Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    Design nacional em destaque no maior mercado mundial da fileira casa portuguesa

    Mais de 40 empresas rumam à Maison&Objet após vendas para o mercado francês superarem os 500 milhões de euros em 2022

    CONSTRUIR
    Empresas

    Design nacional em destaque no maior mercado mundial da fileira casa portuguesa

    Mais de 40 empresas rumam à Maison&Objet após vendas para o mercado francês superarem os 500 milhões de euros em 2022

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    B. Prime coloca modelo “inovador” da Regus em Lisboa
    Imobiliário
    Porcelanosa: “2024 será marcante para o desenvolvimento da construção offsite em Portugal”
    Empresas
    Dstgroup integra laboratório vivo para a descarbonização “Afurada LL”
    Empresas
    CIN investe 3,5M€ na automação do Centro de Distribuição de Tintas na Maia
    Empresas
    Freeport Lisboa Fashion Outlet lança nova fase de remodelação
    Empresas
    Kyndryl expande colaboração com a consultora EY
    Empresas
    Museu do Biscainho e ICOMOS debatem reabilitação no património
    Construção
    Loures investe 22 M€ para novas habitações a custos controlados
    Construção
    A caminho da “Construção & Logística 5.0”
    Engenharia
    Projecto brasileiro ‘Moréias’ quer atrair compradores portugueses
    Imobiliário

    A Fileira Casa Portuguesa inicia 2023 com uma nova presença de relevo numa das maiores feiras mundiais de mobiliário e design de interiores. No total, 44 empresas oriundas de Portugal demonstram as suas propostas de valor e designs únicos junto dos principais agentes dos diferentes sectores na Maison & Objet, que se realiza de 19 a 23 de Janeiro em Paris.

    Tendo em conta as actuais transformações sociais, económicas e políticas, o certame da capital francesa apresenta o tema inspiracional “Take Care!”, que espelha nos produtos em mostra a crescente necessidade do conforto, do respeito pelo património e da consciência ambiental que os utilizadores procuram. A presente edição volta a conectar os prescritores e compradores franceses a um forte contingente nacional, que pretende expressar a modernidade e rejuvenescimento do elevado padrão de qualidade da sua oferta.

    Perante a significativa presença nacional na feira, Joaquim Carneiro, Presidente da APIMA, Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins, que lidera a participação lusa, afirma que “face ao prolongamento de um cenário conturbado, no qual o conflito na Ucrânia e o incremento do custo das matérias-primas se reafirmam como os principais desafios, é de louvar a resiliência demonstrada pelas dezenas de empresas portuguesas que marcam presença nesta nova edição da Maison & Objet, continuando a procurar novas oportunidades e clientes numa conjuntura sem paralelo”.

    “A significância deste certame é comprovada, de forma clara, pelos dados que o mercado francês apresenta para o nosso país: um volume de exportações que ultrapassou os 500 milhões de euros em 2022 e uma quota de mercado que continua a representar cerca de um terço do total das vendas nacionais ao exterior. Manter a trajectória crescente das exportações, para este e para os demais mercados, de forma sustentada e suportada, cada vez mais, em valor acrescentado, é o grande desafio da década para Portugal”, reforça o Presidente da APIMA.

    A Fileira Casa Portuguesa prepara-se, assim, para o primeiro ano no pós-pandemia de total normalidade nos certames internacionais, procurando continuar a crescer nos mercados tradicionais e estimular as vendas em algumas geografias de elevado potencial. Promoção que não será realizada exclusivamente “fora de portas”, com a 3ª edição do Portugal Home Week, na Alfândega do Porto, agendada para os dias 15 e 16 de Junho.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    B. Prime coloca modelo “inovador” da Regus em Lisboa
    Imobiliário
    Porcelanosa: “2024 será marcante para o desenvolvimento da construção offsite em Portugal”
    Empresas
    Dstgroup integra laboratório vivo para a descarbonização “Afurada LL”
    Empresas
    CIN investe 3,5M€ na automação do Centro de Distribuição de Tintas na Maia
    Empresas
    Freeport Lisboa Fashion Outlet lança nova fase de remodelação
    Empresas
    Kyndryl expande colaboração com a consultora EY
    Empresas
    Museu do Biscainho e ICOMOS debatem reabilitação no património
    Construção
    Loures investe 22 M€ para novas habitações a custos controlados
    Construção
    A caminho da “Construção & Logística 5.0”
    Engenharia
    Projecto brasileiro ‘Moréias’ quer atrair compradores portugueses
    Imobiliário
    PUB

    Enrique Rodriguéz, responsável de Filiais Península Ibérica

    Empresas

    Porcelanosa: “2024 será marcante para o desenvolvimento da construção offsite em Portugal”

    Em entrevista à Traço, Enrique Rodriguéz, responsável de Filiais Península Ibérica, destacou o crescimento do Grupo, a estratégia e a consolidação da presença em Portugal, para onde está prevista a aberturas de novas lojas ainda este ano. A construção offsite é uma das grandes tendências para 2024. Com duas grandes encomendas em Portugal, a expectativa é de “crescimento” na ordem dos 6%

    Cidália Lopes

    O Grupo Porcelanosa celebra este ano a sua 30ª feira internacional, onde a multinacional espanhola tem dado a conhecer as novidades das diferentes empresas do Grupo, que além da própria empresa ‘mãe’, inclui, ainda, a Gamadecor, L’Antic Colonial, Butech, Noken, Krion e Xtone. Até 22 de Março, a sede do Grupo, em Vila Real, Espanha, contou com um conjunto de iniciativas marcadas pela “inovação, sustentabilidade e design”. Nos diferentes showrooms foi possível conhecer as últimas novidades, tanto em produtos cerâmicos, equipamentos para casas de banhos e cozinhas e sistemas construtivos, como as últimas tendências em design para 2024.

