Edição digital
Assine já
Empresas

Grandes temas das renováveis em análise na conferência da APREN

A Portugal Renewable Energy Summit 2022 terá como mote “Transição energética – dos planos à acção”, com destaque para as renováveis offshore, hidrogénio verde e desenho do mercado de electricidade

CONSTRUIR
Empresas

Grandes temas das renováveis em análise na conferência da APREN

A Portugal Renewable Energy Summit 2022 terá como mote “Transição energética – dos planos à acção”, com destaque para as renováveis offshore, hidrogénio verde e desenho do mercado de electricidade

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Fercopor alcança mais de 90% de vendas em novo projecto imobiliário de luxo
Imobiliário
Trienal acolhe kick-off da Representação Oficial Portuguesa
Arquitectura
Nova direção da ASMIP reforça “aposta na dignificação da classe”
Imobiliário
Cristina Almeida assume Markets & Capital Markets da JLL na região do Porto
Empresas
Lusoproa adquire edifício Forte 9 e estreia-se no segmento de escritórios
Imobiliário
Casavo fecha o seu primeiro ano em Portugal com expansão para Oeiras e Cascais
Imobiliário
Linha Violeta estende Metro a Odivelas e Loures
Engenharia
IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação
Construção
Schneider Electric lança versão minimalista dos mecanismos D-Life
Empresas
Engenheiros e Economistas adoptam posição conjunta sobre Alta Velocidade
Engenharia

Os grandes temas da energia renovável vão estar em análise na conferência da APREN – Associação Portuguesa de Energias Renováveis, a Portugal Renewable Energy Summit 2022, que decorre nos próximos dias 16 e 17 de Novembro no Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa.

A Portugal Renewable Energy Summit, que ao longo dos últimos dez anos já se impôs como o grande fórum de debate na área da energia trará mais uma vez a debate os temas chave do sector. Entre eles o REPowerEU, a nova ambição europeia. A situação geopolítica gerada pela ilegítima invasão da Ucrânia por parte da Rússia trouxe para a agenda a urgência da autonomia da Europa em termos energéticos e, por consequência, a necessidade de acelerar a transição energética e diversificar as fontes de abastecimento.
No plano REPowerEU, lançado este ano, a Comissão Europeia propõe aumentar a meta de consumo final de energia a partir de fontes renováveis, dos actuais 40%, previstos no pacote FIT for 55, para os 45% em 2030. O plano passa por duplicar a capacidade instalada de energia solar e aumentar a potência instalada de energia eólica, em terra e no mar, dos 190 GW para 480 GW nos próximos oito anos. Também por isso estão no programa da conferência as renováveis oceânicas e o hidrogénio verde que fazem parte integrante e significativa desta estratégia europeia. As oportunidades e ameaças do desenvolvimento destas tecnologias, particularmente no contexto ibérico, serão analisadas em dois dos painéis dedicados da conferência.

O desenho do mercado europeu de electricidade e o modelo europeu de contenção dos preços da electricidade – pontos nevrálgicos da mudança que está a ser operada em termos europeus – são dois outros grandes temas a focar, com o objectivo de analisar a efectiva adaptabilidade do mercado actual ao presente e ao futuro.

A ambição que o REPowerEU trouxe exige entidades licenciadores mais robustas e apetrechadas, com os meios necessários, mas também mais flexibilidade e menos burocracia na hora do licenciamento de projectos renováveis. A revisão do “simplex ambiental” vai por isso ser analisada ao pormenor na conferência que trará igualmente novidades sobre o guia de licenciamento de projectos renováveis onshore, que a APREN está a desenvolver.

Outro desafio é a necessidade de densificar territorialmente a rede eléctrica de serviço público para receber toda a nova potência renovável e por isso não passará em claro a discussão sobre a capacidade e acesso à rede, e as interligações.

A matriz eléctrica portuguesa na próxima década será alvo de análise por algumas das entidades mais relevantes do sector. Serão debatidas as tecnologias centrais para o cumprimento das metas de descarbonização e também será dado destaque ao papel fulcral das comunidades de energia e autoconsumo individual e colectivo no quadro da transição para um modelo energético mais verde, mais democrático e mais seguro.

