Edição digital
Assine já
Empresas

Geberit actualiza sistema de tubagens multicamada Mepla

O Geberit Mepla combina as vantagens das tubagens de plástico e as de metal, assim como a instalação fácil e segura para o abastecimento de água

CONSTRUIR
Empresas

Geberit actualiza sistema de tubagens multicamada Mepla

O Geberit Mepla combina as vantagens das tubagens de plástico e as de metal, assim como a instalação fácil e segura para o abastecimento de água

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Construção e habitação com “crescimento significativo”
Construção
NextBITT acelera internacionalização com contrato de 5M€ com fundo gerido pela Explorer Investments
Empresas
Governo lança concurso para a construção de 58 novas unidades de saúde
Construção
“IPCEI Hy2Tech” mobiliza até 5,4 MM € de apoios europeus
Engenharia
Hidrogenio
Lisboa discute cooperativas de habitação
Imobiliário
EMOBICITY quer dinamizar a mobilidade eléctrica
Empresas
Portugal Smart Cities Summit regressa, de 11 a 13 de Outubro
Empresas
“É fundamental que os arquitectos voltem a aproximar-se dos centros de decisão”, alerta a presidente da OASRLVT
Arquitectura
Solyd arranca construção do Bloco A do Terraces Mirear com 70% já vendido
Imobiliário
RE/MAX Collection reforça carteira no grande porto
Imobiliário

A Geberit, especialista em louça sanitária e tecnologia para a casa de banho, tem vindo a desenvolver há quase 20 anos o seu sistema de tubagens multicamada Geberit Mepla que permite a instalação fiável, segura e rápida de água potável e sistemas de aquecimento. Agora, o sistema apresenta, ainda, mais variedade de diâmetros de tubagem (de 16 a 75 mm) e 300 acessórios (fabricados em PVDF e em bronze industrial) de união por compressão que facilitam todos os trabalhos de instalação.

Mais resistentes à corrosão e mais leves do que as tubagens de metal, mais estáveis e resistentes do que as tubagens de plástico, a Geberit Mepla combina as vantagens de ambos os tipos de tubagem. A camada de plástico exterior é fabricada em polietileno (PE-RT de segunda geração) e serve de protecção contra a corrosão e os danos mecânicos. A grossa camada central de alumínio, soldada longitudinalmente, consegue que a tubagem seja estável e flexível, ao mesmo tempo que reduz o grau de dilatação dos tubos e são necessários menos pontos de fixação do que com as tubagens de plástico. A camada interior, também fabricada em PE-RT de segunda geração, é resistente à corrosão e segura para uso alimentar. Tem uma rugosidade da superfície de apenas 0,7 μm, de modo que é mais difícil que o calcário e as películas biológicas adiram ao interior do tubo.

Graças à sua flexibilidade, as tubagens com as dimensões d16 e d20 podem curvar-se manualmente muito facilmente. Com uma máquina curvadora curvam-se os tubos de até d50. Por outro lado, o modelo dentado dos acessórios de união plásticos e os anéis de fixação dos acessórios metálicos permitem atingir uma elevada força de retenção dos acessórios na tubagem e evitam que estes saiam da tubagem durante a instalação. Desta forma, o sistema instala-se, alinha-se e comprime-se muito facilmente e poupa-se tempo e custos durante o processo de instalação.

A ligação dos tubos e dos acessórios faz-se por compressão sem casquilho, comprime-se directamente na tubagem, o que permite um controlo total da profundidade de inserção. Isto é possível graças à camada de alumínio do interior da tubagem e ao design inovador dos acessórios que garantem uma união fiável e duradoura. Além disso, assim que o sistema estiver pronto para a compressão, é possível verificar cada ligação imediatamente para garantir que cada tubagem está na posição correcta. O sistema é totalmente fiável dado que, durante os testes de estanquidade, os acessórios que não estão prensados apresentam fugas. Ou seja, o teste final de pressão só poderá realizar-se se se tiverem prensado correctamente todas as uniões, o que garante a estanquidade da instalação.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Construção e habitação com “crescimento significativo”
Construção
NextBITT acelera internacionalização com contrato de 5M€ com fundo gerido pela Explorer Investments
Empresas
Governo lança concurso para a construção de 58 novas unidades de saúde
Construção
Hidrogenio
“IPCEI Hy2Tech” mobiliza até 5,4 MM € de apoios europeus
Engenharia
Lisboa discute cooperativas de habitação
Imobiliário
EMOBICITY quer dinamizar a mobilidade eléctrica
Empresas
Portugal Smart Cities Summit regressa, de 11 a 13 de Outubro
Empresas
“É fundamental que os arquitectos voltem a aproximar-se dos centros de decisão”, alerta a presidente da OASRLVT
Arquitectura
Solyd arranca construção do Bloco A do Terraces Mirear com 70% já vendido
Imobiliário
RE/MAX Collection reforça carteira no grande porto
Imobiliário
Empresas

