Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    CLS iMation apresenta nova solução de realidade virtual para a intralogística

    GEMINI é uma solução desenvolvida pela CLS iMation que permite criar um gémeo digital do armazém ou fábrica para desenhar soluções logísticas com real valor acrescentado

    CONSTRUIR
    Empresas

    CLS iMation apresenta nova solução de realidade virtual para a intralogística

    GEMINI é uma solução desenvolvida pela CLS iMation que permite criar um gémeo digital do armazém ou fábrica para desenhar soluções logísticas com real valor acrescentado

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas

    A CLS iMation anunciou o lançamento do GEMINI, a nova suite de software para a intralogística e logística de fábrica. A suite de software apresenta uma vasta gama de ferramentas que permitem à CLS iMation acompanhar o cliente ao longo de todo o projecto. Graças a esta nova solução, a unidade de negócios da CLS dedicada a Intelligent Solutions for Logistics Automation consegue estabelecer uma linha mais directa com o cliente, obter uma percepção mais clara das suas necessidades e satisfazer as suas exigências de forma mais eficaz.

    “GEMINI é uma ferramenta com a qual a CLS iMation é capaz de estudar, conceber e configurar as suas próprias soluções, aumentando o valor das operações conduzidas no interior da fábrica e minimizando os custos e o tempo de instalação”, refere a empresa. A ferramenta está dividida em três pacotes: GEMINI Solutions, GEMINI VR & GEMINI Commissioning. O primeiro é capaz de simular a solução já em fase de estudo, permitindo modelar tanto as operações manuais como as confiadas às máquinas automáticas. O GEMINI VR é a ferramenta através da qual o cliente pode receber periodicamente material e documentação detalhada sobre o progresso do seu projecto. Além disso, o cliente pode usufruir de uma experiência imersiva daquilo que será a sua fábrica uma vez concluída a instalação da solução.
    Por último, com a GEMINI Commissioning, a CLS iMation consegue que a simulação da planta interaja com o seu próprio WMS ou com o do cliente. Isto reduz ao mínimo o tempo necessário para a instalação, bem como o número e a extensão das melhorias que de outra forma seriam realizadas após a entrega da fábrica.

    “A equipa da CLS iMation desenvolveu a nova solução GEMINI a fim de acompanhar de perto os seus clientes ao longo de todas as fases do projecto, desde o estudo inicial até à entrega. O software permite que as empresas experienciem, de forma intuitiva e imediata, a realidade dos seus armazéns uma vez que são acompanhadas de forma precisa e realista até à optimização logística do seu produto escolhido. A CLS iMation pode assim estudar, conceber e configurar as suas soluções de uma forma ainda mais personalizada, maximizando o valor das operações conduzidas no interior da fábrica e minimizando os custos e tempo de instalação, com claros benefícios para o cliente”, afirma Rino Melone, Director de Marketing & Produto da CLS.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    PUB
    Empresas

    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE

    A Agenda ILLIANCE integra 29 entidades, lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. A Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais

    CONSTRUIR

    A Bandora, empresa portuguesa especialista em tecnologia de eficiência energética para edifícios inteligentes, foi convidada pela Bosch Termotecnologia, para integrar a Agenda Mobilizadora “ILLIANCE”, financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência.

    “Estamos entusiasmados com a oportunidade de explorar novas fronteiras tecnológicas no mercado de casas inteligentes”, revela a CEO da Bandora, Márcia Pereira. “Acreditamos que a Agenda ILLIANCE é um passo importante para alcançar a neutralidade carbónica no sector dos edifícios. Para uma startup portuguesa, este compromisso representa uma oportunidade única de liderança e inovação para contribuir para um futuro mais sustentável. Esta iniciativa só reforça o nosso compromisso nesse sentido. Estamos confiantes de que, ao adoptar medidas concretas para reduzir as emissões de carbono, não só estaremos a ajudar o planeta, mas também a fortalecer a nossa posição no mercado e a aprofundar o nosso impacto positivo na sociedade”, acrescenta a responsável.

    No âmbito do projecto ILLIANCE a Bandora desenvolverá uma plataforma digital para gerir a operação energética de edifícios residenciais, tanto individualmente quanto em Comunidades de Energia, integrando sistemas IoT (Internet das Coisas) e aplicando machine learning para a automação e optimização do consumo. A inteligência artificial será utilizada para responder às necessidades dos utilizadores de forma eficiente e sustentável.

    A Agenda ILLIANCE é composta por um consórcio de 29 entidades lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para promover a inovação e a competitividade com a visão de criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. Como parte da Agenda ILLIANCE, a Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais. Esta integração permitirá à startup portuguesa expandir a sua equipa de engenharia e explorar o crescente mercado de casas inteligentes, respondendo aos desafios actuais e futuros do sector da energia aplicada aos edifícios.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Expansão da Vista Alegre e Bordallo Pinheiro na Ásia com ajuda de Cristiano Ronaldo

    O futebolista português é o novo accionista da Vista Alegre Atlantis e prepara-se, em conjunto com a Visabeira, para criar uma nova empresa para o Médio Oriente e Ásia, visando a expansão das históricas marcas Vista Alegre e Bordallo Pinheiro para estes mercados

    CONSTRUIR

    Cristiano Ronaldo adquiriu, através da CR7 SA, 10% do capital da Vista Alegre Atlantis e acordou adquirir, em operação a concretizar nos próximos dias, 30% do capital da Vista Alegre Espanha. Em alinhamento estratégico com o Grupo Visabeira, as partes acordaram ainda a criação conjunta, em partes iguais, de uma nova empresa no Middle East & Asia, cujo objectivo é fazer crescer as marcas Vista Alegre e Bordallo Pinheiro naquelas geografias. Esta colaboração entre ambas permitirá acelerar o processo de expansão global das marcas no segmento de prestigio/luxo em vários mercados internacionais, tanto no retalho como na hotelaria premium.

    “A Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro são marcas pelas quais sempre tive uma grande admiração e das quais sou cliente assíduo. A possibilidade de apoiar a estratégia de globalização da marca Vista Alegre, como marca de lifestyle de luxo, é um orgulho para mim enquanto português. Faremos juntos tudo o que estiver ao nosso alcance para promover este ícone nacional de excelência e colocá-lo no patamar das melhores marcas do mundo” salientou em comunicado o jogador.

