Edição digital
Assine já
Construção

Aeroporto: o que diz o Despacho da polémica

O Despacho que o Primeiro-Ministro anulou apresenta uma solução de curto e longo prazo para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa. Polémicas à parte, com esta solução o primeiro aeroporto seria inaugurado já daqui a quatro anos

CONSTRUIR
Construção

Aeroporto: o que diz o Despacho da polémica

O Despacho que o Primeiro-Ministro anulou apresenta uma solução de curto e longo prazo para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa. Polémicas à parte, com esta solução o primeiro aeroporto seria inaugurado já daqui a quatro anos

CONSTRUIR
Sobre o autor
CONSTRUIR
Artigos relacionados
Casa no Minuto pretende chegar a todo o território nacional em 2023
Imobiliário
Habita assessorou negócios de mais de 10 M€ em Torres Vedras
Imobiliário
Albergaria investe mais de 1 M€ em infraestruturas desportivas
Construção
Setúbal: Antiga estação rodoviária dá lugar a supermercado Continente
Construção
Corticeira Amorim: vendas crescem em todas as Unidades de Negócio
Empresas
Gree apresenta Soyal, a nova série de Monosplits domésticos
Empresas
JLL inaugura loja na Quinta do Lago e prepara abertura em Vilamoura
Imobiliário
Athena Advisers comercializa Alecrim 51
Imobiliário
Schneider Electric lança SpaceLogic Insight-Sensor
Empresas
Empreendimentos habitacionais lançados em 2022 já estão 48% vendidos
Imobiliário

O Despacho nº7980-C/2022 define os “procedimentos relativos ao desenvolvimento da avaliação ambiental estratégica do Plano de Ampliação da Capacidade Aeroportuária da Região de Lisboa”. Assinado pelo secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Santos Mendes, o documento publicado a 29 de Junho e revogado um dia depois, apresenta Montijo como “complementar” numa “solução de curto prazo” para dar resposta ao crescente volume de passageiros que actualmente procura o território nacional. E, simultaneamente, avança com a construção de um novo aeroporto em Alcochete, com capacidade de desenvolvimento e crescimento futuro. Nesta solução o actual Aeroporto Humberto Delgado seria encerrado.

“Ao longo dos últimos anos, a resposta de curto prazo e a resposta de longo prazo foram vistas como mutuamente exclusivas: a escolha de uma implicaria necessariamente o abandono da alternativa. No entanto, esta não é a forma mais adequada de perspectivar a solução para este problema. Por esse motivo, o Governo optou por uma decisão que compatibiliza os dois horizontes, resolvendo o problema de curto prazo — com uma solução limitada na sua capacidade de expan- são futura, mas de mais rápida concretização —, sem impedir o desenvolvimento futuro de uma solução de cariz mais estrutural, que, embora mais demorada na sua concretização, seja capaz de servir o País no longo prazo”, pode ler-se no despacho.

A solução defendida no Despacho tem como base o projecto relativo à base aérea do Montijo, no seguimento da declaração de impacte ambiental obtida em Janeiro de 2020. No entanto, em relação à solução dual original, é abandonado o objectivo inicial de aumentar a capacidade do Aeroporto Humberto Delgado — pela dificuldade que se estima em poder obter uma declaração de impacte ambiental que a viabilizasse e pelo ambiente social de rejeição cada vez mais generalizada de um possível aumento do número de movimentos por hora no Aeroporto Humberto Delgado —, pelo que as obras que nele terão lugar, nesta nova solução dual, terão como único objectivo a melhoria da operacionalidade da infraestrutura, de modo a aumentar a qualidade da experiência dos passageiros, a redução dos atrasos na operação e o incremento do desempenho ambiental do aeroporto.

“Ao mesmo tempo, e em paralelo ao desenvolvimento da solução dual que mais rapidamente aumente a capacidade aeroportuária do País e da região de Lisboa, o Governo considera ser necessária uma solução estrutural, de longo prazo, e com capacidade de expansão numa mesma infraestrutura — uma solução que implica a construção de um moderno aeroporto de raiz que per- mita, no futuro, o encerramento do Aeroporto Humberto Delgado, libertando a cidade dos impactes associados a uma infraestrutura aeroportuária tão perto do centro urbano”.