NextBITT acelera internacionalização com contrato de 5M€ com fundo gerido pela Explorer Investments

O investimento estratégico tem como principal objectivo reforçar a presença internacional da empresa, numa primeira fase para a Europa, e expandir o seu negócio, com especial foco na área de sustentabilidade

CONSTRUIR

A NextBITT, empresa portuguesa que se dedica ao desenvolvimento de plataformas de gestão e optimização de activos físicos, viu a sua estratégia de crescimento reconhecida com um contrato de 5 milhões de euros com um fundo gerido pela Explorer Investments. Esta operação terá como principal objectivo a internacionalização da NextBITT, numa primeira fase no mercado Europeu, através da criação e fixação de novos escritórios, com o foco no desenvolvimento e promoção da área de sustentabilidade enquanto oferta estratégica de valor acrescentado na gestão de activos físicos. A Explorer Investments é uma sociedade independente de gestão de fundos de Private Equity.


(na imagem: os sócios fundadores Miguel Salgueiro, André Calixto e Pedro Morais)

Este reforço da NextBITT irá permitir consolidar o investimento estratégico da empresa nas novas áreas e geografias de aposta, mantendo a autonomia da equipa de gestão, com os sócios fundadores Miguel Salgueiro, André Calixto e Pedro Morais. A empresa prevê reforçar a sua capacidade de investigação e desenvolvimento e reforçar a sua equipa, nacional e internacional, com profissionais de excelência.

“Com este investimento conseguiremos acelerar a nossa presença internacional e reforçar os serviços de Sistemas de Gestão Energética e Sistemas de Gestão Ambiental da plataforma NextBITT, através da expansão da equipa e de um reforço da aposta em Investigação e Desenvolvimento. A NextBITT aposta na sustentabilidade com o objectivo de ser considerada uma referência internacional nos próximos cinco anos.”, refere Miguel Salgueiro, Founder & Partner da NextBITT. “Nesse sentido, a parceria com a Explorer Investments surge naturalmente, pela visão partilhada sobre a relevância da tecnologia para uma estratégia bem-sucedida de sustentabilidade, suportada na optimização dos activos físicos.”

Por sua vez, António Rocha Silva, partner da área de Growth Capital da Explorer Investments, sublinha que “temos objectivos claros para os nossos investimentos, em projectos com elevado potencial de crescimento, resiliência e solidez do seu negócio, mas que sejam também projectados para os desafios do futuro. A aposta na criação de uma plataforma de excelência, já em utilização em diversos clientes de reconhecida exigência, a que se junta uma visão alicerçada na sustentabilidade, princípio que também partilhamos, e sustentada num forte investimento na área de investigação&desenvolvimento, estão na base de uma decisão que, esperamos, venha a permitir elevar a NextBITT ao próximo nível de crescimento e traduzir-se num investimento com elevada rentabilidade para os nossos investidores ”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

EMOBICITY quer dinamizar a mobilidade eléctrica

A primeira fase do projecto, que inclui cinco países europeus, termina em Julho com balanço positivo. A partir de Agosto, e durante os próximos 12 meses, o foco serão as infraestruturas de carregamento de veículos eléctricos

CONSTRUIR

Terminou a primeira fase de execução do projecto Interreg Europe EMOBICITY que decorreu entre Agosto de 2019 e Julho de 2022. O projecto tem como objectivo alavancar e providenciar planos de acção que, se integrados nas políticas públicas na área da mobilidade eléctrica, irão representar contributos fundamentais para a descarbonização da economia.