    Fernando Campos Nunes, fundador e accionista do Grupo Visabeira, detentor do Grupo Vista Alegre Atlantis SGPS, fez questão de salientar que “é com grande entusiasmo que recebemos o Cristiano Ronaldo como nosso investidor, representando este momento a união de duas das mais relevantes e unânimes marcas portuguesas. Cristiano Ronaldo é um elemento indissociável de Portugal. Consegue levar o nome do nosso país aos lugares mais recônditos da Terra, com uma imagem de trabalho, dedicação, simpatia e muito talento. É verdadeiramente uma marca planetária. Para além disso, tem um enorme orgulho no seu país e todos o admiram. Assim também são a Vista Alegre e a Bordallo Pinheiro. Por isso, a coordenação de esforços destas que são as marcas portuguesas mais internacionais só pode ser boa para todos: Cristiano Ronaldo, Vista Alegre e Portugal”, afirmou o empresário.

    Este investimento acontece numa altura em que a marca, fundada em 1824, comemora os seus
    200 anos de existência, com várias acções em Portugal e nos mercados externos, entre exposições, publicações, lançamento de peças com artistas e designers nacionais e internacionais, e eventos vários.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Empresas

    “Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro”

    Em entrevista exclusiva ao CONSTRUIR, o presidente da CONSTRUMAT explica a importância de uma maior aposta em áreas como a industrialização ou a construção em madeira, atendendo a que Portugal e Espanha estão hoje perante um cenário de transformação. Xavier Vilajoana fala da importância da presença de empresas portuguesas num evento que procura aproximar-se da referência europeia na fileira da construção

    Ricardo Batista

    Ao CONSTRUIR, enquanto decorria a edição deste ano da CONSTRUMAT, o presidente do salão explicou que os expositores marcam presença no evento porque têm a garantia de que se trata de uma iniciativa de negócio, mais do que uma mostra de produtos. Xavier Vilajoana  ainda digere a edição deste ano sem, no entanto, ambicionar que o evento, promovido pela Fira de Barcelona, possa crescer tanto em espaço como qualitativamente.

    Abertas as portas da CONSTRUMAT deste ano, em que ponto do mercado estamos, da economia, no mercado deste negócio de construção?

    Estamos num bom momento. Continuamos a crescer de forma sustentada e, além disso, estamos em plena transformação. Ou seja, estamos em um momento em que é preciso construir mais e de forma mais sustentável. É necessário construir pensando no presente, mas sobretudo no futuro. E, além disso, há muitas necessidades do nosso sector, tanto a nível residencial como a nível de infraestruturas.  Portanto, estamos numa fase particularmente positiva, de crescimento. E mais: estamos numa fase de expansão tanto quantitativamente quanto qualitativamente, o que também é muito importante.

    Esta foi há alguns anos uma das melhores e maiores feiras de construção na Europa. Que caminho importa percorrer agora para recuperar esse posicionamento?
    Acho que ainda somos uma feira de referência. O que é certo é que, evidentemente, não estamos nos níveis em que estivemos no início do Século e estou certo de que esses são tempos que não voltarão mais. Mas também porque queremos voltar às origens. Procuramos ser uma Feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura. Aqui pode-se encontrar desde inovação em maquinaria, em materiais, novos sistemas construtivos, novas tecnologias, startups, ou seja, muitos subsectores da construção que são muito importantes estão aqui representados, neste que é um ponto de encontro para todos os que querem ver onde estamos e sobretudo para onde vamos.

    Falando com alguns dos expositores, sublinharam que esta é uma feira muito especial porque, diziam, “aqui não somos meros expositores, somos negociantes. Aqui faz-se negócio”. É assim?

    Exactamente. De facto, é um dos valores acrescentados que tem a CONSTRUMAT. Os expositores, no final, o que vêm procurar é isso. Campanhas de marketing e de promoção de marca quase todas as empresas já o fazem fora das Feiras. Portanto, aqui, principalmente, o que eles vêm procurar é negócio. E se crescemos em relação à edição anterior em 50%, é porque a resposta é muito positiva e a satisfação também. “De boca em boca” é o que melhor funciona quando se trata de uma campanha de marketing. E esperamos que a edição do próximo ano seja ainda melhor do que foi a deste ano e possamos ocupar, se possível, outro pavilhão maior. No final, se conseguirmos que os expositores e visitantes se sintam bem e estejam, pelo menos, tão satisfeitos quanto na edição anterior, eu acredito que continuaremos a crescer e poderemos voltar a ser o salão de referência de construção em Espanha e, por que não, rivalizar com outras feiras de referência na Europa como a Batimat (Paris, França) ou a Bauma (Munique, Alemanha).

    Xavier Vilajoana, presidente da CONSTRUMAT

    Percorrendo a feira, percebi que há uma mudança efectiva até ao nível dos expositores.
    Falamos de novos sistemas construtivos, construção em madeira, novos métodos de construção, industrialização da construção. Isso é mudança comum tanto em Portugal como em Espanha, desde logo porque partilhamos um problema derivado da falta de mão-de-obra. Seria também uma mudança na forma de fazer construção?

    Sim. Veja: sempre disse que este é um sector muito resiliente. Sempre foi. É um sector que sempre olhou para o futuro, sempre antecipou as necessidades do futuro, tanto da sociedade como do planeta, e a industrialização é uma parte da solução. Além disso, a industrialização pode ter muitos níveis: pode ser na totalidade, pode ser em módulos, pode ser em pequenos detalhes ou espaços como cozinhas, casas-de-banho. Além disso, a industrialização tem uma vantagem, que é permitir a incorporação de mão de obra, por exemplo, do sector feminino, mas, além disso, reduzir tempos de obra. Por outro lado, em cidades muito consolidadas é mais complicado de fazer. Ocupar um espaço entre dois edifícios existentes é difícil recorrendo a um processo industrial. Mas é verdade que é um sector que é uma soma de muitas soluções. Felizmente, aqui na CONSTRUMAT, podemos ver muitas dessas soluções. E há mais: este é um sector onde os diferentes actores colaboram e cooperam muito entre si. Não é a primeira vez que vêm duas empresas diferentes, com produtos diferentes, e se olham, falam, trocam ideias e dessa colaboração surge um novo produto como consequência dessa transmissão de conhecimento. E isso para nós também gera um valor agregado muito alto. Depois, a sustentabilidade. É evidente que agora não só se olha os edifícios pensando no presente, ou seja, quando estiverem construídos, mas também se tem em conta a sua vida útil, o consumo que sustentam, as emissões de CO2, como também ao nível de manutenção. Ou seja, os edifícios têm que ser sustentáveis economicamente, ambientalmente e socialmente.

