Edição digital
Assine já
    PUB
    Empresas

    Revigrés e Archi Summit de regresso às faculdades para falar sobre Sustentabilidade

    A 2ª edição, com o tema ‘Re-Defining Spaces’, pretende que os futuros profissionais utilizem os revestimentos e pavimentos cerâmicos para “re-definir” um espaço de dimensão reduzida

    CONSTRUIR
    Empresas

    Revigrés e Archi Summit de regresso às faculdades para falar sobre Sustentabilidade

    A 2ª edição, com o tema ‘Re-Defining Spaces’, pretende que os futuros profissionais utilizem os revestimentos e pavimentos cerâmicos para “re-definir” um espaço de dimensão reduzida

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas

    Após o sucesso da primeira edição, em que participaram mais de duas centenas de alunos, a Revigrés e o Archi Summit regressam com mais uma iniciativa ArchiRevi em 2024. As duas entidades voltam a marcar presença nas Faculdades das áreas de Arquitectura, Design e Engenharia Civil para falar sobre Sustentabilidade, em Masterclasses, e convidar os alunos a participar num concurso, desta vez, inspirados na filosofia do “minimal space design”.

    ‘Re-Defining Spaces’ pretende que os futuros profissionais do sector utilizem os revestimentos e pavimentos cerâmicos para “re-definir” um espaço de dimensão reduzida, com vista à sua optimização e indo ao encontro das boas práticas da construção sustentável.

    Para os inspirar, a segunda edição do ArchiRevi prevê ainda um workshop online do atelier Enorme Studio, em que os participantes vão aprender mais sobre a arquitectura e organização de espaços citadinos, com foco nos materiais cerâmicos e na sustentabilidade, com entrega de um Certificado de Formação.

    O período de submissão de projectos ao ArchiRevi Challenge decorre até 1 de Junho, podendo o regulamento ser consultado no site da Revigrés. Os 10 melhores trabalhos ganham prémios e serão expostos durante o Archi Summit 2024, onde será anunciado o primeiro lugar. O projecto vencedor será distinguido com um prémio monetário.

     

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno
    Imobiliário
    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”
    Engenharia
    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto
    Imobiliário
    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital
    Construção
    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark
    Imobiliário
    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga
    Construção
    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’
    Imobiliário
    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa
    Construção
    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes
    Construção
    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE
    Empresas
    PUB
    Imobiliário

    Empreendimento Vertice chega ao Campo Pequeno

    Promovido pela Lantia e com arquitectura de Saraiva + Associados, a comercialização está a cargo da Savills, JLL e Porta da Frente Christie’s

    ‘Vertice’ é o nome do mais recente empreendimento a figurar no Campo Pequeno, um dos ex-líbris da cidade de Lisboa. O projecto, promovido pela Lantia e com arquitectura de Saraiva + Associados, marcará a paisagem desta zona da capital. A comercialização está a cargo da Savills, JLL e Porta da Frente Christie’s.

    Na sua envolvente estão a praça do Campo Pequeno, a Avenida de Roma e Entrecampos, fazendo desta uma localização privilegiada no coração de Lisboa, próxima de alguns dos mais importantes acessos rodoviários e de redes de transportes como metro ou comboio. O projecto encontra-se, ainda, rodeado de escolas e universidades, cultura, arte, comércio, desporto e espaços verdes de qualidade.

    Com uma fachada com “design moderno e elegante” e interiores que se caracterizam pelas suas “áreas amplas, funcionalidade e acabamentos de qualidade superior”, o ‘Vértice’ conta com 119 apartamentos, com tipologias que vão desde o T0 a T5.

    O empreendimento encontra-se na vanguarda em relação aos critérios ESG (Environmental, Social and Governance), dando primazia à utilização de materiais sustentáveis, a uma reduzida pegada carbónica na sua construção e ao recurso a energias próprias e renováveis.