Participam no projecto entidades e organizações de cinco países. Para além de Portugal, integram o projecto a Grécia, Alemanha, Roménia e Croácia. Em Portugal, o consórcio integra a ADENE e a Direcção Regional da Energia dos Açores (DREn), cuja colaboração, além da mobilização de stakeholders e da divulgação de boas práticas, destaca-se a preparação de um Plano de Acção, a implementar na 2ª fase do projecto que arranca já em Agosto e decorre até Julho 2023, sendo dedicada às infraestruturas de carregamento dos veículos eléctricos.

Nos últimos dois anos de trabalho o projecto procurou “melhorar os instrumentos de política para facilitar a integração da mobilidade eléctrica nos sistemas de transportes urbanos e a promoção de medidas inovadoras para a mobilidade eléctrica”, refere a Adene.

“Para a prossecução desses objectivos, foram realizadas e desenvolvidas diversas acções e iniciativas: workshops temáticos, visitas de estudo, divulgação de boas práticas, edição de relatórios técnicos e participação em eventos, assim como actividades de comunicação”, inúmera a agência portuguesa para a energia.

Foram propostas ou integradas na base de dados da Policy Learning Platform – o instrumento do Programa Interreg Europe que apoia os governos regionais e locais em toda a Europa a desenvolver e promover melhores políticas – cinco boas práticas portuguesas relativas a incentivos para a aquisição de veículos eléctricos, à rede de postos de carregamento para veículos eléctricos, a um sistema de avaliação e classificação do desempenho energético de frotas automóveis, a pontos de luz inteligentes para fomentar a mobilidade leve eléctrica e a um serviço de bicicletas partilhadas.

A ADENE participou na preparação de um relatório sobre boas práticas na área mobilidade eléctrica, cuja estrutura e conteúdos tiveram como referência 3 tópicos considerados como prioritários pelo consórcio e em linha com os objectivos do projecto: políticas e estratégias para a promoção da mobilidade eléctrica, educação e mudança comportamental e experiências/exemplos da mobilidade eléctrica em meios urbanos. Destaque ainda para a colaboração na elaboração de cinco relatórios técnicos: modelo tarifário aplicado ao carregamento de veículos eléctricos, mobilidade eléctrica em regiões de baixa densidade populacional, integração de incentivos nos instrumentos de políticas públicas para a dinamização da mobilidade eléctrica, integração das renováveis na mobilidade eléctrica e condução autónoma e logística urbana.

A agência portuguesa foi ainda responsável pela organização de eventos de intercâmbio de experiências e comunicação, nomeadamente de um workshop temático, de visitas técnicas sobre mobilidade eléctrica, de reuniões do Local Stakeholders Group, e participou ainda nos que foram organizados pelos parceiros do projecto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Portugal Smart Cities Summit regressa, de 11 a 13 de Outubro

Organizado pela Fundação AIP o marketplace das cidades inteligentes está de regresso em Outubro com a inovação, transição energética, sustentabilidade, mobilidade e promoção das boas práticas na agenda

CONSTRUIR

O evento de referência, organizado pela Fundação AIP, irá reunir uma “alargada representação empresarial proveniente de diversas geografias, que promove sinergias entre o território, a indústria e o meio académico-científico, visando a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos”, adianta a Fundação AIP.

No “Portugal Smart Cities participam cidades inclusivas, que tem como objectivo a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, dar a conhecer as suas valências e as suas boas práticas, numa perspectiva de atracção de investimento. Os Municípios encontram também na iniciativa as soluções tecnológicas mais avançadas para um desenvolvimento sustentável das suas cidades”.

O evento arranca com a “Cimeira dos Autarcas”, no dia 11, com vários painéis que abordarão diferentes soluções e inovações no domínio das Smart Cities que estão a ser implementadas nos territórios. No dia 12 de Outubro as sessões serão dedicadas à Transição energética e Sustentabilidade, à Cibersecurity, Saúde e Bem-Estar nas Smart Cities e à Smart Mobility. A 13 de Outubro os Resíduos, Ambiente e Sustentabilidade, Smart Cities Sharing & Inclusive Cities, dominarão as atenções.

