Edição digital
Assine já
    PUB

    Edificio D. Dinis na Quinta da Fonte em Oeiras a 13 de Outubro de 2010. Pedro Zenkl/Agencia Zero

    Imobiliário

    Worx assessora duas novas colocações na Quinta da Fonte

    De acordo com Jorge Telles de Carvalho, consultant da Worx Real Estate Consultants, “os investimentos recentemente realizados pela MEAG nos seus edifícios estão perfeitamente alinhados com as tendências do mercado, reflectindo uma visão estratégica e compromisso com a excelência, e os resultados são já evidentes com estas duas colocações”

    CONSTRUIR

    Edificio D. Dinis na Quinta da Fonte em Oeiras a 13 de Outubro de 2010. Pedro Zenkl/Agencia Zero

    Imobiliário

    Worx assessora duas novas colocações na Quinta da Fonte

    De acordo com Jorge Telles de Carvalho, consultant da Worx Real Estate Consultants, “os investimentos recentemente realizados pela MEAG nos seus edifícios estão perfeitamente alinhados com as tendências do mercado, reflectindo uma visão estratégica e compromisso com a excelência, e os resultados são já evidentes com estas duas colocações”

    CONSTRUIR
    Sobre o autor
    CONSTRUIR
    Artigos relacionados
    Escritórios: Cinco maiores ocupações em Lisboa representaram 55% do volume da absorção total
    Imobiliário
    Keller Williams ultrapassa os 30M€ de facturação nos primeiros seis meses do ano
    Imobiliário
    Cuatrecasas assessora Xior na aquisição de residência de estudantes por 58M€
    Imobiliário
    Alta-velocidade: Governo dá ‘luz verde’ a despesa de 2MM€ para a segunda PPP
    Construção
    Bandora recebe ronda de investimento de 1,5M€ liderada pela BlueCrow Capital
    Empresas
    Governo faz reforço de 400M€ para garantir meta de 26 mil casas
    Construção
    Costa Boal investe mais de 3M€ em enoturismo em Favaios
    Construção
    STET apresenta as novas Mini Pás Carregadoras CAT
    Empresas
    Gama de espumas PENOSIL para janelas e portas. A importância de um bom isolamento
    Construção
    Grupo BEI debate desafio “multimilionário” da habitação na Europa
    Construção

    A consultora imobiliária Worx foi a responsável pela colocação de duas empresas na Quinta da Fonte, o que reflecte a “constante procura” pelo Corredor Oeste.

    A primeira colocação correspondeu à expansão das instalações de uma entidade global em serviços de aviação executiva, que encontrou no edifício D. Sancho I – Q57 a resposta às suas necessidades de um espaço de escritórios com áreas maiores.

    A segunda colocação diz respeito à Blue Sites Telco, que procurava um espaço de escritórios num parque empresarial que pudesse oferecer “um melhor estilo de vida” aos seus colaboradores e, por isso, optou por arrendar uma fracção no piso 3 do Edifício D. Diniz – Q55.

    Este parque de escritórios dispõe dos mais variados serviços (ginásio, lavagem de carros, cabeleiro, entre outros) e restaurantes, e conta com mais de três mil lugares de estacionamento, incluindo lugares com carregadores eléctricos.

    Sendo a sustentabilidade um ponto-chave na Quinta da Fonte, a MEAG, proprietária de ambos os edifícios, tem vindo a efectuar nos mesmos diversas obras de melhoria, com objectivos como a redução da pegada ambiental, o aumento da eficiência energética e a otimização da gestão de resíduos. Além disso, a melhoria dos espaços exteriores contribuiu também para o aumento da sensação de bem-estar nestes edifícios de escritórios.

    De acordo com Jorge Telles de Carvalho, consultant da Worx Real Estate Consultants, “foi um prazer acompanhar de perto todo o processo de colocação destas duas entidades. Acreditamos que os investimentos recentemente realizados pela MEAG nos seus edifícios estão perfeitamente alinhados com as tendências do mercado, reflectindo uma visão estratégica e compromisso com a excelência, e os resultados são já evidentes com estas duas colocações”.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Artigos relacionados
    Escritórios: Cinco maiores ocupações em Lisboa representaram 55% do volume da absorção total
    Imobiliário
    Keller Williams ultrapassa os 30M€ de facturação nos primeiros seis meses do ano
    Imobiliário
    Cuatrecasas assessora Xior na aquisição de residência de estudantes por 58M€
    Imobiliário
    Alta-velocidade: Governo dá ‘luz verde’ a despesa de 2MM€ para a segunda PPP
    Construção
    Bandora recebe ronda de investimento de 1,5M€ liderada pela BlueCrow Capital
    Empresas
    Governo faz reforço de 400M€ para garantir meta de 26 mil casas
    Construção
    Costa Boal investe mais de 3M€ em enoturismo em Favaios
    Construção
    STET apresenta as novas Mini Pás Carregadoras CAT
    Empresas
    Gama de espumas PENOSIL para janelas e portas. A importância de um bom isolamento
    Construção
    Grupo BEI debate desafio “multimilionário” da habitação na Europa
    Construção
    PUB
    Imobiliário