    Qualidade e critérios de sustentabilidade são as principais características destacadas pelas consultoras. Miguel Lacerda, Lisbon Residential director da Saviils Portugal considera que este empreendimento irá “marcar” o panorama dos empreendimentos residenciais em Lisboa “não só pelo seu design exterior e interior, mas também pelos seus elevados padrões em termos de critérios ESG”

    Um factor também salientado por João Cília, CEO da Porta da Frente Christie’s, cuja “elevada qualidade” e “localização central” o torna numa “oportunidade única”.

    Também Patrícia Barão, head of Residential da JLL Portugal, reforça a importância da localização e acessos existentes para quem queira viver no “coração” de Lisboa, assim como o “compromisso” com a inovação e a sustentabilidade.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Engenharia

    “O ano de 2024 vai ver, possivelmente, os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal”

    A Tecnoplano está a crescer nas diferentes latitudes onde está presente, mas o Brasil destaca-se. Depois do sector aeroportuário, os sistemas de energia, produção e transmissão, aceleram o ritmo de crescimento deste mercado, sustentado também pela existência de recursos humanos qualificados para dar resposta aos novos desafios. Ao CONSTRUIR, Pedro Matos de Pinho, CEO da Tecnoplano, fala sobre os diferentes desafios, tecnológicos e humanos, que se colocam nesta fase de crescimento

    No final de Dezembro, a Tecnoplano fechou as contas de 2023 com um aumento de 25% na sua área core de consultoria e projectos de fiscalização. Para este ano a perspectiva é crescer, pelo menos 50%, em função dos projectos em Portugal, mas também no Brasil, mercado que se tem vindo a afirmar na actividade da empresa, quer pelo valor gerado quer pelo aporte técnico que presta a outras geografias onde o grupo português está presente. Ao CONSTRUIR, o CEO da Tecnoplano, Pedro Matos de Pinho sublinha que já este ano o número de quadros do grupo no Brasil devem ultrapassar os existentes em Portugal, “o que é compreensível dada a dimensão do mercado”, justifica.

    No início do ano anunciaram a criação de uma espécie de ‘Governo Sombra’. Como é que a experiência está a correr?

    A experiência tem sido extremamente positiva. O Conselho de Administração Sombra (CdA) trouxe uma diversidade de perspectivas e ideias que enriqueceram as nossas decisões estratégicas. Têm existido algumas reuniões que este jovem CdA convoca para abordarem o andamento dos trabalhos e retirar informações valiosas dos membros mais seniores das empresas. Têm como objectivo apresentar a proposta de Plano Estratégico do Grupo até Setembro para discussão interna. Ficaremos a aguardar.

    Este é um instrumento para tornar o grupo mais “atractivo” numa altura em que a mão de obra qualificada, nomeadamente engenheiros, é um sério problema ao desenvolvimento e crescimento do sector. Como vêem este problema e como o tem contornado?

    Certamente, a atractividade é um dos objectivos. O déficit de engenheiros é um desafio global, e estamos a abordá-lo através de iniciativas selectivas nas universidades promovendo estágios. Além disso, investimos fortemente na formação contínua dos nossos colaboradores, o que nos permite manter um quadro de profissionais altamente qualificados. Actualmente estamos a criar a “Academia Tecnoplano” com esse mesmo propósito.

     

    A digitalização está a mudar todo o sector AEC e a fazê-lo avançar a uma grande velocidade. Como é que o grupo dá resposta às novas tendências como o digital twin, a modelação 3D, o uso da Inteligência artificial, etc..?

    Tentamos estar na vanguarda da digitalização no sector AEC. Estamos num processo de implementação de um sistema de gestão centralizado para as diversas áreas da nossa operação. Até ao final do ano teremos um sistema que irá agregar toda a parte contabilística e administrativa, mas com um foco na comunicação à operação. Queremos que a informação seja fornecida directamente à operação, pois é ali onde o impacto tem efeito. Quanto às ferramentas técnicas, a nível de desenvolvimento de projectos já operamos nos diversos sectores em ambiente BIM há alguns anos. Demos início a esta transição em 2016. Nas áreas de project management e supervisão de obras, estamos numa melhoria e actualização de ferramentas contínua, criando cada vez mais processos de integração das actividades com um foco em decisões baseadas em dados “data-driven decision”. A experiência dos nossos técnicos é essencial, no entanto, o mundo mudou e cada vez mais os stakeholders querem decisões baseadas em dados concretos que sustentam a decisão, minimizando o erro e subsequentemente a litigância. Em relação a AI, temos assistido a um aumento de actualizações dos nossos softwares com apoio desta tecnologia. Caminhamos para uma versão positiva do ‘Admirável Mundo Novo’. A gestão e controlo das nossas actividades passará por uma metodologia de integração para uma gestão mais assertiva e eficiente das áreas de conhecimento que compõem uma determinada actividade com recurso a softwares em constante actualização. A título de exemplo, a integração do escopo com o planeamento e controlo de custo é uma abordagem ao alcance de qualquer fiscal de obra que detenha a ferramenta e formação adequada, agregando a IA permite um planeamento previsível e mais preciso.