Na conferência deste ano marcará presença o ministro do Economia e do Mar, António Costa Silva, e o secretário de Estado do Ambiente e da Energia, João Galamba, bem como várias entidades europeias relevantes, como a WindEurope, a SolarPower Europe, a EREF ou a Hydrogen Europe, entre outras.

“Acreditamos que esta será mais uma oportunidade de fazer luz sobre os temas que interessam ao sector, à semelhança do que já tem acontecido nas edições anteriores, sinalizar constrangimentos e ajudar a encontrar respostas para fazer fluir a energia renovável para acelerar a transição energética que todos ambicionamos”, antecipa o Presidente da direcção da APREN, Pedro Amaral Jorge.

A conferência inclui também a atribuição do Prémio APREN 2022, uma iniciativa que visa distinguir as melhores dissertações académicas de mestrado e doutoramento relacionadas com electricidade de origem renovável.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Fercopor alcança mais de 90% de vendas em novo projecto imobiliário de luxo
Imobiliário
Trienal acolhe kick-off da Representação Oficial Portuguesa
Arquitectura
Nova direção da ASMIP reforça “aposta na dignificação da classe”
Imobiliário
Cristina Almeida assume Markets & Capital Markets da JLL na região do Porto
Empresas
Lusoproa adquire edifício Forte 9 e estreia-se no segmento de escritórios
Imobiliário
Casavo fecha o seu primeiro ano em Portugal com expansão para Oeiras e Cascais
Imobiliário
Linha Violeta estende Metro a Odivelas e Loures
Engenharia
IP e Câmara de Coimbra apresentam Plano de Pormenor da futura estação
Construção
Schneider Electric lança versão minimalista dos mecanismos D-Life
Empresas
Engenheiros e Economistas adoptam posição conjunta sobre Alta Velocidade
Engenharia
Empresas

Cristina Almeida assume Markets & Capital Markets da JLL na região do Porto

Cristina Almeida, que integra a equipa da consultora imobiliária desde 2016 é agora a representante da unidade de negócio no norte do país

Os escritórios do Porto da consultora imobiliária JLL têm uma nova responsável dos segmentos de Markets & Capital Markets. Cristina Almeida, que assumia anteriormente a função de Senior Consultant Office and Retail Leasing, é agora a representante da unidade de negócio no norte do país, assumindo a função de Markets & Capital Markets Porto Director.

Licenciada em Direito pela Universidade Católica do Porto, iniciou o seu percurso profissional como advogada, tendo ingressado na área de Fashion Retail em 2008 e, desde 2016 que integra a equipa da JLL.
“Este é um exemplo claro da aposta contínua da JLL nas suas pessoas, uma realidade que tem, em grande parte, contribuído para os elevados níveis de retenção de talento da empresa”, refere a consultora.

“Ao longo destes últimos anos, a Cristina tem vindo a desenvolver um trabalho notável nas áreas de Leasing Market Advisory e também em Capital Markets pelo que tem sido, inegavelmente, uma peça fundamental nesta equipa. O seu percurso na JLL tem contribuído para o crescimento e reforço do posicionamento da empresa e marca no Porto e, por isso, é com grande satisfação que vemos a Cristina alcançar este marco na sua carreira”, sublinha Mariana Rosa, Head of Leasing Markets Advisory na JLL Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Schneider Electric lança versão minimalista dos mecanismos D-Life

A série de mecanismos D-Life aposta na simplicidade geométrica, em materiais de alta qualidade e o melhor desempenho em termos de funcionalidade. Além disso, a sua versatilidade permite inúmeras combinações de acabamentos

CONSTRUIR

Para acompanhar as novas tendências, a Schneider Electric (SE), especialista na transformação digital da gestão e automação da energia, lançou uma nova versão dos seus mecanismos D-Life, que se destaca pelo design elegante, discreto e contemporâneo, em acabamento branco mate.