    No que diz respeito à Porcelanosa, com revestimentos e pavimentos inspirados no cimento, pedra calcária e mármore, estão em destaque no Xlight, ao qual dedicou um dos seus showrooms. Mais de mil metros quadrados nos quais se mostram as possibilidades deste material porcelânico através da recriação de um restaurante e duas casas, onde o espaço, formado por diferentes arcos revestidos.

    Também a Krion renovou completamente o seu showroom com a ajuda da estudi{H}ac. O novo espaço foi concebido como um ponto de encontro onde os profissionais do sector e os particulares podem conhecer, de forma física e sensorial, as múltiplas aplicações na arquitectura e no design de interiores. K-ONCENTRICO 360º é o novo conceito de exposição em que a circularidade se torna a chave de tudo.

    Outra das empresas do grupo que renovou o seu showroom foi a L’antic Colonial, que este ano cumpre o seu 25º aniversário. Para esta transformação, contou com o Summumstudio. Uma proposta “inspiradora” e “carregada de simbolismo”, que tem como objectivo mostrar a profunda conexão da L’Antic Colonial com a natureza. A empresa apresentou, ainda, a sua nova marca de cerâmica decorativa de pequeno formato, o S-Tile.

    A empresa de designs e materiais para mobiliário de cozinhas, salas de estar e casas de banho, Gamadecor, destacou, este ano, o estilo minimalista, assim como a versatilidade e possibilidade de personalização das suas soluções.

    Pensados para os espaços de banho, a Noken aposta em novos modelos de duche com a tecnologia mais avançada. E pelo aniversário do 15º aniversário das torneiras Lounge, da autoria do designer italiano Simone Micheli, é apresentada na feira a nova versão, a Lounge Fluid.

    Os grandes formatos estão, igualmente, em destaque na Xtone, a empresa do Grupo que reproduz em porcelânico o aspecto do mármore, da madeira e do cimento. Sem esquecer, a Butech, a empresa que actua na área das fachadas e na indústria offsite. Uma área com um “crescimento consolidado” e que pretende responder à escassez de mão de obra e necessidades urgentes de habitação. No showroom é possível não só acompanhar o processo produtivo como verificar alguns exemplos de casas de banho e cozinhas construídas através de módulos e previamente em fábrica.

    Qual o balanço do Grupo em 2023? E quais as áreas da Porcelanosa que mais contribuíram?
    O Grupo Porcelanita terminou o ano com uma facturação de 900 milhões de euros em 2023, conseguindo manter a sua solidez no mercado internacional, num contexto político e económico incerto no mercado da construção. A empresa tem vindo a levar a cabo um plano de investimento estratégico sustentado nas suas instalações para utilizar a tecnologia mais avançada e eficiente nos seus processos, no qual investiu 81 milhões de euros em 2023.
    Todas as áreas do Grupo manifestaram um crescimento similar e sustentável no ano passado, destacando-se a crescente procura pelas peças de grés porcelânico de grande formato. Este crescimento alinha-se com o investimento de 55 milhões de euros na sua última fábrica automatizada, com uma superfície de 36 mil metros quadrados. Situada na sede central da multinacional, em Vila Real, em Espanha, este novo centro de produção está especializado na produção de porcelânico e pedra sintetizada de grande formato que se comercializa pela marca XTONE.

    Novas lojas em Portugal
    Que estratégia definiram para este ano e que poderão representar o maior investimento do Grupo?
    Em 2024, o Grupo Porcelanosa planeia continuar a crescer a sua rede comercial por todo o território ibérico e de forma internacional. No que respeita ao mercado português, a empresa prevê a abertura de novas lojas, nomeadamente no Funchal, na ilha da Madeira, no segundo semestre de 2024, e está constantemente à procura de novas localizações que lhe permitam continuar a sua aposta e crescimento em todo o País.
    A nível global, a empresa continuará a sua estratégia de expansão noutros mercados com a abertura e remodelação de novos pontos de venda em Marbella, Málaga, Galiza, Bilbau e no estrangeiro, nos Estados Unidos, América do Sul e Norte da Europa.

    Design e Inovação
    Que principais tendências destacam no sector onde actuam e que se vão reflectir em 2024?
    Um dos principais compromissos do Grupo Porcelanosa para 2024 é continuar com a introdução do processo de construção industrializada com os novos sistemas industrializados de casas de banho, cozinhas e fachadas.
    Além disso, a Porcelanosa continua a apostar na inovação, no design e na qualidade dos seus produtos, a nível cerâmico. Aproveitando as vantagens dos azulejos de grande formato, que reduzem o número de juntas, estas peças também serão utilizadas em 2024 para revestir volumes como bancadas de cozinha, ilhas e mesas de jantar, juntamente com outros materiais como os painéis decorativos.
    Quanto às tendências para 2024, no mobiliário de cozinha, a empresa do grupo Gama Decor destaca a bancada dupla invisível, conhecida como SmartKitchen, que combina o sistema de indução e electrificação para electrodomésticos, proporcionando uma transmissão de energia de até 2.000 watts, sem baterias ou cabos externos. Um sistema que revoluciona a fusão da inovação e do design, utilizando a tecnologia mais avançada. Os designs sustentáveis e naturais continuarão a estar muito presentes, com materiais orgânicos e naturais, como a madeira e a pedra, bem como novos sistemas de poupança nas torneiras e loiças sanitárias.