    Escritórios: Cinco maiores ocupações em Lisboa representaram 55% do volume da absorção total

    Segundo relatório da Savills Portugal, o primeiro semestre do ano ano registou uma absorção de cerca 127 mil m2, o que triplicou os mais de 37mil m2 do período homólogo de 2023

    A área de Lisboa registou no primeiro semestre deste ano um volume de absorção de cerca 127 mil metros quadrados (m2) de escritórios. Um número, que segundo a Savills Portugal, “mais que triplica os 37.917 m2 do período homólogo de 2023 e que está 40% acima da média de take-up dos primeiros semestres dos últimos cinco anos”.

    No total, neste período foram concluídas 82 operações, número que representa um acréscimo de 15% face ao mesmo período de 2023. As cinco maiores ocupações representaram 55% do volume de absorção total do semestre. Foram registadas 18 operações acima dos 1.500 m2, que representam 22% do número de negócios fechados neste primeiro semestre de 2024.

    Nestes números conta-se a colocação da Caixa Geral de Depósitos no edifício WellBe com 26.709 m2 e a Universidade Europeia no Oriente Green Campus com 15.835 m2.

    Os espaços flexíveis continuam afirma-se como uma tendência cuja procura tem aumentado de forma muito gradual e com uma progressão contínua. Nestes primeiros seis meses do ano, os espaços flexíveis representaram 7% do volume de absorção total.

    Nos primeiros seis meses de 2024 foram concluídos quatro projetos que vieram adicionar ao stock perto de 45 mil m2 de novos espaços de escritórios, entre eles o Edifício EDP 2 com 11.400 m2 localizado na Zona Histórica & Beira-Rio, e o EXEO no Parque das Nações com 21.474 m2, 100% ocupado pelo BNP Paribas.

    “Se no final do ano 2023 as previsões foram algo tímidas e cautelosas, os resultados alcançados no final deste semestre, demonstram que o mercado de escritórios de Lisboa goza de uma procura muita activa, não deixando margem para dúvidas que a tendência é de crescimento. Mas para tal, é também fulcral que a aposta em novos projectos de qualidade se mantenha para conseguirmos dar resposta eficaz e em tempo útil a uma procura com standards de exigência elevados”, afirma Frederico Leitão de Sousa, head of Offices da Savills Portugal.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Keller Williams ultrapassa os 30M€ de facturação nos primeiros seis meses do ano

    Um volume que significa um aumento de 17% relativamente ao mesmo período do ano passado e que estabelece um “novo recorde” da empresa

    Em linha com o primeiro trimestre do ano, período em que continuou a expandir a quota de mercado, a Keller Williams Portugal continua a crescer, tendo terminado o primeiro semestre de 2024 com mais de 30 milhões de euros de facturação. Um volume que significa um aumento de 17% relativamente ao mesmo período do ano passado e que estabelece um “novo recorde” da empresa.

    O primeiro semestre de 2024 registou, ainda, uma subida no número de transacções: mais 15% que no período homólogo de 2023, 80% das quais ligadas a processos de compra e venda.

    Destacaram-se, ainda, o aumento do volume transaccionado pela Keller Williams Portugal, mais 27% e o negóciormediação de crédito, que cresceu 72%.

    Para Marco Tairu da intem, CEO da Keller Williams Portugal, estes resultados são fruto do “esforço colectivo” e da “capacidade de antecipação” da equipa.

    “Analisámos cenários, delineamos estratégias, entregámos mais de 60 iniciativas de formação e unimo-nos em torno de um dos nossos maiores objectivos: continuar a fazer crescer o negócio dos nossos consultores. Os números falam por si e proporcionaram-nos o melhor semestre de sempre. Ultrapassámos, orgulhosamente, os 30 milhões de euros de facturação e crescemos 17% relativamente a 2023”, afirmou.