    Há um ciclo de vida muito longo de um edifício…
    Exactamente. E tem de ser levado em conta. As pessoas já olham quanto vai custar a manutenção e os custos que vai ter esse edifício, ou a casa, ou o apartamento onde vai morar.

    E considerar também o processo de eventual demolição
    A reciclagem e a reabilitação são muito importantes. Actualmente avançou-se muito. Há empresas de demolição que já implementam, no mesmo terreno onde se demoliu, pequenas estações de reciclagem dos materiais, que depois são reutilizados na nova construção. Isso já funciona há algum tempo e cada vez a economia circular na construção está mais difundida.

    Procuramos ser uma feira muito profissional, onde o networking e as oportunidades de negócio sejam muito fortes, tanto na perspectiva dos expositores como dos visitantes, mas que também seja uma montra de soluções tão transversal como era naquela altura

    O que Portugal pode trazer para CONSTRUMAT? Que valor acrescentado podem ter os expositores de Portugal?
    Portugal e Espanha são pontos de união entre a América e a Europa. São pontos de entrada. Além disso, têm muitas semelhanças. Têm o mesmo tipo de cidades consolidadas mas, ao mesmo tempo, têm municípios afastados das grandes cidades que precisam dessa comunicação para que possam crescer de forma sustentável. Acredito que em Portugal também têm um problema de acesso à habitação principalmente em grandes cidades como Lisboa por exemplo, e esse é um problema comum. Isso só se resolve construindo mais e fazendo mais apartamentos, porque se a promoção de novas casas é mais célere que a construção dos mesmos é muito evidente que haverá tensões no mercado. Mas isso não se pode só limitar às grandes cidades. A resposta a estes problemas depende, também, da execução de boas redes de comunicação e de mobilidade.  É importante considerar que o cálculo de distâncias seja feito em minutos e não apenas em quilómetros. Quando conseguirmos isso teremos mais facilidade para crescer.

    Consolidar novas áreas urbanas…
    Exacto, e bem comunicadas. Dou sempre este exemplo: se planificar agora uma viagem a Londres, vou ter vários aeroportos onde aterrar. Seja Luton, Gatwick, Stansted. Para termos uma ideia: Stansted está a uma distância quase equivalente à distância entre Barcelona e Girona. E, no entanto, quando tu vens a Barcelona e aterras em Girona, não pensas que estás a vir para Barcelona. E, no entanto, estás à mesma distância que, por exemplo, o aeroporto de Stansted. De Stansted ao centro de Londres demoras 25 minutos. Quando conseguirmos isso, aliviaremos o peso e a pressão que há nas cidades como Lisboa ou Barcelona, por exemplo, que são tão solidárias e tão maduras.

    Este ano têm um país convidado, Marrocos. O que significa isso? Um piscar de olho ao Mundial, que Espanha organiza em conjunto com Marrocos e Portugal?

    Sim, também. É o primeiro ano que temos um convidado de honra. Neste caso, a escolha acabou por ser Marrocos porque na edição anterior da CONSTRUMAT, quase 30% dos visitantes era desse País, naquela que foi a nacionalidade mais representativa entre os visitantes. Além disso, se considerarmos que Espanha passou a ser o primeiro país na relação comercial com Marrocos, ultrapassando a França, também nos fez pensar nesta opção. A isto junta-se, claro, o facto de Espanha, juntamente com Portugal, organizar conjuntamente o Mundial de 2030 de futebol. Então dissemos que este era o melhor momento. Mas evidentemente, nas próximas edições haverá outros países e porque não Portugal? É um dado curioso que muitas vezes olhamos para o perfil do visitante como um perfil europeu por estarmos tão perto. Mas há um número considerável de visitantes de outros continentes. Há uma conexão muito grande com estas feiras. Eles podem trazer e beber muito desta informação que nós partilhamos neste tipo de eventos. De facto, somos a porta de entrada para a Europa para o continente africano e, portanto, eles também têm de aproveitá-lo. Somos a porta de entrada para a Europa e eles são a nossa porta de entrada para África. Portanto, é normal que com os países do norte de África tenhamos este tipo de relação. Além disso, eles também precisam crescer muito em infraestruturas. As empresas europeias, e quase todas espanholas, são especialistas. Temos grandes empresas nacionais que trabalham por todo o Mundo, muito importantes, e, portanto, é um factor a ter em conta. Mas não só o continente africano, o continente asiático também traz muitos visitantes. E o americano. Tanto o norte-americano como o sul-americano. Realmente estamos num lugar, Barcelona neste caso, que é um nexo de união de muitas culturas, de muitos países e de muitos continentes. E temos de aproveitar isso.