     

    E de que forma toda esta transformação já é visível na carteira de obras da Tecnoplano?

    A transformação digital está claramente reflectida na nossa carteira de obras. Projectos como a implementação de sistemas BIM (Building Information Modeling) têm demonstrado uma redução significativa em custos e prazos. A digitalização não é apenas uma tendência, é a realidade dos nossos projectos actuais. A Industrialização da Construção tem levado as nossas equipas, quer de projecto, quer de supervisão, para o “chão da fábrica”.

    Crescimento acelerado no Brasil

    O mercado português ainda é o vosso principal mercado? Como vêem a sua evolução?

    Embora o mercado português continue a ser crucial para nós, temos expandido significativamente a nossa presença internacional. Vemos o mercado português a evoluir positivamente, especialmente com os investimentos provenientes do PRR e as mais recentes iniciativas do actual governo, que estão a impulsionar o sector da construção e engenharia.

    Já estamos no Brasil desde 2012, actualmente com escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Araçatuba. Nos últimos 2 trimestres temos assistido a um crescimento acelerado na nossa actividade nesta geografia. O ano de 2024 vai ver possivelmente os números dos quadros do grupo no Brasil ultrapassar os de Portugal, o que é compreensível dada a sua dimensão.

    Deduzo que a operação esteja a correr bem. Em que projectos estão a participar? E como vêem a vossa presença neste mercado a médio prazo?

    A operação no Brasil tem sido um sucesso, especialmente nos estados em que estamos concentrados, como São Paulo e Rio de Janeiro. Temos conseguido fechar parcerias estratégicas e participar em projectos de grande escala que têm elevado a nossa reputação no mercado local. Estamos a participar em projectos de infraestruturas energéticas, solar – adquirimos recentemente uma empresa no sector solar e carregamentos eléctricos – e a consolidar a nossa actividade aeroportuária. A médio prazo, vemos a nossa presença crescer significativamente, consolidando-nos como uma referência no mercado.

    A evolução que falámos no início também é sentida neste mercado? Como é que abordam os seus desafios nesta latitude e num mercado com a dimensão do Brasil?

    Sim, sentimos a evolução também no Brasil. Abordamos os desafios através da regionalização das nossas operações e da adaptação às especificidades locais. O Brasil, com a sua vastidão e diversidade, exige uma abordagem personalizada e flexível, e é exactamente isso que temos implementado, cada estado é um país à nossa dimensão, razão pelo qual abordamos a entrada num estado quase como uma internacionalização.

    Sobre a empresa que adquiriram recentemente neste mercado, como é que está a decorrer essa operação?

    Na parte de sistemas de energia temos trabalhado, maioritariamente, projectos em sistemas de transmissão, linhas e subestações de muito alta tensão. Temos projectos relevantes, incluindo um que compreende 900 km de linhas de muito alta tensão. É um projecto grande, apoiamos o cliente ainda na fase de leilão, ganharam os principais lotes e agora estamos na fase de desenvolvimento do projecto.

    Hidrogénio, produção de biogás e valorização orgânica de resíduos são áreas onde já actuam. O que estão a fazer neste domínio?

    Não são áreas novas, especialmente no biogás, já trabalhamos no passado. Agora o que estamos a fazer de relevante é o maior projecto de biogás na Europa, que é na Suécia e que representa um investimento de 56 milhões de euros. Desenvolvemos todo o projecto e estamos agora a finalizar o projecto de execução.

