUP
Arquitectura
Revista da APEMIP regressa ao mercado pela mão da Iberinmo
Imobiliário
CBRE aposta em soluções para clientes individuais e family offices
Imobiliário
Imobiliária eXp Realty anuncia expansão para três novos países
Imobiliário
Euromonitor International distingue Haier pelo 13º consecutivo
Empresas
Programa Rua Direita lança novos concursos
Construção
Vicaima equipa novo campus Le Roc da escola suiça “La Garenne”
Empresas
Setúbal prevê projectos de energias renováveis na ordem dos 35,5 M€
Engenharia
Construção

Programa Rua Direita lança novos concursos

A Câmara do Porto lançou concursos para a requalificação das ruas do Mirante, do Monte da Luz e outras, no valor de 1,3M€. Ambos os concursos integram o programa Rua Direita

A Câmara Municipal do Porto Lançou mais dois concursos públicos no âmbito do programa Rua Direita, para a requalificação da Rua do Mirante e outras, assim como da Rua do Monte da Luz e outras.

O programa, lançado em Junho de 2018, destina-se à qualificação de espaços públicos degradados, integrados na rede capilar do sistema viário municipal, relativos a antigos caminhos rurais, áreas urbanas em transformação ou arruamentos degradados em tecido consolidado.

O Rua Dirreita contempla a intervenção em 88 arruamentos correspondentes a quase 15 km de via com um preço máximo para todos os projectos estimado de 1,3 milhões de euros e uma estimativa do custo de obra de cerca de 21 milhões de euros.~

Publicidade


No caso da empreitada relativa à Rua do Mirante, contemplam-se também trabalhos pontuais na Rua de Cedofeita e na Praça Coronel Pacheco. Assegurada pela empresa municipal de Gestão e Obras do Porto – GO Porto, a requalificação será realizada numa única fase e tem um prazo global de execução de 180 dias. O preço-base do procedimento é de 395 mil euros e o prazo de apresentação de propostas decorre até ao dia 20 de Fevereiro de 2022.

Relativamente à Rua do Monte da Luz e outras, trata-se do novo concurso para a requalificação do conjunto que compreende a Rua do Monte da Luz, Rua do Túnel, Rua de Gondarém (parcial) e Travessa do Monte da Luz, todas na zona da Foz, depois do primeiro concurso, lançado em Agosto, não ter tido qualquer candidato. A requalificação está a cargo da empresa municipal GO Porto e compreende quatro fases de obra, com um prazo global de execução de 540 dias. O preço-base do procedimento é de 920 mil euros e as propostas devem ser entregues até ao dia 20 de Fevereiro de 2022, em formato electrónico, também na plataforma www.acingov.pt.

O programa Rua Direita abrange a reabilitação de cerca de uma centena de arruamentos do sistema viário municipal, dispersos por várias freguesias e correspondentes a antigos caminhos rurais, áreas urbanas em transformação ou ruas degradadas em tecido consolidado. No terreno estão já as empreitadas na Rua de Vila Nova (nascente), da Rua de Vila Nova (poente) e Travessa da Costibela, Rua da Via-Sacra e Outras, Rua Silva Porto (parcial), Rua da Arada, Rua do Encontro e Outras e Rua da Granja de Lordelo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Sesimbra: MAP Engenharia conclui construção do condomínio Jardins do Mar (c/ galeria e vídeo)

Diogo Guerra Abecasis, cofundador e administrador da MAP Engenharia, explica em primeira mão ao CONSTRUIR que “este foi sem dúvida um projecto residencial diferente e muito desafiante, dos demais construídos pela MAP”

CONSTRUIR

Estão concluídos os trabalhos de construção do mais recente empreendimento, uma obra promovida pela CETIM e cuja construção esteve a cargo da MAP Engenharia.

O condomínio Jardins do Mar, desenhado pelo atelier Fragmentos, é constituído por 28 apartamentos de luxo, de tipologias T2 e T3 e áreas entre os 90 e os 200m2, distribuídos por 7 pisos, que se desenvolvem ao longo da encosta. A obra, que se distingue pela proximidade à praia e pelo seu design e arquitectura moderna, está marcada por acabamentos de alta qualidade, com amplos terraços ou jardins, “com uma incrível luminosidade e vista para o mar, bem como arrecadação e estacionamento subterrâneo privativo”.