    Pode-se saber um pouco mais sobre a próxima edição? O que têm planeado?
    De momento estamos a desfrutar desta. E estamos, felizmente, sobrecarregados porque o sucesso, por enquanto, está a ser muito alto. Está a corresponder às expectativas que tínhamos. E para o ano queremos crescer. Queremos alcançar um volume não só quantitativo, mas qualitativo, para podermos competir com feiras como a Batimat ou a Bauma. Porque se para o ano conseguirmos alcançar o volume que queremos, passaríamos a edições bienais para competir ombro a ombro com estas duas grandes feiras europeias. A intenção da CONSTRUMAT não é que se torne numa feira de mostra de produto. Ou seja, aqui tentamos que todos os expositores acrescentem valor, que apresentem soluções inovadoras, as novidades que saem no mercado, novas formas de construir. Trabalhamos para que a CONSTRUMAT seja um ponto de encontro para mostrar o presente e vislumbrar o futuro. E eu acho que isto é muito importante, porque se não, não te diferencias das outras feiras. É muito importante que haja essa diferenciação, como disse, qualitativamente em relação às outras feiras

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Empresas

    Industrialização com forte presença num evento onde portugueses marcam pontos

    Novas técnicas construtivas, novos processos. A industrialização enquanto motor de uma construção mais sustentável teve um forte impacto na CONSTRUMAT deste ano, num evento onde as empresas portuguesas procuraram consolidar presença num mercado em crescimento

    Ricardo Batista

    Se há áreas em que Portugal e Espanha estão manifestamente unidos e empenhados é na necessidade de encontrar soluções, emergentes, que respondam de forma eficiente e sustentável à necessidade de colocar mais casas no mercado. Se na falta de oferta de imóveis à venda incidem os elevados custos dos materiais, as dificuldades dos promotores para obter financiamento ou desenvolver as promoções, a burocracia e, fundamentalmente, a escassez de solo e de mão de obra; no caso dos imóveis para arrendamento, a oferta contrai essencialmente devido aos desincentivos dos proprietários para manter essas moradias no mercado, bem como pelas mudanças na legislação.

    Durante três dias, o parque de feiras e exposições da Gran Via, em Barcelona, foi palco de excelência para 314 empresas poderem apresentar soluções que respondem a muitos desses desafios. A construção industrializada, como ferramenta para uma actividade construtiva mais sustentável, foi a grande protagonista da 23ª edição da CONSTRUMAT, que decorreu entre 21 e 23 de Maio e que encerrou portas com um balanço muito positivo depois de três dias de grande actividade, nos quais registou um total de 21.027 visitantes, 40% a mais que na edição de 2023. Dessa forma, a CONSTRUMAT consolida sua reactivação e se reafirma como o grande evento de feira da construção espanhola, procurando espaço para rivalizar com outras feiras de referência no contexto europeu, como afirmou Xavier Vilajoana em entrevista ao CONSTRUIR.

    Na edição deste ano, uma edição marcada pelo crescimento e pela dinamização de negócios, bem como por uma clara aposta do sector na inovação e na sustentabilidade, o destaque foi mesmo a construção industrializada, que consiste na fabricação dos elementos estruturais em fábrica para sua posterior montagem na obra. Esta prática destacou-se no evento como uma das tendências presentes e futuras mais eficazes da indústria, junto com a construção em madeira, novos materiais ou sistemas para tornar os edifícios mais eficientes em termos de economia de energia e água. Além de ser uma das melhores montras comerciais do sector, a CONSTRUMAT contou com um amplo programa de conteúdos e actividades profissionais. Assim, exibiu uma casa de dois andares fabricada em madeira e outros elementos naturais, que foi um dos grandes atractivos da edição deste ano. Além disso, contou com mais de 120 palestrantes no Sustainable Building Congress, onde Marrocos, como país convidado desta edição, apresentou os seus projectos de infraestruturas para acolher o Mundial de Futebol de 2030. Mais de 20 startups na área da construção participaram no PropCon-Hub, realizaram-se 10 workshops práticos e foram entregues os Prémios CONSTRUMAT, comissariados pela Fundació Mies van der Rohe, que reconheceram duas obras, uma em Cornellà (Barcelona) e outra na Alemanha, edificadas sob critérios de sustentabilidade.

    Durante três dias, o parque de feiras e exposições da Gran Via, em Barcelona, foi palco de excelência para 314 empresas poderem apresentar soluções que respondem a muitos desses desafios

    Portugueses em destaque

    Entre os expositores, várias foram as empresas portuguesas que aproveitaram o certame não apenas para apresentar as soluções como para estreitar relações com um mercado que tem mantido um crescimento interno invejável, graças à procura interna, tanto privada como pública, já que resolveu o problema do défice de forma inteligente no período expansivo do ciclo económico. E sendo um País próximo de Portugal, tem a particularidade de funcionar como 18 mercados distintos, tantos quanto as províncias autonómicas.


    Ao CONSTRUIR, o director Técnico e de Marketing do Grupo Preceram explica que “este evento acaba a ser muito interessante porque congrega muito a arquitectura, os arquitectos técnicos espanhóis, que têm um perfil diferentes dos portugueses, com a distribuição”. Ávila e Sousa acrescenta que a CONSTRUMAT “é uma feira essencialmente profissional, uma feira de três dias, muito concentrados e que apela mesmo ao público profissional. Aqui faz-se negócio”, sublinhando que “mais do que noutros eventos em que muitas vezes nós estamos numa perspectiva mais expositiva ou mais informativa, aqui estamos presentes numa perspectiva de concretizar algumas parcerias ou abrir portas para parcerias”. Para o responsável técnico de marcas como a Gyptec, Nexclay ou Volcalis, é notória uma “grande presença da construção industrializada, da construção em madeira ou em aço leve e de muitas empresas que são integradoras dos vários materiais apresentando soluções”, explicando que materiais como a lã mineral (Volcalis) ou as placas (Gyptec) têm, efectivamente, “um papel importante neste contexto de construção industrializada”. Ávila e Sousa vai, no entanto, ainda mais longe, explicando que o sucesso da feira de Barcelona está, desde logo, ligado ao seu posicionamento geográfico. “É um local da Península Ibérica muito próximo do resto da Europa, ou seja, nós estamos aqui numa zona em que temos muitos clientes e muitos visitantes que vêm de toda esta região, como vêm do País Vasco ou Valência, das Baleares e até das Canárias”. “Há toda uma dinâmica de mercado que torna importante e interessante a nossa presença na CONSTRUMAT, a que acresce o facto de, este ano, Marrocos ser o País convidado. 2030 é ‘já ali’ e há muita obra para ser feita. Mesmo que não sejam necessariamente os estádios do Mundial, há todo um conjunto de infra-estruturas que vão ter de ser construídas tal como alojamento”. “Se olharmos bem, não é necessariamente Marrocos que está a abrir as portas, é Espanha que está a abrir caminhos para Marrocos”, conclui. Não sendo necessariamente novidades, o Grupo Preceram apostou na marca Volcalis, nomeadamente a lã mineral com um coeficiente baixíssimo de transmissão térmica e uma absorção sonora máxima. O incêndio de Valência trouxe para cima da mesa a importância de uma apertada regulamentação em matéria de isolamento do edificado, colocando em evidência, por exemplo, a incombustibilidade da lã mineral enquanto isolamento. “Somos competitivos em termos de preço, temos capacidade de produção, e isso faz com que sejamos também apetecíveis como parceiros em alguns negócios”, refere.

