Edição digital
Assine já
    PUB
    Engenharia

    ISQ com contrato de 16M€ no projecto internacional que quer replicar a energia do Sol

    O ISQ assinou o seu maior contrato, até agora, com a Fusion For Energy, organismos que gere a contribuição da União Europeia para a construção do ITER. Em desenvolvimento há mais de duas décadas o ITER será a maior central eléctrica de fusão nuclear do mundo

    Manuela Sousa Guerreiro
    Engenharia

    ISQ com contrato de 16M€ no projecto internacional que quer replicar a energia do Sol

    O ISQ assinou o seu maior contrato, até agora, com a Fusion For Energy, organismos que gere a contribuição da União Europeia para a construção do ITER. Em desenvolvimento há mais de duas décadas o ITER será a maior central eléctrica de fusão nuclear do mundo

    Sobre o autor
    Manuela Sousa Guerreiro
    Artigos relacionados
    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510
    Construção
    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025
    Construção
    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024
    Construção
    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro
    Construção
    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal
    Construção
    Construção do empreendimento SAMA acelera
    Imobiliário
    Ordem dos Engenheiros e Brisa reforçam colaboração para promover a engenharia
    Engenharia
    Century 21 comercializa ‘Varandas do Moinho’
    Imobiliário
    IP inicia acção de capacitação para Ministério das Obras Públicas de Moçambique
    Construção
    Prémios Portugal Smart Cities com candidaturas até 13 de Setembro
    Construção

    O ISQ assinou o 4º e maior contrato quadro com a Fusion For Energy, F4E, o organismo da União Europeia que tem por missão cooperar com a indústria e entidades de investigação no desenvolvimento e fabrico de componentes de ponta para o maior reactor nuclear experimental conhecido como ITER (International Thermonuclear Experimental Reactor), que está a ser construído em Cadarache, no sul de França.

    O ISQ será responsável pelo controlo de qualidade da construção de diversos componentes do maior reactor experimental, o maior tokamak (reactor de fusão) alguma vez projectado e que representa “um dos maiores avanços científicos da actualidade na geração de energia isenta de emissões. “O contrato tem um orçamento de 16 milhões de euros e uma duração de quatro anos. O concurso teve a participação dos maiores players europeus nesta área, tendo o ISQ conseguido demonstrar a sua competitividade, importância e competência na engenharia de ponta a nível internacional”, sublinha José Figueira, administrador do ISQ.

    O projecto ITER, que está em desenvolvimento há cerca de duas décadas e começou a tomar forma a partir de 2010, reúne os 27 países da União Europeia, aos quais se juntam o Reino Unido, apesar do Brexit, e a Suíça, a China, a Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Japão e Rússia. Tem um orçamento previsto entre os 20 e os 40 mil milhões de euros.

    O ISQ é, desde 2014, responsável pela garantia da qualidade e controlo e supervisão da construção dos vários componentes do reactor na Europa e China, assegurando o cumprimento dos requisitos de qualidade aplicáveis. Actualmente o ISQ conta com uma equipa de 20 inspectores (residentes, itinerantes ou spots com intervenção pontual) em diversos países europeus prevendo-se a duplicação deste número de engenheiros.

    Mas o envolvimento do grupo português no projecto vai mais longe e envolve três outros contratos de fornecimento de serviços de Engenharia na fase de projecto, ensaios especiais a materiais e mock-ups dos componentes do reactor, para além “da formação de mais de 600 técnicos do ITER e F4E nas mais diversas áreas”, acrescenta Mónica Reis, gestora de projecto.

    Para o grupo “esta é também uma conquista da máxima importância para Portugal porque posiciona o país naquele que é um projecto internacional de referência em que o grande desafio colocado à indústria, à engenharia e à tecnologia é quanto à forma como se pode produzir energia de forma segura, fiável, ambientalmente responsável e em grande escala”.