Diogo Guerra Abecasis, cofundador e administrador da MAP Engenharia, explica em primeira mão ao CONSTRUIR que “este foi sem dúvida um projecto residencial diferente e muito desafiante, dos demais construídos pela MAP. Desde vários imprevistos relacionados com as condições do Edifício existente, à sua localização geográfica, só foi mesmo possível atingir este resultado final, de alta qualidade,
graças ao excelente trabalho realizado por todas as equipas envolvidas neste projecto ao longo de todo o processo.”

Publicidade


Para Michael Van Cutsem, Project Manager da CETIM, empresa que lidera a operação e da qual fazem igualmente parte investidores belgas, mostra-se igualmente orgulhoso por “este projecto de revitalização de um edifício abandonado, que conferia uma má imagem à vila de Sesimbra. Hoje, a qualidade e a originalidade do novo edifício destacam-se de uma forma muito positiva na região. Estamos satisfeitos por termos sido capazes de vender todas as fracções disponíveis, muito em particular graças à criação de um apartamento modelo,
que permitiu aos compradores projectar o seu futuro apartamento enquanto o edifício estava a ser construído.”

Por sua vez, o arquitecto Pedro Silva Lopes, sócio do atelier Fragmentos, acrescenta que “este foi um projecto muito desafiante, partindo de uma pré-existência construída na transição das décadas 80 e 90, que, apesar de concluída, nunca tinha sido utilizada, tendo sido vandalizada até um estado de degradação próximo da ruína”. Segundo o autor do projecto, “tirámos partido de uma estrutura existente e alterámos a lógica de organização das fracções, para uma organização horizontal, que tirou partido dos espaços exteriores e da fantástica vista de mar. Transformámos pequenos apartamentos, entre corredores, em menos unidades e maiores com terraços generosos, explorando o espaço exterior, a sua vivência e a vista de mar. Do projecto à obra foi um processo complexo, mas o resultado final enche o atelier de orgulho, bem como o árduo trabalho de todos os envolvidos, desde o Promotor, Projectistas e Empreiteiro Geral.”

Já para Carlos Oliveira, director geral da DDN, empresa responsável pela fiscalização dos trabalhos, “esta foi uma obra que iniciou em 1991 com outro Promotor, esteve inacabada cerca de 33 anos e foi agora concluída com um padrão completamente novo, que atende aos desafios actuais, graças às Equipas de excelência envolvidas.”

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Câmara de Setúbal adjudica DST para obras no Forte de São Filipe

Esta intervenção diz respeito à segunda fase e visa garantir a estabilidade da encosta, com a execução de trabalhos de reforço estrutural do torreão, do caneiro localizado na zona oeste e de trabalhos de melhoramento da durabilidade das muralhas com o preenchimento das fendas existentes

CONSTRUIR

A adjudicação da segunda fase de uma intervenção de reforço da encosta do Forte de São Filipe foi aprovada em reunião pública de Câmara Municipal de Setúbal à empresa DST – Domingos da Silva Teixeira. Num investimento superior a quatro milhões de euros, a empreitada tem um prazo de execução de 480 dias.

Esta intervenção resulta dos resultados da primeira fase da obra de consolidação da encosta do Forte de São Filipe, durante a qual, até Janeiro de 2019, foram realizados ensaios prévios de ancoragens que determinaram a necessidade de efectuar a revisão da solução de estabilização proposta no projeto de execução.

As alterações dizem essencialmente respeito, entre outros, à carga de tracção a instalar nas ancoragens definitivas, que, por incapacidade geológica-geotécnica do maciço, terão forçosamente de acomodar valores inferiores aos inicialmente previstos.

Publicidade


Além disso, devem ser considerados indícios da existência de superfícies de deslizamento mais profundas na informação dos inclinómetros instalados recentemente e incluídos trabalhos de reforço estrutural do torreão e do caneiro localizado na zona oeste e de melhoramento da durabilidade das muralhas com o preenchimento das fendas existentes.