Desde os anos 60 do século passado que se discutem variadas localizações possíveis, a norte e a sul do Tejo, para o desenvolvimento e construção de uma nova infraestrutura aeroportuária na região de Lisboa, equacionando-se diferentes soluções para os problemas que resultam dos constrangimentos operacionais, ambientais e socioeconómicos implicados na construção de uma infraestrutura desta dimensão e impacte.

“Das opções que o Governo decidiu colocar em estudo na avaliação ambiental estratégica lançada pelo IMT em 2021, duas forneciam uma solução de longo prazo numa só infraestrutura aeroportuária: o alargamento do aeroporto complementar do Montijo para um aeroporto stand alone, com duas pistas (a opção 2); e a construção de um novo aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete (opção 3)”, refere o documento.

Para o Ministério “os riscos de uma infraestrutura aeroportuária com duas pistas de grande extensão na península do Montijo não obter autorização ambiental para avançar são hoje avaliados como muito elevados. Por este motivo, o Governo deixou, pois, de equacionar a opção Montijo stand alone como viável e, nesse sentido, merecedora de estudo aprofundado”.

“Ora, excluída esta última opção, a única solução aeroportuária que responde à exigência de dotar o País e a região de Lisboa de uma infraestrutura aeroportuária moderna com capacidade de crescimento a longo prazo é a construção de um aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete”, sublinha o despacho de dia 29 de Junho do ministério das Infraestruturas e da Habitação.

“Assim, a par da construção do aeroporto complementar do Montijo — solução mais rápida e menos dispendiosa de concretizar —, a decisão do Governo prevê que o aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete — solução estrutural que oferece melhores perspectivas de crescimento futuro — seja, por um lado, imediatamente alvo de planeamento e de concepção do projecto (com o objectivo de obtenção o mais breve possível de uma declaração de impacte ambiental) e que, por outro, a sua construção possa ter início logo que a procura no Aeroporto Humberto Delgado ou no Aeroporto do Montijo atinja determinados factores de capacidade e/ou uma dada referência temporal a definir. Uma vez atingidos esses factores de capacidade e/ou referência temporal — cuja definição exata resultará de uma necessária renegociação do contrato de concessão do Estado Português com a ANA —, desencadear-se-á então a obrigação da concessionária de dar início aos trabalhos de construção”.

O despacho emitido ontem anula ainda o resultado do concurso público internacional para a avaliação ambiental estratégica que iria determinar a escolha da localização do novo aeroporto, e atribui ao LNEC a missão de fazer a avaliação ambiental desta nova solução dual. “As parcerias que o LNEC tem vindo a estabelecer com entidades nacionais e internacionais conferem-lhe a capacidade de promover e dinamizar a globalização da ciência e do conhecimento, tratando-se de uma entidade de I&D independente em domínios relacionados com a engenharia civil, tais como obras públicas de barragens, portos, aeroportos, infraestruturas rodoviárias e ferroviárias”, justifica o ministério.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Artigos relacionados
Casa no Minuto pretende chegar a todo o território nacional em 2023
Imobiliário
Habita assessorou negócios de mais de 10 M€ em Torres Vedras
Imobiliário
Albergaria investe mais de 1 M€ em infraestruturas desportivas
Construção
Setúbal: Antiga estação rodoviária dá lugar a supermercado Continente
Construção
Corticeira Amorim: vendas crescem em todas as Unidades de Negócio
Empresas
Gree apresenta Soyal, a nova série de Monosplits domésticos
Empresas
JLL inaugura loja na Quinta do Lago e prepara abertura em Vilamoura
Imobiliário
Athena Advisers comercializa Alecrim 51
Imobiliário
Schneider Electric lança SpaceLogic Insight-Sensor
Empresas
Empreendimentos habitacionais lançados em 2022 já estão 48% vendidos
Imobiliário
Construção

Albergaria investe mais de 1 M€ em infraestruturas desportivas

A requalificação teve como objectivo aumentar a eficiência energética, o conforto e a funcionalidade do edifício, e a requalificação do Campo Polidesportivo das Laranjeiras, que serve de complemento descentralizado à oferta da prática desportiva

CONSTRUIR

No último ano, o Município de Albergaria-a-Velha aplicou mais de 1 milhão de euros em infraestruturas desportivas. Entre os investimentos assume destaque a criação de uma Pista de Tartan, para acolher competições oficiais em diferentes modalidades, e de um Campo de Padel, no complexo desportivo do Estádio Municipal da Branca, reconhecido como campo oficial FIFA desde 2019.

