Edição digital
Assine já
Empresas

Portugal vai ter guia de licenciamento para energias renováveis

A iniciativa é da APREN com a colaboração da APA e da DGEG e pretende simplificar e clarificar o processo de licenciamento de projectos renováveis. O arranque do projecto foi celebrado devido ao anúncio da estratégia da Comissão Europeia REPowerEU

CONSTRUIR
Empresas

Portugal vai ter guia de licenciamento para energias renováveis

A iniciativa é da APREN com a colaboração da APA e da DGEG e pretende simplificar e clarificar o processo de licenciamento de projectos renováveis. O arranque do projecto foi celebrado devido ao anúncio da estratégia da Comissão Europeia REPowerEU

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Aeroporto: António Costa anula novo plano
Construção
Remax Collection comercializa Belas Clube de Campo
Imobiliário
Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros
Empresas
Arranque da empreitada de Modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha
Engenharia
Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra
Empresas
Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort
Empresas
Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award
Empresas
Vanguard Properties investe mais de 25 M€ em unidade industrial de construção sustentável
Construção
Designer Outlet Algarve classificado como melhor Outlet em Portugal
Imobiliário
Os custos energéticos e a descarbonização da indústria em destaque no Ceramic Tech Days
Empresas

A APREN – Associação Portuguesa de Energias Renováveis está a preparar um guia de licenciamento de projectos de energias renováveis em colaboração com as duas entidades públicas que gerem e são responsáveis por estes processos – a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG).

O documento, que está a ser desenvolvido com o apoio da consultora BioInsight, pretende tornar claras todas as etapas do processo de licenciamento de projectos renováveis, de forma a tornar os procedimentos mais simples e expeditos.

A elaboração do guia ganhou especial relevância após o anúncio da estratégia da Comissão Europeia REPowerEU, que coloca as renováveis no centro de um plano de segurança energético europeu, impulsionado pela necessidade de assegurar a independência energética e segurança de abastecimento. A meta de consumo final de energia a partir de fontes renováveis passará dos actuais 40% para os 45%.

A nova estratégia prevê que os projectos renováveis sejam considerados de interesse público, que sejam estabelecidas zonas preferenciais para a sua instalação e que sejam aprovados por deferimento tácito.

Pedro Amaral Jorge, presidente da direcção da APREN sublinhou a importância de dimensionar de forma adequada as entidades responsáveis pelo licenciamento para que seja possível cumprir as metas. O responsável falou no encontro promovido para assinalar a iniciativa de elaboração do guia.

“As renováveis neste momento não servem só para dar resposta às questões de sustentabilidade ambiental. Falamos de segurança de abastecimento, independência energética e competitividade económica do país”, vincou.
Pedro Amaral Jorge defende um aumento de capilaridade dos pontos de ligação à rede eléctrica de forma a acolher a expansão que é necessária. O Presidente da Direção da APREN já pediu uma audiência com o Ministro das Finanças para demostrar as vantagens da aceleração das renováveis no desenvolvimento da economia, receita fiscal, crescimento do PIB e aumento do emprego.

“Não faz sentido aplicar regras de controlo orçamental cegas numa área que permitirá: potenciar o desenvolvimento socioeconómico do país com crescimento da contribuição para o PIB, aumentar a receita fiscal, gerar mais de 200.000 empregos”, sublinhou.

Na discussão participaram ainda Maria José Espírito Santo, subdiretora da DGEG, e Nuno Lacasta, presidente da APA.
Para Maria José Espírito Santo, além do guia, que será uma ferramenta indispensável, será necessário apostar na sensibilização e informação junto dos municípios, para que Portugal consiga alcançar as metas a que está vinculado.

“Alguns municípios estão a funcionar como um entrave a muitos processos, não só por falta de resposta atempada, mas também, muitas vezes, por falta de conhecimento. É preciso perceber que este é um desafio nacional e não o objectivo de determinada empresa. Temos que trabalhar todos em conjunto para cumprir esse desígnio”, alertou.

O projecto de elaboração do guia de licenciamento teve início em marco com a constituição de uma comissão técnica de acompanhamento que integra elementos da APREN, APA e DGEG. O guia será dedicado, numa primeira fase, a projectos renováveis onshore de energia eólica, solar e hídrica, mas a ambição é que possa ser alargado a outras tipologias, como explicou a Coordenadora de Políticas e Inteligência de Mercado da APREN, Susana Serôdio.