No seguimento do parecer do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), de Julho de 2019, o projecto foi ainda complementado com a definição ao nível da estimativa de quantidades da eventual solução de estabilização a implementar para as muralhas do pátio localizado na zona poente e com a inclusão de instrumentação na zona poente da muralha.

O projecto contemplou, igualmente, a alteração da descrição do faseamento construtivo e a inclusão de informação geotécnica referente à execução de trabalhos relativos à primeira fase da intervenção.

A segunda fase da intervenção visa garantir a estabilidade da encosta, com a execução de trabalhos de reforço estrutural do torreão, do caneiro localizado na zona oeste e de trabalhos de melhoramento da durabilidade das muralhas com o preenchimento das fendas existentes.

A empreitada tem o suporte de candidatura do POSEUR – Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, cujo financiamento é de 75%, sendo que o Estado comparticipa os restantes 25%, nos termos constantes de um protocolo firmado com o município de Setúbal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
ifrru 2021
Construção

IFRRU potenciou 1084 M€ para reabilitação urbana em 2021

IFRRU 2020 bate recorde em 2021 com 307M€ de investimento em reabilitação urbana, tendo terminado o ano com um total acumulado de 360 contratos assinados, que correspondem a 1084 M€ de investimento para a reabilitação de edifícios

CONSTRUIR

O IFFRU 2020 conseguiu, em 2021, o melhor resultado de sempre, ao atingir 307 milhões de euros de investimento contratado em reabilitação urbana, superando assim o ano pré-pandemia de 2019.

O ano de 2021 terminou com um total acumulado de 360 contratos assinados, que correspondem a 1084 milhões de euros de investimento para a reabilitação integral de edifícios e melhoria do seu desempenho energético.

Após a reabilitação, 162 destes edifícios terão uso habitacional, sendo os restantes 182 destinados a actividades económicas e 16 a equipamentos de utilização colectiva abrangendo equipamentos culturais públicos e sociais e de apoio social bem como as residências para estudantes. Na sua maioria (281) os projectos são promovidos por empresas e os restantes por particulares, IPSS e Câmaras Municipais.

Publicidade


Com já 101 edifícios reabilitados, os projectos em execução localizam-se nas Áreas de Reabilitação Urbana, delineadas pelos respectivos Municípios, garantindo-se, assim, o seu alinhamento com a política urbana local, sendo já 82 os Municípios das várias regiões do país com financiamentos IFRRU 2020.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Mota-Engil inicia construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo

Arrancou em Cabo Verde a construção do Terminal de Cruzeiros do Mindelo, uma obra orçada em cerca de 27 milhões de euros, a cargo da construtora portuguesa e da cabo-verdiana Empreitel Figueiredo

CONSTRUIR

É considerado um dos maiores investimentos públicos de Cabo Verde e tem um prazo de construção estimado em 22 meses. Os trabalhos vão envolver a conquista de um terrapleno, denominado “Ponte Terrestre”, com 2.700 metros quadrados, a dragagem de aproximadamente 124 mil metros cúbicos na bacia portuária e no canal de acesso, e a reabilitação do cais número 9, que passará a servir navios de recreio de pequeno porte.

A obra, que é co-financiada pelo Fundo Orio, dos Países Baixos, e pelo Fundo OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional, prevê ainda a construção de um molhe de atracação de 400 metros de comprimento com uma profundidade de 11 metros a norte e nove metros a sul, e uma gare de passageiros com 900 metros quadrados de área e respectivo ordenamento exterior, com a inclusão de um parque de estacionamento.

Recentemente, o presidente do conselho de administração da Enapor – Portos de Cabo Verde, Alcídio Lopes, perspectivou que, com este projecto, São Vicente terá um Terminal de Cruzeiros “inovador, moderno e com características técnicas bastante avançadas”. Em 2019 48.500 turistas em viagens de cruzeiro visitaram Cabo Verde, o que representou um aumento de 3 % ao ano de 2018. Com a pandemia a indústria de cruzeiros está praticamente parada mas o Governo local mantém a expectativa do seu crescimento e do impacto que a mesma irá gerar naquela que é a principal actividade económica do país, o Turismo.