     

    Área industrial com forte crescimento

    Como é que surgem esta novas actividades na empresa?

    Temos um departamento de projectos industriais, uma área onde ainda há poucas referências em Portugal. Com a transição energética sentimos que este é um mercado em crescimento, razão pela qual apostámos em fortalecer esta equipa, que tem estado a trabalhar em diversos projectos industriais, nomeadamente em unidades de biomassa.

    Qual é o peso que esta área industrial tem dentro da vossa carteira de clientes, de obras, neste momento?

    O peso não é significativo de momento. Eu julgo que deve andar à volta dos10%, mas a tendência vai ser crescer e crescer muito. As outras áreas estão consolidadas, temos mercado e reconhecimento no mercado, por isso a tendência é crescer, sobretudo na parte dos sistemas de energia. Olhando para o grupo e para os diferentes mercados onde estamos a nossa intenção é que cada área possa contribuir para o grupo em geral. Por exemplo, no Brasil afirmamo-nos no sector aeroportuário estamo-nos a consolidar na área de sistemas de energia e já estamos, a partir deste mercado, a apoiar a nossa actividade noutros mercados, por exemplo em Angola onde estamos com a construtora MCA no desenvolvimento do projecto solar que esta tem em curso no país.

    À parte da perspectiva de crescimento na área industrial, a área da construção e infraestruturas ainda é o forte na vossa actividade?

    Sim e onde temos um posicionamento relativamente equilibrado entre infraestruturas, obra pública, e obra privada, que actualmente e felizmente até é superior à componente pública.

    Isto é uma estratégia que procuram seguir?

    Sempre. Foi o que nos salvou em 2008. Continua a haver uma insensibilidade ou uma incapacidade do Governo em alinhar as estratégias políticas de investimento à capacidade da indústria.

    Com o PRR temos um vasto conjunto de obras públicas pelo menos para os próximos 15 anos. Será o suficiente para criar em Portugal um sector novamente forte?

    Temos aqui um pipeline grande que pode dar alguma estabilidade, o problema é a confiança que está instalada no mercado. É preciso investimento em prefabricação, em fábricas off site. É um contexto que, obviamente, gera oportunidades.

    Em que projectos têm estado a apostar a vossa presença?

    Estamos envolvidos em diversos projectos do PRR, focando-nos em infraestruturas de transporte e sustentabilidade energética. Estes projectos não só são essenciais para o desenvolvimento do país, como também reforçam a nossa posição no mercado, capacitando-nos igualmente para uma abordagem mais confiante noutras geografias.

    Como é que correu o ano de 2023 e qual a perspectiva para este ano?

    Fechámos o ano de 2023 com quase 9 milhões de facturação na área de consultoria e projectos de fiscalização, o que representou um aumento de 25% face a 2022 e começámos 2024 com uma carteira superior em cronograma. Definimos um objectivo de ter sensivelmente 13 milhões de euros, o que representa um aumento de 50%, para este ano. Sendo que temos já grande parte da carteira assegurada, agora é uma questão de capacidade de execução. Há três anos que começamos o ano com 80% do objectivo para o ano económico em carteira. O que nos dá uma estabilidade e permite-nos sermos mais selectivos dado a dificuldade em trazer novos recursos. Podemos ter crescimentos muito maiores, mas preferimos ter crescimentos curtos com contratos rentáveis e projectos com valor acrescentado para permitir atrair os melhores recursos.

     

     

    Sobre o autorManuela Sousa Guerreiro

    Manuela Sousa Guerreiro

    Mais artigos

    DR

    Imobiliário

    Abril prolonga efeito da páscoa no alojamento local em Lisboa e Porto

    No mês que se seguiu à Páscoa, diárias mantiveram preços e ocupação média aumentou para 70% em Lisboa e 57% no Porto. Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente

    A Confidencial Imobiliário divulgou os dados mais recentes das estatísticas do SIR-Alojamento Local, revelando que Abril prolongou o efeito positivo do período da Páscoa, com sustentação dos preços das diárias quer em Lisboa quer no Porto e um aumento dos níveis de ocupação nas duas cidades.