A estrutura do guia está definida e já está a ser desenvolvido conteúdo. Serão realizadas, entretanto, sessões colaborativas, nomeadamente com associados da APREN e outras entidades, para recolha de contributos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Aeroporto: António Costa anula novo plano
Construção
Remax Collection comercializa Belas Clube de Campo
Imobiliário
Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros
Empresas
Arranque da empreitada de Modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha
Engenharia
Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra
Empresas
Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort
Empresas
Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award
Empresas
Vanguard Properties investe mais de 25 M€ em unidade industrial de construção sustentável
Construção
Designer Outlet Algarve classificado como melhor Outlet em Portugal
Imobiliário
Os custos energéticos e a descarbonização da indústria em destaque no Ceramic Tech Days
Empresas
Empresas

Schneider Electric lança Programa Global de Reconhecimento de Parceiros

O Schneider Electric Sustainability Impact Awards visa “reconhecer o papel fundamental que os parceiros da empresa desempenham na criação de um mundo eléctrico mais resiliente e sustentável”. As candidaturas serão oficialmente aceites a partir de sexta-feira, dia 1 de Julho e terminam a 25 de Novembro de 2022

CONSTRUIR

A Schneider Electric lançou a primeira iniciativa do programa Partnering for Sustainability. O Schneider Electric Sustainability Impact Awards visa “reconhecer o papel fundamental que os parceiros da empresa desempenham na criação de um mundo eléctrico mais resiliente e sustentável”. As candidaturas serão oficialmente aceites a partir de sexta-feira, dia 1 de Julho e terminam a 25 de Novembro de 2022. Todas as nomeações e candidaturas serão pré-seleccionadas para os Prémios Regionais, antes de se avançar para o Prémio Global. O vencedor final será anunciado em Janeiro de 2023.

“Estamos todos na mesma missão – acelerar o caminho para as emissões líquidas zero. Na Schneider Electric queremos reconhecer quem está a implementar mudanças positivas nas suas operações corporativas. Os parceiros que se distinguem neste aspecto estabelecem um precedente para outros seguirem,” comentou Rohan Kelkar, Executive vice president of Power Products da Schneider Electric.

O programa Partnering for Sustainability é uma extensão das iniciativas da Schneider Electric para capacitar o seu vasto ecossistema de parceiros a avançar em direcção a um futuro mais sustentável. O projecto inclui educação e formação abrangentes, um portefólio de produtos simplificado, um ecossistema de suporte aberto e colaborativo e acesso a conhecimentos e recursos sobre transformação digital. Concebido para ajudar os parceiros a tornar-se mais sustentáveis nas suas próprias práticas e a apoiarem os seus clientes no caminho para as emissões líquidas zero, o programa oferece quatro passos fáceis que os parceiros podem seguir para preparar as suas empresas para o futuro.

O Programa vai distinguir os parceiros em duas categorias, nomeadamente, Sustainability: Impact for my company (Sustentabilidade: Impacto para a minha empresa), para parceiros que demonstram liderança em sustentabilidade na descarbonização das suas operações e Sustainability and Efficiency: Impact for customers (Sustentabilidade e Eficiência: Impacto para os clientes), para parceiros que demonstram liderança em sustentabilidade ao ajudar os clientes a atingir os seus objetivos de descarbonização.

As inscrições serão avaliadas, considerando como os parceiros estão a tirar partido de soluções digitais de energia e de automação para electrificar as operações, reduzir o abastecimento de energia, aumentar a eficiência operacional e incorporar a circularidade ao longo da cadeia de valor.

Os prémios estão abertos a todas as organizações em todo o Mundo que trabalham com a Schneider Electric para possibilitar a eficiência e a sustentabilidade.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Architect Your Home dá masterclass em Inglaterra

O Architect Your Home (AYH), marcou presença no Homebuilding and Renovating Show em Surrey (Inglaterra), com um stand próprio e como orador nas masterclasses do evento

CONSTRUIR

O Home Building and Renovation Show é um evento de destaque para arquitectos, decoradores e fornecedores da área da construção, que visa dar a conhecer as boas práticas do sector, ideias inovadoras e tendências da arquitectura, decoração e reabilitação.

Mariana Morgado Pedroso, Diretora Geral do AYH em Portugal e “Expert Advisor” do evento, conduziu a Masterclass: Interior Design Inspiration for the Ultimate Master Bedroom. “É um prazer voltar a este evento, após este intervalo devido à pandemia. Demos o nosso contributo para apresentar as tendências na área dos interiores em 2022, focando na questão da master suite. E é também muito interessante ver a dinâmica do mercado britânico, tão activo na área da reabilitação residencial e com um público interessado e participativo nestes eventos”, sublinhou Maria Morgado Pedroso.