    Crescer mais 6%
    Em relação a Portugal, qual o seu peso no volume de vendas do Grupo?
    Apesar da forte aposta na exportação que marca o crescimento do Grupo praticamente desde o início, Espanha continua a ser o mercado com maior dimensão no volume de vendas para o Grupo Porcelanosa. No entanto, a aposta no mercado português tem-se verificado bastante positiva, com um crescimento muito significativo nos últimos anos. A nível ibérico, Portugal representa hoje entre 9 a 10% do volume de vendas do Grupo, o que representa o reconhecimento e grande crescimento da marca no mercado português.

    Como avalia e antecipa o mercado português? Perspectivam algum crescimento?
    Como mencionado, o mercado português tem desenvolvido significativamente nos últimos anos, apresentando um crescimento de 47,6% nos últimos cinco anos, resultado do aumento da procura em várias áreas do sector da construção, quer na reabilitação como construção nova. Em 2024, perspectiva-se a continuidade do aumento de vendas no mercado português, estimando-se um crescimento na ordem dos 6%.

    O ‘salto’ do offsite
    Uma das vossas áreas de actuação é a construção offsite, que também tem sido impulsionada em Portugal. São muitos os profissionais do sector da construção que acreditam nesta forma de construir como forma de acelerar a colocação no mercado de mais habitação, por exemplo. Como vê a Porcelanosa este segmento em Portugal?
    O paradigma do sector da construção enfrenta sérias dificuldades que conseguimos aligeirar com a construção offsite, nomeadamente a falta de mão de obra e a variação dos preços dos materiais de construção. Além das várias vantagens que os sistemas offsite oferecem, como a mão de obra qualificada, redução dos prazos de execução e a eliminação do risco da variação dos preços, estes sistemas apresentam-se, ainda, como mais sustentáveis e eficientes.
    Em Portugal começa a assistir-se a uma procura crescente por este tipo de soluções, principalmente quando falamos de empreendimentos ou outros edifícios de grande dimensão, sejam residenciais ou comerciais e acreditamos que 2024 será marcante para o desenvolvimento da construção offsite em Portugal.
    Neste sentido, a Porcelanosa tem vindo a desenvolver um trabalho no sentido de apresentar e dar formação a profissionais do sector e outros players, nomeadamente promotores, sobre as suas características e vantagens dos sistemas.

    Em que principais projectos a Porcelanosa se encontra a participar em Portugal?
    A nível de construção offsite, encontra-se a desenvolver dois projectos de grande importância, que reconhece como impulsionadoras para o desenvolvimento desta forma de construção em Portugal. Desta forma, a Porcelanosa Offsite uniu-se à Garcia Garcia Design & Build para introduzir Monobaths (casas de banho modulares) pela primeira vez em Portugal, com a primeira instalação realizada em Santo Tirso. Um projecto que demonstra como a colaboração estratégica e a procura de soluções avançadas podem conduzir a resultados excepcionais na construção industrializada.
    Por outro lado, destaca-se ainda o projecto Naus Eco Village, no Barreiro, que combinará, pela primeira vez. em Portugal os dois sistemas de construção industrializada, a Monobath e Monofachadas (fachadas modulares). Para este projecto, a Porcelanosa Offsite irá fornecer e instalar 88 casas de banho modulares e toda a fachada dos edifícios, o que irá permitir uma redução significativa do tempo de execução da obra, uma vez que tanto os módulos de casa de banho como os módulos de fachada serão produzidos em fábrica e entregues e aplicados em obra totalmente finalizados. Prevê-se o começo da obra em Junho de 2024 e o início da instalação dos sistemas de construção offsite no primeiro trimestre de 2025. Com o desenvolvimento destes projectos, perspectiva-se que surjam novas oportunidades de fornecimento e instalação de construção offsite em Portugal.

    (A jornalista viajou a convite da empresa)

    Sobre o autorCidália Lopes

    Cidália Lopes

    Jornalista
    Mais artigos
    Empresas

    Dstgroup integra laboratório vivo para a descarbonização “Afurada LL”

    Este projecto conta com quatro eixos oficiais verticais e um eixo horizontal: economia circular, mobilidade, energia, edifícios e o eixo do capital humano

    CONSTRUIR

    O consórcio que inclui o Dstgroup, através das suas empresas Dstsolar, Innovationpoint e MOSAIC (Hub de inovação do grupo para as smart cities – cidades do futuro sustentáveis), lançou o projecto ‘Afurada LL’, que surge da urgência de reduzir a pegada carbónica, tendo alcançado o objectivo de poupar mais de 13 toneladas de dióxido de carbono.

    Este projecto conta com quatro eixos oficiais verticais e um eixo horizontal: economia circular, mobilidade, energia, edifícios e o eixo do capital humano.

    Contempla um Laboratório Vivo para a Descarbonização e Mitigação das Alterações Climáticas, com base na experimentação de soluções tecnológicas, de mobilidade, de energia e de edifícios, incluindo os cidadãos no processo e na dinamização das artes.