O evento conta igualmente, na presente edição, com uma parceria estabelecida como a BaN Business as Nature e Casa Comum da Humanidade, que irão apresentar, nos dias 11 e 12, sessões sob os temas
“As Cidades pelo Património Comum e a Sociedade Civil pelo Património Comum “.
A exposição e as conferências destinam-se a autarcas, técnicos municipais, administradores, engenheiros, arquitectos, investidores, empreendedores, professores, investigadores, estudantes e público em geral.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

A nova fachada ventilada ADDWind da ISOPAN

A Isopan desenvolveu um sistema de fachada ventilada ADDWind que permite a incorporação de todos o tipo de revestimento, proporcionando a máxima liberdade criativa e funcionalidade eficiente na envolvente de edifícios de qualquer tipologia

CONSTRUIR

(na imagem: Centro Juvenil Sputnik com sistema de fachada ADDWind com revestimento de madeira. Foto de Jordi Canosa)

ADDWind é uma proposta de construção em seco que pode incorporar painéis sanduíche de lã de rocha ou de poliuretano, dependendo das prestações de isolamento necessárias no projecto.

Os requisitos técnicos e estéticos das envolventes dos edifícios, e em especialmente as suas fachadas, devem crescer. Uma das tipologias de envolvente que consegue satisfazer os requisitos arquitectónicos em termos de sustentabilidade, segurança, protecção e desenho é a fachada ventilada. É o caso do novo sistema ADDWind da ISOPAN. Uma proposta que garante um equilíbrio positivo entre poupança e eficiência energética, proporciona coerência com o ciclo de vida dos materiais e permite a aplicação de infinitas opções de desenho no revestimento exterior do edifício.

ADDWind representa um tipo de sistema de construção que é caracterizado pela presença de uma câmara ventilada entre a parede perimetral do edifício e o revestimento exterior, instalada através de um sistema de ancoragem mecânica.

A estrutura da fachada ventilada ADDWind consiste em painéis sanduíche de poliuretano ou lã mineral de rocha que formam a camada isolante aplicada na parede ou estrutura perimetral do edificio, um sistema de fixação combinado em aço inoxidável e alumínio, que interliga os painéis isolantes com o revestimento e, dependendo da configuração da instalação, permite configurações universais, tanto com painéis sanduíche ondulados, colocados quer na vertical como na horizontal e um revestimento exterior. A variedade de acabamentos disponíveis permite não só satisfazer o gosto do cliente, mas também dar continuidade estética em relação ao contexto em que o edifício se encontra. Praticamente nenhum material é excluído: folhas perfuradas ou expandidas, HPL, WPC, fibrocimento, terracota, madeira, compósitos, etc.

Com fixações visíveis ou ocultas o sistema torna-se extremamente flexível e universal em relação ao tipo de acabamento escolhido pelo projectista.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Kingfisher anuncia compromisso com emissões líquidas zero até 2040

A empresa-mãe da Brico Depôt Iberia publicou o seu relatório anual de responsabilidade corporativa no qual anuncia os seus marcos e novos compromissos

CONSTRUIR

A Kingfisher plc, empresa-mãe da Brico Depôt Ibéria, anunciou os seus marcos e novos compromissos projectados para ajudar os clientes a criar lares mais ecológicos e saudáveis, reparar habitações precárias e lidar com as alterações climáticas e desigualdade.

O grupo assumiu o compromisso de tornar-se numa empresa com emissões líquidas zero em todas as suas operações (escopo 1 e 2) até 2040/41, com o objectivo de apoiar os seus clientes na transição para um futuro mais sustentável. Actualmente, a empresa já reduziu essas emissões em 24,5%, impulsionada pela sua transição para energia 100% renovável, um investimento significativo em termos de eficiência energética e implementação de combustíveis alternativos nas suas frotas de entrega, entre outros. A isto soma-se, também, o compromisso de reduzir as emissões de GEE (escopo 3) dos produtos vendidos e bens e serviços adquiridos em 40%, por cada milhão de libras de faturação até 2025/26.
Na Península Ibérica, 100% da energia utilizada na Brico Depôt Ibéria provém de energias renováveis. Actualmente, esta unidade do grupo conta com cerca de 2.500 colaboradores e 31 lojas em Portugal e Espanha e tem a sua sede em Barcelona. No quadro de estratégia de expansão da Kingfisher, a Brico Depôt Iberia iniciou o seu percurso em Espanha em 2003, com a abertura da primeira loja em Viana (Logroño), e em 2014 em Portugal com a abertura da loja de Loures.