Em cada edição o evento recebe milhares de participantes, de todo o mundo, entre marcas e profissionais, todos sob o mesmo tecto, disponíveis para aconselhamento personalizado e individualizado, que pode ir desde os materiais a usar até à gestão de orçamentos. Durante os dois dias do evento, foram promovidos múltiplos seminários, todos dirigidos por profissionais experientes, que têm sempre sala cheia e muita interacção com o público.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Laskasas decora Praia do Canal Nature Resort

A Laskasas foi responsável pela decoração do Praia do Canal Nature Resort, uma nova unidade hoteleira localizada na Costa Vicentina

CONSTRUIR

Localizado no coração da Costa Vicentina, o Praia do Canal Nature Resort disponibiliza mais de 50 quartos e espaços comuns, que reflectem a natureza no seu estado mais puro, com cores quentes que atravessam todo o ano. O minimal design marca cada um dos recantos do hotel, onde cada peça foi pensada, ao pormenor, para o local onde se encontra, marcando a diferente não só pelo seu desenho, mas pelos diferentes materiais utilizados como as madeiras e as suas diferentes texturas.

“A principal preocupação foi a criação de um espaço onde a natureza serve de inspiração e é, simultaneamente, parte integrante de toda a decoração. Era importante que o hotel integrasse todos os elementos. Todo o projecto foi pensado para que o conforto e a elegância estivessem presentes, não apenas nos meses mais quentes, mas durante todo o ano”, refere Constança de Castro Fernandes, arquitecta responsável do projecto.

Celso Lascasas, CEO do grupo Laskasas, afirma que “sermos convidados para fazer parte de um projecto português é, para nós, enquanto empresa totalmente nacional, um orgulho. Trata-se não só de impulsionar outros negócios, mas sobretudo projectos que têm em si um conjunto de características incontornáveis para vingar no mercado. O Praia do Canal Nature Resort é um cartão de boas-vindas para uma das zonas mais bonitas de Portugal, permitindo a todos aqueles que o visitem descobrir um novo recanto a cada dia, seja através do nosso mobiliário e do seu conforto, como dos diferentes espaços do hotel”.

O Praia do Canal Nature Resort integra 25 quartos deluxe, 25 junior suites, 1 junior suite com rooftop, 2 suites familiares e uma grand suite – todas elas equipadas com varandas, terraços ou até áreas de jardim privadas. Há ainda dois restaurantes – o Azeitona e Zimbro – onde se podem degustar algumas das iguarias tradicionais da cozinha alentejana reinventadas, e um bar – Medronho – perfeito para um cocktail ao final da tarde acompanhado de um pôr-do-sol inesquecível.

O Esteva Spa & Fitness Room oferece ainda um conjunto de tratamentos corporais e faciais, com produtos naturais da região. Um conjunto de experiências, como picnics, lições de cozinha com o Chef do restaurante ou até aulas de surf nas eternas praias da Costa Alentejana podem ser igualmente solicitadas pelos hóspedes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Simon 270 obtém a certificação Cradle to Cradle e ganha um Product Design IF Award

O lançamento mais recente da Simon, tanto a série quanto a sua respectiva embalagem, ambas recebem o certificado Cradle to Cradle no nível bronze. A sua simplicidade, acessibilidade e sensibilidade, valeram-lhe um IF Award na categoria Building Technology

CONSTRUIR

A certificação Cradle to Cradle concedida pelo Cradle to Cradle Products Innovation Institute, representa a verificação independente da sustentabilidade da série Simon 270 em 5 categorias críticas: a Saúde dos materiais utilizados, a Circularidade da série, Ar limpo e protecção do clima, Utilização da água e do solo, bem como Justiça social.

Este certificado reconhece as opções a branco e preto da série, incluindo os espelhos, o mecanismo e a tomada disponíveis de 1 a 5 módulos, e também se estende à nova proposta de embalagem sustentável da Simon, que se baseia na oferta de uma solução realista, que destaque o material e, em última análise, uma embalagem mais honesta com o produto e a sustentabilidade.

O Cradle to Cradle pretende ser um guia para transformar o compromisso com a sustentabilidade em ‘acção’, pois oferece um quadro de referência das melhores práticas a seguir na concepção e fabrico de produtos, para além de fomentar a colaboração e a inovação em toda a cadeia de valor. Tudo isto, para que os produtos criados possibilitem um amanhã saudável, igualitário e sustentável.