Publicidade


Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Gabriel Couto ganha obras de 145M€ no Gana

A construtora Gabriel Couto ganhou o concurso internacional lançado pelo Governo do Gana para a construção de duas estradas, no valor global de 145 M€. As novas empreitadas marcam o regresso da construtora portuguesa a África ocidental

CONSTRUIR

É o regresso da construtora portuguesa à África Ocidental. Depois do Senegal a Gabriel Couto vai iniciar duas empreitadas no Gana no valor global de 145 milhões de euros.

O primeiro contrato foi adjudicado pelo valor de 95 milhões de euros e diz respeito à construção de uma estrada que ligará Tarkwa à cidade de Nkwanta, passando pelo município de Agona, numa extensão de 66 quilómetros. A empreitada tem a duração de 1095 dias, cerca de três anos. A obra é considera vital para o desenvolvimento destas três cidades, bem como para a dinamização económica do país, já que esta é uma zona central da exploração de minérios que são a base das exportações do Gana. A cidade de Tarkwa dá o nome a uma grande mina de ouro a céu aberto, uma das maiores do sul de Gana, onde são produzidas aproximadamente 24 toneladas de ouro por ano e ainda a mina de ouro Iduapriem localizada a 10 quilómetros do sul da cidade.

O segundo concurso adjudicado à construtora pelo Ministério das Infraestruturas Rodoviárias ganês, refere-se à reconstrução da ligação rodoviária entre Bechem e Akumadan, numa extensão de 40 quilómetros. Avaliada em 50 milhões de euros, a obra deverá estar concluída em 730 dias. Localizada na zona central do Gana, a região é predominantemente agrícola, sendo a ligação rodoviária o meio para escoar os produtos para as zonas mais carenciadas do país.

Publicidade


A Gabriel Couto está na Zâmbia e Moçambique, países da África Oriental, tendo concluído nos últimos anos várias empreitadas em Essuatíni, ex-Suazilândia, na África Austral. “O cumprimento rigoroso de todos as alíneas dos contratos assinados e a qualidade evidenciada das obras é também uma imagem da nossa marca que vamos espalhando pelo continente africano”, sublinha Tiago Couto, director da construtora e responsável pelos projectos internacionais e de infra-estruturas.

Em Portugal a construtora terminou o ano de 2021 com a conclusão da extensão do taxiway do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. A ampliação do aeroporto que serve a região norte do país custou 30 milhões de euros e incluía a expansão de 1300 metros da via de circulação que liga a pista e a placa de estacionamento dos aviões. A obra possibilita, assim, uma maior sequência de descolagens e aterragens, acompanhadas com uma saída rápida da pista, contribuindo para o aumento da capacidade do aeroporto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Construção: os desafios de 2022

A economia circular nos processos de construção, a promoção da reabilitação, a ascensão da construção industrializada ou uma maior importância da estética e do design nas fachadas, são, segundo a Sto, algumas das grandes tendências para 2022

CONSTRUIR

Tal como aconteceu noutros sectores, a construção não parou de evoluir nestes últimos anos. Assiste-se agora a uma nova organização de prioridades, de métodos e de técnicas com o sector a adaptar-se constantemente às actuais necessidades sociais, económicas e ambientais, dando origem a novas tendências que vão contribuir imensamente para uma revolução no mercado.

Com o novo ano a começar, a Sto, empresa internacional especializada no fabrico de sistemas e elementos construtivos, identifica e anuncia as principais tendências que vão marcar o sector este ano:
A empresa começa por identificar as novas técnicas de construção sustentável. “As alterações climáticas são hoje mais do que nunca, uma das grandes prioridades do sector. Esta preocupação fez com que as técnicas de construção também evoluíssem nesse sentido, algo que continuará a marcar 2022. Essa premissa afectará não apenas os processos construtivos, com maior aposta no uso de recursos materiais sustentáveis ou no tratamento de resíduos por meio de processos de economia circular, mas também no que diz respeito ao edifício construído ou reabilitado, apostando mais em elementos como: isolamento térmico, caixilharia de qualidade, materiais sustentáveis, sistemas de poupança de água, aparelhos de baixo consumo, utilização de energias renováveis…”, avança.