A série de mecanismos D-Life aposta na simplicidade geométrica, em materiais de alta qualidade e o melhor desempenho em termos de funcionalidade. Além disso, a sua versatilidade permite inúmeras combinações de acabamentos e funcionalidades para satisfazer qualquer necessidade decorativa e funcional. “O resultado é um produto que se integra facilmente em qualquer ambiente interior, tanto em projectos residenciais como em ambientes comerciais e de lazer”, refere a empresa.

Todos os mecanismos desta gama contam com o selo Green Premium, o programa de sustentabilidade de produtos da Schneider Electric que disponibiliza informação transparente sobre substâncias perigosas, impacto ambiental e instruções para o fim de vida dos produtos. O Green Premium garante o cumprimento das regulamentações mais recentes e a transparência em termos de impactos ambientais, apostando em produtos circulares e com emissões de CO2 reduzidas.

A D-Life é, ainda, compatível com as soluções de automação residencial KNX e Wiser da SE.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

AEG apresenta nova ‘Garrafeira de Envelhecimento’ da gama Matt Black

“Todos os produtos da AEG são projectados para um melhor desempenho e com um foco cada vez maior na sustentabilidade. Na AEG Matt Black Collection conseguimos criar uma estética completamente nova e pensada com base em três pressupostos chave: responsividade, precisão e pureza”, destaca Ângela Pereira, marketing Manager da AEG em Portugal

CONSTRUIR

A AEG promoveu, esta segunda-feira, uma experiência enológica com Dirk Niepoort e Carlos Raposo, no âmbito da apresentação da gama Matt Black. A Garrafeira de Envelhecimento Premium da Série 8000 foi a “estrela” numa sinergia entre a marca, o produto e os Vinhos Imperfeitos e da Niepoort.

A Garrafeira de Envelhecimento Premium é um produto diferenciador, ideal para conservar e envelhecer diferentes tipos de vinhos de forma a assegurar o cumprimento dos cinco fundamentos da conservação do vinho, como foi explicado e apresentado pelos enólogos que, juntamente com a AEG, promoveram o evento que teve lugar na LUVIN’, em Lisboa.

Ângela Pereira, marketing Manager da AEG em Portugal, diz-nos que “todos os produtos da AEG são projectados para um melhor desempenho e com um foco cada vez maior na sustentabilidade. Na AEG Matt Black Collection conseguimos criar uma estética completamente nova e pensada com base em três pressupostos chave: responsividade, precisão e pureza”.

Além disso, a garrafeira da gama Matt Black, assegura a protecção da qualidade do vinho, uma temperatura estável, humidade automática superior a 50%, zona de armazenamento escura com ambiente isento de vibrações e fluxo de ar de qualidade – “factores importantíssimos para que o investimento que é feito em vinho, seja preservado e possa ser apreciado nos momentos mais especiais”, avança Carlos Raposo.

Na garrafeira de envelhecimento premium da AEG destacam-se detalhes como o espaçamento ideal para acomodar as garrafas de vinho sem danificar os rótulos, compartimentos independentes que permitem uma regulação de temperatura personalizada para tintos entre os 12 e 14ºC e brancos, rosés e espumantes entre 6-12ºC.  A garrafeira ressalva a preservação da matéria corante dos vinhos – o que evita qualquer desvio sensorial – devido à iluminação premium.

Recorde-se que a gama Matt Black da AEG foi reconhecida, em 2021, por um dos mais prestigiados galardões internacionais de design, tendo recebido o prémio RedDot para design de produto.  Sob o escrutínio de um júri internacional, a gama Matt Black impressionou nas áreas de “inovação, funcionalidade, qualidade formal e ergonomia”.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Topeca lança Tuforte Juntas Hydro

A Topeca acaba de lançar um novo produto especialmente desenhado para a aplicação de banda em juntas de placas de gesso cartonado hidrofugado

CONSTRUIR

O novo Tuforte Juntas Hydro, é uma argamassa de juntas com uma formulação especialmente desenvolvida para o tratamento de juntas em sistemas de placas de gesso cartonado hidrofugadas.

A nova argamassa é ideal para aplicar em locais interiores onde existe maior presença de água, seja em estado líquido ou vapor (exs.: locais húmidos, cozinhas, casas de banho e balneários).