    Em Lisboa, o Alojamento Local registou uma ocupação média de 70% no mês de Abril, um resultado superior aos 65% verificados em Março. No Porto, este tipo de acomodação teve uma taxa média de ocupação de 57% em Abril, também superior aos 46% do mês anterior. Os níveis de preços praticados mantiveram-se relativamente estáveis entre os dois meses, comparando-se 119€ em Abril com 121€ em Março no caso de Lisboa, e 105€ com 104€, respectivamente, no caso do Porto.

    Traduzindo a maior dinâmica de ocupação, Abril registou também um acréscimo do RevPAR face ao mês anterior, com este indicador a atingir 80€ em Lisboa e 58€ no Porto, em comparação com os 76€ e 46€, respectivamente, observados no mês de Março.

    De assinalar ainda, o que parece ser a maior confiança dos operadores e proprietários neste mercado, com a oferta ativa a registar ligeiro acréscimo em abril face a março. Concretamente, em Abril contabilizavam-se 3.750 apartamentos T0/T1 activos em AL para ocupação na capital, mais do que os 3.550 registados em Março. No Porto, Abril somou 3.770 apartamentos T0/T1 com actividade no AL, também ligeiramente acima dos 3.700 registados no mês da Páscoa. Em qualquer dos casos, o volume de oferta activa em AL no mês de abril de 2024 é o mais elevado dos últimos quatro anos.

    Em Abril venderam-se 79.600 noites de AL em Lisboa e 65.460 no Porto, traduzindo maior procura do que a registada em Março, quando as duas cidades registaram 71.350 e 53.250 noites vendidas, respectivamente. Tal traduziu-se num volume de negócios de 9,5 milhões de euros em Lisboa e 6,9 milhões euros no Porto durante o mês de Abril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Autarquia de Barcelos investe 4M€ em terreno para novo hospital

    A Câmara de Barcelos vai adquirir os terrenos onde ficará localizado o novo Centro Hospital de Barcelos. A decisão surge depois da ministra da Saúde ter dado garantias que o novo hospital irá mesmo avançar 

    Município de Barcelos aprovou ontem, em reunião extraordinária, a aquisição dos terrenos para a construção do Novo Hospital de Barcelos pelo valor de 4 milhões de euros. Segundo o Presidente, Mário Constantino Lopes, esta decisão surge na sequência da garantia dada pela ministra da Saúde de que o Governo irá avançar com a construção do designado Centro Hospitalar de Barcelos, um equipamento que vai servir a população deste concelho e do concelho de Esposende.

    Designado “Acordo de cedências e urbanização para a execução do Plano de Pormenor do Centro Hospitalar de Barcelos”, o documento ontem aprovado estabelece as normas da transacção a efectuar entre o Município e a Sociedade Agrícola da Quinta de S. Martinho, S.A.. O acordo não só refere o montante da aquisição de 155 850 metros de terreno, por 4 milhões de euros, como estabelece as áreas de cedência ao domínio público e as parcelas para a construção da variante poente e acessos ao novo hospital. Esta deliberação será agora submetida à apreciação da Assembleia Municipal.

    Para o Presidente da Câmara, Mário Constantino Lopes, esta foi uma “decisão de enorme importância e um passo muito significativo. Regozijamo-nos por, 16 anos depois, este Executivo Municipal estar a cumprir um passo fundamental neste processo, fazendo-o com total transparência procedimental, bem observável na instrução desta deliberação que hoje foi colocada a votação”, sublinha o autarca de Barcelos. Para Mário Constantino, esta é a prova cabal que “demonstra o dinamismo que o atual Executivo tem imprimido no desatar de nós e na resolução de problemas que, muitos deles, se arrastavam há décadas”.

    O Presidente aproveitou ainda esta decisão para “enaltecer a unanimidade político-partidária que se estabeleceu em Barcelos à volta deste importante desígnio para o nosso concelho”.