    De forma integrada, o Dstgroup entregou uma solução chave-na-mão para a implementação da Comunidade de Energia Renovável do ‘Afurada LL’, com a instalação de Unidades de Produção para Autoconsumo, sistemas de armazenamento e uma plataforma na cloud que gere toda a energia da comunidade, baseada em inteligência artificial.

    O impacto positivo junto dos mais de 1000 habitantes da Afurada traduz-se na consciencialização da população para a literacia energética e para a urgência da mudança de comportamentos, numa iniciativa que permitiu a geração de energia responsável por 44% do autoconsumo dos edifícios, num total de 27,4 MWh.

    As soluções para a descarbonização testadas com sucesso na Afurada poderão ser aplicadas a outras freguesias de Vila Nova de Gaia, mas também a nível nacional e internacional.
    O Dstgroup colaborou também na implementação de actividades que visaram a promoção de literacia energética e sensibilização ambiental, com o intuito de ligar a comunidade ao projecto, transmitindo conhecimento e sentimento de pertença.

    “Este projecto demonstra que o Dstgroup está a construir cidades à prova de futuro. O desafio era grande e apontámos à lua. Hoje, a Afurada e Vila Nova de Gaia já estão num futuro onde a sustentabilidade, a tecnologia e a arte convergem e é bom sermos parte integrante desse sucesso”, afirmou Raul Junqueiro, head of smartcities & business development do Dstgroup.

    O Afurada Living Lab materializa uma parceria entre a Associação CEDES, o município de Vila Nova de Gaia, a GAIURB, a Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia de Trondheim, a Dstsolar, a Innovationpoint, a Watt Is, a UBIWHERE e o CEiiA.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    CIN investe 3,5M€ na automação do Centro de Distribuição de Tintas na Maia

    De modo a duplicar a capacidade de resposta e a aumentar a eficiência operacional, a CIN investiu 3,5 milhões de euros num projecto de automação no Centro de Distribuição da Maia. As obras estarão concluídas no próximo mês de Julho 

    CONSTRUIR

    A CIN investiu 3,5 milhões de euros num novo projecto de automação do seu Centro de Distribuição, situado na Maia, de forma a criar um serviço end-to-end que aumente a capacidade e eficiência do armazém, com enfoque nas etapas finais dos processos de expedição.

    O novo investimento da CIN pressupõe a integração de tecnologias de ponta que incluem um circuito RGV para movimentação automatizada de paletes para o final do seu fluxo, uma máquina plastificadora e uma remodelação de todos os tapetes transportadores, garantindo assim ganhos de eficiência operacional.

    Esta nova concepção do Centro de Distribuição da Maia levará também à reconfiguração estratégica de áreas-chave, nomeadamente a de expedição, bem como à implementação de soluções tecnológicas de última geração e a sincronização de todas as operações. O objectivo deste investimento passa, acima de tudo, por elevar a excelência logística, reduzir tempos de espera, optimizar o uso do espaço e minimizar interrupções operacionais.
    Isabel Lopes, directora de operações da CIN afirma que “este projecto de automação do Centro de Distribuição da Maia tem como objectivo primordial estabelecer um modelo que permita duplicar a capacidade instantânea do armazém para responder a picos de procura, bem como assegurar a preparação para diversos desafios logísticos que possam existir na resposta aos vários mercados da CIN”.

    Em 2004, a CIN criou um projecto de robotização deste armazém, por forma a que houvesse apoio na preparação de encomendas para expedição. Na data, o Centro de Distribuição da CIN foi o primeiro, a nível ibérico, a ser considerado robotizado. Cerca de 20 anos mais tarde, o reforço de automação por parte da marca distingue-se, mais uma vez nos mercados português e espanhol.

    Para a marca, este investimento é particularmente relevante em momentos de grande procura, uma vez que tem efeitos, por exemplo, no número de paletes completas que saem do armazém. Este processo irá incluir a criação de uma saída independente destas mesmas paletes, optimizando as entregas. Além disso, permite ter um inventário em tempo real, não sendo necessário esperar pelo levantamento anual.

    Isabel Lopes acrescenta que “é importante explicar que nenhum processo de inovação da CIN compromete os seus colaboradores, estando prevista uma total harmonia entre o trabalho humano e todas as soluções que serão implementadas como suporte ao seu desempenho”.

    As obras de implementação das novas tecnologias no Centro de Distribuição da CIN estarão terminadas em julho de 2024.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Freeport Lisboa Fashion Outlet lança nova fase de remodelação

    Arranca em Junho a nova fase de remodelação do Freeport Lisboa Fashion Outlet, que inclui a transformação completa da rua do canal central e da praça da entrada principal

    CONSTRUIR

    A transformação visual e arquitectónica das duas zonas tem como objectivo dar continuidade à remodelação feita anteriormente, harmonizando as várias áreas do centro num conceito village, para elevar a experiência de compra e tornar o espaço ainda mais sofisticado. Haverá alteração das fachadas, diminuição de barreiras físicas para uma maior amplitude visual e de circulação no espaço, e ainda o aumento das zonas verdes e de descanso, convidando a momentos de prazer e relaxe entre compras.