Reabilitar ou construção nova? Em 2022 a reabilitação irá ganhar um maior ritmo impulsionadas pelas “medidas do governo e pela ajuda europeia que as acompanha, vão promover a reabilitação de habitações e edifícios. Embora as várias medidas implementadas nos últimos anos tenham tentado promover este tipo de acção, fruto da idade do parque imobiliário português, será a partir deste ano que o sector vai ganhar ritmo, aprendendo com o que outros países mais avançados estão a fazer, e adaptando todas as suas soluções disponíveis à nossa realidade climática e cultural”, adianta a empresa.

Publicidade


Mas a construção nova será influenciada pelo salto tecnológico derivado da necessidade de uma maior eficiência e eficácia na execução dos projectos.” Em 2022, a busca por técnicas e métodos que agilizem qualquer projecto de construção sem desperdiçar recursos ou reduzir a qualidade, segurança e conforto da edificação serão a chave. E isso só se consegue com o apoio de novos sistemas tecnológicos como o BIM, uma metodologia de trabalho colaborativo para a criação e gestão de um projecto de construção, que visa centralizar toda a informação do projecto num modelo de informação digital. Tudo isso, com um único propósito: eficiência na execução de obras de arquitectura e engenharia”.

Os princípios da sustentabilidade e da digitalização estão a colocar em destaque novos modelos construtivos como os industrializados, baseados no projecto e fabricação automatizados de elementos estruturais e não estruturais de uma edificação. “Os benefícios que traz a nível social, económico e ambiental serão a base do seu sucesso este ano: optimização dos tempos de produção até 50%, redução de custos até 20%, processo digitalizado e produção automatizada, redução do impacto ambiental da construção e criação de empregos muito mais especializados, seguros, atractivos e inclusivos. Este modelo aplica-se também a todo o sector da construção – imobiliário, infraestruturas… – e, embora seja uma excelente solução para novos projectos de construção, também tem lugar na reabilitação”, refere a Sto.

A eficiência e a sustentabilidade substituirão a estética e o design. “Todo este compromisso acrescido com a sustentabilidade e a inovação tecnológica não é incompatível com a estética” assegura a multinacional. “Assim como a decoração de interiores ganhou um papel fundamental nas últimas décadas, o design marcante das fachadas, tanto em reabilitação como na nova construção, dará o salto em 2022. Aliás, já é possível personalizar totalmente a área exterior de um edifício aplicação de diferentes tipos de materiais: reboco (orgânico, mineral, silicato…), grés porcelânico em diferentes modos de apresentação (compacto, grande formato), cerâmica de várias cores e superfícies (liso, rugoso, plástico…), pedra natural de diferentes tipos (arenito, dolomita…) ou mesmo vidro, em diferentes tonalidades e tratamentos”.

Espaços mais flexíveis, multifuncionais e luminosos. A população dá mais importância do que nunca aos espaços em que vive e trabalha, o que fez com que o estilo de vida das novas gerações prevaleça tanto nas residências quanto nos escritórios. No caso dos escritórios, com o regresso ao trabalho, apostará em espaços abertos onde o espaço é partilhado com cafetaria, zonas de reunião ou descanso, para facilitar a mobilidade. A arquitectura residencial, por sua vez, jogará com as noções de multifuncionalidade, versatilidade e modularidade em espaços abertos, para poder se reinventar em poucos momentos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Ligação da A8 à Área Empresarial das Palhagueiras vai avançar

O Município de Torres Vedras vai receber sete milhões de euros do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência para construir a ligação rodoviária entre a autoestrada A8 e a área empresarial das Palhagueiras

CONSTRUIR

O Município de Torres Vedras vai receber sete milhões de euros do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência para construir a ligação rodoviária entre a autoestrada A8 e a área empresarial das Palhagueiras, onde estão localizadas diversas centrais hortofrutícolas. O contrato de financiamento é assinado esta sexta-feira entre este município e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, gestora dos fundos europeus.