Permite ainda a regularização de placas de gesso cartonado, dependendo do tipo de revestimento que se pretenda aplicar.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Geberit recebe ‘Medalha de Platina’ da EcoVadis

A gestão da sustentabilidade da Geberit volta a colocar a empresa no Top 1% de todas as empresas classificadas pela EcoVadis

CONSTRUIR

Pela terceira vez consecutiva, a Geberit foi distinguida com a ‘Medalha de Platina’ pela sua gestão da sustentabilidade. “Esta é a qualificação mais alta possível que a EcoVadis atribui na sua avaliação anual de empresas. Portanto, a Geberit encontra-se situada no Top 1% de todas as companhias qualificadas pela EcoVadis”, indica David Mayolas, director-geral da Geberit Iberia.

Especialista em louças sanitárias e tecnologia para a casa de banho, a Geberit “está comprometida com a sustentabilidade há mais de 30 anos e quer desempenhar um papel de liderança na mudança para uma indústria sanitária mais sustentável”, afirma.

Já em 1990, a empresa elaborou a sua primeira estratégia ambiental e implementou medidas específicas. Ao longo dos anos, esta estratégia foi-se desenvolvendo gradualmente até se converter numa estratégia abrangente de sustentabilidade, que agora faz parte da sua cultura empresarial e contribui significativamente para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

A metodologia da EcoVadis baseia-se nas normas internacionais de sustentabilidade, entre elas a Iniciativa Mundial de Apresentação de Relatórios, o Pacto Mundial das Nações Unidas e a norma ISO 26000, que abarca 200 avaliações e mais de 160 países. O sistema de análise consiste em 21 indicadores divididos em quatro temas: meio ambiente, práticas profissionais e direitos humanos, ética e compras sustentáveis.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Design nacional em destaque no maior mercado mundial da fileira casa portuguesa

Mais de 40 empresas rumam à Maison&Objet após vendas para o mercado francês superarem os 500 milhões de euros em 2022

CONSTRUIR

A Fileira Casa Portuguesa inicia 2023 com uma nova presença de relevo numa das maiores feiras mundiais de mobiliário e design de interiores. No total, 44 empresas oriundas de Portugal demonstram as suas propostas de valor e designs únicos junto dos principais agentes dos diferentes sectores na Maison & Objet, que se realiza de 19 a 23 de Janeiro em Paris.

Tendo em conta as actuais transformações sociais, económicas e políticas, o certame da capital francesa apresenta o tema inspiracional “Take Care!”, que espelha nos produtos em mostra a crescente necessidade do conforto, do respeito pelo património e da consciência ambiental que os utilizadores procuram. A presente edição volta a conectar os prescritores e compradores franceses a um forte contingente nacional, que pretende expressar a modernidade e rejuvenescimento do elevado padrão de qualidade da sua oferta.

Perante a significativa presença nacional na feira, Joaquim Carneiro, Presidente da APIMA, Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins, que lidera a participação lusa, afirma que “face ao prolongamento de um cenário conturbado, no qual o conflito na Ucrânia e o incremento do custo das matérias-primas se reafirmam como os principais desafios, é de louvar a resiliência demonstrada pelas dezenas de empresas portuguesas que marcam presença nesta nova edição da Maison & Objet, continuando a procurar novas oportunidades e clientes numa conjuntura sem paralelo”.

“A significância deste certame é comprovada, de forma clara, pelos dados que o mercado francês apresenta para o nosso país: um volume de exportações que ultrapassou os 500 milhões de euros em 2022 e uma quota de mercado que continua a representar cerca de um terço do total das vendas nacionais ao exterior. Manter a trajectória crescente das exportações, para este e para os demais mercados, de forma sustentada e suportada, cada vez mais, em valor acrescentado, é o grande desafio da década para Portugal”, reforça o Presidente da APIMA.