    Os resultados finais do primeiro semestre beneficiaram, ainda, todos os associados que integram o programa de distribuição de rendimentos da Keller Williams – Growth Share – grupo a quem a empresa entregou, em apenas seis meses, mais de meio milhão de euros.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Imobiliário

    Cuatrecasas assessora Xior na aquisição de residência de estudantes por 58M€

    A operação envolveu a aquisição da residência no Campo Pequeno, em Lisboa, aos grupos TPG e Round Hill Capital

    A Cuatrecasas assessorou juridicamente a Xior Student Housing na aquisição de uma residência de estudantes no Campo Pequeno, em Lisboa, aos grupos TPG e Round Hill Capital, por cerca de 58 milhões de euros.

    A equipa multidisciplinar da Cuatrecasas envolvida na assessoria foi coordenada pela advogada Sara Quaresma, da área de Imobiliário e Urbanismo, e incluiu, nomeadamente, Gonçalo Nogueira e David Pratas Brito, advogados da mesma área, e Ana Helena Farinha e Tiago Martins de Oliveira, da área de Fiscal. Fizeram, ainda, parte da equipa advogados das áreas de Societário e M&A, Financeiro, Propriedade Intelectual e Protecção de Dados.

    A Xior Student Housing é uma empresa com sede na Bélgica e cotada em bolsa, especializada na aquisição e operação de residências estudantis em várias cidades europeias.

    A residência agora adquirida foi inaugurada em setembro de 2022, dispõe de 380 quartos distribuídos por cinco andares, tendo um total de cerca de 17 mil metros quadrados de área bruta de construção.

    O mercado das residências de estudantes tem vindo a crescer ao longo dos anos em Portugal, sendo Lisboa uma das cidades mais atractivas. De acordo com a Xior, 38% dos estudantes do ensino superior no país (cerca de 116 mil), no ano lectivo de 2022/23, estavam em instituições da capital.

    Anteriormente, a Cuatrecasas esteve também presente na assessoria à Xior na venda de duas residências de estudantes: o Odalys Campus Porto Granjo Centro, no Porto, e o Odalys Campus Lamas, em Lisboa.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Alta-velocidade: Governo dá ‘luz verde’ a despesa de 2MM€ para a segunda PPP

    Em causa estará um contrato de concessão “para a conceção, projeto, construção, financiamento, manutenção e disponibilização do troço entre Oiã [Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro] e Soure [distrito de Coimbra]”, em regime de PPP

    O Governo autorizou despesa que poderá ir até aos dois mil milhões de euros, para a segunda parceria público-privada (troço Oiã-Soure) da linha de alta velocidade ferroviária entre Porto e Lisboa.

    De acordo com uma resolução do Conselho de Ministros publicada na segunda-feira à noite, o executivo autorizou a Infraestruturas de Portugal (IP) a realizar a despesa inerente à segunda parceria a (PPP) da linha de alta velocidade, no montante máximo de 1,6 mil milhões de euros (exatamente 1.604.296.194,12 euros).

    Em causa estará um contrato de concessão “para a conceção, projeto, construção, financiamento, manutenção e disponibilização do troço entre Oiã [Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro] e Soure [distrito de Coimbra]”, em regime de PPP.

    O Governo autorizou também a IP a realizar despesa adicional no montante máximo de 395 milhões de euros (exatamente 395.046.779,01 euros) destinados à “execução dos projetos, expropriações e obras que foram objeto de candidatura a programa de fundos europeus CEF 2 [Mecanismo Interligar a Europa]”.

    De fora da concessão ficará a componente da operação da linha, “sendo esta mantida na esfera do Estado, através da IP, S. A., a qual será remunerada através da cobrança de uma taxa, aos prestadores dos serviços de transporte, pela utilização da infraestrutura”.

    O modelo da segunda PPP da linha de alta velocidade é em tudo idêntico ao da primeira, lançada em janeiro ainda por António Costa (PS), no caso correspondente ao troço entre Porto (Campanhã) e Oiã.

    À data, o executivo socialista aprovou uma resolução em que autorizava 2,14 mil milhões de euros, incluindo possíveis 480 milhões de fundos europeus.