    “A nossa missão é a de transformar os centros que gerimos em espaços únicos e diferenciados, permitindo proporcionar experiências de compra completamente diferentes das existentes.” começa por explicar Jorge Pinto Fernandes, Portugal business director da VIA Outlets, acrescentando que “desde a primeira intervenção, concluída em 2017, já assistimos à entrada de mais de 30 novas marcas, assim como à remodelação e aumento de área de muitas lojas já existentes, o que demonstra, a par dos resultados de vendas das marcas, a confiança que as marcas estão a depositar em nós. O trabalho consolidado que temos vindo a construir permite-nos ter hoje uma oferta diversificada e de grande qualidade para quem nos visita.”

    O resultado do trabalho desenvolvido desde a aquisição é também reflectido nos resultados do grupo e do centro. O ano de 2023 foi registo um aumento de 13% nas vendas das marcas do centro, assim como um crescimento de 11% no número de visitantes, face ao ano anterior. O turismo também registou um excelente crescimento, nomeadamente o não europeu, que foi superior a 30% (Tax Free). Visitantes do Brasil, Angola, Moçambique, Estados Unidos e China estão no top de nacionalidades.

    Já Nuno Oliveira, regional business director da VIA Outlets Ibéria, afirma que “Portugal é um mercado de enorme relevância no grupo VIA Outlets, razão pela qual tem havido um investimento contínuo nos nossos centros no país. Recentemente anunciamos a expansão do Vila do Conde Porto Fashion Outlet e, agora, num esforço de uniformização da experiência de compra e do acolhimento dos nossos convidados a nível internacional, estamos a investir na remodelação e expansão de alguns centros, como é o caso do Sevilla Fashion Outlet, que já foi inaugurado no final de 2023, ou agora o Freeport Lisboa Fashion Outlet.”

    A sustentabilidade também faz parte do novo projecto, e está integrada em todos os aspectos da gestão e, sobretudo, numa remodelação desta natureza. As directrizes internas de sustentabilidade do Grupo VIA Outlets, para a Construção e Remodelação requerem que todos os novos edifícios ou remodelações relevantes sejam desenvolvidos de forma a atingir a eficiência energética, hídrica e o respeito pela biodiversidade.

    Desde os materiais utilizados à eficiência energética, passando pelo respeito pela tradição local, pela inspiração na arquitectura local e inclusão de espaços verdes, a remodelação do centro tem a sustentabilidade presente. O objectivo passa por dar continuidade aos esforços já existentes para o centro no geral e conseguir alcançar o nível máximo de certificação BREEAM de Outstanding. Para tal, contam com a instalação recente de painéis solares e iluminação de baixo consumo LED; a reutilização e recolha de águas pluviais; a plantação de vegetação local de baixo consumo de água e com rega gota-a-gota automática e com sensores de humidade, entre outras acções. Haverá também um reforço de instalação de carregadores de veículos eléctricos, para um total de 34 lugares de carregamento.

    O projecto de remodelação será desenvolvido em parceria com o atelier de Arquitectura L35, que tem colaborado também com outros centros do portfólio VIA Outlets na Europa, nomeadamente responsável pelo projecto de expansão de Vila do Conde Porto Fashion Outlet.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Kyndryl expande colaboração com a consultora EY

    A Kyndryl  renovou o acordo a cinco anos com a Ernst & Young LLP (EY) para continuar a gerir o ambiente SAP, bem como fornecer serviços de modernização e segurança para os sistemas de missão crítica que suportam as suas operações de auditoria e consultoria

    CONSTRUIR

    Este trabalho é o resultado de uma colaboração de quase uma década, na qual a Kyndryl (NYSE:KD), executou e geriu as cargas de trabalho SAP da EY. A EY também aproveitará a experiência da TI para ajudar a analisar e optimizar processos SAP. Com o conhecimento e a orientação dos especialistas da Kyndryl Consult, a EY pode identificar novas eficiências de desempenho que suportam o seu ambiente SAP actual, bem como os seus objectivos de crescimento e modernização a longo-prazo.

    “A colaboração com a Kyndryl é fundamental para o sucesso do negócio da EY em termos globais,” afirma Tim Monson, Technology Partner da EY. “O ambiente SAP da EY é uma mistura de soluções on-premises e em cloud, e a Kyndryl desempenha um papel fundamental no suporte ao processamento financeiro global da EY em SAP, a nível mundial. O compromisso da Kyndryl em manter esta verdadeira colaboração é o que faz com que a relação funcione, tornando-a realmente especial.”

    “Tal como as equipas da Kyndryl ajudam os nossos clientes a resolver os seus maiores desafios de negócio, a EY tem um historial comprovado no apoio aos seus clientes a criar valor a longo- prazo”, explica Amy Salcido, Presidente da Kyndryl US. “Entendemos que a EY tem requisitos e necessidades comerciais em rápida mudança. Através da nossa experiência e conhecimento, estamos a permitir-lhes reagir com agilidade e apoiar os seus clientes. Temos orgulho em ser parte da rede de parceiros de longa data e estamos ansiosos por tudo o que continuaremos a realizar em conjunto.”

    Além disto, a Kyndryl vai reforçar a resiliência cibernética das operações de TI da EY com mais segurança para cargas de trabalho de missão crítica, fornecer continuidade de serviço e desenvolver a protecção de dados em torno de transacções comerciais com clientes da EY. A Kyndryl integrará uma nova tecnologia de segurança de terminais utilizando os princípios Zero Trust para apoiar a conformidade da EY com as normas de auditoria em constante mudança e melhorar a protecção contra ameaças de cibersegurança. Em concreto, a Kyndryl está a incorporar novas tecnologias para melhorar a análise de vulnerabilidades de segurança, bem como a integrar e executar novos sistemas de verificação de malware e identidade.