A Fileira Casa Portuguesa prepara-se, assim, para o primeiro ano no pós-pandemia de total normalidade nos certames internacionais, procurando continuar a crescer nos mercados tradicionais e estimular as vendas em algumas geografias de elevado potencial. Promoção que não será realizada exclusivamente “fora de portas”, com a 3ª edição do Portugal Home Week, na Alfândega do Porto, agendada para os dias 15 e 16 de Junho.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Conferência discute a importância dos solos saudáveis

Com organização conjunta da Associação das Empresas Portuguesa para o Sector do Ambiente, da Ordem dos Engenheiros e da Associação Técnica para o Estudo da Contaminação do Solo e Água Subterrânea, o encontro decorre dia 20 de Janeiro

CONSTRUIR

Com organização conjunta da Associação das Empresas Portuguesa para o Sector do Ambiente, AEPSA, o Conselho Nacional do Colégio de Engenharia Geológica e de Minas da Ordem dos Engenheiros, OE, e da Associação Técnica para o Estudo da Contaminação do Solo e Água Subterrânea, AECSAS, a conferência tem como objectivo “evidenciar a importância dos solos saudáveis e a imperatividade de promover práticas sustentáveis de gestão dos solos”.

A Comissão Europeia, como parte da sua Estratégia de Protecção do Solo da UE para 2030, anunciou o seu propósito de lançar a Lei dos Solos Saudáveis em 2023 de forma a melhorar significativamente o estado dos solos até 2050 e dar aos solos o mesmo estatuto de protecção que actualmente é atribuído às águas e ao ar, a nível comunitário.
As empresas do sector privado, as universidades e as organizações da sociedade civil com relevância na protecção do solo são estimuladas a participar activamente na discussão desta temática, a integrar os princípios da gestão sustentável dos solos nas suas políticas internas e a facilitar o desenvolvimento de competências e a troca de conhecimentos.

Actualmente, cerca de um terço dos solos encontram-se degradados devido a práticas de gestão não sustentáveis, entre as quais a contaminação química, a actividade mineira e industrial. A gestão sustentável de solos contaminados implica a definição de parâmetros técnicos, bem como a avaliação das concentrações dos contaminantes para identificar os sítios contaminados. A remediação dos solos deve fundamentar-se na avaliação do risco para a saúde humana e os ecossistemas. A informação sobre o estado da qualidade dos solos nos sítios contaminados e as medidas tomadas para promover a sua remediação devem ser tornadas públicas, num quadro de transparência e de participação.

O encontro está agendado para o próximo dia 20 de Janeiro, na sede da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Kabuki uma nova marca de design

O Kabuki tem inspirações asiáticas e promete democratizar o design de interiores, tornando o seu acesso mais simples e acessível

CONSTRUIR

“O design de interiores não tem de ser caro!”, afirma Sofia Silva, fundadora do Kabuki, uma empresa de design de interiores portuguesa que nasceu há pouco mais de um mês. No website da marca é possível ao visitante requisitar o serviço pretendido, de entre os vários disponíveis e que vão desde o renovar um espaço alterando apenas alguns detalhes, até ao staging de uma casa para aumentar as possibilidades de venda, enviar as medidas e fotografias do espaço, definir o estilo que pretende adoptar e o orçamento disponível. A equipa do KABUKI trabalha o projecto e devolve uma proposta de design completa.

A inspiração que dá nome ao negócio vem do estilo de teatro japonês, Kabuki, conhecido pela dramatização e pela maquilhagem peculiar. “Achamos que a nossa casa é o palco onde nos sentimos confortáveis para receber e até para actuar com a família ou amigos”, contam Sofia e Diogo Colaço, também ele co-fundador da empresa.

Ambos viveram durante quase nove anos na Ásia e sempre lhes chamou a atenção as diferenças de modelos de negócio aplicadas lá fora, em todo o tipo de áreas. Tirando partido da reconhecida “vaidade portuguesa em receber”, decidiram criar um serviço que permitisse a qualquer pessoa, independentemente do seu orçamento ou inclinação para o design, investir na sua casa.

“Este tipo de serviços ainda é visto como algo muito exclusivo e complexo, em que os designers vêm à nossa casa e têm de tirar medidas e depois logo vão fazer o projecto e arranjar as peças de mobiliário e é tudo muito demorado e dispendioso. O que nós queremos fazer com o Kabuki é democratizar e descomplicar o processo”, explica Diogo Colaço.