Por outro lado, a série Simon 270 foi premiada na categoria Building Technology com um IF Award pelo IF International Forum Design. Esta série, que foi concebida com o lema “Para melhorar, simplifica” traz consigo todo um conceito em relação à importância de chegar ao essencial, retirando o acessório e preservando apenas o essencial, permitindo a simplificação das instalações para “democratizar” a tecnologia.
Simplificar também significa minimizar o impacto sobre o ambiente. É por isso que o plástico foi eliminado de todas as embalagens da colecção Simon 270. Pela primeira vez, são impressas com menos tintas, uma vez que apresenta pequenos detalhes em azul, evitando, assim, uma impressão monocromática total. Além disso, são fabricadas com materiais 100% reciclados. Um novo conceito, mais simplificado e que respeita o planeta que mereceu já, na edição anterior, um IF Design Award na categoria de embalagens.

O design desta série apresenta duas estéticas: a Mínima, com uma tecla estreita e essência minimalista; e a Icon, com uma tecla larga tradicional. Os interruptores desta série, com um design neutro e discreto, são 100% accionáveis, o que significa que voltam sempre à sua posição original, garantindo, assim, uma total harmonia. Contam com uma tecla elegante de superfície lisa, que procura a mínima intrusão e a máxima funcionalidade, e que se integra perfeitamente com o espelho da parede. Além disso, as suas tomadas Clean Schuko foram completamente reinventadas, incorporando uma superfície plana nivelada com a parede que permite a sua total integração e que se mantém sempre limpa.

O reconhecimento do design desta série também se deve à gama cromática que oferece e à selecção de 8 acabamentos, concebidos para se adequarem a qualquer estilo. Integra-se perfeitamente com todos os tipos de materiais, mobiliário e complementos decorativos. O design da série Simon 270 não se presta apenas a oferecer soluções estéticas, mas trata-se também de uma série de conectores em que os mecanismos incorporam tecnologia Wi-Fi para digitalizar qualquer casa sem instalação adicional.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Os custos energéticos e a descarbonização da indústria em destaque no Ceramic Tech Days

Evento promovido pelo Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (CTCV) acontece nos próximos dias 6 e 7 de julho, no Your Hotel & Spa, em Alcobaça

CONSTRUIR

O Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (CTCV) promove, nos próximos dias 6 e 7 de Julho, no Your Hotel & Spa, em Alcobaça, a primeira edição do Ceramic Tech Days. Um evento que terá como foco temas que condicionam a recuperação e crescimento da indústria do sector, tais como “o aumento dos custos energéticos em contexto de descarbonização e a escassez de matérias-primas e recursos humanos”.

Entre os oradores destaca-se a presença de Isabel Apolinário, directora de Tarifas e Preços de Energia da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), que apresentará o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia, que promove pela primeira vez, além das medidas de eficiência no consumo de electricidade, também medidas de gás natural, num contexto de um sistema energético integrado, que contribuirá para as metas definidas no Plano Nacional de Energia e Clima 2020-2030 (PNEC 2030), o principal instrumento de política energética e climática para a década 2021-2030.

O Ceramic Tech Days integra ainda durante os dois dias, uma Mostra de Tecnologia que pretende apresentar e dar a conhecer as inovações tecnológicas e as tendências de novos modelos de fabrico, automação, decoração de peças cerâmicas ou caracterização de materiais. Haverá também um espaço dedicado a projectos de I&D em produtos ou processos cerâmicos e a promoção de ecossistemas empreendedores na inovação e criação de valor na indústria.

Jorge Marques dos Santos, presidente do Conselho de Administração do CTCV, destaca a importância do evento “num período marcado por uma profunda crise económica e pela aceleração de tendências que irá determinar aquilo que será a retoma económica, as empresas do sector da cerâmica continuam a mostrar a sua resiliência, capacidade de adaptação e reinvenção”, refere.

O Ceramic Tech Days conta com o apoio da APICER, da Câmara Municipal de Alcobaça e de vários parceiros tecnológicos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Fóruns bilaterais com o Quénia e a Nigéria reforçam agenda africana

Esta semana terão lugar dois fóruns de negócio dedicados a duas economias africanas. Quénia, a 29 de Junho, e Nigéria, a 30 de Junho trarão África para a agenda empresarial portuguesa

CONSTRUIR

O primeiro destes dois encontros realiza-se a 29 de Junho, em Lisboa. O Fórum Económico Portugal-Quénia realiza-se no âmbito da visita a Portugal do Presidente do Quénia e é uma organização conjunta do governo deste país e da AICEP. O evento juntará no Picadeiro Real (antigo Museu dos Coches) representantes institucionais e empresariais dos dois países e pretende ser um espaço de debate de formas de colaboração, com foco em áreas temáticas em que as competências de Portugal e Quénia se possam complementar no sentido da criação ou reforço de parcerias, com destaque para o Ambiente, Infraestruturas e Economia do Mar.