     

    Recentemente a Kyndryl assinou também acordo com a Mota-Engil 

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Grupo Everybody Wins aposta num parque fotovoltaico de 110 painéis

    O parque foi instalado na sua sede, um edifício de cinco pisos, localizado na Quinta da Beloura, Sintra. O investimento permite ao Grupo reduzir os seus consumos em 95% na factura da energia

    CONSTRUIR

    O Grupo Everybody Wins, o maior grupo de franchising do país, a que pertencem as marcas RE/MAX, MELOM e Querido Mudei a Casa Obras, MaxFinance Portugal e LeaseCapital, anuncia a instalação de um parque fotovoltaico de 110 painéis na sua sede, um edifício de cinco pisos, localizado na Quinta da Beloura, Sintra, que permitem a produção de energia de fonte renovável. Com esta instalação, o Grupo prevê reduzir os seus consumos em 95% na factura da energia. Esta instalação é mais uma das apostas do Grupo em medidas sustentáveis, que visam a optimização energética e um maior compromisso com o ambiente.

    Em Dezembro do ano passado, no acordo alcançado na Cimeira do Clima – COP28, que decorreu no Dubai, foi aprovado uma transição para o abandono dos combustíveis fósseis nos sistemas energéticos “de forma justa, ordenada e equitativa”, acelerando a acção nesta década para atingir as emissões zero de gases com efeito de estufa em 2050. Na lista de intenções saídas da COP28 estão também triplicar a produção de energia renovável a nível mundial e duplicar até 2030 a taxa média anual global de melhoria da eficiência energética, bem como acelerar os esforços no sentido da eliminação progressiva da produção de energia a partir do carvão.

    O Grupo Everybody Wins tem vindo a diminuir os consumos, através da utilização de iluminação LED e equipamentos que permitem reduzir os consumos, tendo em Julho de 2023, instalado mais de seis mil lâmpadas led. O Grupo reduziu, nessa fase, os seus consumos em 65% na factura da energia.

    “Todos nós temos um papel a desempenhar na protecção do nosso planeta. Juntos, podemos construir um futuro onde a sustentabilidade seja a norma e não a excepção. Temos muito orgulho em ser um Grupo amigo do ambiente e acreditamos na premissa que pequenos gestos possam efectivamente mudar o mundo, sendo possível alcançar resultados tangíveis, através de acções concretas”, conclui Manuel Alvarez, presidente Grupo Everybody Wins.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Leroy Merlin lança podcast dedicado à sustentabilidade

    “Nem de propósito” é o nome do primeiro podcast da Leroy Merlin, que se estreia neste formato para promover conversas sobre sustentabilidade

    CONSTRUIR

    O podcast “Nem de Propósito” nasce do propósito da Leroy Merlin em garantir que a sustentabilidade está no centro do seu negócio. Determinada a ser a voz da mudança, a empresa especializada na venda de soluções para a casa abre agora as portas a um espaço que visa promover conversas sobre temas relevantes para o consumidor dentro da esfera da sustentabilidade – social, económica e ambiental – e sensibilizar a sociedade para cada um deles.

    Com um total de sete episódios, cada um deles aborda um tema diferente, mas com o mesmo objectivo: o de partilhar informações valiosas que os ouvintes possam aplicar nas suas vidas. Os sete temas que dão corpo a cada um dos sete episódios previstos são os seguintes: sustentabilidade, o tema base dos episódios; pobreza habitacional, um dos principais problemas do país; transição energética; resíduos; pegada de carbono; consumo responsável e sustentabilidade social.

    “A sustentabilidade está no centro da actividade da Leroy Merlin e é palpável em inúmeras iniciativas que desenvolvemos. O lançamento do podcast. “Nem de propósito” surge como uma extensão do trabalho que temos vindo a fazer internamente, mas achamos necessário e útil trazer estas conversas para o espaço público para que a mudança possa ser pensada e realizada por todos. Chegou o momento e não podíamos estar mais entusiasmados!”, afirma João Lavos, líder de Impacto Positivo na Leroy Merlin Portugal.

    Conduzido por Isabel Silva, o podcast terá como convidados Catarina Barreiros, a organização Just a Change, com quem a Leroy Merlin colabora para combater a pobreza habitacional, Tiago Lagoa, engenheiro do ambiente, Rita Tapadinhas, fundadora do projecto de sustentabilidade “Plant a Choice”, Tânia Martins, arquitecta de profissão e criadora de conteúdos de casa e decoração, procurando inspirar a casas mais eficientes, Joana Joes fundadora de uma marca de roupa eco-friendly; e ainda Capicua.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Soluções ‘agrivoltaicas’ para um futuro sustentável

    O ‘agrivoltaico’ combina a produção de energia solar fotovoltaica com actividades agrícolas na mesma área e emerge como uma solução promissora para enfrentar os desafios globais da energia e da alimentação

    CONSTRUIR

    O ‘agrivoltaico’, conceito que tem ganho destaque nos círculos científicos e empresariais, é uma abordagem integrada que procura optimizar o uso do solo, permitindo a coexistência harmoniosa de sistemas agrícolas e de geração de energia renovável. Além de maximizar a eficiência do uso da terra, também oferece vários benefícios ambientais, como a redução da erosão do solo, o fornecimento de sombra para as plantas e a diminuição da evaporação da água.