    A deliberação ontem aprovada sucede depois de a Ministra da Saúde, em recente visita a Barcelos, ter dado a garantia de que o Governo vai avançar com os procedimentos necessários e imprescindíveis para que a construção do Centro Hospitalar seja concretizada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Cushman & Wakefield responsável pela colocação da SKF no Alfrapark

    A multinacional sueca é a nova inquilina do parque empresarial localizado em Alfragide. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez e Volkwagen Financial Services

    Localizado em Alfragide, o Alfrapark, da autoria do arquitecto Frederico Valsassina, totaliza mais de 22.000m2 de espaço de escritório e cerca de 1.500 lugares de estacionamento. Os clientes têm à sua disposição restaurante, café, salas de congresso e reuniões, heliporto e grandes áreas verdes a envolver os edifícios. Em 2022, o Alfrapark deu início aos trabalhos de conclusão das infraestruturas do empreendimento, cuja conclusão beneficia os seus clientes e utilizadores: mais áreas verdes, áreas de circulação e zonas de estacionamento. Quando estiver concluído, terá mais de 35.000m2 de espaço de escritório. O empreendimento ganhou um novo inquilino: a SKF, multinacional sueca, especialista no fabrico de rolamentos, ocupa agora uma fracção no edifício F do espaço, numa operação liderada pela Cushman & Wakefield (C&W) C&W, em representação do proprietário

    Sobre esta operação, comenta: “A SKF procurava um espaço moderno e próximo das suas actuais instalações pelo que encontrou no Alfrapark, a localização, o ambiente empresarial e um espaço com qualidade, características que valorizam”, refere Afonso Almeida Fernandes, Consultor Sénior da Cushman & Wakefield

    “É com grande entusiasmo que damos as boas-vindas à SKF ao Alfrapark. Estamos honrados em tê-los como parte de nossa comunidade de negócios e confiamos que sua presença agregará imenso valor ao nosso ambiente corporativo. Acreditamos firmemente que a chegada da SKF trará novas oportunidades de colaboração, inovação e crescimento para todos os envolvidos. Sua reputação de excelência e compromisso com a qualidade certamente fortalecerá ainda mais o nosso ecossistema empresarial.”, sublinha por sua vez Pedro Galvão Pisco, administrador da Alfraparque, proprietária do empreendimento.

    Fundada em 1907, a SKF está actualmente presente em cerca de 130 países e conta com mais de 40.000 colaboradores e 17.000 distribuidores em todo o mundo. Ao localizar a sua sede em Portugal no Alfrapark, a SKF junta-se aos inquilinos já presentes neste parque empresarial, como a Mondelez, Volkwagen Financial Services, entre outros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Grupo Névoa investe 12M€ na construção de nova unidade hoteleira em Braga

    Nova unidade hoteleira do Grupo Névoa, representa um investimento de 12 milhões de euros e abrirá no segundo semestre de 2024. O hotel, localizado em Braga, integrará a rede Holiday Inn e terá 111 quartos, salas de conferência, centro fitness e restaurante

    A Imobiliária Névoa, que integra o grupo com o mesmo nome, investiu cerca de 12 milhões de euros na construção de uma unidade hoteleira em Braga. O edifício de cinco pisos está em fase final de construção, devendo abrir as portas no segundo semestre de 2024. O hotel será explorado pela rede Holiday Inn e contempla 111 quartos, salas de conferências, um centro fitness e restaurante.

    “O investimento na construção de uma nova unidade hoteleira em Braga representa um marco significativo para o Grupo Névoa. Este projecto não só reafirma o nosso compromisso contínuo com a inovação e qualidade em todos os nossos empreendimentos, como também reforça a expansão do Grupo para outros pontos do país e fomenta vários benefícios económicos para a região, através da criação de emprego e posterior valorização turística e cultural em Braga”, refere Luís Sousa Ribeiro, director-geral da Imobiliária Névoa.

    A nova unidade está localizada perto do Hospital de Braga e da Universidade do Minho.