Planeta – Floresta Positiva

Enquanto membro fundador da iniciativa Forest Allies, a Kingfisher investiu em diferentes projectos florestais com o objectivo de apoiar as comunidades nas regiões de maior risco de desflorestação.

Da mesma forma, o Grupo continua a avançar no sentido de utilizar madeira e papel 100% de origem responsável nos seus produtos e catálogos até 2025/26. Na Península Ibérica, 90,7% dos produtos de madeira e papel vendidos são provenientes de fontes responsáveis, como florestas bem geridas ou material reciclado.

Produtos sustentáveis para o lar

Actualmente, 44,1% das vendas da Kingfisher provêm de produtos sustentáveis para o lar, como iluminação LED, produtos para jardim sem químicos ou torneiras economizadoras de água, entre outros. Na mesma linha, a empresa estabeleceu como meta até 2025 que esses produtos representem 60% das suas vendas totais, incluindo 70% para marcas próprias e exclusivas.

Na Península Ibérica, 40% das vendas correspondem a gamas de produtos sustentáveis para o lar.

Compromisso com a comunidade

A Kingfisher continua no caminho certo para ajudar cerca de dois milhões de pessoas que vivam em habitações precárias até 2025, ajudando a melhorar casas e espaços comunitários. Em 2021/22, a empresa investiu um total de 4 milhões de libras em projectos comunitários, melhorando os lares de 800.000 pessoas. Assim, desde 2016/17, o número total de pessoas alcançadas ascende a mais de 1,5 milhões, o que marca um forte avanço em direcção ao objectivo do Grupo. Na Península Ibérica, mais de 540 pessoas já beneficiaram das contribuições da empresa para a comunidade.

Compromisso com a diversidade e inclusão

Em 2021, a representação feminina em todas as funções de direção aumentou de 44% para 50%. Da mesma forma, e no âmbito do Plano de Inclusão e Diversidade do Grupo, a Brico Depôt Ibéria deu mais um passo no seu compromisso com a diversidade e a inclusão através do projecto ‘Construímos Melhor’, uma iniciativa que visa romper com os estereótipos das questões de género associadas ao sector da bricolage e construção e defender um local de trabalho inclusivo e diversificado. Como eixo central dessa iniciativa, criou uma sinalética “Espaço Seguro LGBTI+” para colocar nas suas lojas como reflexo de um ambiente de trabalho seguro.

Além disso, a empresa mãe foi recentemente reconhecida com o prestigiado selo ‘Diversity Leading Company’, que distingue as empresas líderes em matéria de diversidade e com um forte compromisso com a execução de políticas de igualdade, diversidade e inclusão. Paralelamente, recebeu também a distinção ‘Empowering Women’s Talent’, enquanto empresa comprometida com o empoderamento e liderança feminina.

Governance

A partir de 2022/23, a Kingfisher vai integrar medidas de negócio responsáveis no Plano de Desempenho Partilhado, que será atribuído aos membros do Grupo com liderança sénior.

De acordo com Thierry Garnier, CEO da Kingfisher plc, “temos o compromisso de contribuir para a luta contra as alterações climáticas, estabelecendo metas de curto e longo prazo: no curto prazo, estamos no caminho certo para reduzir as nossas emissões de carbono, em linha com os esforços globais para limitar o aquecimento abaixo de 1,5°C até 2025; e no longo prazo, comprometemo-nos a atingir emissões líquidas zero até 2040”.

“Ajudar os nossos clientes a criar lares mais sustentáveis é outra das nossas principais prioridades. Acreditamos que todos merecem um lar mais “verde” e saudável, confortável para viver e, que por sua vez, utilize produtos sustentáveis, ajudando-os a economizar energia e dinheiro. No contexto actual, em que o aumento dos preços da energia se tornou muito importante, a eficiência energética no lar nunca foi tão relevante”, acrescenta este responsável.