    A Image4All tem desempenhado um papel relevante na promoção e implementação do ‘agrivoltaico’ em Portugal, sendo responsável pelo desenvolvimento e gestão de diversas iniciativas nesta área. Um exemplo é a recente criação da Horta Solar, projecto inovador em colaboração com a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL)

    Este projecto tem ainda uma dimensão de investigação para a qual a Image4All contribui com o objetivo de potenciar e desenvolver o setor científico do país, com o objetivo de otimizar o uso da energia e um exemplo concreto do potencial do ‘agrivoltaico’, onde os sistemas de energia solar fotovoltaica são integrados com sistemas agrícolas para criar um ambiente sinérgico e simbiótico.

    Para além disso, o projecto da Horta Solar demonstra a viabilidade do ‘agrivoltaico’ tanto em ambientes rurais quanto urbanos, abrindo portas para futuras aplicações em diversas áreas.
    Um dos aspectos mais notáveis do ‘agrivoltaico’, é a capacidade de resolver dilemas complexos, como a competição entre terra e agricultura e a produção de energia renovável.

    Ao aproveitar terrenos agrícolas para a instalação de sistemas fotovoltaicos, o ‘agrivoltaico’ oferece uma solução elegante que promove a sustentabilidade ambiental e económica.
    Todos os projectos de âmbito ‘agrivoltaico’ têm modelos contratuais associados e na agricultura o autoconsumo faz todo o sentido, uma vez que a montagem de projetos de autoconsumo de energia exponencia uma maior resiliência face a eventos climatéricos extremos que danificam as culturas e acarretam um maior consumo de energia, também nas estufas e nas instalações associadas.

    O autoconsumo, quer individual quer colectivo, vai permitir uma autonomização do consumo de energia eléctrica e é ainda importante também em relação a eventuais falhas da rede pública de energia, para além de permitir a uma exploração agrícola ter uma fonte de energia mais barata.

    “O potencial do agrivoltaico é vasto e versátil”, afirma o CEO da Image4All. “Desde logo com inúmeras vantagens competitivas na utilização desta tecnologia, que passam pela redução de custos operacionais da exploração, pelo aumento da resiliência das culturas e aumento da produtividade agrícola, a que se associa ainda a redução do consumo de água e redução do consumo energético”, resume João Loureiro.

    O responsável sustenta que “a optimização energética nas suas múltiplas vertentes é estrutural para o futuro”. A Image4All trabalha para a potenciar e desenvolver essa optimização, inovando nas respostas e alargando o leque de soluções, como ‘agrivoltaico’.

    O ‘agrivoltaico’ representa uma abordagem inovadora que visa equilibrar a crescente procura de energia renovável com a necessidade de preservar recursos agrícolas e salienta a importância de encontrar soluções sustentáveis e integradas para enfrentar os desafios globais relacionados à energia e agricultura.

    Com um compromisso contínuo com a inovação e a sustentabilidade, a Image4All trilha um futuro onde a energia renovável e a agricultura podem coexistir em harmonia, impulsionando o desenvolvimento económico e a preservação ambiental.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Imovendo: A proptech portuguesa que é uma imobiliária

    A agência imobiliária digital portuguesa nasceu há cinco anos. Lutou com as desconfianças inicias numa actividade que vive de relações humanas e tem vindo a afirmar-se num mercado onde o digital e o negócio online estão a crescer

    “Se posso encomendar um Uber Eats às 10 horas da noite, porque não posso também começar a transaccionar o meu imóvel às 10 horas da noite de um domingo?”. A questão é de Miguel Mascarenhas, CEO da Imovendo e um dos fundadores da consultora proptech portuguesa que actua no ramo imobiliário e na sua mediação. Na prática, é isso que a Imovendo vem acrescentar ao mercado a possibilidade de, de forma digital, tratar de todo o processo de compra/venda do imóvel.

    Miguel Mascarenhas, CEO e fundador da Imovendo

    Como funciona e qual o modelo de negócio da Imovendo?
    Somos uma agência imobiliária digital, com todos os requisitos legais como todas as outras. O que nos diferencia no modelo de actuação face a uma agência imobiliária fixa é, do lado do cliente, o termos uma comissão fixa de 5000€, com iva incluído, ao invés da tradicional 5% sobre o valor transaccionado do imóvel. Ou seja, um valor que há de ser 3 a 5 vezes mais baixo do que o praticado pelo mercado. Do lado dos agentes/colaboradores estes estão na Imovendo a full-time e o seu rendimento está menos dependente dos negócios se concretizarem. Isto permite-nos, com crescimento e escala, reduzir custos. O nosso foco é servir o cliente e garantir o melhor preço dos seus imóveis.

    Como é que estão estruturados?
    Temos três equipas principais. Uma equipa operacional que angaria os imóveis e explica o conceito da Imovendo. Não fazemos visitas ao imóvel, mas apoiamos os proprietários nessa tarefa. Uma segunda equipa qualifica as leads, agenda as visitas, está presente na negociação e na escritura. Outra equipa mais processual/compliance garante que toda a informação está correcta e certificada, em cumprimento dos requisitos legais. E depois temos uma quarta equipa, se quiser usar o termo, que faz o desenvolvimento da plataforma. A Imovendo faz cinco anos e estamos permanentemente a desenvolver e a optimizar o processo.