A requalificação da piscina Municipal de Albergaria-a-Velha, com o objectivo de aumentar a eficiência energética, o conforto e a funcionalidade do edifício, e a requalificação do Campo Polidesportivo das Laranjeiras, que serve de complemento descentralizado à oferta da prática desportiva, integraram também este plano de investimento da autarquia.

O município de Albergaria-a-Velha, presidido por António Loureiro, tem assumido um forte compromisso com o bem-estar e a qualidade de vida da comunidade, tendo o executivo definido a tríade social – Desporto, Educação e Cultura – como eixo estratégico para a afirmação territorial e o desenvolvimento do Município.

Este investimento tem sido reconhecido com a atribuição do galardão município Amigo do Desporto, que distingue e premeia as boas práticas no âmbito da promoção da actividade física e do desporto nos municípios portugueses.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Setúbal: Antiga estação rodoviária dá lugar a supermercado Continente

A obra, a ser executada pela empresa Névoa, contempla a área onde esteve instalada a gare, assim como os restantes quatro andares superiores. Em cima da mesa está a hipótese da demolição do imóvel ou a recuperação do mesmo

CONSTRUIR

O antigo edifício na Avenida 5 de Outubro, em Setúbal, onde durante mais de cinco décadas funcionou a estação rodoviária vai receber um futuro supermercado Continente. De acordo com o jornal regional o Setubalense, que avança a notícia, o local está a ser alvo de estudos e escavações há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir o espaço do Grupo Sonae.

A obra, a ser executada pela empresa Névoa, contempla não só a área onde esteve instalada a gare, popularmente conhecida como ‘os Belos’, cuja designação se deve ao nome de um dos seus primeiros proprietários, como também os restantes quatro andares, alguns ainda utilizados como habitação. Concluída a fase de estudos, sabe O Setubalense que estão em cima da mesa duas hipóteses: a demolição do imóvel ou a recuperação do mesmo.

A antiga estrutura fechou portas em Fevereiro de 2021 por se encontrar “em avançado estado de degradação e subdimensionada para a prestação do serviço público de transporte rodoviário de passageiros”, tendo sido substituída, entretanto, pelo novo Interface de Transportes de Setúbal, já inaugurado, na Avenida dos Ciprestes, junto à Estação Ferroviária, na Praça do Brasil.

Foi em 1949 que a empresa A Transportadora Setubalense deu entrada na autarquia um pedido para a construção de “uma estação terminal e intermediária, privativa das suas carreiras”, que viria a ser inaugurada 10 anos depois, em 1959.

Além da gare foram, ainda, construídos mais quatro pisos. Na época, o primeiro andar acolhia instalações para o público, além do gabinete do chefe de estação, espaço para o pessoal, e, ainda, uma agência de viagens e turismo. Na divisão de cima estava disponível “um gabinete para a gerência”, a par de uma “sala de estar, salão de festas, escritórios e o depósito de bagagens”, enquanto o “terceiro e quarto pavimentos” estavam “reservados a residências”, escreve o O Setubalense.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Aprovados 236M€ para infraestruturas das forças de segurança

A verba faz parte do pacote de investimentos, no valor global de 607 M€, aprovado pelo Governo, e que será canalizado para o reforço das infraestruturas e equipamentos das forças de segurança a realizar até 2026

CONSTRUIR

O Conselho de Ministros aprovou um «compromisso plurianual de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança de mais de 607 milhões de euros», até 2026.

O anúncio foi feito na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, em Lisboa. O plano agora aprovado inclui 236 milhões de euros para infraestruturas, 250 milhões para sistemas de tecnologia de informação e comunicação, 64 milhões para compra de novos veículos, 11,5 milhões para aquisição de novas armas mais adaptadas às ameaças e riscos, 22 milhões para equipamentos para funções especializadas e 5 milhões para equipamento de apoio à actividade profissional. Este ano serão investidos 76 milhões de euros deste programa, que se prolongará até 2026.

Este é «o maior volume de investimento de sempre na modernização, requalificação e dignificação das condições de trabalho e de melhores indicadores de operacionalidade das forças e serviços de segurança», destacou José Luís Carneiro ministro da Administração Interna.

O investimento agora aprovado «dá continuidade a um programa que se iniciou em 2017 e que culminou em 2022, e permitiu a execução de mais de 340 milhões de euros na melhoria das infraestruturas e na modernização dos equipamentos de apoio», disse.