    Para além das áreas imobiliária e construção, a actuação do grupo Névoa estende-se também à distribuição automóvel e centros comerciais.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Novo projecto do Grupo Ferreira aposta em construção ‘off-site’

    “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor, o Grupo Ferreira Holding

    CONSTRUIR

    O  ‘The Yard’ é o novo empreendimento da Grupo Ferreira Holding (GFH). Localizado na zona dos Jardins da Arrábida, em Vila Nova de Gaia, o projecto de arquitectura tem assinatura do ODDA e curadoria do designer de interiores Rui Maciel.

    Uma das “principais bandeiras” do empreendimento é a sua aposta na sustentabilidade,  assumida desde a “concepção do projecto, na construção e sobretudo pensada para o futuro”. Esta mais-valia deve-se, em “grande parte” ao processo construtivo utilizado. “Com betão pré-fabricado, que passa por um apertado controlo de qualidade em fábrica, o processo construtivo permite reduzir o desperdício e obter um resultado mais uniforme e rigoroso”, explica o promotor.

    Este empreendimento oferece apartamentos de maiores dimensões, concebidos especialmente para famílias, sem deixar de lado as tipologias mais pequenas destinadas ao público mais jovem. Conta com um total de 92 unidades, com uma área média de 144m2, variando de T0 a T4, incluindo exclusivos duplex no último andar.

    Todos os espaços comuns, incluindo o ginásio, a área de co-working estão inseridos num lounge para os condóminos, que também dispõe de uma sala para crianças, uma sala de reuniões e uma sala de jantar gourmet.

    Viver em Vila Nova de Gaia está “estreitamente ligado à proximidade do mar e da natureza”, sendo esta a mensagem que o ‘The Yard’ pretende passar e que apesar de tudo esta a “um passo do Porto”, tornando o aspecto da acessibilidade um dos mais valorizados pelos clientes. Para integrar ainda mais a natureza, todo o design exterior foi planeado para que o edifício respire verde, com jardins verticais de plantas naturais preservadas na fachada.

    Rui Maciel, arquitecto e designer de interiores, com cerca de 20 anos de experiência, é o responsável pela curadoria da decoração de interiores, que se destaca pelos ambientes “requintados e luxuosos”. Segundo o designer “a ideia é que as pessoas sintam que estão a entrar num lobby de um hotel e não num típico hall de entrada de um prédio”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Metro de Lisboa: Ministro admite atrasos irrecuperáveis e ajustes do programa

    “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o ministro da Coesão

    CONSTRUIR

    O ministro da Coesão admite que o Metropolitano de Lisboa está a trabalhar no reajustamento do programa das obras da Linha Circular, atendendo a que os trabalhos estão atrasados “e não se vai recuperar o atraso” a tempo de assegurar que a intervenção tenha financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

    Em entrevista ao Jornal de Notícias e à radio TSF, Castro Almeida admite que trabalhos como os do Metro “são obras que estão atrasadas, e é o tipo de obras onde não é fácil acelerar o ritmo”. “A tuneladora não faz mais do que aqueles metros por dia. E, portanto, não é fácil recuperar o atraso. Está atrasado, e não se vai recuperar o atraso”, assegura o governante, admitindo que “apesar disso, a Metropolitano de Lisboa está a ajustar o programa para que nós possamos fazer uma pequena reformulação no PRR de forma a não perder dinheiro”.

    Na entrevista, Castro Almeida salienta que “há essa preocupação de não perder dinheiro, e se não fizermos quatro estações, vamos fazer duas estações. Desde que estejam a operar, serão financiadas pelo PRR. Não queremos fazer grandes reformulações no PRR. Tenho a ideia que o Governo anterior desenhou PRR, e a este Governo compete-lhe executar. Não vamos estar sempre a pensar no que está pensado e a dar passos atrás e à frente. O País não ganha nada com isso. Mas há pequenos ajustamentos que vamos ter que fazer para não perder dinheiro. E estas obras de que lhe falo, estas alterações no programa do Metropolitano de Lisboa, são desses casos. Eu não estou com isto a dizer que as obras vão deixar de ser feitas. A natureza ou a origem do financiamento é podem ter de alteradas”.