    Entre os expositores, várias foram as empresas portuguesas que aproveitaram o certame não apenas para apresentar as soluções como para estreitar relações com um mercado que tem mantido um crescimento interno invejável, graças à procura interna, tanto privada como pública, já que resolveu o problema do défice de forma inteligente no período expansivo do ciclo económico

    Quem também percebeu a importância de estar presente nesta montra de soluções foi a Efapel. A fabricante de Serpins (Coimbra), especialista em produtos para instalações eléctricas de baixa tensão, telecomunicações, som ambiente e calhas, foi também presença notada. Ao CONSTRUIR, o director comercial da Efapel em Espanha não tem dúvidas de que a CONSTRUMAT  vai voltar a ser uma das feiras de referência na Europa. Eduardo Rincón explica que esse caminho passa também pelas empresas. “A questão está na atitude que nós, enquanto fabricantes, temos perante estas iniciativas e a forma como funcionamos como motores do mercado ou apoiamos esta dinâmica”, diz, acrescentando que “esta é uma feira muito importante para o Sector da Construção e é, também, por isso que marcamos a nossa posição”.  Sobre a presença da empresa na iniciativa, Rincón explica que “a Efapel tem uma presença muito forte no mercado espanhol. Quando, em 2014, a Efapel inaugurou o armazém robotizado em Serpins com capacidade para seis mil paletes, atingiu um salto muito significativo de serviço que nos colocou num patamar muito competitivo. Neste momento temos equipas comerciais em 15 áreas de Espanha e em mais de 400 pontos de venda profissionais”. O director comercial da Efapel em Espanha salienta que ser fabricante com esta capacidade permite uma qualidade-preço impressionante, a que se junta a própria qualidade de fabrico exemplar. Esta combinação de factores permite que possamos ter uma óptima qualidade de serviço em Espanha e responder a encomendas num prazo não superior a 72 horas”, explica. Estes factores, no entender de Eduardo Rincón, representam uma séria diferenciação competitiva naquele mercado. Já Hugo Rodrigues salienta a importância da CONSTRUMAT para reforçar a presença num mercado em crescimento. O director comercial da Bragmaia, empresa com experiência no fabrico e comercialização de soluções para espaços urbanos, explica ao CONSTRUIR que aproveitam a presença na feira promovida pela Fira Barcelona para “consolidar a distribuição na região da Catalunha, além de procurarem novos distribuidores”. O director comercial da empresa explica que o mercado espanhol representa 30% da facturação do grupo, justificando que os números atestam, desde logo, “o reconhecimento de um bom produto, que pode ser customizado e à medida do cliente”.

    *O CONSTRUIR viajou a convite da Fira Barcelona

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos

    Century 21 Portugal Rock in Rio 2024

    Empresas

    Century 21 Portugal no Rock in Rio com “casa ecológica”

    A construção do novo espaço SIC-Century 21 Portugal ficou a cargo da Blocosystems através do sistema off-site e que reflecte o “compromisso da marca por um futuro mais sustentável”. O espaço é totalmente reutilizável, podendo ser transformada, posteriormente, num T3

    CONSTRUIR

    A Century 21 Portugal é a rede imobiliária oficial do Rock in Rio e, em associação com a SIC, vai celebrar o 20º aniversário do Rock in Rio com a instalação de uma “casa ecológica” na Cidade do Rock, erguida no Parque Tejo, em Lisboa.

    Naquele que será o segundo ano de parceria com a televisão oficial do evento, as duas marcas renovam a vontade de “inovar e voltam a oferecer uma experiência única” aos festivaleiros que se deslocarem ao recinto nos próximos dias 15, 16, 22 e 23 de Junho.

    Para a presente edição do Rock in Rio, a Century 21 Portugal decidiu promover a literacia das famílias sobre a industrialização da construção, eficiência energética e sustentabilidade. Um compromisso por um futuro mais sustentável que será demonstrado através da instalação de uma casa preparada off-site, amiga do ambiente e totalmente sustentável. Toda a montagem e desmontagem será feita sem danificar o solo e sem deixar rasto ambiental.

    A construção deste novo espaço ficou a cargo da Blocosystems, uma empresa especializada na execução de edificações através de um sistema construtivo “inovador e revolucionário”. Esta nova forma de construir permite produzir edificações de “elevada qualidade de conforto, habitabilidade e, sobretudo, de sustentabilidade, preservando a biodiversidade e tornando o seu espaço mais ecológico”, destaca a imobiliária.

    Fabricado nos estaleiros da Ailema, em Setúbal, o edifício foi transportado para o Parque Tejo em módulos pré-fabricados, reduzindo assim as deslocações de pessoal e equipamentos, bem como desperdícios e poluição.

    Toda a iluminação desta casa será suportada por um sistema auto-suficiente, composto por painéis fotovoltaicos e baterias, reduzindo a zero o consumo de electricidade para iluminação do espaço durante todo o evento. Já a sua execução será em LED, resultando num baixo consumo, tendo uma potência total instalada estimada em menos de 1500W.