José Luís Carneiro apontou ainda o investimento em curso, «de mais de 40 milhões de euros para o alojamento de agentes da PSP e guardas da GNR e suas famílias, e o pacote de medidas de apoio social sobre o qual temos vindo a dialogar com os municípios, nomeadamente das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Leiria com apoio do PRR para instalação de creches em projectos municipais

O município desenvolveu um ‘projeto-tipo’ para a resposta social de Creche, que foi disponibilizado às instituições que pretendessem candidatar-se com este modelo, estando disponível para outras entidades congéneres do concelh

CONSTRUIR

Um projeto de ‘creche-tipo’ criado pelo Município de Leiria vai ser implementado no concelho na sequência da aprovação de candidaturas ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), num investimento total de 1,8 milhões de euros, que resultará na oferta de mais de 200 lugares.

O município desenvolveu um ‘projeto-tipo’ para a resposta social de Creche, que foi disponibilizado às instituições que pretendessem candidatar-se com este modelo, estando disponível para outras entidades congéneres do concelho, que desta forma beneficiam de uma redução dos custos relativos à elaboração dos projetos e ainda ganhos de tempo.

Foi o caso da Academia Cultural e Social da Maceira, do Centro Social Paroquial Paulo VI e da Associação de Desenvolvimento e Bem-Estar Social da Freguesia da Barreira.

Por outro lado, foi também contemplada a Fundação Santa Margarida do Arrabal, a Associação de Desenvolvimento Social da Loureira, esta última a quem o Município cedeu uma escola desativada para implementação desta resposta.

Ainda que o PRR financie os projetos a 100 por cento com base na estimativa inicial, o Município de Leiria, consciente do esforço financeiro que as Instituições irão ter para a realização destas obras, em virtude da escalada de preços, definiu critérios de apoio, através de deliberação de Câmara, de 22 de fevereiro de 2022, o que poderá envolver um investimento municipal global na ordem dos 600 mil euros.

Ana Valentim, Vereadora do Desenvolvimento Social da Câmara Municipal de Leiria, considera que a criação destas creches assume grande importância no nosso concelho, onde se tem verificado um forte aumento de procura, resultante da atratividade de Leiria para jovens casais que escolheram este território para darem seguimento aos seus projetos de vida.

“O excelente nível de qualidade de vida e oferta de emprego são algumas das razões para esta crescente procura de Leiria, a que tentamos dar resposta com a criação de boas condições para as crianças, no sentido de fixarmos população e respondermos ao desafio demográfico que o nosso país enfrente”, acrescentou.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Tétris com facturação de 25M€ no 1º semestre

Confirmando as projecções traçadas no arranque do ano, a Tétris faz um balanço positivo da actividade nos primeiros seis meses e prevê crescimento para a segunda metade de 2022

CONSTRUIR

(na imagem: Carlos Cardoso, Managing Director da Tétris)

No 1º semestre, a empresa de construção e design do grupo JLL teve um volume global de facturação de 25 milhões de euros, em linha com o registado em igual período de 2021. Ao que acresce “um forte pipeline de novos projectos já contratados”. Em conjunto os dois factores “sustentam as previsões de novo crescimento para a segunda metade do ano que, caso se confirmem, farão de 2022 um ano memorável”, refere a empresa.

Destes, cerca de 65% foram resultado dos projectos desenvolvidos para a área de Office, que somou à volta de 16,1 milhões de euros, destacando-se também o contributo das áreas de Hospitality e Retail, que, representam respectivamente, 14% (3,4 milhões de euros) e 11% (2,7 milhões de euros) dos resultados da empresa. Os restantes 9% foram fruto das linhas de serviço de Pós-Venda (5%), Furniture (3%) e Design (1%).

No 1º semestre a Tétris somou vários projectos na área de Hospitality à sua carteira, somando um total de 32 milhões de euros. Para além da obra do Six Senses Douro Valley, entretanto concluída e que contemplou a reabilitação das Villas da Vinha, a empresa tem em curso a renovação das zonas comuns do Intercontinental Lisboa Hotel e o Hotel dos Capuchos, para o fundo DHM. A área de retalho é uma das que deverá registar maior crescimento nos próximos meses, somando já neste momento, cerca de 2 a 3 milhões de euros em propostas.