A economia do Quénia é a terceira maior da África Subsaariana e uma das mais diversificadas do continente africano.
O encerramento do encontro será feito pelo Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo seu homólogo queniano, Uhuru Kenyatta.

Um dia depois, a 30 de Junho, o Centro de Congressos de Lisboa irá receber o segundo Fórum Economico Bilateral Portugal, Nigéria. O evento conta com a presença de representantes institucionais e empresariais dos dois países. A Nigéria é a maior economia da África Subsaariana e um dos principais exortadores de petróleo do continente. Os hidrocarbonetos do país geram cerca de 50% da receita do Governo e são responsáveis por mais 80% das receitas de exportação, mas a agricultura e os serviços superam a indústria dos combustíveis para a formação da riqueza nacional.

A sessão de encerramento contará, do lado de Portugal, com a presença de António Costa e Silva, responsável pela pasta da Economia e do Mar e do presidente nigeriano, Muhammadu Buhari.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

“Estudos mostram o excelente desempenho térmico do betão de cânhamo”

“O uso de betão leve de cânhamo industrial (cal com aparas de cânhamo industrial e fibras de celulose), seleccionado pelo excelente conforto térmico e acústico que proporciona, tem uma forte presença na casa, mantendo-se à vista em algumas paredes e no revestimento do tecto”

Cidália Lopes

Actualmente professora do departamento de Engenharia Civil e membro do Centro de Território e Ambiente Construído da Universidade do Minho, foi em 2006 com a dissertação do mestrado que Rute Eiras estudou, pela primeira vez, o betão de cânhamo, também conhecido como “hempcrete”, naquela que “terá sido a primeira dissertação portuguesa a abordar o uso do cânhamo na construção”. À boleia de um maior interesse por materiais sustentáveis, também o interesse pelo cânhamo tem crescido. Neste sentido, Rute Eiras considera ser “a altura ideal” para dar um passo na transformação e passar a produzir este material também em Portugal.
A falta de apoio tem sido o principal entrave para o crescimento da indústria do cânhamo em Portugal.

“Todo o processo de separação da fibra do caule, sendo este último o utilizado no betão do cânhamo, requer muito investimento financeiro”, explica Rute Eires. O maior interesse neste material construtivo surge associado a um maior procura por materiais sustentáveis e, também, graças ao enquadramento que temos sobre as alterações climáticas que levou a uma mudança de mentalidade a nível global. Neste sentido, a arquitecta considera ser a “altura certa para concretizar o passo que falta na transformação e começar a ter cânhamo produzido em Portugal para ser utilizado na construção” e, desta forma, “tornar a matéria-prima um custo mais acessível e mais sustentável ainda”.

Não obstante, já é possível adquirir misturas de cânhamo para usar directamente em obra e também já existem blocos de betão de cânhamo produzidos em Portugal, ainda que com cânhamo importado nesta primeira fase.

Sustentável e Isolante
Tendo como principal vantagem a sustentabilidade, sobretudo se for produzido em Portugal, trata-se de um material “bastante isolante em termos térmicos e acústicos e tem que a capacidade de controlar a humidade do ambiente interior”. “Além disso, o betão de cânhamo capta dióxido de carbono e compostos poluentes do ar. Como tal, proporciona um ambiente saudável, confortável e reduz os gastos com aquecimento e arrefecimento.”, reforça Rute Eires.

Enquanto solução construtiva, esta apresenta-se, também, como opção relativamente fácil, já que “apenas precisa de reboco pelo lado exterior, sendo opcional, ter ou não revestimento pelo lado interior e não precisa de nenhum material de isolamento extra para cumprir o regulamento térmico, com apenas 20 cm de espessura mínima”.

Segundo alguns estudos, o cânhamo já foi aplicado na construção desde há cerca de 800 a.C. em argamassas em Ellora Caves, na India, também há referência ao seu uso numa ponte em França no Séc. VI. Hoje em dia, este material é utilizado em diversos edifícios contemporâneos e em reabilitações, em paredes, pisos e coberturas. É aplicado de diversas maneiras, compactado no local, em blocos ou projetado. Todavia, já existem estudos que mostram o excelente desempenho térmico do betão de cânhamo comparativamente à solução mais corrente de construção, a alvenaria de tijolo cerâmico, verificando-se, por exemplo, que durante o Inverno a temperatura dentro do edifício está 4◦C a 6◦C mais quente.

O bom desempenho do betão de cânhamo deve-se ao seu comportamento higrotérmico, ou seja, consegue regular a humidade e a temperatura do ambiente interior, tal como na construção em terra, mas com o cânhamo tem-se vantagem de se poder construir paredes com menor espessura.