    O ISQ será responsável pelo controlo de qualidade da construção de diversos componentes do maior reactor experimental, o maior tokamak (reactor de fusão) alguma vez projectado e que representa um dos maiores avanços científicos da actualidade na geração de energia isenta de emissões. O contrato tem um orçamento de 16 milhões de euros e uma duração de quatro anos

    Igualar a energia produzida pelo Sol

    O objectivo do ITER é demonstrar a viabilidade científica e técnica da fusão nuclear, réplica da fonte de energia do sol e das estrelas, como fonte de energia segura, inesgotável e responsável do ponto de vista ambiental. O projecto irá “testar as soluções e tecnologias a serem utilizadas numa futura utilização comercial da energia de fusão. No ITER a reacção de fusão ocorre num reactor tipo tokamak, que utiliza campos magnéticos (gerados por supercondutores) para conter e controlar um plasma a 150.000.000 graus Celsius. A fusão entre Deutério e Trítio (dois isótopos do Hidrogénio) produz um núcleo de Hélio (cuja carga responde aos campos magnéticos gerados e por isso permanece confinado no plasma) e um Neutrão que transporta cerca de 80% da energia da reacção. A energia transportada pelos neutrões quando absorvida é transferida para as paredes do tokamak sob a forma de calor e dissipada sob a forma de vapor na água de arrefecimento. Em futuras utilizações comerciais este vapor servirá para a produção de energia”, encontramos a explicação num dos vários artigos que o SGQ publicou sobre o projecto.

    Os primeiros ensaios estavam previstos para 2020 tendo, em virtude de atrasos, sido adiados para 2025, mas a falta de peças reportada há uns meses poderá implicar um novo adiamento do projecto. Com o ensaio do primeiro plasma produzido pelo ITER, prevista para acontecer agora apenas para depois de 2030.

    O complexo ITER

    O projecto ITER ocupa uma área de 180 hectares, em Cadarache, no Sul de França. O complexo irá albergar 39 edifícios e áreas técnicas. É aqui que será feita a integração e montagem de mais de um milhão de componentes, cerca de 10 milhões de peças, segundo contas do organismo, que foram construídas nas fábricas dos membros do consórcio, um pouco por todo o mundo, e que serão ali reunidas no que constitui “um tremendo desafio logístico e de engenharia”.

    O coração desta imensa instalação será o Edifício Tokamak, uma estrutura em betão armado, de sete andares, com 13 metros abaixo do nível do solo e 60 metros acima. A pré-montagem dos componentes Tokamak ocorre no “Assembly Hall” que lhe fica adjacente. Entre os outros edifícios auxiliares nas imediações incluem-se torres de arrefecimento, instalações eléctricas, sala de controle, instalações para gestão de resíduos e fábrica de criogenia que fornecerá o hélio líquido necessário para arrefecer os ímãs do ITER.

    O número de trabalhadores envolvidos na construção do local atingiu o seu pico em 2017-2018, com aproximadamente 2 000 pessoas. Agora, embora ainda haja equipes de construção no local, o maior esforço está a ser canalizado para a montagem e instalação de máquinas e instalações. Segundo o site do ITER, cerca de 5 000 pessoas trabalham actualmente do local, entre equipas de gestão, engenharia e supervisão das várias entidades e países envolvidos.

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510
    Construção
    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025
    Construção
    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024
    Construção
    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro
    Construção
    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal
    Construção
    Construção do empreendimento SAMA acelera
    Imobiliário
    Ordem dos Engenheiros e Brisa reforçam colaboração para promover a engenharia
    Engenharia
    Century 21 comercializa ‘Varandas do Moinho’
    Imobiliário
    IP inicia acção de capacitação para Ministério das Obras Públicas de Moçambique
    Construção
    Prémios Portugal Smart Cities com candidaturas até 13 de Setembro
    Construção
    PUB
    Construção

    O primeiro troço da Alta-velocidade, materiais cimentícios para impressão em 3D, o novo Vila Galé da Figueira e a nova edição da TRAÇO no CONSTRUIR 510