“Ainda há muito a ser feito, mas já percorremos um longo caminho desde o ano passado, não apenas com o nosso progresso na redução das emissões de carbono, mas também com o nosso trabalho para nos tornarmos numa empresa mais inclusiva e com o nosso compromisso para ajudar a comunidade. Ser uma empresa responsável está no centro da nossa estratégia ‘Powered by Kingfisher’. Ao unirmos os colaboradores em torno das nossas ambições, enquanto empresa responsável, e ao integrarmos os nossos objectivos nas nossas estruturas de recompensa e processos de governance, estamos comprometidos em utilizar o nosso conhecimento, experiência e escala para alcançar mudanças positivas para todos”, conclui Thierry Garnier.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Schneider Electric nomeia novo Distribution Channel Manager de Portugal

Sérgio Fonseca é a mais recente adição à área de Distribuição da empresa em Portugal, aportando a sua experiência de mais de 10 anos no desenvolvimento de canais de vendas e parceiros

CONSTRUIR

A Schneider Electric, acaba de anunciar Sérgio Fonseca como o novo Distribuition Channel Manager de Portugal.
Formado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores no Instituto Superior Técnico, Sérgio Fonseca iniciou o seu percurso profissional na Siemens, em 2010. Ao longo de mais de uma década, ocupou as funções de Sales Engineer na área de gestão de produto, Head of Product Management e, mais recentemente, de desenvolvimento de negócio nos vários canais do mercado, na área de vendas da sua unidade de negócio.

Nas suas novas funções na Schneider Electric, desempenhará um papel fundamental no acompanhamento da transformação da área da Distribuição, com foco acentuado na digitalização do canal, no desenvolvimento de novos modelos comerciais e na gestão de talento.

“É com entusiasmo que me junto à Schneider Electric, querendo contribuir activamente para acelerar a transformação digital do sector da Distribuição, sempre de mãos dadas com os nossos parceiros,” comenta Sérgio Fonseca. “Temos o desafio de tornar os nossos clientes mais ecológicos, mais eléctricos e mais digitais, e há ainda um longo caminho a percorrer na área da Distribuição para que tal possa acontecer. Felizmente, a Schneider Electric dispõe dos insights e das competências necessárias para nos levar a bom porto no caminho para um futuro mais sustentável, e é nesse sentido que vou trabalhar”, refere Sérgio Fonseca.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Construção Sustentável divulga Guia de Ecoprodutos no Archi Summit 22

Este Guia que vai já na sua 11ª edição, conta com diferentes informações que são actualizadas ao longo dos anos, exigindo inovação e sustentabilidade às empresas representadas

CONSTRUIR

O Portal da Construção Sustentável (PCS) marca presença no Archi Summit 22, um evento de referência para a arquitectura nacional e internacional, que debate o presente e o futuro do sector.

O PCS irá distribuir o seu Guia de Ecoprodutos durante o evento. Trata-se de um Guia editado regularmente pelo PCS, que reúne contributos de várias empresas parceiras que disponibilizam informação detalhada sobre os seus ecoprodutos em vários sectores da construção. Todos os ecoprodutos e/ou serviços compreendem um texto explicativo sobre Sustentabilidade, Características e Aplicações.

Este Guia que vai já na sua 11ª edição, conta com diferentes informações que são actualizadas ao longo dos anos, exigindo inovação e sustentabilidade às empresas representadas. É elaborado propositadamente para ocasiões onde se encontram arquitectos, engenheiros, decisores políticos e todos aqueles que se relacionam com o ambiente construído. O grande objectivo deste Guia é o de colmatar uma falha na informação entre os gabinetes de arquitectura e os profissionais da construção de todo o mundo, que desejam especificar materiais e serviços mais sustentáveis.