    Foram, ainda, integradas duas ‘zonas verdes’ no edifício, no sentido de contribuir para a absorção de CO2, criando simultaneamente sombra e espaços mais frescos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Barómetro: Velux aponta medidas urgentes para melhorar qualidade de ar interior e iluminação natural

    A saúde e o conforto interior nos edifícios europeus estão seriamente comprometidos. Um em cada quatro europeus vive em edifícios onde a qualidade do ar interior é inferior às normas nacionais e mais de 30 milhões de cidadãos são afectados por viverem em espaços demasiado escuros, com um impacto negativo na saúde mental e física. O Barómetro de Edifícios Saudáveis, que a marca dinamarquesa de janelas promove desde 2015, coloca não apenas em evidência estes indicadores como aponta medidas emergentes para inverter tendência

    Ricardo Batista

    A tónica do estudo deixa antever que a necessidade de mudança é manifestamente evidente. “O contexto é de urgência”. A conclusão consta do Barómetro de Edifícios Saudáveis, uma análise elaborada pelo Instituto Europeu de Desempenho de Edifícios (BPIE) e promovida pela Velux, que se dedica, desde 2015, a identificar a necessidade de acções significativas rumo a edifícios saudáveis e apontar caminhos a seguir, incluindo uma definição e enquadramento para edifícios saudáveis, sustentáveis e resilientes. A urgência mencionada é, até, vertida em números: 1 em cada 4 europeus vive em edifícios onde a qualidade do ar interior está abaixo dos valores padrão europeus. Pior: um em casa seis adultos europeus vivem num ambiente, numa casa, cujo ambiente interior é insalubre, sendo que no caso das crianças estamos a falar de uma em cada três crianças.

    Em Madrid, numa iniciativa dedicada à imprensa e que contou com a presença do CONSTRUIR, a fabricante dinamarquesa de janelas promoveu uma conferência dedicada à apresentação das principais conclusões desta análise. “Os edifícios saudáveis e acessíveis deviam ser o único tipo de edifícios em que as pessoas vivem, aprendem, trabalham, se divertem ou recuperam. Acreditamos que este relatório pode servir tanto de inspiração como de ferramenta concreta para os decisores políticos, apresentando recomendações e exemplos concretos,” afirma Fleming Voetmann, vice-presidente de Relações Externas e Sustentabilidade do Grupo VELUX. Os edifícios saudáveis também beneficiam a economia e o clima, pois os estudos apresentados mostram um retorno do investimento de 11,5% na renovação de um edifício público, e uma redução de 30% do impacto climático. Além disso, os locais de trabalho mais saudáveis poderiam gerar um valor acrescentado bruto adicional de 40 mil milhões de euros por ano para a economia europeia por cada 1% de melhoria no desempenho dos trabalhadores.

    Almudena López, Specification Manager da Velux Espanha, explica que “começar um projecto de arquitectura ou fazer uma remodelação é uma enorme oportunidade para criar um espaço que não seja apenas sustentável para o planeta, mas que também favoreça os seus ocupantes. É da responsabilidade do arquitecto zelar pelo bem-estar dos utilizadores em cada momento do dia e dos legisladores estabelecer critérios de saúde e de energia.” O estudo BPIE/VELUX não se limita a diagnosticar o estado do edificado, mas recomenda soluções e a aplicação de boas práticas para ultrapassar o problema que atinge uma dimensão preocupante.

    UE longe das metas
    O contexto é de urgência já que a União Europeia está longe de atingir os objectivos climáticos para 2050 em matéria de energia e renovação. O mesmo se passa quando se trata de melhorar a saúde do parque imobiliário, como mostra o presente relatório. Para fazer face a esta situação, o Barómetro dos Edifícios Saudáveis introduz não só um quadro para monitorizar os edifícios saudáveis e sustentáveis na Europa, mas também um conjunto de recomendações políticas para alinhar colectivamente os esforços em matéria de edifícios saudáveis com os objectivos de descarbonização do Acordo de Paris para 2050. As políticas climáticas devem colocar as pessoas em primeiro lugar. Estabelecer um novo quadro em que a sustentabilidade, a resiliência e a acessibilidade económica possam ser alcançadas ao mesmo tempo.

    Os números revelados pelo estudo são inquietantes. Em termos de reabilitação e renovação, o atraso é enorme: “As renovações têm de ser aumentadas em 1400% para atingir os objectivos da UE” – constata o estudo. Em 2020, apesar de vivermos ainda os efeitos da pandemia, ainda assim “as emissões de CO2 foram 18% superiores ao que deveriam ter sido para atingir os objectivos climáticos da UE”.

    Mas o estudo BPIE/VELUX também revela perspectivas esperançosas se, entretanto, autoridades e protagonistas do mercado imobiliário europeu “arrepiarem caminho”. “O custo da renovação de todo o parque habitacional ineficiente da UE poderia ser recuperado em apenas 2 anos e poupar 194 mil milhões de euros em benefícios sociais equivalentes (como menos dias de doença, melhor desempenho no trabalho e na escola, etc.)” – adianta a publicação. Em termos habitacionais, “O cumprimento das normas de eficiência energética da UE poderia poupar 44% da energia final utilizada para aquecimento”. E renovação dos hospitais poderia conduzir à quebra de 21% de gastos médicos, a 19% da taxa de mortalidade e a uma baixa de 20% da taxa de rotatividade do pessoal hospitalar”.