    O concurso público para a concessão da primeira PPP já viu ser entregue uma única proposta, no caso do consórcio LusoLAV, que inclui as empresas Mota-Engil, Teixeira Duarte, Casais, Gabriel Couto, Alves Ribeiro e Conduril.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Equipa Bandora

    Empresas

    Bandora recebe ronda de investimento de 1,5M€ liderada pela BlueCrow Capital

    A startup que se destaca pela sua abordagem que “combina AI, simulação tridimensional de edifícios e um elevado conhecimento em Conforto Térmico e Performance Energética”, prepara-se agora para multiplicar por 10 a sua facturação e optimizar 300 edifícios até ao final de 2024

    A empresa portuguesa de deep-tech que desenvolve soluções para a gestão energética de edifícios, Bandora, concluiu uma ronda de investimento Seed no valor de 1,5 milhões de euros. Liderada pela BlueCrow Capital, sociedade de capital de risco especializada em setores como robótica, alimentação sustentável e inteligência artificial (AI), a ronda contou, também, com a participação da Portugal Ventures, sociedade de capital de risco que investe em start-ups.

    “Estamos entusiasmados com este investimento, que nos permitirá expandir significativamente a nossa operação e consolidar a nossa liderança em soluções sustentáveis para edifícios”, afirma Márcia Pereira, CEO da Bandora. “Este apoio é crucial para alcançarmos os nossos objectivos e contribuirmos para um futuro mais verde”.

    Com este investimento, a Bandora prepara-se para multiplicar por 10 a sua facturação e optimizar 300 edifícios até ao final de 2024. A startup destaca-se pela sua abordagem que “combina tecnologias de AI, simulação tridimensional de edifícios e um elevado conhecimento em Conforto Térmico e Performance Energética”.

    O capital agora levantado permitirá à Bandora escalar a sua operação, aumentando o número de edifícios optimizados de 10 para 600 em menos de dois anos. O financiamento também impulsionará o reforço das equipas de vendas, marketing e operações para acompanhar o crescimento, que deverá passar por expandir a sua presença em países como Espanha, Dubai e Emirados Árabes Unidos.

    O financiamento surgiu após o desenvolvimento da primeira versão da solução da Bandora e a sua adopção pelos primeiros clientes, o que despertou o interesse da BlueCrow Capital na start-up. No caso da Portugal Ventures, que já investia na startup desde 2021, voltou a investir, mantendo-se como um parceiro importante para alavancar o negócio.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Governo faz reforço de 400M€ para garantir meta de 26 mil casas

    Na cerimónia foram assinados contratos para financiamento total da construção ou reabilitação de 4 483 casas. Destas, 4 130, no valor de 400M€, nos concelhos da Moita, Alcochete, Almada, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras, Sesimbra, Setúbal, Sintra, Vila Franca de Xira e Seixal, e 355 fogos, no valor de 54M€ nos municípios de Fafe, Guimarães, Lamego e Matosinhos

    O Governo e 18 municípios assinaram acordos para a construção de 4 483 habitações, financiadas pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) da União Europeia.

    Na cerimónia foram assinados contratos para financiamento total da construção ou reabilitação de 4 483 casas. Destas, 4 130, no valor de 400 milhões de euros, nos concelhos da Moita, Alcochete, Almada, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras, Sesimbra, Setúbal, Sintra, Vila Franca de Xira e Seixal, todos na região de Lisboa, e 355 fogos, no valor de 54 milhões de euros nos municípios de Fafe, Guimarães, Lamego e Matosinhos, na região Norte.

    Os contratos foram assinados pelos Ministros Adjunto e da Coesão Territorial, Manuel Castro Almeida, e das Infraestruturas e Habitação, Miguel Pinto Luz, na cerimónia em que esteve também presente o Ministro de Estado e das Finanças, Joaquim Miranda Sarmento.

    Até agora já foram assinados mais de 300 contratos e termos de responsabilidade com os municípios, que representam projectos num valor global de cerca de 720 milhões de euros para construção e reabilitação de mais de 6 700 fogos.

    O Primeiro-Ministro, Luis Montenegro, que presidiu à cerimónia que decorreu na residência oficial do Chefe do Governo, assumiu o atraso no financiamento e salientou que “O Governo tudo está a fazer para o acelerar, para recuperar o atraso e para cumprir a meta temporal sem a qual” os seus fundos não serão pagos a Portugal.

    Recorde-se que foram inicialmente inscrito 1400 milhões de euros no PRR para a construção de 26 mil fogos. O anterior Governo reforçou essa verba em 390 milhões de euros, contudo, o actual executivo constatou que esse valor “não era suficiente”.