Este trabalho é concebido de forma a servir de veículo de informação também ao consumidor comum que deseje construir/reabilitar as suas casas, no sentido da verdadeira sustentabilidade, uma vez que a necessidade de redução do consumo de recursos é um caminho inegável. A construção necessita da divulgação de informação sobre práticas mais sustentáveis, que chegue ao maior número de pessoas, para poder avançar e responder à necessidade de desenvolvimento sustentável deste sector. Por outro lado, a forma de avaliação e selecção dos materiais continua a ser pouco definida, e por essa razão o PCS decidiu criar uma avaliação com base na NORMA INTERNACIONAL ISO 14024, já disponível e explicada nesta edição.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

MELOM e Querido Mudei a Casa Obras com 11 141 pedidos em cinco meses

De Janeiro a Maio, as insígnias já receberam 11.141 pedidos de intervenções a nível nacional, 26,5% dos pedidos são referentes a remodelação geral, mas cresce procura por remodelações de zonas exteriores, como varandas, terraços e jardins

CONSTRUIR

Segundo dados apurados pela MELOM e Querido Mudei a Casa Obras (QMACO), nos primeiros cinco meses do ano Lisboa, Coimbra e Almada foram os concelhos que mais apostaram em remodelação. De Janeiro a Maio foi elevado o volume de obras para ambas as insígnias, com o registo de 11.141 pedidos de intervenções a nível nacional, sendo que destes 2.954 (26,5%) eram direccionados a remodelação geral, que se mantem no topo das prioridades no que diz respeito ao tipo de obras mais solicitado. Neste período, o valor médio de intervenção por concelho fixou-se em 26 mil euros.

Os dados agora apresentados e relativos aos primeiros cinco meses do ano mostram que, por concelho, Lisboa lidera o top 10 dos que mais apostaram em remodelação, com 384 obras adjudicadas e concluídas, 13% do total registado pelas marcas. Seguem-se os concelhos de Coimbra (5,5%), Almada (5,4%), Leiria (3,6%), Sintra (3,3%), Oeiras (2,6%) e Porto (2,5%). Nas posições seguintes, encontram-se os concelhos da Amadora e de Loulé (2,4% cada) e fecham o top Cascais e Vila Nova de Gaia (2,1% cada).

Já numa análise por distrito e no que se refere ao número de pedidos de remodelações, de Janeiro a Maio, Lisboa lidera o top 5 (30,5%), seguida pelo Porto (10,7%) e Setúbal (10,2%). Fecham o ranking os distritos de Coimbra e de Faro (7% cada).

Relativamente aos trabalhos em remodelação geral mais solicitados, em destaque uma maior procura por remodelações de zonas exteriores, como varandas, terraços e jardins, resultado do período pandémico.

“Temos constatado que o tempo passado em casa passou a ser um dos aspectos centrais da qualidade de vida dos portugueses. Com a permanência mais intensiva nas habitações, tendência acentuada com o contexto pandémico, o sentido crítico aumentou, quer no que concerne a imperfeições quer na optimização dos espaços. Nesse sentido, a nossa actividade tem vindo a registar um incremento no volume de pedidos de obra, principalmente ao nível de remodelações, realizadas a pensar na plena utilização da casa”, constata João Carvalho, co-fundador da MELOM

O responsável acrescenta ainda que os dados agora apresentados mostram que “tal como em períodos anteriores, os pedidos de intervenção continuam a chegar de norte a sul de Portugal, o que evidencia a capilaridade cada vez mais representativa da nossa rede no território nacional”, refere.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Concurso Internacional de Arquitectura Saint-Gobain 2023 terá Lisboa como alvo

A Saint-Gobain apresentou hoje em Lisboa a 18ª edição do concurso “International Saint-Gobain Architecture Student Contest”. Lisboa é a cidade escolhida para acolher o desafio de projecto arquitectónico a propor aos concorrentes na fase final do concurso

CONSTRUIR

(Créditos Imagens: Carlos Morais da Silva/DMCom/CML)

O evento de apresentação contou com a presença do presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, com José Martos, CEO da Saint-Gobain em Portugal, e com uma mesa-redonda de personalidades ligadas à arquitectura, à Saint-Gobain e à Câmara Municipal de Lisboa.

A competição assenta na realização de um projecto concreto realizado por equipas de estudantes de todo o mundo, idealizado para um terreno real, incluído no Plano de Pormenor do Aterro da Boavista, perto do Ascensor da Bica. O desafio colocado aos concorrentes tem como premissa global a sustentabilidade dos edifícios projectados e a criação de condições de bem-estar para os utilizadores, com impacto nas pessoas e no planeta.