    ‘Herança’ Covid
    Embora de uma forma menos evidente, a Europa vive, ainda hoje, resquícios de um período de confinamento forçado à conta da pandemia de Covid 19. Entre esses efeitos está uma maior consciencialização para as debilidades das habitações. O confinamento e o crescimento da tendência do teletrabalho permitiram a milhões de pessoas olharem para as suas casas a partir de uma nova perspectiva. De um dia para o outro, começámos a ver problemas em detalhes que antes talvez passassem mais despercebidos para muitos. Falamos de questões que agora nos parecem tão vitais quanto a falta de luz, as deficiências térmicas, o excesso de humidade… Para garantir o bem-estar de todos e a preservação do planeta, o edifício sustentável impõe-se como nova norma. É, por isso, de elementar importância destacá-lo, uma vez que a saúde e o conforto no interior dos edifícios europeus estão numa situação, no mínimo, preocupante. Os números não deixam margem para dúvidas e alertam-nos: um em cada quatro europeus reside em edifícios onde a qualidade do ar interior está abaixo dos padrões nacionais e mais de 30 milhões de cidadãos são afectados por viverem em espaços demasiado escuros, com um impacto negativo na saúde mental e física. Sem sublinhar, especificamente, a importância de janelas eficientes na equação, Almudena López alerta que a qualidade do ar interior é provavelmente o dado que mais facilmente afecta a qualidade de vida das pessoas dentro de um espaço, seja uma casa, um escritório, um hospital. “Ambientes com uma qualidade de ar adequada promovem um bem-estar maior, maior produtividade, menor propensão a erros, melhoria de capacidade de concentração e de estudo”, o mesmo se passando com a importância da luz natural promovida por uma eficiente colocação e disposição de janelas. O período de confinamento expôs um conjunto de debilidades que a maior parte das pessoas desconhecia porque, até então, não as tinha experienciado de perto. 24 horas sobre 24 horas a viver e trabalhar num mesmo espaço tornaram evidentes algumas dessas falhas, nomeadamente ao nível da iluminação natural em contexto de (tele)trabalho ou a renovação de ar interior. O mesmo se passa ao nível da climatização. “As crescentes ondas de calor que temos vindo a notar com cada vez maior frequência têm também um impacto muito importante”, assegura a Specification Manager da Velux Espanha, acrescentando que “o aumento do número de mortes nos últimos anos colocou em evidência como os edifícios não estão preparados para estes fenómenos”. “Se olharmos para a realidade de Portugal, um pouco como em Espanha, um terço dos portugueses manifestam a sua incapacidade para manter estável a temperatura nas suas casas”, acrescenta Almudena, sublinhando que uma janela ou uma porta que não isole, seja no Inverno ou no Verão, pode representar um sério problema. Estamos a falar de protelar a entrada de calor o tempo suficiente até chegar a melhor altura de voltar a ventilar o espaço”.

    Visão holística
    De acordo com a Velux, o Barómetro define um novo enquadramento inovador baseado em investigação científica sólida e ilustrado através do estudo de 12 casos práticos na Europa. O enquadramento baseia-se em cinco dimensões interrelacionadas com as seguintes características e objectivos, nomeadamente melhorar a saúde mental e física; Concebido para as necessidades humanas; Construído e gerido de forma sustentável; Resiliente e adaptável e Empoderar as pessoas. Cada dimensão compreende um conjunto de indicadores, com um total de 24, que orientam as partes interessadas no seu processo de tomada de decisões para conseguir edifícios verdadeiramente saudáveis, sustentáveis e resilientes.

    Os edifícios que cumprem as cinco dimensões delineadas no novo enquadramento têm um impacto mensurável na saúde mental e física, com menos dias de doença e um melhor desempenho no trabalho e nas salas de aula, incluindo um aumento de 10 a 18% resultante apenas de uma maior exposição à luz natural. A esse respeito, o Barómetro propõe, até 2030, uma maior colaboração entre os diferentes recursos a nível nacional e da UE para desenvolver regulamentos e normas mais holísticas para edifícios saudáveis que vão além do desempenho energético; Incluir indicadores de edifícios saudáveis no observatório do parque de edifícios (BSO) e integrá-los nos instrumentos políticos nacionais (por exemplo, legislação, aconselhamento, financiamento, ferramentas de construção, planos de renovação); Aplicar a nível nacional as novas disposições da DEEE (Directiva do Desempenho Energético dos Edifícios) sobre a qualidade do ar nos edifícios e ampliar o alcance dos passaportes de renovação de edifícios e dos planos nacionais de renovação de edifícios para integrar as avaliações da qualidade do ar e os controlos de qualidade nas novas construções e renovações; Para evitar a fragmentação nacional, introduzir um quadro harmonizado da UE para calcular a avaliação do ciclo de vida (ACV) e estabelecer limites obrigatórios de emissões de carbono a nível da UE com base na ACV para os edifícios novos, tal como solicitado na reformulação da DEEE; Introduzir uma legislação sobre edifícios mais holística, que tenha em conta o funcionamento de um edifício ao longo de todo o ano, os parâmetros de conforto tanto no Verão como no Inverno e o uso de dados climáticos futuros; Incluir indicadores de edifícios saudáveis para promover tecnologias de edifícios inteligentes como a automatização de edifícios, a detecção, a modelação de informação de edifícios e os gémeos digitais (DBL).

    *O CONSTRUIR viajou a convite da Velux

     

    Sobre o autorRicardo Batista

    Ricardo Batista

    Director Editorial
    Mais artigos
    Empresas

    CIRCO Hub Portugal: design circular em acção

    O projecto coordenado pelo LNEG, em colaboração com o IAPMEI, incentiva a economia circular através do design, tendo abrangido em Portugal 95 empresas, 272 profissionais ligados à indústria e 47 designers. Os principais resultados serão apresentados dia 26 de Junho

    CONSTRUIR

    No próximo dia 26 de Junho serão apresentados os principais resultados do projecto CIRCO Hub Portugal. O projecto coordenado pelo Laboratório Nacional de Energia e Geologia, LNEG, em colaboração com o IAPMEI, incentiva a economia circular através do design.

    No total, o CIRCO Hub Portugal apoiou, através de um modelo de formação-acção desenvolvido nos Países Baixos e já amplamente testado, 95 empresas, 272 profissionais ligados à indústria e 47 designers. Decorreram acções de formação multissetoriais e algumas destinadas a sectores específicos (têxteis e calçado, embalagens de vinho e outros alimentos, e ainda habitat).

    Na sessão de apresentação, que decorre online, serão divulgados os principais resultados, alguns casos de estudo e serão debatidos factores de sucesso e obstáculos a uma ampla adopção de design circular de produtos e modelos de negócio nas empresas.

    A sessão será conduzida por Cristina Sousa Rocha, investigadora auxiliar no LNEG e coordenadora-adjunta da Unidade de Economia de Recursos (UER), lidera projetos nacionais e internacionais nas áreas do ecodesign, design para a sustentabilidade, gestão do ciclo de vida de produtos e serviços e economia circular. É responsável pela área de Economia Circular e Gestão do Ciclo de Vida para a Sustentabilidade da UER, que se tem dedicado ao desenvolvimento de metodologias e ferramentas, publicações, normalização e capacitação de empresas e outras entidades.