    A Alta velocidade é um dos destaques da edição onde lhe contamos sobre uma tecnologia sustentável que permite impressão em 3D com recurso a materiais cimentícios, numa edição onde lhe contamos como foi a inauguração do novo Vila Galé Figueira da Foz e percorremos a edição deste ano do 40 Under 40 com presença de renome portuguesa. Mas há muito mais para ler nesta edição

    Alta-velocidade: ligação
    Porto-Oiã com duas propostas
    Caberá agora ao Júri do Concurso proceder à análise das propostas apresentadas pelos concorrentes, de acordo com o Programa do Procedimento. A entrega de propostas para o troço Porto-Oiã marca o arranque da primeira fase da nova linha de alta velocidade (LAV) entre Porto-Lisboa

    Impressão 3D com materiais cimentícios em teste
    Com benefícios “significativos” em termos de sustentabilidade e eficiência, esta tecnologia promete um futuro onde a construção é mais “rápida, barata e ecológica”

    OA alerta para problemas na assinatura digital
    A Ordem dos Arquitectos (OA) alerta para constrangimentos “graves” na assinatura digital em ficheiros DWFX, o que impossibilita a assinatura digital qualificada das peças desenhadas

    Vila Galé inaugura hotel na Figueira
    “Um projecto em que pomos em prática um dos desígnios da Vila Galé, o de valorizar o património e dar nova vida a imóveis históricos”, assegura o presidente do Grupo

    A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do CONSTRUIR. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do CONSTRUIR aqui obtendo o acesso imediato.

    Para mais informações contacte: Graça Dias | gdias@workmedia.pt | 215 825 436

    Nota: Se já é subscritor do CONSTRUIR entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção PLUS – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DO CONSTRUIR 510

    ACEDA AQUI À VERSÃO DIGITAL DA EDIÇÃO IMPRESSA DA REVISTA TRAÇO

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Obras de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo até ao primeiro trimestre de 2025

    Arranca hoje, 8 de Julho, a empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo. A cargo da Teixeira Duarte, a intervenção, que terá um custo de 14 M€ deverá estar concluída em Março de 2025

    No âmbito da empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, será necessário condicionar a circulação automóvel no Túnel a partir das 22h00 do dia 8 de Julho, com o corte de uma via de circulação em cada sentido. Actualmente o túnel tem quatro vias de circulação em cada sentido e durante esta intervenção a circulação passará para três vias por sentido, sendo repostas novamente as quatro vias até ao final de Março de 2025.

    A empreitada de reabilitação e modernização do Túnel do Grilo, no IC17/CRIL, com um investimento associado de cerca de 14 milhões de euros, tem três grandes grupos de objectivos que se complementam: requalificação da infraestrutura ao nível dos requisitos de segurança, de eficiência energética e de sustentabilidade, para garantir o melhor nível de serviço e a exploração integrada da rede adjacente; adequação dos sistemas de segurança de modo a dar cumprimento à Directiva Europeia, relativa aos requisitos de segurança para os túneis da rede rodoviária transeuropeia e rede rodoviária nacional; e reforço dos sistemas de comunicação entre o Túnel do Grilo e o Centro de Controlo de Tráfego (CCT) da IP, localizado no Campus do Pragal, em Almada.

    Paralelamente a intervenção compreende ainda a requalificação da infraestrutura do túnel em betão, com recurso a tratamentos pontuais do betão e pintura da totalidade da extensão das duas galerias do túnel; a construção, em vala, de novos canais técnicos; a reabilitação do sistema de drenagem existente, incluindo nos taludes; e a reabilitação do pavimento em toda extensão do túnel; a reabilitação de um talude; e a construção de um novo edifício técnico.