“Seguindo os passos da Nova Bauhaus Europeia, tão estimulada pela Presidente da Comissão Europeia, este concurso dirigido aos estudantes de arquitectura liga vectores que nos são muito caros: a ciência e tecnologia à arte e cultura, a mistura da tradição com a modernidade, pensando novos usos para velhos espaços abandonados. Mais do que estudantes, os concorrentes serão inovadores que poderão deixar a sua marca em Lisboa”, sublinhou Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

Apresentação Concurso Arquitectura

O concurso está dividido em duas fases: uma primeira fase nacional, em que cada país selecciona o projecto que o irá representar na fase internacional. “Em 2023, a fase internacional terá lugar em Portugal, e não podemos estar mais satisfeitos por Lisboa ser a cidade escolhida para acolher esta 18ª Edição. Contamos desde o início com o inestimável contributo da Câmara Municipal de Lisboa para tornar este evento possível e estamos certos de que estes projectos arquitectónicos alicerçados na sustentabilidade, ajudarão também a pensar socialmente e culturalmente a cidade”, referiu José Martos, CEO da Saint-Gobain em Portugal.

A competição internacional essencialmente dedicada a estudantes de arquitectura, design e engenharia foi concebida para destacar os conhecimentos dos estudantes em torno de um projecto baseado nas reais necessidades da cidade, usando a abordagem de construção sustentável da Saint-Gobain para criar espaços para a comunidade que respeitem o planeta e o bem-estar dos residentes.

A proposta vencedora receberá um prémio monetário e a publicação em meios especializados de arquitectura. A selecção da equipa vencedora será feita por um Júri Internacional, bem como a atribuição de outros prémios secundários, para os quais haverá também o contributo do universo dos estudantes finalistas participantes. Todos os premiados receberão amplo destaque nos meios próprios do Grupo Saint-Gobain.

Espera-se que a fase internacional desta edição possa acolher cerca de 100 estudantes, de 50 universidades de outros tantos países, estimando-se ainda acolher na fase nacional, em Portugal, propostas de várias escolas de arquitectura espalhadas pelo país. O vencedor será anunciado em Junho de 2023, na cidade de Lisboa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

AGI apresenta nova marca para o sector da construção no ARCHI SUMMIT 2022

A empresa apresenta a nova marca do seu portfólio de marcas de materiais de construção: a SKALA uma solução de painéis fotovoltaicos para revestimento de fachada vencedora de prémios internacionais de design de produto

CONSTRUIR

(Crédito de imagem: SKALA – Sara Kulturhus – Foto Jonas Westlin)

AGI irá marcar presença na 6ª edição do Archi Summit 2022, que decorre entre os dias 13 a 15 de Julho, no Palácio Ford – Porto. Um evento de formato singular e que contará com a presença de prestigiados arquitectos nacionais e Internacionais para conduzirem conferências inspiradoras para o sector da construção.

Nesta edição do Archi Summit, a AGI aposta na divulgação de uma nova marca que integra agora o portfólio de marcas de materiais de construção: a SKALA. Esta é uma solução de painéis fotovoltaicos para revestimento de fachadas, que define completamente novos padrões para soluções estéticas de fachadas solares.

SKALA está homologada para uso em fachadas com cargas de vento de até 100 metros de altura. Vencedora de vários prémios de design de produto, teve um novo marco no campo de elementos de revestimento para fachadas geradoras de electricidade “Made in Germany”. Em 2015, o módulo fotovoltaico sem moldura com o sistema de montagem oculto já foi pioneiro, com um padrão completamente novo para módulos de fachada solar, como o primeiro módulo de vidro laminado colado, na sua classe, a receber a aprovação geral alemã de construção (abZ).

Esta nova marca será apresentada em conjunto com os já conhecidos painéis fenólicos Fundermax. Desde 2016 que a AGI é distribuidor para Portugal do produto Max Exterior. Max Exterior é um produto de construção de alta qualidade que se utiliza especialmente para revestimentos de fachadas e varandas. Os painéis fenólicos Fundermax permitem uma personalização total das fachadas. É possível transformar ideias em painéis de grande formato e atribuir carácter aos edifícios com desenhos exclusivos.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.