    A participação é gratuita mediante inscrição obrigatória no site do LNEG.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Greenvolt e Finançor celebram parceria no solar fotovoltaico

    Este projecto de “grandes dimensões” prevê a instalação de painéis solares fotovoltaicos em nove espaços distintos, desde hotéis a supermercados, mas também em fábricas do Grupo, o que permitirá acelerar o plano de descarbonização e sustentabilidade da empresa açoriana

    CONSTRUIR

    O Grupo Greenvolt, através da Greenvolt Next Portugal, prossegue o seu crescimento na Região Autónoma dos Açores, desta vez em parceria com o Grupo Finançor, para a instalação de um total de 3880 painéis solares através de um contrato de compra e venda de energia de longo prazo (Power Purchase Agreement ou PPA), num modelo de partilha de risco e benefícios.

    Este projecto de “grandes dimensões”, que prevê a instalação de painéis solares fotovoltaicos em nove espaços distintos, desde hotéis a supermercados, mas também em fábricas do Grupo, permitirá acelerar o plano de descarbonização e sustentabilidade da empresa açoriana.

    Numa capacidade instalada de 2,1MW, permitindo gerar 2,6 GWh de energia limpa anualmente, serão abrangidas diversas instalações do Grupo Finançor, desde as unidades hoteleiras, como o Azoris Royal Garden, o Azoris Angra Garden e o Azoris Faial Garden, as lojas Sol-Mar, Pingo Doce e Recheio, assim como as várias unidades fábris que detém na região, como a fábrica de rações, a moagem ou a fábrica de bolachas Mulata.

    “Esta parceria, que se materializa na implementação de soluções de geração de energia fotovoltaica, é representativa das oportunidades que as empresas portuguesas têm numa gestão proactiva das suas necessidades energéticas, optando por modelos eficientes e de partilha de risco. Estamos muito satisfeitos por contribuirmos para um incremento da competitividade do Grupo Finançor, ao mesmo tempo que aceleramos a descarbonização das suas actividades”, adiantou João Manso Neto, CEO da Greenvolt.

    Já o Grupo Finançor vê nesta parceria a oportunidade de “acelerar o seu plano de descarbonização e sustentabilidade”, cuja ambição é “reduzir expressivamente a nossa pegada ecológica nos vários sectores de actividade em que estamos presentes, sendo que esta parceria com a Greenvolt, num modelo de partilha de risco e benefícios, permite-nos avançar de forma mais rápida e estruturada nestes grandes projectos, ainda sujeitos a uma grande burocracia e apertados requisitos técnicos nos Açores que dificultam a sua implementação”, conclui Romão Braz, presidente executivo do Grupo Finançor.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Lisboa recebe 61ª Capital do Móvel

    Arranca hoje a 61ª edição da “Capital do Móvel, uma iniciativa da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF). O certame, que começou por se realizar no Porto, decorre este ano em Lisboa e junta 30 marcas nacionais

    CONSTRUIR

    Pedro Reis, ministro da Economia, vai marcar presença na sessão de abertura da 61ª Capital do Móvel, que se realiza esta quarta-feira, 12 de junho, no Pavilhão Carlos Lopes. A abertura da feira conta ainda com a presença de Humberto Brito, presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, e Rita Pacheco, presidente da Associação Empresarial de Paços de Ferreira. O certame de mobiliário e decoração do país decorre até dia 16 de Junho e junta 30 grandes marcas para ditar todas as tendências do sector.

    Nos 40 anos da marca Capital do Móvel, o já emblemático certame vai contar com expositores de tamanho reforçado para melhorar a experiência do visitante.

    Este ano, o sector ultrapassou a recorde de 2 mil milhões de euros em vendas internacionais, e prepara-se para lançar a campanha “Portuguese Capital of Furniture”, que pretende levar o epicentro do mobiliário nacional além-fronteiras.

    A nível nacional o sector conta com 4 487 empresas de fabrico de mobiliário e de colchões, dando emprego a cerca de 36 268 pessoas.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Otovo e Grupo Volkswagen unem-se para criar soluções de carregamento doméstico

    A parceria entre as duas marcas tem por objectivo oferecer uma solução holística que combine energia solar limpa e mobilidade eléctrica, que permitirá aos proprietários de veículos eléctricos uma poupança de até 40% nos custos de carregamento

    CONSTRUIR

    A Otovo, marketplace europeu de instalação de painéis solares e baterias para o mercado residencial, acaba de estabelecer uma parceria estratégica com a Elli, marca do Grupo Volkswagen para carregamento e energia, com o objectivo de oferecer uma solução holística que combine energia solar limpa e mobilidade eléctrica. As duas juntas pretendem criam um ecossistema  de mobilidade e energia sustentáveis.

    A combinação de energia solar e mobilidade eléctrica permite que ambas as empresas desenvolvam soluções personalizadas para o crescente mercado de veículos eléctricos. A partir do Verão de 2024 os clientes Volkswagen poderão adquirir um sistema fotovoltaico juntamente com o novo Elli Charger 2 e instalá-lo recorrendo a um instalador da rede Otovo.

    O carregador e a bateria de energia solar são coordenados para que os consumidores possam carregar directamente os seus carros com o excedente fotovoltaico e garantir uma poupança de até 40% em cada carregamento.

    Um dos principais benefícios desta parceria é a redução significativa do custo total de propriedade de veículos eléctricos através da utilização de sistemas fotovoltaicos. Os proprietários de veículos eléctricos passam a produzir a energia que necessitam, tornando-os independentes das flutuações de preço da electricidade.

    “Para avançar ainda mais na mobilidade eléctrica, precisamos tornar todo o ecossistema de carregamento mais acessível e rentável para os consumidores. Portanto, a parceria com a Otovo não é apenas um sinal importante para o negócio de carregamento e energia na Europa como também para a integração inteligente da mobilidade e da transição energética em casa. Estamos muito satisfeitos com este importante passo e cooperação pioneira”, explica Giovanni Palazzo, CEO da Elli.

    “Através desta parceria com a Elli e com o Grupo Volkswagen, as nossas soluções fotovoltaicas chegarão mais facilmente a cada vez mais consumidores. A poupança associada aos nossos sistemas será imediatamente visível e irá permitir-nos aumentar o valor para o cliente final através de maiores poupanças.”, considera Manuel Pina, director-geral da Otovo em Portugal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.