A obra visa “contribuir para reforçar a competitividade territorial, promover a atracção e fixação de empresas, favorecendo um desenvolvimento mais equilibrado do tecido produtivo, uma reindustrialização desconcentrada no território e uma optimização das cadeias logísticas do país”, segundo o contrato de financiamento.

A ligação rodoviária da A8 à área empresarial das Palhagueiras, na freguesia de A-dos-Cunhados/Maceira, vem melhorar as condições de acesso à autoestrada e promover a ligação à Linha do Oeste, que está a ser modernizada, para escoar produtos de forma mais eficaz e desenvolver a sua capacidade produtiva da região. Contribuindo com melhores condições de circulação e segurança, a via constitui também uma alternativa rodoviária, desviando o tráfego de veículos pesados do centro da vila de A-dos-Cunhados, minimizando assim o risco de atropelamentos, diminuindo o tempo de percurso e contribuindo para a redução de gases de efeito estufa ao diminuir o congestionamento automóvel. É estimada uma redução de tempos de percurso de 25% com a execução desta infraestrutura.

Publicidade


Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Reabilitação da Linha do Vouga acelera

Foi lançado concurso público para a renovação integral do troço entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga, da Linha do Vouga, um investimento estimado de 4,95 milhões de euros

CONSTRUIR

A Infraestruturas de Portugal lançou o concurso público para a renovação integral do troço entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga, da Linha do Vouga, um investimento estimado de 4,95 milhões de euros, ao qual acrescem os encargos relacionados com os materiais a aplicar.

Esta empreitada integra o Plano de Reabilitação da Linha do Vouga que a IP tem em curso e que contempla a reabilitação da superestrutura de via, com a substituição integral de carril, travessas e fixações, a balastragem de via e ataque mecânico pesado, bem como a automatização de passagens de nível.

Com este investimento pretende-se melhorar os níveis de serviço e segurança da infraestrutura ferroviária, a executar de forma faseada até 2025, num montante global estimado de 34 milhões de euros. As intervenções a desenvolver abrangem os 96 quilómetros de extensão da Linha do Vouga, entre Espinho e Aveiro.

Publicidade


Do conjunto de acções previstas, encontram-se já concretizadas a beneficiação da superestrutura de via no troço entre Águeda e Sernada do Vouga, a reabilitação de via na ponte rodoferroviária de Sernada do Vouga e a reabilitação estrutural e protecção anticorrosiva da Ponte do Águeda, intervenções no montante de três milhões de euros.

Actualmente está a ser executada a empreitada de renovação do troço entre Vila da Feira e Oliveira de Azeméis – adjudicada à empresa Steconfer, sendo a fiscalização assegurada por recursos internos da IP – envolvendo um investimento total de 3,5 milhões de euros (2,2 milhões de euros do valor da empreitada aos quais acresce 1,3 milhões de euros relativos a materiais).

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis recebe mais 15 M€

O Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis, foi reforçado em 15 milhões de euros. O programa tem agora uma dotação de 60M€, o dobro desde que foi criado em Junho de 2021

CONSTRUIR

O referido programa abriu a 21 de Junho de 2021 na plataforma do Fundo Ambiental com uma dotação inicial de 30 milhões de euros, provenientes do Plano de Recuperação e Resiliência. Esta verba foi reforçada a 26 de Novembro com outros 15 milhões. O Plano de Recuperação e Resiliência conta com um total de 135 milhões de euros para aplicar, até 2025, na eficiência energética dos edifícios.

O montante já financiado corresponde ao apoio a 16.148 candidaturas, o que envolve um apoio global de 26,8 milhões de euros, de um total de 56.552 candidaturas submetidas.

As tipologias que reúnem mais candidaturas são as referentes a painéis fotovoltaicos (38,5%), janelas mais eficientes (34,5%) e bombas de calor (27%). Por regiões, Lisboa lidera as candidaturas (22,3%), seguida do Porto (11,7%), Setúbal (9%) e Braga (9%).

Publicidade


Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector da construção, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias da Construção em Portugal. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.