“Os bons resultados do semestre vêm confirmar que 2022 será outro ano memorável para a nossa actividade, conforme prevíamos no arranque do ano. E, tendo em conta todo o trabalho actualmente em curso, assim como o forte volume de novos projectos que temos já confirmados, no 2º semestre a tendência não será diferente, o que é especialmente motivador no contexto de desafios conjunturais que enfrentamos a nível económico”, sustenta Carlos Cardoso, Managing Director da Tétris

Já Gonçalo Valente, Business Developer da Tétris e JLL, destaca que “a par com as competências técnicas da nossa equipa, nomeadamente a qualidade dos nossos serviços e a crescente aquisição de novos clientes, este crescimento é também beneficiado pela lógica integrada de prestação de serviços 360º que orienta a JLL, fazendo com que sejamos cada vez mais procurados por clientes que primeiro recorrem às soluções imobiliárias oferecidas no âmbito do grupo, e que depois nos escolhem para executar os seus projectos e obras. E o inverso é também uma realidade recorrente, já que muitos dos clientes que nos procuram pelo nosso track record acabam depois por escolher a JLL para os assessorar na sua estratégia imobiliária”.

Em 2021 a Tétris JLL estabeleceu um novo volume de negócios recorde, com uma facturação de 55 milhões de euros, num crescimento de quase 10% face ao ano anterior e gerando 57% do volume de negócios da JLL em Portugal.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Teixeira Duarte com lucros de 3,6M€ no primeiro semestre

As Vendas e Prestações de Serviços na Construção cresceram 87.615 milhares de euros, o que corresponde a um aumento de 57% face ao período homólogo de 2021

CONSTRUIR

A Teixeira Duarte totalizou 3,6 milhões de euros de lucro no primeiro semestre, valor que compara com um prejuízo de aproximadamente 18,6 milhões de euros apurado em igual período do ano anterior.

Segundo a informação remetida à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), neste período, o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) da empresa avançou 68,3% para 43 milhões de euros. Entre Janeiro e Junho, os rendimentos operacionais cresceram 38,3% para 429,4 milhões de euros.

Já os gastos operacionais ascenderam a 386,3 milhões de euros, traduzindo um aumento de 35,6%. Na primeira metade do ano, os resultados financeiros da empresa foram negativos em 7,6 milhões de euros, quando em igual período do ano passado tinham sido negativos em 18,3 milhões de euros.

As Vendas e Prestações de Serviços na Construção cresceram 87.615 milhares de euros, o que corresponde a um aumento de 57% face ao período homólogo de 2021, atingindo 241.255 milhares de euros. Em Portugal este indicador cresceu 57,6% face ao mesmo período do ano anterior, atingindo 108.395 milhares de euros nos primeiros seis meses de 2022. Os mercados externos, na sua globalidade, registaram um aumento de 56,6% face a Junho de 2021, o que corresponde a mais 48.006 milhares de euros, dos quais 15.617 milhares de euros resultam do crescimento da actividade no Brasil e de 40.313 milhares de euros da actividade no Kuwait.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

IPS constrói residências no Barreiro e Sines e amplia unidade em Setúbal

As candidaturas, apresentadas no âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, foram recentemente aprovadas e homologadas, tendo obtido o financiamento do PRR num montante de cerca de 9 M€

CONSTRUIR

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) vai avançar com “a ampliação e remodelação da residência de estudantes de Setúbal” e a “construção de duas novas, em Sines e no Barreiro”, passando a dispor de “um total de 476 camas”, avançou o jornal O Setubalense. O IPS prevê que as novas residências possam começar a ser ocupadas a partir de Dezembro de 2023.

De acordo com o IPS, “as candidaturas, apresentadas no âmbito do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior, foram recentemente aprovadas e homologadas pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, obtendo assim financiamento do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) num montante de cerca de 9 milhões de euros”.

Os três projectos correspondem a um reforço de “182 novas camas” ao nível da oferta de alojamento estudantil, o que permitirá “proporcionar uma melhor qualidade de vida aos estudantes deslocados e, por outro lado, dar resposta de alojamento temporário a alguns investigadores e docentes em mobilidade”, sublinha Ângela Lemos, presidente do IPS.

Em comunicado emitido pelo IPS, para a Residência de Estudantes de Santiago, em Setúbal, está prevista “a renovação do edifício existente e a sua ampliação”, sendo que a intervenção deverá estar concluída “até Fevereiro de 2025”. Este alojamento ganhará “85 camas adicionais”, aumentando a sua capacidade para um total de “379 vagas”.