O projecto da Casa-Moinho
A recuperação de uma casa-moinho, provavelmente da era medieval ou da idade moderna, cuja habitação no piso superior terá sido construída em 1928 e se encontrava em estado de degradação, foi um dos projectos em que utilizámos betão de cânhamo. O conceito de projecto foi de manter um compromisso entre o antigo e o contemporâneo, tanto nas técnicas de construção como nos detalhes de arquitectura. A opção pelo uso de materiais naturais e tecnologias de construção baseadas nas técnicas tradicionais tiveram influência na arquitectura, tendo sido considerados desde o início do projecto.

Deste modo, foi possível construir com paredes de espessura reduzida, mas mantendo um bom desempenho. A estrutura de madeira e taipa de fasquio continuam presentes, mas de uma forma mais contemporânea. O uso de betão leve de cânhamo industrial (cal com aparas de cânhamo industrial e fibras de celulose), seleccionado pelo excelente conforto térmico e acústico que proporciona, tem uma forte presença na casa, mantendo-se à vista em algumas paredes e no revestimento do tecto.

Sobre o autorCidália Lopes

Cidália Lopes

Jornalista
Mais artigos
Empresas

Epiroc antecipa presença na Bauma 2022

Epiroc marcará presença na Bauma 2022. Já na sua 33ª edição a feira terá em destaque os temas da automação, digitalização e o desenvolvimento da produtividade impulsionada por dados

CONSTRUIR

A Epiroc marcará presença na Bauma 2022. A 33ª edição da feira mundial de máquinas de construção, máquinas para materiais de construção, máquinas de mineração, veículos de construção e equipamentos de construção realiza-se em Outubro, em Munique. Um certame que terá em destaque os temas da automação, digitalização e o desenvolvimento da produtividade impulsionada por dados. Temas que estão a transformar todo o sector da construção, desde a escavação de túneis e infraestruturas, até à demolição e gestão de resíduos.

O grupo, com sede em Estocolmo, na Suécia, desenvolve e fornece equipamentos inovadores, onde se incluem equipamentos de perfuração, escavação de rocha e acessórios para construção para aplicações de superfície e subterrâneas, emprega hoje cerca 14 000 funcionários, espalhados por cerca de centena e meia de mercados, com especial destaque para as indústrias mineiras e de infraestruturas. “As novas tecnologias são essenciais para ajudar os nossos clientes a manterem-se competitivos. O nosso objectivo é oferecer equipamento, software e serviços inovadores e garantir que os nossos clientes obtenham o máximo benefício da evolução digital em curso”, refere o grupo em comunicado.

Entre as várias novidades tecnológicas, a Epiroc levará a Munique a sua nova gama de fresadoras em forma de V, cujo lançamento decorreu em Abril último. A fresadora em V é uma nova forma de trabalhar com rochas, paredes de betão e saneamentos de superfícies, valas, escavação de rochas macias, escavação de solos congelados e demolição. Uma solução com patente pendente, que foi rigorosamente testada em todas estas aplicações.

“A montagem dos tambores numa forma em V permite um corte com uma base plana e nenhum material é intocável entre os tambores. Uma fresadora regular tem de deslocar-se lateralmente para criar uma vala uniforme, uma abordagem que causa desgaste adicional no braço da máquina portadora, a fresadora em V pode atingir o mesmo resultado seguindo a direito. Isto significa que o utilizador pode escavar uma vala mais precisa muito mais rapidamente. Basicamente, funciona como um balde, o que facilita a sua utilização, é mais amiga da máquina portadora e são necessários menos energia e tempo. Uma solução aparentemente simples com uma eficácia extraordinária, a fresadora em V permite poupanças de energia de até 40%, explica a Epiroc. Na Bauma, a empresa irá apresentar a mais recente adição à gama de fresadoras V – um modelo mais pequeno adequado para máquinas portadoras de 15-28 toneladas.

Sustentabilidade no seio da indústria
O tema da sustentabilidade marcará presença não só pela preocupação em desenvolver tecnologia mais eficiente e que exige menor consumo de energia, mais precisa, que reduz o impacto no meio ambiente, mas também menos poluente. É o caso da massa de lubrificação Bio da Epiroc que foi recentemente aprovada pela Comissão Europeia para utilização em aplicações ambientalmente sensíveis ao abrigo do certificado DE/027/243.

“Como parte do objectivo de protecção do ambiente, todos os novos martelos demolidores hidráulicos da Epiroc são agora fornecidos com a massa de lubrificação Bio da Epiroc.