    “Precisávamos de mais 400 milhões de euros. Tomámos essa decisão recentemente, o que dá uma ideia do esforço que o Orçamento do Estado (OE) está a fazer para completar o financiamento que não foi devidamente assegurado no PRR. Estamos a falar de 790 milhões de euros que o Orçamento vai alocar a este programa”, sem os quais não só não era possível construir as casas programadas, como não era possível utilizar a verba do PRR.

    Outro dos “entraves” à execução do plano prende-com com o “excesso de burocracia, de procedimentos”, que dificultam a aprovação das candidaturas e, portanto, a execução dos programas. “Não podíamos ficar à espera de que houvesse capacidade de resposta dos serviços para analisar meticulosamente projecto a projecto”, disse.

    Neste sentido, a primeira acção foi negociar com a Comissão Europeia “um instrumento excepcional para ultrapassarmos este problema. Este instrumento, que está subjacente aos contratos agora subscritos, é um termo de responsabilidade que as câmaras assumem de cumprimento de todas as estipulações” a que são obrigadas.

    A lógica é a de “eventuais desconformidades poderem ser corrigidas enquanto o processo anda e as obras estão no terreno. Em vez de estarmos à espera de resolver toda a pequena burocracia, queremos as obras a serem executas e esses problemas resolvidos”, afirmou.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Construção

    Costa Boal investe mais de 3M€ em enoturismo em Favaios

    Além dos cerca de cinco hectares de vinha, o investimento prevê, a recuperação de um edifício que se encontra em avançado estado de degradação, datado de 1920, onde será instalado a unidade turística de 4 estrelas

    Com experiência na produção de vinhos no Douro, Trás-os-Montes, e Alentejo, a Costa Boal Family Estates prepara-se, agora, para entrar no mercado do enoturismo, com a aquisição da Quinta de Arufe, em Favaios, Alijó.

    Com cerca de cinco hectares de vinha, o investimento prevê, também, a construção de uma unidade turística “de nicho” a partir da recuperação de um edifício que se encontra em avançado estado de degradação, datado de 1920.

    Neste edifício será instalado o hotel de 4 estrelas, com 16 quartos (que terão nomes de castas), que incluirá, ainda, uma sala de provas, uma horta biológica e um restaurante panorâmico, com assinatura de chef. O espaço fica junto à Estrada Nacional 322 e irá promover “a ruralidade e a cultura” desta freguesia do Douro.

    Com este projeto, assente na sustentabilidade, a Costa Boal pretende “promover o contacto directo com a natureza e o Douro, num ambiente familiar e intimista, onde reinem a calma e a tranquilidade, mantendo a aposta em produção de vinhos únicos”. O objectivo é ter uma oferta distinta, capaz de despertar o interesse do mercado nacional e internacional, com foco no Brasil, França e Reino Unido.

    “Queremos potenciar ao máximo o rendimento da exploração da propriedade, aproveitando as características naturais e a sua localização privilegiada, junto à Estrada Nacional 322-3, complementando-a com uma forte componente turística de excelência”, destaca o produtor.

    A arrancar ainda este ano, o projecto está orçado em mais de três milhões de euros e está prevista a sua abertura no início de 2026.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    Empresas

    STET apresenta as novas Mini Pás Carregadoras CAT

    Equipadas com características que se destacam pela “potência, versatilidade e conforto” do operador, as Mini Pás Carregadoras Caterpillar são uma escolha “inigualável” para quem procura “eficiência e segurança” no local de trabalho

    tagsSTET

    A STET apresenta as Mini Pás Carregadoras CAT, modelos 226D3 e 289D3, disponíveis para entrega imediata. Equipadas com características que se destacam pela “potência, versatilidade e conforto” do operador, as Mini Pás Carregadoras Caterpillar são uma escolha “inigualável” para profissionais que procuram “eficiência e segurança” no local de trabalho.

    Estes equipamentos oferecem a tecnologia “mais avançada” e sistemas de segurança de última geração, proporcionando uma experiência de trabalho “eficiente e produtiva”

    “A STET, comprometida em oferecer o melhor aos seus clientes, garante o funcionamento contínuo e eficiente dos seus equipamentos ao longo do tempo, assegurando a máxima autonomia e produtividade no seu trabalho”, afirma a empresa.

    A Mini Pá Carregadora CAT 226D3 destaca-se pela sua “compactabilidade e agilidade”, ideal para operar em espaços reduzidos sem comprometer a potência. “Este modelo é perfeito para diversas aplicações, proporcionando uma performance robusta e produtiva”, ressalva a marca.