    Como lutaram com a desconfiança inicial numa actividade que vive muito das relações humanas?
    Quando nos lançámos no mercado foi em 2019 foi difícil conseguir os primeiros imóveis. Mas depois com a pandemia as pessoas começaram a perceber que podiam tratar as coisas por telefone e online, e começaram a confiar mais nestes processos. Actualmente, temos cerca de uma centena de propriedades na nossa carteira.

    Lisboa e Porto no centro da actividade
    Quem é o vosso cliente tipo e que tipo de imóveis passam pela Imovendo?
    Principalmente apartamentos em Lisboa e do Porto do segmento médio/alto, com valores entre os 300 e os 600 mil euros. A maioria dos nossos clientes são pessoas com instrução, que compreendem o mercado e sabem como funciona o processo. Nestes cinco anos transaccionámos cerca de 400 imóveis, temos uma boa performance. Fizemos o estudo o ano passado e num ano geramos uma poupança para os nossos clientes de cerca de dois milhões de euros em comissões.

    Como é que sentem a evolução do mercado imobiliário?
    Nos últimos 10 anos o valor dos imóveis em Portugal teve aumentos insustentáveis do valor do m2. Só o ano passado o mercado começou a estabilizar o que faz com que os valores anunciados e os valores a que os imóveis são de facto transaccionados estão muito próximos. Mas continua a haver uma falta generalizada de “produto” e sem nova construção não haverá um verdadeiro equilíbrio do mercado.

    Qual o vosso plano de expansão, como pretendem crescer no futuro?
    Como proptech que somos temos um pouco o ADN de ser uma empresa tecnológica, uma empresa de internet. É importante garantirmos que a nossa plataforma criada in-house tenha capacidade para absorver e acompanhar o crescimento, sejamos capazes de passar de 100 para 200 ou para 1000 imóveis, enquanto em termos de modelo de negócio mantemos os custos controlados. Estamos permanentemente a melhor o sistema e continuamos a investir na marca e a dá-la a conhecer a um cada vez maior número de proprietários. Trabalhamos de forma diferente e acreditamos que o mercado se está a adaptar. Se olharmos muito para a geração (a que compra e a que vende), daqui a uns anos esta população vai estar ainda mais confortável em usar este modelo online.

    Não há o risco da IA surgir e tornar o que existia antes obsoleto?
    Não vemos a IA como um risco. Mais como uma oportunidade. Como eu falei há pouco, temos uma plataforma central em que temos os inputs todos, todos os dados, todos das transacções, o que nos vai permitir criar modelos de futuro e estarmos melhor preparados para o mercado vir para o online. Estamos numa boa posição.

    Portugal tornou-se o país dos unicórnios. Como é que vêm o mercado do ponto de vista da tecnologia?
    Muitas dessas empresas não estão focadas em Portugal. Normalmente têm âmbitos globais. O nosso objectivo é estarmos focados em Portugal e crescer consoante o mercado nacional.

     

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    Empresas

    Cânhamor lança ‘Guia” para cultivo de cânhamo para a construção

    “Estamos a trabalhar para desmistificar a utilização de cânhamo no sector e temos vindo a sentir que a procura de materiais mais alternativos e ecológicos está a aumentar”, refere Elad Kaspin, director da Cânhamor

    CONSTRUIR

    Com o objectivo de incentivar os agricultores a introduzirem o cultivo de cânhamo nas suas plantações, a empresa portuguesa Cânhamor acaba de anunciar o lançamento de um ‘Guia de Cultivo de Cânhamo 2024’. O manual já se encontra disponível, podendo ser descarregado através do website oficial da marca.

    “O cultivo do cânhamo não é, de forma alguma, um conceito novo. Ao longo dos últimos anos, temos vindo a fazer um grande trabalho de investigação desta matéria-prima e o lançamento do primeiro Guia de Cultivo de Cânhamo, em Portugal, é fruto disso mesmo. Acreditamos que o conhecimento compartilhado vai contribuir, significativamente, para o crescimento sustentável e bem-sucedido da indústria”, explica Elad Kaspin, director da Cânhamor.

    “Este manual oferece um conhecimento essencial e prático sobre todas as fases do cultivo, ao mesmo tempo que aborda questões ambientais e sustentáveis, destacando a importância da agricultura responsável e práticas de cultivo que promovem a saúde do solo e a biodiversidade”, conclui.

    Dividido em diversos capítulos – desde a preparação do solo à colheita e pós colheita – o manual técnico trata-se de uma compilação única de todas as informações inerentes à actividade e pretende promover o conhecimento sobre a temática, demonstrar as boas práticas e técnicas de cultivo e inspirar todos os agricultores a produzirem a matéria-prima e adoptarem práticas de cultivo mais sustentáveis.

    “Estamos a trabalhar para desmistificar a utilização de cânhamo no sector e temos vindo a sentir que a procura de materiais mais alternativos e ecológicos está a aumentar”, acrescenta.

    Criada em 2021, a Cânhamor apresenta uma solução “100% ecológica” para a construção civil: os ECOblocos. Uma alternativa ao material utilizado na construção convencional, que, além de toda a vertente sustentável, são mais “duradouros, leves e resistentes”, permitem um “melhor isolamento térmico, absorvem naturalmente a humidade, são resistentes ao fogo e garantem um melhor isolamento acústico”.

    No último trimestre do ano está deverá estar concluída uma nova unidade fabril da empresa, cujo investimento de 15 milhões de euros, irá permitir que este seja “única” do Mundo a controlar todo o processo produtivo, desde a matéria-prima até ao fabrico e venda do produto final.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.