Utilizada para lubrificar os casquilhos nos martelos demolidores hidráulicos, a massa de lubrificação Bio da Epiroc é produzida à base de ésteres sintéticos especiais que são facilmente biodegradáveis e desenvolvidos para os martelos demolidores hidráulicos. A massa ajuda a prevenir o desgaste dos casquilhos e prolonga a vida útil da ferramenta. A massa possui características de transporte de carga elevadas com uma capacidade de separação muito boa e oferece um excelente desempenho num amplo intervalo de temperaturas”, refere a Epiroc.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Novas sanitas Roca aliam tecnologia e sustentabilidade

Desde o design vintage ao moderno, a Roca oferece a opção de sanita com bidé integrado, uma solução dois-em-um desenhada para poupar água e com acabamentos totalmente personalizados

CONSTRUIR

Numa casa nenhum pormenor é escolhido ao acaso, e o espaço de banho não é exceção à regra. A InTank é a primeira sanita da Roca com tanque integrado. Uma proposta inovadora que permite poupar entre 10 e 20cm no espaço de banho, e cuja tecnologia inovadora Soft Air activa a descarga impulsionando a água para cima, de forma silenciosa e eficaz.

Sanita com bidé incorporado
São as funções de lavar e secar totalmente personalizáveis que caracterizam a smart toilet In-Wash, uma sanita com bidé incorporado que proporciona uma experiência de higiene completa. Disponível nas versões suspensa e de chão, ou no modelo In-Wash In-Tank para ganhar ainda mais espaço.

Formas minimalistas em vários acabamentos
Os contornos e as cores entrelaçam-se nas propostas da colecção Inspira, que, além dos formatos Round e Square, oferece agora a possibilidade de personalizar os produtos com até seis cores diferentes.

Um toque retro no espaço de banho
O design vintage faz da colecção Carmen uma opção exclusiva. A colecção Carmen combina elementos clássicos, como o manípulo lateral para activar a descarga, com pormenores modernos, como a possibilidade de escolher uma sanita em acabamento na cor preta.

Sustentabilidade e design compacto

Tecnologia e design ao serviço da poupança de água é a chave do conceito W+W , uma solução dois em um exclusiva, em que a água utilizada no lavatório é reaproveitada na descarga para a sanita. Uma ideia sustentável com um design compacto que optimiza o espaço de banho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Colt reforça investimento em Portugal e espera chegar aos 140 colaboradores no final do ano

A empresa pondera novos investimentos em novas rotas e ligações nas zonas de amarração dos cabos submarino, em particular em Sines. Para já, prossegue a sua estratégia de crescimento ligando 8 parques industriais em Lisboa, Porto, Oeiras, Sintra, Vila Nova de Gaia e Maia

CONSTRUIR

(na imagem: Carlos Jesus, Country Manager da Colt Portugal e VP Global Service Delivery da Colt)

A celebrar 20 anos de presença no mercado nacional, a Colt vai continuar a reforçar o investimento em Portugal e contratar mais pessoas. A empresa tem feito investimentos significativos no país, quer em infraestruturas e rede para ajudar as empresas portuguesas a concretizarem os seus processos de transformação digital e internacionalização dos seus negócios, quer em pessoas. Neste sentido, está em marcha uma campanha de recrutamento para reforçar a equipa e permitir que a subsidiária portuguesa chegue ao fim do ano com 140 colaboradores.

O reforço do investimento da Colt em Portugal tem em conta a posição estratégica do país no contexto da expansão da conectividade entre a Europa, a América Latina, a América do Norte, a África e a Ásia, quer através da ampliação das rotas da sua rede terrestre, quer do potencial disponibilizado pelos cabos submarinos que aterram em Sines, Sesimbra, Seixal, Lisboa e Carcavelos.

Com 2 Redes de área Metropolitana (MAN – Lisboa e Porto) em Portugal, 830 km de rede de fibra ótica,1.700km adicionais de rede de longa distância através da sua IQ Network, ligando mais de 777 edifícios, 12 centros de dados, a Colt prossegue a sua estratégia de crescimento em Portugal ligando mais oito parques industriais em Lisboa, Porto, Oeiras, Sintra, Vila Nova de Gaia e Maia. A empresa está também a avaliar neste momento a possibilidade de realizar novos investimentos na criação de mais rotas entre Portugal e Espanha, assim como de novas ligações em Portugal, nomeadamente em Sines e nas restantes zonas de amarração dos cabos submarinos.
A aceleração da transformação digital e o aumento do trabalho remoto provocados pela pandemia, bem como a emergência dos novos modelos de trabalho híbrido no pós-pandemia e as mudanças decorrentes da guerra na Ucrânia, transformaram os serviços de rede num factor ainda mais crítico para o funcionamento diário das empresas em todo o mundo. Entre as tecnologias que garantem o funcionamento destes serviços destacam-se os cabos submarinos que ligam continentes e países e que já são responsáveis por 99% do tráfego global.