    Projectada para proporcionar uma produtividade elevada, a Mini Pá Carregadora CAT 289D3 está equipada com “recursos avançados” que elevam o desempenho em diversas aplicações. Este modelo combina “potência e versatilidade”, garantindo um trabalho eficiente em qualquer ambiente. Além disso, prioriza o “conforto” do operador, oferecendo uma cabina “ergonomicamente” projectada.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos

    Gama de espumas PENOSIL para janelas e portas. A importância de um bom isolamento

    As espumas de poliuretano da Penosil estão a estabelecer novos standards no isolamento térmico.

    A Wolf Group, marca líder no setor de produtos químicos para a construção, destaca-se neste segmento com a sua categoria de espumas para a instalação de janelas e de portas, proporcionando um nível de eficiência superior.

    Uma das características em maior destaque nestas espumas é a sua elasticidade, adaptando-se às dilatações e às contrações das estruturas, sem perderem a aderência e garantindo uma selagem duradoura e eficaz. Outra vantagem crucial é a baixa pressão de cura, evitando deformações em estruturas frágeis durante a instalação. Esta característica facilita uma instalação mais segura e eficaz para os profissionais.

    Esta gama de espumas de poliuretano da Penosil, especialmente projetadas para a instalação de janelas e de portas, garante a hermeticidade das juntas, evitando as fugas e melhorando, significativamente, a eficiência energética.

    Soluções integrais para a instalação profissional de janelas

    A Penosil está a revolucionar a indústria da construção moderna, oferecendo soluções mais eficientes e sustentáveis para a instalação de janelas e de portas, com benefícios evidentes como o isolamento térmico e acústico, a segurança na instalação e a redução de fugas de ar.

    Descubra a gama de espumas para Janelas e Portas, da Penosil.

    Sobre o autorBrand SHARE

    Brand SHARE

    Mais artigos
    Construção

    Grupo BEI debate desafio “multimilionário” da habitação na Europa

    A habitação é uma das principais prioridades estratégicas do Grupo BEI, tendo sido criado um novo grupo de trabalho específico para trabalhar em três áreas: inovação tecnológica, reabilitação e eficiência energética

    CONSTRUIR

    O Grupo do Banco Europeu de Investimento (Grupo BEI) reuniu, pela primeira vez, mais de 300 peritos, decisores políticos e representantes de instituições da UE, municípios e ministérios nacionais com o objectivo de reforçar o apoio financeiro para aumentar a oferta de habitação sustentável e a preços acessíveis em toda a Europa. O evento coincidiu com o anúncio da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sobre o lançamento da primeira plataforma de investimento pan-europeia de sempre para a habitação acessível e sustentável, em parceria com o Grupo BEI.

    O sector da habitação na Europa enfrenta um défice significativo de investimento – em termos de inovação, renovação e construção. Metade das habitações europeias foram construídas antes de 1980, o que implica grandes necessidades de investimento em eficiência energética, e apenas 5 % do parque imobiliário foi renovado até à data.

    O investimento em I&D e o desenvolvimento de novos materiais e tecnologias de construção, a transformação digital de produtos, processos e serviços são essenciais para aumentar a produtividade e a competitividade do sector europeu da construção, tornando a construção mais rápida, mais fácil e menos dispendiosa. Além disso, é necessária inovação para aumentar o isolamento, o desempenho energético e a circularidade na utilização de materiais de construção, reduzindo assim o impacto ambiental do sector e aumentando a competitividade da economia europeia.

    A adaptação do parque habitacional existente para incorporar sistemas modernos e eficientes de isolamento, aquecimento, arrefecimento, produção e armazenamento de energia é fundamental para que a UE possa cumprir os objectivos internacionais em matéria de clima, reduzir as facturas de energia das famílias e das empresas e melhorar a qualidade das habitações.

    As necessidades de investimento neste domínio estão estimadas em 275 mil milhões de euros por ano.

    O primeiro evento de uma série organizada pelo novo Grupo de Trabalho para a Habitação do Grupo BEI, dá início a um processo inclusivo e colaborativo destinado a forjar uma abordagem pan-europeia centrada na inovação, na sustentabilidade e na acessibilidade económica.

    O apoio do Grupo BEI ao desenvolvimento e renovação urbanos sustentáveis ascendeu a cerca de 13 400 milhões de euros nos últimos cinco anos.

    Sobre o autorCONSTRUIR

    CONSTRUIR

    Mais artigos
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB
    PUB

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se informado

    ©2024 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.