No Barreiro, onde o IPS tem instalada a Escola Superior de Tecnologia, vai ser construída de raiz em terreno cedido pelo município uma área residencial “com capacidade para 50 camas”.

Em Sines será construída uma residência “que pretende servir os estudantes da nova Escola Superior a erigir no Alentejo Litoral”, para acolher 45 alunos. O terreno para a construção foi cedido pelo município siniense.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Sintra investe 10M€ em novo edifício municipal

O projecto para o novo edifício municipal resulta da reconversão da antiga Fábrica da Messa, em Mem Martins, representa um investimento de 10 M€ e deverá estar concluído em 2025

CONSTRUIR

A Câmara Municipal de Sintra apresentou o projecto para o novo edifício municipal da Messa, num investimento de mais de 10 milhões de euros e com prazo de conclusão previsto para o início de 2025.

O edifício existente no antigo complexo da Fábrica da Messa, numa zona central de Mem-Martins e confinante com actual o Centro de Saúde, está inserido num lote de 1,6 hectares e com área de construção aproximada de 5000m2, dividida em 3 pisos que poderá acolher 600 trabalhadores e possui, entre outras valências áreas pensadas para atendimento ao público, refeitório, arquivo, salas de formação, áreas de lazer e salas de reunião.

“A transformação deste espaço é pensada para um universo municipal vasto, com mais de 4000 trabalhadores. A pandemia veio ajudar a repensar as necessidades dos espaços de trabalho e a explorar novas metodologias de trabalho. Este projecto contempla uma série de valências e necessidades com que nos deparámos nos últimos dois anos, com o teletrabalho e as plataformas de trabalho colaborativo”, justificou Basílio Horta, presidente da autarquia.

De forma a albergar o programa estabelecido, é proposto a ampliação do actual edifício, agora em estado devoluto, em 4500m2. A abordagem arquitectónica teve em conta a envolvente edificada e as funcionalidades pensadas para o edifício. Este novo edifício municipal foi pensado para facilitar o trabalho colaborativo (cowork) entre equipas e serviços, salas tecnologicamente dotadas de equipamentos facilitadores da comunicação e interacção entre serviços, facilitando reformulação de procedimentos, no sentido da sua simplificação, agilização e celeridade em resposta ao cidadão.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos
Construção

Obras de construção da nova Secundária de Cascais arrancam em 2023

Com a construção da nova escola, o Município de Cascais assume, assim, o objectivo de modernização da infraestrutura e equipamentos da Escola Secundária, que vai poder acolher um maior número de alunos e dispor de melhores serviços

Ricardo Batista

Está em marcha o concurso público, promovido pela Câmara de Cascais, com vista à construção da nova escola secundária, um procedimento avaliado em 24,5 milhões de euros que vai, desde logo, dar uma solução definitiva às antigas instalações, provisórias há mais de 40 anos.

Eu reunião de câmara, o executivo liderado por Carlos Carreiras assegura que este será “um passo importante”, mas ressalvando que “após este passo ainda muitos outros virão”. Apesar de ter as instalações muito deterioradas, “é a escola pública do concelho melhor valorizada nos rankings nacionais”, garantem os responsáveis autárquicos.

Para atingir este objectivo e na sequência de um programa preliminar elaborado em estreita articulação entre a Câmara Municipal de Cascais e a Comunidade Educativa que, como refere o presidente da autarquia, “foi essencial ser o mais participativo possível, ou seja, neste caso, em concreto, ouvindo a comunidade escolar, desde professores aos alunos, aos pais em sessões de esclarecimento”, nas quais estiveram presentes “os próprios técnicos e a comunidade escolar para manifestarem as suas sensibilidades”.

Com a construção da nova escola, o Município de Cascais assume, assim, o objectivo de modernização da infraestrutura e equipamentos da Escola Secundária, que vai poder acolher um maior número de alunos e dispor de melhores serviços, permitindo a esta comunidade escolar usufruir de um programa educativo contemporâneo com as respectivas valências.