    O Túnel do Grilo, inaugurado em 1998, está localizado no lanço Olival de Basto / Sacavém do IC17 – CRIL e tem actualmente um tráfego médio diário superior a 115 mil veículos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Diminuíram as transacções de alojamentos no 1.º Trimestre de 2024

    Na sua mais recente “Análise de Conjuntura do Sector da Construção”, a AICCOPN, salienta os números mais recentes do sector. Apesar de observada uma diminuição das Transacções de Alojamentos no 1.º Trimestre de 2024, o Índice de Preços da Habitação continuou a subir, face ao período homólogo. A área licenciada pelas autarquias registou uma ligeira contracção e as obras públicas dispararam

    No 1º trimestre de 2024, de acordo com a informação divulgada pelo INE, foi transaccionado um total de 33.077 alojamentos, num montante global de 6.731 milhões de euros, valores que traduzem um decréscimo de 4,1% em número e de 1,8% em valor, face ao trimestre homólogo do ano passado. Face ao último trimestre de 2023, verificaram-se, de forma semelhante, decréscimos nas transacções de alojamentos, de 3,1% em número e de 6,2% em valor. Neste período e, apesar da diminuição nas transacções de alojamentos, o Índice de Preços da Habitação registou um crescimento de 7%, em termos homólogos, e de 0,6%, face ao 4º trimestre de 2023.

    Relativamente à área licenciada pelas autarquias, nos primeiros quatro meses deste ano, observa-se uma significativa redução, em termos homólogos, de 11,6%, nos edifícios habitacionais e de 24,5% nos edifícios não residenciais. No que concerne ao número de fogos licenciados em construções novas, verifica-se, até Abril, um decréscimo de 15,3%, para 9.704 alojamentos.

    Quanto ao montante do novo crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras, excluindo renegociações, até ao mês de Abril, totalizou 4.971 milhões de euros, valor que corresponde a um aumento de 33,6%, em termos homólogos. Ao nível do stock de crédito de empresas do sector da construção, detido pelas instituições financeiras, no mês de Abril, registou-se uma contracção de 2%, face ao mesmo mês de 2023, para 6.283 milhões de euros.

    No mercado das obras públicas, nos primeiros cinco meses de 2024, observou-se um crescimento nos principais indicadores. O volume total de concursos de empreitadas de obras públicas promovidos observou um expressivo aumento de 95,7%, em termos homólogos acumulados, e o total dos contratos de empreitadas de obras públicas, celebrados neste período, e objecto de reporte no Portal Base até ao passado dia 15 de Junho, registou um acréscimo de 20,3%, em termos de variação homóloga temporalmente comparável.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    4ª edição “ReBuild Ukraine” agendada para Novembro

    A 4ª edição do “ReBuild Ukraine”, dedicada aos sectores da Construção e Energia, decorrerá em Varsóvia, a 13 e 14 de Novembro de 2024, no Centro de Exposições “EXPO XXI”

    Organizado pela empresa ucraniana “Premier Expo”, o evento conta com o apoio de vários organismos ucranianos, como o ministério da Energia da Ucrânia, ministério da Economia e o ministério para o Desenvolvimento das Comunidades, Territórios e Infraestruturas da Ucrânia.

    O evento “ReBuild Ukraine”, uma plataforma de comunicação entre entidades e empresas interessadas na reconstrução da Ucrânia, é composto por Exposições de equipamentos e produtos e Conferências várias, a realizar numa área de 8.500 m2 repartido por 3 Pavilhões (Pavilhão da Construção, Pavilhão da Energia e Pavilhão Internacional, destinado a acolher os stands dos países estrangeiros).

    O “Pavilhão da Construção”, acolherá empresas de construção / engenharia, arquitectos, projectistas, empreiteiros e expositores especializados em equipamentos para a construção, materiais de construção e de acabamento, sistemas de janelas e fachadas, isolamento de edifícios, construção modular, sistemas de segurança, máquinas para a produção de materiais de construção, geração, sistemas e transferência de calor, refrigeração, ar condicionado e sistemas de ventilação, tecnologias de abastecimento de água e tratamento de águas, gestão de águas residuais, máquinas especiais para construção civil e industrial, tecnologias de instalação, máquinas e equipamentos para a construção de estradas, ferrovias e aeroportos, camiões e veículos para a construção.