“Os cabos submarinos são a espinha dorsal da infraestrutura global de comunicações. Actualmente existem mais de 400 cabos submarinos em serviço em todo o mundo e até 2025 serão 445. Portugal detém uma posição única no contexto do desenvolvimento das comunicações a nível mundial: beneficia de uma posição geográfica estratégica com os seus 5 centros de amarração (Sines, Sesimbra, Seixal, Lisboa e Carcavelos) de cabos submarinos que ligam a Europa à África e às Américas, e possui inúmeras rotas de comunicações terrestres que permitem e potenciam as ligações da Península Ibérica ao Norte da Europa. Temos, por isso, um papel fulcral a desempenhar na diversificação da conectividade e no que diz respeito a evitar a saturação das redes. Além disso, o nosso país é uma verdadeira porta de entrada para a Europa, uma via direta de acesso das empresas de todo o mundo a um mercado de mais de 750 milhões de potenciais consumidores.” afirma Carlos Jesus, Country Manager da Colt Portugal e VP Global Service Delivery da Colt.

A capacidade de Portugal no que toca aos cabos submarinos que ligam a Europa à África e às Américas irá aumentar significativamente nos próximos anos. Ao novo Ellalink já em funcionamento, irão juntar-se mais 3 novos cabos: o Equiano da Google, o 2Africa do Facebook e o Medusa da AFR-IX. O que, segundo aquele responsável da Colt, “representa um importante reforço do poder do hub de conectividade português. Acresce que nos últimos anos em Portugal os investimentos em infraestrutura de banda larga e na transformação digital têm sido muito intensos e a economia digital nos últimos 10 anos registou uma evolução sem precedentes. Factores que se conjugam para estarmos perante uma oportunidade única para fomentarmos o investimento em centros de dados, serviços de cloud e de edge computing – as tecnologias do futuro, em Portugal. A Colt está atenta a esta evolução e a equacionar a possibilidade de fazer novos investimentos nas zonas de amarração portuguesas”.

Visando fortalecer a sua presença em Portugal e na Península Ibérica, bem como ampliar o poder do seu hub de conectividade português à escala mundial, a Colt fez no ano passado investimentos muito importantes na sua rede de comunicações reforçando-a com mais 600kms adicionais de fibra entre Portugal e Madrid, com a criação de novas ligações entre Madrid, Paris, Toulouse e Marselha (+ 2400km), que potenciaram uma ligação directa entre Lisboa/Porto/Bilbao/ e entre Lisboa/Madrid/Toulouse/Marselha através dos Pirenéus. A capacidade das ligações com o Norte da Europa e destas com os EUA foi novamente potenciada este ano com a implementação de um novo PoP no Data Center BX1 da Equinix em Bordéus. Uma ligação vital no contexto da instalação do novo cabo transatlântico de fibra óptica de nova geração, o “AMITIE” – uma nova porta de entrada para o tráfego de dados entre os EUA e a Europa.

A Colt escolheu também a ligação Lisboa/Madrid para implementar, pela primeira vez, uma tecnologia única da Ciena, que duplica a capacidade de transmissão dos dados na rede de fibra óptica. O que vem sublinhar a importância que a empresa atribui às suas operações na Península Ibérica, nomeadamente em Portugal. “Esta decisão é ainda mais relevante se tivermos em conta que a Colt foi o primeiro operador do mundo a implementar a tecnologia 800 G na banda L da rede terrestre, utilizando o controlador de domínio Reconfigurable Line System (RLS) da Ciena, e o Manage, Control and Plan (MCP) da Ciena na sua rede ótica, e o primeiro fornecedor de telecomunicações a oferecer serviços 100G/400G Wave, devidamente comprovados, utilizando tecnologia coerente e líder de mercado nas duas bandas C+L,” conclui Carlos Jesus.

Chegar aos 140 colaboradores até ao final do ano
Para responder ao aumento da procura que a empresa está a registar tanto em Portugal, como no resto do mundo, a subsidiária portuguesa prossegue com a sua estratégia de contratação de mais talentos em Portugal, de modo a chegar aos 140 colaboradores até ao final 2022. O reforço das equipas no nosso país tem como objectivo aumentar a capacidade de resposta da empresa face às necessidades crescentes dos clientes nacionais e internacionais, e que decorrem do incremento da mão-de-obra remota e da procura acrescida por soluções mais duradouras, resilientes, seguras, elásticas e preformantes.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.