    As alterações podem, no entanto, representar encargos para os cofres públicos, ora porque os trabalhos em falta serão pagos pelo Banco Europeu de Investimento ou com recurso ao Orçamento de Estado.n

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Dstgroup vence concurso para construção de 5 centrais fotovoltaicas flutuantes

    ­Através da sua empresa Dstsolar, o grupo  de Braga irá construir cinco novas centrais fotovoltaicas flutuantes para a Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, num valor de investimento de quatro milhões de euros 

    CONSTRUIR

    A Dstsolar, empresa do Dstgroup especializada na área da energia solar, acaba de vencer o concurso público lançado pela Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, EDIA , para a construção de cinco centrais fotovoltaicas nas albufeiras do Reservatório de Ferreira, Reservatório 4 Monte Novo, Barragem do Penedrão, Barragem de Pias e Barragem das Almeidas, num valor de negócio de cerca de 4 milhões de euros. Uma empreitada  flutuante, similar à que já realizada para a EDIA, em 2020, no Reservatório de Cuba Este.

    Estima-se que estas cinco centrais fotovoltaicas venham a alcançar uma produção anual de 7.9 gigawatts-hora, evitando a emissão de 1455 toneladas por ano de dióxido de carbono para a atmosfera.

    A obra deste investimento verde, com forte racional económico, ficará concluída em 11 meses e contará com 7864 módulos fotovoltaicos, 1 455 052 kg/ano de emissões de CO2 evitadas, 4 521,8 kWp de potência instalada e 7 907 892 kWh/ano de energia produzida.

    De acordo com Raúl Cunha, director geral da Dstsolar “este novo projecto de solar fotovoltaico flutuante reforça o papel da Dstsolar como uma empresa de referência na energia solar em Portugal, atestando a qualidade e o rigor do nosso trabalho”.

    Esta operação vai contribuir para a redução da incidência da luz nos reservatórios, limitando o crescimento de algas e contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuição dos custos com a limpeza de filtros. De salientar ainda que a cobertura dos reservatórios vai reduzir a evaporação, com impacto na redução dos custos operacionais da distribuição de água.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    Startup portuguesa Bandora integra Agenda ILLIANCE

    A Agenda ILLIANCE integra 29 entidades, lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. A Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais

    CONSTRUIR

    A Bandora, empresa portuguesa especialista em tecnologia de eficiência energética para edifícios inteligentes, foi convidada pela Bosch Termotecnologia, para integrar a Agenda Mobilizadora “ILLIANCE”, financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência.

    “Estamos entusiasmados com a oportunidade de explorar novas fronteiras tecnológicas no mercado de casas inteligentes”, revela a CEO da Bandora, Márcia Pereira. “Acreditamos que a Agenda ILLIANCE é um passo importante para alcançar a neutralidade carbónica no sector dos edifícios. Para uma startup portuguesa, este compromisso representa uma oportunidade única de liderança e inovação para contribuir para um futuro mais sustentável. Esta iniciativa só reforça o nosso compromisso nesse sentido. Estamos confiantes de que, ao adoptar medidas concretas para reduzir as emissões de carbono, não só estaremos a ajudar o planeta, mas também a fortalecer a nossa posição no mercado e a aprofundar o nosso impacto positivo na sociedade”, acrescenta a responsável.

    No âmbito do projecto ILLIANCE a Bandora desenvolverá uma plataforma digital para gerir a operação energética de edifícios residenciais, tanto individualmente quanto em Comunidades de Energia, integrando sistemas IoT (Internet das Coisas) e aplicando machine learning para a automação e optimização do consumo. A inteligência artificial será utilizada para responder às necessidades dos utilizadores de forma eficiente e sustentável.

    A Agenda ILLIANCE é composta por um consórcio de 29 entidades lideradas pela Bosch Termotecnologia, que colaboram para promover a inovação e a competitividade com a visão de criar “Edifícios saudáveis, confortáveis e sustentáveis”. Como parte da Agenda ILLIANCE, a Bandora contribuirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado B2C, adaptando a sua plataforma para edifícios residenciais. Esta integração permitirá à startup portuguesa expandir a sua equipa de engenharia e explorar o crescente mercado de casas inteligentes, respondendo aos desafios actuais e futuros do sector da energia aplicada aos edifícios.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.