    O “Pavilhão da Energia” acolherá empresas de construção de energia, empresas estatais e privadas de energia da Ucrânia, expositores especializados em produção de energia e equipamento de transmissão / transformação, aquecimento central, produção de energia nuclear, gestão de resíduos nucleares, produção de energia verde, construção de linhas de energia, equipamentos de economia de energia e eficiência energética e tecnologias, exploração de petróleo e gás, refinarias de petróleo, oleodutos e gasodutos, mineração de carvão, fontes de alimentação energética independentes, ecologia e equipamentos de protecção ambiental e tecnologias.

    A agenda da edição de Novembro, do “ReBuild Ukraine”, inclui a organização de duas conferências intergovernamentais, uma sobre Energia e outra dedicada à promoção das oportunidades de investimento para a transformação económica da Ucrânia, um fórum sobre construção e uma conferência de doadores onde participarão Instituições financeiras internacionais, doadores, investidores, Instituições Governamentais. As empresas interessadas em participar no evento, deverão fazer um pedido de reserva de espaço até 1 de Setembro.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Angolana Power2Build quer entrar na Europa via Portugal

    A primeira casa em impressão 3D foi construída em Angola, em 2022, recorrendo a materiais locais e cimento convencional. O objectivo da angolana Power2Build é avançar com a expansão internacional em 2025, com a Europa em mente, Portugal é o primeiro ponto de paragem 

    A Power2Build, empresa angolana responsável pela criação da primeira casa construída com uma impressora 3D da COBOD em África, utilizando exclusivamente materiais locais e cimento convencional, pretende expandir o negócio para Portugal, em 2025, para implementar o centro de operações que vai apoiar a sua expansão para a Europa.

    A start-up fundada em 2020 está actualmente a trabalhar em Angola e conta com 37 colaboradores a tempo inteiro. Um número que deverá duplicar ainda este ano para dar resposta à estratégia da empresa de expansão nacional e internacional. “A Power2Build nasceu com o objectivo de ajudar a reduzir significativamente o défice habitacional em África, através de uma tecnologia de construção que seja mais acessível e com menor impacto ambiental. Este ano, o foco é a consolidação do crescimento em território angolano, mas prevemos avançar com a expansão internacional, em 2025, começando pelos países da região Sadc e Europa. Portugal será a porta de entrada para Power2Build”, sublinha Ricardo Almeida, CEO da Power2Build.

    A Power2Build prevê 2 milhões de euros de volume de negócios, este ano, mas para 2025, através da expansão para novos mercados, a estimativa é atingir um volume de negócios perto dos 16 milhões de euros. Este ano, o foco da Power2Build será a consolidação do crescimento em território angolano, mas prevê ainda, como parte da estratégia de crescimento, entrar nos mercados da Namíbia e República Democrática do Congo, onde já está em fase final de negociação.Na semana passada, a empresa anunciou um investimento de 1,3 milhões de euros na maior impressora 3D do mundo para o sector imobiliário em África.

    Tecnologia 3D Concrete Printing

    Em 2022, a Power2Build construiu a primeira casa em impressão 3D do país, em apenas 48 horas, com recurso a uma impressora 3D de grande dimensão. Neste momento, a Power2Build está a concluir o primeiro condomínio familiar 3D em África, casas de renda média, que ultrapassa os 1.000 m2, nesta primeira fase, e irá atingir os 2.000 m2 na segunda fase.

    A empresa angolana Power2Build conta com os parceiros tecnológicos COBOD e CEMEX, responsáveis pelo desenvolvimento de uma solução que permite ao betão convencional ser impresso de forma mais eficiente, com maior qualidade e a um custo mais reduzido, a Dfab. À margem desta parceria, a Power2Build recorre apenas a parceiros locais para as restantes fases de construção da habitação.

    “Na Power2Build trabalhamos com a diversidade de materiais disponíveis no nosso país e com empresas e recursos locais, exatamente para podermos contribuir para a empregabilidade e desenvolvimento empresarial. É importante que estes sejam projetos da comunidade, para a comunidade”, conclui Ricardo Almeida.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Construção do empreendimento SAMA acelera

    Promovido pela TAN Investments, o SAMA deverá estar concluído dentro de um ano. Inserido numa área com mais de 86 000 metros quadrados (m²), o empreendimento é composto por 16 villas e o projecto de arquitectura tem a assinatura do atelier CHP Arquitectos

    No Verão de 2025 o empreendimento turístico SAMA deverá ficar concluído, mas nos próximos meses de Agosto e Setembro já será possível ver a estrutura pronta em todas as 16 moradias e no edifício de recepção que compõem este  boutique resort localizado na região da Comporta.