Se tudo correr como previsto, a obra iniciar-se-á no final do primeiro trimestre 2023, em simultâneo com as actividades lectivas, e decorrerão dois anos até que o edifício escolar esteja concluído (primeira fase). Seguir-se-á uma segunda-fase com cerca de ano e meio de duração, para demolição da escola existente, construção do pavilhão desportivo e arranjos exteriores que englobam o pinhal adjacente, o qual ficará disponível para usufruto da população.
Esta operação de requalificação decorre em paralelo com o processo de recuperação de outras escolas: Fernando Lopes Graça, Parede, S. João do Estoril e Ibn Mucana, Alcabideche.

Projecto de Matos Gameiro
O concurso agora lançado vai materializar um projecto assinado pelo arquitecto Matos Gameiro e Bugio II, que ganharam, em 2019, o concurso de ideias promovido pelo município.

O júri que avaliou as propostas destacou a “grande coerência tipológica e morfológica, apresentando uma clara separação dos núcleos funcionais, mantendo uma forte e eficaz ligação entre a totalidade os espaços”. O Júri acrescenta ainda que “a aparente simplicidade da proposta – baseada num pátio central, com galerias exteriores em torno deste, através das quais se acede às salas de aulas nos pisos superiores – é enriquecida pela disposição dos volumes no piso térreo onde se instalam as áreas comuns”.

De acordo com o projectista, a estratégia de projecto funda-se na criação de um páteo que se constitui como o centro da escola – um espaço quadrangular de 60x60m, definido por um corpo elevado de dois pisos que revela e enfatiza um conjunto arborizado que, em boa verdade, já existe e aqui se salvaguarda. Este conjunto de plátanos, emoludurado, é assim reinventado, ganhando uma nova e muito intensa vivência, possibilitando a sombra e o resguardo e dando enquadramento ao páteo.
Por outro lado, as copas frondosas contribuirão para a vibrante reflexão de luz indirecta nas salas, suscitando um ambiente plácido e vívo, favoráveis a uma atmosfera colhedora a tranquilizante.

E se o páteo se funda como o novo centro da escola, originando a principal área de recreio e de distribuição do edifício, também o facto de poder facilmente abrir-se à comunidade contribui para que a escola, no seu conjunto, se constitua como a nova centralidade urbana desta área. Pela natureza própria do desenho do edifício e pela permeabilidade que dele resulta, o páteo central poderá converter-se numa praça do bairro, assim a circunstância o suscite. Nessas ocasiões todo o páteo poderá comunicar com as ruas adjacentes, gerando um amplo espaço público e aproximando a escola e as suas actividades da vida da comunidade.
Quando assim ocorrer, o carácter introspectivo do páteo e o seu desenho garantirão, ainda assim, a privacidade e a autonomia dos espaços de ensino, com assinaláveis vantagens para a gestão do edifício e controle de segurança.

Sobre o autorRicardo Batista

Ricardo Batista

Director Editorial
Mais artigos
Construção

Autarquia de Arcos de Valdevez investe 1,5M€ na recuperação de vias municipais

Através destas intervenções serão realizados trabalhos de renovação de pavimentos betuminosos, requalificação e correção de traçados, beneficiação de bermas e sobrelarguras em diversos troços de vias municipais

CONSTRUIR

A Câmara Municipal adjudicou e tem a concurso obras de reabilitação, construção e beneficiação de vias municipais nas freguesias do Couto, Ázere, Vale, Extremo, Santar, Aboim das Choças, Parada, Guilhadeses, Aguiã e Gondoriz. São quatro blocos de obras no valor de cerca de 1,5 milhões de euros.

Fazem parte destas obras intervenções em estradas municipais como na EM 202, de Guilhadeses/Tabaçô até ao Parque Empresarial de Mogueiras; na EM 202-2 entre Ázere e Couto; na ligação municipal entre a EN 101 na Prova (Paçô) e a EN 202 em Guilhadeses/Tabaçô; na nova ligação entre a EN 101 (Aguiã) e o pontão de Pogido (Gondoriz), bem como na ligação em Ázere, entre a EM 202-2 e a EN 202 (estrada que liga a Soajo).

Através destas intervenções serão realizados trabalhos de renovação de pavimentos betuminosos, requalificação e correção de traçados, beneficiação de bermas e sobrelarguras em diversos troços de vias municipais, a fim de garantir vias rodoviárias locais condicentes com as necessidades atuais das populações, em condições de comodidade e segurança.

Sobre o autorCONSTRUIR

CONSTRUIR

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 CONSTRUIR. Todos os direitos reservados.