No fundo, a proposta de valor do Kabuki está em descomplicar o serviço, que é sobretudo feito online, e adaptá-lo às necessidades dos seus clientes. Neste momento, a marca já tem o website no ar e o negócio a correr, onde é possível requisitar os diferentes serviços, consultar os pacotes de preços e arrancar com todo o processo online.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Euromonitor International distingue Haier pela 14ª vez

Segundo a Haier este resultado foi alcançado “devido às vendas extraordinárias das soluções inteligentes que coloca no mercado, tanto a nível das gamas de frio (frigoríficos, combinados, arcas congeladoras e caves de vinhos), como de lavagem”

CONSTRUIR

Pela 14ª vez seguida, a Haier foi reconhecida como a “marca número 1 do mundo”, pelo ranking mundial de marcas de electrodomésticos, de acordo com o relatório anual da Euromonitor International, a entidade independente em análises de mercado e comportamento do consumidor.

Segundo a Haier este resultado foi alcançado “devido às vendas extraordinárias das soluções inteligentes que coloca no mercado, tanto a nível das gamas de frio (frigoríficos, combinados, arcas congeladoras e caves de vinhos), como de lavagem”.

“O notável desempenho de vendas nestas quatro categorias assinala um novo marco para o grupo no mercado global de eletrodomésticos: este é o 15º ano consecutivo em que a Haier ocupa o primeiro lugar na gama de refrigeração, o 14º ano nas máquinas de lavar roupa, o 13º a nível das caves de vinhos e o 12º ano consecutivo no que diz respeito a arcas congeladoras”, acrescenta a marca.

Há mais de 30 anos que a marca apresenta electrodomésticos com conectividade, impulsionando o desenvolvimento da indústria neste ramo com soluções inovadoras de Inteligência Artificial. Na era da Internet das Coisas (IoT), “a Haier prossegue a sua missão com o objectivo de garantir a melhor tecnologia de alta qualidade nas casas de famílias de todo o mundo, tornando-as mais inteligentes, intuitivas e eficientes”.

Nos últimos anos, o grupo actualizou o seu ecossistema de marca para alcançar resultados cada vez mais exclusivos. É com esse desígnio que a Haier Europe utiliza plataformas digitais para P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), produção, marketing, controlo de qualidade, logística e serviços para as marcas Candy, Hoover e Haier. Para apoiar os objectivos de reduzir custos e aumentar a eficiência operacional, a Haier também tira partido de um sistema operacional que incorpora uma plataforma base de design, produção inteligente, colaboração online, costumização e personalização, bem como sistemas de extensão do atendimento ao cliente e gestão digital do mesmo.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Empresas

Casa Peixoto abre primeira loja nos Açores

Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, é o local escolhido para a nova Casa Peixoto que se junta à rede de lojas da marca que passa agora a contar com oito lojas

CONSTRUIR

A Casa Peixoto, empresa nacional de comércio de materiais de construção, casas de banho, pavimentos e revestimentos, decoração, bricolagem e jardim, vai abrir a primeira loja no Arquipélago dos Açores.

Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, é o local escolhido para a nova Casa Peixoto que se junta à rede de lojas da marca que passa agora a contar com oito lojas, sete das quais em território nacional.

Com uma forte aposta num serviço altamente personalizado, assegurado por profissionais especializados, a nova Casa Peixoto nos Açores, com uma área de cerca de 1000 metros quadrados, inclui uma oferta abrangente de materiais de construção inovadores e artigos de decoração, que visam dar resposta às necessidades dos profissionais do sector.

A nova loja integra o novo conceito “contemporâneo de showroom e ambientes” da marca e destaca-se pela sua “modernidade e inovação”, com uma “exposição renovadora” dos materiais de construção “que proporciona uma nova experiência ao cliente”.

A Casa Peixoto Açores enquadra-se no seguimento da expansão da marca que em 2022 assinalou a abertura da sua maior loja no Porto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.