    Com obra a cargo da empresa FCC Construcción, todas as moradias encontram-se actualmente com a estrutura subterrânea executada e mais de 80% das unidades têm a estrutura acima do solo em fase de execução. “A um ano do fim da construção, estamos focados em garantir um ritmo acelerado e contínuo na obra, com os trabalhos a decorrerem em diferentes fases na totalidade das moradias”, assegura a TAN Investments, promotora do empreendimento.

    Inserido numa área com mais de 86 000 metros quadrados (m²), o SAMA está a ser comercializado pela Athena Advisers. É composto por 16 villas de dois a cinco quartos com uma área bruta de construção acima do solo entre os 200 e os 500 m². Cada moradia inclui terraços panorâmicos sobre a paisagem envolvente e generosas áreas exteriores com piscina, privilegiando a privacidade e tranquilidade dos seus residentes. Os preços das propriedades oscilam entre 1,8 milhões de euros e 5,5 milhões de euros.

    Os futuros proprietários, que adquirem as moradias totalmente mobiladas e equipadas, têm ainda a possibilidade de operar a sua villa no mercado turístico com a equipa profissional de gestão hoteleira do SAMA, usufruindo ainda de todos os serviços do empreendimento.

    O resort inclui ainda uma recepção com o mesmo design das moradias, criada para oferecer serviços de concierge, uma área de refeições, bar e espaços exteriores para o convívio entre vizinhos e hóspedes.

    “Num destino que continua a ser dos mais procurados para a compra de propriedades em Portugal e onde o turismo continua a crescer, é com muito entusiasmo que vemos um dos projectos turísticos mais excepcionais da Comporta a avançar desta forma”, destaca David Moura-George, director geral da Athena Advisers Portugal. “Muitos clientes procuram propriedades prontas ou em construção e testemunhar este dinamismo dá uma segurança adicional aos investidores, sobretudo num produto com as características do SAMA, onde o retorno será potenciado por uma equipa de gestão hoteleira para operar as propriedades. Estamos, por isso, confiantes que o Verão vai trazer muito dinamismo às vendas na Comporta”.

    Arquitectura integrada na natureza

    Da autoria de Álvaro Manso, o projecto de arquitectura paisagista foi pensado para garantir a integração total das villas no ambiente natural, promovendo o bem-estar e a privacidade dos futuros residentes e hóspedes, que beneficiam de amplos espaços ao ar livre em conexão com a natureza. O projecto adopta ainda práticas sustentáveis, nomeadamente o uso eficiente de água.

    A arquitectura do resort, assinada pelo atelier CHP Arquitectos, é inspirada no estilo árabe, onde sobressaem fachadas em tons de terra e areia e interiores amplos de configuração simples. As grandes portas e janelas em vidro potenciam a entrada de luz natural e prolongam os espaços interiores para o exterior.

    Ainda que a privacidade da localização seja um privilégio do SAMA – situado entre a Comporta e Melides – a acessibilidade aos serviços e lazer da região é outro dos seus pontos fortes. A praia mais próxima, a do Carvalhal, fica apenas a 10 minutos de carro, o campo de golfe de Tróia está a meia hora e o centro da Comporta e de Grândola encontra-se a 17 minutos de condução.

    O empreendimento turístico goza ainda de todas as vantagens reconhecidas a este popular destino da costa alentejana a pouco mais de uma hora a sul de Lisboa: praias de extensos areais, dunas, arrozais, paisagens de pinheiros mansos e gastronomia de sabor alentejano servida nos inúmeros restaurantes da região.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Engenharia

    Ordem dos Engenheiros e Brisa reforçam colaboração para promover a engenharia

    Com esta assinatura “saem reforçadas a promoção conjunta das áreas científicas e tecnológicas, com foco na engenharia e no posicionamento dos engenheiros no debate das matérias relevantes para o desenvolvimento do País” reafirmam

    CONSTRUIR

    A Ordem dos Engenheiros (OE) e o Grupo Brisa assinaram esta sexta-feira, dia 5 de Julho, na Sede nacional da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa um protocolo de colaboração com vista a reforçar a sua parceria no biénio 2024/2025.

    O documento consubstancia a “vontade comum de aprofundamento” de trabalho conjunto em matérias como a atracção e vinculação de talentos, a diversidade e maior representatividade de género, potenciando a ascensão profissional de mulheres engenheiras naquela empresa, bem como uma maior envolvência da Brisa em eventos formativos e debates organizados pela Ordem que confluam com as suas áreas de actividade.
    Para Fernando de Almeida Santos, bastonário da Ordem dos Engenheiros e para António Pires de Lima, presidente da Comissão Executiva do Grupo Brisa, com esta assinatura “saem reforçadas a promoção conjunta das áreas científicas e tecnológicas, com foco na engenharia e no posicionamento dos engenheiros no debate das matérias relevantes para o desenvolvimento do País” reafirmam.
    O Grupo Brisa é parceiro Institucional da Ordem dos Engenheiros desde 2006, tendo a sua missão em sintonia com a da Ordem dos Engenheiros, no que diz respeito às áreas com forte intervenção da engenharia, como seja no desenvolvimento e gestão de infraestruturas de transporte e soluções de mobilidade sustentáveis e inovadoras, focando na mobilidade como impulsionadora do crescimento, desenvolvimento e criação de valor.
    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Century 21 comercializa ‘Varandas do Moinho’

    Promovido pela Panóplia Urbana, os 72 apartamentos que compõem o Varandas do Moinho distinguem-se pelas suas áreas amplas, com os T1 a começar nos 80 metros quadrados (m2) e 35 m2 de terraço aos T3, com mais de 190 m2 e um terraço de 100 m2

    CONSTRUIR

    O empreendimento Varandas do Moinho entrou na carteira de empreendimentos especiais da Century 21 Portugal. Em Vialonga, na zona Norte de Lisboa, encontra-se numa zona de construção consolidada, em comunhão com a reserva natural que o envolve e com vista rio.

    Promovido pela Panóplia Urbana, os 72 apartamentos que compõem o Varandas do Moinho distinguem-se pelas suas áreas amplas, com os T1 a começar nos 80 metros quadrados (m2) e 35 m2 de terraço aos T3, com mais de 190 m2 e um terraço de 100 m2.

    Localizado a minutos da cidade de Lisboa, o empreendimento foi pensado ao pormenor para promover a interação familiar, a conexão com o meio ambiente e o bem-estar no geral.

    “O Varandas do Moinho é uma evolução do bem-sucedido projecto Encosta do Moinho. Com uma visão centrada nos valores familiares e na harmonia com a natureza, este novo empreendimento oferece mais do que apenas um lugar para chamar de lar – é um convite para uma vida de conforto, sofisticação e sustentabilidade”, destaca Víctor Leão, responsável da Panóplia Urbana.

    . Com 72 apartamentos residenciais meticulosamente projetados, Varandas do Moinho é uma comunidade vibrante que integra espaços amplos, áreas verdes exuberantes e comodidades modernas, proporcionando um estilo de vida verdadeiramente excecional aos seus residentes”. E afirma: “Apraz-nos, igualmente, registar que continuamos a ter na Century 21 um parceiro de referência que tem vindo a promover os nossos projetos e nos quais mantemos a nossa confiança.”

    Também Pedro Maldonado, head of Developments da Century 21, destaca ainda que, “como âncora desta construção, encontramos um antigo moinho de vento, que está a ser renovado, e onde será criado um espaço comercial de serviço a todas as famílias desta encosta, alicerçado no parque infantil e no complexo de campos de padel, que aqui fará as delícias dos amantes de desporto. A união da natureza com o desporto e o bem-estar está bem presente neste projecto, já que a enorme zona verde envolvente é usufruída, com frequência, pelos residentes para a prática de agradáveis caminhadas, explorando os trilhos existentes, ou em passeios de BTT”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    IP inicia acção de capacitação para Ministério das Obras Públicas de Moçambique

    Ciclo de formação incide na temática de Concessões e PPP’s (Parcerias Público-Privadas) Rodoviárias para o Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos de Moçambique

    CONSTRUIR

    A Infraestruturas de Portugal (IP) iniciou este mês um ciclo de formação em Concessões e PPP’s (Parcerias Público-Privadas) Rodoviárias para o Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos de Moçambique (MOPHRH MZ).

    As sessões, que refletem o “compromisso de cooperação” da IP com o Governo de Moçambique para o desenvolvimento das infraestruturas rodoviárias, contou com a participação de 14 dirigentes do Ministério, Administração Nacional de Estradas e Fundo de Estradas.

    No primeiro dia, na sessão de boas-vindas, Miguel Cruz, presidente do Conselho de Administração da IP, destacou a “importância da troca de experiências” entre entidades do sector das infraestruturas da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), ressaltando que estas iniciativas são “essenciais” para o aumento da sustentabilidade dos investimentos em rodovias.

    As sessões temáticas iniciaram-se com as apresentações efectuadas pela Direcção de Concessões, nomeadamente, sobre o enquadramento geral do modelo de negócio em Portugal, seguindo-se a abordagem à vertente jurídica.

    O segundo dia foi composto pela visita à Subconcessionária do Baixo Alentejo, gerida pela SPER – Sociedade Portuguesa para a Construção e Exploração Rodoviária.

    Ao longo dos próximos dias, surgirão oportunidades para desenvolver projectos que contribuirão para o crescimento sustentável de Moçambique.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Atribuição dos Prémios António Almeida Henriques em 2023

    Construção

    Prémios Portugal Smart Cities com candidaturas até 13 de Setembro

    O Prémio António Almeida Henriques foi instituído em 2023 pela Fundação AIP e tem a concurso sete categorias: Neutralidade Carbónica, Mobilidade, Espaço Público, Turismo Inteligente, Saúde e Bem-Estar, Transformação Digital e Reabilitação urbana sustentável e inteligente

    CONSTRUIR

    Pelo segundo ano consecutivo, o Portugal Smart Cities Summit vai atribuir o Prémio António Almeida Henriques, instituído em 2023 pela Fundação AIP. As candidaturas poderão ser feitas  na página oficial do evento até dia 13 de Setembro. A cerimónia de entrega dos prémios irá decorrer a 8 de Outubro, na FIL do Parque das Nações, em Lisboa.

    A apreciação das candidaturas e projectos apresentados será feita por um júri, presidido por Miguel de Castro Neto, director da NOVA Information Management School (NOVA IMS), da Universidade Nova de Lisboa, e que compreende igualmente outras entidades e personalidades de reconhecido mérito na temática das Smart Cities.

    Após uma forte adesão do mercado à edição anterior dos Prémios, na qual se registaram mais de 50 candidaturas, é com “grande expectativa” que Elisabete Martins, gestora do PSCS 2024, olha para mais esta iniciativa.

    “Os Prémios Portugal Smart Cities – António Almeida Henriques, visam distinguir projectos inovadores, sustentáveis, eficientes e soluções de inteligência urbana. Desta forma estamos a contribuir para a concretização de práticas efectivas que tornam as nossas cidades cada vez mais inteligentes e sustentáveis”, afirma.

    As candidaturas podem ser apresentadas por comunidades intermunicipais, municípios e as juntas de freguesia, orientados para a implementação com sucesso de projectos sustentáveis, eficientes e pela criação de soluções de inteligência urbana.

    Estão a concurso sete categorias, nomeadamente Neutralidade Carbónica, Mobilidade, Espaço Público, Turismo Inteligente, Saúde e Bem-Estar, Transformação Digital e Reabilitação urbana sustentável e inteligente.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.